Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Fui pra Cuba
>>> Sobre o preço dos livros 1/2
>>> No altar do vento
>>> Hamlet... e considerações sobre mercado editorial
>>> Novos Melhores Blogs
>>> The Romantic Poets, by Kevin Mundy
>>> Mais pressão na caldeira
>>> Manual para revisores novatos
>>> É suave a noite
Mais Recentes
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Muito prazer fale português do Brasil de Glaucia Roberta Rocha Fernandes pela Disal (2021)
>>> O beijo e outras histórias de Antón Tchekhov pela Círculo do Livro
>>> Sob o Sol-Jaguar de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1995)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 2: Mais ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 1: A ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O Poder do Silêncio de Eckhart Tolle pela Sextante (2016)
>>> O Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> O Toque de Midas de Colleen McCullough pela Bertrand Brasil (2007)
>>> O Comite da Morte de Noah Gordon pela Rocco (1996)
>>> La Bodega de Noah Gordon pela Rocco (2008)
>>> Xama a historia de um medico no seculo XIX de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rocco (1994)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rp (2021)
>>> O Fisico - A epopeia de um medico medieval de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Silencio dos Inocentes ( capa dura) de Thomas Harris pela Altaya Record (1989)
>>> Hannibal de Thomas Harris pela Record (1999)
>>> O Jardim de Ossos de Tess Gerritsen pela Record (2009)
>>> O Clube Mefisto de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Gestão Empresarial de Taylor aos Nossos Dias de Ademir Antonio Ferreira e Outros pela Pioneira (2000)
>>> O Dominador de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Pão Diário 15 de Vários Autores pela Rtm (2012)
>>> Cadernos da Pós-Graduação Cinema e Fotografia de Instituto de Artes Unicamp pela UniCamp (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 30/8/2016
Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
Luís Fernando Amâncio

+ de 4200 Acessos

Se hoje o futebol é uma paixão no Japão, muito disso se deu graças a um intercâmbio estabelecido com o Brasil, sobretudo através da exportação do “pé-de-obra” tupiniquim. Por outro lado, um anime sobre o esporte também foi muito importante na popularização de consumo da cultura pop japonesa por aqui.



O mangá (história em quadrinho japonesa) Captain Tusabasa, escrito e desenhado por Yoichi Takahashi, começou a ser publicado em 1981. Ele acompanha a trajetória de Ozora Tsubasa (no Brasil, Oliver Tsubasa), um garoto habilidoso no futebol e que vai, através de seu talento e, sobretudo, da disciplina, se tornar um jogador profissional de grande destaque. A HQ fez sucesso e foi adaptada em série animada em 1983. A Associação Japonesa de Futebol foi uma incentivadora do projeto, apostando no seu potencial para promover o esporte.

Todavia, o investimento para popularizar o futebol no Japão não ficou restrito ao anime (nome dado às animações japonesas). No início da década seguinte, muitos jogadores brasileiros, a maioria em fim de carreira, foram contratados por equipes japonesas. A iniciativa pretendia atrair fãs para o esporte e, principalmente, promover o aprimoramento técnico dos jogadores japoneses a partir desse intercâmbio. Deu certo. O atleta brasileiro com maior destaque nessa empreitada foi Zico, contratado pelo Kashima Antlers. O ídolo do Flamengo participou da profissionalização do futebol no Japão, que ocorreria em 1992, com a criação da J-League, e até hoje é venerado por lá — foi, inclusive, técnico da seleção japonesa entre 2002 e 2006.

No Brasil, alguns anos depois do Galinho de Quintino ir jogar no Kashima, uma legião de crianças e adolescentes aprendeu a gostar de animes através da exibição de Cavaleiros do Zodíaco pela Rede Manchete. O canal de televisão da família Bloch, já vivendo seu ocaso, recebeu uma injeção de audiência com o sucesso da série protagonizada pelos cavaleiros de Atena. O anime começou a ser exibido no Brasil em 1994 e, embora não tenha sido a primeira produção do gênero a chegar às TVs brasileiras, teve uma repercussão inédita.

Quando a exibição de Cavaleiros do Zodíaco chegou ao fim, a Rede Manchete tentou emplacar outros animes. Séries como Shurato, Samurais Warriors, Sailor Moon e Yuyu Hakushô foram exibidas pela TV paulista, alguns com repercussão discreta e outros com maior êxito.

Nesse ritmo, a Manchete estreou, em 1996, Super Campeões. Não era a série original, mas um remake — ao todo, três versões foram produzidas. O anime, que incorporava elementos do gênero de ação às partidas de futebol, caiu com facilidade no gosto de garotos brasileiros. Nas aulas de educação física de colégios pelo Brasil havia aqueles que tentavam dar o “chute do dragão”, do personagem Kojiro Hyuga, e aspirantes a goleiros tentavam fazer defesas plásticas como as de Benji Wakabaiashi.

A versão exibida no Brasil na década de 1990 apresentava, em seu último capítulo, o protagonista Tsubasa como um jogador profissional, defendendo as cores do São Paulo numa partida contra o Flamengo. A equipe paulista, na época da produção do anime, fora bicampeã mundial, em torneio disputado justamente no Japão.



Curiosamente, um jogador japonês já havia feito caminho semelhante: Kazu Miura. O jogador esteve, durante os anos 1980, defendendo equipes brasileiras como Santos, Palmeiras e Coritiba. O que, é claro, encheu de orgulho os torcedores japoneses e certamente inspirou o destino de Tsubasa na anime. Kazu, inclusive, joga até hoje e é detentor de um recorde: o jogador profissional mais velho a fazer um gol, ao balançar as redes aos 49 anos.

Na terceira versão de Super Campeões (Road to 2002), exibida pela Rede TV em 2006, Tsubasa, após a passagem pelo Brasil, vai jogar na Europa, defendendo o Catalunha — essa versão cita nomes fictícios de times. E, dessa vez, foi a vida que imitou o anime. Atualmente, há jogadores japoneses defendendo equipes de prestígio na Europa, como Keisuke Honda, camisa 10 do Milan, e Shinji Kagawa, meia do Borussia Dortmund e com passagem pelo Manchester United.

O intercâmbio com o Brasil é apontado como um dos fatores que tornaram o Japão uma potência do futebol em seu continente. A seleção nacional japonesa disputa Copas do Mundo sem interrupções desde 1998. Do outro lado do globo, a exibição de Super Campeões também teve sua importância. Mesmo sem o protagonismo que os jogadores brasileiros tiveram na Terra do Sol Nascente, o anime fez parte de um processo de consolidação do consumo de produtos culturais nipônicos no Brasil. Embora os animes tenham perdido espaço na TV brasileira, a cultura otaku se encontra bastante difundida por aqui, com inúmeros mangás publicados, festivais para os fãs e, claro, o consumo de desenhos animados através da internet.


O primeiro episódio de Super Campeões


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 30/8/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como os jornais vão se salvar de Luiz Rebinski Junior
02. Qualquer diversão é bem-vinda de Arcano9


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2016
01. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão - 30/8/2016
02. Tricordiano, o futebol é cardíaco - 26/4/2016
03. Nos tempos de Street Fighter II - 31/5/2016
04. Meu pé quebrado - 18/10/2016
05. Radiohead e sua piscina em forma de lua - 28/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guia dos Mil Presentes
Betty Chateaubriand
Códex
(2003)



Vade Mecum Edição Especial 2014
Thomson Reuters/rt
Thomson Reuters/rt
(2014)



Elas Escrevem Contos, Crônicas e Poemas
Hanna Liis-baxter
Andross
(2010)



A Moreninha - Serie Bom Livro
Joaquim Manuel de Macedo
Atica
(1993)



É Dando Que Se Recebe
Carlos Eduardo Novaes
Ática
(1994)



Organizações de Aprendizagem Educação Continuada e a Empresa do Futur
Humberto Mariotti
Atlas
(1999)



Ser Protagonista Química 2ºano Ensino Medio
Julio Cesar Foschini Lisboa
Sm Didático
(2014)



Redimidos - da Miséria, da Enfermidade e da Morte
Kenneth E. Hagin
Graça Editorial
(2004)



El Acero En La Construccion
Jose Pinos Calvet
Reverte
(1969)



Grammar Practice 1 a Complete Grammar Workout For Teen Students
Herbert Puchta
Helbling
(2012)





busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês