Twitter: A Crítica Como Vocação | Regina Lacerda | Digestivo Cultural

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exuberância - Moisés Patrício
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quem somos nós para julgar Michael Jackson?
>>> Culture to Digest
>>> Os novos filmes de Iñárritu
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> One-man show
>>> A difícil arte de fazer arte
>>> O Exército de Pedro
>>> Doida pra escrever
>>> Alguns momentos com Daniel Piza
>>> Desonra, por J.M. Coetzee
Mais Recentes
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> A Escolha de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Amor para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> A última Música de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> Primeiro Amor de James Patterson pela Novo Conceito (2014)
>>> Pelos Caminhos de Pedras e de Folhas Secas de Maria José Mamede Galvão pela Caravela (2018)
>>> Violetas na Janela de Patrícia Espirita pela Petit (2020)
>>> Divergente Uma Escolha Pode Te Transformar de Verônica Roth pela Rocco (2012)
>>> Traité Clinique Et Pratique des Maladies Puerpérales Suites de Couches de E Hervieux pela Adrien Delahaye Libraire Éditeur (1870)
>>> Commentaires Thérapeutiques du Codex medocamentarius de Adolphe Gubler pela J B Bailliére Et Fils (1868)
>>> A Esperança de Suzanne collins pela Rocco (2012)
>>> Dictionnaire de Medicine de Chirurgie, de Pharmacie de E Littrè & Ch Robin pela J B Bailliére Et Fils (1865)
>>> Os Pensadores - Fichte de Johann Gottlieb Fichte pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Grandes Profetas de Nova Cultura pela Nova Cultural (1985)
>>> Reflexões Sobre a Historia Moderna de Hans Kohn pela Fundo de Cultura (1965)
>>> História da América Portuguesa de Rocha Pita pela Senado Federal (2011)
>>> Guia de Conversação Langenscheidt Inglês de Vários Autores pela Martins Fontes (1998)
>>> Dicionário Inglês Português / Português Inglês de Amanda Marques & David Draper pela Ática (1988)
>>> Francês Para Viagem e Dicionário de Vários Autores pela Berlitz (1991)
>>> No Giro do Mundo os Periódicos do Real Gabinete Português de Leitura 1 de Eduardo da Cruz ( Org. ) pela Real Gabinete Português de Leitura (2014)
>>> Dicionário Espanhol Português / Português Espanhol de Vários Autores pela Dcl
>>> RL - Uma Autobiografia de Rita Lee pela Globo Livros (2016)
>>> Minidicionário Ruth Rocha de Ruth Rocha & Hindenburg da Silva Pires pela Scipione (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1994)
>>> Dicionário Júnior da Língua Portuguesa de Geraldo Mattos pela Ftd (1996)
>>> Bá, Tchê! – Dicionário Temático de Luis Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros 1 - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1977)
>>> Dicionário de Porto-Alegrês de Luís Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (1999)
>>> Resistência dos Materiais de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1982)
>>> O Constitucionalismo democrático latino-americano em debate de Leonardo Avritzer/Lilian Cristina Bernardo Gomes (Org) pela Autêntica (2017)
>>> Reiki - Medicina Energética de Libby Barnett e Magie Chambers pela Nova Era (1999)
>>> Revista do Livro Ano V Número 20 Dezembro de 1960 de Lêdo Ivo, Mário de Andrade, Heitor Lyra e outros pela Instituto Nacional do Livro (1960)
>>> The Argumentative Indian - Writings on Indian History, Culture de Amartya Sen pela Picador (2005)
>>> O Encanto da Montanha & Caminho ao Lar de Linda Howard pela Harlequin Books (2010)
>>> Afrodiáspora 6 e 7 - Revista de estudos do mundo negro de Vários Autores pela Ipeafro (1985)
>>> Aventura Ardente de Diana Palmer pela Harlequin Books (2013)
>>> Indiscreta de Candace Camp pela Harlequin Books (2005)
>>> Meu Anjo de Sherryl Woods pela Harlequin Books (2005)
>>> Pido la Paz y la Palabra de Blas de Otero pela Cantalapiedra (1955)
>>> Steve Jobs de Walter Isaacson pela Companhia das Letras (2011)
>>> Sem Perdão de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1985)
>>> Comunidades imaginadas de Benedict Anderson pela Companhia Das Letras (2019)
>>> A Segunda Vitória de Morris West pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
>>> O Fã Clube de Irving Wallace pela Abril Cultural (1985)
>>> Palavra Desordem de Arnaldo Antunes pela Iluminuras (2002)
>>> A Filha Pródiga de Jeffrey Archer pela Nova Cultural (1986)
>>> Escritos Sobre o Racismo, Igualdade e Direitos de André Costa pela Inst. Afirmação de Direitos (2009)
>>> A Origem da Família, Da Propriedade Privada e do Estado de Friedrich Engels pela Boitempo (2019)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/5/2013
Twitter: A Crítica Como Vocação
Regina Lacerda

+ de 5800 Acessos

Em 2013, segundo projeção do Ibope, 2 bilhões de pessoas no mundo inteiro estarão conectadas à internet. Em dezembro de 2012 éramos 94,2 milhões de brasileiros internautas, sendo que desses 38% acessam a rede mundial diariamente, de acordo com o mesmo levantamento. A internet é, sem dúvida, o território de maior liberdade de circulação das notícias, ideias, opiniões. Esse livre fluxo de informações trocadas diretamente entre as diversas fontes é tanto instantâneo e vultoso quanto veloz.

As redes sociais são as principais vitrines humanas da era digital. Quem as frequenta, ou a uma delas, quer ver, mas, sobretudo, quer ser visto, ainda que restrinja de algum modo escolhendo quem pode visualizar sua atividade. A maioria dos seus usuários, portanto, pretende adquirir visibilidade sobre si, e claro, almeja conquistar a admiração dos demais de forma a ser esta uma das principais razões e também consequências de sua exposição. Ninguém se expõe por excesso de timidez ou por excesso de modéstia. Então, por que não dizer, há no ambiente das redes sociais o componente "vaidade", tal como é intrínseco ao ser humano, qualquer que seja sua proporção conforme as características de cada um.

O que no ambiente virtual extrapola os limites da civilidade que encontramos na vida social, é a vocação para a detração. Ainda não se pode precisar os motivos pelos quais o universo das redes sociais tende, em primeiro lugar, à crítica. Em se tratando do Twitter, então, a obrigatória objetividade de pensamento e síntese exigidas pelos seus 140 caracteres, torna-o um terreno profícuo para o embate. Ou, ataque.

Passando das reclamações do consumidor, pelas sátiras bem-humoradas, por manifestações sistemáticas em desfavor de algo ou alguém até os registros contumazes de ódio, o internauta vai à internet para se posicionar criticamente. A palavra do nosso vocabulário coloquial que sintetiza essa tendência é "bronca". O internauta põe em prática, no Twitter como em nenhum outro lugar, a crença em seu sagrado direito de colocar, trocadilho em riste, "a bronca no trombone".

Há casos emblemáticos de perpetradores e vítimas desses ataques, sejam eles do mundo das celebridades, da política ou ilustres desconhecidos. Um dos mais pródigos envolvendo celebridades é o do comediante e apresentador de TV Rafinha Bastos com a cantora Wanessa Camargo. Rafinha declarou, meio a um comentário sobre a gravidez da cantora "Eu comeria ela e o bebê". Imediatamente "ganhou" as redes sociais, foi execrado pelo público, sofreu um processo judicial e perdeu o emprego no programa "CQC". No Twitter, foi alvo de adjetivações pejorativas de toda sorte, até mesmo mais graves, sob o aspecto da qualificação jurídica, da frase proferida por ele e tipificada como ofensiva, segundo decisão judicial.

Em meados de janeiro desse ano, o episódio em que um motorista a serviço da Rede Globo sofreu infarto e morreu após supostamente ter sido destratado pela atriz Zezé Polessa foi um dos assuntos mais comentados no Twitter. O nome da atriz foi parar nos Trending Topics mundiais com a repercussão negativa à notícia de que ela teria gritado com o motorista por que este errara o caminho. Isso tudo, muito antes de qualquer declaração dela ou de possíveis testemunhas.

Dentre os "ilustres desconhecidos", também em janeiro ocorreu um episódio que, ao contrário dos anteriores, nasceu no Twitter e ganhou a vida real: o então delegado titular da 9ª DP (Catete) da cidade do Rio de Janeiro, Pedro Paulo Pontes Pinho, conhecido na rede como @Delegado_Pinho, postou um comentário apontando, em seu entender, que a estabilidade no emprego seria uma das causas da má qualidade do serviço público. A seguir, exemplificou seu raciocínio citando casos de sua própria equipe, incluindo mulheres. De imediato, foi acusado de machista. A reação na rede contra o delegado ultrapassou, conforme observado, as fronteiras da internet, aportou no noticiário das revistas, jornais e TVs e atingiu sua carreira: Pinho sofreu uma série de sanções administrativas por parte dos seus superiores.

Na seara política a tendência crítica do Twitter não fica atrás de nenhuma outra. Dentre um sem-número de situações, um caso recente exemplifica bem. Em fevereiro, o PT organizou uma série de eventos para comemorar os 10 anos do partido na Presidência da República, incluindo evidentemente ações online, festivas, executadas pelos militantes virtuais e simpatizantes. Sem ter sido organizado por qualquer outro partido ou grupo, os internautas reagiram criticamente com a hastag #citeumacagadadoPT que, ao contrário da ação propositiva daquele, entrou para os Trending Topics e lá permaneceu por quase 24 horas.

Chama atenção, conforme mencionado, que a rápida adesão e o volume muito superior da reação crítica foram espontaneamente viralizados, revertendo o quadro da comemoração festiva que era o intento do PT, dono de um conhecido, aguerrido e organizado exército combatente nas trincheiras da internet.

Fato é que a vocação detratora da web é como rastilho de pólvora. Uma faísca é o suficiente para tocar fogo e muito rapidamente incinerar tudo à sua volta: a adesão a ela é imediata. O cantor Lobão registrou de forma contundente, em entrevista a Marcelo Tas, sua impressão sobre essa tendência - para ele é uma necessidade - de se criticar a tudo e a todos, o tempo todo, na internet. "No reino das redes sociais, a primeira palavra que me vem à cabeça é ofensa", sentencia o Lobão.

Evidentemente, o exercício da crítica tem dois lados. Um, motivado pela chamada "consciência", é aquele construído sob a análise, a perspicácia e externada geralmente com sustentação de ideias em oposição ao que se critica. Quem dessa forma critica os outros trabalha em prol do seu próprio aprimoramento intelectual e de suas atitudes. Portanto, aquele que tem a inclinação e o hábito de submeter a conduta dos outros e também as suas ações e omissões a uma atenta e severa crítica, contribui para o aperfeiçoamento de uma ideia, da sociedade e do seu próprio aperfeiçoamento. Este o faz justamente por possuir o suficiente de noções de justiça, ou de orgulho e vaidade, para evitar, em si, o que amiúde censura com tanto rigor no que vê - e acusa - em terceiros.

Por outro lado há a crítica pela crítica. É essa que comumente descamba para a ofensa gratuita, apressada, inconsequente, que pode chegar às raias da Justiça. É muito mais simples e fácil engrossar a cantilena de acusações e até mesmo ofensas, porque elas prescindem de embasamento técnico, teórico, ao passo em que, para um debate, há que se ter um determinado nível de conhecimento correlato ao que se critica ou combate. Acima da necessidade de desabafo indignado contra determinada situação ou personalidade, além do livre exercício da vaidade em chamar atenção para si de alguma forma, também surge outro fator, de ordem prática, a colaborar para esse universo retratado de detração sistemática: a vida virtual não é de todo dissociada da vida real. Antes, a web é um espelho da sociedade.

Recentemente o país sofreu transformações na sua estratificação socioeconômica, com a criação da chamada "nova classe média", a Classe C, alçada ao mercado consumidor pela facilidade de acesso ao crédito, e mais que disposta a consumir de tudo. De uma forma geral, é um público que não possui, historicamente, uma formação intelectual, uma "bagagem" de conhecimento aprofundado na maioria das questões, e é hoje quem aumenta as estatísticas de acesso à internet. Sua inclusão é extremamente positiva. Não se pode negar, entretanto, que a disposição e a consistência para proposição de ideias a partir do questionamento de outras necessita de acesso à informação, formação e, principalmente, do hábito de adquiri-los pela leitura. Os livros são a fonte de sustentação do conhecimento da humanidade desde os tempos do papiro, passando por Gutemberg até chegar aos e-books. Posicionar-se criticamente, ainda que de maneira superficial, é uma forma desse público mostrar-se "antenado".

Assim como nos movimentamos naturalmente sob o peso do nosso corpo sem o perceber, mas sentimos inexoravelmente o peso de qualquer outro que nos propomos a mover, assim também não costumamos notar nossos vícios diários nem os defeitos, ambos passíveis de críticas de terceiros. Mas estamos prontos para perceber e armados para apontar os que enxergamos - tendo ou não razão - nos outros. É um dado da natureza, como afirmar corretamente o dia da semana. Quem está do outro lado pode, caso queira, tratar essa questão, o que remete às estratégias de atuação na rede - tema para outro artigo.

Em se tratando da efemeridade, da rapidez da troca de informações do mundo virtual, não sendo uma queixa do consumidor que tende a ser resolvida pelo fornecedor, a detração exagerada e gratuita tem visibilidade momentânea, e empresta "fama" efêmera, ilusória, a quem escolhe este caminho para ser visto. Na plataforma www assim como na vida nada é mais durável do que ser capaz de criticar sem ofender.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado na revista DDBR.


Regina Lacerda
Brasília, 29/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
02. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
03. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
04. Espírito e Cura de Ricardo de Mattos
05. Humor x Desamparo de Carla Ceres


Mais Regina Lacerda
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ASSASSINO CEGO
MARGARETH ATWOOD
ROCCO
(2001)
R$ 145,00



BURY ME STANDING: THE GYPSIES AND THEIR JOURNEY
ISABEL FONSECA
VINTAGE BOOKS USA
(1996)
R$ 23,28



A CARÍCIA ESSENCIAL: UMA PSICOLOGIA DO AFETO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(1992)
R$ 5,00



A CANÇÃO DE SOLOMON
TONI MORRISON
BEST SELLER
(1977)
R$ 190,00



REDBOOK O LIVRO ENERGETICO DAS VENDAS
MARCELO ORTEGA
SARAIVA
(2013)
R$ 15,38



ESPUMAS FLUTUANTES
CASTRO ALVES
ATELIÊ
(1997)
R$ 8,04



THE HINDENBURG
MICHAEL MACDONALD MOONEY
BANTAM
(1973)
R$ 9,34



MANUEL MURGUIA, O PATRIARCA (HOMBRES QUE HICIERON GALICIA)
ANTON FRAGUAS FRAGAS
GRAFINSA BANCO DEL NOROESTE
(1979)
R$ 42,82



PARA ALÉM DO ORIENTE E OCIDENTE
JOHN WU
FLAMBOYANT
(1960)
R$ 10,00



O ISQUEIRO MÁGICO
NÃO POSSUI NOME
RIDEEL LTDA
(2000)
R$ 5,00





busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês