Um conto-resenha anacrônico | Cassionei Niches Petry | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Local, Global de Heloisa Buarque de Almeida pela Berlendis & Vertecch (2013)
>>> A Ordem Negra de James Rollins pela Ediouro (2007)
>>> Geometria Analítica Plana de Steinbruch Basso pela Makron Books (1991)
>>> Plano de Negócios de Egoy Walter Wildauer pela Intersaberes (2012)
>>> A Rendeira Borralheira de Socorro Acioli; Alexandre Camanho pela Positivo Livros (2009)
>>> How to Launch a Brazilian Depositary Receipts (bdrs) Program de Vários Autores pela Pwc
>>> Amanhã é outro dia de J.m. Simmel pela Nova Fronteira (1978)
>>> Tempo Bom, Tempo Ruim de Jean Wyllys pela Paralela (2014)
>>> O Fantasma de Canterville de Oscar Wide pela Scpione (2006)
>>> não vi enão gastei - O fenômeno do Prenconceito de Renato da Siva Queiroz pela Moderna (1997)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2016)
>>> Giocondo Dias - a Vida de Revolucionario de João Falçãqo pela Agir (1993)
>>> Passenger to Frankfurt de Agatha Christie pela Harpercollins Uk (2017)
>>> Por Que Sonhei Com Isso? de Evelyn Kay Massaro; Lauri Quinn Lowenberg pela Best Seller (2017)
>>> Born Montoneros - 9 Meses En las Entranãs de Montoneros de María Odonnell pela Sudamericana (2015)
>>> Mesa para Dois de Nora Roberts pela Harlequin Books Br (2007)
>>> Controle o Estresse de Augusto Cury pela Gold
>>> Schwert, Das de Daniel Easterman pela Aufbau Tb (2009)
>>> English in Formation 3rd Edition 8 Teacher Book de Wilson Liberato pela Standfor (2016)
>>> Metade de uma Rosa de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2007)
>>> Alarde Poético de Vários pela Não consta (2006)
>>> Perfume Derramado de Denise Seixas pela Bolabooks (2016)
>>> Evangelho Eterno e Orações Prodigiosas de Osvaldo Polidoro pela Do Autor (2009)
>>> Nao Pergunte Se Ele Estudou de Renato Alves pela Humano (2011)
>>> Habermas e a Dialética de David Igram pela Edunb (1993)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/2/2022
Um conto-resenha anacrônico
Cassionei Niches Petry

+ de 5200 Acessos

Pesquisando na biblioteca do professor Frederico Assmann, encontrei em uma gaveta de uma escrivaninha um livro que me chamou a atenção, num primeiro momento, pelo título, já que o tempo é um dos temas que venho analisando nas críticas e ficções do meu velho mestre. Trata-se de Cavalos de Cronos, de um escritor gaúcho do início deste século, José Francisco Botelho, publicado em 2018 por uma editora de Porto Alegre em atividade até hoje, chamada Zouk. Como o exemplar está bastante sublinhado e com anotações nas margens, imaginei que havia alguma resenha não publicada sobre a obra que tivesse escapado ao meu escrutínio. Por acaso (o acaso é outro tema que o Fred estudou, principalmente nas análises dos romances de Paul Auster), uma folha inserida entre as últimas páginas caiu aos meus pés. Ao desdobrá-la, me deparo com uma crítica inédita, escrita à mão, com a data de 06 de agosto de 2061, no ano passado, portanto, cinco dias antes da morte do mestre. No cabeçalho, um aviso: “não deve ser publicada”. Por que Fred não quis que viesse à luz uma simples resenha sobre um livro de um escritor desconhecido? Deveria eu, seu aluno predileto e responsável pelo estudo e divulgação de seus escritos, obedecer ao aviso, apesar de ele ter me pedido que publicasse tudo que deixara inédito?

Quando li a resenha, entendi por que o mestre a escamoteou. Inveja. O texto reconhece o talento do escritor que até hoje eu não conhecia (Fred nunca me indicou o autor), sua capacidade intelectual, sua fabulação, sua erudição, o trato com a linguagem, a utilização da intertextualidade e outros tantos predicados que o próprio Frederico Assmann queria ter e achava que não tinha. Escreve ele: “(...) na época em que escrevi a maioria das minhas críticas, eu havia recebido do autor um exemplar autografado de Cavalos de Cronos. Mas o acaso, sempre o acaso – ‘a Fortuna subitamente sorriu (ou, ao menos, simulou um sorriso – o que, para os mortais, parece a mesma coisa)’ –, fez com que o livro se extraviasse numa viagem de férias a Balneário Camboriú. Devo tê-lo esquecido na beira da praia, sem nem ao menos ter iniciado a leitura. Anos depois, na mesma cidade, o achei em um sebo, com a folha em que havia o autógrafo arrancada. Deveria ser o mesmo exemplar. Ainda demorei, porém, para ler. Creio que essa decisão me deu mais um tempo de vida. Eu li o livro na hora certa, caso contrário, a inveja e, principalmente, as coincidências me matariam mais cedo”.

Frederico Assmann morreu de desgosto no mês de agosto, sempre reclamando por não ser reconhecido como deveria. O texto, portanto, foi o último que escreveu, numa época em que o mestre estava bastante melancólico e dizia que não queria receber visitas, como se costumasse recebê-las.

Pois “os misteriosos liames tecidos pelas Parcas”, como Botelho escreveu no conto que dá título ao livro, fez com que Cavalos de Cronos caísse nas minhas mãos. Uma obra como essa não vingaria nos dias de hoje, dominada por livros eletrônicos de celebridades das redes digitais. Por isso não o conhecia, assim como parte da Alta Literatura brasileira do passado, embora o mestre, um dos últimos defensores dessa Arte, tenha me mostrado o caminho para encontrá-la. Venho tentando.

Conforme fui lendo o livro, as anotações e a crítica, entendi o que o velho Fred quis dizer com coincidências. O livro parecia retratá-lo na maioria dos contos. E mais. O professor escreveu que tinha pensado na maioria dos enredos, mas nunca os pôs no papel. Era como se o escritor lesse seus pensamentos ou praticasse, um “plágio anacrônico”, conforme lemos no conto “O imperador de bambu”. Numa margem do relato, Frederico escreveu, “Professor Yuë c’est moi”, algo que seria dito, trocando-se o nome, por outro personagem numa história posterior, talvez o melhor, mais inquietante e premonitório conto. Chegaremos a este depois.

Um personagem, Camilo Castanho, mencionado no conto “Uma estória bem contada”, é revisor de um jornal chamado Gazeta do Sul e havia escrito um poema, “A jangada de Caronte”, cujos excertos conformam dois poemas narrativos no livro. Fred escreveu durante um tempo colunas de literatura e crônicas para um jornal de mesmo nome em Santa Cruz do Sul. Não era revisor, mas dava muito trabalho para esse importante profissional. Foi o acaso?

Com a leitura de “O silêncio dos campos”, o professor lembrou-se de momentos de sua infância em que visitava a chácara de sua avó paterna, no interior de Rio Pardo, e o silêncio desse lugar ermo (palavra muito usada por Botelho) era interrompido por sons de animais que o assustavam, ainda mais depois de ter ouvido à beira do fogão à lenha histórias contadas pelo seu pai, envolvendo sempre um temido perau nas proximidades. Já “Cotuba dos ermos” o fez recordar quando ficava um bom tempo sem ver seu pai depois que ele se separara de sua mãe, deixando-a cuidar sozinha do filho e da filha. Menciona também que ele costumava usar um pichará, como o personagem do conto.

Se Botelho criou um lugar fictício e distópico, chamado Tingitana, Assmann criou um país chamado Carácolis em suas crônicas satíricas para o jornal. Sem o mesmo brilhantismo que o outro escritor, anotou nas margens do conto.

As mais impressionantes coincidências se dão no conto “Neste mundo”, em que também o caráter profético de José Francisco Botelho se destaca. O protagonista, Aparício Nunes Aquidaban, é um escritor desconhecido de uma cidade do interior, que teve pouco reconhecimento. Assim como o Fred, resolve morar sozinho, colocando em prática seus “projetos de misantropo”. Fred acrescenta nas anotações que ambos eram chamados de “o Velho dos Livros”, e por aí vão as coincidências.

O que mais chamou a atenção do crítico, porém, foi que o conto previu a guerra entre Brasil e Argentina, que no enredo recebe o nome de Guerras do Conesul. Há uma espécie de realidade alternativa, em que dois Aquibadans se comunicam por anotações nas margens de um manuscrito deixado em uma gaveta. Numa realidade, ocorre a guerra, na outra não, assim como as cidades são distintas, embora tenham o mesmo nome, Mirador. “Como é de conhecimento de todos”, escreveu Fred na resenha inédita, “no seu terceiro mandato, um presidente cujo nome não quero escrever, mas que ficou para a História por ser um Nero do século XXI, declarou guerra ao país vizinho. Por sorte, ela não durou muito, sendo a responsável apenas por uma lei esdrúxula que proíbe que clubes de futebol no Brasil contratem jogadores e treinadores argentinos”.

Vale lembrar que, no conto que intitula a obra, o narrador diz que “os cavalos – dependendo do dia e do estado de espírito – conseguem prever o futuro”. Há uma foto de quando Fred era criança bem pequena e tentava, auxiliado por um tio, montar num cavalo, que parecia estar inquieto. No verso, ele escreveu o ditado: “cavalo encilhado só passa uma vez”. O professor, diga-se, gostava de premonições em obras de arte. Certa vez, me mostrou um disco de vinil de uma banda dos anos 1970, “Supertramp”, cuja capa, refletida no espelho, previa o atentado terrorista de 11 de setembro de 2001 em Nova Iorque. Por acaso, o disco foi lançado em 1979, ano de nascimento do professor.

Uma dúvida me surgiu. Será que José Francisco Botelho não era um pseudônimo do Fred, já que não há foto e nem mesmo dados biográficos do autor no volume? Quem escreve a orelha do livro foi Dilan Camargo, autor de “Chamem o poeta”, poema que o professor declamava em suas aulas. Além disso, quem escreve o prefácio do livro é Gustavo Melo Czekster, que também escreveu a orelha de um dos livros de contos de Frederico Assmann. Cavalos de Cronos seria um dos seus jogos literários e talvez por isso eu tenha gostado tanto de lê-lo? Enfim, tenho que pesquisar mais a fundo para comprovar essa hipótese. Talvez seja apenas coincidência. Não encontrei nas margens, pelo menos, nenhuma anotação que diz “José Francisco Botelho c’est moi”.


Cassionei Niches Petry
Santa Cruz do Sul, 9/2/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Epitáfio do que não partiu de Luís Fernando Amâncio
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
03. Um caso de manipulação de Celso A. Uequed Pitol
04. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
05. 'Hysteria' Revisitada de Duanne Ribeiro


Mais Cassionei Niches Petry
Mais Acessadas de Cassionei Niches Petry
01. Notas confessionais de um angustiado (VII) - 4/9/2019
02. Do canto ao silêncio das sereias - 14/11/2018
03. O abalo sísmico de Luiz Vilela - 1/9/2021
04. O suicídio na literatura - 13/4/2016
05. Do inferno ao céu - 3/7/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Esboços de Sermões
Luis Roberto Silvado
A. D Santos
(2012)



Outras do Analista de Bagé
Luis Fernando Veríssimo
L pm
(2022)



Boas Maneiras e Sucesso nos Negócios
Celia Ribeiro
L&pm
(1993)



O Perito
Robert Finn
Publicações Europa-américa
(2009)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 155
Pini
Pini



O Estudante
Adelaide Carraro
Global
(2001)



Comunicacao Modernizacao e Difusao de Inovacoes no Brasil
Jose Marques de Melo
Vozes
(1978)



Inteligência - Perspectivas Teóricas
Leandro S. Almeida, Aristides Ferreira
Almedina
(2009)



Wireless Java With J2me - Sams Teach Yourself - in 21 Days.
Michael Morrison
Sams



Historias da Vo Cotinha Vivencias e Virtudes
Lucia Nobrega
Rideel
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês