O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
Mais Recentes
>>> Marcados pelo passado de Lourdes Carolina Gagete pela Mundo maior (2010)
>>> Espíritos entre Nós de James Van Praagh pela Sextante (2009)
>>> Novamente em casa de Francisco Cândido Xavier Caio Ramacciotti Espíritos Diversos pela Geem (1984)
>>> OS Valores e o Tempo de Alceu Costa Filho pela Petit (2004)
>>> Sementes de vida Eterna de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> Tempo de Escolhas de Francisco Cajazeiras pela Novo Ser (2011)
>>> 7 Estados do Coração de Rodolfo Beuttenmüller pela Gospel (2008)
>>> Alguém bateu na minha Porta de Osvaldo Jorge Degrazia pela Novo Ser (2012)
>>> Prelúdio de Paz de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> O Caráter Ecumênico do Espiritismo de Paulo Rzezinski pela Edição do Autor (1995)
>>> A verdadeira Alma Gêmea de Fausto Oliveira pela Seame (1998)
>>> Como tomar posse da Bênção de R.R. Soares pela Graça Arte (1987)
>>> A luz de um novo Dia de João Cuin pela Dpl (2001)
>>> A Última Grande lição ( O Sentido da vida) de Mitch Albom pela Sextante (1998)
>>> Historia de Cristo para as Crianças de Rafael A. Ranieri pela Lake (2003)
>>> Náufragos da vida ( Pelo Espírito Lenuz Aqoqo) de Luciana Cardoso pela Dpl (2000)
>>> Racionalismo Cristão Responde de Fernando Faria pela Diagrama (1998)
>>> O Poder do Jovem ( Você pode se acha que pode!) de Lauro Trvisan pela Mente (2010)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> Obra Póstumas de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> A Dança da paz de Giuliana Martirani pela Paulinas (2006)
>>> Suas verdades ( O Tempo não Apaga) de Américo Simões pela Barbara (2009)
>>> Organize-se num Minuto de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2011)
>>> Quatrocentos Contra Um - Uma História do Comando Vermelho de William da Silva Lima pela Vozes (1991)
>>> Confronto pedagógico: Paulo Freire e Mobral de Gilberta Martina Jannuzi pela Cortez & Moraes (1979)
>>> Escravidão, Homossexualidade e Demonologia de Luiz Mott pela Icone (1988)
>>> Socialismo Síntese das origens e doutrinas de Edgar Rodrigues pela Porta Aberta (2003)
>>> Sentença: Padres e Posseiros do Araguaia de Rivaldo Chinem pela Paz E terra (2019)
>>> Pancho Villa O revolucionário Mexicano de Earl Shorris pela Francisco Alves (1983)
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
COLUNAS

Quarta-feira, 18/12/2013
O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
Humberto Pereira da Silva

+ de 2900 Acessos

1.
Alfred Dreyfus (1859-1935), oficial de artilharia do exército francês de origem judaica, foi acusado em 1894 de ter espionado para os alemães, logo após a derrota francesa na Guerra Franco-Prussiana (1870-71). Julgado, foi condenado à prisão perpétua na Ilha do Diabo, na Guiana Francesa. Mas o caso Dreyfus, como passou à história, está inserido num contexto de nacionalismo e revanchismo que assumem características de antissemitismo. Incidente que se circunscreveria ao âmbito militar, acabou assumindo conotações sociais e políticas que dividiram a sociedade francesa do final do século XIX.

O caso é que foram levantadas suspeitas de que Dreyfus era inocente, e que ele não passava de mero instrumento numa situação em que a derrota para os alemães havia ferido o orgulho francês e instigara tensões entre monarquistas clericais e antimonarquistas. A questão, então, era, por um lado, a de encontrar um bode expiatório (um oficial judeu no exército francês) e, por outro, abalar os alicerces da Terceira República, criando assim condições para a restauração da Monarquia.

Em 1898 as evidências de inocência levaram a um novo julgamento. A sentença anterior, no entanto, foi mantida, o que levou o escritor Emile Zola a publicar no jornal literário L´Aurore uma carta aberta ao Presidente da República, Felix Faure, intitulada J´Acuse! (Eu acuso!) em defesa de Dreyfus.

Escritor aclamado, Zola colocará seu prestígio em jogo na defesa de uma causa. Além dele, outros literatos, como Anatole France, defenderão abertamente Dreyfus. Nessa defesa, a definição do que a partir de então passou a ser entendido como o papel do "intelectual engajado": aquele que, diante de questões sociais e políticas, não se exime e usa sua pena como florete em defesa de uma causa.

O caso Dreyfus e a posição de Zola, então, serviram de exemplo para situações de ordem política ou social nas quais cabem ao intelectual sair de sua torre de marfim e se manifestar publicamente. Ainda na França, o exemplo mais notório foi o de Jean-Paul Sartre, após a ocupação nazista.

O caso Dreyfus, bem entendido - coberto por inevitáveis paixões de ambos os lados -, não se encerra com a posterior reabilitação; com a vitória do bem sobre o mal: os antissemitas não deixaram de existir na França e algures, tampouco julgamentos em decorrência de situações sociais ou políticas se imunizaram do componente passional.

Na mesma França, o julgamento e fuzilamento do ideólogo antissemita Robert Brasilach, após a libertação, é o caso que mais despertou paixões. O que importa, contudo é que intelectuais de prestígio se sentiram no dever de manifestar posição. No caso Brasilach, os escritores Maurice Mauriac e Albert Camus.

2.
Dos acontecimentos recentes da vida política brasileira, o escândalo do mensalão é o que mais chama a atenção. Julgados, os nomes de proa foram condenados à prisão e, agora, ao mesmo tempo em que cumprem a pena, despertam calorosas discussões sobre as condições do julgamento, tanto quanto o que este traz de pedagógico na política brasileira. A se pensar na posição dos intelectuais nesse julgamento, tenho em vista o filósofo Renato Janine Ribeiro. De todos os intelectuais que acompanhei no caso mensalão, assim creio, aquele que melhor se imbuiu do sentido dado por Zola numa situação que exige, de fato, o uso da pena como florete.

Janine abriu uma frente de discussão na imprensa, com artigos nos jornais Valor Econômico e Estadão e em posts no Facebook que geraram intensos debates. Destaco aqui o que ele descreveu no Facebook como três caminhos diferentes de condenados do mensalão: José Genoíno, José Dirceu e Henrique Pizzolato.

Para Janine, Genoíno "pela convicção de muitos de ser inocente, aparece como vítima, como alguém que desperta nossa piedade e solidariedade humana", já Dirceu "se prepara para reverter a condenação judicial pela via da luta política; vai lutar e poderá virar herói", enquanto Pizzolato "pelo dossiê que levou para a Itália, pela chance de ter um julgamento sem pressão política, pode gerar um resultado que desacredite o que o Supremo brasileiro decidiu". Em seguida ele afirma que Genoíno suportou a prisão política, na ditadura, mas não suporta ser preso comum; ao contrário, Dirceu entende os dois casos como prisão política. E conclui seu post com a mensagem de que a história não terminou.

3.
Possivelmente o mensalão não divida a sociedade brasileira como o caso Dreyfus na França; provavelmente os acusados do mensalão estejam mais envolvidos nas acusações que lhe são imputadas do que Dreyfus; é razoável supor, ao contrário de Janine, que a situação de Pizzolato na Itália não dará resultado que desacredite o que foi decidido aqui; é sensato conjecturar, mesmo, que Janine, impulsionado por paixões - não se pode esquecer que ele fez parte do governo Lula, como diretor da Capes - turbilha o caso e aponta para o que muitos enxergam de outra maneira. Ressalto, contudo, que ele não faz outra coisa senão o que cabe a um intelectual efetivamente envolvido em seu tempo: se posicionar e defender sua posição.

Em suas intervenções, ele jamais defendeu, como Zola com Dreyfus, a inocência ou culpabilidade dos acusados. Sua posição diz respeito, em texto no Valor Econômico a outra questão: a prisão dos acusados e seus efeitos pedagógicos. Para ele, o efeito foi apenas fortalecer cada lado em suas crenças; ou seja, não houve efeito pedagógico. Para quem odeia o PT, o julgamento foi a ocasião para se vingar do partido, com a desculpa da justiça; já para quem apoia o PT, o ocasião para o esfriamento de uma discussão séria sobre o por quê de o partido ter relativizado a preocupação com a ética, uma vez no poder.

Aqui, então, retomo as palavras de seu post: a história não terminou. Ora, se o julgamento não gerou efeito pedagógico, a história está para ser contada. Como cada lado não aprendeu com o caso, houve apenas o fortalecimento de crenças, nada sinaliza que José Dirceu não venha a se tornar herói. A posição de Janine nesse ponto é intrigante, mas coerente. Ele tem em vista a história. Basta pensarmos em casos como Robespierre, na Revolução Francesa, ou Tiradentes, na Inconfidência Mineira. Para julgamento ulterior, não há predeterminação.

4.
Certo, mas assim se posicionando, ele traz a baila, num caso envolto em paixões e com interesses nunca suficientemente conhecidos, questões que passariam ao largo. Para um intelectual ciente de seu papel, é o que lhe cabe. Claro, como Zola, com a compreensão de que o que está em jogo é seu prestígio. E com a compreensão também de que, em outro momento histórico, não está sujeito a passar pelo que o escritor francês passou: após a publicação de J´Acuse! foi processado por difamação e condenado a um ano de prisão. Assim, entendo que as manifestações de Janine estão no contrapé do que há pouco era chamando de "silêncio dos intelectuais". Estimulados por ele, ousemos enfrentar e discutir as questões de nossa época.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 18/12/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que te move? de Fabio Gomes
02. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo
03. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
04. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou de Jardel Dias Cavalcanti
05. O Olhar das Bruxas: Quatro Versões de 'Macbeth' de Duanne Ribeiro


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2013
01. Olgária Matos - 1/2/2013
02. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' - 6/3/2013
03. Toda poesia de Paulo Leminski - 8/5/2013
04. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque - 21/8/2013
05. O Som ao Redor - 13/2/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MITOLOGIA 5 - MINERVA
EDITORA ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1976)
R$ 7,00



UM ELIXIR MISTERIOSO
AMANDA QUICK
ROCCO
(2001)
R$ 14,00



A CULPA É DAS ESTRELAS
JOHN GREEN; RENATA PETTENGILL
INTRINSECA
(2013)
R$ 15,00



A CIÊNCIA COM METAFÍSICA EM KARL POPPER
JOÃO BATISTA CICHERO SIECZKOWSKI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 363,00



NIETZSCHE COMO PENSADOR POLÍTICO-UMA INTRODUÇÃO
KEITH ANSELL PEARSON
JORGE ZAHAR
(1997)
R$ 47,49



DEUS É INOCENTE - 3122
ZECA MARTINS
FUTURA
(2002)
R$ 8,00



ANAIS DO ARQUIVO PÚBLICO DA BAHIA VOL. XXXVI - 104
DIVERSOS
IMPRENSA OFICIAL DA BAHIA
(1961)
R$ 62,00



A FORMAÇÃO HUMANA NO PROJECTO DA MODERNIDADE
F. CABRAL PINTO
EDICOES PIAGET
(1996)
R$ 21,82



OUR WAY 3 - PREMIUM EDITION - CD-ROM
EDUARDO AMOS
RICHMOND
(2012)
R$ 104,00



BOLOS CRIATIVOS
ROMANA GARDANI
SENAC SP
(2010)
R$ 40,00





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês