Fragmentação e linearidade em Benjamim | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Local, Global de Heloisa Buarque de Almeida pela Berlendis & Vertecch (2013)
>>> A Ordem Negra de James Rollins pela Ediouro (2007)
>>> Geometria Analítica Plana de Steinbruch Basso pela Makron Books (1991)
>>> Plano de Negócios de Egoy Walter Wildauer pela Intersaberes (2012)
>>> A Rendeira Borralheira de Socorro Acioli; Alexandre Camanho pela Positivo Livros (2009)
>>> How to Launch a Brazilian Depositary Receipts (bdrs) Program de Vários Autores pela Pwc
>>> Amanhã é outro dia de J.m. Simmel pela Nova Fronteira (1978)
>>> Tempo Bom, Tempo Ruim de Jean Wyllys pela Paralela (2014)
>>> O Fantasma de Canterville de Oscar Wide pela Scpione (2006)
>>> não vi enão gastei - O fenômeno do Prenconceito de Renato da Siva Queiroz pela Moderna (1997)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2016)
>>> Giocondo Dias - a Vida de Revolucionario de João Falçãqo pela Agir (1993)
>>> Passenger to Frankfurt de Agatha Christie pela Harpercollins Uk (2017)
>>> Por Que Sonhei Com Isso? de Evelyn Kay Massaro; Lauri Quinn Lowenberg pela Best Seller (2017)
>>> Born Montoneros - 9 Meses En las Entranãs de Montoneros de María Odonnell pela Sudamericana (2015)
>>> Mesa para Dois de Nora Roberts pela Harlequin Books Br (2007)
>>> Controle o Estresse de Augusto Cury pela Gold
>>> Schwert, Das de Daniel Easterman pela Aufbau Tb (2009)
>>> English in Formation 3rd Edition 8 Teacher Book de Wilson Liberato pela Standfor (2016)
>>> Metade de uma Rosa de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2007)
>>> Alarde Poético de Vários pela Não consta (2006)
>>> Perfume Derramado de Denise Seixas pela Bolabooks (2016)
>>> Evangelho Eterno e Orações Prodigiosas de Osvaldo Polidoro pela Do Autor (2009)
>>> Nao Pergunte Se Ele Estudou de Renato Alves pela Humano (2011)
>>> Habermas e a Dialética de David Igram pela Edunb (1993)
COLUNAS

Segunda-feira, 24/5/2004
Fragmentação e linearidade em Benjamim
Lucas Rodrigues Pires

+ de 6100 Acessos

A literatura de Chico Buarque é um risco tremendo para aqueles que a queiram levar aos cinemas. Senhor de um estilo único em uma prosa marcada pela fragmentação da narrativa unida a situações nada usuais, paradoxalmente, seus romances estão todos indo diretamente parar nas telas de cinema. Primeiro foi Estorvo pelas mãos de Ruy Guerra. Agora chegou Benjamim, adaptado por Monique Gardenberg.

Benjamim é um filme de ritmo linear dentro de uma narrativa fragmentada. Não apresenta surpresas, suspenses, oscilações de emoções ou imagens. Ele se mostra reto, sem alternar bons e maus momentos. Talvez por isso ele exerça um efeito retardado no espectador. Você sai da exibição e não sabe dizer concretamente o que achou, pois nada te chamou muito a atenção. Mas, depois, com calma, suas imagens vão se assentando e um “Benjamin ressuscitado” entoa suas qualidades.

Como dito anteriormente, adaptar Chico Buarque é um risco extremo. Primeiro, porque sua literatura tem um viés kafkiano e surreal, portanto, antinaturalista (lembremos que o cinema convencional é uma representação naturalista, realista, apesar de grandes diretores trabalharem no campo da figurativização, no campo do alegórico). Segundo: como levar Chico dignamente ao cinema depois de Ruy Guerra ter adaptado magistralmente Estorvo (muitos dizem que o filme é melhor que o livro) sem cair na “cópia” (a não originalidade) ou na mudança brusca e sem razão, que o distanciaria do universo do autor?

Monique Gardenberg bancou o risco. O resultado fugiu do experimentalismo subjetivo que foi Estorvo para se prender e ressaltar a narrativa fragmentária de Benjamim. Se no primeiro a narrativa era afetada pela mente dilacerada do personagem, em Benjamin ela recupera o fluxo de consciência (e pensamento) do personagem-título (vivido por Paulo José), sua memória e suas obsessões para dar unidade à história.

Benjamim, ator em decadência nos anos 90, vive com a culpa pela morte de sua antiga namorada nos anos 60, Castrana Beatriz, assassinada pela ditadura devido a um erro seu. Quando, num instante num bar, ele vê a bela Ariela Masé, tem a certeza que esta é a filha desaparecida daquela e vai buscar, assim, uma forma de redenção para suas culpas. Tal cena é lírica e tem um tom de nostalgia porque vemos Benjamin a observar o cigarro e a boca de Ariela e não ela em si. O cigarro manchado de batom no banheiro masculino será o desencadeador do flash-back do filme, do resgate da memória de Benjamim e o início de sua morte, já anunciada na cena de abertura. Essa hibridização entre memória, fantasia e realidade dá a tonalidade da obra.

A trama está dividida em três tempos, distintos pela fotografia (não por acaso, feita por Marcelo Durst, o mesmo fotógrafo de Estorvo): o tempo da juventude, anos 60, de luta e perseguição política, retratado como memória, recebe tratamento diferenciado, numa fotografia mais colorida, voltada ao rosa, que lembra uma atmosfera onírica. Além deste, há o tempo intermediário, nem o passado juvenil, nem o presente da narrativa. Esse tempo, na verdade, restringe-se a Ariela e sua trajetória de vida, como conheceu o marido e começou a trabalhar na imobiliária do tio deste. Essa história é necessária porque nela estão relacionadas as explicações que a trama exige para a compreensão do tempo presente.

Essas oscilações temporais refletem bem o livro de Chico Buarque. Sem elas, livro nem filme teriam a força que têm, pois é a montagem mental do espectador que gera o impacto e não o contrário. Assim, quem assiste ao filme tem a sensação de ter montado o quebra-cabeça, ter decifrado a fragmentação da forma proposta. E, para quem vê, isso é gratificante. Tal proposta de imbricação temporal é uma das formas em voga hoje e que exprime a crise que vive a narrativa clássica tradicional. Nesse sentido, Chico Buarque é um autor da crise da modernidade, e o cinema derivado dele também. Mas se Chico aponta para essa crise das formas narrativas literárias, tal fator serve também para reforçar a crise subjetiva do homem, interna ao personagem, a ponto de proclamar segundos antes da morte que “este é o dia mais feliz de minha vida”.

Por outro lado, de tanto ir e vir, o filme acaba por ter alguns momentos mortos, que poderiam ter sido cortados ou minimizados. Momento alongado além do necessário, por exemplo, é o de Benjamim a relembrar Castrana pelas fotos publicitárias que fizeram quando jovens. Um plano único que busca explorar a angústia da culpa e da saudade pela expressão de Paulo José e pela música “Ne Me Quitte Pas”, imortalizada no cinema por Almodóvar. A cena se estende ao compasso da música, só tendo um fim quando finda esta.

As imagens de Gardenberg demonstram certa preocupação estética. Primeiros planos não são freqüentes, privilegiando os travellings verticais e os plongeés. Além disso, a fixação da câmera pelo corpo de Ariela Masé (Cléo Pires, o grande achado do filme) imprime a sensação de voyeurismo. A câmera parece lamber o corpo dela, sempre buscando as partes descobertas pelas roupas - um decote, parte das coxas bem torneados e morenas etc. A beleza da moça é o fator gerador do conflito e o conseqüente clímax da obra. Consciente disso, o espectador vive uma relação próxima com ela, quase carnal, que relembra sempre que a mulher é prazer mas também perdição (não no sentido machista da coisa). É assim para todos aqueles que se relacionam com Ariela, mesmo para o pacato Benjamim Zambraia.

Paulo José foi outra escolha feliz. Um personagem decadente, ingênuo em certo ponto, combina com o jeito passivo do ator. Benjamim tem um toque quixotesco, tal qual Policarpo Quaresma, personagem da literatura de Lima Barreto também representado por ele nos cinemas.

Num primeiro momento, Benjamim parece tropeçar num atropelamento de tempos e turbilhão de fatos, típicos de Chico Buarque. Mas, posteriormente, assentada a fumaça, sente-se sua força e se enxerga uma obra madura, com alguns equívocos sim, mas também com escolhas adequadas. Monique Gardenberg superou o risco.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 24/5/2004


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Esboços de Sermões
Luis Roberto Silvado
A. D Santos
(2012)



Outras do Analista de Bagé
Luis Fernando Veríssimo
L pm
(2022)



Boas Maneiras e Sucesso nos Negócios
Celia Ribeiro
L&pm
(1993)



O Perito
Robert Finn
Publicações Europa-américa
(2009)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 155
Pini
Pini



O Estudante
Adelaide Carraro
Global
(2001)



Comunicacao Modernizacao e Difusao de Inovacoes no Brasil
Jose Marques de Melo
Vozes
(1978)



Inteligência - Perspectivas Teóricas
Leandro S. Almeida, Aristides Ferreira
Almedina
(2009)



Wireless Java With J2me - Sams Teach Yourself - in 21 Days.
Michael Morrison
Sams



Historias da Vo Cotinha Vivencias e Virtudes
Lucia Nobrega
Rideel
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês