Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Domingo, 3/12/2017
Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets
Julio Daio Borges

+ de 2900 Acessos

Não me lembro de quando ouvi falar, pela primeira vez, em Bitcoin. Mas o fato é que sua valorização, neste ano, começou a chamar a atenção.

Tanto que comecei a pesquisar não só o Bitcoin, mas as demais “criptomoedas”, como o Ether(eum), e acabei me envolvendo com o assunto.

Até porque descobri que é um novo mundo - talvez uma nova internet -, e não basta “dar uma lida” nos verbetes da Wikipedia.

Mesmo assim, decidi escrever um primeiro texto - “geral” -, com o que já aprendi, para - depois - me aprofundar em cada tópico...

Hoje vou falar - além de Bitcoin - dos chamados “smart contracts”, do blockchain - a infraestrutura do Bitcoin - e dos “cryptoassets” ou ativos “crypto”.

Bitcoin

Reza a lenda que o Bitcoin remonta à crise financeira de Setembro de 2008. Já no início de 2009, um especialista em criptografia, desiludido com o sistema financeiro, publicou um “paper” - onde sugeria a criação de um tipo de “dinheiro eletrônico”, peer-to-peer (ou “ponto a ponto”), sem intermediação.

O problema de ativos digitais é que podem ser replicados indefinidamente. Pense num arquivo que você pode copiar quantas vezes quiser. (Foi o que acabou com a indústria fonográfica.)

Para resolver esse problema, Satoshi Nakamoto, o criador do Bitcoin, imaginou um “ledger”, ou um “livro razão” eletrônico - onde as transações em Bitcoin ficariam registradas, desde a primeira, em “blocos”, armazenados em todos os “nós” da rede.

Assim, cada Bitcoin reproduz, em si, toda a cadeia de transações desde a primeira - impedindo que Bitcoins sejam duplicados e garantindo que o sistema funcione de maneira descentralizada (prevenindo fraudes).

A esse sistema de blocos “em cadeia”, chamaram, justamente, “blockchain”. Um hacker que quisesse atacar o “ledger”, ou o “livro razão”, teria de atacar a rede inteira, ou a maior parte dela - algo praticamente inviável.

Um hacker, na verdade, teria mais incentivo para *colaborar* com a rede do que para atacá-la. São os “miners” ou “mineradores” - que cuidam da infraestrutura do Bitcoin e, para tanto, são pagos... em Bitcoin.

Além do blockchain não permitir duplicação, e inibir fraudes, Satoshi Nakamoto previu uma espécie de “escassez” eletrônica - de modo que não serão criados mais que 21 milhões de Bitcoins, nesse processo de “mineração”.

Na realidade, a cada ano que passa, a quantidade de Bitcoins produzida na “mineração” diminui - até um ano em que nenhum Bitcoin novo será gerado e, no máximo, serão 21 milhões de Bitcoins em circulação. (Daí em diante, os mineradores receberão apenas “comissão” - por cada transação bem-sucedida.)

Resumindo: um ativo digital que não pode ser duplicado - e que é escasso. Dois princípios que explicam, em parte, a valorização do Bitcoin.

Altcoins

Mas essa história de “blocos” tem lá as suas limitações... Aí entram as “altcoins”, ou moedas alternativas, que buscam “aperfeiçoar” o que não funciona tão bem no Bitcoin - ou que os “miners” de Bitcoin relutam em mudar (“para melhor” ou “para pior” - depende do ponto de vista).

Um problema, por exemplo, é o tempo para transferir Bitcoins: de 15 minutos - considerado rápido em relação à rede bancária internacional (imagine uma transferência em dinheiro para o exterior); mas considerado “lento” em relação a cartões de crédito e de débito.

Uma discussão que deriva disso é se o Bitcoin deve ser um “substituto” para o ouro - se deve apenas “estocar” valor -; ou se ele deve ser, efetivamente, um “electronic cash”, ou o dinheiro eletrônico que Satoshi Nakamoto imaginou.

Porque, para comprar um café no Starbucks - um exemplo clássico -, uma transação não pode demorar 15 minutos para acontecer. Por outro lado, para substituir ouro, por “ouro eletrônico”, os 15 minutos não incomodam tanto.

Outro problema, além da “demora” da transação, é o tamanho dos blocos. Existe uma corrente, entre os entusiastas do Bitcoin, que alerta para o crescimento acelerado dos blocos de transações - advogando que o tamanho dos blocos deve ser “aumentado” antes que seja tarde (antes que o sistema sofra uma pane).

As altcoins, ou moedas alternativas ao Bitcoin, surgem para preencher esses requisitos (de maior velocidade nas transações, de blocos maiores, entre outras demandas).

O Bitcoin Cash, por exemplo, alega que tem um “tempo de transferência” menor (que o Bitcoin original). A moeda Monero, outro exemplo, se preocupa mais com privacidade. A moeda Dash diz ter uma solução para a queda no número de “nós” ativos na rede do Bitcoin. E assim por diante...

Cada altcoin tem uma proposta diferente - e vem, supostamente, preencher um “gap” do Bitcoin.

Logo, cada moeda que se coloca como “alternativa”, acaba se valorizando também (se é bem-sucedida no que se propõe a fazer...).

Uma pergunta que o “mercado” já faz é: qual será a “próxima” Bitcoin? No seguinte sentido: qual moeda, saindo de uma valorização baixa, vai alcançar os milhares de dólares de valorização do Bitcoin?

Tokens

E as criptomoedas têm uma outra função (além das que eu citei... que, de certa forma, querem “competir” com o Bitcoin):

São as chamadas “tokens” ou “utility coins”. São moedas que, além de ter um valor, servem para alguma coisa - têm alguma “utilidade”.

Por exemplo, a Filecoin. O grupo que criou a Filecoin pretende substituir a infra-estrutura da internet por “blockchain” (porque uma rede descentralizada, e criptografada, seria mais segura...).

Assim, se você quiser contratar os serviços dessa empresa no futuro - em vez de usar o Dropbox ou o Google Drive (redes *centralizadas*) - você poderia pagar com Filecoins, a moeda desse projeto.

ICOs

O que tem ocorrido, agora, é que uma empresa nova, ou startup, antes de começar, publica um “white paper” (uma espécie de plano de negócios) e lança uma “moeda” própria.

Em vez de procurar investidores, como acontecia tradicionalmente, essa empresa, ou esse projeto de empresa, vende a sua moeda para qualquer pessoa que tenha interesse em investir nela...

Algo como uma IPO, ou oferta inicial de ações, em bolsa - mas com moedas, e sem vender necessariamente participação, algo que ganhou o nome de “ICO” (Initial *Coin* Offering).

Hoje, além das criptomoedas em circulação, mais de mil no momento em que escrevo, inúmeras outras estão sendo lançadas, ou têm o seu lançamento programado, com seus respectivos projetos...

Como as ICOs, em 2017, já levantaram milhões de dólares, e como o Bitcoin teve uma valorização de mais de 1000%, neste ano também, começou uma verdadeira corrida do ouro.

Conclusão

É uma bolha? Vai explodir? Vai desvalorizar?

Ninguém sabe.

O que eu acho, particularmente, é que a infraestrutura do blockchain, e dos “smart contracts” (os contratos eletrônicos), no “ledger”, ou livro razão, vieram para ficar.

O que eu acredito que vai acontecer é que essa “troca de infraestrutura”, da internet, e do sistema financeiro talvez, vai gerar muitas oportunidades, muita riqueza e lançar novos “players” no mercado.

Do mesmo jeito que temos Apple, Amazon, Google e Facebook... podem surgir outras empresas - com infraestrutura descentralizada, baseadas em blockchain.

Eu poderia ficar aqui “fazendo brainstorm”, imaginando as mil e uma aplicações do blockchain, das criptomoedas, dos “cryptoassets” (ou ativos “crypto”)... mas prefiro deixar você “digerindo” os conceitos que eu apresentei.

Como disse no começo: para mim é um mundo novo, que estou gostando de acompanhar, quem sabe participar ativamente (no futuro)... - mas, por enquanto, como você, quero me inteirar e saber qual será o nosso lugar nisso tudo.

Para ir além
"Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)"


Julio Daio Borges
São Paulo, 3/12/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. É hora de estudar fora de Carla Ceres
02. Mp3: da pirataria ao Bolsa-Download? de Paulo de Resende
03. Religião prêt-à-porter de Verônica Mambrini
04. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum de Marcelo Spalding


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
05. Como detectar MAVs (e bloquear) - 22/10/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INQUISIÇÃO - A ÉPOCA DAS TREVAS
ABEL GLASER
ALVORADA NOVA
(1999)
R$ 12,00



REVISTA GALILEU / EDIÇÃO 290
AUT. DIVERSOS
GLOBO
(2015)
R$ 8,00



ENSINAR E APRENDER A PENSAR
MARIA HELENA SALEMA
TEXTO
(1997)
R$ 23,10



O PODER MÁGICO DAS CORES
RAYMOND BUCKLAND
SICILIANO
(1989)
R$ 12,00



AS ESTGRATÉGIAS DE ZEUS
GARY HART
NOVA CULTURAL
(1987)
R$ 13,00
+ frete grátis



O TEATRO NA FRANÇA
RENÉ LALOU
DIFUSÃO EUROPEIA DO LIVRO
(1956)
R$ 12,00



PRÍNCIPE VALENTE Nº 16 - 9174
HAROLD FOSTER
SABER
(1974)
R$ 25,00



HISTÓRIA DA INGLATERRA
HUME, DAVID
UNESP
(2017)
R$ 57,13



EU SOU ASSIM E VOU TE MOSTRAR
HEINZ JANISCH
BRINQUE BOOK
(2017)
R$ 35,00



MINISTÉRO PÚBLICO - REFLEXÕES SOBRE PRINCIPIOS E FUNÇOES INSTITUCIONAI
CARLOS VINICIUS ALVES RIBEIRO
ATLAS
(2010)
R$ 33,90





busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês