Uma nova aurora para os filmes | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
Mais Recentes
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
>>> Mais Trinta Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura de Luiz Ruffato pela Record (2005)
>>> Príncipe Sidarta A Fuga do Palácio de Patricia Chendi pela Rocco (2000)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Smart Work Why Organizations Full Of Intelligent People ... de Steven A. Stanton pela Do Autor (2016)
>>> Estatística Objetiva de Roberto Zentgraf pela Ztg (2001)
>>> Diários Messiânicos: uma Experiência de Extensão Universitária de Bruno Cesar Euphrasio de Mello pela Univ. Federal Rgs. (2015)
>>> The Lost Symbol de Dan Brown pela Doubleday (2009)
>>> Dez Dias de Cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2009)
>>> Medicina do Além Um Presente de Jesus para a Humanidade de Fabio Alessio Romano Dionisi pela Dionisi (2014)
>>> Energia Renovável de Dme pela Dme
>>> São João Paulo Grande Seus Cinco Amores de Jason Evert pela Quadrante (2018)
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
>>> Gone For Good de Harlan Coben pela Na Orion Paperback (2007)
>>> When The Wind Blows de James Patterson pela Little Brown And Company (1998)
>>> Windmills Of The Gods de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1987)
>>> If Tomorrow Comes de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1985)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Children Of The Lamp Book One de P. B. Kerr pela Orchard Books (2004)
>>> The Tale Of Despereaux de Kate Di Camillo pela Candlewick Press (2003)
>>> What She Left For Me de Tracie Peterson pela Bethany House (2005)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> Ruby Dakotah Treasures 1 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2003)
>>> Opal Dakotah Treasures 3 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
COLUNAS

Segunda-feira, 29/8/2005
Uma nova aurora para os filmes
Marcelo Miranda

+ de 6100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A invenção do DVD (digital versatile disc) só trouxe ganhos para o cinema e seus adoradores. Este pequeno objeto arredondado armazena imagens, sons e idéias de uma infinidade de artistas. Mesmo considerando a importância do VHS, é de se admitir que o DVD surgiu como forma não apenas de tornar mais prático o manuseio e o armazenamento dos filmes (por conta de formato econômico), mas também pela possibilidade de recuperação de obras talvez perdidas, que ganharam nessa mídia chances de reaparecer ao espectador comum, ao alcance de uma prateleira de locadora ou loja de vendas.

Feito o brevíssimo louvor ao DVD, dou um exemplo que justifica o ato: a chegada ao mercado de distribuidoras como a Aurora. As salas de cinema estão infestadas de lançamentos norte-americanos, filmes do mais alto grau de senso comum, esteticamente nulos, narrativamente imbecis, e tantos outros adjetivos pejorativos que infelizmente insistem em grudar na maioria dos chamados blockbusters. As locadoras seguem tendência semelhante: para cada estabelecimento que ousa colocar trabalhos fora do "circuitão" à disposição, centenas entopem o espaço com mais do mesmo - ou seja, aquilo já exageradamente martelado por salas multiplex e por uma mídia que insiste em exaltar ou propagandear o que não precisa ser nem exaltado nem propagandeado. E mais: não bastasse a pressa de determinados filmes em chegar ao aparelho de DVD do consumidor (de uma época em que o espaço cinema-locadora era de quase um ano, hoje temos obras chegando após três meses em cartaz), também precisamos engolir edições caça-níqueis cheias dos mais inúteis materiais de (mais) divulgação (making ofs que apenas exaltam as "maravilhas" do filme, entrevistas completamente desinteressantes, erros de gravação sem sentido e as terrivelmente inúteis galerias de fotos e afins).

Mas desviamos do assunto. Voltando: é em frente a um mercado como esse, que valoriza e dá atenção ao que deveria ser dispensável, que o surgimento da Aurora DVD deve ser louvado. A começar pelo próprio nome: Aurora (1927) é uma das obras-primas do alemão Friedrich Wilhelm Murnau, exemplo de grande romance na tela, a exaltação máxima do amor através do olhar singelo e sincero de um homem que só descobre realmente gostar da esposa quando decide matá-la. Há algo semelhante entre o filme Aurora e a empresa Aurora que vai além do nome. Em ambos, a valorização daquilo que estava prestes a deixar de existir é fundamental para a permanência do mesmo entre nós. No primeiro, a esposa; no segundo, importantes trabalhos de cinema ainda não suficientemente vistos e debatidos pelo espectador contemporâneo. Os fundadores da distribuidora talvez tenham seguido o pensamento de Murnau: só se pode continuar amando aquilo que ainda existe na lembrança. Melhor ainda se for palpável.

É o caso dos filmes lançados pela Aurora. Fundada no Recife, capital do Pernambuco, a empresa decidiu apostar no mais distante dos milionários lançamentos do mercado comum. O foco é no cinema europeu e no cinema independente americano (naquilo que "independente" tem de mais sincero e político, e não numa simples atitude de rebeldia infantil contra o "sistema"). Um primeiro pacote, de quatro filmes, já chegou às lojas e a (algumas) locadoras. O segundo lote, com mais três, está em fase de distribuição. Outros estão sendo planejados para os próximos meses, num catálogo realmente invejável que só se compara em qualidade e importância, talvez, com o da Versátil Home Vídeo, outra distribuidora que merece todas as ovações.

