O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
24586 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
>>> Quando a alma é visível
>>> A MECÂNICA CELESTE
>>> Diagnóstico falho
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Animismo
>>> Para tudo existe uma palavra
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Entrevista com André Fonseca
>>> Google: utopia ou distopia?
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> A Casa do Saber no Rio de Janeiro
>>> Marcel Proust e o tempo reencontrado
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
Mais Recentes
>>> Sherlock Holmes - The complete facsimile edition de Arthur Conan Doyle pela Wordsworth Classics (1989)
>>> Pride and Prejudice and Zombies - The Graphic Novel de Jane Austen, Seth Grahame-Smith pela Quirk Classics (2010)
>>> Eating Animals de Jonathan Safran Foer pela Hamish Hamilton (2009)
>>> O desejo da escrita em Italo Calvino: para uma teoria da leitura de Rita de Cássia Maia e Silva Costa pela Companhia de Freud (2003)
>>> Lacrimae rerum: ensaios sobre cinema moderno de Slavoj Zizek pela Boitempo (2009)
>>> Ideografia dinâmica: para uma imaginação artifical? de Pierre Lévy pela Instituto Piaget (1997)
>>> Harry Potter and the Half-Blood Prince de J. K. Rowling pela Bloomsbury (2005)
>>> Orlando de Virginia Woolf pela Wordsworth Classics (2003)
>>> History of the Peloponnesian War de Thucydides pela Penguin Classics
>>> Manual do Roteiro de Syd Field pela Objetiva (2001)
>>> O mundo assombrado pelos demônios de Carl Sagan pela Companhia de Bolso (2016)
>>> Romeo and Juliet - Original + Inglês contemporâneo de William Shakespeare pela Lorenz Educational Publishers (2003)
>>> A hora da estrela de Clarice Lispector pela Rocco (1999)
>>> Guia Prático da Tradução Francesa de Paulo Rónai pela Nova Fronteira (1983)
>>> Reparação de Ian McEwan pela Companhia das Letras (2002)
>>> The Child in Time de Ian McEwan pela Vintage (1992)
>>> O Senhor dos Anéis - As Duas Torres de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (2000)
>>> O Senhor dos Anéis - A Sociedade do Anel de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (1999)
>>> 1984 - em inglês de George Orwell pela Penguin/Signet Classic
>>> Diary de Chuck Palahniuk pela Random House (2003)
>>> Pigmy de Chuck Palahniuk pela Anchor Books (2009)
>>> Tell-All de Chuck Palahniuk pela Anchor Books (2010)
>>> Damned de Chuck Palahniuk pela Anchor Books (2011)
>>> L'arrache coeur de Boris Vian pela Livre de Poche (1976)
>>> Musashi - Vol. 1 de Eiji Yoshikawa pela Estação Liberdade (1999)
>>> Tim Burton de Antoine de Baecque pela Cahiers du Cinéma (2011)
>>> O Jardim das Ilusões de Susan Trott pela Círculo do Livro (1992)
>>> Hermenêutica e Unidade Axiológica da Constituição de Glauco Barreira Magalhães Filho pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2004)
>>> Elizabeth Levanta Vôo de Elizabeth Taylor pela Círculo do Livro (1988)
>>> O Verão de Katya de Trevanian pela Círculo do Livro (1983)
>>> Dias na Birmânia/ Capa Dura de George Orwell pela Círculo do Livro (1988)
>>> Os Monstros da Alma de Athur Thompson pela Bruguera (1965)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Direito Constitucional da Educação de José Luiz Borges Horta pela Decálogo/ Belo Horizonte (2007)
>>> Direito Constitucional da Educação de José Luiz Borges Horta pela Decálogo/ Belo Horizonte (2007)
>>> Direito Constitucional - Tomo I/ Capa Dura de José Luís Quadros de Magalhães pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Diários do Vampiro - Reunião Sombria de L. J. Smith pela Galera Record (2011)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Record (1987)
>>> Poder Constituinte e Patriotismo Constitucional de Marcelo Cattoni pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2006)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Altaya/Record (1996)
>>> Enterrem-me de Botas (Tóxicos o sub-mundo dos tóxicos visto e vivido por uma adolescente) de Sally Trench pela Paulinas (1979)
>>> O Supremo Tribunal Federal e as Constituições Brasileiras de Luís Carlos Martins Alves Jr. pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2004)
>>> As Aventuras de Tom Sawyer (Grandes Sucessos) de Mark Twain pela Abril Cultural (1980)
>>> O Assassino Dentro de Mim de Jim Thompson pela Paulicéia (1991)
>>> A Era da Incerteza de John Kenneth pela Universidade de Brasil (1980)
>>> A Ideologia do Trabalho de Paulo Sérgio do Carmo pela Moderna (1993)
>>> A cabana do Pai Tomás de E. B. Stowe (Tradução Mario Gardelin) pela Paulinas (1966)
COLUNAS

Terça-feira, 3/4/2018
O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4300 Acessos



O romance O pai da menina morta, de Tiago Ferro, publicado pela editora Todavia (2018), é um interessante mergulho naquilo que resultou das propostas vanguardistas para todas as artes. Aqui se encontram todas as vertentes de uma literatura que dilui a narrativa em cortes e recortes, montagens e desmontagens, fragmentos e colagens e uso artificial da memória (como reconstrução de um passado por escolhas que atravancam qualquer tentativa de ordenação lógica).

A escolha por uma narrativa estilhaçada, faz com que o escritor use o fragmento como instrumento de criação desse grande vitral quebrado, que o leitor terá que reconstruir para si. São pequenos nacos da realidade e das lembranças que vão constituir esse vidro colorido, mas espatifado, nos fazendo pensar no quanto o “corte” praticado na narrativa cinematográfica é importante para a mente literária contemporânea e, consequentemente, para o livro de Tiago Ferro.

“Onde estou? Parece um aeroporto, uma estação, urubus comendo restos de porcos. O painel de destinos é caótico: datas e horários se embaralham sem parar e os países estão grafados num idioma incompreensível.” Essa mesma sensação de deslocamento para destinos obscuros, com uma temporalidade confusa e em um lugar indefinido é que faz com que o leitor de Tiago Ferro se sinta perdido dentro de um universo narrativo sem que tenha em suas mãos nem um mapa, nem uma linguagem facilmente compreensível, nem uma terra à vista para se reconhecer.

A temporalidade também é construída por recortes, colagens e remontagens dentro de uma suposta “realidade do presente”, aquela tingida por uma ampla variação de sentimentos, de escolhas de lembranças, submetidas, estas, ao processo de tentativa de uma equalização mínima para que o leitor saiba que está percorrendo um campo minado na sua tentativa de montagem de uma possível narrativa ou de justapor ações e reações tão claramente como desejaria. Então, passado e presente vão se encontrando como um jardim com flores variadas, mas que tentam formar um grupo coerente de cores... no entanto, as flores acabaram de ser esmagadas por um trator.

A mecanização das listas de compras, lista de remédios e outras listas, vez ou outra inseridas na narrativa, é o resultado desse jardim esmagado. Torna insuportável, no entanto, ao leitor, sua presença depois de uma frase como: “mantenho em casa uma vela de sete dias acesa para Minha Filha...”. Em seguida, como que sob o atropelo do “real” a invasão de uma realidade supérflua: “No supermercado, compro 6 Heinekens, 3 leites desnatados e 3 integrais, geleia, requeijão, pão integral, um pack com 4 toddynhos, produtos de limpeza, 5 velas e 17 caixas de veneno para barata”.

Outras listas aparecerão ao longo da narrativa. O que se quer é construir um retrato a partir de cacos. Qualquer relação com a obra de um artista como Kurt Schwitters, com suas colagens incoerentes de tickets de metrô, moedas achadas na rua, frases recortadas de um jornal velho, pedaços de madeira abandonados, não é mera coincidência. A realidade que resta, essa dos objetos inúteis, de papéis por assinar, de atitudes por tomar, nos faz ver que o mundo que nos cerca e invade é aquele que nos rouba até o momento da dor. Sua incoerência é também o que exige uma forma de literatura como a de Tiago Ferro. O personagem autor sofre a perda, mas sofre também a invasão do “real” que lhe assalta o tempo todo. Duas prisões inescapáveis.

Quando a vida se precipita num abismo, a narrativa começa a usar de elementos do surrealismo, onde o sonho vai se parecendo com a realidade e a realidade vai se diluindo sob influxo de forças emocionais bastante perturbadoras. Um título de livro, uma cena de um filme, uma avaliação política, uma recordação antiga, uma trepada, tudo isso existe dentro de uma perspectiva esvaziada de sentido ou coerência, afinal está se construindo, ou tentando se construir dentro da narrativa, através da corrente violenta de uma perturbação emocional brutal.

O pai da menina morta é uma espécie de nau sem rumo, buscando coerência onde ela não poderia existir e que, ao saber disso, só lhe resta nos comunicar que caminhamos sobre uma frágil película de água congelada de um lago... na vida qualquer movimento em falso e estamos fritos, sem salvação.

Não poderia ser diferente a sensação que o romance produz. A incoerência da narrativa não deixa espaço para que sentimentalismos nos assaltem. As metáforas não deixam dúvida quanto à dureza que se propõe, contra qualquer afetividade melosa ou projeto de salvação. A pergunta, dura, pensada para um amigo do narrador é direcionada a nós, leitores, impiedosamente: “Se ele já mergulhou de cabeça em uma piscina vazia depois de cheirar dez gramas de cocaína.”

Um romance sobre a perda, ou sobre a impossibilidade de se comunicar um sentimento genuíno a outro ser humano? “Yo-Yo Ma esqueceu o seu valioso instrumento dentro de um taxi em NY”, diz o narrador, que antes já havia tratado da impossibilidade também das irmandades na mesma dor: “Pego para ler o livro autobiográfico do Boris Fausto sobre o processo de luto (...) Leio as primeiras vinte, trinta páginas, e largo.” Quem saberia a importância real que a perda do instrumento do violoncelista tem para ele? Quem saberia o tamanho da dor do narrador sem ter experimentado a mesma situação?

A imagem cinematográfica que lhe vem à mente, também, certamente, é a que diz o que este romance tem de angústia: “O Darth Vader segurando o Luke Skywalker pelo braço para que ele não caia de um penhasco que é uma espécie de vão interplanetário.” A sensação transmitida ao leitor do romance de Tiago Ferro é a mesma. Ele vai, finalmente desabar, para desabar seus leitores? Prefere nos segurar (e o que é pior, nos manter) sobre um abismo cósmico.

Não se espere lamento melancólico num romance onde a penetração de um pau duro numa professora de ioga faz vibrar a vida, seja a que custo for. A vida resiste, apesar do desastre.

As identificações com outros corações doloridos, que passaram pela mesma experiência de perda se alinham na narrativa: Eric Clapton, Gilberto Gil, Drummond, etc. Ele se esqueceu de mencionar o autor de Tudo o que é sólido desmancha no ar, Marshall Berman, que faz uma reflexão sobre a morte de seu filho de cinco anos na apresentação do livro:

Logo depois de terminado este livro, meu filho bem-amado, Marc, de cinco anos, foi tirado de mim. A ele dedico Tudo o que é sólido desmancha no ar. Sua vida e sua morte trazem muitas ideias e temas desse livro para bem perto: no mundo moderno, aqueles que são mais felizes na tranquilidade doméstica, como ele era, talvez sejam os mais vulneráveis aos demônios que assediam esse mundo; a rotina diária dos parques e bicicletas, das compras, do comer e limpar-se, dos abraços e beijos costumeiros, talvez não seja apenas infinitamente bela e festiva, mas também infinitamente frágil e precária; manter essa vida exige talvez esforços desesperados e heróicos, e às vezes perdemos. Ivan Karamazov diz que, acima de tudo o mais, a morte de uma criança lhe dá ganas de devolver ao universo o seu bilhete de entrada. Mas ele não o faz. Ele continua a lutar e a amar; ele continua a continuar.”

A identificação mais próxima no reino dos doloridos é a do encontro com outro “sofredor”, o professor Zé Miguel, numa palestra: “Ele não consegue deixar de exibir um olhar triste que já persiste por mais de trinta anos. Uma tristeza resignada, mas presente.” No espelho da dor, Zé Miguel também comenta a dor do autor: “Um dia essa tristeza vai virar outra coisa. Uma coisa sem nome. Uma coisa.”

Salvação ou maldição: a dor virou literatura.

No entanto, não há consolo: “Não há nada mais absurdo do que continuar escrevendo na fila da câmera de gás.”

Se o autor resistir, se ele “continuar a continuar”, teremos um novo e bom romancista na praça.



Ilustração: Kurt Scwitters


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 3/4/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva de Renato Alessandro dos Santos
02. Assum Preto, Me Responde? de Duanne Ribeiro
03. Malcolm, jornalismo em quadrinhos de Luís Fernando Amâncio
04. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
05. Nos tempos de Street Fighter II de Luís Fernando Amâncio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2018
01. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann - 26/6/2018
02. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos - 16/10/2018
03. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti - 22/5/2018
04. Goeldi, o Brasil sombrio - 20/11/2018
05. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro - 3/4/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O REI ARTUR E OS CAVALEIROS DA TÁVOLA REDONDA
THOMAS MALLORY
RIDEEL
(2002)
R$ 10,00



2012: A GUERRA PELAS ALMAS
WHITLEY STRIEBER
PLANETA DO BRASIL
(2011)
R$ 25,28



A LUA NAS MÃOS
MARIA DEOSDEDITE
SCORTECCI
(1994)
R$ 14,00



APORTES ESTRUTURAIS E PROFISSIONAIS PARA A ATENÇÃO A SAÚDE DO IDOSO
ELÍDIO VANZELLA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 230,00



PEDAGOGIA DA AUTONOMIA
PAULO FREIRE
PAZ E TERRA
(2007)
R$ 14,80



THE SOCIOLOGY OF MARX
HENRI LEFEBVRE
PENQUIN UNIVERSTITY BOOKS
R$ 25,00



DIA DE MATAR O PATRÃO
JULIETA DE GODOY LADEIRA
SUMMUS
(1978)
R$ 10,00



A MALDIÇÃO DO OLHAR
JORGE MIGUEL MARINHO
BIRUTA
(2011)
R$ 20,00
+ frete grátis



CASA FORTE
DANIELLE STEEL
RECORD
(1985)
R$ 11,80



CONTRA TODOS OS INIMIGOS - 8744
RICHARD A. CLARKE
FRANCIS
(2004)
R$ 10,00





busca | avançada
24586 visitas/dia
890 mil/mês