Tricordiano, o futebol é cardíaco | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
27903 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 26/4/2016
Tricordiano, o futebol é cardíaco
Luís Fernando Amâncio

+ de 3300 Acessos

Atualmente, há quem afirme que o futebol está agonizando. Embora seja uma posição embebida no saudosismo - “ódio eterno ao futebol moderno” – é um sentimento legítimo. Assusta ver o business dominando o esporte. É o tanto de dinheiro envolvido. É o padrão FIFA de estádios, opa, arenas, que mais parecem anfiteatros. São os clássicos com torcida única. São os gols da Alemanha. Às vezes, o melhor é mesmo assistir ao filme do Pelé. O futebol ficou gourmetizado demais.

Mas toda regra tem exceção. Ainda que “todos os caminhos levem a Roma” – ou seja qual for a cidade onde será a final da Champions League – há trilhas mais tortuosas do que outras. A do Clube Atlético Tricordiano, clube modesto do sul de Minas, é torta como as três curvas do Rio Verde.

O Tricordiano é um time novo, fundado em 2008. Porém, ele veio ao mundo com carcaça e alma de velho. De um velho bem específico, aliás: o Atlético Clube Três Corações (ACTC), agremiação que, entre períodos amadores e profissionais, completaria 100 anos em 2013. Antes, porém, de soprar sua 94ª velinha, com uma desastrosa participação no Módulo II do Campeonato Mineiro de 2007 - sem dinheiro e sem estádio para mandar seus jogos, precisou abandonar o certame depois de cinco jogos - o Atlético de Três Corações fechou as portas atolado em dívidas.

O Tricordiano surgiu no ano seguinte com uma missão bem definida: não deixar órfã de futebol a cidade que se orgulha de ter o Rei como filho ilustre. E, ao ter a existência atrelada a um torrão, o Tricordiano já nasceu rebelde, quebrando a tendência itinerante dos times jovens. Observem só: o Grêmio Barueri já foi Prudente, o Ipatinga passou por Betim, o Guaratinguetá já foi à Americana, o Audax deixou a zona sul paulistana para ir à Osasco e o Nacional Esporte Clube já passou por Coronel Fabriciano, Nova Serrana, Muriaé e, ufa, chegou a Esmeraldas. Dentre outros.

O simpático símbolo do Tricordiano

Os times que nasceram nas últimas décadas já vieram com o DNA do futebol moderno. Eles surgem atrelados ao capital de grupos de empresários ou empresas multinacionais, com centros de treinamentos melhores do que os de times tradicionais, estrutura administrativa, CEO e tantas outras papagaiadas. Surgiu a curiosa figura do “dono do time”, empresário que não entra no futebol para perder dinheiro. Se a mão invisível do mercado apontar para outra direção, um abraço. O dono leva embora o investimento, o time e a ilusão da torcida.

Se existe algo que não manda no Tricordiano, é o dinheiro. Até porque ele falta. Sem mecenas para descarregar dinheiro no clube, seu maior patrocinador costuma ser a prefeitura municipal. O que, convenhamos, passa longe de ser o ideal. Tornar o time sustentável, com receitas estáveis, é o árduo desafio. O perrengue financeiro é tanto que, em um dos primeiros mantos sagrados do Tricordiano, uma igreja evangélica constava entre os patrocinadores. Um verdadeiro time ungido.

Mas, se há um proprietário do Tricordiano, é a sua torcida. Poucos times do interior têm seguidores tão fanáticos quanto os de Três Corações. A Galofúria, sua torcida organizada, transforma o Elias Arbex, o estádio, num caldeirão. Ou caldeirinha, já que a cancha, acanhada e com arquibancadas arcaicas, tem público liberado para 2500 pessoas. Os “desorganizados” também cumprem o seu papel. Tem fumaça vermelha, ola, tios cuspindo marimbondos no alambrados, do ladinho dos bandeirinhas, churrasquinho, cantoria... Quando vou ao Elias Arbex, me sinto a Globo contabilizando as manifestações pelo impeachment da Dilma: saio sempre com a impressão de ter uns 50 bilhões de torcedores. Jogar como adversário em Três Corações não é fácil. Assistir a jogos lá, um espetáculo.

O terreiro do Galo, onde o lugar mais concorrido é o alambrado

Sinta só como foi o clima na cancha de Três Corações em 2009, quando o time ficou em terceiro na Segunda Divisão do Campeonato Mineiro – que, na prática, é nossa terceirona – e ganhou a dignidade mínima de disputar um campeonato onde há o risco do rebaixamento.



Destaque para a torcida ovacionando Binho CACHACEIRO, ídolo do time. Um craque com essa alcunha é uma prova de que o futebol respira.

O êxtase não foi diferente na virada épica contra o Uberlândia, em 2015. Ora, um time sair perdendo de 4 a 0 em casa parece uma catástrofe irremediável. Eu, que estava no estádio, já me intrigava com a temperatura glacial dos meus pés. Não os arredei de lá, todavia, numa das decisões mais acertadas da minha vida. No segundo tempo, a reação espetacular, uma das maiores da História – com agá maiúsculo mesmo, me permitam. Fim de jogo e 5 a 4 para o Tricordiano. Só não foi 6 a 4 para não parecer que foi fácil. Dizem que nas semanas seguintes um DVD com a partida na íntegra estava sendo vendido em Três Corações. Eu compraria sem perguntar o preço.



Neste ano, outro dia histórico: nova virada, desta vez contra o poderoso Atlético Mineiro, no Independência, La Bombonera de Minas (“caiu no Horto, tá morto”?). 4 a 2 para os visitantes. Fora o baile. Um feito para um time que fazia um campeonato atrapalhado e parecia destinado ao rebaixamento – sobre a jornada de 2016, indico o texto do amigo Thales Machado. Farra para os 131 torcedores adversários que puderam cantar “o Independência é nosso, aha uhu”. Esses caipiras do interior, uns abusados, fizeram até “olé”. Nunca antes na história desse modesto time, amigos. E não me venham com mesquinharias de que o time da capital era o reserva, de que o terceiro gol foi, na verdade, um cruzamento errado. Erro é não reconhecer uma pintura daquelas. Foi diante dos meus olhos.

O Independência foi nosso

Por tudo isso, para a turma que está se arrumando para o velório do futebol, um conselho: mude de canal. Ou melhor, desligue a tv. Há partidas extraordinárias acontecendo naquele campinho que você não dá nada por ele. É só arriscar. O Tricordiano está arriscando. Em tempos de futebol gourmet, o Tricordiano é aquele lanche X-Podrão do trailer da esquina. Sem firulas. Só sabor.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 26/4/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Medium e o retorno do conteúdo de Julio Daio Borges
02. Esboços de uma biografia precoce não autorizada de Cassionei Niches Petry
03. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol
04. Duas distopias à brasileira de Carla Ceres
05. Hilda Hilst, o IPTU e a Chave da Cidade de Yuri Vieira


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2016
01. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão - 30/8/2016
02. Tricordiano, o futebol é cardíaco - 26/4/2016
03. Nos tempos de Street Fighter II - 31/5/2016
04. Meu pé quebrado - 18/10/2016
05. Radiohead e sua piscina em forma de lua - 28/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DONOS DA TERRA A HISTÓRIA DO PRIMEIRO TÍTULO MUNDIAL DO SANTOS
ODIR CUNHA
REALEJO
(2007)
R$ 35,84



INTRODUCTION TO INTERNATIONAL ECONOMICS - 2ª ED.
HENK JAGER, CATRINUS JEPMA
PALGRAVE USA
(2009)
R$ 130,00



HISTÓRIAS DE SUCESSO EM MARKETING DIRETO E AS ESTRATÉGIAS DOS NEGÓCIOS
BOB STONE
MAKRON BOOKS (SP)
(1996)
R$ 24,28



AN AMERICAN HOST FAMILY
TELMA GUIMARÃES DE CASTRO
RICHMOND
(2010)
R$ 40,00



OPALINES
EDITH MANNONI
CH. MASSIN (PARIS)
R$ 27,28



PSICOLOGÍA DESDE EL CARIBE. REVISTA DEL PROGRAMA DE PSICOLOGÍA UNIVERSIDAD DEL NORTE
DIVERSOS AUTORES
UNINORTE
(2000)
R$ 25,00



ÚLTIMO VERÃO
EVAN HUNTER
EXPRESSÃO E CULTURA
(1971)
R$ 8,00



A HORA DA VERDADE
LISA SCOTTOLINE
RECORD
(2002)
R$ 5,00



ANAIS DO ENCONTRO SOBRE CAPINS DO GÊNERO BRACHIARIA
JOSÉ VICENTE S. PEDREIRA E NELSON M. F. MEIRELLES
INSTITUTO DE ZOOTECNIA
(1987)
R$ 50,00



TEOLOGIA INICIAÇÃO - LEITURA DE PAULO
JOSÉ PENALVA
AM
(1992)
R$ 15,00





busca | avançada
27903 visitas/dia
1,3 milhão/mês