O pacote inicial da Aurora teve como ponto máximo dois filmes tão distintos nas estéticas quanto distantes na temática e proposta. O Beijo Amargo (1964) é uma pancada do lendário Samuel Fuller. Cineasta americano que inseriu verdadeiros tratados cheios de cinismo, ironia e violência em Hollywood, foi sempre marginalizado pelos colegas mais "ilustres", ganhando grande reconhecimento entre críticos e público europeus. Está na hora do espectador descobri-lo no Brasil. Especificamente este filme oferece uma boa introdução ao cinema selvagem de Fuller. Seguindo a linha do "anti" com a qual o diretor parecia gostar de trabalhar (ele fez, por exemplo, filmes antifaroeste e antiguerra, trabalhando dentro das características dos próprios gêneros aos quais ele ia contra), o filme desconstrói diversas características do chamado cinema noir, ao mesmo tempo em que segue seus preceitos para desvirtuá-los (não foi a primeira vez: onze anos antes, o cineasta fizera algo semelhante em O Anjo do Mal).

O Beijo Amargo
O Beijo Amargo: um antinoir de Samuel Fuller

O filme trata de uma prostituta que, fugida do cafetão após cobrar dívidas, muda-se para pequena cidade no interior dos EUA na tentativa de recomeçar a vida. Loira, sensualmente linda e carismática (vivida pela bela Constancia Towers, que já trabalhara com o diretor em Paixões que Alucinam), conquista a todos com quem cruza - exceto o policial local, sempre desconfiado das atitudes da moça. Fuller foge do óbvio e, em vez de criar mais uma loira fatal típica do noir, cria uma cidade fatal. A protagonista apenas quer paz, mas seu passado não a deixa quieta. Mesmo atrás de novos rumos, não consegue. É como se a carga de tudo vivido antes dali cobrasse seu preço agora, no verdadeiro inferno do qual ela torna-se vítima. Interessantíssimo que essa loira seja a sofrida na história, e não as pessoas que a rodeiam - como aconteceria no genuíno noir. Ela recebe as chagas da cidade, sente da pior forma o quanto o homem é vil, covarde e mesquinho às vezes por nada em troca - e mais ainda se isso envolver vingança, dinheiro e cobiça. O ataque de Fuller às cidades provincianas é explícito. Como faz hoje David Lynch, o que se mostra é gente aparentemente de bem alimentando, entre as quatro paredes de suas casas ou comércios, o mal que se esconde em seus desejos e anseios. As crianças, em tese as únicas esperanças de salvação, são igualmente tragadas por essa realidade distorcida, antevendo o quanto elas se tornarão iguais aos adultos que ali já vivem.

Passado o impacto de O Beijo Amargo (que ainda soa estupidamente atual e demonstra influência em filmes recentes de Pedro Almodóvar e Clint Eastwood), outro destaque dessa leva inicial da Aurora serve de alento igualmente rico em criação artística - mas menos virulento que Fuller e assumidamente noir. É o francês Rififi (1955), dirigido pelo americano Jules Dassin (banido dos EUA por conta do macarthismo, depois se exilando e fazendo carreira e sucesso - adivinhe onde? - na Europa). No filme, estão características e temas do subgênero famoso nos anos 40: trama cheia de meandros e surpresas, personagens ambíguos e traiçoeiros, bandidos no centro das atenções e a presença fundamental das mulheres (outros detalhes podem ser lidos no bom artigo que o Ricardo Calil escreveu para a No Mínimo).

A trama diz respeito ao assalto milionário a uma joalheria. Quatro bandidos se reúnem para o crime e armam tudo à perfeição. A seqüência do assalto propriamente dito ficou famosa: são 30 minutos sem diálogo e música. Mais do que isso, o que impressiona é o controle absoluto da mise-en-scéne. Dassin encena um roubo espetacular sem jamais ser espetaculoso. Esqueça os crimes filmados de forma épica, grandiosa e artificial, como nos recentes Armadilha, Uma Saída de Mestre ou Onze Homens e Um Segredo, entre tantos mais. Aqui, tudo é no silêncio, valorizando olhares, expressões, movimentos. Os únicos sons, lindamente trabalhados pelo filme para aumentar a tensão, são do martelo batendo suavemente, do alarme abafado, do cofre arrombado, do teto sendo aberto. O roteiro de Rififi lembra a obra-prima brasileira de Roberto Farias Assalto ao Trem Pagador, por focar na repercussão do roubo entre os autores e em quem os rodeia. Enquanto Farias discutia, através de um cinema tido como de entretenimento, a desigualdade social e o preconceito racial dentro da sociedade brasileira, Dassin está mais preocupado simplesmente com a ação pós-crime. Além do assalto, o filme tem assassinatos, seqüestros, extorsão, espancamento e uma gama de coisas detestáveis e questionáveis - mas trabalhadas e inseridas de maneira brilhante na narrativa, numa montagem que dá tempo às cenas e aos personagens sem jamais deixar o ritmo (e, conseqüentemente, o interesse) cair. Cinema clássico, tendendo ao moderno, de primeiríssima linha.

Rififi
Rififi: assalto espetacular e muitas surpresas em cena

Os outros dois lançamentos já disponíveis da Aurora são menos referenciais, mas igualmente fundamentais. Brinquedo Proibido (1952) é considerado o primeiro filme a abordar a Segunda Guerra Mundial sob o olhar infantil. São duas crianças em cena: a garota de cinco anos perdeu os pais num bombardeio alemão; o garoto de 11 anos a encontra e sua família adota a menina. Juntos, eles vão conviver com o medo e o horror do conflito sem entenderem muito bem o que está acontecendo. A direção é do francês René Clement (que realizou em 1960 o intrigante O Sol por Testemunha - refilmado com menos brilho e mistério nos EUA como O Talentoso Ripley). Por fim, Anos de Rebeldia (1980) tem na família o seu grande tema, mas de forma dolorosamente estranha. O diretor americano Dennis Hopper, que havia feito sensação com seu despojado e meio maluco Sem Destino onze anos antes, mostra os membros familiares totalmente sem rumo - a mãe é drogada, o pai é pedófilo e a filha, obviamente, é perturbada.

No momento, a Aurora está distribuindo outros três lançamentos, que poderão ser comentados numa coluna futura aqui mesmo no Digestivo. Novamente, o de maior expectativa entre eles é outro de Samuel Fuller, e justamente seu primeiro longa-metragem. Matei Jesse James chegou aos cinemas em 1949 e já adiantava muitas das marcas pelas quais Fuller seria considerado gênio. Completam o pacote O Documento Holcroft (1985), de um dos mestres da ação e espionagem, John Frankenheimer, e protagonizado por Michael Caine; e o contundente e idealista Somos Todos Assassinos (1952) - produzido e levado a cabo por André Cayatte, ex-advogado na época das filmagens, é uma denúncia do sistema judiciário francês, através do purgatório de um ex-combatente da guerra que, alterado e de volta ao convívio normal, comete um assassinato. Se no conflito mundial ele fora condecorado por ter matado dezenas de pessoas, agora enfrenta a ira do sistema penal de seu país.

Para quem quiser ainda saber o que mais a Aurora prepara, vale dar uma vasculhada no seu catálogo. Entre outros, têm filmes desde os reconhecidos Jean-Luc Godard e François Truffaut, ícones da nouvelle vague francesa, ao italiano marginalizado Dario Argento, grande nome do suspense e terror em toda a história do cinema e inexplicavelmente quase ausente no Brasil (em DVD, só foram lançados dois trabalhos de sua extensa filmografia: Suspiria, em bela edição dupla pela London Filmes, e Sleepless, pela Califórnia).


Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 29/8/2005


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2005
01. O enigma de Michael Jackson - 26/9/2005
02. 24 Horas: os medos e a fragilidade da América - 4/7/2005
03. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo - 10/1/2005
04. O faroeste não morreu. Está hibernando - 1/8/2005
05. Filmes maduros e filmes imaturos - 24/10/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/8/2005
10h39min
Marcelo, realmente, a Aurora está resgantando grandes filmes que não merecem o esquecimento. Em especial, a sua descrição do Rififi está interessante. Vou até alugar, ou talvez, terei que comprar, não mesmo?
[Leia outros Comentários de Flávia Cocate]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O HOSPITAL: A LEI E A ÉTICA
JOSÉ DE QUEIROZ CAMPOS E JUAREZ DE QUEIROZ CAMPOS
LTR (SP)
(1976)
R$ 21,28



SE EU TIVESSE NADADEIRAS
JEANE CABRAL SCHLATTER
CIRANDA CULTURAL
(2012)
R$ 19,90



O QUE É JAZZ
ROBERTO MUGGIATI
BRASILIENSE
R$ 8,00



COMENTÁRIOS À CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO
VALENTIN CARRION
SARAIVA
(2005)
R$ 27,00



VILLA LOBOS - O FLORESCIMENTO DA MÚSICA BRASILEIRA
MANUEL NEGWER
MARTINS FONTES
(2009)
R$ 26,00



O SENHOR DA CHUVA
ANDRÉ VIANCO
NOVO SECULO
(2002)
R$ 15,00



ANJOS DO MEU ALTAR
IRIS DE CARVALHO
RAZÃO CULTURAL
(1988)
R$ 24,00



ORIGEM DOS DIREITOS DOS POVOS
JAYME DE ALTAVILA
MELHORAMENTOS
R$ 10,50



TURISMO E HOTELARIA UMA VISÃO MULTIDISCIPLINAR
LECY CIRILO E SILVANA FURTADO ( ORG. )
ANHEMBI MORUMBI
(2007)
R$ 4,78



NÃO ME DEIXE AQUI RINDO SOZINHO
ANDRÉ LAURENTINO
REALEJO EDITORA
(2017)
R$ 31,84





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês