Fondo de Cultura Económica: 70 anos de uma missão | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
>>> Jovens negros e indígenas são público-alvo de laboratório gratuito para curtas-metragens
>>> Peças de teatro serão transformadas em “radionovelas”
>>> Concurso literário vai premiar novos escritores locais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rufo, 80 II
>>> Jeitos de trabalhar
>>> The GigaOM Show
>>> BoicotaSP
>>> 18 de Maio #digestivo10anos
>>> Um jornal que pensa ão?
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> 7 de Setembro
Mais Recentes
>>> Revista o lojista de Cdl Cacoal pela Cdl (2013)
>>> Revista Boletim de Conjuntura Imobiliária. Secovi DF. de Econsult pela Unb (2012)
>>> As americanas de Ingrid Carlander pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Os Países Subdesenvolvidos de Yves Lacoste pela Bertrand Brasil (1988)
>>> Livros do conto à crônica / cada história é um conto. de Leo Cunha - Machado de Assis - Marcelo Coelho.. pela Salamandra (2021)
>>> Os Filhos Do Amor de Paulinho Santos pela O Artífice (1997)
>>> The 100: os Escolhidos de Kass Morgan pela Galera (2014)
>>> Mônica 82 - Outubro/1993 - Horacic Park de Maurício de Sousa pela Globo (1993)
>>> Mônica 133 - Dezembro/1997 - Férias de Verão de Maurício de Sousa pela Globo (1997)
>>> Mônica 113 - Maio/1996 - Mônica, Não Mande... Peça! de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Mônica 176 - Abril/2001 - Eterna Criança de Maurício de Sousa pela Globo (2001)
>>> A Avaliação Psicopedagogica numa Abordagem Institucional de Carolina Provvidenti pela Qualidade (2010)
>>> Revista Uniclar - Ciências da Religião - ano 8 nº 1 de Vários Autores pela Faculdades Claretianas (2006)
>>> Contagem Regressiva de Ken Follett pela Arqueiro (2018)
>>> Manuel Bandeira - as Cidades e as Musas de Antônio Carlos Secchin Organização pela Desiderata (2008)
>>> Pequeno Segredo - A Lição de Vida de Kat para a Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Agir (2012)
>>> Doidas e Santas de Martha Medeiros pela L&pm (2008)
>>> Pelas Praias do Mundo de Pablo Neruda pela Bertrand Brasil (2005)
>>> Caim de José Saramago pela Companhia das Letras (2009)
>>> Abc de Rachel de Queiroz de Lilian Fontes pela José Olympio (2012)
>>> As Espiãs do Dia D de Ken Follett pela Arqueiro (2015)
>>> Coleção Abc Meus primeiros passos na Leitura e aprendizagem A Estação das Folhas secas o Outono de Malgorzata Strzalkolska pela Salvat (2011)
>>> Arquitetura & construçao--setembro de 2006--dossie cimento de Abril pela Abril (2006)
>>> Arquitetura & construçao--julho de 2008--renove as paredes de Abril pela Abril (2008)
>>> Arquitetura & construçao--março de 2001--pre-fabricada de madeira. de Abril pela Abril (2001)
>>> Arquitetura & construçao--outubro de 2012--como usar e onde comprar madeira sustentavel. de Abril pela Abril (2012)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Superando os Desafios Íntimos de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2006)
>>> Sua Alteza Real (Royals 2) de Rachel Hawkins pela Alt (2020)
>>> A República Cantada do Choro ao Funk, a História do Brasil Através da Música de André Diniz e Diogo Cunha pela Zahar (2014)
>>> Uq Holder! - Vol. 5 EAN: 9788545702429 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Peça e Será Atendido de Esther e Jerry Hicks pela Sextante (2007)
>>> Uq Holder! - Vol. 4 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Mata-me de Prazer de Nicci French pela Record (2002)
>>> O Escaravelho do Diabo 2ªd. de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1974)
>>> Cangaceirismo do Nordeste de Antônio Barroso Pontes pela O Cruzeiro (1973)
>>> Uq Holder! - Vol. 2 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Bíblia Sagrada de Não informado pela Presbiteriana (1993)
>>> Gramática Reflexiva de William Cereja e Thereza Cochar pela Atual (2013)
>>> Jornadas.geo: geografia 9º ano de Marcelo Moraes Paula e Ângela Rama pela Saraiva (2016)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 25 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2016)
>>> As Aventuras de Tibicuera de Erico Verissimo pela Globo (1997)
>>> I-World 4 de Michael Downie, David Gray e Juan Manuel Jimenez pela Edições SM (2018)
>>> Mulheres do Evangelho de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2009)
>>> To Love Ru - Vol. 16 de Kentaro Yabuki e Saki Hasemi pela Jbc (2018)
>>> Retórica de Aristóteles pela Edipro (2013)
>>> Planejamento na Sala de Aula de Danilo Gandin e Carlos Henrique Carrilho Cruz pela Sem Identificação (1995)
>>> Língua Portuguesa 9 de Everaldo Nogueira, Greta Marchetti e Mirella L. Cleto pela Edições SM (2019)
>>> Quarta-feira de Eric Nepomuceno pela Record (1998)
>>> Araribá Plus - Ciências - 9 de Obra coletiva pela Moderna (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/12/2004
Fondo de Cultura Económica: 70 anos de uma missão
Celso A. Uequed Pitol

+ de 4300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O estudante brasileiro que quiser aprofundar-se em sua área carrega, junto às dúvidas inerentes à vida num país instável, uma só certeza: terá de faze-lo em outra língua. A maior parte do que é relevante e novo não tem edição em português e, quando tem, costuma trazer erros de tradução que obrigam o pobre acadêmico a aprender uma língua o mais rápido possível, se quiser estudar melhor. Enquanto isso não acontece, a saída é buscar auxílio nos vizinhos, que fornecem um produto precioso para aqueles que não dominam outro idioma: as edições em espanhol. A semelhança com o português é um importante atrativo, mas não é o único. Além disso - ou antes disso - há um fato, que indica uma postura adotada pelos hispanoamericanos diante da sua situação cultural e, ao mesmo tempo, boa parte de seu sucesso. O fato é: eles traduzem mais, e melhor, do que nós.

E que postura é essa? Antes de ser a favor disto ou daquilo, ela é contrária ao auto-engano nacionalista, o mais conhecido e antigo subterfúgio ibérico para mascarar o próprio atraso. A nossa proverbial inércia só exige, assim, que olhemos para o nosso próprio umbigo e esqueçamos o mundo, esse mundo que oprime o nosso ego com novidades e gênios renomados que ignoramos. Os resultados todos sabem: isolamento, provincianismo, mesquinharia e, por fim, a imposição da verdade sobre a hipocrisia, quando somos obrigados, novamente, a recorrer à produção estrangeira e recomeçar o círculo vicioso. Reconhecer a dependência é o primeiro passo para saná-la, e se os nossos companheiros no último vagão da locomotiva do Ocidente já podem mostrar o caminho para a primeira classe, é porque, em algum momento, experimentaram mudanças radicais em seus princípios. Uma delas, e talvez a mais importante, tem data e nome: foi a criação do Fondo de Cultura Económica na Cidade do México, em 1934.

A maioria dos estudantes de ciências humanas já ouviu falar dele. Parte significativa das traduções espanholas dos clássicos de história, filosofia, sociologia, economia, estudos literários e políticos que chegam até nós traz na capa a sigla CE entrecortada por um F manuscrito num fundo vermelho. A semelhança com os selos imperiais da Idade Média não é apenas um truque publicitário. Assim como estes garantiam ao destinatário a certeza da ordem real, a marca do Fondo de Cultura Económica é um certificado de boa tradução, edição caprichada e conteúdo rigorosamente selecionado. Um status conquistado aos poucos, com trabalho árduo e a firme convicção no cumprimento de uma missão.

Antes de dizermos que missão é essa, é bom voltarmos um pouco no tempo. Mais precisamente para 1934, na Cidade do México, onde vivia o economista Daniel Cosio Villegas, diretor do Departamento de Estudos Econômicos do Banco Nacional. Apesar da estrutura social ainda semifeudal, o México atravessava o seu primeiro período de rápido crescimento econômico, que aumentava a demanda por profissionais de qualidade. As universidades mexicanas, herdeiras de uma tradição espanhola dos estudos de humanidades, que excluía os cursos tecnológicos, não estavam preparadas para atendê-la. Os poucos técnicos do país eram formados nos EUA ou na Europa, e o próprio Villegas era um deles: graduado na London School of Economics, tradutor de inglês e francês e incipiente promotor cultural, percebeu na prática a distância entre o seu país e o restante do Ocidente. Na recém-fundada Escuela Nacional de Economia, onde lecionava, os alunos não dispunham de livros em castelhano para prosseguirem seus estudos: a Espanha, devastada pela guerra civil, pela fome e pelo atraso tecnológico de séculos, "traduzia pouco e traduzia mal o ruim", nas palavras de um intelectual argentino da época, e os países latino-americanos, com raras exceções, não dispunham ainda de estrutura econômica nem de editoras especializadas.

A imposição do problema fez Villegas agir. O interesse pelas ciências humanas, em especial filosofia, arte e ciências sociais, aliado à experiência no ramo empresarial, político, universitário e cultural lhe conferia autoridade para pôr em prática uma idéia pessoal, alimentada há tempos, de criar um instituto dedicado a divulgar no México as principais obras do pensamento da época. Propôs, assim, uma reunião entre intelectuais, empresários e membros do governo mexicano e expôs a importância política e econômica de desenvolver o lado cultural da nação. Capital privado, financiamento público e gerência intelectual independente: estava criado o FCE.

Nos primeiros tempos, o foco era o pensamento econômico, fazendo jus ao nome da instituição e às necessidades dos alunos de Villegas. Foram editados clássicos da economia política que nunca haviam sido traduzidos para línguas ibéricas, como O dólar-prata, de William P. Shea - primeiro livro publicado pela editora -, além de novidades de autores mexicanos e de fala espanhola. Em pouco tempo, entretanto, o lado cultural falou mais alto, e a linha editorial se expandiu: passou a contemplar filosofia, sociologia, psicologia, história, arqueologia, estudos políticos e literários. Foram editados os principais livros de Marx, Scheler, Hegel, Wittgenstein e outros nomes importantes da época.

O impacto da editora dentro da América Latina foi imediato e o resultado, alentador: era um alívio para o crônico complexo de inferioridade dos latino-americanos, que podiam, finalmente, pôr-se a par das novidades européias e americanas. Ao mesmo tempo, permitia à intelectualidade local publicar seus livros no mesmo passo dos gênios do Hemisfério Norte, colocando um nome fundamental como Alfonso Reyes, um dos maiores tradutores e ensaístas de língua espanhola, no mesmo catálogo em que constava Max Weber, e o melhor: divulgando-os por toda a América Latina. Em 1945, foi inaugurado o escritório em Buenos Aires, em 1954, em Santiago do Chile, e em 1963, em Madrid. Nenhuma iniciativa estatal seria capaz de promover semelhante integração.

Consolidado o seu trabalho, Villegas deixaria o FCE em 1948. Em seu lugar assumiu o argentino Arnaldo Orfila Reynal, que deu novo impulso à atividade do Fondo ao criar coleções específicas para cada área do conhecimento, firmando, assim, a vocação humanística da instituição. Breviarios, Lengua y Estudios Literarios, Arte Universal, Vida y Pensamiento de México, Psicología, Psiquiatría y Psicoanálisis e Colección Popular ampliaram consideravelmente o projeto de Villegas e consolidaram a vocação da editora para liderar, senão em quantidade mas certamente em qualidade, o mercado editorial latinoamericano.

Uma visita à página do FCE mexicano dá uma idéia do porquê dessa posição. A enorme variedade dos temas abordados já constituiria um bom motivo por si só, mas não é o único: antes é a escolha pelo ineditismo das publicações que o diferencia de nossas editoras, cujas maiores atividades quedam, freqüentemente, em traduções requentadas e em reedições de clássicos já presentes em qualquer biblioteca. Mais: com a sua vocação desbravadora e a presença em todo o continente, o Fundo de Cultura Econômica contribuiu positivamente para a criação de um diálogo latino-americano como antes não existia. Argentinos, mexicanos, espanhóis, uruguaios, chilenos e peruanos passaram a conhecer-se ao mesmo tempo em que, munidos de uma bibliografia nova e atualizada, iniciaram um diálogo interno sobre as últimas novidades do pensamento mundial, diálogo a um tempo independente e universalista. Partindo daí, a declaração de Julio Ortega sobre os 70 anos do FCE não parece exagerada: "América Latina no existiría sin el FCE. Quiero decir, sería un hemisferio sin la imaginación que el FCE nos hizo reconocer como el espacio de nuestra nacionalidad cultural. Entre el purgatorio de la historia y el infierno de la política, la cultura sigue siendo el espacio de nuestra humanidad". Aí está a missão do Fondo de Cultura Económica: ajudar a consolidar um espaço cultural em língua espanhola.

Já imagino no leitor a pergunta: "E nós?". Apesar de algumas iniciativas isoladas, como a Fundação Calouste Gulbekian, em Lisboa, "nós" nada temos de semelhante, nem de longe, ao trabalho do FCE. Com um agravante: sabedores do sucesso da empresa do vizinho, não demos nenhum passo na busca por uma solução parecida para problemas iguais. As críticas dedicadas às instituições, públicas e privadas, ligadas à cultura no Brasil primam por abordar um só aspecto da questão. Esquecem que, para a permanência de qualquer projeto desse nível, é necessária cooperação e sentido comum - e não temos nem um nem outro. O FCE, fruto da união do Estado, o setor privado e o meio cultural - num continente onde estes carregam a pecha de corruptos, ineficientes e mesquinhos, nesta ordem -, mostrou o melhor caminho para superar o atraso cultural: em vez de fechar-se em resmungos e supervalorizações provinicianas, o melhor é tentar correr paralelo. Este é o único caminho para superar, em qualquer área, a crônica dependência dos modelos estrangeiros, abrindo caminhos para um diálogo futuro em igual patamar com a cultura ocidental. Fora disso, só resta o auto-engano, a hipocrisia e, com alguma sorte, as línguas irmãs.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 2/12/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Na translucidez à nossa frente de Elisa Andrade Buzzo
02. Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) de Fabio Gomes
03. Um Furto de Ricardo de Mattos
04. Repensando a esquerda de Celso A. Uequed Pitol
05. Mosaico de Rancores, romance de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol
01. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006
02. Dom Quixote, matriz de releituras - 8/3/2005
03. Um olhar sobre Múcio Teixeira - 12/2/2019
04. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
05. A profecia de Os Demônios - 6/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/6/2008
10h22min
Olá, Celso! Agradecemos imensamente a sua matéria. A Editora Fondo de Cultura Econômica do México estará promovendo um bazar de livros nos dias 20 e 21 de Junho. Estão todos convidados a visitar a livraria e aproveitar os descontos de 50% em todos os livros da editora. Para saber mais acesse nosso blog. Obrigado e esperamos você lá.
[Leia outros Comentários de Maysa Crowder]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Eros
Alberto Bevilacqua
Record
(1995)
R$ 8,00



Jacques Lacan - uma Biografia Intelectual
Oscar Cesarotto, Marcio Peter de Souza Leite
Iluminuras
(2000)
R$ 31,00



Considerações Sobre a Necessidade de Especialização Nas Oficinas
Remag, Nº 112 - Ano Xi de 1974
Métodos
(1974)
R$ 19,82



Espumas Flutuantes
Castro Alves
Klick
(1997)
R$ 6,90



Os Gêneros do Discurso - 1ª Edição
Mikhail Bakhtin
34
(2016)
R$ 41,95



Rebelião das Prostitutas 7691
João Marcos Cicarelli
Milesi
(1981)
R$ 10,00



A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert
Joël Dicker
Intrínseca
(2014)
R$ 51,00



Word 97 Passo a Passo Lite
Makron Books
Makron
(1997)
R$ 5,00



Tranquillidade
Odette Castilho de Barros
Revista dos Tribunais
(1935)
R$ 50,00



Abutre
Gil Scott-Heron
Conrad
(2002)
R$ 20,00





busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês