O faroeste não morreu. Está hibernando | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Nós que Amávamos tanto a Revolução de Dany Cohn Bendit pela Brasiliense (1987)
>>> Sterminateli! de Christian Bernadac pela Fratelli Melita (1991)
>>> Hitler Il Figlio della Germania de Antonio Spinosa pela Oscar Mondadori (1993)
>>> Operación Peter Pan ( Un caso de Guerra Psicológica Contra Cuba) de Ramón Torreira Crespo pela Política /La Habana (2000)
>>> Quem Sequestrou Marta Jane? de Isabel Vieira pela Ftd (1995)
>>> Mort Du Général de Gaulle de Jean Mauriac pela Grasset (1972)
>>> O Burrinho Pedrês de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (1995)
>>> Ao vivo do campo de batalha ( Do Vietnã a Bagdá 35 anos em Zonas de Combate de Todo o Mundo) de Peter Arnett pela Rocco (1994)
>>> Os Cavalos da República de Moacyr Scliar pela Ática (2005)
>>> Os Últimos 100 dias (02 Volumes) de John Toland pela Nova Fronteira (1966)
>>> Dengos e Carrancas de um Pasto de Jorge Miguel Marinho pela Ftd (1987)
>>> Le Crime L' Invasion Irakienne Du Koweit de Badr Jassem Al Yacoub pela C.i.k.c (1991)
>>> Éramos Seis de Maria José Dupre pela Ática (1991)
>>> A Menina que fez a América de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2002)
>>> Praga Quando os Tanques Avançaram de Pierre Desgraupes pela Expressão e Cultura (1968)
>>> O Feijão e o Sonho de Orígenes Lessa pela Ática (1991)
>>> Pearl Harbor de A. J. Barker pela Renes (1973)
>>> A Flauta do Sótão de Lúcia Pimentel Góes pela Paulus (2003)
>>> USA Em Perigo de General Curtis E. Le May e Major General Dale O. Smith pela Biblioteca do Exército (1970)
>>> Sem Medo de Viver de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (2007)
>>> Caça ao Cometa Halley de Roberto Pereira de Andrade pela Traco (1985)
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
COLUNAS

Segunda-feira, 1/8/2005
O faroeste não morreu. Está hibernando
Marcelo Miranda

+ de 13300 Acessos

Dizem por aí que o faroeste morreu. Não é mentira, mas também não é verdade. O crepúsculo do "gênero americano por excelência" certamente pode ser considerado a obra-prima Os Imperdoáveis, que Clint Eastwood entregou ao mundo em 1992. O filme não era só mais um faroeste. Era o último dos faroestes, o capítulo final de um gênero nascido mais de 90 anos antes. Eastwood, que deve grande parte de seu prestígio como artista de respeito ao bangue-bangue, dirigiu e protagonizou aquele que pode, sem dúvida alguma, ser definido como a conclusão da saga do Velho Oeste. O significado de Os Imperdoáveis é muito maior do que imaginamos e do que já se escreveu dele. É o testamento post-mortem de algo que já estava agonizando e precisava apenas da palavra de alguém que sabia o quê, como e quando fazer.

O que Os Imperdoáveis tem de tão avassalador? Bom, este não é um texto especificamente sobre o filme, mas vale registrar algumas palavras que eu mesmo escrevi há uns dois anos, para um curso de crítica de cinema no qual participei - texto este que, posteriormente, publiquei no Cinefilia. Com o perdão do egocentrismo, segue trecho: "se o pistoleiro interpretado por Clint Eastwood nos spaghetti-western de Sergio Leone (e em tantos outros filmes) fosse encontrado muitos anos depois, certamente a imagem que teríamos seria a dele acalmando porcos doentes e repousando em sua fazenda, como vemos Will Munny nas primeiras cenas (...) É disso que trata esta produção (...): do pistoleiro sangüinário, violento e insensível retratado décadas depois de seu 'auge'".

O que tornava o filme especial era que, mais do que homens atrás de dinheiro ou poder, como retratado por décadas a fio, Eastwood mostrava homens em busca de honra, de dignidade, de respeito, num mundo que não mais comportava seus atos. Além disso, o diretor inseriu no enredo um personagem que servia de expiação: o escritor que acompanha o mercenário interpretado por Richard Harris. Ele representa aquele que vai desvendar os segredos do Oeste e revelar a todos que os homens pintados como salvadores do país, dispostos a expulsarem das terras os "bárbaros" índios, não passavam de uns covardes frouxos interessados apenas na fama e no renome. Eram, antes de tudo, fracos de espírito e fortes de atitudes mesquinhas. Nunca gente respeitável, como se tentou apregoar através do próprio cinema.

Os Imperdoáveis
Os Imperdoáveis

Mas como diria nosso editor Julio Daio Borges, divago. O que interessa por agora é que, apesar de Os Imperdoáveis, o faroeste não deixou de existir. Não como produto de cinema, mas talvez como gênero puro. Depois de nascer em 1902 (O Grande Roubo do Trem) e passar por diversas fases e estilos (faroestes A e B, psicológicos, dramáticos, românticos, épicos, macarrônicos), chegou-se a um ponto em que não existia espaço para o bangue-bangue. Criado como forma de exaltar as ações dos grandes vaqueiros que invadiam o Oeste selvagem norte-americano, o western foi perdendo interesse e cansando o público - e aqui entram os chamados "filmes crepusculares", como Meu Ódio Será sua Herança e O Homem que Matou o Facínora, que preparam terreno para Os Imperdoáveis. Quando este chegou às telas, deixava à mostra o que estava óbvio há anos: o fim.

Só que a máquina de Hollywood não deixou de lado o faroeste. Interessante notar que, depois do filme de Eastwood, toda e qualquer produção do gênero ou usa o Oeste apenas como cenário ou reverencia os grandes clássicos dos anos 30, 40 e 50 dentro do universo do western. E todos, sem exceção, não conseguem ser grandes filmes. Variam do insuportavelmente ruim ao meramente interessante, sem se sobressair. Exemplos? O ano de 1994 é prolífico para exemplos. Curiosamente, boa quantidade de faroestes foi lançada nessa época, sabe-se lá o porquê. Maverick foi um deles. Inspirado em antigo seriado homônimo, trazia as estrelas limpinhas e cheirosas de Mel Gibson e Jodie Foster enfrentando os perigos da jogatina, dos bandidos e, claro, dos índios. Mas era comédia, não era? Uma grande brincadeira com o gênero, afinal de contas. Então vejamos um mais sério, como o grandioso Wyatt Earp, com Kevin Costner. É outra releitura do mito de Billy the Kid, o exímio pistoleiro que infernizava o Oeste. Não é um filme de todo negativo, mas peca pelos excessos - de tamanho, de pompa, de ambição, de vontade de ser grande. Não é um legítimo faroeste porque regurgita sem brilho algumas convenções típicas sem nada acrescentar a elas.

Costner faria muito melhor nove anos depois, ao dirigir e estrelar Pacto de Justiça, outra tentativa de dar fôlego ao faroeste. Este talvez seja o melhor filme do gênero dentro dessa fase mais morta. Bem conduzido e interpretado, com referências e gigantesco respeito aos cânones (desde formas de pensar a citações a cenas específicas de pérolas como Matar ou Morrer e Rio Vermelho), prima pelo ritmo ágil e pela despretensão com que trabalha o bangue-bangue. Ainda assim, não se legitima por ser um exemplar do verdadeiro western: antes disso (e até mesmo de ter essa intenção), é uma grande homenagem a nomes como John Ford, Fred Zinnemann, Howard Hawks, Anthony Mann e tantos mais. Costner, aqui, tira o chapéu para essas feras e jamais quer se igualar a elas - quer, simplesmente, se incluir no legado delas. Por um lado, torna Pacto de Justiça digno de ser visto; por outro, retira dele qualquer possibilidade de se transformar num clássico ou mesmo num exemplar de maior prestígio.

Pacto de Justiça
Pacto de Justiça

Outro filme de razoável qualidade e que deve sua existência ao passado de tiros e pistoleiros é Desaparecidas, de Ron Howard, lançado em 2003. O enredo (mulher persegue pelo Oeste as duas filhas seqüestradas por um bruxo índio) foca mais o suspense, e essencialmente poderia se passar em qualquer época e lugar. Mas a simples definição pelo Novo México, possibilitando vermos pradarias, desertos, paisagens, cavalos, tiros, torna-o, forçadamente, um faroeste. Talvez porque, de uma forma ou outra, o filme vá ao encontro da perfeita definição do crítico francês André Bazin sobre o que é, afinal, o faroeste: o encontro de uma mitologia (a saga do homem branco no Oeste bravio) com um meio de expressão (o cinema). E Desaparecidas, de alguma forma, tem lá encravada a sua própria mitologia de um universo perigoso e traiçoeiro, sujo e cheio de homens maus, mas também de homens de bem, prontos a enfrentar os mistérios e a aridez do Oeste para chegar a um objetivo. Howard prefere provocar tensão, chega a produzir um thriller, mas não consegue esconder a vontade e até necessidade de também se incluir nas prateleiras do gênero criado pelos seus "ancestrais" cinematográficos.

Outras produções flertaram com o faroeste, nenhuma digna de um parágrafo. Rápida e Mortal (1994), de Sam Raimi, é catastrófico e idiota. Quatro Mulheres e Um Destino (1994) parece um libelo mal arranjado da supremacia feminina num universo predominantemente masculino - e hoje a presença de Drew Barrymore no elenco faz inevitavelmente enxergar este filme como a versão bangue-bangue de As Panteras. Ainda há Jovens Demais para Morrer, Soldados Bufallo, Tombstone - A Justiça está Chegando, todos beirando o risível na tentativa de soar verdadeiros e autênticos.

No fundo, eu acredito que o western ainda não acabou. O musical, outro gênero consagrado pelo cinema americano, renasceu com a revolução de Moulin Rouge - goste-se ou não, este filme deu nova linguagem e roupagem ao gênero, oferecendo-lhe fôlego para investidas mais distintas do que meras cópias daquilo que já foi sucesso um dia. O faroeste pode ter a sua hora, sem dúvida. Clint Eastwood colocou o ponto final, mas isso não significa que alguém não possa surgir com algo completamente novo, uma leitura ou interpretação absolutamente brilhante, e assim recomeçar o ciclo. Essa hora ainda pode chegar. Enquanto isso, os aprendizes vão tentando dar caras modernas à árida e hostil realidade do Velho Oeste.


Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 1/8/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Felicidade de Daniel Bushatsky
02. Nabokov e Cheever: edições bem-vindas de Jonas Lopes


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2005
01. O enigma de Michael Jackson - 26/9/2005
02. 24 Horas: os medos e a fragilidade da América - 4/7/2005
03. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo - 10/1/2005
04. O faroeste não morreu. Está hibernando - 1/8/2005
05. Filmes maduros e filmes imaturos - 24/10/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UNESP CIÊNCIA Nº 43 CAATINGA REDESCOBERTA
VÁRIOS AUTORES
UNESP
(2013)
R$ 45,00



A GAROTA NO TREM
PAULA HAWKINS; SIMONE CAMPOS
RECORD
(2015)
R$ 25,90



A CULPA É DAS ESTRELAS
JOHN GREEN
INSTRINSECA
(2012)
R$ 5,00



EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO
ALLAN KARDEC
LAKE
(2007)
R$ 13,00



TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA
LIMA BARRETO
KLICK
(1997)
R$ 4,60



PETRUS LOGOS - O GUARDIÃO DO TEMPO
AUGUSTO CURY
SARAIVA
(2014)
R$ 10,00



FAZENDA: QUE SOM É ESSE?
YOYO BOOKS
YOYO BOOKS - SELO NOBEL
(2014)
R$ 35,83



O SOCIO
JOHN GRISHHAM
ROCCO
(1997)
R$ 17,85



RUMO À LIBERDADE
GISELDA LAPORTA NICOLELIS
MODERNA
(1989)
R$ 5,90



RODEIO A CÉU ABERTO
AUGUSTO CÉSAR PROENÇA
LIFE
R$ 15,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês