Um caso de manipulacao | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
>>> Mostra de Teatro de Ipatinga comemora os 15 anos do Grupo 3 de Teatro com espetáculo online
>>> Live: Como a cultura nos livros didáticos influencia a formação da criança
>>> Projeto: Encontro ás escuras - Contos e cantos ancestrais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Meu bem, meu mal
>>> Galvão responde ao Cala a Boca
>>> A Velhice
>>> Ser intelectual dói
>>> Memória Visual dos Aborígenes Australianos
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Novas leis de Murphy
>>> Yamandu+Dominguinhos, no Auditório Ibirapuera
>>> O cinema segundo Borges
Mais Recentes
>>> O Chalé de Danielle Steel pela Record (2005)
>>> The Wonders of The World de Stephen L. Harris pela National Geographic Society (1998)
>>> Monet And The Mediterranean de Joachim Pissarro pela Rizzoli (1997)
>>> Manual de Criação de Peixes de Dr. José Roberto Rezende de Menezes e Outro pela Instituto Campineiro (1983)
>>> Avaliação de Impacto Ambiental Conceitos e Métodos de Luis Enrique Sánchez pela Oficina de Textos (2008)
>>> Comportamento do Consumidor Construindo a Estratégia de Marketing de DelI. Hawkins David L. Mothersbaugh e Outro pela Campus (2007)
>>> Dicionário Houaiss da Lingua Portuguesa Edição de Luxo de Antônio Houaiss pela Objetiva (2001)
>>> Tempos da História de Voltaire Schilling pela SoLivros (1995)
>>> História Ilustrada da Ciência Da Renascença à Revolução Científica de Colin A. Ronan pela Círculo do Livro (1991)
>>> História Ilustrada da Ciência Das Orifens à Grécia de Colin A. Ronan pela Círculo do Livro (1991)
>>> História Ilustrada da Ciência Oriente Roma e Idade Média Vol II de Colin A. Ronan pela Círculo do Livro (1991)
>>> História Ilustrada da Ciência A Ciência nos Séculos XIX e XX Vol IV de Colin A. Ronan pela Círculo do Livro (1991)
>>> Heráldica de Fabricius Lucas de Almeida pela Chiado Books (2018)
>>> Quincas Borba no Folclore Político de Ivanildo Sampaio Ernani Régis pela Raiz (1991)
>>> O Incesto Contos de Milton Oliveira pela Não Informado (1978)
>>> Aquários Ornamentais Marinhos Vol 2 Doenças dos Peixes de Yanko Seljan Jr. E Eduardo Sá de Sá Rêgo pela Nobel (1983)
>>> O Aquário Moderno Peixes Tropicais de Márcio Infante Vieira pela Nobel (1982)
>>> Peixes Criação Simples e Rentável de Américo Menezes pela Nobel (1986)
>>> Criação Lucrativa de Patos e Gansos de Claudio Artigas Rosell pela Agricola Litexa
>>> Adolf - V. 01 de Osamu Tezuka pela Conrad (2006)
>>> Manual Prático de Marcenaria de Domingos Marcellini pela Ediouro
>>> Fabricação de Queijo de Leite de Cabra de Múcio Mansur Furtado pela Nobel (1984)
>>> Adolf - V. 02 de Osamu Tezuka pela Conrad (2006)
>>> Adolf - V. 03 de Osamu Tezuka pela Conrad (2006)
>>> Silo Trincheira Misto de Breno G. Reis pela Nobel (1979)
>>> Aquários Ornamentais Marinhos Vol 1 de Yanko Seljan Jr. pela Nobel (1983)
>>> Adolf - V. 04 de Osamu Tezuka pela Conrad (2006)
>>> The Shining A Luz 2 Volumes de Stephen King pela Pendulo (1977)
>>> Adolf - V. 05 de Osamu Tezuka pela Conrad (2008)
>>> Ele Se Acha o Centro do Universo de Wendy T. Behary pela Best Seller (2011)
>>> Ética e Práxis Histórica de Manfredo Araújo de Oliveira pela Ática (1995)
>>> História da Antiguidade, A Grécia de V. Diakov; S. Kovalev pela Estampa (1976)
>>> Manuscrito Encontrado em Accra de Paulo Coelho pela Sextante (2012)
>>> Momentos de Paixão de Danielle Steel pela Círculo do Livro (1991)
>>> Memórias Inventadas: a Infância de Manoel de Barros pela Planeta (2003)
>>> Meditação Transcendental e Saúde de Dr. Wolfgang Schachinger; Dr. Ernst Schrott pela Pensamento (2005)
>>> O Rancho de Danielle Steel pela Record (1998)
>>> A Energia da Sabedoria: Ensinamentos Básicos do Budismo de Lama Yeshe; Zopa Rinpoche pela Pensamento (1982)
>>> Michelangelo e o Teto do Papa de Ross King pela Record (2004)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2006)
>>> Hikikomori - a Vida Enclausurada Nas Redes Sociais de Christine Greiner; Cecília Noriko Ito Saito pela Intermeios (2013)
>>> Calçada de Verão - Poemas de Flora Figueiredo pela Nova Fronteira (1989)
>>> Orgônio. Reiche e Eros. a Teoria Energia Vital de Wilhelm Reich de W. Edward Mann pela Summus Editorial (1989)
>>> Leis e Regulamentos da Instrução Pública do Império em Mato Grosso EAN: 9788574960067 de Nicanor Palhares pela Autores Associados (2000)
>>> Assassinato no Monte Fuji de Shizuko Natsuki pela Brasiliense (1989)
>>> Saúde e Juventude - os Segredos do Antigo Egito de Rolland pela Instituto Nefru (2000)
>>> Os Mitos Gregos - Volume 1 de Robert Graves pela Publicações Dom Quixote (1990)
>>> Os Parceiros do Rio Bonito de Antônio Cândido pela Livraria Duas Cidades (1979)
>>> Cartas na Mesa de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> O Assassinato de Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1976)
COLUNAS

Terça-feira, 11/7/2017
Um caso de manipulação
Celso A. Uequed Pitol

+ de 2700 Acessos

Em seu famoso prólogo a Dom Quixote de La Mancha, o autor, Miguel de Cervantes, fornece uma importante informação ao leitor: a de que ele, Cervantes, não é o “pai” da obra, mas sim o seu “padrasto”. O leitor – ou “desocupado leitor”, como o autor a ele se dirige no começo do texto - é pego de surpresa: como assim, padrasto? Abre-se, então, espaço para que se faça a inescapável pergunta: se ele não é o pai – ou seja, o criador – da história, quem o será? A resposta está no capítulo 9 do livro, onde nós, desocupados leitores, somos informados que o autor da história original é um historiador árabe chamado Cide Hamete Benengeli. Está, em princípio, resolvida a questão.

Nem tanto, Seria mais correto dizer que apenas uma das questões está resolvida. Surgem outras: como o narrador lida com tal legado? Como o autor Benengeli e sua narrativa original são tratados? Este breve artigo quer lançar alguns pontos que podem indicar respostas para essas perguntas. Parto aqui da leitura do texto cervantino e da observação de um processo de manipulação do trabalho de Benengeli realizado pelo narrador de Dom Quixote.

A manipulação é um tema frequente quando se fala em escrita e leitura. O francês Patrick Charaudeau aponta que uma das estratégias de persuasão e manipulação da linguagem é a construção de uma imagem de si do orador - um ethos: "O ethos” - segundo ele - “ relaciona-se ao cruzamento de olhares: olhar do outro sobre aquele que fala, olhar daquele que fala sobre a maneira como ele pensa que o outro o vê”.

Embora Charaudeau direcione seu trabalho para o estudo dos discursos políticos, entendo que suas considerações podem servir para analisar a posição do narrador na história cervantina em oposição ao "primeiro autor". A estratégia de contrapor um ethos específico contra outro revela uma estratégia de manipulação. É uma espécie de jogo – e aqui recupero a noção de Wolfgang Iser sobre o texto como um campo de jogo onde autores jogam com leitores. O texto, segundo Iser, é o resultado de um ato intencional do autor a fim de intervir no mundo existente. E, nesse campo, entram estratégias de manipulação de linguagem.

Feitas essas breves considerações preliminares, passo a centrar atenção na figura de Cide Hamete Benengeli. Sua primeira menção em “Dom Quixote” ocorre no capítulo 9 da primeira parte, quanto o narrador descobre a existência de um manuscrito em Alcaná de Toledo, escrito por um árabe, intitulado “História de Dom Quixote de la Mancha”. A partir do momento em que Benengeli aparece, inaugura-se uma divisão na autoria de “Dom Quixote”: passa-se a chama-lo de “primeiro autor”, no qual o narrador se baseia para escrever sua obra - sendo que entre ele, narrador, e a obra original há ainda a mediação de um tradutor do árabe para o castelhano.

Cide Hamete Benegeli é árabe. É uma condição sumamente relevante: os árabes dominaram Península Ibérica por setecentos anos e, na Espanha cervantina, mesmo um século após a Reconquista, ainda eram numerosos em muitas cidades do centro-sul do país. Séculos de inimizade entre eles e os cristãos haviam cimentado preconceitos de toda sorte, e um deles fica expresso neste julgamento que se faz de Benengeli:

“Se daqui se pode pôr alguma dúvida, será só o ter sido o autor arábigo, por ser mui próprio dos daquela nação serem mentirosos (…)

E o repete em outros momentos,, como este aqui: “Os mouros são "embaidores, falsários e mentirosos" . Está aí, bem definido, o que o narrador pensa de sua própria fonte. Benengeli, como árabe, não passa de mentiroso, um enganador. Logo, não pode ser historiador: estes devem ser pontuais, verdadeiros, nada apaixonados e não devem deixar que o interesse, o temor ou a afeição lhes afastem do caminho da verdade. Benengeli é o contrário disso tudo, como comprovam as muitas citações de sua obra que o narrador faz. Seu estilo é hiperbólico, enfático, inverossímil ; por outro lado, a voz do narrador representa o contraponto de discrição, sensatez e verossimilhança. Assim, o narrador assume um papel decisivo diante do trabalho de Benengeli: o de censor . Ao fim e ao cabo, o que o leitor de "Dom Quixote" tem em mãos não é a história contada pelo Cide, mas sim a versão "censurada" do narrador e do tradutor. Qual a tarefa desse censor? O que deve fazer diante do relato de Cide? Simples: o discurso verossímil, racional, que constroi o sistema narrativo do romance, está nas mãos do narrador, responsável por censurar – leia-se: manipular – os excessos de Cid Hamete Berengeli . Excessos que ele, narrador, faz questão de ridicularizar: quando cita diretamente trechos de Benengeli, seu objetivo é chamar a atenção para as redundâncias adjetivais, o abuso dos superlativos, o mau uso de artifícios retóricos.

Diante de todos esses elementos, podemos ler o trecho que nos interessa neste trabalho. Trata-se do capítulo LIII da segunda parte, quando o governo de Sancho Pança está prestes a terminar:

“' é escusado; antes parece que anda tudo à roda. À primavera segue-se o verão, ao verão o outono, ao outono o inverno, e ao inverno a primavera, e assim gira e regira o tempo nesta volta contínua. Só a vida humana corre para o seu fim, ligeira, mais do que o tempo, sem esperar o renovar-se, a não ser na outra, que não tem termos que a limitem'. Di-lo Cid Hamete, filósofo maometano; porque, isto da ligeireza e instabilidade da vida presente, e duração da eterna, que se espera, muitos o entenderam sem luz de fé, só com a luz natural; mas aqui, o nosso autor se refere à presteza com que se acabou, se consumiu, se desfez e se dissipou, como em sombra e em fumo, o governo de Sancho.”

Trata-se de um típico trecho de Benengeli. Está cheio de adornos retóricos, como repetições da mesma ideia expressa por várias imagens – incluindo aí a banal relação entre a passagem da vida e das estações do ano. São cinco linhas de repetição da mesma ideia.

Logo a seguir, merece atenção a qualificação de filósofo maometano. Se o historiador é desacreditado por faltar com a verdade, pode-se imaginar o que o narrador quer dizer quando o qualifica como filósofo – um homem que, na acepção tradicional da palavra, é, sobretudo, preocupado com a busca da verdade. Trata-se, evidentemente, de uma ironia – uma das muitas colocações irônicas que o narrador faz sobre Benengeli. O “filósofo” em questão não é capaz de realizar profundas especulações sobre um tema como o da transitoriedade da vida: limita-se a repetir chavões e clichês. E a ironia se caracteriza logo à frente, quando o narrador, de maneira sóbria, afirma que o “primeiro autor” faz referência não a uma situação filosófica profundíssima, mas sim apenas a uma situação particular, muito concreta, que é o fim do governo de Sancho. O narrador não se refere a uma situação “existencial”: refere-se apenas ao fim do governo de Sancho.

Note-se que o narrador não coloca o trecho inteiro da citação do “primeiro autor”: apenas um trecho selecionado, entre aspas, de modo a realçar a banalidade de uma pseudo-reflexão filosófica.

Dessa forma, ao pôr, lado a lado, um trecho cuidadosamente selecionado da voz de Benengeli e a sua própria dicção, que o completa e corrige, o narrador realça o caráter verborrágico e altissonante de Benengeli, que fica tão mal em um “filósofo” quanto em um historiador. E realça, também, a sua própria posição como homem comprometido com a verossimilhança e com uma narrativa coerente. O narrador, distanciado , ganha força e vigor, ganha credibilidade. Opera-se, assim, um esforços de desqualificação do autor - e de legitimação de si próprio como homem veraz, sóbrio e inteligente. Um narrador de pleno pleno direito. E, como bom narrador, hábil nas artes da manipulação.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 11/7/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A vida do livreiro A.J. Fikry, de Gabrielle Zevin de Ricardo de Mattos
02. O jornalismo na fervura de Marta Barcellos


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2017
01. Oswald de Andrade e o homem cordial - 14/2/2017
02. O Wunderteam - 5/9/2017
03. Thoreau, Mariátegui e a experiência americana - 14/3/2017
04. Um caso de manipulação - 11/7/2017
05. O Natal de Charles Dickens - 10/1/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Caca Aos Turistas
Carl Hiaasen
Companhia Das Letras
(1993)
R$ 10,00



Israel x Palestina: origens, história e atualidade do conflito
Maria José Aragão
Revan
(2006)
R$ 10,00



Só é Gordo Quem Quer
João Uchoa Jr.
Guanabara
(1986)
R$ 10,00



A Eletrônica Volume 99
Manuel Moralejo e Edelmiro Pascual
Biblioteca Salvat
(1979)
R$ 10,00



Todo Dia
David Levithan; Ana Resende
Galera Record
(2013)
R$ 10,00



As Sete Maravilhas do Mundo
Readers Digest
Readers Digest
(1979)
R$ 10,00



A Constituiçao Divina
Richard Simonetti
Ceac
(1997)
R$ 10,00



S.O.S. Tartarugas Marinhas
Rogério Andrade Barbosa
Melhoramentos
(2000)
R$ 10,00



Contos de Grimm Volume 2: o Príncipe Sapo e Outras Histórias
Irmãos Grimm
L&pm
(2002)
R$ 10,00



Subdesenvolvimento e Revolução
Paulo de Castro
Fundo de Cultura
(1962)
R$ 10,00





busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês