Cazuza e o retrato do artista quando jovem | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 5/7/2004
Cazuza e o retrato do artista quando jovem
Lucas Rodrigues Pires

+ de 10000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Sob maciça campanha de marketing da TV Globo estreou Cazuza - O Tempo Não Pára, dirigido por Sandra Werneck (de Amores Possíveis) e Walter Carvalho (mais conhecido como diretor de fotografia, mas já experiente em direção como co-diretor do documentário Janela da Alma). O filme é baseado no livro de Lucinha Araújo, mãe do músico, Só as Mães São Felizes, e em depoimentos recolhidos pela produção com pessoas do convívio do cantor e compositor morto em 1990 de Aids. Ao corte final de Cazuza, tem-se uma obra que exibe um artista rebelde, em certo ponto mimado, nascido para a transgressão, apesar de não-nociva à sociedade, em que seu lema parece ser o carpe diem, aproveite o dia. Cazuza foi até morrer um bon vivant, amante das drogas, do sexo casual e homossexual, mas, acima de tudo, da música. Sua música era seu alvo maior, todo o resto parece ser apenas parte integrante desse todo que foram suas composições, desde o tempo do Barão Vermelho até as letras solo.

Se um filme sobre um artista é quase sempre feito para mitificá-lo ou, pelo menos, manter sua aura de artista, Cazuza consegue algo paradoxal: ele introduz a figura de Cazuza como um porra-louca (lembremos que a ordem está dentro da desordem), mesmo quando doente e às vésperas da morte, sem se apegar a artifícios próprios da mitificação fácil. Cazuza era maconheiro, homossexual, desobediente e indisciplinado - isso tudo está nas telas -, mas, ao mesmo tempo, era um cara sensível, romântico, desamparado - e isso está apenas em suas canções.

Dentro de Cazuza - O Tempo Não Pára, temos esses dois Cazuzas unidos pela linguagem visual e pela linguagem sonora. Da interpretação do personagem e sua personalidade sedutora e rebelde acompanhamos o som de suas músicas, no início mais agitadas devido ao diálogo com o rock'n'roll, mas depois mais líricas, carregadas de melodias e sentimentos. Nesse retrato dúbio do personagem está a grandiosidade desse filme, saber costurar tão bem vida e obra, fechando um ciclo que no fundo é o que se pode absorver do artista.

O filme começa com uma seqüência muito representativa. Temos Cazuza caminhando em direção a uma casa com andar descolado, cabelo desarrumado e óculos de sol redondinho. Dirige-se à casa que seria de um dos membros de uma banda. Ele entra, logo pega um baseado, o microfone e se põe a cantar. Estava formado o Barão Vermelho. Eis o mote de Cazuza no filme: tudo com ele seria assim, feito e realizado com intensidade, na intempestividade do momento. A gravação com o Barão, o primeiro romance homossexual, as brigas com os pais, a rápida passagem pela prisão por excessos da juventude etc..

O que mais impressiona em Cazuza - e disso dependia a qualidade final do filme - é a atuação de Daniel de Oliveira. O ator canta, dubla, se relaciona, se entrega por inteiro ao retrato do artista que propõem fazer os diretores. Ele, Cazuza, domina amplamente a tela e essa obsessão pelo cantor reflete, talvez, o seu lado mais egocêntrico. Claro que são conjecturas dizer que ele era egocêntrico ou qualquer outra coisa, mas, pelo que se vê no filme, Cazuza era ele e nada mais. Cazuza, para Cazuza, se bastava. Era um auto-suficiente ou, no jargão da biologia, um ser autótrofo. É a impressão que fica quando temos sua saída do Barão Vermelho, mesmo sob pedidos ostensivos de Frejat, a relação de independência perante os pais permissivos, principalmente a mãe, e seus romances homossexuais sem apego emocional.

Certamente que dentro da porra-louquice do cantor e compositor houve espaço para o drama da sua luta contra a Aids. E é aqui que o filme perde em ritmo, mas ganha em emoção, pois entra em cena a participação não apenas ilustrativa dos pais, interpretados por Marieta Severo e Reginaldo Faria. Cazuza emagrece, perde forças, mas continua a compor e a viver. Não deixa de fumar, mantém certa rotina de encontrar amigos para a farra, pois sabe que o fim está próximo e que não terá muito o que fazer na eternidade. Nessa toada, um amadurecimento do artista se processa, e sentimos isso mesmo no filme, com as músicas mais harmoniosas, reflexivas e, em certa medida, desesperadas. Da paranóia e vivacidade das canções com o Barão Vermelho, Cazuza parte para a melodia mais carregada de emoção e letras mais apaixonantes que questionam certas convenções.

A direção musical é sem dúvida o que dá ao filme sua forma exuberante, pois Cazuza - O Tempo Não Pára é um álbum de fotos musicado do cantor. As músicas inseridas em cada contexto, como a narrar o que se passa com seu autor, ajudam a compreender o mundo que vivia Cazuza. O mundo dos anos 80, da volta da democracia ao país e os jovens a sair de suas tocas. A liberdade reconquistada e por sua geração pela primeira vez experimentada. Prenda um homem por 20 anos desde seu nascimento e depois o solte à sociedade. A forma de extravasar de Cazuza foi a que vemos no filme - sexo, drogas e rock'n'roll. Alguém haveria de condenar?


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 5/7/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Reunião de pais, ops, de mães de Ana Elisa Ribeiro
02. Quando as rodas param de Elisa Andrade Buzzo
03. O africano e o taubateano de Ricardo de Mattos
04. Mitos na corda bamba de Guga Schultze
05. Festival de Brasília: cinema de controvérsia de Marcelo Miranda


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/7/2004
13h28min
parabéns pelo texto. muito bom! nos fica um gosto de vida medíocre da nossa geração pós-cazuza, depois de ver a explosão vital de cazuza.
[Leia outros Comentários de jardel]
6/7/2004
10h05min
É bastante confortável ver da poltrona do cinema um anti-herói politicamente incorreto se transformar em herói, de certa maneira nos indicando o que vale a pena na vida. Todavia, em seu texto gostei da percepção dessa inversão, que marca o filme e o determina.
[Leia outros Comentários de Martinho Junior]
14/7/2004
14h46min
Engraçado como um mesmo episódio é capaz de produzir sensações diferentes nos seres humanos! Assisti ao filme e confesso que não gostei: pareceu mais um depoimento de uma mãe sobre um filho amado, ofuscando toda a representatividade de Cazuza para a geração que o acompanhou, principalmente em razão da AIDS. O filme mostra um Cazuza em seu mundo, totalmente "desplugado" da sociedade - e não foi assim que eu o vi. O texto, contudo, revela uma opinião diversa da minha com uma excelência invejável. Não concordo com o texto mas, devo admitir, ele é muito bom!
[Leia outros Comentários de Angela Santos]
15/7/2004
08h26min
Cazuza, um bom cantor e compositor? Acho que sim. O sofrimento de sua mãe, que possibilitou a ela um papel bonito na novela da vida, que se corporifica na instituição que criou, é comovente, como o são os das demais mães que viveram a gradual extinção do filho. A transformação de Cazuza em ícone de uma geração é natural, dado o fato de o mesmo ser filho da alta classe média carioca, contestador de uma série de costumes que são sustentados por essa mesma casta e, por fim, pelo fato de ter tido a coragem de expor publicamente sua doença, o que rendeu, à época, inúmeras matérias que, indubitavelmente, divulgaram a figura do artista. Me pergunto se um outro artista dessa geração, que fosse oriundo das faixas mais pobres da população brasileira e igualmente talentoso e contestador dos valores cultuados pela nossa sociedade, teria seu nome perpetuado, sua vida passada a "filme" e objeto de matérias de todo o tipo. Sobre o filme nada comento. Não assisti. Não sei se o farei. Está agora passando na minha pequena cidade e, sinceramente, não tenho dúvidas que já o teria assistido se estivéssemos nos anos 60, e não fosse o adolescente que era à época, e sim o "muito quarentão, semi cinquentão" que sou. Hodiernamente, as horas são poucas para dar conta dos meus interesses. Não sei se o programador mudará o filme antes de eu resolver se vale ou não a pena ter esse encontro com a tela grande (não tão grande quanto as dos anos 60) e correr o risco de me aborrecer ou me divertir. Mas tenho certeza que, independentemente disso, Cazuza existiu, cantou, compôs, agitou, contou e "contou". Se justificou a condição de símbolo daquela geração, não estou certo, ou melhor, acho que não, pois, pensando bem, sua atitude se coaduna mais com a de um artista de outras gerações. A sua, a dos anos 80, seria muita melhor representada por algum artista sarado, saudável, vitaminado, meio-careta, não-politizado, auto-centrado e bem individualista que, a meu juízo, são características mais condizentes com a época.
[Leia outros Comentários de Roberto Morrone]
15/1/2008
14h05min
Quem acompanhou a carreira de Cazuza desde o início (meados dos anos 80) tem a impressão de que o filme, apesar de muito bom, representa apenas um pequeno retrato de como foi e é esse artista ímpar na história da música popular brasileira. Tudo em Cazuza era exagerado; a vida, os poemas fantásticos e loucos, o amor, o ódio e a força de viver. O filme mostra 10% de cada um.
[Leia outros Comentários de claudemberg]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LENIN - OBRAS ESCOLHIDAS - VOL. 4
VLADIMIR I. LENIN
AVANTE - LISBOA
(1986)
R$ 60,00



AUTOGRAFI DELLARCHIVIO MEDICEO AVANTI IL PRINCIPATO VOLUME I
ALBERTO MARIA FORTUNA/CRISTIANA LUNGUETTI
CORRADINO MORI
(1977)
R$ 116,90



ELEMENTOS DE DIREITO DO TRABALHO E PROCESSO TRABALHISTA
FRANCISCO DE LIMA; FRANCISCO DE LIMA
LTR
(2015)
R$ 65,00



YÔGA MITOS E VERDADES
MESTRE DE ROSE
NOBEL
(2006)
R$ 29,75
+ frete grátis



O FUTURO DA MEMORIA
GORDON BELL JIM GEMMELL
ELSEVIER
(2010)
R$ 11,50



GRANDEZAS DO BRASIL NO TEMPO DE ANTONIL (1681-1716)
RAYMUNDO CAMPOS
ATUAL
(1996)
R$ 4,00



SPA - RECEITAS DE SAÚDE EM CASA
MARCIA REGINA DAL MEDICO
ALAÚDE
(2008)
R$ 27,70



CIÊNCIA E FÉ : O REENCONTRO PELA FÍSICA QUÂNTICA
BISPO RODOVALHO
LUA DE PAPEL
(2013)
R$ 24,90



SEREI NORMAL ? RECOMENDADO A RAPARIGAS A PARTIR DOS 13 - 15 ANOS
ANITA NAIK
GRADIVA
(1996)
R$ 24,78



WILD CARDS - ASES NAS ALTURAS - LIVRO 2
GEORGE R. R. MARTIN
LEYA
(2013)
R$ 13,41





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês