Lira da resistência ao futebol gourmet | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
>>> Para ler no botequim
>>> O blog da Bundas
>>> Introdução à lógica do talento literário
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Nada a comemorar
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O desafio de formar leitores
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> Jornalista Edilson Cid Varela de Adirson Vasconcelos Junior pela Correio Braziliense (2003)
>>> Jornal Pasquim Ano XI 70/80 Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1970)
>>> A Deusa de Jade e Outros Contos Chineses Famosos de Lin Yutang pela Irmãos Pongetti (1959)
>>> A Barca de Gleyre 2º tomo de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1948)
>>> Jornal Pasquim IX -1977 (vários números) de Jornalistas pela Codecri (1970)
>>> A cidade e a serra de Eça de Queiroz pela Lello & Irmão (1944)
>>> O pensamento vivo de Rui Barbosa de Américo Jacobina Lacombe pela Livraria Martins (1944)
>>> Jornal Pasquim ANO X de 1979- Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1979)
>>> Memórias inacabadas de Humberto de Campos pela José Olympio (1935)
>>> O cortiço de Aluis Azevedo pela Circulo do Livro (1991)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade Gráfica (1962)
>>> O leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Abril Cultural (1974)
>>> O amigo fritz de Erckmann Chatrian pela Saraiva (1955)
>>> Não Posso Deixar-te de Luciana Peverelii pela Vecchi (1961)
>>> O País das uvas de Fialho D Almeida pela Livraria Clássica (1946)
>>> Literatura Comentada Oswald de Andrade de (Oswald de Andrade) pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo de John Reed pela Circulo do Livro (1986)
>>> Compêndio da Cambridge sobre Voltaire de Nicholas Cronk (Editor) pela Madras (2010)
>>> O Jornal da Noite de Arthur Hailey pela Record (1990)
>>> As meninas de Lygia Fagundes Telles pela Circulo do Livro (1979)
>>> Um estranho no espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro (1976)
>>> O Universo Das Comunicaçoes Humanas - Comunicação de Eneas Machado de Assis pela Mageart (1997)
>>> Literatura Comentada Guimarães Rosa de (Guimarães Rosa) pela Nova Cultural (1988)
>>> O Peregrino de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> O livro de san michele de Axel Munthe pela Círculo Do Livro (1985)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/2/2016
Lira da resistência ao futebol gourmet
Luís Fernando Amâncio

+ de 2900 Acessos

Apesar de certo constrangimento, provocado pelas investigações do FBI que vão revirando todo um lamaçal de corrupção na FIFA, no último dia 11 de janeiro aconteceu a Bola de Ouro. O evento, promovido pela entidade máxima do futebol, premia os melhores profissionais do ano. Na celebração, em meio ao glamour das grandes marcas do futebol – sim, a palavra é esta, marca – dois nomes brasileiros entraram de gaiatos: Wendell Lira e o Goianésia Esporte Clube. E levaram dignidade ao evento.

Porque o futebol moderno, a cada dia que passa, vai virando uma cópia esforçada dos jogos de videogames. Deveria ser o contrário. O esporte está se pasteurizando sob nossos narizes e nós assistimos a tudo tomando a cerveja sem álcool que nos vendem nos campos. Os fãs atuais estão preocupados em saber se seu time tem mais sócios do que os rivais, se está internacionalizando sua marca, se vendeu o naming rights do estádio... Opa, estádio não, agora é Arena (leia-se “arina”, por favor). Nos colégios, adolescentes ostentam camisas do Paris Saint-Germain, do Manchester City ou de seja qual for o clube food truck do momento. Na geografia do futebolês, a juventude encontra mais fácil no globo o Stamford Brigde do que o Mundão do Arruda.

O futebol vai se gourmetizando e a festa da Bola de Ouro é um ícone desse processo. Por isso, o gol de Wendell Lira (e, justiça seja feita, também de Nonato e Da Matta, coautores da bela jogada) receber o Prêmio Puskás como o mais bonito de 2015 é um alento. Ele nos faz celebrar o esporte praticado fora dos grandes centros. Pois, raro leitor e rara leitora, o futebol ainda pulsa nas periferias, onde os astros não tem telão para ajeitarem o penteado durante as partidas, nos campos onde o torcedor vê jogo de pé, colado na grade. O esporte bretão não está playstationificado nas pelejas onde se luta pela bola com a gana de quem disputa um prato de comida – pois, de certa forma, é o que está em jogo.

A realidade da grande maioria dos futebolistas pelo mundo afora é semelhante à saga de Wendell até fazer seu fatídico gol: perambular por equipes modestas com contratos curtos, conviver com lesões insistentes e estar, a todo momento, repensando se vale a pena insistir na carreira. A realidade, amigas e amigos, não é de triunfos na Champions League, mas de batalhas inglórias contra rebaixamentos, em equipes sem petrodólares de xeiques ou magnatas russos bancando salários estelares.

Nada contra admirar a habilidade de atletas predestinados como Messi e Neymar, ou gostar de ver confrontos entre as grandes agremiações do futebol europeu. Mas não dá para tomá-los como parâmetro e desvalorizar o que não se enquadra nesse padrão. É muito fácil acostumar nossos olhos ao esteticamente bonito – que, convenhamos, também não passa de uma convenção. É preciso ver para além do Photoshop. Pois é ali que o futebol resiste. Sem trajes de gala. Sem naming rights. Sem negócios milionários da China. Mas, como diria Nelson Rodrigues, “com o coração na ponta da chuteira”. E do que mais o espetáculo precisa?


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 1/2/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Blogo, logo existo de Alexandre Inagaki


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2016
01. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão - 30/8/2016
02. Tricordiano, o futebol é cardíaco - 26/4/2016
03. Nos tempos de Street Fighter II - 31/5/2016
04. Meu pé quebrado - 18/10/2016
05. Radiohead e sua piscina em forma de lua - 28/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Homem do Chapéu Vermelho
Hervé Guibert
José Olympio
(1996)



Segunda Guerra Mundial - História Fotográfica do Grande Conflito
Charles Herridge
Círculo do Livro



Frommers - Guia Completo de Viagem - Orlando
Rena Bulkin
Julio Louzada
(1995)



Equações Trigonométricas
Herbert F. Pinto
Científica
(1970)



Estações do Ano Inverno
Todolivro
Todolivro
(2010)



A Quarta Onda: os Negócios no Século Xxi
Herman Bryant Maynard Jr e Susan e Mehrtens
Cultrixamana
(1995)



Estes Homens Fizeram o Judaísmo
Marcos Margulies
Documentário
(1974)



Elétrico
Eduardo Ferrari
Literare Books International
(2019)



Refrações no Tempo
Maria José de Queiroz
Topbooks
(1996)



A Suspeita da Imperfeição
Alex de Andrade
Luziletras
(2002)





busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês