Uma nova aurora para os filmes | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
79202 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bate-papo com Jeanette Rozsas
>>> Mais Kaizen
>>> O Cabotino reloaded
>>> Deleter
>>> O roteirista profissional: televisão e cinema
>>> Clínica de Guitarra de Brasil
>>> Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum
>>> Circo Roda Brasil
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães
Mais Recentes
>>> Nova História e Novo Mundo (col. Debates 13) de Frédéric Mauro pela Perspectiva (1969)
>>> O Gerente Eficaz Em Aco Drucker Peter Fer Ed. 2007 de Drucker pela Gen (2007)
>>> Um Ano Para Enriquecer de Napoleon Hill pela Record (1998)
>>> Leituras De Escritor de Moacyr Scliar pela Sm (2015)
>>> Formaciones Económicas Precapitalistas de Carlos Marx pela Anteo (1973)
>>> A Revolução das Bonecas de José Carlos Oliveira pela Sabiá (1967)
>>> Por Que Ninguém Me Disse Isso Antes?: Ferramentas Para Enfrentar Os Altos E Baixos Da Vida de Julie Smith pela Mixfly (2022)
>>> O Positivismo Jurídico: Lições Da Filosofia Do Direito de Norberto Bobbio pela Icone (1995)
>>> O Falecido Mattia Pascal de Luigi Pirandello pela Civilização Brasileira (1971)
>>> Inovaçao: A Arte De Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua De Papel (2010)
>>> Illustrated Directory Of Guitars de Ray Bonds pela Barnes & Noble (2006)
>>> Dinamite Mental de Napoleon Hill pela Citadel
>>> Amar e Ser Amado de Pierre Weil - Roland Tompakow Ilustrações pela Civilização Brasileira (1965)
>>> Manual De Introdução Ao Estudo Do Direito de Rizzatto Nunes pela Saraiva (2009)
>>> Maneiras De Amar - Como A Ciencia Do Apego Adulto Pode Ajudar Voce A Encontrar ¿ E Manter ¿ O Amor de Amir Levine pela Sextante (2021)
>>> Guia Atemporal Das Noivas Com Estilo de Carol Hungria pela 3R Studio (2018)
>>> Os Cinco Príncípios Essenciais De Napoleon Hill de Napoleon Hill pela Citadel Press (2022)
>>> Os Dez Mandamentos Da Etica de Gabriel Chalita pela Nova Fronteira (2003)
>>> O Quarto Em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Dinamite Mental de Napoleon Hill pela Citadel
>>> Venda À Mente, Não Ao Cliente de Jurgen Klaric pela Planeta Estrategia (2017)
>>> Processo Decisório de Max H. Bazerman pela Elsevier (2004)
>>> O que é leitura de Maria helena martins pela Brasiliense (1982)
>>> Atriz de Mônica de castro pela Vida E Consciencia (2009)
>>> Trilhando a linha do tempo da reforma de Aecep pela Aecep
COLUNAS

Segunda-feira, 29/8/2005
Uma nova aurora para os filmes
Marcelo Miranda
+ de 7000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A invenção do DVD (digital versatile disc) só trouxe ganhos para o cinema e seus adoradores. Este pequeno objeto arredondado armazena imagens, sons e idéias de uma infinidade de artistas. Mesmo considerando a importância do VHS, é de se admitir que o DVD surgiu como forma não apenas de tornar mais prático o manuseio e o armazenamento dos filmes (por conta de formato econômico), mas também pela possibilidade de recuperação de obras talvez perdidas, que ganharam nessa mídia chances de reaparecer ao espectador comum, ao alcance de uma prateleira de locadora ou loja de vendas.

Feito o brevíssimo louvor ao DVD, dou um exemplo que justifica o ato: a chegada ao mercado de distribuidoras como a Aurora. As salas de cinema estão infestadas de lançamentos norte-americanos, filmes do mais alto grau de senso comum, esteticamente nulos, narrativamente imbecis, e tantos outros adjetivos pejorativos que infelizmente insistem em grudar na maioria dos chamados blockbusters. As locadoras seguem tendência semelhante: para cada estabelecimento que ousa colocar trabalhos fora do "circuitão" à disposição, centenas entopem o espaço com mais do mesmo - ou seja, aquilo já exageradamente martelado por salas multiplex e por uma mídia que insiste em exaltar ou propagandear o que não precisa ser nem exaltado nem propagandeado. E mais: não bastasse a pressa de determinados filmes em chegar ao aparelho de DVD do consumidor (de uma época em que o espaço cinema-locadora era de quase um ano, hoje temos obras chegando após três meses em cartaz), também precisamos engolir edições caça-níqueis cheias dos mais inúteis materiais de (mais) divulgação (making ofs que apenas exaltam as "maravilhas" do filme, entrevistas completamente desinteressantes, erros de gravação sem sentido e as terrivelmente inúteis galerias de fotos e afins).

Mas desviamos do assunto. Voltando: é em frente a um mercado como esse, que valoriza e dá atenção ao que deveria ser dispensável, que o surgimento da Aurora DVD deve ser louvado. A começar pelo próprio nome: Aurora (1927) é uma das obras-primas do alemão Friedrich Wilhelm Murnau, exemplo de grande romance na tela, a exaltação máxima do amor através do olhar singelo e sincero de um homem que só descobre realmente gostar da esposa quando decide matá-la. Há algo semelhante entre o filme Aurora e a empresa Aurora que vai além do nome. Em ambos, a valorização daquilo que estava prestes a deixar de existir é fundamental para a permanência do mesmo entre nós. No primeiro, a esposa; no segundo, importantes trabalhos de cinema ainda não suficientemente vistos e debatidos pelo espectador contemporâneo. Os fundadores da distribuidora talvez tenham seguido o pensamento de Murnau: só se pode continuar amando aquilo que ainda existe na lembrança. Melhor ainda se for palpável.

É o caso dos filmes lançados pela Aurora. Fundada no Recife, capital do Pernambuco, a empresa decidiu apostar no mais distante dos milionários lançamentos do mercado comum. O foco é no cinema europeu e no cinema independente americano (naquilo que "independente" tem de mais sincero e político, e não numa simples atitude de rebeldia infantil contra o "sistema"). Um primeiro pacote, de quatro filmes, já chegou às lojas e a (algumas) locadoras. O segundo lote, com mais três, está em fase de distribuição. Outros estão sendo planejados para os próximos meses, num catálogo realmente invejável que só se compara em qualidade e importância, talvez, com o da Versátil Home Vídeo, outra distribuidora que merece todas as ovações.

O pacote inicial da Aurora teve como ponto máximo dois filmes tão distintos nas estéticas quanto distantes na temática e proposta. O Beijo Amargo (1964) é uma pancada do lendário Samuel Fuller. Cineasta americano que inseriu verdadeiros tratados cheios de cinismo, ironia e violência em Hollywood, foi sempre marginalizado pelos colegas mais "ilustres", ganhando grande reconhecimento entre críticos e público europeus. Está na hora do espectador descobri-lo no Brasil. Especificamente este filme oferece uma boa introdução ao cinema selvagem de Fuller. Seguindo a linha do "anti" com a qual o diretor parecia gostar de trabalhar (ele fez, por exemplo, filmes antifaroeste e antiguerra, trabalhando dentro das características dos próprios gêneros aos quais ele ia contra), o filme desconstrói diversas características do chamado cinema noir, ao mesmo tempo em que segue seus preceitos para desvirtuá-los (não foi a primeira vez: onze anos antes, o cineasta fizera algo semelhante em O Anjo do Mal).

O Beijo Amargo
O Beijo Amargo: um antinoir de Samuel Fuller

O filme trata de uma prostituta que, fugida do cafetão após cobrar dívidas, muda-se para pequena cidade no interior dos EUA na tentativa de recomeçar a vida. Loira, sensualmente linda e carismática (vivida pela bela Constancia Towers, que já trabalhara com o diretor em Paixões que Alucinam), conquista a todos com quem cruza - exceto o policial local, sempre desconfiado das atitudes da moça. Fuller foge do óbvio e, em vez de criar mais uma loira fatal típica do noir, cria uma cidade fatal. A protagonista apenas quer paz, mas seu passado não a deixa quieta. Mesmo atrás de novos rumos, não consegue. É como se a carga de tudo vivido antes dali cobrasse seu preço agora, no verdadeiro inferno do qual ela torna-se vítima. Interessantíssimo que essa loira seja a sofrida na história, e não as pessoas que a rodeiam - como aconteceria no genuíno noir. Ela recebe as chagas da cidade, sente da pior forma o quanto o homem é vil, covarde e mesquinho às vezes por nada em troca - e mais ainda se isso envolver vingança, dinheiro e cobiça. O ataque de Fuller às cidades provincianas é explícito. Como faz hoje David Lynch, o que se mostra é gente aparentemente de bem alimentando, entre as quatro paredes de suas casas ou comércios, o mal que se esconde em seus desejos e anseios. As crianças, em tese as únicas esperanças de salvação, são igualmente tragadas por essa realidade distorcida, antevendo o quanto elas se tornarão iguais aos adultos que ali já vivem.

Passado o impacto de O Beijo Amargo (que ainda soa estupidamente atual e demonstra influência em filmes recentes de Pedro Almodóvar e Clint Eastwood), outro destaque dessa leva inicial da Aurora serve de alento igualmente rico em criação artística - mas menos virulento que Fuller e assumidamente noir. É o francês Rififi (1955), dirigido pelo americano Jules Dassin (banido dos EUA por conta do macarthismo, depois se exilando e fazendo carreira e sucesso - adivinhe onde? - na Europa). No filme, estão características e temas do subgênero famoso nos anos 40: trama cheia de meandros e surpresas, personagens ambíguos e traiçoeiros, bandidos no centro das atenções e a presença fundamental das mulheres (outros detalhes podem ser lidos no bom artigo que o Ricardo Calil escreveu para a No Mínimo).

A trama diz respeito ao assalto milionário a uma joalheria. Quatro bandidos se reúnem para o crime e armam tudo à perfeição. A seqüência do assalto propriamente dito ficou famosa: são 30 minutos sem diálogo e música. Mais do que isso, o que impressiona é o controle absoluto da mise-en-scéne. Dassin encena um roubo espetacular sem jamais ser espetaculoso. Esqueça os crimes filmados de forma épica, grandiosa e artificial, como nos recentes Armadilha, Uma Saída de Mestre ou Onze Homens e Um Segredo, entre tantos mais. Aqui, tudo é no silêncio, valorizando olhares, expressões, movimentos. Os únicos sons, lindamente trabalhados pelo filme para aumentar a tensão, são do martelo batendo suavemente, do alarme abafado, do cofre arrombado, do teto sendo aberto. O roteiro de Rififi lembra a obra-prima brasileira de Roberto Farias Assalto ao Trem Pagador, por focar na repercussão do roubo entre os autores e em quem os rodeia. Enquanto Farias discutia, através de um cinema tido como de entretenimento, a desigualdade social e o preconceito racial dentro da sociedade brasileira, Dassin está mais preocupado simplesmente com a ação pós-crime. Além do assalto, o filme tem assassinatos, seqüestros, extorsão, espancamento e uma gama de coisas detestáveis e questionáveis - mas trabalhadas e inseridas de maneira brilhante na narrativa, numa montagem que dá tempo às cenas e aos personagens sem jamais deixar o ritmo (e, conseqüentemente, o interesse) cair. Cinema clássico, tendendo ao moderno, de primeiríssima linha.

Rififi
Rififi: assalto espetacular e muitas surpresas em cena

Os outros dois lançamentos já disponíveis da Aurora são menos referenciais, mas igualmente fundamentais. Brinquedo Proibido (1952) é considerado o primeiro filme a abordar a Segunda Guerra Mundial sob o olhar infantil. São duas crianças em cena: a garota de cinco anos perdeu os pais num bombardeio alemão; o garoto de 11 anos a encontra e sua família adota a menina. Juntos, eles vão conviver com o medo e o horror do conflito sem entenderem muito bem o que está acontecendo. A direção é do francês René Clement (que realizou em 1960 o intrigante O Sol por Testemunha - refilmado com menos brilho e mistério nos EUA como O Talentoso Ripley). Por fim, Anos de Rebeldia (1980) tem na família o seu grande tema, mas de forma dolorosamente estranha. O diretor americano Dennis Hopper, que havia feito sensação com seu despojado e meio maluco Sem Destino onze anos antes, mostra os membros familiares totalmente sem rumo - a mãe é drogada, o pai é pedófilo e a filha, obviamente, é perturbada.

No momento, a Aurora está distribuindo outros três lançamentos, que poderão ser comentados numa coluna futura aqui mesmo no Digestivo. Novamente, o de maior expectativa entre eles é outro de Samuel Fuller, e justamente seu primeiro longa-metragem. Matei Jesse James chegou aos cinemas em 1949 e já adiantava muitas das marcas pelas quais Fuller seria considerado gênio. Completam o pacote O Documento Holcroft (1985), de um dos mestres da ação e espionagem, John Frankenheimer, e protagonizado por Michael Caine; e o contundente e idealista Somos Todos Assassinos (1952) - produzido e levado a cabo por André Cayatte, ex-advogado na época das filmagens, é uma denúncia do sistema judiciário francês, através do purgatório de um ex-combatente da guerra que, alterado e de volta ao convívio normal, comete um assassinato. Se no conflito mundial ele fora condecorado por ter matado dezenas de pessoas, agora enfrenta a ira do sistema penal de seu país.

Para quem quiser ainda saber o que mais a Aurora prepara, vale dar uma vasculhada no seu catálogo. Entre outros, têm filmes desde os reconhecidos Jean-Luc Godard e François Truffaut, ícones da nouvelle vague francesa, ao italiano marginalizado Dario Argento, grande nome do suspense e terror em toda a história do cinema e inexplicavelmente quase ausente no Brasil (em DVD, só foram lançados dois trabalhos de sua extensa filmografia: Suspiria, em bela edição dupla pela London Filmes, e Sleepless, pela Califórnia).


Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 29/8/2005

Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2005
01. O enigma de Michael Jackson - 26/9/2005
02. 24 Horas: os medos e a fragilidade da América - 4/7/2005
03. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo - 10/1/2005
04. O faroeste não morreu. Está hibernando - 1/8/2005
05. Filmes maduros e filmes imaturos - 24/10/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/8/2005
10h39min
Marcelo, realmente, a Aurora está resgantando grandes filmes que não merecem o esquecimento. Em especial, a sua descrição do Rififi está interessante. Vou até alugar, ou talvez, terei que comprar, não mesmo?
[Leia outros Comentários de Flávia Cocate]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Memória
Jonathan K. Foster - Camila Werner
Lpm
(2011)



Podemos dizer adeus mais de uma vez
David Servan-Schreiber
Fontanar
(2011)



Livro Relativismo
Raymond
Loyola
(2010)



Guia Completo De Aromaterapia
Joanna Hoare
Pensamento
(2010)



Ser Médium
Carlos A. Baccelli
Didier
(1997)



Por Que o Uso da Droga
Menyr A. B. Zaitter
Do Autor



Livro Gibis Azumanga Daioh 4
Kiyohiko Azuma
New Pop
(2015)



O despertar do bebê: práticas de educação psicomotora
Janine Lévy
Martins fontes
(2001)



Livro Saúde Eu Não Consigo Emagrecer A dieta francesa que conquistou mais de 30 milhões de leitores
Pierre Dukan; Ana Adao
Best Seller
(2012)



Livro Religião Os Mistérios da Vida de Jesus
Dom João E. M. Terra Sj
Ave Maria
(2009)





busca | avançada
79202 visitas/dia
2,3 milhões/mês