Não quero ser Capitu | Cassionei Niches Petry | Digestivo Cultural

busca | avançada
59122 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
>>> Ensaios Perversos traz papo cabeça com drag, performances e festa pra dançar
>>> Chega a São Paulo projeto cultural que vai levar teatro a crianças de seis estados
>>> Clube do Disco - Os Saltimbancos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> God save the newspapers!
>>> O Prêmio Nobel para Mario Vargas Llosa
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Ser intelectual dói
>>> A invenção da imprensa
>>> Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 3
>>> Coetzee, um escritor inventivo
>>> O vampiro de almas
>>> 7º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
>>> Entrevista com José Castello
Mais Recentes
>>> The Hobbit de J. R. R. Tolkien pela Harper Collins (1997)
>>> Vitória de Joseph Conrad pela Dublinense (2016)
>>> Arquitetura: uma experiência na área de saúde de João Filgueiras Lima pela Romano Guerra (2012)
>>> O viés médico na literatura de Guimarães Rosa de Eugênio Marcos Andrade Goulart pela Faculdade de Medicina da UFMG (2011)
>>> Introducao à isostatica de Eloy Ferraz Machado Junior pela Eesc Usp (2021)
>>> Manual Prático de Arquitetura Hospitalar de Ronald de Góes pela Blucher (2011)
>>> O Xará de Jhumpa Lahiri pela Globo (2017)
>>> Cavalo de Tróia 2 - Massada de J. J. Benitez pela Planeta (2013)
>>> RT Mini Códigos Penal Processo Penal Constituição Federal de Luiz Flávio Gomes pela Revista Dos Tribunais (2004)
>>> Vida e Proezas de Aléxis Zorbás de Nikos Kazantzákis pela Grua (2011)
>>> Maíra de Darcy Ribeiro pela Record (2007)
>>> O Vermelho e o Negro de Stendhal pela Dublinense (2016)
>>> China -A Corrida para o mercado de Jonas Than Story pela Futura (2004)
>>> Pesquisa Operacional - Para os Cursos Economia, Administração Ciências Contabéis de Ermes Medeiros da Silva e Outros pela Atlas (1998)
>>> Matematica - Economia, Administração Ciências Cntabéis 4° ediçaõ vol ! de Medeiros pela Atlas (1999)
>>> Matemática Básico para Curso Superior de Medeiros pela Atlas (2002)
>>> Gramatica de Espanhol Passo a PassoSentillana de Adrián Fanjul pela Atual (2005)
>>> Justino, O Reitirante - Sebo Tradição de Odette de Barros Mott pela Atual (2009)
>>> História da Educação da Antiguidade aos Nossos Dias - Sebo Tradição de Mario Alighiero Manacorda pela Cortez (2002)
>>> Como Construir Marcas Líderes de David A Aaker e Erich Joachimsthaler pela Futura (2000)
>>> Estratégia E Sucesso Nas Empresas de Sérgio B Zaccarelli pela Saraiva (2000)
>>> Ética e Excelência de Robert C Solomon pela Civilização Brasileira (2006)
>>> Deuses Americanos - Espercial Espercial de Neil Gaiman pela Conrad (2011)
>>> Educação: Truques Velhos, Palavras Gasta de Antonio Luiz Mendes de Almeidas pela Quórum (2004)
>>> Psicopedagogia de Laura Monte serrat Barbosa pela Bolsa (2006)
COLUNAS

Quarta-feira, 8/8/2018
Não quero ser Capitu
Cassionei Niches Petry

+ de 4000 Acessos

Quando se relê um clássico depois de alguns anos e após falar tanto sobre ele em sala de aula, pode-se ter uma decepção, ainda mais para um sujeito como eu que tem uma memória muito ruim. Leio e esqueço o que leio. Reli Dom Casmurro, para muitos o melhor romance de Machado de Assis e, confesso, mudei um pouco minha percepção sobre a obra.

Sempre que se resume o enredo do romance, destaca-se a desconfiança de Bento Santiago, o narrador, de que Capitu o traiu com Escobar. A desconfiança se dá porque o amigo morre e, durante o velório, Bentinho nota que “Capitu olhou alguns instantes para o cadáver de forma tão fixa, tão apaixonadamente fixa, que não admira lhe saltasse algumas lágrimas poucas e caladas...” Foi um alerta. A partir disso, passou a notar semelhanças do seu filho com o finado. Tudo isso, no entanto, aparece apenas perto do final da narrativa, na verdade é o clímax. Boa parte das páginas do romance trata da infância, adolescência e o período em que o narrador passa no seminário. Para quem deseja chegar logo aos trechos mais conhecidos, deve percorrer longas e às vezes cansativas passagens em que o menino Bentinho tenta escapar da promessa de sua mãe de torná-lo padre, seu namoro pueril com Capitu, as tiradas de José Dias e um e outro momento de ciúmes do rapaz em relação à namorada. Fiquei, nessa releitura, com a impressão de que muita coisa do romance é dispensável, o mesmo não ocorrendo em Memórias póstumas de Brás Cubas, para mim o melhor romance de Machado, em que nada sobra.

Se a estrutura é falha, o mesmo não se pode dizer da proposta de esconder do leitor o que realmente aconteceu, gerando o famoso e ainda não superado “enigma de Capitu”, que provocou inclusive uma simulação de julgamento em 1999 sobre o suposto adultério, com a participação de advogados e juízes, além de escritores e críticos. Mesmo que várias pistas sejam oferecidas, o leitor desconfia delas porque tudo é apresentado pelo ponto de vista de Bentinho. Capitu deixou escapar um sentimento desproporcional no velório de Escobar? Isso é o marido quem nos afirma. Ezequiel, seu filho, é parecidíssimo com o finado? É Bentinho quem diz. Mas Capitu também mencionou as semelhanças! Ora, pode ser o próprio narrador que imaginou isso. Escobar não foi algumas vezes à casa de Bentinho na ausência deste, quando somente Capitu estava? Sim, pode ser, no entanto sempre houve explicações plausíveis para as visitas.

Em princípio, penso que Machado insere a peça Otelo, de Shakespeare, para nos dizer que Bentinho é como o Mouro de Veneza, sujeito que, pressionado pelo manipulador Iago, se convence que a inocente Desdêmona o traiu. Ao batizar seu narrador de Bento Santiago (Santo+Iago, como demonstrou a ensaísta americana Helen Caldwell), podemos inferir que ele também manipulou a si mesmo para se convencer do adultério da inocente (?) Capitu. Aliás, o agregado José Dias também representa Iago em muitas passagens e o próprio narrador aponta isso no capítulo LXII.

Por outro lado, há quem afirme que o romance é um confissão de culpa do próprio escritor. Dizem as línguas ferinas que Mário de Alencar, filho de José de Alencar, na verdade era filho de Machado de Assis. Mário era um escritor mediano que se tornou protegido por Machado, primeiro presidente da ABL, que inclusive mexeu os pauzinhos para conseguir para o filho do amigo uma cadeira na Academia.

O romance é tão aberto a interpretações que há até a possibilidade de Betinho não ter ciúmes de Capitu, mas sim de Escobar. Há muitas passagens que sugerem isso, como esta: “Apalpei-lhe os braços (...): achei-os mais grossos e fortes que os meus, e tive-lhe inveja; acresce que sabiam nadar”. Note-se que os braços são objetos de atração para várias personagens de Machado, notadamente no conto que se chama, justamente, “Uns braços”.

Se vale a leitura de Dom Casmurro? É lógico que sim, em que pese sua falta de equilíbrio estrutural, que me incomodou nessa releitura. Machado, no entanto, é Machado. É nosso maior escritor. No conjunto de sua obra, e nesse romance não é diferente, há sempre passagens brilhantes, frases que ficam ressoando na nossa mente, os não-ditos que instigam e a análise sempre peculiar do indivíduo que somente o Bruxo do Cosme Velho sabe fazer. Não serei eu uma espécie de Capitu para trair (ops!) Machado. Ele está no meu panteão pessoal e jamais sairá desse altar.


Cassionei Niches Petry
Santa Cruz do Sul, 8/8/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre caramujos e Omolu de Ricardo de Mattos


Mais Cassionei Niches Petry
Mais Acessadas de Cassionei Niches Petry
01. Notas confessionais de um angustiado (VII) - 4/9/2019
02. Do canto ao silêncio das sereias - 14/11/2018
03. Do inferno ao céu - 3/7/2019
04. O suicídio na literatura - 13/4/2016
05. Por que HQ não é literatura? - 6/12/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Casa dos Braga Memória de Infância
Rubem Braga
Record
(1997)



A vida cotidiana - A Holanda no tempo de Rembrant
Paul Zumthor
Companhia das letras
(1989)



Uma Pequena Historia de Natal
Julio Emilio Braz
Atual
(1995)



Quase Tudo
Danuza Leão
Companhia das Letras
(2005)



Os Crimes do Acordeom
Annie Proulx
Bertrand Brasil
(1998)



Shopaholic Ties the Knot
Sophie Kinsella
Black Swan
(2002)



Conheçã o Petróleo
Jucy Neiva
Ao Livro Técnico
(1986)



Global Workbook Audio Cd With Key Pre Intermediate
Julie Moore
Macmillan
(2011)



Carta-Prefácio dos princípios da Filosofia
René Descartes
Martins Fontes
(2003)



Jesus Médico de Almas
Eliane Alves Batista
Chico Xavier
(2012)





busca | avançada
59122 visitas/dia
1,8 milhão/mês