Tipos brasileiros | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Have a Book in You?
>>> O desafio dos media-watching
>>> Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo
>>> Realismo fantástico
>>> Snoop Dogg - Ups & Downs
>>> The impact of the Internet
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> Tributo a Paul McCartney
>>> Começos Inesquecíveis
>>> Entrevista com Spacca
Mais Recentes
>>> Decorating livable homes de Elizabeth Burris-meyer pela Prentice-hall (1947)
>>> Arte brasileira, século XX: Catálogos da Galeria Eliseu Visconti: pinturas e esculturas. de Eduardo Fortes (apresentação); Maria Elizabete Santos Peixoto (texto) pela MNBA Cenec (1984)
>>> Respirando endomarketing. de Medeiros Brum pela L&pm (2003)
>>> Quem e como fizemos a TV Globo de Luiz Eduardo Borgerth pela A Girafa (2009)
>>> Em busca de vidas passadas de Judith Johnstone, Glenn Williston pela Siciliano (1989)
>>> A Casa Sinistra de Maria Padula pela Nova Fronteira (1992)
>>> O livro das profecias de Mozart Monteiro pela O Cruzeiro (1967)
>>> Cavalos e Obeliscos de Moacyr Scliar pela Mercado Aberto (1983)
>>> A Nova Mulher de Marina Colasanti pela Círculo do Livro (1980)
>>> Orgias de Luis Fernando Verissimo pela Lpm (1989)
>>> Mulheres de 50 Anos Como Viver Plenamente esta Nova Idade de Suzanne Képès e Michèle Thiriet pela Lpm (1994)
>>> Mahabharata de William Buck pela Círculo do Livro (1992)
>>> Aventuras do Bravo Soldado Schweik de Jaroslav Hašek pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - 8º ano Ciências, Língua Portuguesa e Geografia de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Sur La Photographie de Susan Sontag pela Titre
>>> Trilhas Sistema de Ensino - Matemática 9º ano de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - 6º ano Ciências e Língua Portuguesa de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Cuentos Populares de León Tolstoi pela Longseller (2004)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - Arte 6º e 7º ano de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> O Mordomo do Imperador - Coleção General Benício de Américo Jacobina Lacombe pela Biblioteca do Exército (1994)
>>> Aunt Dimity, Vampire Hunter de Nancy Atherton pela Viking (2008)
>>> Der Domino Killer de Kate Pepper pela Thriller
>>> Mal Secreto Inveja - Coleção: Plenos Pecados de Zuenir Ventura pela Objetiva (1998)
>>> Conferência dos pássaros de Farid Ud-Din Attar pela Círculo do Livro (1991)
>>> Lua Nova de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2008)
COLUNAS

Quarta-feira, 10/2/2010
Tipos brasileiros
Guilherme Pontes Coelho

+ de 5000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Aqui em Brasília há representantes de todos os estados e de vários países (as embaixadas estão todas aqui). Esta cidade cinquentenária é composta por forasteiros, eu mesmo meio que sendo um deles. A gente acaba conhecendo, nem que seja em pequenas amostras, a identidade folclórica desse pessoal todo, características básicas mesmo. O que comem no café da manhã, o sotaque, as saudações, essa coisa toda.

Porém, analisar os tipos que encontramos em Brasília talvez não seja algo fidedigno, pois os objetos de estudo não estão no seu habitat natural. Os exemplares do sul, por exemplo, devem sofrer um tanto com a secura, e com o calor. Isso deve lhes alterar a percepção do mundo e o batimento cardíaco. Ou não, talvez eles sejam daquele jeito mesmo e eu que estou viajando. Porque, veja bem, todo gaúcho que conheci aqui no cerrado ― nunca fui ao Rio Grande do Sul ― fala alto e vigorosamente, como se sempre estivesse tentando me convencer de uma verdade absoluta e premente que só eu não consigo enxergar. O sotaque carregado adiciona mais dramaticidade à cena ― e eu sempre tenho a impressão de que o gaúcho finge ter mais do sotaque que já tem. Não sei se eles são assim no dia a dia portoalegrense. Aqui no planalto central, são.

E há os hábitos, as tradições. Imagine você: um calor infernal, nenhum décimo de brisa em qualquer direção, umidade relativa do ar a 18% e o fulano tomando chimarrão, o líquido fervente lhe descendo esôfago adentro. Acho massa.

Na verdade, é um traço de todos nós brasileiros esse de estar pouco se fodendo para temperatura ambiente na hora de ingerir algo. Já vi gente comendo buchada de bode à beira da praia. E depois ir mergulhar. Enfim...

Há também as comunidades nordestinas no Distrito Federal. Delas, a mais fechada, e talvez a mais numerosa, seja a de pernambucanos. Eu, mesmo sendo um, jamais me enturmei com a moçada, por falta de interesse, e nunca conseguiram que me enturmassem, por falta de química. Mas a comunidade existe, inalterada, tomando Antártica todo fim de semana ao som de Alceu Valença. Tenho a impressão de que eles se negam a aceitar que estão no beachless planalto central, e por isso sempre que se reúnem choram juntos o desprazer de estarem exilados.

(O Distrito Federal é um quadradinho no meio do Goiás. Estamos cercados por goianos por todos os lados. Mesmo assim, não sei o que dizer deles. Ainda não os entendi. Só sei de uma coisa: pequi é ruim pra cacete.)

Os oriundos do Rio de Janeiro parecem os mais soltos e relaxados no cerrado. Não que tenham se adaptado ao deserto, nada disso; nem, muito menos, que gostem disso aqui. Mas porque cariocas estão em contato constante com a terra natal. Sempre que dá, qualquer feriado mixuruca, eles vão embora pra sua terra. Esta certeza de que verá a terra amada faz deles pessoas tranquilas. Inclusive, ouso dizer que há mais flamenguistas no Distrito Federal que no próprio Estado do Rio. É impressionante.

Isso me lembra que existe a relação cidade-futebol. Esses flamenguistas todos aqui no DF, claro, não são cariocas de nascimento. Em boa parte dos casos, nem os pais são. É um fenômeno brasiliense torcer para times "estrangeiros". Conheço vascaínos que nasceram em Goiás, botafoguenses do Pará, palmeirenses de Taguatinga, corintianos de Cuiabá (etc.), todos eles morando em Brasília. Ninguém aqui é torcedor genuíno do Gama, ou do Guará, ou do Braziliense. Estes times, na verdade, sempre saem perdendo nas permutas do sincretismo ludopédico. O torcedor do Gama que também torce pro Palmeiras levantará a bandeira do segundo em detrimento do primeiro quando eles se enfrentarem no Estádio Mané Garrincha. É assim.

Aliás, uma observação ainda sobre futebol. Há algo atávico nos times gaúchos e mineiros. Aquele sincretismo só ocorre com times cariocas e paulistas. Desconheço colorados brasilienses de ascendência manauara, nem atleticanos do cerrado de origem sergipana. Se é brasiliense e torce pro Grêmio, ou nasceu lá ou é de família gaúcha. Mesma regra para cruzeirenses.

Os paulistas... Não, não existem paulistas no Distrito Federal.

Recentemente, tive a oportunidade de conhecer os mineiros em seu habitat natural. Uma visita a Belo Horizonte. (Agora começa a parte do texto pela qual os mineiros me presentearão com pensamentos negativos.)

Eu achava que já os conhecia. Há muitos mineiros por aqui e eu já visitei algumas cidadezinhas mineiras, inclusive por um motivo de gosto duvidoso: festa agropecuária. Enfim, eu achava que os conhecia. Pão de queijo blablablá. Mas não. Depois de alguns dias em Belo Horizonte minha ideia deles mudou um tantinho. Eles são mais mineiros lá do que aqui. Isso tem a seguinte razão de ser. A geografia.

Um quadro comparativo antes. Dependendo de onde estiver, o morador de Brasília tem 360º de abóbada celeste, horizonte para todos os lados. As vias principais são largas e, obviamente, planas, com uma ou outra elevação, mas é pouca coisa. Embora a cultura do parar-na-faixa funcione muitíssimo bem, Brasília não é uma cidade para pedestres ― isso quer dizer que o andarilho é solitário, compulsoriamente.

Ao contrário do andarilho mineiro, compulsoriamente acompanhado por outros ― e nem sempre isso é desejável. Aquelas ruas estreitas e sem horizontes, cheias de sobe-e-desce, provocam a sensação de clausura. Contato humano forçado não é gostoso. Falta de horizontes e enclausuramento também não. O que leva à famigerada introspecção. Introspecção mineira. Além daquele ar de desconfiança sorridente que eles exalam. Os rostos são conhecidos, familiares. Qualquer rosto ou sotaque alienígena causa receio. Enquanto estive lá, não consegui receber uma resposta direta. Acho que a primeira coisa que lhes passava pela cabeça era algo do tipo: "Quem é esse forasteiro e o que ele realmente quer de mim?".

Lembro de Alceu Amoroso Lima, via J.O. de Meira Penna: "O mineiro jamais fala, murmura. Não pensa, rumina ideias. Não discute, resmunga. Não avança, perscruta o caminho".

É verdade.


Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 10/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Zuza Homem de Mello (1933-2020) de Julio Daio Borges
02. Régis Bonvicino: voyeur-flânerie e estado crítico de Jardel Dias Cavalcanti
03. Notas Obsoletas sobre os Protestos de Duanne Ribeiro
04. Nice, Bebeth e Anjali de Marta Barcellos
05. O último exagerado de Luiz Rebinski Junior


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2010
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. O retorno à cidade natal - 24/2/2010
05. O mundo pós-aniversário - 3/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/2/2010
17h38min
Não temos em Brasilia o que seria muito interessante, a Embaixada Universal da Paz, cuja sede é em Genebra, Suíça. Mas temos Embaixadores sem Embaixadas... Neste país do futebol, embaixadas podem ter outra conotação, talvez seja isto. De fato, por aqui somos todos forasteiros e os nativos é que ainda não possuem direitos de cidadãos! É deveras intrigante, pois estes não são imigrantes!
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Adolescentes e Jovens de Populações Ribeirinhas na Amazonia
Maria Helena Ruzany e Outras
Visão Social
(2012)



Raça e Ciência - Volume I
Juan Comas & Harry I Shapiro & Kenneth Little
Perspectiva
(1970)



Desencontro do Medico Com o Paciente : o Que Pensam os Médicos ?
Maurício de Assis Tostes
Rubio
(2014)



Ioio, o Que Dança Com a Bola
Joachim Masannek
Vida e Consciencia
(2012)



Minha Ginastica Sexual
Maria Lúcia Rezende
Art
(1993)



Os Direitos da Mulher Casada
Helina de Moura Luz Rocha
Ediouro
(1980)



Direito Penal Especial Processo Penal e Direitos Fundamentais
Jose de Faria Costa
Quartier Latin
(2006)



La Modernidad Superada Arquitectura, Artre y Pensamiento Del
Josep Maria Montaner
Gustavo Gili
(1997)



Convite
Roque Jacintho
Luz no Lar
(1991)



Pecados Originais
Lisa Alther
Melhoramentos
(1982)





busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês