Notas confessionais de um angustiado (VII) | Cassionei Niches Petry | Digestivo Cultural

busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia O Grito evoca os fantasmas do teatro em nova peça
>>> Meu Reino por um Cavalo faz temporada online a partir de 2 de dezembro
>>> Rosas Periféricas apresenta espetáculos sobre memórias e histórias do Parque São Rafael
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
Blogueiros
Mais Recentes
>>> L’Empereur
>>> Estamira: a salvação no lixo
>>> Ode ao indivíduo, ódio ao coletivo
>>> Imprudência
>>> Para você estar passando adiante
>>> No fundo bem no fundo
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Play it again, Sam
>>> 29 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
Mais Recentes
>>> Vozes da Origem: Estórias sem Escrita - Narrativas dos indios Suruí da Rondônia de Betty Mindlin e Narradores Suruí pela Ática (1996)
>>> Vida e morte no sertão História das secas no Nordeste nos séculos XIX e XX de Marco Antonio Villa pela Ática (2006)
>>> Brasil: De Getúlio a Castelo (1930-1964) de Thomas Skidmore pela Paz e Terra (1979)
>>> O Xará de Apipucos - Um Ensaio sobre Gilberto Freyre de Gilberto Felisberto Vasconcelos pela Casa Amarela (2000)
>>> Violência sexual no brasil: perspectivas e desafios de Cecília de Mello e Souza; Leila Adesse pela Ipas (2004)
>>> Olhar Sobre A Mídia de Fátima Oliveira pela Mazza (2002)
>>> Sociologia e História de Peter Burke pela Edições Afrontamento (1980)
>>> Antropologia Social de Emílio Willems pela Difel (1966)
>>> Orixás Teogonia de Umbanda de Rubens Saraceni pela Madras (2004)
>>> Dar a vida e cuidar da vida: Feminismo e ciências sociais de Lucila Scavone pela Unesp (2004)
>>> 500 Anos de Brasil - Histórias e Reflexões de Mary del Priore e mais pela Scipione (1999)
>>> Estudos Brasileiros de Ronald de Carvalho pela Nova Aguilar (1976)
>>> Mulher:Feminino Plural - Mitologia, História e Psicanálise de Dulcinéa da Mata Ribeiro Monteiro pela Rosa dos tempos (1998)
>>> Quem São os Criminosos? de Augusto Thompson pela Achiamé (1983)
>>> Liberdade na Escola de A.S. Neill pela Ibrasa (1969)
>>> Gangues, Galeras, Chegados e Rappers. Juventude, Violência e Cidadania nas Cidades de Miriam Abramovay pela Garamond (2006)
>>> Manifestações de junho de 2013 no Brasil e praças dos indignados no mundo de Maria da Gloria Gohn pela Vozes (2014)
>>> ultura Brasileira e Identidade Nacional de Renato Ortiz pela Brasiliense (2001)
>>> Problemas Agrário Camponeses do Brasil de M. Vinhas pela Civilização Brasileira (1972)
>>> A Ilusão Americana de Eduardo Prado pela Alfa Omega (2001)
>>> Da revolta ao crime S.A (Coleção Polêmica) de Alba Zaluar pela Moderna (1996)
>>> Juventude em Debate de Helena Wendel Abramo E Outros (orgs.) pela Cortez (2002)
>>> Razão Sangrenta de Robert Kurz pela Hedra (2010)
>>> Relativizando: Uma introdução à Antropologia Social de Roberto DaMatta pela Vozes (1981)
>>> Estudos sobre o Brasil Contemporâneo de Luiz Pereira pela Pioneira (1971)
COLUNAS

Quarta-feira, 4/9/2019
Notas confessionais de um angustiado (VII)
Cassionei Niches Petry

+ de 11500 Acessos

LII
Autran Dourado tem o seu “Mestre Imaginário”. Osman Lins tem o “Willy Mapou”, ou simplesmente “WM”. Com esses interlocutores, ambos dialogam sobre o trabalho literário. A reflexão teórica mistura-se com a ficção. Para Lins, é um “recurso banal, mas com a função de tornar menos árido o escrito, tanto para o leitor assim para o autor, que, afeito a exercícios de imaginação e aqui sofrendo a ascendência das ideias, quer, com o artifício, amenizar sua tarefa”. Estas notas confessionais têm um interlocutor real, chamado aqui de “o orientador”, professor do mestrado.

LIII
Cheguei a uma parte do romance crucial para o desenvolvimento da narrativa. Até agora, as personagens estão na defensiva. O conflito não começou propriamente. Isso é criticado pelo orientador, pois ele quer ver os personagens não mais interagindo apenas no mundo virtual, mas se encontrando no mundo real e, da mesma forma, sugere que as outras personagens envolvidas interfiram.

O orientador também critica o ar professoral da personagem Fred, pois estaria havendo uma contradição em relação a algumas dessas notas de criação, que propõe uma narrativa que almeja um leitor ideal, inteligente, que complete os espaços da história, o que está oculto, ou então que costure os fragmentos aparentemente desconexos. Respondo que os textos do Fred, tanto seus discursos quando foi estudante de Letras quanto às postagens do blogue, têm como função caracterizar a personagem e produzir indícios do que pode vir a acontecer no enredo. Além disso, o texto de internet, se deseja atingir um número maior de leitores, precisa ser o mais explicativo possível sem, no entanto, deixar de tratar de temas relevantes.

Recebi do meu orientador o Breve manual de estilo e romance, de Autran Dourado, em cujas primeiras páginas há um conselho que poderia depor contra ele mesmo: "Só aceite opinião de quem sabe fazer bem e já fez um bom texto literário." Teria escrito o professor algum bom romance? Se não, como poderia ele opinar sobre minha obra? Ou estaria errado o mestre autor de Ópera dos mortos? O orientador já publicou trabalhos literários em revistas. Não é isso, porém, que me faria aceitar seus conselhos e sim sua condição de leitor com uma enorme bagagem de leitura, o que lhe permite discernir a boa da má literatura. As intervenções do orientador, lógico, são bem-vindas, pois está cumprindo o papel do leitor ideal.

LIV
O autor de Ópera dos mortos disse em entrevista certa vez “que as coisas mais importantes, para os criadores [grifo do autor], sobre romance, foram ditas por romancistas, e as coisas mais importantes sobre poesia foram ditas por poetas”. Não por acaso, nas presentes notas, são os romancistas que aparecem mais vezes citados. Além de saberem como se faz, eles mesmos o fazem. Os críticos e teóricos apenas sabem, mas não fazem.

Autran Dourado proporciona uma visão dos mecanismos internos da mesma maneira como eu gostaria de tratar com relação à criação romanesca, não só pela leitura criteriosa que faço de sua obra, mas também pelas suas reflexões publicadas em livro. A ideia de dividir Os óculos de Paula em blocos tem como subsídio teórico o volume Poética do romance: matéria de carpintaria. Escrevendo sobre o processo de criação do seu romance O risco do bordado, Dourado afirma que o “livro é formado de blocos, como pedras de um dominó. Um dominó de pedras de tamanhos diferentes”. A partir de uma imagem da planta baixa do seu livro, como se estivesse planejando a construção de uma casa, visualizei como seria a do meu romance.

Em Os óculos de Paula, há o bloco do presente, outro do passado e um do escritor. Os dois primeiros são compostos por pequenos tijolos, capítulos curtos, que têm ora um narrador em 3ª pessoa focado em Paula, ora textos inteiros ou fragmentos de escritos de Fred no seu blogue, além de suas falas ou discursos em grupos de amigos e em sala de aula. São, por conseguinte, em 1ª pessoa. O bloco do escritor aparece em pautas separadas e destacada com fonte em itálico. Para o leitor pode ser um momento para refletir sobre o que está lendo, bem como faz com que a narrativa não caia na monotonia linear.

Sobre os capítulos referentes a Fred, muitos textos aparentemente podem não corresponder ao enredo, porém são essenciais não só para caracterizar a personagem, como também fornecer indícios para compreender o desdobramento do enredo. Como os capítulos prescindíveis de Rayuela, de Julio Cortázar, eles na verdade são indispensáveis.

(...)

LVIII
Foi lançado meu primeiro livro, Arranhões e outras feridas. Com ele, posso dizer que não sou mais um escritor inédito, apesar de ser ainda um aprendiz na arte de narrar. Num dos contos, “Ônibus”, exercito um processo em que os meus textos dialogam entre si. Uma das personagens é um escritor que imagina histórias para os passageiros de um ônibus urbano. Em uma delas, ele imagina um passageiro, leitor que deseja conhecer toda a obra desse mesmo escritor, apesar de não ter gostado do primeiro livro que leu: “Ao meu lado, um senhor lê um livro. Tento espiar o título. Não, não é nenhum meu. Mas ele já leu Os óculos de Paula e não gostou.” Como se pode perceber, o escritor é autor de um livro com o mesmo título do romance que é objeto de estudo destas notas. Ou, melhor dizendo, ele cria uma história em que ele é autor de um romance: “Atrás deles, há um homem de trinta e três anos, que não só leu Os óculos de Paula, como foi ele próprio quem o escreveu.”

Foi nesse conto que surgiu o título do romance que estou escrevendo, conforme a nota IV. Somente o título. As ideias para o desenvolvimento do romance foram surgindo bem depois da conclusão do conto. E para completar esta relação intratextual na minha obra, o escritor dos capítulos em itálico do romance ora em produção é autor de um livro intitulado Arranhões e outras feridas.

Nota do Autor
Notas escritas em 2012.

Nota do Editor
Leia também "Lucas Procópio, de Autran Dourado". Outros livros de (e sobre) Autran Dourado. Também Osman Lins.


Cassionei Niches Petry
Santa Cruz do Sul, 4/9/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Das construções todas do sentir de Elisa Andrade Buzzo
02. Lisboa obscura de Elisa Andrade Buzzo
03. Poética e política no Pântano de Dolhnikoff de Jardel Dias Cavalcanti
04. Um antigo romance de inverno de Elisa Andrade Buzzo
05. O acerto de contas de Karl Ove Knausgård de Cassionei Niches Petry


Mais Cassionei Niches Petry
Mais Acessadas de Cassionei Niches Petry
01. Notas confessionais de um angustiado (VII) - 4/9/2019
02. Do canto ao silêncio das sereias - 14/11/2018
03. O suicídio na literatura - 13/4/2016
04. Do inferno ao céu - 3/7/2019
05. Por que HQ não é literatura? - 6/12/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor de Salvação
Camilo Castelo Branco
Edições de Ouro



Filósofos do Século XVIII
Lothar Kreimendahl
Unisinos
(2004)



Como Solucionar Nossos Problemas Humanos - as Quatro Nobres Verdades
Geshe Kelsang Gyatso
Tharpa Brasil
(2004)



Ninguém é de Ninguém
Harold Robbins
Record



Rio Piracicaba Vida, Degradação e Renascimento
Antonio Carlos de Mendes Thame
Iqual
(1998)



Meia-Idade Inteira
Angela Vieira
Globo Livros
(2003)



Direito Sumular e Fundamentação Decisória no Cpc 2015
Guilherme Lunelli
Fórum
(2016)



Como o Homem pode enfrentar uma Crise
Maury Rodrigues da Cruz
Sbee
(2003)



A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert
Joël Dicker
Intrínseca
(2014)



Aeronaves de Caça e de Reconhecimento 1939 1945 Volume 1
Gisele C. Batista Rego Tradução
Abril
(2010)





busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês