O voo de galinha do Brasil | Rodrigo Constantino

busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Casa do Escritor lança treinamento para incentivar a publicação de livros independentes.
>>> OBA HORTIFRUTI INAUGURA 25ª LOJA EM SÃO PAULO
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Imperial March por Darth Vader
>>> Habemus Blog
>>> 3 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR II
>>> Um Furto
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Raduan Nassar
>>> Cacá Diegues e os jornalistas
>>> A Casa é de Daniela Escobar
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> Telecomunicações Modernas - Curso Básico - 2ª Edição Ampliada de Eng. Almir Wirth Lima Junior pela Book Express (2001)
>>> Barra Pesada de Octavio Ribeiro pela Codecri (1977)
>>> El conde Lucanor de D. Juan Manoel pela Ufrgs (2002)
>>> Chá da Tarde Crônicas de Lucia Sauerbronn pela Escrita Comunicação Dirigida (2005)
>>> Receitas Vegetarianas - Receitas sem Sofrimento Animal de Eduardo Anandadeva pela Cbje (2016)
>>> New English File Student´s Book Pré-intermediate de Oxenden Latham-Koenig e Seligson pela Oxford (1997)
>>> Novelas Nada Exemplares - 2ª Edição Revista de Dalton Trevisan pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Terra, o coração ainda bate - Guia de conservação ambiental de Vários autores pela Tchê (1990)
>>> A Mão do Finado de Alexandre Dumas pela Clube do Livro (1958)
>>> Princípios e métodos de orientação educacional de José do Prado Martins pela Atlas (1987)
>>> O alibi fatal de Rex Stout pela Livros do brasil (1944)
>>> Arizona Quarterly - A journal of American Literature, Culture, and Theory de Vários autores pela University of Arizona (2013)
>>> Literatura comentada: Jorge Amado de Álvaro Cardoso Gomes e Sonia Regina R. Neves pela Nova Cultural (1990)
>>> Español sin fronteras: curso de lengua española, volume 4 de Maria de Los Á. J. García e Josephine S. Hernández pela Scipione (2007)
>>> Leituras obrigatórias UFRGS 2011 de Vários autores pela Leitura XXI (2010)
>>> Leituras obrigatórias UFRGS 2014 de Vários autores pela Leitura XXI (2013)
>>> A Maldição do Espelho de Agatha Christie pela Abril Cultural (1983)
>>> Español sin fronteras: curso de lengua española, volume 3 de Maria de Los Ángeles J. García, Josephine Sánchez Hernández pela Scipione (2002)
>>> O Retrato de Dorian Gray de Oscar Wilde pela Abril (1981)
>>> 20 Poemas de Amor e uma Canção Desesperada de Neruda pela José Olympio (1983)
>>> História - das cavernas ao Terceiro Milênio de Myriam Becho Mota; Patrícia Ramos Braick pela Moderna (1997)
>>> Panorama do mundo atual de Pierre George pela Difusão Européia do Livro (1966)
>>> Español sin fronteras: curso de lengua española, volume 2 de Maria de Los Ángeles J. García, Josephine Sánchez Hernández pela Scipione (2002)
>>> Box Cinquenta Tons De Cinza e Cinquenta tons Mais Escuros de E L James pela Intríseca (2011)
>>> História da II Guerra Mundial (1939-1945) - ano V de Edgar Mc Innis pela Globo (1956)
ENSAIOS

Segunda-feira, 19/4/2010
O voo de galinha do Brasil
Rodrigo Constantino

+ de 5300 Acessos
+ 6 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br)

A economia brasileira recuou 0,2% em 2009, o pior resultado desde 1992. O investimento caiu quase 10% no ano, enquanto o consumo, tanto das famílias como do governo, puxou o resultado para cima, com aumento de quase 4%. A transferência de recursos do governo e o crédito público fizeram com que a queda na atividade econômica não fosse um tsunami. Em termos relativos ao resto do mundo, até que o Brasil não ficou mal na foto, e o índice de ações da Bovespa mostra que os investidores voltaram a apostar no crescimento do país. O problema é que tais estímulos artificiais não são sustentáveis; a inflação já começa a incomodar, com o mercado esperando mais de 5% no ano, o que gera a necessidade de aumento dos juros. Além disso, os gargalos de sempre permanecem, fazendo com que nossa economia experimente apenas voos de galinha.

Alguns dados produzem extremo desconforto nos investidores de longo prazo. A dívida pública já chega a R$ 1,5 trilhão, e a dívida bruta cresce em ritmo acelerado. O governo apresenta déficit nominal crescente, parte explicada pelas medidas durante a crise. O crédito público já representa quase a metade do total de crédito no país; ele saiu de 12% do PIB em meados de 2008 para quase 20% no final de 2009. O grau de alavancagem dos bancos estatais experimentou um crescimento assustador, ainda mais se comparado ao ocorrido nos bancos privados, que reduziram seu risco. O crédito imobiliário foi o que mais cresceu, com aumento de 40% em 2009. A base ainda é pequena, mas o crescimento na margem, principalmente por meio do programa "Minha Casa, Minha Vida", eleva o risco do sistema de crédito como um todo.

O prazo médio do empréstimo para pessoa física cresce sem parar, tendo saído de pouco mais de 300 dias corridos no começo de 2006 para mais de 500 dias corridos atualmente. Os desembolsos do BNDES dispararam, saltando de cerca de R$ 50 bilhões em 2006 para quase R$ 140 bilhões ano passado. Algo como 85% desses desembolsos vai para grandes empresas. A despesa com pessoal da União subiu R$ 25 bilhões em apenas dois anos. As transferências por meio do programa Bolsa-Família aumentam a cada ano. Tais medidas não são anticíclicas como alega o governo, pois não serão desfeitas com a recuperação já em curso da economia. Elas estimulam o crescimento no curto prazo, mas sob pilares de areia, uma vez que a poupança e os investimentos em capital produtivo não crescem praticamente nada. Com uma poupança de pouco mais que 15% do PIB, o país não consegue plantar as sementes de um crescimento mais sustentável.

Para agravar as perspectivas de longo prazo, o rombo previdenciário superior a R$ 40 bilhões por ano parece uma bomba-relógio, apesar de demografia favorável no país. A carga tributária já está em patamares escandinavos, apesar dos serviços "africanos". A concentração da arrecadação tributária em Brasília aumenta a cada ano, matando na prática o federalismo. Isso serve para reduzir a eficiência na alocação dos recursos escassos, uma vez que as decisões acabam sendo políticas, e a corrupção drena boa parte das verbas. Os investimentos necessários não são realizados, e os gargalos, como infraestrutura, energia e qualificação da mão-de-obra, impedem um voo de águia em nossa economia.

Uma sociedade de cigarras, sem tantas formigas, acaba sempre se dando mal quando a conta chega. A Grécia pode atestar isso de forma lamentável. A realidade não pode ser ignorada por muito tempo. Crescer somente com base no crédito estatal e no consumo, sem a contrapartida de mais poupança e investimento, não é um modelo de desenvolvimento sustentável. Sem reformas estruturais, e sem uma drástica redução do governo na economia, o país estará sempre vulnerável aos choques externos e aos limites internos. Não podemos nos deixar enganar pela aparente tranquilidade, achando que a "marolinha" passou. O crescimento atual conta com muitos fatores artificiais e cíclicos, ou seja, insustentáveis. Precisamos de mais formigas e menos cigarras.

O Ibovespa surfa a boa onda do momento brasileiro, principalmente diante de um mundo em frangalhos. Mas até quando este cenário pode durar ninguém sabe. O risco de um superaquecimento chinês ainda existe, assim como a delicada questão europeia. Nos Estados Unidos, tudo indica que a recuperação econômica será bastante lenta, justificando a manutenção da taxa de juros em quase zero. Mas no dia em que esta moleza acabar, seria crucial que o Brasil estivesse preparado para crescer sem depender dos estímulos artificiais do governo.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no jornal Valor Econômico, em 30 de março de 2010.


Rodrigo Constantino
Rio de Janeiro, 19/4/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O som na cabeça de Daniel Daibem
02. Brincando de ignorar a internet de Gabriela Simionato Klein
03. O CNJ e a Ancinav de José Nêumanne
04. O historiador das idéias de Pedro Maciel
05. Sérgio Buarque de Holanda: o homem cordial de Alberto Beuttenmüller


Mais Rodrigo Constantino
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/4/2010
09h24min
Parabéns ao articulista por este artigo, e ao Digestivo pela oportunidade que nos dá de lê-lo! Muito raros, nestas águas turvas, atuais, articulistas como Rodrigo Constantino, dispostos a ignorar a patrulha ideológica e trazer à luz uma verdade inquestionável sobre a nossa economia e o tratamento (ainda errado) que se lhe dá com consequências no nosso futuro, transferidas. Caso uma verdade, ao ser exposta, beneficie A ou B, cabe apenas responder que A ou B faz parte, então, daqueles núcleos sadios que restam na sociedade e a verdade, pura e simples, é quem ganha e recebe os aplausos. Abraços a todos! Queremos mais, queremos melhor! JP.
[Leia outros Comentários de José Pereira]
21/4/2010
10h19min
Rodrigo Constantino parece um porta-voz dos bancos falando. Será ele empregado de algum grande banqueiro ou está apenas puxando o saco mesmo? Se a resposta for a segunda opção, sinto lhe informar, Rodrigo, que você vai continuar desempregado. Os banqueiros brasileiros estão felizes com o governo, apesar de ainda lutarem para privatizar a previdência, os serviços públicos que restaram e piorar ainda mais as condições para que o trabalhador se aposente de forma justa. Previdência deficitária? Você precisa rever seus (ou você só os está repetindo?) conceitos, Rodrigo. Quanto às formigas, que eu saiba as cigarras são os mesmos que você defende, os ricos e famosos, os industriais, os banqueiros, os agiotas. Que tal estatizar todos os meios de produção e tornar pública toda a riqueza que os próprios trabalhadores, ou seja, as formigas, criam? E vale lembrar que, sem os estímulos do governo, os empresários e banqueiros incompetentes que faliram a economia mundial, e que você tanto defende, já estariam falidos há tempos.
[Leia outros Comentários de Luciano Pita]
21/4/2010
11h48min
Todas as preocupações com o número da economia fazem parte do círculo do capitalismo. Não tenho vocação pra contar nem vantagem nem valores econômicos, quero mais sentar a beira de um rio e ter uma dose água de coco, goela abaixo.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
21/4/2010
13h16min
Este artigo é mais do mesmo. Sua "receita" para o verdadeiro desenvolvimento é a "redução do governo na economia", o que vimos durante todos os anos 90 e continuamos assistindo em vários setores, como o dos transportes (nada) públicos do Rio de Janeiro. Ainda não vi os economistas ortodoxos avaliando o sistema (?!) de transportes na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Neste setor, foi cumprido à risca o receituário anti-estatista: tudo é operado por empresas privadas... E é um caos! Que os economistas neoliberais parem de falar que o problema são os "estímulos artificiais" do governo (como se a economia de mercado fosse natural), ainda mais em um contexto de crise no qual os Estados são chamados a reaquecer a economia paralisada.
[Leia outros Comentários de Marcos Rangel]
21/4/2010
15h03min
Brilhante o texto do Constantino... nada como ler textos de quem conhece a fundo o que esta escrevendo. Há algumas frases memoráveis: "A carga tributária já está em patamares escandinavos, apesar dos serviços africanos"; "Precisamos de mais formigas e menos cigarras". As políticas atuais do nosso governo vão totalmente na contramão desses conceitos: os patamares da carga tributária estão cada vez mais "escandinavos", e os serviços cada vez mais "africanos"... e os programas sociais Bolsa disso, Bolsa daquilo, só criam "cigarras", nenhuma "formiga". Corremos lépidos em direção a um muro de pedras asperas e com arestas cortantes, intransponível. Ingênuos, aceleramos e colocamos a cabeça bem na frente... Será que o povo brasileiro aproveitará a oportunidade em outubro de mudar o curso? Se não, a dor-de-cabeça será monumental... Obrigado pela oportunidade de comentar.
[Leia outros Comentários de Claudio Spiguel]
21/4/2010
16h46min
Certo: não estamos (nunca estivemos) num paraíso. Quem está ou já esteve, pelo menos, no mundo perfeito que muitos comentaristas pintam quando falam do que não somos? O que chama a atenção, na verdade, é o seguinte: quantos outros lugares deste planeta contam, como nós, com uma imprensa (de papel ou virtual) que torça tanto e tão insistentemente contra o próprio país? Com jornalistas, comentaristas, analistas especialistas que têm tanta vergonha, tanto asco pelo lugar em que nasceram. Que sonham tanto em viver longe, em ser o que não são, enquanto exercem seu "poder crítico"?
[Leia outros Comentários de Paulo Cezar]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Anti Sionismo Nova Face do Anti Semitismo
Eliyahu Biletzky
Bnai Brith
(1982)



Justiça Penal: Crimes Hediondos, Erro Em Direito Penal e Juizados
Jaques de Camargo Penteado (coordenador)
Rt
(1993)



O Indio Brasileiro - 3ª Edição
Agenor F. de Macedo, Eduardo P. C. de Vasconcellos
Ferreira de Mattos
(1935)



Monteiro Lobato Vivo
Cassiano Antunes ( Coord.)
Mpm
(1986)



Erotic Astrology - About Him For Her
Olívia
Ballantine Books
(1997)



Os Bichos do Jogo da Vida
Valdimir Piovezan
Edicon
(1987)



A Celebração na Vida Cristã
Claude Duchesneau
Paulinas
(1977)



Novo Código de Processo Civil Comparado: Cpc 73 para o Cpc 2015 E
Elpídio Donizetti (2016)
Atlas
(2016)



Biblioteca da Arte Culinária - Vol. 1
Dolores Botafogo
Maga



Los Conquistadores de Internet: Pioneros En un Nuevo Espacio Empr
Christopher Price
Prentice Hall
(2001)





busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês