Goeldi, o Brasil sombrio | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
23442 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Livros na ponta da língua
>>> Livros na ponta da língua
>>> Medo e Delírio em Las Vegas
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Um Brecht é um Brecht
>>> O engano do homem que matou Lennon
Mais Recentes
>>> Ninho de Anjo de Lia- Rosa Reuse pela Cbve (2007)
>>> Para uma Linda Mulher de Tito Alencar pela Maceió Alagoas (2002)
>>> Falsa Impressão - a Rainha do Supra- Sumo - Temporada de Caça - ... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> Cilada - Rosie - Duas Lindas Meninas de Azul - Órbita de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O último Jurado - Noites de Chuva e Estrelas - o Vôo da Liberdade .... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O Pensamento Vivo de Jorge Luis Borges 16 de Martin Claret pela Martin Claret
>>> Família Trabalho Política de Ireneu Martim Organizador pela Universidade Champagnat (1992)
>>> Flashes de Manoel Ramos e Neide Ramos pela Editoração (2002)
>>> A Biblioteca de Ciências Sociais a Evolução do Capitalismo de Maurice Dobb pela Ed. Zahar (1971)
>>> Princípios de Sociologia Geral de Salim Sedeh pela Edicel
>>> Medidas Educacionais de Richard H. Lindeman pela Ed. Globo/ Mec (1976)
>>> Lima Barreto Crônicas Escolhidas de Folha de S. Paulo pela Ed. ática (1995)
>>> O Cão Amarelo de Georges Simenon pela Ed. Globo
>>> O Maior Milagre do Mundo de Og Mandino pela Record
>>> O Herói da Torre de Hans Hellmut Kirst pela Publicações Europa- América
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1999)
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1997)
>>> Fogo Morto 10 de José Lins do Rego pela Estadão/ Kilck
>>> Romance Edição 16 ao Abrigo de Seus Braços de Jackie Braun pela Harlequin Books (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Clássicos da Literatura Senhora de José de Alencar pela Ed. Sol90 (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Machado de Assis 31 de Marcelo Whately Paiva Organização pela Martins Claret (1992)
>>> Barão de Paranapiacaba Vida e Obra de Camilo Abrantes pela Santos (1978)
>>> Guia 2002 Comer e Beber de Veja São Paulo pela Abril (2002)
>>> Redenção a Continuação do Best Seller Trindade de Leon Uris pela Ed. Record (1996)
>>> Relações Perigosas de Laclos pela Ed. Globo (1987)
>>> Raul de Leôni Trechos Escolhidos de Luiz Santa Cruz pela Agir (1961)
>>> O Amante de Marguerite Duras pela Riográfica
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Ed. Record
>>> Petróleo o Preço da Dependência o Brasil na Crise Mundial de Alberto Tamer pela Ed. Nova Fronteira (1980)
>>> Platão por Mitos e Hipóteses de Lygia Araujo Watanabe pela Ed. Moderna (1995)
>>> O Arquivo de Chancellor de Robert Ludlum pela Ed. Record
>>> Maria Madalena e o Santo Graal de Margaret Starbird pela Sextante (2004)
>>> Tocaia Grande- a Face Obscura de Jorge Amado pela Record (1984)
>>> A Herança Scarlatti de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Visita do Casal Osterman de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Agenda Icarus de Robert Ludlum pela Ed, Guanabara (1989)
>>> O Júri de John Grisham pela Rocco (1998)
>>> O Senhor Embaixador de Erico Verissino pela Ed. Globo
>>> O Falcão Maltês de Dashiell Hammett pela Nova Cultural
>>> O Pecado de Liza de Somerst Maugham pela Riográfica
>>> Lembranças de um Dia de Verão de Irwin Shaw pela Nova Cultural
>>> Tira- Dúvidas Ortografia de Douglas Tufano pela Ed. Mordena (2001)
>>> Os Estupradores de Harold Robbins pela Record (1996)
>>> A Intimação de John Grisham pela Ed. Rocco (2002)
>>> Comunicação as Funções da Propaganda de Alfredo Carmo e Outros pela Publinform
>>> Novas Lições de Amor de Eguinaldo Helio de Souza pela Família Com Deus
>>> Special Noite Quentes no Deserto Edição 02 o Príncipe do Desejo de Lucy Monroe pela Harlequin Books (2008)
>>> Paixão Edição 150 Coração Descoberto Grávida! de Trish Morey pela Harlequin Books (2009)
>>> Com a Cabeça Eo Coração de Marcos Antonio Gonçalves pela áurea (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 20/11/2018
Goeldi, o Brasil sombrio
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6600 Acessos



As gravuras de Goeldi nos enviam para um universo sombrio. Ruas quase desertas, com figuras que mais parecem vultos, casas sem vida ou luz, um negrume que a tudo envolve, mendigos, pescadores, prostitutas, trabalhadores voltando ou indo para lugares indefinidos, dentro de uma paisagem urbana noturna, ou se preferir, soturna, lúgubre, onde a luz pouco penetra, ao contrário, pois quanto mais parece a luz quer escapar por pequenos rasgos, mas o negrume a sufoca e a impede de se manifestar.

Se há personagens, são solitários, ou quando em dupla, não se comunicam, estão envoltos numa solidão tremenda, perambulando de cabeça baixa, sob o manto da noite ou da madrugada escura, indo cada um para seu lado (como se não tivessem para onde ir, embora não deixem de caminhar), vagando feito vultos na superfície negra das gravuras de Goeldi.

Ao contrário de um modernismo otimista, provindo da Semana de Arte Moderna de 22, um modernismo nacionalista e crente quanto ao progresso de nosso país, com grandes doses de abacaxi, coqueiros, sapinhos simpáticos, bondes e postes (Tarsila, Anita), um modernismo adepto da visão de uma suposta pureza não repressivo-civilizatória (“não precisamos de Freud”, diz o Manifesto Antropofágico), ao contrário desse verniz cordial (ver o livro “Reinventando o Otimismo”, de Carlos Fico), dessa presunção de nossa superioridade cordial-rousseauniana (ver o livro “Verdade Tropical”, de Caetano Veloso), inclusive de nosso destino promissor,(“Deus é brasileiro”, somos “O país do futuro”) – ao contrário desse nacionalismo (e patriotismo) a gravura de Goeldi apresenta um outro universo, aquele que soterramos sob uma cortina do autoengano.



Segundo o crítico Paulo Venâncio Filho, “a obra de Goeldi revela algo sobre nós mesmos que não gostamos de ver. Nós brasileiros, nos vemos como solares, mas nossa existência é também trágica, violenta, sombria e miserável. Ele é uma nota dissonante do modernismo. Enquanto seus contemporâneos se dedicavam às cores e ao exotismo, ele representava a solidão, um Rio de Janeiro desarranjado, desestruturado, sem ser sentimental ou panfletário. Encontrou um convívio próximo a essas coisas terríveis, uma aceitação, sem se vitimar ou se conformar. É uma visão aguda e poética da realidade.”

Goeldi foi ilustrador de Allan Poe e Dostoievski, atividade que o colocou em contato com um universo artístico onde o lado sombrio da existência se expõe, onde os subterrâneos da alma humana se revelam. Não há como escapar dessas leituras, que põem à nu aquilo que a ideologia sempre quer esconder.

Observador das existências marginais, não se solidarizou com essas figuras soturnas como um sociólogo, ou como artistas denunciadores como Portinari ou Di Cavalcanti. O que lhe interessava era penetrar mais profundamente na condição humana. Revelar o Ser desses personagens, “a matéria moral em que se tornaram sob a força da noite física”, como revelou o magnífico poema de Drummond sobre Goeldi. É como se o artista revelasse a alma dessas pessoas (ou desse mundo) indo além daquilo que Marx dizia sobre o Capital, que para ver seus estragos era necessário observar o resultado de sua força no corpo moído e deformado dos trabalhadores depois de anos da exploração de seu trabalho.

Goeldi, em sua obra, como observou a escritora Raquel de Queiroz, “resolve as nossas emoções mais subterrâneas com figuras de pavor, de solidão e tristeza”, esses personagens que “nos gritam um apelo tão profundo e dramático, despertando inesperadas emoções”.

Goeldi, como dizíamos, jamais comprou uma visão ufanista do Brasil. Aliás, incomodava-o a adesão dos nossos artistas modernistas (de vanguarda?) aos esquemas do Estado, ao sequestro de sua arte para encampar a política ideológico-nacionalista do Estado (e dá-lhes encomendas para afirmar a ideologia do Estado!). A pauta nacionalista gerava sua desconfiança quanto à institucionalização do modernismo, entregue, após 1930, às suas relações com o propósito cultural do estado-novismo, como acentuou Carlos Zilio. Manteve-se, portanto, alheio a qualquer noção rasteira de modernidade e brasilidade, aquela marcada por um referencial solar.

Artistas como Goeldi, Ismael Nery e mesmo Flávio de Carvalho, que não se adequaram à construção de uma historiografia da arte modernista de tradição nacionalista, pagaram dessa forma o preço de um isolamento no mundo da arte brasileira. Regatados, apenas posteriormente, mostram a existência de uma experiência artística em nada absorvida pelos ditames dos grupos ideológicos de sua época. Ao contrário, são a expressão mais acabada das exigências da arte moderna.



Segundo Goeldi, “o caminho do artista é o individualismo. Muita coisa está morta porque o indivíduo quase não existe, pois ele tende a opinar num sentido coletivo”. Sua ideia da singularidade da atividade artística pode ser encontrada no seu pensamento: “Nunca sacrifiquei a qualquer modismo o meu próprio eu – caminhada dura, mas a única que vale todos os sacrifícios.”

O Rio de Janeiro (o Brasil?) que brota de suas gravuras é o lugar que não acolhe, onde a solidão se expõe, a incomunicabilidade entre os seres e entre os homens e a paisagem urbana se transforma em desajuste, insatisfação, melancolia e rejeição. É o que se apresenta ao espectador.

Drummond escreveu um poema dedicado “A Goeldi”. No poema, revela-se agudamente o lado trágico da obra do artista: avenidas de assombro, casas inabitáveis, criaturas condenadas ao mundo, todo sombra, preto no preto, sol noturno, trevas, erosão do tempo no silêncio, irrealidade do real, atmosfera de chumbo, a morte comanda, negrumes, poças de solidão, e por aí vai.

Em meio ao trópico, Goeldi revela o lado sombrio do homem como resultado de sua condição existencial. Segundo Nuno Ramos, “a atração de Goeldi por figuras marginais e trabalhadores rudes adquire um novo sentido. Bêbados, miseráveis, pescadores, prostitutas mantêm com a vida uma relação mais autêntica. Em sua precariedade, levam uma vida que não oculta a fragilidade humana. Suas formas instáveis, dispersas, não resultam do confronto de uma subjetividade superior com as agruras da vida. Revelam antes uma corrosão a que ninguém escapa.”



Parafraseando Christian Prigenti, em seu livro “Para que poetas ainda?” – A arte é grande quando trata o Mal. Não quando o cura, quando quer ou acredita curá-lo: não se cura o Mal assim como não se cura o real. Mas quando visa a pensá-lo, a incluí-lo na criação como um expoente inelutável. A arte é grande quando dá forma às injunções desse Mal, quando aceita sua tortura e dá ao canto sublimado que o transmuta em beleza aquela força capaz de nos abalar.

Goeldi não fez outra coisa, revelando nas suas gravuras uma verdade que nos abala: somos um país noturno, soturno, perverso, sufocado (camuflado) pela ideologia da cordialidade, um país de alma cruel, que agora, sob as forças de uma politicagem fascistóide, começa a dar às caras, revelando o seu lado sombrio e macabro em plena luz do dia.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 20/11/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lançamentos de literatura fantástica (1) de Luís Fernando Amâncio
02. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
03. O que te move? de Fabio Gomes
04. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio
05. Em nome dos filhos de Luís Fernando Amâncio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2018
01. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann - 26/6/2018
02. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos - 16/10/2018
03. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti - 22/5/2018
04. Goeldi, o Brasil sombrio - 20/11/2018
05. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro - 3/4/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DEVASSOS NO PARAISO - HOMOSSEXUALIDADE NO BRASIL DA COLONIA A ATUALIDADE
JOAO SILVERIO TREVISAN
MAX LIMONAD
(1986)
R$ 80,00



POR QUE ME ABANDONASTE
MAURO JUDICE
GIZ EDITORIAL
(2008)
R$ 22,28



1890 1914 - NO TEMPO DAS CERTEZAS
LILIA MORITZ SCHWARCZ/ ANGELA MARQUES DA COSTA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 25,00
+ frete grátis



A MENSAGEM DO ISLAM
ABDURRAHMAN AL-SHEDA
OUTROS
R$ 5,00



O LIVRO DA CERVEJA (1185)
TIM HAMPSON
NOVA FRONTEIRA
(2009)
R$ 35,00



APRENDIZAGEM E MOTIVAÇÃO
ANTONIO GOMES PENNA
ZAHAR
(1980)
R$ 26,28



ENSINO RÉGIO NA CAPITANIA DE MINAS GERAIS, O
THAIS NIVIA DE LIMA E FONSECA
AUTÊNTICA
R$ 39,90



A INFORMALIDADE NO MERCADO DE TRABALHO
JULIANO VARGAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



O XIS DA QUESTÃO
RICARDO DA CUNHA LIMA
FTD
(1997)
R$ 15,00



O MEU BRAÇO DIREITO: BASEADO EM FATOS DA VIDA REAL
REGINA CÉLIA CHAGAS DE OLIVEIRA
MILETO
(2003)
R$ 32,28





busca | avançada
23442 visitas/dia
890 mil/mês