O enigma de Lindonéia | Antônio do Amaral Rocha

busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
>>> Virtudes e pecados (lavoura arcaica)
>>> Pela estrada afora
>>> A vida sem computador
>>> Sobre os blogs de jornalistas
>>> Pink Floyd 1972
Mais Recentes
>>> Coleção Os Pensadores de Vários pela Abril Cultural (1973)
>>> Passando a Limpo: a Trajetória de um Farsante: História Completa... de Pedro Collor de Mello/ Coord. Dora Kramer pela Record (1993)
>>> Passando a Limpo: a Trajetória de um Farsante: História Completa... de Pedro Collor de Mello/ Coord. Dora Kramer pela Record (1993)
>>> Um Diplomata da Regeneração - O 1º Conde de Villa Franca do Campo de Fernando Abecassis pela Tribuna da Historia (2007)
>>> Inspeção do Trabalho de Nelson Mannrich pela LTr (1991)
>>> Jurupari - Estudos de Mitologia Brasileira de Silvia Maria S. de Carvalho pela Ática (1979)
>>> Sport in the 21st Century de John Mehaffey & Reuters pela Thames & Hudson (2007)
>>> Matemática para economistas de Alpha Chiang pela Unesp (1982)
>>> Memórias do cárcere 3º volume Colônia Correlaccional de Graciliano Ramos pela José Olympio (1954)
>>> As hortaliças na medicina doméstica de A. Balbach pela Edel
>>> Caderno de teses vol.2 28ºCongresso Nacional procuradores Estado de Helena Maria Silva Coelho pela Metropole industria gráfica ltda (2002)
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos de Gustavo Cerbasi pela Gente/ SP. (2004)
>>> Ordem Juridico-econômica e trabalho de Ricardo Antonio Lucas Camargo pela Sergio antonio fabris (1998)
>>> Capo Verde. Una storia lunga dieci isole de Marzio Marzot & Maria de Lourdes de Jesus et alii pela D'Anselmi (1989)
>>> Investimentos Inteligentes: Para Conquistar e Multiplicar o seu Primeiro Milhão de Gustavo Cerbasi pela Thomas Nelson do Brasil (2008)
>>> Esquecidos e Renascidos - Historiografia Acadêmica Luso-americana de Iris Kantor pela Hucitec (2004)
>>> Nova York anos 40 de Andreas Feininger pela Museu Lazar Segall (2011)
>>> O Intelectual e o Poder de Eduardo Portella pela Tempo Brasileiro/ RJ. (1983)
>>> Indivíduo e Cosmos na Filosofia do Renascimento de Ernest Cassirer pela Martins Fontes (2001)
>>> Fundamentos Culturales de Civilizacion Industrial de John U. Nef pela Editorial Paidós/ Buenos Aires (1964)
>>> Noções Preliminares de Direito Previdenciário de Wagner Balera pela Quartier Latin (2004)
>>> Salvador Negro Amor de Sérgio Guerra pela Maianga (2007)
>>> Ensaios de Biologia Social - Encadernado de Josué de Castro pela Brasiliense/ SP (1957)
>>> A imprensa na História do Brasil & Fotojornalismo no século XX de Oswaldo Munteal & Larissa Grandi pela Desiderata/PUC (2005)
>>> Roteiro de Macunaíma (Encadernação de Luxo) de M. Cavalcanti Proença/ Autografado pela Ahembi/ SP. (1955)
>>> Alferes Teófilo Olegário de Brito Guerra -Um Memorialista Esquecido de Raimundo Soares de Brito pela Coleção Mossoroense (1980)
>>> HQ Os Grandes Inimigos do Mandrake Nº 2 + A Volta do Camelo de Barro de Lee Falk pela Globo (1989)
>>> Lugar de Fala de Djamila Ribeiro pela Polen (2019)
>>> Administração Financeira Internacional de David K. Eiteman, ArthurStonehill, e Michael Moffett pela Bookman (2002)
>>> HQ Os Grandes Inimigos do Mandrake Nº 1 + o Retorno do Cobra de Lee Falk pela Ebal (1989)
>>> História da Literatura Portuguesa/ Encadernado de Antonio José Saraiva e Oscar Lopes pela Porto Ed.
>>> Cortez -A Saga de Um sonhador de Teresa Sales -Goimar Dantas pela Cortez (2010)
>>> HQ Os grandes inimigos do Mandrake Nº 4 + Os Oito Tentáculos da Morte de Lee Falk pela Ebal (1989)
>>> HQ Rastros de ódio - Revista Cinemin Nostalgia 3 de Diversos Autores pela Ebal (1989)
>>> Regulamento do ICMS do Rio de Janeiro de Ana Cristina Martins Pereira pela Lex (2006)
>>> A cidade do sol de Khaled Hosseini pela Nova froteira (2007)
>>> HQ Revistsa Elipse nº 1 + Crepúsculo dos Super-heróis de David Campiti & Kevin Juaire & Bart Sears pela Ebal (1992)
>>> Cinquenta tons mais escuros de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> As mil e uma noites- os corações desumanos de René Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> HQ Quem foi? Os prisioneiros de Sulma de Diversos Autores pela Ebal (1982)
>>> Autoritarismo e Participação Política da Mulher de Fanny Tabak pela Graal/ RJ. (1983)
>>> Cartas entre amigos - sobre os medos contemporâneos de Fábio de melo e Gabriel chalita pela Ediouro (2009)
>>> A Civilização Romana de Pierre Grimal pela Edições 70 (2001)
>>> Centenário de José Bezerra Gomes de Joabel R. de Souza pela Fcjbg (2011)
>>> Alienação na Univesidade - a Crise dos Anos 80 de Paulo L. Hoffmann pela Edit. da UFSC (1985)
>>> O castelo da intriga de Paulo Stewart pela Scipicione (1996)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1993)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1996)
>>> As asas do joel de Walcir Carrasco pela Quinteto Editorial (2019)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1998)
ENSAIOS

Segunda-feira, 18/2/2008
O enigma de Lindonéia
Antônio do Amaral Rocha

+ de 20300 Acessos

Rubens Gerchman (1942-2008), falecido em janeiro, vítima de um câncer raro de pulmão, um dos mais importantes artistas plásticos brasileiros, deixa um importante legado, entre muitos outros trabalhos. Trata-se da enigmática obra intitulada A Bela Lindonéia ou A Gioconda do Subúrbio, de 1966, que pode ser assim descrita: o suporte é um espelho, no centro há o desenho de uma imagem feminina jovem, com marcas sombreadas, junto ao olho esquerdo, nariz e lábio inferior. Esse recurso da sombra pode ser simplesmente só a sombra, mas também sugere que tal pessoa possa ter sido agredida. Tal como alguém posando seriamente para uma fotografia 3x4, Lindonéia destila em seu olhar uma expressão de susto ou irritação. O desenho caricatural, de vertente serigráfica, e efeito pop nas cores alaranjado e preto, é emoldurado com motivos florais pintados no estilo rococó abrasileirado, kitsch, tal como os antigos entalhes nos vidros que cobriam os porta-retratos de casamentos de nossos avós. O espelho é montado num suporte de cartão(?) na medida de 60 x 60 cm, na mesma cor alaranjada, onde aparecem, como se fossem uma página de jornal sensacionalista, os títulos e legendas: "UM AMOR IMPOSSÍVEL". "A BELA LINDONÉIA DE 18 ANOS MORREU INSTANTANEAMENTE", fazendo uso dos registros textuais, tão ao gosto da pop art ― "antropofagiza" e vai além de Andy Warhol.

Tanto a representação pictórica quanto o título justificam a hipótese de se tratar de um assassinato, de um acerto de contas amoroso; e são referências de um caso policial, da crua crônica policial brasileira. Por outro lado, o nome Gioconda é um claro contraponto caricato e irônico ao "sorriso" enigmático de Mona Lisa de Da Vinci. Mas, se ao invés de vítima, Lindonéia fosse ré? Certamente encimaria a obra os dizeres "Procurada", tão próxima está da técnica dos cartazes de "Wanted", difundida pelos westerns ou filmes de cowboy americanos. Naquele tempo, na era pré-industrial, esses cartazes eram reproduzidos com a tecnologia mais avançada que existia, as máquinas minervas, de impressão manual, e no seu tempo ― na era industrial ― o artista da pop art também fez uso dos cartazes, usando técnicas de reprodução de uma era pré-industrial e baixas tiragens numeradas. Vale lembrar, pouco tempo depois de Lindonéia vir a público, cartazes "Procura-se" começaram a "decorar" as paredes das cidades, em aeroportos, estações de trem, estações ferroviárias e halls de edifícios públicos. Esses cartazes produzidos pelo milionário aparato repressor da ditadura militar também fez uso de técnicas de reprodução da era pré-industrial, tal como os conhecidos "lambe-lambes". As fotos em clichês dos "terroristas políticos perigosos procurados" eram aquelas que menos os favoreciam esteticamente, figurando como "bandidos". E ainda havia a advertência: "Para a sua segurança, coopere, identificando-os ao órgão policial". O uso de uma técnica superada (impressão em máquinas gráficas manuais) gerava o sentido do rebaixamento. Seria uma maneira de rebaixar ainda mais o que já era perseguido, humilhado e enxovalhado?

Mas, voltemos a Lindonéia. Instigante deve ser o efeito da apreciação da obra quando ela é vista (raramente, pois é de coleção particular) ao vivo numa parede de galeria. Ali a imagem do espectador é refletida no suporte espelhado e se funde com a figura feminina. Esse é mais um aspecto da estranheza desse trabalho de Gerchman, ausente quando se aprecia a imagem impressa em papel.

Mas por que a importância de Lindonéia extrapolou o circuito das artes plásticas e se incorporou no imaginário da música brasileira? Consta que Nara Leão encomendou a Caetano e Gil uma canção inspirada nesta obra. O resultado é a conhecida composição em ritmo abolerado que Nara, de forma delicada, registrou em sua participação no disco seminal do movimento tropicalista, Tropicália ou Panis et Circensis (Philips, 1968). "Lindonéia" (ao lado de "Miserere Nobis", "Coração materno", "Panis et Circenses", "Parque industrial", "Geléia geral", "Baby", "Três caravelas", "Enquanto seu lobo não vem", "Mamãe coragem", "Batmakumba" e "Hino do Senhor do Bonfim") se soma ao conjunto do manifesto e não causa estranhamento ― nem pelo arranjo kitsch orquestral de Rogério Duprat ― tão colada está na proposta de miscelânea estética que era a Tropicália, que comemora 40 anos, mas ressalta o drama de Lindonéia, que é um pouco o drama de todos, vivendo no estado ditatorial daquele emblemático ano de 1968, quando a "velha ordem" foi contestada.

A letra da canção "Lindonéia" é quase descritiva da representação e grande parte dos versos são sugeridos pela apreciação da obra, a começar pelo suporte. Está dito na primeira estrofe:

"Na frente do espelho
Sem que ninguém a visse
Miss
Linda, feia
Lindonéia desaparecida"

O nome Lindonéia remete a uma pessoa bonita, mas o registro cafona e popularesco do nome sugere também que ela seja um retrato da miscigenação brasileira. Na segunda estrofe:

"Despedaçados
Atropelados
Cachorros mortos nas ruas
Policiais vigiando
O sol batendo nas frutas
Sangrando"

Define-se algo que está sugerido fora da imagem de Lindonéia, mas no clima do crime descrito no suporte alaranjado, como se fosse a primeira página de um jornal. E "policiais vigiando" é também a expressão escarrada da ditadura que se vivia naquele tempo. A terceira estrofe:

"Lindonéia, cor parda
Fruta na feira
Lindonéia solteira
Lindonéia, domingo
Segunda-feira
Lindonéia desaparecida
Na igreja, no andor
Lindonéia desaparecida
Na preguiça, no progresso
Lindonéia desaparecida
Nas paradas de sucesso"

Remete ao centro da representação e define a possível origem branco/mulata da personagem, no seu cotidiano de trabalhadora, talvez empregada doméstica, um tipo brasileiro, imigrante, despossuída e descreve retratos do cotidiano de Lindonéia, sua religiosidade, sua denguice, seu sonho de se aproximar do sucesso, de vencer na vida, entrecortado com a lembrança de que este não será um sonho com final feliz, pois Lindonéia está morta. É um retrato do alto e do baixo, do sublime e do cruel. A canção se encerra com:

"No avesso do espelho
Mas desaparecida
Ela aparece na fotografia
Do outro lado da vida
Despedaçados, atropelados
Cachorros mortos nas ruas
Policiais vigiando
O sol batendo nas frutas
Sangrando"

Aqui os versos remetem novamente para dentro da representação ao se referir ao espelho, mas ao outro lado do espelho, pois a retratada é uma mera fotografia de uma vida "do outro lado da vida", isto é, a morte; e mais uma vez lembra o universo de um cotidiano violento referido pela periferia do suporte. A repetição da segunda estrofe reitera o estado policial.

No final de todas as estrofes, um refrão ― com a mesma função do coro na tragédia, como se fosse uma voz coletiva ― permite ao poeta o desfrute de assumir aquele sofrimento ao afirmar: "Oh, meu amor/ A solidão vai me matar de dor".

Lindonéia (representação gráfica) e "Lindonéia" (música), ambas cumprem assim a função de dar sentido a uma realidade perversa, uma tragédia brasileira.


Antônio do Amaral Rocha
São Paulo, 18/2/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O dia em que Paulo Coelho chorou de Domingos Pellegrini
02. 68 e a Música Nova de João Marcos Coelho
03. Crônica, um gênero brasileiro de José Castello
04. 50 anos de poesia concreta de Camila Diniz Ferreira
05. A Geração Paissandu de Ruy Castro


Mais Antônio do Amaral Rocha
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PENSAR É TRANSGREDIR
LYA LUFT
RECORD
(2004)
R$ 19,90
+ frete grátis



DAKTAR DIPLOMATA EM BANGLADECHE
VIGGO B. OLSEN
IBR
(1987)
R$ 7,00



PONTOS DE LUZ... ESCURIDÃO E CRESCIMENTO PESSOAL
JOYCE RUPP
VERUS
(2001)
R$ 10,00



GRANDE HISTÓRIA UNIVERSAL - DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL À GUERRA FRIA
FLAVIO ERMINI
FOLIO
(2006)
R$ 14,00



AMPARO EM SONHOS
FÁBIO LEITE VICHI
NÃO INFORMADO
(2015)
R$ 10,00



REPÓRTER NO VOLANTE
SYLVIA DEBOSSANMORETZSOHN
PUBLIFOLHA/TRÊS ESTRELAS
(2013)
R$ 20,90



HEMOFILIA, TERAPÊUTICA DOMICILIÁRIA
PETER JONES
FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
(1989)
R$ 11,16



MANDADO DE SEGURANÇA
HELY LOPES MEIRELLES
M
(1990)
R$ 8,00



RIO DE JANEIRO - CARTOVILLE
BERTRAND RIGOT MULLER E SEBASTIEN PRATT
GALLIMARD
(2005)
R$ 22,82



A CARNE DO ROSTO
RUI CASCAIS
INSTITUTO CAMÕES
(1999)
R$ 16,64





busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês