O faroeste não morreu. Está hibernando | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/8/2005
O faroeste não morreu. Está hibernando
Marcelo Miranda

+ de 13300 Acessos

Dizem por aí que o faroeste morreu. Não é mentira, mas também não é verdade. O crepúsculo do "gênero americano por excelência" certamente pode ser considerado a obra-prima Os Imperdoáveis, que Clint Eastwood entregou ao mundo em 1992. O filme não era só mais um faroeste. Era o último dos faroestes, o capítulo final de um gênero nascido mais de 90 anos antes. Eastwood, que deve grande parte de seu prestígio como artista de respeito ao bangue-bangue, dirigiu e protagonizou aquele que pode, sem dúvida alguma, ser definido como a conclusão da saga do Velho Oeste. O significado de Os Imperdoáveis é muito maior do que imaginamos e do que já se escreveu dele. É o testamento post-mortem de algo que já estava agonizando e precisava apenas da palavra de alguém que sabia o quê, como e quando fazer.

O que Os Imperdoáveis tem de tão avassalador? Bom, este não é um texto especificamente sobre o filme, mas vale registrar algumas palavras que eu mesmo escrevi há uns dois anos, para um curso de crítica de cinema no qual participei - texto este que, posteriormente, publiquei no Cinefilia. Com o perdão do egocentrismo, segue trecho: "se o pistoleiro interpretado por Clint Eastwood nos spaghetti-western de Sergio Leone (e em tantos outros filmes) fosse encontrado muitos anos depois, certamente a imagem que teríamos seria a dele acalmando porcos doentes e repousando em sua fazenda, como vemos Will Munny nas primeiras cenas (...) É disso que trata esta produção (...): do pistoleiro sangüinário, violento e insensível retratado décadas depois de seu 'auge'".

O que tornava o filme especial era que, mais do que homens atrás de dinheiro ou poder, como retratado por décadas a fio, Eastwood mostrava homens em busca de honra, de dignidade, de respeito, num mundo que não mais comportava seus atos. Além disso, o diretor inseriu no enredo um personagem que servia de expiação: o escritor que acompanha o mercenário interpretado por Richard Harris. Ele representa aquele que vai desvendar os segredos do Oeste e revelar a todos que os homens pintados como salvadores do país, dispostos a expulsarem das terras os "bárbaros" índios, não passavam de uns covardes frouxos interessados apenas na fama e no renome. Eram, antes de tudo, fracos de espírito e fortes de atitudes mesquinhas. Nunca gente respeitável, como se tentou apregoar através do próprio cinema.

Os Imperdoáveis
Os Imperdoáveis

Mas como diria nosso editor Julio Daio Borges, divago. O que interessa por agora é que, apesar de Os Imperdoáveis, o faroeste não deixou de existir. Não como produto de cinema, mas talvez como gênero puro. Depois de nascer em 1902 (O Grande Roubo do Trem) e passar por diversas fases e estilos (faroestes A e B, psicológicos, dramáticos, românticos, épicos, macarrônicos), chegou-se a um ponto em que não existia espaço para o bangue-bangue. Criado como forma de exaltar as ações dos grandes vaqueiros que invadiam o Oeste selvagem norte-americano, o western foi perdendo interesse e cansando o público - e aqui entram os chamados "filmes crepusculares", como Meu Ódio Será sua Herança e O Homem que Matou o Facínora, que preparam terreno para Os Imperdoáveis. Quando este chegou às telas, deixava à mostra o que estava óbvio há anos: o fim.

Só que a máquina de Hollywood não deixou de lado o faroeste. Interessante notar que, depois do filme de Eastwood, toda e qualquer produção do gênero ou usa o Oeste apenas como cenário ou reverencia os grandes clássicos dos anos 30, 40 e 50 dentro do universo do western. E todos, sem exceção, não conseguem ser grandes filmes. Variam do insuportavelmente ruim ao meramente interessante, sem se sobressair. Exemplos? O ano de 1994 é prolífico para exemplos. Curiosamente, boa quantidade de faroestes foi lançada nessa época, sabe-se lá o porquê. Maverick foi um deles. Inspirado em antigo seriado homônimo, trazia as estrelas limpinhas e cheirosas de Mel Gibson e Jodie Foster enfrentando os perigos da jogatina, dos bandidos e, claro, dos índios. Mas era comédia, não era? Uma grande brincadeira com o gênero, afinal de contas. Então vejamos um mais sério, como o grandioso Wyatt Earp, com Kevin Costner. É outra releitura do mito de Billy the Kid, o exímio pistoleiro que infernizava o Oeste. Não é um filme de todo negativo, mas peca pelos excessos - de tamanho, de pompa, de ambição, de vontade de ser grande. Não é um legítimo faroeste porque regurgita sem brilho algumas convenções típicas sem nada acrescentar a elas.

Costner faria muito melhor nove anos depois, ao dirigir e estrelar Pacto de Justiça, outra tentativa de dar fôlego ao faroeste. Este talvez seja o melhor filme do gênero dentro dessa fase mais morta. Bem conduzido e interpretado, com referências e gigantesco respeito aos cânones (desde formas de pensar a citações a cenas específicas de pérolas como Matar ou Morrer e Rio Vermelho), prima pelo ritmo ágil e pela despretensão com que trabalha o bangue-bangue. Ainda assim, não se legitima por ser um exemplar do verdadeiro western: antes disso (e até mesmo de ter essa intenção), é uma grande homenagem a nomes como John Ford, Fred Zinnemann, Howard Hawks, Anthony Mann e tantos mais. Costner, aqui, tira o chapéu para essas feras e jamais quer se igualar a elas - quer, simplesmente, se incluir no legado delas. Por um lado, torna Pacto de Justiça digno de ser visto; por outro, retira dele qualquer possibilidade de se transformar num clássico ou mesmo num exemplar de maior prestígio.

Pacto de Justiça
Pacto de Justiça

Outro filme de razoável qualidade e que deve sua existência ao passado de tiros e pistoleiros é Desaparecidas, de Ron Howard, lançado em 2003. O enredo (mulher persegue pelo Oeste as duas filhas seqüestradas por um bruxo índio) foca mais o suspense, e essencialmente poderia se passar em qualquer época e lugar. Mas a simples definição pelo Novo México, possibilitando vermos pradarias, desertos, paisagens, cavalos, tiros, torna-o, forçadamente, um faroeste. Talvez porque, de uma forma ou outra, o filme vá ao encontro da perfeita definição do crítico francês André Bazin sobre o que é, afinal, o faroeste: o encontro de uma mitologia (a saga do homem branco no Oeste bravio) com um meio de expressão (o cinema). E Desaparecidas, de alguma forma, tem lá encravada a sua própria mitologia de um universo perigoso e traiçoeiro, sujo e cheio de homens maus, mas também de homens de bem, prontos a enfrentar os mistérios e a aridez do Oeste para chegar a um objetivo. Howard prefere provocar tensão, chega a produzir um thriller, mas não consegue esconder a vontade e até necessidade de também se incluir nas prateleiras do gênero criado pelos seus "ancestrais" cinematográficos.

Outras produções flertaram com o faroeste, nenhuma digna de um parágrafo. Rápida e Mortal (1994), de Sam Raimi, é catastrófico e idiota. Quatro Mulheres e Um Destino (1994) parece um libelo mal arranjado da supremacia feminina num universo predominantemente masculino - e hoje a presença de Drew Barrymore no elenco faz inevitavelmente enxergar este filme como a versão bangue-bangue de As Panteras. Ainda há Jovens Demais para Morrer, Soldados Bufallo, Tombstone - A Justiça está Chegando, todos beirando o risível na tentativa de soar verdadeiros e autênticos.

No fundo, eu acredito que o western ainda não acabou. O musical, outro gênero consagrado pelo cinema americano, renasceu com a revolução de Moulin Rouge - goste-se ou não, este filme deu nova linguagem e roupagem ao gênero, oferecendo-lhe fôlego para investidas mais distintas do que meras cópias daquilo que já foi sucesso um dia. O faroeste pode ter a sua hora, sem dúvida. Clint Eastwood colocou o ponto final, mas isso não significa que alguém não possa surgir com algo completamente novo, uma leitura ou interpretação absolutamente brilhante, e assim recomeçar o ciclo. Essa hora ainda pode chegar. Enquanto isso, os aprendizes vão tentando dar caras modernas à árida e hostil realidade do Velho Oeste.


Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 1/8/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 'Hysteria' Revisitada de Duanne Ribeiro
02. As iluminações musicais de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
03. Manauara ou Manauense de Marcela Ortolan
04. Cego, surdo e engraçado de Adriane Pasa
05. O céu tornou-se legível de Carla Ceres


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2005
01. O enigma de Michael Jackson - 26/9/2005
02. 24 Horas: os medos e a fragilidade da América - 4/7/2005
03. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo - 10/1/2005
04. O faroeste não morreu. Está hibernando - 1/8/2005
05. Filmes maduros e filmes imaturos - 24/10/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A SÓCIA DO CASAMENTO - CAPA DURA ILUSTRADA
CARSON MCCULLERS
CÍRCULOS DO LIVRO
(1993)
R$ 7,00



A FESTA DO GARFIELD
JIM DAVIS
L&PM
(2009)
R$ 5,11



VISTOR RAUL EM EL TIEMPO 2 TOMOS
LUIS ALVA CASTRO
QUALIGRAF
(1989)
R$ 13,19



NOSSO ANDAR DIÁRIO
HENRY G. BOSH / OUTROS
MINISTERIOS RBC
(2007)
R$ 10,00



GESTÃO RACIONAL DA NATUREZA
DELMA BRESSAN
HUCITEC
(1996)
R$ 13,00



A MORTE E A MORTE DE QUINCA BERRO DAGUA
JORGE AMADO
RECORD
(1981)
R$ 5,00



AS FERIDAS MAIS PROFUNDAS - HISTÓRIA DO AÇUCAR NO NORDESTE DO BRASIL
THOMAS D. ROGERS
UNESP
(2017)
R$ 54,90



TABELAS DE MATEMATICA FINANCEIRA
ABELARDO DE LIMA PUCCINI
VIVER
(1977)
R$ 17,00



LEVEL 2 - SÓ AS MEMÓRIAS PODEM SALVÁ-LA
DANIELA PIRES; LENORE APPELHANS
LEYA CASA DA PALAVRA
(2014)
R$ 7,00



VIVA EM PAZ COM SEUS NERVOS
DR. WALTER C. ALVAREZ
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1959)
R$ 6,90





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês