O Natal de Charles Dickens | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Documentário inédito sobre Luis Fernando Verissimo estreia em 2 de maio nos cinemas
>>> 3ª Bienal Black abre dia 27 de Abril no Espaço Cultural Correios em Niterói (RJ)
>>> XV Festival de Cinema da Fronteira divulga programação
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> Nem Aos Domingos
>>> Aprender poesia
>>> São Luiz do Paraitinga
Mais Recentes
>>> História Sociedade E Cidadania - 7º Ano de Alfredo Boulos Júnior pela Ftd (2018)
>>> Seis Ferramentas Para o Desenvolvimento De Um Texto de Alex Giostri pela Giostri (2015)
>>> Panoramas Ciências - 6º Ano de Leandro Godoy pela Ftd - Didáticos (2019)
>>> A Linguagem De Deus de Francis S. Collins pela Gente (2007)
>>> Geração Alpha Geografia 6 Ed 2019 - Bncc de Fernando Dos Santos Sampaio pela Sm (2019)
>>> O Castelo De Papel de Mary Del Priore pela Rocco (2013)
>>> Criaturas De Um Dia de Irvin D. Yalom pela Agir (2015)
>>> Biologia 2 - 3 edição de Armenio Uzunian pela Harbra (2005)
>>> Batman, Tempestade de Sangue de Jones Hermest pela Mythos
>>> Postais Paulistas de Frederico Branco pela Senac (2002)
>>> Assim Falou Zaratustra de Nietzsche pela Hemus
>>> Guia Técnico de Hotelaria a arte e a ciência dos modernos serviços de restaurante de Joaquim Antonio pela Cetop (1991)
>>> Livro Direito Meio Ambiente e Sistema Tributário Novas Perspectivas de Cláudia Campos de Araújo e Outros pela Senac (2003)
>>> O Sonho Do Celta de Mario Vargas Llosa pela Alfaguara (2011)
>>> The Branded Mind: What Neuroscience Really Tells Us About The Puzzle Of The Brain And The Brand de Du Plessis, Erik pela Kogan Page (2011)
>>> Livro Comunicação As Teorias da Comunicaçao da Fala à Internet de Roberto Elisio dos Santos pela Paulinas (2008)
>>> O Grande Livro Dos Jogos E Brincadeiras Infantis de Debra Wise pela Madras (2005)
>>> Exercícios Práticos De Dinâmica De Grupo - Volume II de Silvino José Fritzen pela Vozes (2001)
>>> Curso de Maçonaria Simbolica de Theobaldo Varoli Filho pela A Gazeta Maçônica
>>> Lebre Com Olhos De Ambar de Edmund de Waal pela Intrinseca (2011)
>>> Coleção olho da rua - Majestic Hotel de Sergio faraco pela L e pm (1991)
>>> A tragédia do ensino público e outras crônicas de Arnaldo Niskier pela Consultor (1995)
>>> Livro Auto Ajuda Gasparetto Responde! de Luiz Gasparetto e Lúcio Morigi pela Vida & Consciência (2015)
>>> Libertinagem E Estrela Da Manha de Manuel Bandeira pela Folha de S.Paulo (2008)
>>> A Educação Negada: Introdução Ao Estudo Da Educação Brasileira Contemporânea (biblioteca Da Educação) de Ester Buffa pela Cortez (1997)
COLUNAS

Terça-feira, 10/1/2017
O Natal de Charles Dickens
Celso A. Uequed Pitol
+ de 3600 Acessos

Os natais da infância de Charles Dickens não eram feitos de grandes comemorações. Filho de família de classe média baixa, conheceria a pobreza degradante das classes trabalhadoras aos doze anos, quando seus pais foram presos por dívidas. Foi então obrigado a trabalhar, e trabalhar duro, para poder sobreviver na Inglaterra dos começos da Revolução Industrial, quando leis trabalhistas, sindicatos, medidas de proteção social e outras coisas não eram sequer sonhadas pelos trabalhadores. Seus natais eram cheios de incertezas, dívidas não pagas, dinheiro faltando e perspectiva de um ano duro – os seus e os de todos os trabalhadores ingleses de sua geração.

O Natal das classes sociais mais abastadas era, é claro, muito mais luxuoso e tranquilo. Mas não necessariamente mais alegre: as regras estritas do cristianismo protestante dos séculos XVIII e XIX não via celebrações efusivas com bons olhos, e reunir a família e os amigos para comemorar ao som de música, boa comida e bebida tinha um intolerável ar pagão. Por essa razão, o duríssimo Oliver Cromwell chegou a proibir a sua celebração no século XVII. Na época de Dickens a proibição ja não vigorava, mas um escritor seu contemporâneo, Leigh Hunt, descrevia-o como um evento irrelevante, indigno de ser mencionado. Além disso, a grande burguesia britânica associava o Natal à rudeza das tradições rurais, que a racionalização do tempo da era industrial deveria passar por cima. Aos pobres, a frugalidade era imposta pelas condições econômicas; aos demais, pela rigidez dos costumes.

Quando Dickens decidiu ser escritor, já adulto, transformou as experiências de perda e desamparo em tema literário . Seus primeiros livros falam da situação degradante em que viviam os trabalhadores da Inglaterra, a indiferença para com o próximo em necessidade e o vale-tudo para subir na social, típico daquela época de intensa competição estimulada pelo governo. A Inglaterra em que ele viveu, e que retratou com maestria em seus romances, era um país de solitários, depressivos, cínicos, hipócritas, extenuados pelo trabalho e embrutecidos pelo individualismo atomizador. Era o mundo de “Oliver Twist”, de “As aventuras do sr. Pickwick” e de “Loja de antiguidades”; e era, também,o mundo de “Canção de Natal”, lançado em 1843.

Será difícil encontrar quem não conheça a história. O protagonista é o empresário Ebenezer Scrooge, que acha o Natal uma festa sem sentido e abomina as tentativas das instituições de caridade em obter donativos nesta data: “Não há mais prisões?”, pergunta ele. “Seria melhor que os pobres todos morressem. Assim, reduziriam a população excedente!”. Ao seu lado trabalha um caixeiro, Bob Cratchit, que lhe pede um dia de licença para poder celebrar o Natal com a família. Muito a contragosto, Scrooge permite – não sem resmungar, é claro, que se trata de perda de tempo. À noite, quando está sozinho, recebe a visita do espírito do seu falecido ex-sócio, Jacob Marley, que, em vida, compartilhava o mesmo ponto de vista de Scrooge. Condenado a vagar pela eternidade com uma cadeia de correntes, em punição por uma vida de egoísmo e materialismo, Marley diz ao sócio que ele receberá a visita de três espíritos de Natal, o do presente, o do passado e o do futuro, que tentarão fazê-lo mudar de vida. É o que acontece: Scrooge recebe os três espíritos e, atordoado pelas revelações que lhe fazem, passa a amar o Natal. Um homem novo nascia ali – justamente na celebração maior de um nascimento.

Canção de Natal teve nada menos do que trinta adaptações para o cinema, incontáveis versões em quadrinhos e figura na lista de qualquer biblioteca infantil que se preze. Foi traduzido para quase todas as línguas conhecidas. Sua força e influência ombreia com as parábolas bíblicas, com as quais tanto se parece. Em estudo sobre o impacto da obra, o sociólogo James Barnett aponta que “Canção de Natal” a combinava atitudes religiosas e não-religiosas de celebração de união dos homens: repudiava o egoísmo e o individualismo e exaltava as virtudes da fraternidade, compaixão e generosidade. Por isso, serve bem às diversas leituras: os socialistas viram em Dickens um companheiro de luta contra a exploração do trabalhadores pelos capitalistas, e os cristãos, um pregador contra o egoísmo e em favor da fraternidade, à maneira do “Sermão da Montanha”. Ninguém escapou ao impacto de “Canção de Natal”.

E nem mesmo os burgueses, representados tão negativamente no sr. Scrooge: uma reportagem de 1844 da “Gentleman’s Magazine”, revelou um aumento gigantesco no valor de doações para a caridade feita por milionários e atribuiu o fenômeno à imensa popularidade do romance. O feriado para o Natal foi instituído, as legislações do mundo todo incluíram o “indulto de Natal” em seus códigos e a gratificação de Natal (chamada, no Brasil, de “décimo-terceiro”) passou a ser um direito de todo trabalhador. O Natal, o dia do nascimento do Salvador da cristandade, passou a ser, também, o dia onde os Scrooges do mundo podem tentar a redenção – e nada representa melhor essa tentativa do que a peregrinação noturna do velho ranzinza e egoísta pelas ruas de uma Londres coberta pela neve, atormentado pelos pecados do passado e recebendo, na manhã de Natal, a chance de mudar de vida e redimir-se.

Por isso, e por muito mais, seguimos escutando, com atenção, à canção entoada por Dickens há 173 anos. O Natal de Dickens é, hoje, o nosso: hoje todos somos convidados a celebrar com alegria, junto dos amigos e familiares, com boa comida, boa bebida, canções e presentes. Mas o mundo de Dickens, o mundo dos Scrooges e Cratchits, dos meninos sem Natal e dos adultos que o desdenham, também é o nosso. Um mundo que precisa de redenção.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 10/1/2017

Quem leu este, também leu esse(s):
01. 2007 e os meus shows de Rafael Fernandes
02. Trabalhar e cantar de Adriana Carvalho
03. Grandes retornos no cinema marcam 2006 de Marília Almeida
04. A caixa de confeitos da literatura contemporânea de Marcelo Spalding
05. O dia dos namorados e os clichês de Ana Elisa Ribeiro


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2017
01. Oswald de Andrade e o homem cordial - 14/2/2017
02. Thoreau, Mariátegui e a experiência americana - 14/3/2017
03. Um caso de manipulação - 11/7/2017
04. O Wunderteam - 5/9/2017
05. O Natal de Charles Dickens - 10/1/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




As Clavículas de Salomão
Carlinhos Lima
Anubis
(2016)



Estratégias Empresariais e Formação de Competências
Afonso Fleury; Maria Tereza Leme Fleury
Atlas
(2004)



Temas de Filosofia
Maria Lúcia e Maria Helena
Moderna
(1998)



Fundamentos do Mercado de Capitais
Umbelina Cravo Teixeira Lagioia
Atlas
(2011)



Proclim Programa de Atualização Em Clinica Médica
Antonio Carlos Lopes
Artmed
(2010)



Vocabulário de Filosofia
Régis Jolivet
Agir
(1975)



Vade Mecum Acompanha Cd
Saraiva
Saraiva
(2006)



Livro Literatura Estrangeira Balada da Praia dos Cães
José Cardoso Pires
Bertrand Brasil
(2009)



Perfil profissiográfico clínico 502
Vicente Pedro Marano
LTr
(2008)



Demon Slayer - Flor da Felicidade
Aya Yajima
Panini
(2022)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês