Twitter: A Crítica Como Vocação | Regina Lacerda | Digestivo Cultural

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/5/2013
Twitter: A Crítica Como Vocação
Regina Lacerda

+ de 5600 Acessos

Em 2013, segundo projeção do Ibope, 2 bilhões de pessoas no mundo inteiro estarão conectadas à internet. Em dezembro de 2012 éramos 94,2 milhões de brasileiros internautas, sendo que desses 38% acessam a rede mundial diariamente, de acordo com o mesmo levantamento. A internet é, sem dúvida, o território de maior liberdade de circulação das notícias, ideias, opiniões. Esse livre fluxo de informações trocadas diretamente entre as diversas fontes é tanto instantâneo e vultoso quanto veloz.

As redes sociais são as principais vitrines humanas da era digital. Quem as frequenta, ou a uma delas, quer ver, mas, sobretudo, quer ser visto, ainda que restrinja de algum modo escolhendo quem pode visualizar sua atividade. A maioria dos seus usuários, portanto, pretende adquirir visibilidade sobre si, e claro, almeja conquistar a admiração dos demais de forma a ser esta uma das principais razões e também consequências de sua exposição. Ninguém se expõe por excesso de timidez ou por excesso de modéstia. Então, por que não dizer, há no ambiente das redes sociais o componente "vaidade", tal como é intrínseco ao ser humano, qualquer que seja sua proporção conforme as características de cada um.

O que no ambiente virtual extrapola os limites da civilidade que encontramos na vida social, é a vocação para a detração. Ainda não se pode precisar os motivos pelos quais o universo das redes sociais tende, em primeiro lugar, à crítica. Em se tratando do Twitter, então, a obrigatória objetividade de pensamento e síntese exigidas pelos seus 140 caracteres, torna-o um terreno profícuo para o embate. Ou, ataque.

Passando das reclamações do consumidor, pelas sátiras bem-humoradas, por manifestações sistemáticas em desfavor de algo ou alguém até os registros contumazes de ódio, o internauta vai à internet para se posicionar criticamente. A palavra do nosso vocabulário coloquial que sintetiza essa tendência é "bronca". O internauta põe em prática, no Twitter como em nenhum outro lugar, a crença em seu sagrado direito de colocar, trocadilho em riste, "a bronca no trombone".

Há casos emblemáticos de perpetradores e vítimas desses ataques, sejam eles do mundo das celebridades, da política ou ilustres desconhecidos. Um dos mais pródigos envolvendo celebridades é o do comediante e apresentador de TV Rafinha Bastos com a cantora Wanessa Camargo. Rafinha declarou, meio a um comentário sobre a gravidez da cantora "Eu comeria ela e o bebê". Imediatamente "ganhou" as redes sociais, foi execrado pelo público, sofreu um processo judicial e perdeu o emprego no programa "CQC". No Twitter, foi alvo de adjetivações pejorativas de toda sorte, até mesmo mais graves, sob o aspecto da qualificação jurídica, da frase proferida por ele e tipificada como ofensiva, segundo decisão judicial.

Em meados de janeiro desse ano, o episódio em que um motorista a serviço da Rede Globo sofreu infarto e morreu após supostamente ter sido destratado pela atriz Zezé Polessa foi um dos assuntos mais comentados no Twitter. O nome da atriz foi parar nos Trending Topics mundiais com a repercussão negativa à notícia de que ela teria gritado com o motorista por que este errara o caminho. Isso tudo, muito antes de qualquer declaração dela ou de possíveis testemunhas.

Dentre os "ilustres desconhecidos", também em janeiro ocorreu um episódio que, ao contrário dos anteriores, nasceu no Twitter e ganhou a vida real: o então delegado titular da 9ª DP (Catete) da cidade do Rio de Janeiro, Pedro Paulo Pontes Pinho, conhecido na rede como @Delegado_Pinho, postou um comentário apontando, em seu entender, que a estabilidade no emprego seria uma das causas da má qualidade do serviço público. A seguir, exemplificou seu raciocínio citando casos de sua própria equipe, incluindo mulheres. De imediato, foi acusado de machista. A reação na rede contra o delegado ultrapassou, conforme observado, as fronteiras da internet, aportou no noticiário das revistas, jornais e TVs e atingiu sua carreira: Pinho sofreu uma série de sanções administrativas por parte dos seus superiores.

Na seara política a tendência crítica do Twitter não fica atrás de nenhuma outra. Dentre um sem-número de situações, um caso recente exemplifica bem. Em fevereiro, o PT organizou uma série de eventos para comemorar os 10 anos do partido na Presidência da República, incluindo evidentemente ações online, festivas, executadas pelos militantes virtuais e simpatizantes. Sem ter sido organizado por qualquer outro partido ou grupo, os internautas reagiram criticamente com a hastag #citeumacagadadoPT que, ao contrário da ação propositiva daquele, entrou para os Trending Topics e lá permaneceu por quase 24 horas.

Chama atenção, conforme mencionado, que a rápida adesão e o volume muito superior da reação crítica foram espontaneamente viralizados, revertendo o quadro da comemoração festiva que era o intento do PT, dono de um conhecido, aguerrido e organizado exército combatente nas trincheiras da internet.

Fato é que a vocação detratora da web é como rastilho de pólvora. Uma faísca é o suficiente para tocar fogo e muito rapidamente incinerar tudo à sua volta: a adesão a ela é imediata. O cantor Lobão registrou de forma contundente, em entrevista a Marcelo Tas, sua impressão sobre essa tendência - para ele é uma necessidade - de se criticar a tudo e a todos, o tempo todo, na internet. "No reino das redes sociais, a primeira palavra que me vem à cabeça é ofensa", sentencia o Lobão.

Evidentemente, o exercício da crítica tem dois lados. Um, motivado pela chamada "consciência", é aquele construído sob a análise, a perspicácia e externada geralmente com sustentação de ideias em oposição ao que se critica. Quem dessa forma critica os outros trabalha em prol do seu próprio aprimoramento intelectual e de suas atitudes. Portanto, aquele que tem a inclinação e o hábito de submeter a conduta dos outros e também as suas ações e omissões a uma atenta e severa crítica, contribui para o aperfeiçoamento de uma ideia, da sociedade e do seu próprio aperfeiçoamento. Este o faz justamente por possuir o suficiente de noções de justiça, ou de orgulho e vaidade, para evitar, em si, o que amiúde censura com tanto rigor no que vê - e acusa - em terceiros.

Por outro lado há a crítica pela crítica. É essa que comumente descamba para a ofensa gratuita, apressada, inconsequente, que pode chegar às raias da Justiça. É muito mais simples e fácil engrossar a cantilena de acusações e até mesmo ofensas, porque elas prescindem de embasamento técnico, teórico, ao passo em que, para um debate, há que se ter um determinado nível de conhecimento correlato ao que se critica ou combate. Acima da necessidade de desabafo indignado contra determinada situação ou personalidade, além do livre exercício da vaidade em chamar atenção para si de alguma forma, também surge outro fator, de ordem prática, a colaborar para esse universo retratado de detração sistemática: a vida virtual não é de todo dissociada da vida real. Antes, a web é um espelho da sociedade.

Recentemente o país sofreu transformações na sua estratificação socioeconômica, com a criação da chamada "nova classe média", a Classe C, alçada ao mercado consumidor pela facilidade de acesso ao crédito, e mais que disposta a consumir de tudo. De uma forma geral, é um público que não possui, historicamente, uma formação intelectual, uma "bagagem" de conhecimento aprofundado na maioria das questões, e é hoje quem aumenta as estatísticas de acesso à internet. Sua inclusão é extremamente positiva. Não se pode negar, entretanto, que a disposição e a consistência para proposição de ideias a partir do questionamento de outras necessita de acesso à informação, formação e, principalmente, do hábito de adquiri-los pela leitura. Os livros são a fonte de sustentação do conhecimento da humanidade desde os tempos do papiro, passando por Gutemberg até chegar aos e-books. Posicionar-se criticamente, ainda que de maneira superficial, é uma forma desse público mostrar-se "antenado".

Assim como nos movimentamos naturalmente sob o peso do nosso corpo sem o perceber, mas sentimos inexoravelmente o peso de qualquer outro que nos propomos a mover, assim também não costumamos notar nossos vícios diários nem os defeitos, ambos passíveis de críticas de terceiros. Mas estamos prontos para perceber e armados para apontar os que enxergamos - tendo ou não razão - nos outros. É um dado da natureza, como afirmar corretamente o dia da semana. Quem está do outro lado pode, caso queira, tratar essa questão, o que remete às estratégias de atuação na rede - tema para outro artigo.

Em se tratando da efemeridade, da rapidez da troca de informações do mundo virtual, não sendo uma queixa do consumidor que tende a ser resolvida pelo fornecedor, a detração exagerada e gratuita tem visibilidade momentânea, e empresta "fama" efêmera, ilusória, a quem escolhe este caminho para ser visto. Na plataforma www assim como na vida nada é mais durável do que ser capaz de criticar sem ofender.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado na revista DDBR.


Regina Lacerda
Brasília, 29/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Melhores exposições de 2010 de Jardel Dias Cavalcanti
02. Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo de Andréa Trompczynski
03. Os meus conflitos de Marcelo Maroldi
04. Bobagem de Adriana Donatello


Mais Regina Lacerda
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PERTURBAÇÕES SONORAS NAS EDIFICAÇÕES URBANAS
WALDIR DE ARRUDA MIRANDA CARNEIRO
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2004)
R$ 30,00



GUIA HISTÓRICO DO ESPIRITISMO: O CENTENÁRIO DE CHICO XAVIER
EDITORA SAMPA
SAMPA
R$ 20,00



WOLVERINE Nº 97 - MARÇO / 2000 - O RESGATE DO PROFESSOR XAVIER
MARVEL COMICS
ABRIL
(2000)
R$ 7,00



GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA VOL. 5 LISBO OLP
DIVERSOS AUTORES
EDIÇÕES ZAIROL
(1999)
R$ 45,00



APRENDA A INVESTIR COM SUCESSO EM AÇÕES
GIL ARI DESCHATRE E ARNALDO MAJER
CIÊNCIA MODERNA
(2006)
R$ 39,00



CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS
JOÃO PASSARELLI; EUNIR DE AMORIM BOMFIM
IOB
(2008)
R$ 25,00



PARANÓIA A SÍNDROME DO MEDO
STELLA CARR
FTD
(1993)
R$ 7,11



A MORENINHA
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
ATICA
(1982)
R$ 10,00



ESTILO DE ÉPOCA NA LITERATURA
DOMÍCIO PROENÇA FILHO
LICEU
(1973)
R$ 10,00



ÁTILA, VOCÊ É BÁRBARO
JAGUAR
SESI
(2014)
R$ 12,99





busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês