Goeldi, o Brasil sombrio | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
33260 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Brunchinho tem bloco de carnaval infantil e comidinhas saudáveis
>>> O Buraco d'Oráculo encerra residência em Cidade Tiradentes
>>> Musical AVESSO encerra temporada no dia 24 de fevereiro no Teatro Nair Bello
>>> CONGRESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DAS ARTES NA AMÉRICA LATINA: COLONIALISMO E QUESTÕES DE GÊNERO
>>> FERNANDA CABRAL SE APRESENTA NA CAIXA CULTURAL BRASÍLIA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
>>> Nada de novo no front
>>> A Belém pulp, de Edyr Augusto
>>> Fatos contábeis
>>> Jaula de sombras
>>> Camadas tectônicas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Retratos da ruína
>>> O blog do Fernando Meirelles
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mrs. Robinson
>>> A fotografia é a mentira verdadeira
>>> MOMENTOS
>>> Entrevista com José Castello
>>> Roland Barthes e o prazer do texto
>>> Melhores Podcasts
>>> Aqui sempre alguém morou
Mais Recentes
>>> Diabolik - Scontro Frontale de A e L. Giussani pela Astorina (1993)
>>> O Amanhã a Deus pertence de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2007)
>>> A Saga da Sabedoria de Leo Reisler pela Nórdica (1994)
>>> Chakraterapia - O encontro da ciência com a tradição milenar de cura através da energia de Maria Helena B. Damiani pela Hércules (2002)
>>> O Enigma dos Desaparecidos de Leandro Ribeiro pela Reggraf (2009)
>>> Revivir Lo Vivido de Dr. Jorge Adoum (Mago Jefa) pela Kier - Buenos Aires (1993)
>>> Espelhos de Joana D' Arc Gouvêa Costa pela Funalfa (2007)
>>> Zen-Budismo e a Literatura - A Poética de Gilberto Gil de Antonio Carlos Rocha pela Madras (2004)
>>> Economia Ambiental de Ronaldo Seroa da Motta pela FGV (2009)
>>> Os Lusíadas edição de luxo com capa dura de Luís de Camões pela Nova Cultural (2002)
>>> Educação Executiva - Curso Estratégia Empresarial de Luiz Alberto N. Campos Filho pela Ibmec (2010)
>>> Educação Executiva - Curso Estratégia Empresarial de Luiz Alberto N. Campos Filho pela Ibmec (2010)
>>> Educação Executiva - Curso Estratégia Empresarial de Luiz Alberto N. Campos Filho pela Ibmec (2010)
>>> São Bernardo - 27ª edição de Graciliano Ramos pela Record (1977)
>>> Death Of a Darklord de Laurell K. Hamilton pela Ravenloft Books (1995)
>>> O Agente Ésse Creto na Selva - 2ª edição de Martin Oliver pela Scipione (1993)
>>> No Alto da Idolatria Sexual de Steve Gallagher pela Graça Editorial (2003)
>>> Leo and Pip de Ron Holt pela Macmillan Children's (1997)
>>> Malraux - Artista e Guerreiro, Filósofo e Estadista de Curtis Cate pela Scritta (1995)
>>> Antologia Poética de Vinícius de Moraes pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Física de Jornada nas Estrelas - Star Trek de Lawrence M. Krauss pela Makron Books (1997)
>>> De A a Z Pólvora Pura - Condenado a Falar - 2ª edição de Jorge Kajuru pela Do Autor (2008)
>>> La Femme D'um Autre Et Le Marri Sous Le It de Fédro Dostoievski pela Folio (2009)
>>> Família Periferia Nivelando por Cima de Almério Barbosa pela Um Por Todos (2013)
>>> Os Dez mandamentos - Explicando Para Crianças de Antonio Bueno Lopes pela Ass. N. Senhora das Graças (2017)
>>> Temas do Amor Imortal - 2ª edição de M. B. Tamassía pela Círculo de Claus (1977)
>>> A Semana de 22 - A Aventura Modernista no Brasil de Francisco Alambert pela Scipione (1992)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Objetivo (2000)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Objetivo (2000)
>>> Machado de Assis - Personagens que Marcaram Época de Ana Tereza Clemente pela Globo (2007)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Escala (2008)
>>> Lira dos Vinte Anos - 2ª edição de Álvares de Azevedo pela Escala (2008)
>>> AA Hora e o Tempo que Passa de Vários Autores pela Melhoramentos (1996)
>>> Poesiaterapia de Rosilene Valerio da Silva pela Scortecci (1999)
>>> Mundo Di Versos de Josué Santos pela Do Autor (1966)
>>> A História, o Filme e Você ou o Olhar Mágico de Irene Tavares de Sá pela Paulinas (1984)
>>> Como as Empresas Podem Implementar Programas de Voluntariado de Ruth Goldberg pela Instituto Ethos (2001)
>>> Cruzando o Limiar da Esperança de João Paulo II pela Francisco Alves (1994)
>>> Na Cruz a Salvação - 2ª edição de Enrico Zoffoli pela Padres Passionistas (1975)
>>> Le Rabbin Congelé de Steve Stern pela J'ai Lu (2012)
>>> A Árvore dos Sexos - 4ª edição de Santos Fernando pela Círculo do Livro (1976)
>>> Aline e Seus Dois Namorados de Adão Iturrusgarai pela L & PM Pocket (2001)
>>> Os Canibais Estão na Sala de Jantar - 4ª edição de Arnaldo Jabor pela Siciliano (1993)
>>> Reunião 10 Livros de Poesia - 8ª edição de Carlos Drummond de Andrade pela José Olympio (1977)
>>> A Moreninha de Joaquim Manuel de Macedo pela Editorial Sol90 (2004)
>>> O Ateneu de Raul Pompéia pela Editorial Sol90 (2004)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Editorial Sol90 (2004)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Editorial Sol90 (2004)
>>> Bookworms Club Gold - Stories for Reading Circles de Mark Furr pela Oxford (2007)
>>> O Verão do Lobo Vermelho de Morris West pela Círculo do Livro (1971)
COLUNAS

Terça-feira, 20/11/2018
Goeldi, o Brasil sombrio
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6400 Acessos



As gravuras de Goeldi nos enviam para um universo sombrio. Ruas quase desertas, com figuras que mais parecem vultos, casas sem vida ou luz, um negrume que a tudo envolve, mendigos, pescadores, prostitutas, trabalhadores voltando ou indo para lugares indefinidos, dentro de uma paisagem urbana noturna, ou se preferir, soturna, lúgubre, onde a luz pouco penetra, ao contrário, pois quanto mais parece a luz quer escapar por pequenos rasgos, mas o negrume a sufoca e a impede de se manifestar.

Se há personagens, são solitários, ou quando em dupla, não se comunicam, estão envoltos numa solidão tremenda, perambulando de cabeça baixa, sob o manto da noite ou da madrugada escura, indo cada um para seu lado (como se não tivessem para onde ir, embora não deixem de caminhar), vagando feito vultos na superfície negra das gravuras de Goeldi.

Ao contrário de um modernismo otimista, provindo da Semana de Arte Moderna de 22, um modernismo nacionalista e crente quanto ao progresso de nosso país, com grandes doses de abacaxi, coqueiros, sapinhos simpáticos, bondes e postes (Tarsila, Anita), um modernismo adepto da visão de uma suposta pureza não repressivo-civilizatória (“não precisamos de Freud”, diz o Manifesto Antropofágico), ao contrário desse verniz cordial (ver o livro “Reinventando o Otimismo”, de Carlos Fico), dessa presunção de nossa superioridade cordial-rousseauniana (ver o livro “Verdade Tropical”, de Caetano Veloso), inclusive de nosso destino promissor,(“Deus é brasileiro”, somos “O país do futuro”) – ao contrário desse nacionalismo (e patriotismo) a gravura de Goeldi apresenta um outro universo, aquele que soterramos sob uma cortina do autoengano.



Segundo o crítico Paulo Venâncio Filho, “a obra de Goeldi revela algo sobre nós mesmos que não gostamos de ver. Nós brasileiros, nos vemos como solares, mas nossa existência é também trágica, violenta, sombria e miserável. Ele é uma nota dissonante do modernismo. Enquanto seus contemporâneos se dedicavam às cores e ao exotismo, ele representava a solidão, um Rio de Janeiro desarranjado, desestruturado, sem ser sentimental ou panfletário. Encontrou um convívio próximo a essas coisas terríveis, uma aceitação, sem se vitimar ou se conformar. É uma visão aguda e poética da realidade.”

Goeldi foi ilustrador de Allan Poe e Dostoievski, atividade que o colocou em contato com um universo artístico onde o lado sombrio da existência se expõe, onde os subterrâneos da alma humana se revelam. Não há como escapar dessas leituras, que põem à nu aquilo que a ideologia sempre quer esconder.

Observador das existências marginais, não se solidarizou com essas figuras soturnas como um sociólogo, ou como artistas denunciadores como Portinari ou Di Cavalcanti. O que lhe interessava era penetrar mais profundamente na condição humana. Revelar o Ser desses personagens, “a matéria moral em que se tornaram sob a força da noite física”, como revelou o magnífico poema de Drummond sobre Goeldi. É como se o artista revelasse a alma dessas pessoas (ou desse mundo) indo além daquilo que Marx dizia sobre o Capital, que para ver seus estragos era necessário observar o resultado de sua força no corpo moído e deformado dos trabalhadores depois de anos da exploração de seu trabalho.

Goeldi, em sua obra, como observou a escritora Raquel de Queiroz, “resolve as nossas emoções mais subterrâneas com figuras de pavor, de solidão e tristeza”, esses personagens que “nos gritam um apelo tão profundo e dramático, despertando inesperadas emoções”.

Goeldi, como dizíamos, jamais comprou uma visão ufanista do Brasil. Aliás, incomodava-o a adesão dos nossos artistas modernistas (de vanguarda?) aos esquemas do Estado, ao sequestro de sua arte para encampar a política ideológico-nacionalista do Estado (e dá-lhes encomendas para afirmar a ideologia do Estado!). A pauta nacionalista gerava sua desconfiança quanto à institucionalização do modernismo, entregue, após 1930, às suas relações com o propósito cultural do estado-novismo, como acentuou Carlos Zilio. Manteve-se, portanto, alheio a qualquer noção rasteira de modernidade e brasilidade, aquela marcada por um referencial solar.

Artistas como Goeldi, Ismael Nery e mesmo Flávio de Carvalho, que não se adequaram à construção de uma historiografia da arte modernista de tradição nacionalista, pagaram dessa forma o preço de um isolamento no mundo da arte brasileira. Regatados, apenas posteriormente, mostram a existência de uma experiência artística em nada absorvida pelos ditames dos grupos ideológicos de sua época. Ao contrário, são a expressão mais acabada das exigências da arte moderna.



Segundo Goeldi, “o caminho do artista é o individualismo. Muita coisa está morta porque o indivíduo quase não existe, pois ele tende a opinar num sentido coletivo”. Sua ideia da singularidade da atividade artística pode ser encontrada no seu pensamento: “Nunca sacrifiquei a qualquer modismo o meu próprio eu – caminhada dura, mas a única que vale todos os sacrifícios.”

O Rio de Janeiro (o Brasil?) que brota de suas gravuras é o lugar que não acolhe, onde a solidão se expõe, a incomunicabilidade entre os seres e entre os homens e a paisagem urbana se transforma em desajuste, insatisfação, melancolia e rejeição. É o que se apresenta ao espectador.

Drummond escreveu um poema dedicado “A Goeldi”. No poema, revela-se agudamente o lado trágico da obra do artista: avenidas de assombro, casas inabitáveis, criaturas condenadas ao mundo, todo sombra, preto no preto, sol noturno, trevas, erosão do tempo no silêncio, irrealidade do real, atmosfera de chumbo, a morte comanda, negrumes, poças de solidão, e por aí vai.

Em meio ao trópico, Goeldi revela o lado sombrio do homem como resultado de sua condição existencial. Segundo Nuno Ramos, “a atração de Goeldi por figuras marginais e trabalhadores rudes adquire um novo sentido. Bêbados, miseráveis, pescadores, prostitutas mantêm com a vida uma relação mais autêntica. Em sua precariedade, levam uma vida que não oculta a fragilidade humana. Suas formas instáveis, dispersas, não resultam do confronto de uma subjetividade superior com as agruras da vida. Revelam antes uma corrosão a que ninguém escapa.”



Parafraseando Christian Prigenti, em seu livro “Para que poetas ainda?” – A arte é grande quando trata o Mal. Não quando o cura, quando quer ou acredita curá-lo: não se cura o Mal assim como não se cura o real. Mas quando visa a pensá-lo, a incluí-lo na criação como um expoente inelutável. A arte é grande quando dá forma às injunções desse Mal, quando aceita sua tortura e dá ao canto sublimado que o transmuta em beleza aquela força capaz de nos abalar.

Goeldi não fez outra coisa, revelando nas suas gravuras uma verdade que nos abala: somos um país noturno, soturno, perverso, sufocado (camuflado) pela ideologia da cordialidade, um país de alma cruel, que agora, sob as forças de uma politicagem fascistóide, começa a dar às caras, revelando o seu lado sombrio e macabro em plena luz do dia.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 20/11/2018


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2018
01. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann - 26/6/2018
02. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos - 16/10/2018
03. Goeldi, o Brasil sombrio - 20/11/2018
04. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti - 22/5/2018
05. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro - 3/4/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIARIO DE UM BANANA SEGURANDO VELA
JEFF KINNEY
VER
(2012)
R$ 20,00



MAPAS DO CORPO - EDUCAÇÃO POSTURAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES
ANDRÉ TRINDADE
SUMMUS
(2016)
R$ 49,90



O VELHO E O MAR
ERNEST HEMINGWAY
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1990)
R$ 15,00



COMO ESTUDAR PARA CONCURSOS
ALEXANDRE MEIRELLES
MÉTODO
(2014)
R$ 50,00



REVISTA MUNDO ESTRANHO--23--UM VERAO DE CURIOSIDADES QUENTISSIMAS!.
ABRIL
ABRIL
R$ 8,00



VOZES DA SOMBRA
PEGGY DE CASTRO ABREU
APOLO
(1955)
R$ 100,00



DIREITO CONSTITUCIONAL
ALEXANDRE DE MORAES
ATLAS
(2003)
R$ 39,80



COMO PASSAR EM CONCURSOS FCC - 6.000 QUESTÕES COMENTADAS
WANDER GARCIA
FOCO
(2017)
R$ 90,00



CRONICAS DE VIAGEM VOL. 4
CECÍLIA MEIRELES
NOVA FRONTEIRA
(2000)
R$ 19,00



A COLABORAÇÃO : O PACTO ENTRE HOLLYWOOD E O NAZISMO
BEN URWAND
LEYA
(2014)
R$ 36,00





busca | avançada
33260 visitas/dia
1,0 milhão/mês