O filósofo da contracultura | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Uso do Twitter no Brasil
>>> Górgias, de Platão, por Daniel R.N. Lopes
>>> Brothers Gather Round
>>> Poesia em Fibonacci
>>> Freud pela Companhia das Letras
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> O novo sempre vem
>>> Música para olhar
>>> Uma outra visão do jornalismo
Mais Recentes
>>> A Lesson Before Dying de Ernest J. Gaines pela Vintage Books (1997)
>>> Todas as Constituições do Brasil de Adriano Campanhole / Hilton Lobo Campanhole pela Atlas (1971)
>>> Almanaque Abril 98 de Abril pela Abril (1998)
>>> Homeopatia - a Medicina do Equilíbrio de Edson Velardi Credidio pela Copola (1994)
>>> Introduccion a La Economia Positiva de Richard G. Lipsey pela Vicens Vives (1969)
>>> Kadiuéu de José Hamilton Ribeiro pela Brasiliense - Sp (1981)
>>> Conspiradores de Michael André Bernstein pela Record (2006)
>>> Boca ! Tudo o Que Você Precisa Saber para Ter um Sorriso Saudável de Fábio Bibancos pela Abril (2005)
>>> Fundamentos da Estetica de Claude R Rufenacht pela Quintessence
>>> Ensino Moderno de Matematica de J G Chaves pela Brasil
>>> Meninos sem Pátria de Luiz Puntel pela Atica
>>> Livro - Assim Nasce um Líder de Jo Owen pela Lafonte (2017)
>>> Autores Contemporaneos Brasileiros de Dulce Salles pela Giordano (1996)
>>> The Versalog Slide Rule de Não Consta pela The Frederick Post Company
>>> Contos da Alma de Alma Welt pela Palavras e Gestos (2004)
>>> Cinco Minutos / a Viuvinha de José de Alencar pela Atica (1995)
>>> Milagres de Bolso de Joan Borysenko pela Nova Era (1997)
>>> O Outro Gume da Faca de Fernando Sabino pela Atica (1996)
>>> Nem uma hora? de Larry Lea pela Betânia (1989)
>>> O Verão do Lobo Vermelho de Morris West pela Nova Cultural (1987)
>>> Biblioteca do Lider de Prof. Alberto Montalvão pela Novo Brasil (1979)
>>> Tio Robinson de Julio Verne pela Scipione (1994)
>>> Desenvolvimento Industrial Paulista de Serviço de Publicações Fiesp -ciesp pela Fiesp-ciesp (1972)
>>> Brasil Historia 1 Colonia de Antonio Mendes Jr; Luiz Roncari; Ricardo Maranhão pela Brasiliense (1983)
>>> Atlas de Bolso de Anatomia Humana - Heinz Feneis e Wolfgang Daube de Heinz Feneis; Wolfgang Dauber pela Manole (2000)
COLUNAS

Sexta-feira, 18/10/2002
O filósofo da contracultura
Gian Danton

+ de 32900 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Hebert Marcuse é um dos mais importantes filósofos da chamada Escola de Frankfurt. E também um dos que mais se distanciaram do pensamento apocalíptico que caracterizou essa escola. Enquanto Adorno chamava a polícia para reprimir os jovens revoltosos de 1968, na Alemanha, Marcuse era o líder intelectual da garotada que pretendia fazer uma revolução baseada em princípios de liberdade e beleza. A influência de Marcuse na década de 60 era tão grande que se dizia que a juventude seguia três Ms: Marx, Mao, Marcuse.

A crítica à racionalidade técnica irá direcionar toda a sua obra. Para ele, a instrumentalidade das coisas tornava-se a instrumentalidade dos indivíduos. Em outras palavras, o ser humano era visto como uma coisa, como um instrumento, e não como um indivíduo. Ao invés do homem dominar a máquina e tecnologia, como previa a utopia iluminista, era o homem que estava sendo dominado pela máquina e pela tecnologia. As pessoas são transformadas em coisas, reproduzidas em seqüência, massificadas, como produtos saindo de uma linha de montagem.

Marcuse denunciou a criação do chamado homem unidimensional: um indivíduo que consegue ver apenas a aparência das coisas, nunca indo até a sua essência. O homem unidimensional é conformista, consumista e acrítico. Ele se acha feliz porque a mídia lhe diz que ele é feliz e, quando se sente triste, vai ao shopping, fazer compras.

Para Marcuse, as mudanças só ocorreriam se houvesse a liberação de uma nova dimensão humana. Um princípio básico deveria permear essa nova revolução: a liberdade.

A nova sociedade, que surgiria das ruínas da sociedade consumista, deveria ter uma dimensão estético-erótica e, no lugar do consumismo, do conformismo, da competição, surgiriam os valores da felicidade, da paz e da beleza.

À pergunta de Adorno "É possível fazer poesia depois de Auschwitz?", Marcuse vai responder positivamente. A arte ainda é possível, desde que seja uma arte revolucionária, que denuncie a sociedade unidimensional e leve aos receptores os novos valores. Curiosamente, Marcuse vai encontrar justamente em um produto da Indústria Cultural, tanto criticada pela Escola de Frankfurt, um exemplo dessa arte revolucionária: as músicas de Bob Dylan.

Segundo o filósofo, "A arte só pode cumprir sua função revolucionária se ela não fizer parte de nenhum sistema, inclusive o sistema revolucionário". O artista deve não consolar, mas instigar o seu público e fazê-lo rever seus valores. A trajetória de Bob Dylan demonstra bem isso. Quando achou que seu público estava acostumado com suas músicas políticas, ele lançou um disco não político.

No campo dos quadrinhos, o melhor exemplo talvez seja o roteirista britânico Alan Moore. Suas histórias sempre apresentaram uma dimensão crítica, seja do sistema (em V de Vingança), seja da potencialidade destrutiva da ciência, representada pela bomba atômica (em Watchmen e Miracleman). Quando seus fãs se acostumaram com seu trabalho mais intelectualizado, ele passou a fazer histórias de super-heróis para a editora Image.

Assim, para Marcuse, a nova arte não seria uma peça de museu, mas algo vivo, a expressão de um novo tipo de homem. Em alguns momentos, a recusa da obra de arte poderia ser uma forma de fazer arte.

Esse pensamento influenciou o movimento da contracultura, com seus fanzines, revistas alternativas e rádios livres. Outra conseqüência foi a anti-arte, um movimento que, em sua versão mais branda, procura demonstrar o equívoco da arte como ornamento, como peça de museu. Um exemplo disso foi o barquinho pirata colocado pelo estudante de jornalismo Cleiton Campos no meio de obras famosas durante a última Bienal. O quadro de Cleiton não tinha qualquer valor artístico, mas valor de atitude. Colocar em dúvida o aspecto sacramental da arte pode, também, ser um tipo de arte.


Gian Danton
Goiânia, 18/10/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O retalho, de Philippe Lançon de Wellington Machado
02. A medida do sucesso de Fabio Gomes
03. Mais outro cais de Elisa Andrade Buzzo
04. Solidão Moderna de Mentor Muniz Neto
05. Arte virtual: da ilusão à imersão de Gian Danton


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2002
01. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
02. Público, massa e multidão - 30/8/2002
03. A teoria do caos - 22/11/2002
04. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002
05. O filósofo da contracultura - 18/10/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/10/2002
10h51min
Brilhante artigo sobre uma das figuras mais fantásticas e estimulantes da história. Referências super pertinentes e um apanhado geral preciso e instigante como a obra de Marcuse. Bravo !
[Leia outros Comentários de André Pires]
21/10/2002
22h10min
A obra de Marcuse comprova que, de fato, a Escola de Frankfurt não deveria ter esse nome que supõe um pensamento homogeinizado e sim, o Círculo de Frankfurt, num livre pensar para várias direções. As referêmcias são muito boas,o artigo está excelente. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Dacianni]
22/10/2002
12h16min
Agradeço os elogios. Concordo com o Dacianni quando diz que a Escola de Frankfurt não apresenta um pensamento homogeinizado. Há uma diferença muito grande, por exemplo,entre o pensamento de Adorno, essencialmente neofóbico com relação aos meios de comunicação de massa, e o de Walter Benjamim e de Marcuse. Sem dúvida a Escola de Frankfurt foi tão importante justamente por esse pensamento heterogêneo.
[Leia outros Comentários de Gian Danton]
22/10/2002
19h13min
Há pouco a acrescentar sobre o assunto, após o seu artigo. Muito bem escrito, Parabéns! Resta um último questionamento: "O barquinho do Cleiton não tinha valor artístico"... Bom, até concordo com você no nível mais básico da afirmativa, mas a frase me levou a um questionamento um pouco mais profundo: O que é "valor artístico"? É mensurável por que parâmetros? E, chegando a uma abordagem até talvez comportamental: O valor artístico é intrínsico à obra de arte ou depende em que grau do contexto sócio-cultural de quem a vê? Me parece assunto para um novo artigo! ;)
[Leia outros Comentários de Alexandre Lobão]
14/11/2002
11h08min
Rádios alternativas, quadrinhos de Alan Moore e Bob Dylan? Pra crer que isto é sabedoria só acreditando que o pai dos maconheiros da década de 60 era realmente um cara inteligente. "A nova sociedade, que surgiria das ruínas da sociedade consumista, deveria ter uma dimensão estético-erótica e, no lugar do consumismo, do conformismo, da competição, surgiriam os valores da felicidade, da paz e da beleza." Só falta embrulhar e vender por R$ 1,99 numa banquinha hippie junto com uma camiseta do Raul Seixas e com um fitinha escrita: "Solução pro mundo".
[Leia outros Comentários de Pablo Cabistani]
7/11/2011
12h05min
Atualmente, temos o sociólogo Dominique Wolton, na França, desenvolvendo um importante trabalho crítico sobre a inversão do posicionamento das tecnlogias, o que ele chama de 'ideologia técnica' ou 'ideologia da técnica' (trad. UNB). Para ele, o positivismo está vivo e ativo em nosso tempo, manifestado em um neo-tecnicismo, em que a informação, outrora instrumento de lutas pela liberdade e autonomia, passou a ser tirana e a produzir incomunicação. Bom de Wolton é que ele não tem compromisso ideológico, como Marcuse.
[Leia outros Comentários de Elke Streit]
10/3/2012
22h53min
dizer que alguém não tem compromisso ideológico me parece um soluço para não dizer pum. compromisso partidário ainda vai. mas do compromisso ideológico ninguém escapa. nem mesmo quando diz não o ter, mesmo que assim seja na sua voluntariedade. estou me referindo ao comentário do elke streit.
[Leia outros Comentários de celso muniz]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




1. 905/81 o Processo da Usura
Newton de Castro Ribeiro
Mor
(1986)



Nova era da economia mundial
Varios
Pioneira
(1985)



O Brilho da Estrela
Danielle Steel
Altaya Record
(2001)



The South American Handbook - 1958/59
Howell Davies (Ed) e Jules S. Sottnek
Travel&publications
(1958)



O Grande Pulso
Carlos Torres
Madras
(2012)



Uma Prova de Fé
Irmão Jerônimo
Aedav
(2005)



Frases Que Han Hecho História
Carlos Fisas
Planeta
(1996)



Genios da Pintura El Greco N 33
Victor Civita
Abril Cultural



Livro - Liberdade Vigiada as Relações Entre a Ditadura Militar Brasileira e o Governo Francês: Do Golpe à Anistia
Paulo Cesar Gomes
Record
(2019)



The bounds of sense: an essay on Kantis Critique of pure reason
Pf. Strawson
Methuen and Co ltd
(1966)





busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês