A Fera na Selva, filme de Paulo Betti | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sou diabético
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
>>> Celebrity killer
>>> Em nome do caos
Mais Recentes
>>> Por Onde Andou Meu Coração de Maria Helena Cardoso pela Nova Fronteira/ RJ. (1984)
>>> O Brasileiro Perplexo de Rachel de Queiroz pela Edautor (1963)
>>> Se a Memória não Me Falha de Sylvia Orthof/ Ilustrações: Tato pela Nova Fronteira/ RJ. (1987)
>>> João Miguel de Rachel de Queiroz pela Siciliano/ SP. (1992)
>>> Maria Ruth de Ruth Escobar/ Prefácio: Hélio Pellegrino pela Guanabara/ RJ. (1986)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1982)
>>> Um Nome pra Matar (Prêmio Walmap) de Maria Alice Barroso/ Prefácio: Antonio Olinto pela Bloch editores (1967)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
>>> Luana Adolescente, Lua Crescente de Sylvia Orthof: Texto e Ilustrações pela Nova Fronteira (1994)
>>> Luana Adolescente, Lua Crescente de Sylvia Orthof: Texto e Ilustrações pela Nova Fronteira (1994)
>>> Cine Odeon de Livia Garcia- Roza pela Record/ RJ. (2001)
>>> Contos de Amor Rasgados de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> Uma Ideia Toda Azul (Sem manuseio) de Marina Colasanti pela Global/ SP. (2013)
>>> O Verde Brilha no Poço de Marina Colasanti/ Ilustr: Rogério Borges pela Melhoramentos (1990)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1986)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1985)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1985)
>>> Brava Gente Brasileira (Sem uso) de Marcio Moreira Alves pela Nova Fronteira/ RJ. (2001)
>>> O Milionario Instantaneo de Carolina Caires Coelho; Mark Fisher pela Figurati (2014)
>>> Scrum - a Arte de Fazer o Dobro na Metade do Tempo de Jeff Sutherland & J. J. Sutherland pela Leya (2014)
>>> Como Fracassar Em Quase Tudo e Ainda Ser Bem Sucedido de Scott Adams pela Figurati (2016)
>>> Contagem Regressiva de Alice Klesck; Alan Weisnan pela Leya (2014)
>>> Amamentação Um Hibrido Natureza -Cultura de João Aprigio Guerra de Almeida pela Fiocruz (1999)
>>> Mikhail Gorbachev de Anna Sproule pela Globo (1990)
>>> Heroides de Walter Vergna pela Edições Granet Lawer (1975)
>>> Mutações de Liv Ullman pela Circulo do Livro (1986)
>>> Ligação Direta Com Deus de Bobtrask pela Nova Era (1994)
>>> Betsabé de Tofgny Lindgren pela Record (1984)
>>> O livro dos sinais de Trigueirinho pela Pensamento (1997)
>>> De Carta Em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2002)
>>> Cura entre Gerações de Pe.Robert DeGrantis pela Louva Deus (1994)
>>> Letras de exortação e reflexão para homens que se atrevem a ser cristãos de Dom Antonio Duarte S.R. pela Scortecci (2019)
>>> A Ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2002)
>>> Como investigar crimes com a ajuda Divina de Daniel Gomes pela Cpad (1999)
>>> O Diário de Um Mago de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Compendio de botânica de Paulo Benzzoni pela Itatiaia (1973)
>>> A Ditadura Derrotada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2003)
>>> O despertar do Buda de Vicente Blasco Ibanez pela Landy (2000)
>>> Católicos Perguntam de Estevão Tavarez Bettencourt ,Osb pela Mensageiros de Santo Antonio (1998)
>>> God Is Dead de Ron Currie Jr pela Penguin Paperbacks (2008)
>>> Frankenstein de Mary Shelley pela Cia das Letras (1994)
>>> Novo Testamento de Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil pela Sbb-Rao (1969)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela Circulo do Livro (1987)
>>> Filho de ninguém: dualismo e bastardia no romance "Dois imãos", de Milton Hatoum de Vera Ceccarello pela Luminária Academia (2016)
>>> Quando se pretende falar da vida de Francisco Candido Xavier ,Roberto Muskat,David Muszkat pela Grupo Espírita Emmanuel -Sociedade Civil (1984)
>>> Eu sou o Mensageiro de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 22/5/2018
A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6600 Acessos



Com adaptação da novela A Fera da Selva, de Henry James, eis que chega aos cinemas brasileiros um filme que é uma lufada poesia no nosso tão desencantado e comercial cinema atual.

O filme tem tripla direção: Paulo Betti, Eliane Giardini e Lauro Escorel, que participa como diretor e fotógrafo do filme. Um trio de criadores para lá de inventivos e que fez da novela de Henry James uma belíssima “transcriação” para as telas (para usar um termo caros aos tradutores-poetas Haroldo e Augusto de Campos).

Adaptando a locação para a cidade de Sorocaba, cidade do interior paulista onde Paulo Betti nasceu, e da qual rememora várias vivências, o filme não deixa de reproduzir a intensidade existencial da novela de Henry James. É ali que os dois personagens, João e Maria, começam uma vida juntos após um reencontro marcado pela lembrança de uma revelação feita por João anos antes.

A transferência da locação para Sorocaba foi muito feliz, em razão das escolhas da paisagem, filmada em tom intimista e com belíssima fotografia, e mesmo a ambientação interior, como a casa dos personagens e a livraria Flor de Lis, também se constituem no filme como locais silenciosos e reflexivos, sendo a presença dos móveis, estantes de livros e a luz dos ambientes importantes na realização dessa introspecção necessária ao drama interior de João. A voz do narrador (José Mayer) foi uma escolha perfeita para o tom da novela, o que engrandeceu o filme.

Um filme de certa forma proustiano, que partiu de locações cheias de lembranças do passado do diretor, como o toque do sino da igreja (Proust puro), o som dos grilos, a visão da ferrovia, da lua, o rádio do carro, as paisagens naturais, a linha do Trópico de Capricórnio, os ambientes domésticos e a presença de pessoas da região que de alguma forma passaram pela vida de Paulo Betti.

O momento crucial do filme é quando, em um segundo encontro por acaso, Maria relembra João da confissão que ele a havia feito na época em que se viram pela primeira vez. João, apesar de se lembrar de tê-la visto em outra época, não se lembrava da confissão. No entanto, vai se recordando aos poucos e atônito pede a Maria que a partir daquele momento não o deixe mais.

Interrogado por Maria sobre o que seria esse acontecimento, João tenta lhe explicar: “Bem, digamos que é uma coisa que eu devo esperar – encontrar, encarar, ver irromper subitamente na minha vida; possivelmente destruindo a consciência de qualquer outra coisa, possivelmente me aniquilando; possivelmente, por outro lado, apenas alterando tudo, atingindo a raiz do meu mundo e me deixando à mercê das consequências, qualquer que seja a forma que elas assumam.” Maria tenta interpretar esse sentimento aniquilador como se fosse a espera de uma paixão arrebatadora, o que João contesta. “Você se apaixonou, e isso não representou o cataclismo esperado, não se revelou o grande evento?” pergunta Maria? E João, imediatamente, responde: “Aqui estou eu, como pode ver. Não foi esmagador.”

A interrogação de Maria continua: “É uma sensação de violência iminente?”

Ao longo dos questionamentos de Maria, João começa a gostar de retomar seu drama existencial e explica: “Não penso na coisa como necessariamente violenta, quando vier. Só penso nela como algo natural e, acima de tudo, inconfundível. Penso nela simplesmente como a coisa. A coisa em si vai parecer natural.”

A partir daí eles começam a produzir novos encontros até o ponto de fazerem um acordo de ficarem juntos esperando o momento crucial da vida de João.

O filme consegue encadear através de um narrador onisciente* (ver nota) os pequenos momentos da vida dos dois, como a criação da livraria, a frequentação aos eventos musicais, os passeios pela paisagem e o envelhecimento de ambos e os próprios pensamentos que os acometem nessa vida conjunta.

A fotografia e o movimento da câmera em vários momentos do filme nos fazem ter a sensação de que algo os espreita de longe, a fera na selva do título, esse algo que produzirá o cataclismo de João.



A força teatral dos diálogos e a voz em off do narrador coloca o espectador próximo ao texto límpido e forte de Henry James e reforça ainda mais a presença do drama de João sem precisar se embrenhar em fanfarronices visuais. A imagem límpida do cinema, como a da escrita de Henry James, cria o clima intimista necessário à revelação da crise que abate o personagem, que a cada dia vai se tornando mais e mais angustiado. Em alguns momentos, até a presença da loucura parece estar tomando-o e ele tem consciência disso. Mas essa hipótese é afastada, dada a certeza de João desse acontecimento que lhe espera em alguma esquina da vida.

No entanto, a vida dos dois vai sendo levada, sempre guiados pelo comentário angustiado da e sobre a espera de que “a coisa” algum dia se manifeste. Até à velhice e à morte de Maria, que antes já lhe interrogava sobre o fato do cataclismo já ter acontecido, e do qual “ele se limitara a arregalar os olhos estupidamente, sem entender a saída que ela lhe oferecia.”

Se algo aconteceu, foi no coração dela, que o amou desde sempre. Ele, no entanto, só no fim da vida, dentro do cemitério, terá sua revelação. Diante do absoluto vazio de sua vida, preenchido pela angústia da espera, descobre que “ela era o que havia lhe faltado”. O que no filme é imagem, a desolação de saber que perdeu a vida na espera de que algo cataclismático o abatesse, no livro fica clara a revelação de que tipo de homem se tratava: “Tinha sido o homem do seu tempo, o homem, ao qual nada no mundo havia acontecido. (...) Era isso o que ela havia visto, enquanto ele ainda não via, de modo que agora ela servia para lhe trazer a verdade.”

No fim da novela de Henry James o narrador explica que acontecimento tão esperado era esse, do qual ele não tinha consciência: “A saída teria sido amá-la, então, e só então, ele teria vivido. Ela, sim, vivera – quem agora poderia dizer com que paixão?- uma vez que o amara pelo que ele era; ele, ao contrário, nunca havia pensado nela (ah, isso agora era claro a ponto de ofusca-lo) senão na frieza do seu egoísmo e à luz do uso que poderia fazer dela.”

A fera deu o bote. E ela, Maria, rezara para que ele não soubesse que o bote aconteceria nesses termos, na autoconsciência do fracasso de ter vivido com ela sem aproveitar o amor total, a entrega absoluta ao outro no seu dia a dia. O horror havia se cumprido, enfim, com gosto amargo.

Ao ver o sofrimento e as lágrimas de um homem no cemitério, diante do túmulo da amada que perdera há muito tempo, João recebe o abraço da fera. O filme consegue com grande riqueza poética relatar esse momento que acometeu o personagem, esse instante de terror que foi a revelação, fazendo-o cair sobre o túmulo de Maria, traduzindo muito bem o final da novela de Henry James:

“Viu a Selva de sua vida e a Fera à espreita; então, enquanto olhava, percebeu como que por uma vibração no ar, que ela se erguia, enorme e horrenda, para o salto que o aniquilara. Seus olhos se turvaram – a Fera estava perto; e, virando-se instintivamente, em sua alucinação, para evitá-la, tombou de rosto sobre o túmulo.”

Uma questão que nos fica, diante do filme e do livro de Henry James, é a pergunta sobre quem era realmente a Fera; seria a paixão e a vida entregue à outra pessoa, ou seria a morte, a autoconsciência paralisante da morte, que nos congela impedindo que vivamos. João já havia se apaixonado antes, mas não fora o acontecimento de sua vida. Algo além da paixão (esse acontecimento que desestrutura a razão), o que poderia ser?

O filme, fazendo uso da música de Gilberto Gil, escutada pelos dois personagens numa estação de rádio, no mesmo momento, diz que “o melhor lugar do mundo é aqui e agora”. A vida em si, vivida intensamente, na riqueza dos pequenos detalhes que a compõem, como uma música que ouvimos, amamos, mas não tememos perder ao desligar do rádio. Mesmo sabendo que a morte é uma certeza, a vida se justifica por si mesma na intensidade em que é vivida. É o "Sim" de Nietzsche contra o niilismo de Schopenhauer.



NOTAS:

1- O narrador onisciente, também chamado de onipresente, é um tipo de narrador que conhece toda a história e os detalhes da trama. Além disso, ele tem conhecimento sobre seus personagens, desde sentimentos, emoções e pensamentos. Nesse tipo de foco narrativo, a história é geralmente narrada em terceira pessoa e, portanto, o narrador não participa das ações.

2- (Os trechos do livro de Henry James aqui citados foram retirados da edição de A Fera da Selva, publicado pela Cosac & Naify, com belíssima tradução do crítico José Geraldo Couto).

3- Dados sobre o filme, visite o site:

http://www.aferanaselva.com.br


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 22/5/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio
02. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar de Renato Alessandro dos Santos
03. Brasil, o buraco é mais embaixo de Luís Fernando Amâncio
04. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
05. Meu querido aeroporto #sqn de Ana Elisa Ribeiro


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2018
01. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann - 26/6/2018
02. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos - 16/10/2018
03. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti - 22/5/2018
04. Goeldi, o Brasil sombrio - 20/11/2018
05. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro - 3/4/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTRATÉGIA, CULTURA E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS
ALBERTO DE FREITAS
ELSEVIER
(2016)
R$ 56,00



VARIÁVEIS COMPLEXAS
MURRAY R. SPIEGEL
MCGRAW HILL DO BRASIL
(1972)
R$ 69,00



REVISTA CAPIXABA DE FILOSOFIA E TEOLOGIA - A. 6 Nº10 (681)
DIVERSOS
IFTAV/FSV
(2008)
R$ 18,00



AVALIAÇÃO E APRENDIZAGEM COM O MOODLE
ANA JÚLIA VIAMONTE
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 167,00



CULTURA E DEMOCRACIA VOLUME 2
CELSO DE RUI BEISIEGEL E OUTROS
FUNARTE
(2001)
R$ 16,28



SELEÇÕES DO READERS DIGEST ABRIL DE 1954
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1954)
R$ 10,00



SANTOS
RICARDO LUIZ DE SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



CABEÇA DE HUGO CHAVEZ
FLAVIO BRAGA (APRESENTAÇÃO LUIZ COSTA LIMA)
ROCCO
(2011)
R$ 10,00



O EVANGELHO DE COCO CHANEL
KAREN KARBO E CHESLEY MCLAREN
SEOMAN
(2010)
R$ 20,00
+ frete grátis



GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUÊSA - CURSO SUPERIOR
SILVEIRA BUENO
SARAIVA
(1963)
R$ 5,00





busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês