O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
28252 visitas/dia
851 mil/mês
Mais Recentes
>>> Sidney Rocha lança seu novo livro, A Lenda da Seca
>>> Oficina de Alegria encerra o mês das crianças com a festa Bloquinho na Praça - 27 de outubro
>>> EMP Escola de Música faz apresentação gratuita de alunos e professores
>>> Miami Ad School Rio promove curso sobre criatividade que desmistifica o padrão do que é ser criativo
>>> Exposição destaca figura feminina com a leveza da aquarela
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
>>> O papel aceita tudo
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A moral da dúvida em Oakeshott e Ortega Y Gasset
>>> Por um triz
>>> Sete chaves a sete cores
>>> Feira livre
>>> Que galho vai dar
>>> Relâmpagofágico
>>> Caminhada
>>> Chama
>>> Ossos perduram
>>> Pensamentos à política
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Apresentação
>>> Apresentação
>>> Um defeito de cor, um acerto de contas
>>> Cuidado: Texto de Humor
>>> O Oratório de Natal, de J. S. Bach
>>> My fair opinion
>>> Hitler e outros autores
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> Conceição Evaristo em BH
Mais Recentes
>>> Manipulação da Linguagem e Linguagem da Manipulação de Claudinei Jair Lopes pela Paulus (2008)
>>> Mobilidade Religiosa: Linguagens, Juventude, Política de Pedro a Ribeiro de Oliveira, Geraldo de Mori Org pela Paulinas (2012)
>>> Em Sonho. uma Boa Conversa Entre o Romeiro Sebastião e Padre Cícero de Annette Dumoulin pela Paulinas (2017)
>>> Em Desnuda Oração de Paulo Gabriel pela Paulinas (2010)
>>> Santa Teresa Verzeri - Vida e Obra de Rosa Cassinari pela Paulinas (2008)
>>> Santa Teresa Verzeri de Rosa Cassinari pela Paulinas (2008)
>>> Educação para a Comunicação nos Institutos de Filosofia e Teologia de Cnbb pela Paulinas/sepac (2001)
>>> Educação para a Comunicação nos Institutos de Filosofia e Teologia de Cnbb pela Paulinas/sepac (2001)
>>> Lucíola de José de Alencar pela Ct (2001)
>>> Casa Velha de Machado de Assis pela Ct (2001)
>>> A Espada e a Pena. Como Atingir o Desenvolvimento Humano pelo Racional de Mauro Monteiro de Andrade pela Nobel (1999)
>>> Goethe e Barrabás de Deonísio da Silva pela Novo Século (2008)
>>> Umberto Eco - o Labirinto do Mundo de Daniel Salvatore Schiffer pela Globo (2000)
>>> Felicidade Em um Mundo Material de Gabriel Lafitte, Alison Ribush pela Fundamento (2009)
>>> Preludina de João Schiller pela Celebris (2002)
>>> Contos Consagrados de Machado de Assis pela Nova Fronteira (2014)
>>> Um Certo Jacques Netan de Carlos Nejar pela Record (1991)
>>> O Bequimão - Esquisso de um Romance de Clodoaldo Freitas pela Siciliano (2001)
>>> A Pátria Descoberta de Gilberto de Melo Kujawski pela Papirus (1992)
>>> Frederico Paciência - Conto de Mario de Andrade pela Companhia Nacional (1978)
>>> Canopus Em Argos: Arquivos Shikasta de Doris Lessing pela Nova Fronteira (1982)
>>> Filomena Borges de Aluísio de Azevedo pela Escala (2008)
>>> Pulp - Novela de Charles Bukowski pela Lmp (2014)
>>> An Introduction to Abhidhamma de Silananda Brahmachari pela Cbbef (2016)
>>> Clear Light Bliss de Geshe Kelsang Gyatso pela Tharpa (1982)
>>> Fé na Estrada. Seguindo os Passos de Jack Kerouac de Dodô Azevedo pela Casa da Palavra (2012)
>>> A Vida de Aparências de Evelyn Beegan de Stephenie Clifford pela Leya (2016)
>>> Beleza Natural. a História da Rede de Cabeleireiros de Liana Melo pela Primeira Pessoa (2015)
>>> Infinito - os Imortais Volume 6 de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> A Promessa do Tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2014)
>>> Expert Em Sedução High Gril de La Baronne pela Lua de Papel (2012)
>>> O Que Toda Mulher Inteligente Deve Saber de Steven Carter, Julia Sokol pela Sextante (2015)
>>> Por Que os Homens Fazem Sexo e as Mulheres Fazem Amor? de Allan e Barbara Pease pela Sextante (2014)
>>> Por Que os Homens Fazem Sexo e as Mulheres Fazem Amor? de Allan e Barbara Pease pela Sextante (2014)
>>> A Travessia de William P. Young pela Sextante (2017)
>>> O Futuro é o Começo. os Ensinamentos de Bob Marley de Bob Marley pela Bestseller (2013)
>>> O Futuro é o Começo. os Ensinamentos de Bob Marley de Bob Marley pela Bestseller (2013)
>>> Convergência Jul/ago 1981 N. 144 - a Dimensão Missionária na Formação de Vvaa pela Revista Convergência (1981)
>>> Como Educar e Ser Feliz de Maria Teresa C. R. Moreira pela Raboni
>>> Maddy de Nora Roberts pela Harlequim (2016)
>>> Trace de Nora Roberts pela Harlequim (2016)
>>> Amor Maior Que Tudo de Nora Roberts pela Harlequim (2015)
>>> Amor Maior Que Tudo de Nora Roberts pela Harlequim (2015)
>>> Estrela Cativa de Nora Roberts pela Harlequim (2014)
>>> Chantel de Nora Roberts pela Harlequim (2015)
>>> Arte Tibetana - Apis Tibetana de Nana de Craiova pela Usp (1968)
>>> A História de Angulimala de Geshe Kelsang Gyatso pela Tharpa (2014)
>>> A História de Buda de Geshe Kelsang Gyatso pela Tharpa (2014)
>>> O Que é Budismo? de Geshe Kelsang Gyatso pela Tharpa (2014)
>>> Minidicionário Soares Amora de Soares Amora pela Saraiva (2008)
COLUNAS

Terça-feira, 3/4/2018
O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3600 Acessos



O romance O pai da menina morta, de Tiago Ferro, publicado pela editora Todavia (2018), é um interessante mergulho naquilo que resultou das propostas vanguardistas para todas as artes. Aqui se encontram todas as vertentes de uma literatura que dilui a narrativa em cortes e recortes, montagens e desmontagens, fragmentos e colagens e uso artificial da memória (como reconstrução de um passado por escolhas que atravancam qualquer tentativa de ordenação lógica).

A escolha por uma narrativa estilhaçada, faz com que o escritor use o fragmento como instrumento de criação desse grande vitral quebrado, que o leitor terá que reconstruir para si. São pequenos nacos da realidade e das lembranças que vão constituir esse vidro colorido, mas espatifado, nos fazendo pensar no quanto o “corte” praticado na narrativa cinematográfica é importante para a mente literária contemporânea e, consequentemente, para o livro de Tiago Ferro.

“Onde estou? Parece um aeroporto, uma estação, urubus comendo restos de porcos. O painel de destinos é caótico: datas e horários se embaralham sem parar e os países estão grafados num idioma incompreensível.” Essa mesma sensação de deslocamento para destinos obscuros, com uma temporalidade confusa e em um lugar indefinido é que faz com que o leitor de Tiago Ferro se sinta perdido dentro de um universo narrativo sem que tenha em suas mãos nem um mapa, nem uma linguagem facilmente compreensível, nem uma terra à vista para se reconhecer.

A temporalidade também é construída por recortes, colagens e remontagens dentro de uma suposta “realidade do presente”, aquela tingida por uma ampla variação de sentimentos, de escolhas de lembranças, submetidas, estas, ao processo de tentativa de uma equalização mínima para que o leitor saiba que está percorrendo um campo minado na sua tentativa de montagem de uma possível narrativa ou de justapor ações e reações tão claramente como desejaria. Então, passado e presente vão se encontrando como um jardim com flores variadas, mas que tentam formar um grupo coerente de cores... no entanto, as flores acabaram de ser esmagadas por um trator.

A mecanização das listas de compras, lista de remédios e outras listas, vez ou outra inseridas na narrativa, é o resultado desse jardim esmagado. Torna insuportável, no entanto, ao leitor, sua presença depois de uma frase como: “mantenho em casa uma vela de sete dias acesa para Minha Filha...”. Em seguida, como que sob o atropelo do “real” a invasão de uma realidade supérflua: “No supermercado, compro 6 Heinekens, 3 leites desnatados e 3 integrais, geleia, requeijão, pão integral, um pack com 4 toddynhos, produtos de limpeza, 5 velas e 17 caixas de veneno para barata”.

Outras listas aparecerão ao longo da narrativa. O que se quer é construir um retrato a partir de cacos. Qualquer relação com a obra de um artista como Kurt Schwitters, com suas colagens incoerentes de tickets de metrô, moedas achadas na rua, frases recortadas de um jornal velho, pedaços de madeira abandonados, não é mera coincidência. A realidade que resta, essa dos objetos inúteis, de papéis por assinar, de atitudes por tomar, nos faz ver que o mundo que nos cerca e invade é aquele que nos rouba até o momento da dor. Sua incoerência é também o que exige uma forma de literatura como a de Tiago Ferro. O personagem autor sofre a perda, mas sofre também a invasão do “real” que lhe assalta o tempo todo. Duas prisões inescapáveis.

Quando a vida se precipita num abismo, a narrativa começa a usar de elementos do surrealismo, onde o sonho vai se parecendo com a realidade e a realidade vai se diluindo sob influxo de forças emocionais bastante perturbadoras. Um título de livro, uma cena de um filme, uma avaliação política, uma recordação antiga, uma trepada, tudo isso existe dentro de uma perspectiva esvaziada de sentido ou coerência, afinal está se construindo, ou tentando se construir dentro da narrativa, através da corrente violenta de uma perturbação emocional brutal.

O pai da menina morta é uma espécie de nau sem rumo, buscando coerência onde ela não poderia existir e que, ao saber disso, só lhe resta nos comunicar que caminhamos sobre uma frágil película de água congelada de um lago... na vida qualquer movimento em falso e estamos fritos, sem salvação.

Não poderia ser diferente a sensação que o romance produz. A incoerência da narrativa não deixa espaço para que sentimentalismos nos assaltem. As metáforas não deixam dúvida quanto à dureza que se propõe, contra qualquer afetividade melosa ou projeto de salvação. A pergunta, dura, pensada para um amigo do narrador é direcionada a nós, leitores, impiedosamente: “Se ele já mergulhou de cabeça em uma piscina vazia depois de cheirar dez gramas de cocaína.”

Um romance sobre a perda, ou sobre a impossibilidade de se comunicar um sentimento genuíno a outro ser humano? “Yo-Yo Ma esqueceu o seu valioso instrumento dentro de um taxi em NY”, diz o narrador, que antes já havia tratado da impossibilidade também das irmandades na mesma dor: “Pego para ler o livro autobiográfico do Boris Fausto sobre o processo de luto (...) Leio as primeiras vinte, trinta páginas, e largo.” Quem saberia a importância real que a perda do instrumento do violoncelista tem para ele? Quem saberia o tamanho da dor do narrador sem ter experimentado a mesma situação?

A imagem cinematográfica que lhe vem à mente, também, certamente, é a que diz o que este romance tem de angústia: “O Darth Vader segurando o Luke Skywalker pelo braço para que ele não caia de um penhasco que é uma espécie de vão interplanetário.” A sensação transmitida ao leitor do romance de Tiago Ferro é a mesma. Ele vai, finalmente desabar, para desabar seus leitores? Prefere nos segurar (e o que é pior, nos manter) sobre um abismo cósmico.

Não se espere lamento melancólico num romance onde a penetração de um pau duro numa professora de ioga faz vibrar a vida, seja a que custo for. A vida resiste, apesar do desastre.

As identificações com outros corações doloridos, que passaram pela mesma experiência de perda se alinham na narrativa: Eric Clapton, Gilberto Gil, Drummond, etc. Ele se esqueceu de mencionar o autor de Tudo o que é sólido desmancha no ar, Marshall Berman, que faz uma reflexão sobre a morte de seu filho de cinco anos na apresentação do livro:

Logo depois de terminado este livro, meu filho bem-amado, Marc, de cinco anos, foi tirado de mim. A ele dedico Tudo o que é sólido desmancha no ar. Sua vida e sua morte trazem muitas ideias e temas desse livro para bem perto: no mundo moderno, aqueles que são mais felizes na tranquilidade doméstica, como ele era, talvez sejam os mais vulneráveis aos demônios que assediam esse mundo; a rotina diária dos parques e bicicletas, das compras, do comer e limpar-se, dos abraços e beijos costumeiros, talvez não seja apenas infinitamente bela e festiva, mas também infinitamente frágil e precária; manter essa vida exige talvez esforços desesperados e heróicos, e às vezes perdemos. Ivan Karamazov diz que, acima de tudo o mais, a morte de uma criança lhe dá ganas de devolver ao universo o seu bilhete de entrada. Mas ele não o faz. Ele continua a lutar e a amar; ele continua a continuar.”

A identificação mais próxima no reino dos doloridos é a do encontro com outro “sofredor”, o professor Zé Miguel, numa palestra: “Ele não consegue deixar de exibir um olhar triste que já persiste por mais de trinta anos. Uma tristeza resignada, mas presente.” No espelho da dor, Zé Miguel também comenta a dor do autor: “Um dia essa tristeza vai virar outra coisa. Uma coisa sem nome. Uma coisa.”

Salvação ou maldição: a dor virou literatura.

No entanto, não há consolo: “Não há nada mais absurdo do que continuar escrevendo na fila da câmera de gás.”

Se o autor resistir, se ele “continuar a continuar”, teremos um novo e bom romancista na praça.



Ilustração: Kurt Scwitters


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 3/4/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. George Steiner e o crepúsculo da criação de Humberto Pereira da Silva
02. Quentin Tarantino: violência e humor de Maurício Dias
03. Londres e seus museus - em breve, de graça de Arcano9


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2018
01. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann - 26/6/2018
02. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti - 22/5/2018
03. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro - 3/4/2018
04. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin - 7/8/2018
05. Corot em exposição - 13/3/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SUITE FRANCESA
IRÈNE NÉMIROVSKY
COMPANHIA DAS LETRAS
(2006)
R$ 299,99



A HISTÓRIA MARAVILHOSA DE PETER SCHLEMIHL
ADELBERT VON CHAMISSO
ESTAÇÃO LIBERDADE
(2003)
R$ 25,00



HISTÓRIA DA LÍNGUA PORTUGUESA - VOLUME V SÉCULO XIX
NILCE SANT'ANNA MARTINS
ÁTICA
(1988)
R$ 15,00



APRENDENDO COM OS MESTRES VIII E IX
FEEU
FEEU
R$ 20,00



MARCAS DA VIDA
ELIAS (ESPÍRITO)
ALIANÇA
(2006)
R$ 15,00



UNA JIRAFA DE OTONO
ANDRES GUERRERO
SCIPIONE
(2004)
R$ 25,00



HISTÓRIA DA COZINHA FARAÔNICA
PIERRE TALLET
SENAC SP
(2005)
R$ 40,00



COMO SEGURAR SEU CASAMENTO - CHICO ANYSIO (HUMURISMO/COMICIDADE)
CHICO ANYSIO
TABA
(2000)
R$ 10,00



INVESTIMENTOS
MAURO HALFELD
FUNDAMENTOS
R$ 16,12



PAISAGEM E AMBIENTE - 26
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO
EDIT. F.A.U
(2009)
R$ 15,00





busca | avançada
28252 visitas/dia
851 mil/mês