O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
38549 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Reflexões para um mundo em crise
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> A volta de Steve Jobs à Apple
>>> Muitos amores ao mesmo tempo
>>> O Brasil não é a Seleção Brasileira
>>> Para tudo existe uma palavra
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> O Presidente Negro, de Monteiro Lobato
>>> Roçando a poesia de Alberto Beuttenmüller
>>> A Euforia Perpétua, de Pascal Bruckner
Mais Recentes
>>> As Formas e a Vida: Estética e Ética no Jovem Lukács (1910-1918) de Carlos Eduardo Jordão Machado pela Unesp (2004)
>>> As Formas e a Vida: Estética e Ética no Jovem Lukács (1910-1918) de Carlos Eduardo Jordão Machado pela Unesp (2004)
>>> Supernatural - O Guia De Caca De Bobby Singer de David Reed pela Gryphus (2012)
>>> Os Heróis do Olimpo, Vol. 02 - O Filho de Netuno de Rick Riordan pela Intrínseca (2012)
>>> Os Heróis do Olimpo, Vol. 01 - O Herói Perdido de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> O Diário de um Mago de Paulo Coelho pela Sextante (2012)
>>> Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban de J.K. Rowling pela Rocco (2019)
>>> C++: Como Programar (Com CD-ROM) de H. M. Deitel pela Bookman (2001)
>>> Contos de Imaginação e Mistério de Edgar Allan Poe pela Tordesilhas (2012)
>>> Golem e o Gênio - Uma Fábula Eterna de Helene Wecker pela Darkside Books (2015)
>>> O Físico - Edição Capa dura (Novo - Embalado) de Noah Gordon pela Rocco (2018)
>>> Por Que Calar Nossos Amores? - Poesia Homoerótica Latina de Raimundo Carvalho pela Autêntica (2017)
>>> O universo numa casca de noz de Stephen Hawking pela Intrínseca (2016)
>>> Supernatural - O Livro Dos Monstros, Espíritos, Demônios e Ghouls de Alex Irvine pela Gryphus (2011)
>>> O Espiritismo - a Sciencia Condemna de Dr. Jacob Huddleston Slater pela Autor
>>> Tratado de La Naturaleza Humana - V. 3 e último de David Hume pela Calpe (1923)
>>> Assassins Creed, Vol. 4 - Revelações de Oliver Bowden pela Galera Record (2013)
>>> A Revelação de Baháullah - Vols. 1 e 2 - Bagdá 1853 - 1863 de Adib Taherzadeh pela Bahai do Brasil (2002)
>>> Assassins Creed, Vol. 02 - Irmandade de Oliver Bowden pela Galera Record (2012)
>>> Em Busca da Satisfação dos Interesses da Vítima Penal de Alline Pedra Jorge pela Lumenjuris (2005)
>>> Acontece por Acaso de Pedro Luis Schlindwein pela Autores Paranaenses (2019)
>>> The Dictionary of Dreams and Their Meanings de Richard Craze pela Hermes House (2005)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 04 - O Furioso Quinta-Feira de Garth Nix pela Fundamento (2010)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 03 - Quarta-feira Submersa de Garth Nix pela Fundamento (2009)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 2 - O Horrível Terça-Feira de Garth Nix pela Fundamento (2009)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 01 - Sr. Segunda-Feira de Garth Nix pela Fundamento (2008)
>>> Hipnose - Descubra o poder da sua mente de Pyong Lee pela Outro Planeta (2018)
>>> A Chave para Rondo de Emily Rodda pela Fundamento (2010)
>>> As Crônicas das Irmãs Bruxas, Vol. 01 - Enfeitiçadas de Jessica Spotswood pela Arqueiro (2014)
>>> Trilogia Fronteiras do Universo, Vol. 01 - A Bússola de Ouro de Philip Pullman pela Objetiva (1995)
>>> Trilogia Fronteiras do Universo, Vol. 02 - A Faca Sutil de Philip Pullman pela Objetiva (1997)
>>> Assassins Creed, Vol. 05 - Renegado de Oliver Bowden pela Galera Record (2012)
>>> Os Heróis do Olimpo, Vol. 05 - O Sangue do Olimpo de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> Sonho Febril de George R. R. Martin pela Leya (2019)
>>> Juízo Final: Odisseia dos Deuses de Horst Schadeck pela Chiado (2018)
>>> The Mystery of the Missing Antimatter de Helen R. Quinn pela Princeton University Press (2007)
>>> São José da Terra Firme de Gilberto Gerlach e Osni Machado pela Cultura Turismo São José (2004)
>>> Geometry - the Easy Way de Lawrence S. Leff pela Barrons (1997)
>>> A Solução Anabólica para Fisiculturistas de Dr. Mauro Di Pasquale pela Phorte (2006)
>>> Fallen, Vol. 3.5 - Apaixonados, Histórias de amor de Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> The Black Atlantic de Paul Gilroy pela Verso (1993)
>>> Fallen, Vol 03 - Paixão de Lauren Kate pela Galera Record (2016)
>>> Nos Céus de Paris - O romance da Vida de Santos Dumont de Alcy Cheuiche pela LPM Pocket (2001)
>>> Perda de uma Chance e Responsabilidade Civil dos Profissionais de Lisiane Lazzari Pietroski pela Conceito (2013)
>>> Acampamento Shadow Falls, Vol. 1 - Nascida à Meia-Noite de C.C. Hunter pela Jangada (2011)
>>> Comentários à Lei 11. 419/06 e as Práticas Processuais por Meio de Alexandre Atheniense pela Juruá (2010)
>>> Fallen, Vol. 04 - Êxtase de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Administrando para Obter Resultados de Peter Drucker pela Thomson Pioneira (1998)
>>> Fallen, Vol. 01 de Lauren Kate pela Galera Record (2010)
>>> Clínica e Política: Subjetividade e Violão dos Direitos Humanos de Cristina Rauter / Eduardo Passos pela : Ifb Te Corá (2002)
COLUNAS

Quarta-feira, 18/12/2013
O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
Humberto Pereira da Silva

+ de 3100 Acessos

1.
Alfred Dreyfus (1859-1935), oficial de artilharia do exército francês de origem judaica, foi acusado em 1894 de ter espionado para os alemães, logo após a derrota francesa na Guerra Franco-Prussiana (1870-71). Julgado, foi condenado à prisão perpétua na Ilha do Diabo, na Guiana Francesa. Mas o caso Dreyfus, como passou à história, está inserido num contexto de nacionalismo e revanchismo que assumem características de antissemitismo. Incidente que se circunscreveria ao âmbito militar, acabou assumindo conotações sociais e políticas que dividiram a sociedade francesa do final do século XIX.

O caso é que foram levantadas suspeitas de que Dreyfus era inocente, e que ele não passava de mero instrumento numa situação em que a derrota para os alemães havia ferido o orgulho francês e instigara tensões entre monarquistas clericais e antimonarquistas. A questão, então, era, por um lado, a de encontrar um bode expiatório (um oficial judeu no exército francês) e, por outro, abalar os alicerces da Terceira República, criando assim condições para a restauração da Monarquia.

Em 1898 as evidências de inocência levaram a um novo julgamento. A sentença anterior, no entanto, foi mantida, o que levou o escritor Emile Zola a publicar no jornal literário L´Aurore uma carta aberta ao Presidente da República, Felix Faure, intitulada J´Acuse! (Eu acuso!) em defesa de Dreyfus.

Escritor aclamado, Zola colocará seu prestígio em jogo na defesa de uma causa. Além dele, outros literatos, como Anatole France, defenderão abertamente Dreyfus. Nessa defesa, a definição do que a partir de então passou a ser entendido como o papel do "intelectual engajado": aquele que, diante de questões sociais e políticas, não se exime e usa sua pena como florete em defesa de uma causa.

O caso Dreyfus e a posição de Zola, então, serviram de exemplo para situações de ordem política ou social nas quais cabem ao intelectual sair de sua torre de marfim e se manifestar publicamente. Ainda na França, o exemplo mais notório foi o de Jean-Paul Sartre, após a ocupação nazista.

O caso Dreyfus, bem entendido - coberto por inevitáveis paixões de ambos os lados -, não se encerra com a posterior reabilitação; com a vitória do bem sobre o mal: os antissemitas não deixaram de existir na França e algures, tampouco julgamentos em decorrência de situações sociais ou políticas se imunizaram do componente passional.

Na mesma França, o julgamento e fuzilamento do ideólogo antissemita Robert Brasilach, após a libertação, é o caso que mais despertou paixões. O que importa, contudo é que intelectuais de prestígio se sentiram no dever de manifestar posição. No caso Brasilach, os escritores Maurice Mauriac e Albert Camus.

2.
Dos acontecimentos recentes da vida política brasileira, o escândalo do mensalão é o que mais chama a atenção. Julgados, os nomes de proa foram condenados à prisão e, agora, ao mesmo tempo em que cumprem a pena, despertam calorosas discussões sobre as condições do julgamento, tanto quanto o que este traz de pedagógico na política brasileira. A se pensar na posição dos intelectuais nesse julgamento, tenho em vista o filósofo Renato Janine Ribeiro. De todos os intelectuais que acompanhei no caso mensalão, assim creio, aquele que melhor se imbuiu do sentido dado por Zola numa situação que exige, de fato, o uso da pena como florete.

Janine abriu uma frente de discussão na imprensa, com artigos nos jornais Valor Econômico e Estadão e em posts no Facebook que geraram intensos debates. Destaco aqui o que ele descreveu no Facebook como três caminhos diferentes de condenados do mensalão: José Genoíno, José Dirceu e Henrique Pizzolato.

Para Janine, Genoíno "pela convicção de muitos de ser inocente, aparece como vítima, como alguém que desperta nossa piedade e solidariedade humana", já Dirceu "se prepara para reverter a condenação judicial pela via da luta política; vai lutar e poderá virar herói", enquanto Pizzolato "pelo dossiê que levou para a Itália, pela chance de ter um julgamento sem pressão política, pode gerar um resultado que desacredite o que o Supremo brasileiro decidiu". Em seguida ele afirma que Genoíno suportou a prisão política, na ditadura, mas não suporta ser preso comum; ao contrário, Dirceu entende os dois casos como prisão política. E conclui seu post com a mensagem de que a história não terminou.

3.
Possivelmente o mensalão não divida a sociedade brasileira como o caso Dreyfus na França; provavelmente os acusados do mensalão estejam mais envolvidos nas acusações que lhe são imputadas do que Dreyfus; é razoável supor, ao contrário de Janine, que a situação de Pizzolato na Itália não dará resultado que desacredite o que foi decidido aqui; é sensato conjecturar, mesmo, que Janine, impulsionado por paixões - não se pode esquecer que ele fez parte do governo Lula, como diretor da Capes - turbilha o caso e aponta para o que muitos enxergam de outra maneira. Ressalto, contudo, que ele não faz outra coisa senão o que cabe a um intelectual efetivamente envolvido em seu tempo: se posicionar e defender sua posição.

Em suas intervenções, ele jamais defendeu, como Zola com Dreyfus, a inocência ou culpabilidade dos acusados. Sua posição diz respeito, em texto no Valor Econômico a outra questão: a prisão dos acusados e seus efeitos pedagógicos. Para ele, o efeito foi apenas fortalecer cada lado em suas crenças; ou seja, não houve efeito pedagógico. Para quem odeia o PT, o julgamento foi a ocasião para se vingar do partido, com a desculpa da justiça; já para quem apoia o PT, o ocasião para o esfriamento de uma discussão séria sobre o por quê de o partido ter relativizado a preocupação com a ética, uma vez no poder.

Aqui, então, retomo as palavras de seu post: a história não terminou. Ora, se o julgamento não gerou efeito pedagógico, a história está para ser contada. Como cada lado não aprendeu com o caso, houve apenas o fortalecimento de crenças, nada sinaliza que José Dirceu não venha a se tornar herói. A posição de Janine nesse ponto é intrigante, mas coerente. Ele tem em vista a história. Basta pensarmos em casos como Robespierre, na Revolução Francesa, ou Tiradentes, na Inconfidência Mineira. Para julgamento ulterior, não há predeterminação.

4.
Certo, mas assim se posicionando, ele traz a baila, num caso envolto em paixões e com interesses nunca suficientemente conhecidos, questões que passariam ao largo. Para um intelectual ciente de seu papel, é o que lhe cabe. Claro, como Zola, com a compreensão de que o que está em jogo é seu prestígio. E com a compreensão também de que, em outro momento histórico, não está sujeito a passar pelo que o escritor francês passou: após a publicação de J´Acuse! foi processado por difamação e condenado a um ano de prisão. Assim, entendo que as manifestações de Janine estão no contrapé do que há pouco era chamando de "silêncio dos intelectuais". Estimulados por ele, ousemos enfrentar e discutir as questões de nossa época.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 18/12/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
02. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
03. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
05. Aqui sempre alguém morou de Elisa Andrade Buzzo


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2013
01. Olgária Matos - 1/2/2013
02. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' - 6/3/2013
03. Toda poesia de Paulo Leminski - 8/5/2013
04. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque - 21/8/2013
05. O Som ao Redor - 13/2/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




WHERE ARE THE CHILDREN?
MARY HIGGINS CLARK
POCKET BOOKS FICTION
(1992)
R$ 9,90



ISO 9000 EM SERVIÇOS
VALENTINO BERGAMO FILHO
MAKRON
(1999)
R$ 10,00



MISSÃO DO SANGRADOURO
J. R. DO AMARAL LAPA

R$ 5,00



ROCCO VIDAL
FERNANDO SERAPIÃO
C4
(2013)
R$ 160,00



ZÉ CARIOCA N° 1535
EDITORA ABRIL
ABRIL
(1981)
R$ 10,00



O MUNDO DE ERICH FROMM
JOHN H SCHAAR
ZAHAR
(1965)
R$ 35,91
+ frete grátis



OS QUADROS DE PABLO - POR DENTRO DA ARTE
SYLVIE GIRARDET, CLAIRE MERLEAU-PONTY E NESTOR SA
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(1996)
R$ 7,00



VERDADE ROUBADA
LISA UNGER
ARX
(2008)
R$ 35,00



NEW LOVE
SHAW CLIFTON
FLAG
(2004)
R$ 30,00



ALORS? NIVEAU A2 LIVRE
BEACCO
DIDIER DO BRASIL
(2007)
R$ 40,00





busca | avançada
38549 visitas/dia
1,3 milhão/mês