A Logica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Itinerário de leituras on-line
>>> Sobre caramujos e Omolu
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Comum como uma tela perfeita
>>> Revista Meio Digital
>>> Do jornalismo como performance
>>> A Nova Revista da Cultura
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> A Teoria Hipodérmica da Mídia
>>> Os prédios mais feios de SP
Mais Recentes
>>> A Igreja de Jesus - Juniores de John D. Barnett pela Cristã Evangélica (2005)
>>> Dicionário Oxford Escolar Para Estudantes Brasileiros de Inglês de Oxford University pela Oxford (2009)
>>> Breve história de sete assassinatos de Marlon James pela Intrínseca (2017)
>>> Carmen Portinho - Coleção Perfis do Rio de Ana Luiz Nobre pela Relume Dumará (1999)
>>> Relações Humanas Interpessoais nas Convivências Grupais e Comunitárias de Silvino José Fritzen pela Vozes (1987)
>>> Perdas Necessárias de Judith Viorst pela Melhoramentos (1988)
>>> Acima de Qualquer Suspeita - Presumed Innocent de Scott Turow pela Record (1987)
>>> Para Gostar de Ler 27 - Histórias Sobre Ética de La Fontaine Machado de Assis e Outros pela Ática (2003)
>>> Dia dos Mortos de Marcelo Ferroni pela Globo (2004)
>>> Kota de Richar Forsithe pela Nova Cultural (1989)
>>> O que é Arte? A polemica visão do Autor de Guerra e Paz de Tolstoi pela Ediouro (2002)
>>> As Cinco Estações do Corpo de João Curvo e Walter Ms. Tuche pela Rocco (2001)
>>> Valsa Negra de Patrícia Melo pela Companhia das Letras (2003)
>>> Um Fio de Esperança de Nancy Guthrie pela Mundo Cristão (2008)
>>> Oblomov de Ivan Alexandrovitch Gotcharov pela Germinal (2001)
>>> O Apanhador no campo de centeio de Jorio Dauster; Antonio Rocha; Alvaro Alencar pela Do Autor (2012)
>>> Auto-sentimento de Norberto R. Keppe pela Proton (1977)
>>> A Nova Dieta Revolucionária do Dr. Atkins de Roberto Atkins pela Círculo do Livro (1972)
>>> Fé e Liberdade - O Pensamento Eco. da Escolástica de Alejandro A. Chafuen pela Lvm (2019)
>>> Serenidade e Paz pela Oração de Rafael Llano Cifuentes pela Do Autor (2002)
>>> Trilogia de Cinquenta tons de cinza. Vol.1 , Vol. 2 e Vol. 3 de E L James; E L James; Maria Carmelita Padua Dias pela Intrinseca (2012)
>>> Quando Tudo Não é o Bastante de Harold S. Kushner pela Nobel (1999)
>>> Febre de Enxofre de Bruno Ribeiro pela Penalux (2016)
>>> Grandes e novas Invenções de Não informado pela Knorr
>>> No Início - Contos de Adriana Griner pela Biblioteca Pública do Paraná (2014)
>>> Parâmetros Curriculares Nacionais - Vol 6 de Não informado pela Arte (1997)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Rocco (1988)
>>> Namoro blindado: O Seu Relacionamento à Prova De Coração Parido EAN: 9788578607654 de Renato & Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson (2016)
>>> Navegar é preciso de Anaína Amado; Ledonias Franco Garcia pela Atual Didáticos (1989)
>>> Conte-me seus sonhos de Sidney Sheldon pela Record (2000)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Globo/Klick (1997)
>>> O poder das afirmações positivas - Coleção Autoestima EAN: 9788575421680 de Louise Hay pela Sextante (2005)
>>> As Melhores Histórias de Princesas de Monica Rodrigues da Costa e Lidia Chaib Adaptação pela Publifolha (2000)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 24. Crônicas 3º Volume (1871 - 1878) de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 23. Crônicas 2º Volume (1864 - 1867) de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> A Viola Enluarada De Zequinha Piriri EAN: 9788526231771 de Rosana Rios pela Scipione (1997)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 22. Crônicas 1º Volume (1859 - 1863) de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 21. Contos Fluminenses II de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 20. Contos Fluminenses I de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 19. Teatro de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 18. Poesias de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 17. Relíquias Da Casa Velha 2º Volume de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 16. Relíquias Da Casa Velha 1º Volume de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 15. Páginas Recolhidas de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> O melhor de Hagar o horrível – vol. 3: 441 EAN: 9788525412195 de Dik Browne pela L&PM Pocket (2007)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 14. Várias Histórias de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Dicionário Ilustrado da Língua Portuguesa 7 volumes de Antenor Nascentes pela Bloch (1972)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 13. Histórias sem Datas de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 12. Papeis avulsos de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 11. Histórias Românticas de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2009

Sexta-feira, 4/12/2009
A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
Julio Daio Borges

+ de 15100 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Black Swann by Carolincik

* A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb, pela editora Best Seller, ficou mais conhecido por, de uma certa maneira, "prever" a crise do subprime no ano passado. Junto com Nouriel Roubini, o "Dr. Doom", Taleb era um dos que melhor descreviam o cenário apocalíptico em que o mundo mergulhara, oficialmente, a partir de 15 de setembro de 2008. Não sei se fui ler o livro com essa expectativa, mas é bem provável. Na realidade, uma coluna da professora Eliana Cardoso, no Valor - com quem eu me encontrara pessoalmente, por outros motivos -, justamente, indicava que não se tratava de um best-seller oportunista, tentando "fisgar" incautos. E duas coisas me chamaram logo a atenção na contracapa. Primeiro, obviamente, o elogio de Chris "Free" Anderson - que não era nada econômico e classificava Cisne Negro como "uma obra-prima". Também uma citação tirada do próprio texto, contando a história da descoberta dos primeiros cisnes negros na Austrália. Como, na Antiguidade, não se conhecia o continente australiano, havia a certeza de que todos os cisnes eram brancos. Bastou um único cisne negro - no dizer do Taleb - para que milhares de anos de crença, em cisnes exclusivamente brancos, viessem abaixo. Outros "cisnes negros" - na orelha do livro - que me convenceram a lê-lo de imediato: o 11 de Setembro e, claro, o Google.

* Antes de entrar no tema propriamente dito, gostaria de tecer algumas considerações gerais sobre o livro, que está longe de ser técnico, escrito no chamado "economês", ou tido como hermético pelos não versados em ciências exatas. De certa forma, me identifiquei com Nassim Nicholas Taleb porque ele trabalhou no "mercado", mais precisamente em Wall Street, mas conserva um interesse raro por ciências humanas, mais especificamente filosofia, algo difícil de se encontrar em "especialistas" nessa área (ainda que ele deteste a palavra). Eu igualmente trabalhei em bancos, cultivei um gosto por humanidades, apesar da minha formação em engenharia, e, ultimamente, volto a me sentir atraído por ciências econômicas (um dia explico isso aqui). Fora essa "coincidência", digamos assim, Cisne Negro pode ser lido como uma longa conversa, pois, embora seu autor tenha um conceito a apresentar, e a "provar", o livro é, por falta de melhor termo, "circular", recheado de passagens autobiográficas e opiniões bastante pessoais. (Senti identificação, novamente, porque escrever um "tratado" é uma ambição que, às vezes, nutrimos, mas evitar a primeira pessoa, e as "páginas da vida", soa quase desumano no mundo de hoje.)

* O "cisne negro", em uma das muitas definições de Taleb, é um outlier ou, em bom português, um "ponto fora da curva". É um acontecimento, ou uma ocorrência, de extrema raridade, que provoca um impacto violento e para o qual, posteriormente, tendemos a olhar "em retrospecto". Como os atentados de 11 de Setembro ou a ascensão do Google, ou mesmo a criação da internet, os cisnes negros não podem ser previstos, e grande parte de seu impacto reside nisso. Contudo, passado algum tempo, naturalmente construímos explicações que, refazendo as pegadas da História, nos conduzem inevitavelmente a eles. Ou seja: olhando em retrospecto, chegamos a culpar o governo George W. Bush, ou a CIA, ou o FBI, por não haver previsto, e evitado, a queda das torres gêmeas do World Trade Center, mas, naquela época, talvez não houvesse elementos suficientes para que pessoas, ou instituições, agissem nesse sentido. Do mesmo modo, o Google, e a internet, e o iPod, hoje, fazem todo o sentido, mas não eram assim tão óbvios quando apareceram, por isso transformaram tanto nossas vidas, e continuaram nos "impactando" como poucas coisas no nosso dia a dia.

* A importância dos cisnes negros, portanto, fica mais ou menos evidenciada, mas vai muito além. Para Taleb, os cisnes negros "explicam" quase tudo que existe à nossa volta. Eu acrescentaria que são como grandes "pontos de inflexão", que, a exemplo de uma grande descoberta, uma grande personalidade ou um grande movimento, dão outro rumo à História. E Taleb estende o conceito à nossa vida pessoal... Segundo ele, basta olharmos, novamente, em retrospecto e pensar no que motivou a escolha da nossa profissão ou da nossa ocupação atual; a escolha de nossos parceiros; a eleição de nossos colegas de trabalho; nossas mudanças de casa, de cidade ou de país; ou os revezes que sofremos, as decepções ou traições; o nosso súbito enriquecimento ou empobrecimento. São todos cisnes negros. Mudaram o rumo de nossa existência, sem que conseguíssemos prever, impactando-nos definitivamente e nos fazendo construir narrativas que dessem conta do ocorrido.

* Taleb afirma que a natureza humana não foi preparada para assimilar cisnes negros. A fim de que um acontecimento, para nós, faça sentido, tendemos a "forçar uma ligação lógica", como ele diz, para amarrar fatos, através de "flechas de relacionamento" - pois é mais fácil, para nós, lembrar de uma sequência de eventos, logicamente encadeados, do que armazenar ocorrências aparentemente díspares. Assim, por exemplo, são construídos os mitos - que nada mais são que "histórias" que ordenam, e trazem sentido, ao "caos da experiência humana". De acordo com Taleb, o ser humano tem uma "fome por regras". E também uma certa predileção por "histórias compactas" sobre "verdades nuas e cruas". Não espanta a moda dos "romances edificantes", as anedotas contendo lições de moral ou até os cases dos livros de autoajuda. Desde os Evangelhos até os bancos escolares, somos "ensinados" com histórias, exemplos e até contraexemplos.



* O perigo disso tudo é cair no que Taleb chama de "falácia narrativa". Que os cisnes negros são importantes, neste ponto, todos já sabemos - mas se insistirmos na simplificação retrospectiva nunca aprenderemos a tirar proveito deles (sim, Nassim Nicholas Taleb acredita que isso é possível). O cisne negro, segundo outra de suas definições, é justamente o que escapa a toda simplificação. O contrário das famosas "curvas em forma de sino", as gaussianas, ou, em inglês, as bell curves. Afinal, essas "ignoram os grandes desvios"; em vez de lidar com cisnes negros, preferem evitá-los de todo; e, pior de tudo, passam a seus cultores a ilusão de poder "domar as incertezas". Taleb acredita que o número de cisnes negros só vem aumentando desde a revolução industrial, quando o mundo começou a se "complicar". Numa sociedade cada vez mais complexa, como é a nossa da globalização, as ocorrências de cisnes negros são cada mais frequentes - logo, a melhor alternativa não é fugir deles, mas, sim, encará-los de frente.

* Para se adaptar melhor à vida moderna, periodicamente redefinida por cisnes negros, Taleb recomenda o que denomina "prática da incerteza". Começa em tom de galhofa, mas encerra com um fundo de verdade: pirataria, especulação com commodities, jogar profissionalmente, trabalhar para a máfia ou, simplesmente, realizar empreendimentos em série. Taleb divide o mundo entre "Mediocristão" e "Extremistão" - não soam bem em português, talvez pudessem ser melhor traduzidos, mas, basicamente, designam os nomes de dois "países" distintos. A maioria das pessoas prefere viver no Mediocristão: onde vigora a tirania do coletivo, do rotineiro, do óbvio e, sobretudo, do previsível. Já uma minoria escolhe viver no Extremistão: onde reinam o singular, o acidental, o inaudito e, por oposição, o imprevisível. Agora, tente adivinhar em qual dos dois "países" se está melhor equipado para encarar um "cisne negro"? Acontece que viver no Extremistão requer uma resistência pessoal e intelectual, evidentemente, fora do comum. É a "terra" dos grandes artistas, dos grandes descobridores e dos grandes empreendedores. Afinal de contas, para quem empreende de verdade, de pouca serventia é o "planejamento estruturado", valendo mais o "máximo de experimentação" e um ótimo faro para "detectar oportunidades".

* Nassim Nicholas Taleb tem uma certa prevenção contra escolas, em todos os níveis, embora tenha mestrado por Wharton e doutorado pela Universidade de Paris. As escolas, boas ou más, foram criadas para estimular o pensamento, o raciocínio, o esforço intelectual, a resposta mais lógica, porém mais lenta, porque sequencial, e progressiva. Para viver no Extremistão - e consequentemente tirar proveito de cisnes negros -, é preciso, no entanto, estimular a experiência, o ato reflexo, porém mais rápido, o "raciocínio que corre em paralelo", sem que possamos muitas vezes concebê-lo, e mesmo os erros, e, sobretudo, a intuição. Nesse ponto, Taleb se aproxima de Nietzsche, que se rebelava contra o "racionalismo" de Platão. "Racionalizar" nossas experiências pode ser, conceitualmente, muito bonito, mas, sempre que fazemos isso, alguma coisa do fluxo da vida nos escapa. Por isso, Nietzsche exigia a reabilitação de Dionisio (contrastando com Apolo), a reintegração do homem à natureza (contrastando com a civilização) e o amor ao próprio destino (contrastando com a religião). Não conseguiu reverter séculos de filosofia ocidental, mas Taleb, conscientemente ou não, segue pelo mesmo caminho.

* A crise de 2008 foi, efetivamente, um cisne negro, porque pegou desprevenidas as economias de quase todo o mundo desenvolvido. Embora, olhando para trás, houvesse sinais claros de que a bomba do subprime iria explodir, os prejuízos foram retumbantes, e a Europa e os Estados Unidos pagam, até hoje, pelo ocorrido. Por mais incrível que possa parecer, o Brasil, com seu histórico de crises próprias, e de sofrer com "cisnes negros" de outros países, como mais recentemente do México (1994), da Ásia (1997), da Rússia (1998) e da Argentina (2001), foi o último país a entrar e o primeiro a sair da crise do subprime de 2008 (para quem duvida, a indefectível revista Economist confirma). Esse exemplo do Brasil, naturalmente, não consta do livro de Nassim Nicholas Taleb (afinal ele foi originalmente publicado em 2007). Ainda assim, ele mostra uma aplicação prática do conceito de Cisne Negro - que, como vimos, pode servir tanto à História, com "H" maiúsculo, quanto aos fatos mais importantes de nossas vidas. Esse livro foi, decerto, um dos melhores que li neste ano, embora não tenha sido em todos momentos "fácil" e nem "fluído"... E no final dele, se ainda restava alguma dúvida sobre a ideia de Taleb, ele proclamaria cheio de razão: "Lembre-se de que você mesmo é um cisne negro, leitor!".

Para ir além






Julio Daio Borges
São Paulo, 4/12/2009


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2009
01. A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb - 4/12/2009
02. Lendo Dom Quixote - 2/10/2009
03. Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana - 5/6/2009
04. Verdades e mentiras sobre o fim dos jornais - 29/5/2009
05. O Free, de Chris Anderson - 16/10/2009


Mais Especial Melhores de 2009
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/12/2009
19h51min
A ideia de "cisne negros" de Taleb é bastante semelhante ao conceito de Real presente nas elaborações do Lacan tardio. Para o psicanalista, o Real se manifesta como o estranho, o imprevísivel, aquilo que faz vacilar a consistência de nossa "realidade", organizada a partir fundamentalmente dos eixos simbólico e imaginário. A perspectiva lacaniana é tão parecida com as postulações de Taleb que, assim como o autor do livro indica que o número de cisnes negros vem aumentando desde a revolução industrial, Lacan entende que nosso presente e futuro sofrerão assaltos do Real como nunca antes foram vistos. Numa entrevista na década de 70 perguntaram ao psicanalista se a religião acabaria: Lacan, placidamente, respondeu que não; pois se uma das funções da religião é dar sentido ao fluxo da vida, ela triunfará mais do que nunca em função das incidências constantes do Real.
[Leia outros Comentários de Lucas Nápoli]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ÉROS A GUERRA PELO TRONO
RALPH WILLIANS
NOVO SÉCULO
(2014)
R$ 10,00



QUEM MANDA EM MIM SOU EU
FANNY ABRAMOVICH
ATUAL
(1989)
R$ 10,00



POLÍTICA CIENTÍFICA - 2698
HEITOR G. DE SOUZA/ DARCY F. DE AMEIDA/ CARLOS ...
PERSPECTIVA
(1972)
R$ 10,00



MANUAL COMPACTO DE FÍSICA - TEORIA E PRÁTICA
ALESSANDRA BOSQUILLA E MÁRCIO PELEGRINI
RIDEEL
(2003)
R$ 10,00



LA CHATTE - 8572
COLETTE
LE LIVRE DE POCHE
(2004)
R$ 10,00



FENG SHUI PRÁTICO E RÁPIDO
HELEN SPALTER; ROSANE STREICHER
MADRAS
(1998)
R$ 10,00



O FILÓSOFO + O IMPERADOR - 9535
ANNABEL LYON
LEYA
(2010)
R$ 10,00



EROS E PSIQUE A ALMA APAIXONADA
CARLOS ALBERTO DE CARVALHO
AO LIVRO TÉCNICO
(2002)
R$ 10,00



PRANTO POR IGNACIO SÁNCHES MEJÍAS - EDIÇÃO BILINGUE (POESIA ESPANHOLA)
FEDERICO GARCÍA LORCA
FLUMEN
(2016)
R$ 10,00



A INFORMAÇÃO NO RÁDIO. OS GRUPOS DE PODER E DETERMINAÇÃO DOS CONTEÚDOS
GISELA SWWTLANA ORTRIWANO
SUMMUS EDITORIAL
(1985)
R$ 10,00





busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês