Jogos olímpicos na China | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Olimpíadas e China

Terça-feira, 2/9/2008
Jogos olímpicos na China
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Eles não sabem o que fazem, mas o fazem como deuses."
(Paul Valéry, em A alma e a dança)

Não há quem não admire os jogos olímpicos. Eles são, sem dúvida, mais do que um simples evento esportivo, um fato estético. Mostram a beleza não só dos corpos perfeitos, devidamente treinados para exercerem a força e a agilidade, mas também que somos mais do que a natureza, que podemos ser mais do que organismos presos aos limites de suas necessidades básicas, de sua vegetabilidade.

Há uma transcendência não metafísica, mas corporal, nos ágeis movimentos dos atletas. Eles nos dizem que mais do que simples força motora, cada movimento do corpo é também pura plasticidade e expressão do ser no espaço. Eis aí, talvez, o sucesso das olimpíadas. Fazer-nos crer que podemos transcender a força da gravidade, os limites do humano, numa forma e força que o treinamento físico pode propiciar. Tal como super-homens voadores, ou o malabarista das teias de aranha que vemos nos filmes, os atletas das olimpíadas são a possibilidade da ficção habitar o mundo real. E, ainda, elevar este fato ao seu mais raro prazer: o do gozo estético do espectador.

Paul Valéry nos ensinou sobre a sabedoria do corpo em movimento no seu livro A alma e a dança: "Um corpo, graças a sua simples força, e por seu ato, é poderoso o bastante para alterar mais profundamente a natureza das coisas do que jamais conseguiu o espírito em suas especulações e sonhos!" Não podemos deixar de pensar poeticamente nos gestos dos atletas como gestos de um bailarino que "repousa no centro de seu próprio movimento. Isolado, isolado, semelhante ao eixo do mundo".

Sonhamos com uma sabedoria e uma beleza que não derive unicamente do intelecto, mas da força viva do organismo e que esta seja traduzida numa forma. E esta forma não é outra coisa que o movimento.

Não creio que haja, portanto, outra explicação para o sucesso das olimpíadas se não esta: a de que em cada gesto, força, habilidade e plasticidade há uma transcendência da natureza humana em si mesma e uma constituição de um outro espaço do pensar para além de nossos próprios limites naturais. Sonhamos com a nossa própria transcendência ao olharmos para os atletas superando os limites de sua natureza.

Neste ano de 2008, esta celebração ocupou um espaço geográfico específico: a China. O Oriente sempre nos deslumbrou, não só como espaço do exotismo, mas como possibilidade de contraposição à nossa própria cultura greco-racionalista ou moralista judaico-cristã. No século XIX, foi motivo para a renovação do olhar europeu para as artes plásticas, recuperada sua magia com o apelo dos românticos pelo oriente exótico e irracional, colorido e sensual. No século XX, surge como contraposição à cultura alimentar-urbano-industrial cancerígena ou à velocidade estressante das vidas vazias dos grandes centros urbanos. Inventamos nosso oriente à maneira de nossas necessidades básicas de sobrevivência: seja espiritual ou física. Contrapomos a medicina oriental não-invasiva ao nosso sistema médico bisturilesco e alopático. Meditamos à luz da idéia oriental da morte do ego, nos massageamos, fazemos ioga ou tai chi chuan buscando um suposto equilíbrio entre mente e corpo como contraponto ao desequilíbrio da nossa insana vida na sociedade industrial capitalista.

Mas uma nova imagem desse oriente nos espreita, agora, no início do século XXI. A China ocupa um espaço político-econômico que desperta a atenção do mundo todo. De um mundo fechado num socialismo totalitário e misterioso tornou-se aos nossos olhos a mais potente e competitiva economia do mundo, a mais moderna e destruidora fonte dos recursos naturais, a próxima fonte de poder econômico e militar do planeta. Um possível novo império político-econômico do mundo.

Escolas de língua chinesa estão em ampla atividade. Quem dominar esta língua terá chances num mercado em crescente e rápido desenvolvimento. Livros sobre a cultura e o pensamento chinês sendo traduzidos por todas as editoras do mundo. Cursos de história e arte chinesas estão aparecendo por todos os lados do planeta. A metodologia educacional chinesa sendo estudada para ser depois copiada. Resultado de uma constatação óbvia: o futuro se chama China.

E a festa olímpica foi para a China o momento de divulgação maior de suas atividades industriais e culturais. Momento também aproveitado para lavar um pouco de sua imagem suja, desumana e totalitária como foi sempre entendida desde que o socialismo se tornou o regime de força no país.

E o esporte, como festa popular, tal qual a religião em outros tempos, ocupa um lugar privilegiado para a constituição de imagens ideológicas propícias para se vender gato como lebre, ou, como dizia o velho Lênin, para vender falsos slogans de liberdade e igualdade. Não há dúvida que também abrirá para a própria China um amplo universo de informações sobre outras culturas, mas isso talvez interesse menos a eles do que sua vontade de vender o próprio peixe (ou, melhor dizendo, suas próprias bugigangas).

O fato é que há nisso tudo uma contradição de termos. De um lado, a força viva da arte dos corpos em movimento e de outro o uso ideológico que se faz das atividades esportivas. Tal como a fé, manipulada pelo poder religioso, aqui o corpo é o instrumento moderno dos espaços da representação do poder e do capital. A beleza a serviço do encontro entre nações que serão, em futuro muito breve, os possíveis consumidores dos artefatos industriais produzidos por mão-de-obra mal-paga, num regime de trabalho semelhante ao escravista e numa modernidade irresponsável e predatória da natureza.

Há a festa e a beleza. Há também o corpo íntegro, mas há também um cheiro de suor que exala uma possível possibilidade de degradação: a morte e a desesperança num mundo futuro, repleto de bugigangas.

Uma notícia divulgada dias depois do início das olimpíadas na China dizia que a menina que cantou na abertura apenas dublou seu canto, enganando a todos que acreditavam no espetáculo, e as pegadas virtuais que sobrevoaram a cidade em direção à abertura das olimpíadas já estavam pré-gravadas, fazendo crer ao mundo que aconteciam de fato no momento de sua aparição: sinal do tamanho do simulacro que está por vir.


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 2/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
02. A pós-modernidade de Michel Maffesoli de Guilherme Carvalhal
03. Omissão de Ricardo de Mattos
04. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
05. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2008
01. Quem destruiu Anita Malfatti? - 16/9/2008
02. Escrevo deus com letra minúscula - 5/3/2008
03. Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis - 11/11/2008
04. Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz - 1/1/2008
05. Jogos olímpicos na China - 2/9/2008


Mais Especial Olimpíadas e China
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/9/2008
20h44min
Perfeito, Jardel! E, além disso tudo, apagaram da festa de abertura a história mais recente da China! Revelaram-se autênticos assassinos da memória! E quanto aos "mortos insepultos"?! Jogaram fora a sangrenta água do banho com a criança dentro! Abraços do Sílvio.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OBRAS INDIONISTAS
MANOEL RODRIGUES FERREIRA / HAROLDO CANDIDO DE OLIVEIRA / HAROLDO SCHULTZ
MELHORAMENTOS
R$ 45,00



FLÁVIO DE CARVALHO (COLEÇÃO ENCANTO RADICAL) (BIOGRAFIA)
ANTONIO CARLOS ROBERT MORAES
BRASILIENSE
(1986)
R$ 7,00



VAMOS ADIVINHAR
CHA MI-JEONG E CHOI YU-MI
CALLIS
(2010)
R$ 25,00



FRAGMENTOS DA SABEDORIA ORIENTAL - VOL 3: O LIVRO DE ARDA VIRAF
AMORC
AMORC
(1993)
R$ 12,00



QUE CHITA BACANA
RENATA MELLÃO; RENATO IMBROISI
A CASA
(2005)
R$ 199,90



A ILHA CARIBOU
DAVID VANN
RECORD
(2014)
R$ 17,00



DEMOCRACIA ,PARTICIPAÇÃO E AUTONOMIA COOPERATVA
JOSÉ ODELSO SCHNEIDER
UNISINOS
(1991)
R$ 60,00



A ECONOMIA POLÍTICA DA CRISE
MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES
VOZES
(1982)
R$ 7,00



TURISMO - FORMAÇÃO E PROFISSIONALIZAÇÃO - 30 ANOS DE HISTÓRIA
MARLENE MATIAS
MANOLE
(2002)
R$ 24,99



O COTIDIANO E A HISTÓRIA - 8ª EDIÇÃO
AGNES HELLER
PAZ E TERRA
(2008)
R$ 179,95





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês