O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
>>> Zé Guilherme canta Orlando Silva em show no YouTube no dia 26 de setembro
>>> Setembro Amarelo é tema de EntreMeios especial com Zé Guilherme e Leliane Moreira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
>>> Rodrigo Gurgel entrevista Yuri Vieira
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O paraíso de Henry Miller
>>> Band On The Run
>>> Linguagem, Espaço, Máquina
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> A arte como destino do ser
>>> A indigência do rock e a volta dos dinossauros
>>> 16 de Maio #digestivo10anos
>>> The greatest fairy tale never told
>>> Extraordinary Times
Mais Recentes
>>> A sombra do poder: Martinho de Melo e Castro e a administração da Capitania De Minas Gerais (1770-1795) de Virgínia Maria Trindade Valadares pela Hucitec
>>> A Revolta da Vacina de Sevcenko, Nicolau pela UNESP
>>> A quebra da mola real das sociedades: A crise política do antigo regime Português na província do Grão-Pará (1821-1825) de André Roberto Arruda Machado pela Hucitec
>>> A paz das senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico C.1790- C.1850 de Florentino, Manolo pela UNESP
>>> A outra Independência: O Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Mello, Evaldo Cabral de pela 34
>>> A História do Brazil de Frei Vicente do Salvador. História e Política no Império Português do Século XVII de Maria Lêda Oliveira pela Versal
>>> A experiência do tempo: Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1831-1845) de Araújo, Valdei Lopes de pela Hucitec
>>> A Educação Pela Noite de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul
>>> A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016 de Rubens Ricupero pela Versal
>>> A Corte na Aldeia de Vários Autores pela Verbo
>>> A Companhia de Jesus na América por Seus Colégios e Fazendas de Márcia Amantino and Carlos Engemann pela Garamond Universitaria
>>> A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos de Priore, Mary de pela Rocco
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram dom Pedro a criar o Brasil - um de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 130 Anos: Em Busca Da República de Lessa, Renato; Wehling, Arno; Franco, Gustavo; Tavares Guerreiro, José Alexa pela Editora Intrínseca
>>> Arte de Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil de José de Anchieta pela EdUFBA (2014)
>>> Inglorious Revolution de William R. Summerhill pela Yale University Press (2015)
>>> O governo das conquistas do Norte de Fabiano Vilaça dos Santos pela Annablume (2011)
>>> O sol e a sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amazon Frontier - the defeat of the Brazilian Indians de John Hemming pela Papermac (1995)
>>> International Law de Malcolm Evans (edited by) pela Oxford University Press (2014)
>>> Complete International Law: Text, Cases, and Materials de Ademola Abass pela Oxford University Press (2014)
>>> Salvador de Sá and the struggle for Brazil and Angola, 1602 - 1686 de C. R. Boxer pela University of London (1952)
>>> Instituições Políticas Brasileiras de Oliveira Vianna pela Senado Federal (2019)
>>> O populismo e sua história - debate e crítica de Jorge Ferreira (Org.) pela Civilização Brasileira (2001)
>>> Marxismo e Judaísmo - história de uma relação difícil de Arlene Clemesha pela Boitempo (1998)
>>> Trópico dos pecados de Ronaldo Vainfas pela Civilização Brasileira (2014)
>>> Brasil: formação do Estado e da Nação de István Jancsó (Org.) pela Hucitec (2011)
>>> História da Vida Privada em Portugal - 4º Volume (Os nossos dias) de José Mattoso pela Temas e Debates (2011)
>>> História de Angola - da Pré-História ao Início do Século XXI de Alberto Oliveira Pinto pela Mercado de Letras (2016)
>>> Visconde do Uruguai de José Murilo de Carvalho (Org.) pela 34 (2002)
>>> A ilusão americana de Eduardo Prado pela Alfa Omega (2001)
>>> Postmodernism or, the cultural logic of late capitalism de Fredric Jameson pela Duke University Press (1992)
>>> The Established and the Outsiders de Norbert Elias and John L. Scotson pela Sage Publications (2017)
>>> The Satanic Verses de Salman Rushdie pela Randon House (2019)
>>> Los detectives salvajes de Roberto Bolaño pela Vintage Español (2010)
>>> Voices from Chernobyl de Svetlana Alexievich pela Dalkey Archive Press (2005)
>>> O Norte Agrário e o Império, 1871 - 1889 de Evaldo Cabral de Mello pela Topbooks (2008)
>>> Worlds of Labour - further studies in the history of labour de Eric J. Hobsbawm pela Weidenfeld and Nicolson (1984)
>>> Formação da Literatura Brasileira - Momentos Decisivos de Antonio Candido pela Ouro sobre Azul (2014)
>>> História do Brasil: uma interpretação de Carlos Guilherme Mota e Adriana Lopez pela 34 (2015)
>>> História Concisa da Literatura Brasileira de Alfredo Bosi pela Cultrix (2015)
>>> A literatura portuguesa de Massaud Moisés pela Cultrix (2010)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. I - Das origens ao Romantismo de Massaud Moisés pela Cultrix (2012)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. II - Do Realismo à Belle Époque de Massaud Moisés pela Cultrix (2016)
>>> Bundas 12 Fernandona uma lição de cidadania de Diversos Autores pela Perere (1999)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. III - Desvairismo e Tendências Contemporâneas de Massaud Moisés pela Cultrix (2019)
>>> Independência e Morte - Política e Emancipação do Brasil, 1821 - 1823 de Helio Franchini Neto pela Topbooks (2019)
>>> Das cores do silêncio de Hebe Mattos pela Unicamp (2015)
COLUNAS

Terça-feira, 3/4/2018
O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5300 Acessos



O romance O pai da menina morta, de Tiago Ferro, publicado pela editora Todavia (2018), é um interessante mergulho naquilo que resultou das propostas vanguardistas para todas as artes. Aqui se encontram todas as vertentes de uma literatura que dilui a narrativa em cortes e recortes, montagens e desmontagens, fragmentos e colagens e uso artificial da memória (como reconstrução de um passado por escolhas que atravancam qualquer tentativa de ordenação lógica).

A escolha por uma narrativa estilhaçada, faz com que o escritor use o fragmento como instrumento de criação desse grande vitral quebrado, que o leitor terá que reconstruir para si. São pequenos nacos da realidade e das lembranças que vão constituir esse vidro colorido, mas espatifado, nos fazendo pensar no quanto o “corte” praticado na narrativa cinematográfica é importante para a mente literária contemporânea e, consequentemente, para o livro de Tiago Ferro.

“Onde estou? Parece um aeroporto, uma estação, urubus comendo restos de porcos. O painel de destinos é caótico: datas e horários se embaralham sem parar e os países estão grafados num idioma incompreensível.” Essa mesma sensação de deslocamento para destinos obscuros, com uma temporalidade confusa e em um lugar indefinido é que faz com que o leitor de Tiago Ferro se sinta perdido dentro de um universo narrativo sem que tenha em suas mãos nem um mapa, nem uma linguagem facilmente compreensível, nem uma terra à vista para se reconhecer.

A temporalidade também é construída por recortes, colagens e remontagens dentro de uma suposta “realidade do presente”, aquela tingida por uma ampla variação de sentimentos, de escolhas de lembranças, submetidas, estas, ao processo de tentativa de uma equalização mínima para que o leitor saiba que está percorrendo um campo minado na sua tentativa de montagem de uma possível narrativa ou de justapor ações e reações tão claramente como desejaria. Então, passado e presente vão se encontrando como um jardim com flores variadas, mas que tentam formar um grupo coerente de cores... no entanto, as flores acabaram de ser esmagadas por um trator.

A mecanização das listas de compras, lista de remédios e outras listas, vez ou outra inseridas na narrativa, é o resultado desse jardim esmagado. Torna insuportável, no entanto, ao leitor, sua presença depois de uma frase como: “mantenho em casa uma vela de sete dias acesa para Minha Filha...”. Em seguida, como que sob o atropelo do “real” a invasão de uma realidade supérflua: “No supermercado, compro 6 Heinekens, 3 leites desnatados e 3 integrais, geleia, requeijão, pão integral, um pack com 4 toddynhos, produtos de limpeza, 5 velas e 17 caixas de veneno para barata”.

Outras listas aparecerão ao longo da narrativa. O que se quer é construir um retrato a partir de cacos. Qualquer relação com a obra de um artista como Kurt Schwitters, com suas colagens incoerentes de tickets de metrô, moedas achadas na rua, frases recortadas de um jornal velho, pedaços de madeira abandonados, não é mera coincidência. A realidade que resta, essa dos objetos inúteis, de papéis por assinar, de atitudes por tomar, nos faz ver que o mundo que nos cerca e invade é aquele que nos rouba até o momento da dor. Sua incoerência é também o que exige uma forma de literatura como a de Tiago Ferro. O personagem autor sofre a perda, mas sofre também a invasão do “real” que lhe assalta o tempo todo. Duas prisões inescapáveis.

Quando a vida se precipita num abismo, a narrativa começa a usar de elementos do surrealismo, onde o sonho vai se parecendo com a realidade e a realidade vai se diluindo sob influxo de forças emocionais bastante perturbadoras. Um título de livro, uma cena de um filme, uma avaliação política, uma recordação antiga, uma trepada, tudo isso existe dentro de uma perspectiva esvaziada de sentido ou coerência, afinal está se construindo, ou tentando se construir dentro da narrativa, através da corrente violenta de uma perturbação emocional brutal.

O pai da menina morta é uma espécie de nau sem rumo, buscando coerência onde ela não poderia existir e que, ao saber disso, só lhe resta nos comunicar que caminhamos sobre uma frágil película de água congelada de um lago... na vida qualquer movimento em falso e estamos fritos, sem salvação.

Não poderia ser diferente a sensação que o romance produz. A incoerência da narrativa não deixa espaço para que sentimentalismos nos assaltem. As metáforas não deixam dúvida quanto à dureza que se propõe, contra qualquer afetividade melosa ou projeto de salvação. A pergunta, dura, pensada para um amigo do narrador é direcionada a nós, leitores, impiedosamente: “Se ele já mergulhou de cabeça em uma piscina vazia depois de cheirar dez gramas de cocaína.”

Um romance sobre a perda, ou sobre a impossibilidade de se comunicar um sentimento genuíno a outro ser humano? “Yo-Yo Ma esqueceu o seu valioso instrumento dentro de um taxi em NY”, diz o narrador, que antes já havia tratado da impossibilidade também das irmandades na mesma dor: “Pego para ler o livro autobiográfico do Boris Fausto sobre o processo de luto (...) Leio as primeiras vinte, trinta páginas, e largo.” Quem saberia a importância real que a perda do instrumento do violoncelista tem para ele? Quem saberia o tamanho da dor do narrador sem ter experimentado a mesma situação?

A imagem cinematográfica que lhe vem à mente, também, certamente, é a que diz o que este romance tem de angústia: “O Darth Vader segurando o Luke Skywalker pelo braço para que ele não caia de um penhasco que é uma espécie de vão interplanetário.” A sensação transmitida ao leitor do romance de Tiago Ferro é a mesma. Ele vai, finalmente desabar, para desabar seus leitores? Prefere nos segurar (e o que é pior, nos manter) sobre um abismo cósmico.

Não se espere lamento melancólico num romance onde a penetração de um pau duro numa professora de ioga faz vibrar a vida, seja a que custo for. A vida resiste, apesar do desastre.

As identificações com outros corações doloridos, que passaram pela mesma experiência de perda se alinham na narrativa: Eric Clapton, Gilberto Gil, Drummond, etc. Ele se esqueceu de mencionar o autor de Tudo o que é sólido desmancha no ar, Marshall Berman, que faz uma reflexão sobre a morte de seu filho de cinco anos na apresentação do livro:

Logo depois de terminado este livro, meu filho bem-amado, Marc, de cinco anos, foi tirado de mim. A ele dedico Tudo o que é sólido desmancha no ar. Sua vida e sua morte trazem muitas ideias e temas desse livro para bem perto: no mundo moderno, aqueles que são mais felizes na tranquilidade doméstica, como ele era, talvez sejam os mais vulneráveis aos demônios que assediam esse mundo; a rotina diária dos parques e bicicletas, das compras, do comer e limpar-se, dos abraços e beijos costumeiros, talvez não seja apenas infinitamente bela e festiva, mas também infinitamente frágil e precária; manter essa vida exige talvez esforços desesperados e heróicos, e às vezes perdemos. Ivan Karamazov diz que, acima de tudo o mais, a morte de uma criança lhe dá ganas de devolver ao universo o seu bilhete de entrada. Mas ele não o faz. Ele continua a lutar e a amar; ele continua a continuar.”

A identificação mais próxima no reino dos doloridos é a do encontro com outro “sofredor”, o professor Zé Miguel, numa palestra: “Ele não consegue deixar de exibir um olhar triste que já persiste por mais de trinta anos. Uma tristeza resignada, mas presente.” No espelho da dor, Zé Miguel também comenta a dor do autor: “Um dia essa tristeza vai virar outra coisa. Uma coisa sem nome. Uma coisa.”

Salvação ou maldição: a dor virou literatura.

No entanto, não há consolo: “Não há nada mais absurdo do que continuar escrevendo na fila da câmera de gás.”

Se o autor resistir, se ele “continuar a continuar”, teremos um novo e bom romancista na praça.



Ilustração: Kurt Scwitters


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 3/4/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O túmulo do pássaro de Elisa Andrade Buzzo
02. Caminhos para a esquerda de Celso A. Uequed Pitol
03. Primórdios da exploração do tabuleiro de Carla Ceres
04. Onde os fracos têm vez de Luiz Rebinski Junior
05. O que aprender com Ian McEwan de Tais Laporta


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2018
01. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann - 26/6/2018
02. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos - 16/10/2018
03. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti - 22/5/2018
04. Goeldi, o Brasil sombrio - 20/11/2018
05. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro - 3/4/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MUNICÍPIO DE ACARAÚ - NOTAS PARA SUA HISTÓRIA
NICODEMOS ARAÚJO
DO AUTOR
(1972)
R$ 30,00



CLABLE: DEADLY REUNION
MARVEL
MARVEL
(1993)
R$ 15,00



INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA MODERNIZAÇÃO DO DIREITO
IRAN DE LIMA (DEDICATÓRIA)
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(1980)
R$ 26,82



THE ANNALS OF OTOLOGY RHINOLOGY & LARYNGOLOGY, VOL 62 Nº 1
ARTHUR W. PROETZ
ANNALS PUBLISHING COMPANY
(1953)
R$ 16,75



RELACIONAMENTO AMOR E LIBERDADE
OSHO
SHANTI
(2005)
R$ 20,00



THE COMPLETE NAJSDORF: 6[BISHOP]G5
JOHN NUNN
BATSFORD
(1996)
R$ 89,90



MANUAL DO PEQUENO TRAVESSO
ANÍBAL LITVIN - MARIO KOSTZER
V E R
(2008)
R$ 9,33



A DRAMATURGIA MUSICAL DE ÉSQUILO
MARCUS MOTA
UNB
(2008)
R$ 41,00



RAPA DO TACHO
APARÍCIO SILVA RILLO
TCHÊ!
(1982)
R$ 6,00



CURSO DE PRÁTICA FORENSE PENAL
JOSÉ DE SOUZA GAMA
RENOVAR
R$ 6,90





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês