A Fera na Selva, filme de Paulo Betti | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 22/5/2018
A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6900 Acessos



Com adaptação da novela A Fera da Selva, de Henry James, eis que chega aos cinemas brasileiros um filme que é uma lufada poesia no nosso tão desencantado e comercial cinema atual.

O filme tem tripla direção: Paulo Betti, Eliane Giardini e Lauro Escorel, que participa como diretor e fotógrafo do filme. Um trio de criadores para lá de inventivos e que fez da novela de Henry James uma belíssima “transcriação” para as telas (para usar um termo caros aos tradutores-poetas Haroldo e Augusto de Campos).

Adaptando a locação para a cidade de Sorocaba, cidade do interior paulista onde Paulo Betti nasceu, e da qual rememora várias vivências, o filme não deixa de reproduzir a intensidade existencial da novela de Henry James. É ali que os dois personagens, João e Maria, começam uma vida juntos após um reencontro marcado pela lembrança de uma revelação feita por João anos antes.

A transferência da locação para Sorocaba foi muito feliz, em razão das escolhas da paisagem, filmada em tom intimista e com belíssima fotografia, e mesmo a ambientação interior, como a casa dos personagens e a livraria Flor de Lis, também se constituem no filme como locais silenciosos e reflexivos, sendo a presença dos móveis, estantes de livros e a luz dos ambientes importantes na realização dessa introspecção necessária ao drama interior de João. A voz do narrador (José Mayer) foi uma escolha perfeita para o tom da novela, o que engrandeceu o filme.

Um filme de certa forma proustiano, que partiu de locações cheias de lembranças do passado do diretor, como o toque do sino da igreja (Proust puro), o som dos grilos, a visão da ferrovia, da lua, o rádio do carro, as paisagens naturais, a linha do Trópico de Capricórnio, os ambientes domésticos e a presença de pessoas da região que de alguma forma passaram pela vida de Paulo Betti.

O momento crucial do filme é quando, em um segundo encontro por acaso, Maria relembra João da confissão que ele a havia feito na época em que se viram pela primeira vez. João, apesar de se lembrar de tê-la visto em outra época, não se lembrava da confissão. No entanto, vai se recordando aos poucos e atônito pede a Maria que a partir daquele momento não o deixe mais.

Interrogado por Maria sobre o que seria esse acontecimento, João tenta lhe explicar: “Bem, digamos que é uma coisa que eu devo esperar – encontrar, encarar, ver irromper subitamente na minha vida; possivelmente destruindo a consciência de qualquer outra coisa, possivelmente me aniquilando; possivelmente, por outro lado, apenas alterando tudo, atingindo a raiz do meu mundo e me deixando à mercê das consequências, qualquer que seja a forma que elas assumam.” Maria tenta interpretar esse sentimento aniquilador como se fosse a espera de uma paixão arrebatadora, o que João contesta. “Você se apaixonou, e isso não representou o cataclismo esperado, não se revelou o grande evento?” pergunta Maria? E João, imediatamente, responde: “Aqui estou eu, como pode ver. Não foi esmagador.”

A interrogação de Maria continua: “É uma sensação de violência iminente?”

Ao longo dos questionamentos de Maria, João começa a gostar de retomar seu drama existencial e explica: “Não penso na coisa como necessariamente violenta, quando vier. Só penso nela como algo natural e, acima de tudo, inconfundível. Penso nela simplesmente como a coisa. A coisa em si vai parecer natural.”

A partir daí eles começam a produzir novos encontros até o ponto de fazerem um acordo de ficarem juntos esperando o momento crucial da vida de João.

O filme consegue encadear através de um narrador onisciente* (ver nota) os pequenos momentos da vida dos dois, como a criação da livraria, a frequentação aos eventos musicais, os passeios pela paisagem e o envelhecimento de ambos e os próprios pensamentos que os acometem nessa vida conjunta.

A fotografia e o movimento da câmera em vários momentos do filme nos fazem ter a sensação de que algo os espreita de longe, a fera na selva do título, esse algo que produzirá o cataclismo de João.



A força teatral dos diálogos e a voz em off do narrador coloca o espectador próximo ao texto límpido e forte de Henry James e reforça ainda mais a presença do drama de João sem precisar se embrenhar em fanfarronices visuais. A imagem límpida do cinema, como a da escrita de Henry James, cria o clima intimista necessário à revelação da crise que abate o personagem, que a cada dia vai se tornando mais e mais angustiado. Em alguns momentos, até a presença da loucura parece estar tomando-o e ele tem consciência disso. Mas essa hipótese é afastada, dada a certeza de João desse acontecimento que lhe espera em alguma esquina da vida.

No entanto, a vida dos dois vai sendo levada, sempre guiados pelo comentário angustiado da e sobre a espera de que “a coisa” algum dia se manifeste. Até à velhice e à morte de Maria, que antes já lhe interrogava sobre o fato do cataclismo já ter acontecido, e do qual “ele se limitara a arregalar os olhos estupidamente, sem entender a saída que ela lhe oferecia.”

Se algo aconteceu, foi no coração dela, que o amou desde sempre. Ele, no entanto, só no fim da vida, dentro do cemitério, terá sua revelação. Diante do absoluto vazio de sua vida, preenchido pela angústia da espera, descobre que “ela era o que havia lhe faltado”. O que no filme é imagem, a desolação de saber que perdeu a vida na espera de que algo cataclismático o abatesse, no livro fica clara a revelação de que tipo de homem se tratava: “Tinha sido o homem do seu tempo, o homem, ao qual nada no mundo havia acontecido. (...) Era isso o que ela havia visto, enquanto ele ainda não via, de modo que agora ela servia para lhe trazer a verdade.”

No fim da novela de Henry James o narrador explica que acontecimento tão esperado era esse, do qual ele não tinha consciência: “A saída teria sido amá-la, então, e só então, ele teria vivido. Ela, sim, vivera – quem agora poderia dizer com que paixão?- uma vez que o amara pelo que ele era; ele, ao contrário, nunca havia pensado nela (ah, isso agora era claro a ponto de ofusca-lo) senão na frieza do seu egoísmo e à luz do uso que poderia fazer dela.”

A fera deu o bote. E ela, Maria, rezara para que ele não soubesse que o bote aconteceria nesses termos, na autoconsciência do fracasso de ter vivido com ela sem aproveitar o amor total, a entrega absoluta ao outro no seu dia a dia. O horror havia se cumprido, enfim, com gosto amargo.

Ao ver o sofrimento e as lágrimas de um homem no cemitério, diante do túmulo da amada que perdera há muito tempo, João recebe o abraço da fera. O filme consegue com grande riqueza poética relatar esse momento que acometeu o personagem, esse instante de terror que foi a revelação, fazendo-o cair sobre o túmulo de Maria, traduzindo muito bem o final da novela de Henry James:

“Viu a Selva de sua vida e a Fera à espreita; então, enquanto olhava, percebeu como que por uma vibração no ar, que ela se erguia, enorme e horrenda, para o salto que o aniquilara. Seus olhos se turvaram – a Fera estava perto; e, virando-se instintivamente, em sua alucinação, para evitá-la, tombou de rosto sobre o túmulo.”

Uma questão que nos fica, diante do filme e do livro de Henry James, é a pergunta sobre quem era realmente a Fera; seria a paixão e a vida entregue à outra pessoa, ou seria a morte, a autoconsciência paralisante da morte, que nos congela impedindo que vivamos. João já havia se apaixonado antes, mas não fora o acontecimento de sua vida. Algo além da paixão (esse acontecimento que desestrutura a razão), o que poderia ser?

O filme, fazendo uso da música de Gilberto Gil, escutada pelos dois personagens numa estação de rádio, no mesmo momento, diz que “o melhor lugar do mundo é aqui e agora”. A vida em si, vivida intensamente, na riqueza dos pequenos detalhes que a compõem, como uma música que ouvimos, amamos, mas não tememos perder ao desligar do rádio. Mesmo sabendo que a morte é uma certeza, a vida se justifica por si mesma na intensidade em que é vivida. É o "Sim" de Nietzsche contra o niilismo de Schopenhauer.



NOTAS:

1- O narrador onisciente, também chamado de onipresente, é um tipo de narrador que conhece toda a história e os detalhes da trama. Além disso, ele tem conhecimento sobre seus personagens, desde sentimentos, emoções e pensamentos. Nesse tipo de foco narrativo, a história é geralmente narrada em terceira pessoa e, portanto, o narrador não participa das ações.

2- (Os trechos do livro de Henry James aqui citados foram retirados da edição de A Fera da Selva, publicado pela Cosac & Naify, com belíssima tradução do crítico José Geraldo Couto).

3- Dados sobre o filme, visite o site:

http://www.aferanaselva.com.br


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 22/5/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
02. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
03. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
04. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
05. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2018
01. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann - 26/6/2018
02. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos - 16/10/2018
03. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti - 22/5/2018
04. Goeldi, o Brasil sombrio - 20/11/2018
05. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro - 3/4/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AMOR DE PERDIÇÃO
CAMILO CASTELO BRANCO
ÁTICA
(1993)
R$ 4,00



OLHOS DE VIOLINO
MARCIA CRISTINA SILVA
FTD
(2008)
R$ 12,00



A ÁRVORE CRIANÇA
HUBERT MONTAGNER
INSTITUTO PIAGET
(2009)
R$ 37,00



DE QUEM SÃO ESSES OLHOS
PEGHALL
CIRANDA CULTURAL
(2010)
R$ 28,90



CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E LEGISLAÇÃO PROCESSUAL EM VIGOR
THEOTONIO NEGRÃO
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(1987)
R$ 15,00



DIETA DA SOPA
SIVANA SALERNO
ED. MELHORAMENTOS
(2007)
R$ 4,90



CÁLCULO FUNÇÕES DE UMA E VÁRIAS VARIÁVEIS
PEDRO A. MORETTIN; SAMUEL HAZZAN; WILTON O. BUSSAB
SARAIVA
(2005)
R$ 35,00



RELATIVIZAÇÃO INCONSTITUCIONAL DA COISA JULGADA: TEMÁTICA...
ROSEMIRO PEREIRA LEAL
DEL REY/ BELO HORIZONTE
(2005)
R$ 78,90



UMA PIADA PODE SALVAR SUA VIDA
BETO SILVA
OBJETIVA
(2008)
R$ 12,00



SOLFEO DE LOS SOLFEOS VOLUMEN 1 A
E LEMOINE E G CARULLI
RICORDI
R$ 5,00





busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês