Jogos olímpicos na China | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Publicar em papel? Pra quê?
>>> Impressões
>>> A escrita boxeur de Marcelo Mirisola
>>> Desorientação vocacional
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Montezano, do BNDES, sobre o marco do saneamento
>>> Leitor bebum começou com um gole
>>> Curtas e Grossas
Mais Recentes
>>> Golem e o Gênio: uma Fábula Eterna de Helene Wecker pela DarkSide (2015)
>>> Os Chakras: e os Campos de Energia Humanos de Shafica Karagulla, M.D. e Dora Van Gelder Kunz pela Pensamento (1991)
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai Lama pela Sextante (2000)
>>> Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2003)
>>> Minecraft Fortaleza Medieval de Mojang pela Abril (1500)
>>> Minecraft Guia de Criação de Mohang pela Abril (2017)
>>> Minecraft Guia de Exploração de Mohang pela Abril (2021)
>>> Salomé de Oscar Wilde pela Principis (2021)
>>> O Mercador de Veneza de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> Do Contrato Social de Jean - Jacques Rousseau pela Principis (2021)
>>> Kilmeny do Pomar de Lucy Maud Montgomery pela Principis (2021)
>>> A Mamãe é Rock de Ana Cardoso pela Principis (2019)
>>> Nos Bastidores Trinta Anos Escrava, Quatro Anos na Casa Branca de Elizabeth Keckley pela Principis (2021)
>>> O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas pela Principis (2021)
>>> Romeu e Julieta de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> O Condenado de Camilo Castelo Branco pela Principis (2021)
>>> The secret Agent de Joseph Conrad pela Collins Classics (2012)
>>> Vandrad, o Viking a Contenda e o Feitiço de Joseph Storer Clouston pela Principis (2021)
>>> Helena de Machado de Assis pela Principis (2021)
>>> Utopia de Thomas More pela Principis (2021)
>>> Poliana de Eleanor H. Porter pela Tricaju (2021)
>>> Cause of death de Patricia Cornwell pela Warner Books (1997)
>>> Um Inimigo do Povo de Henrik Ibsen pela Principis (2021)
>>> The Da Vinci Code de Dan Brown pela Corgi Books (2004)
>>> Little Woman de Luisa May Alcott pela Signet Classics (2012)
COLUNAS >>> Especial Olimpíadas e China

Terça-feira, 2/9/2008
Jogos olímpicos na China
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Eles não sabem o que fazem, mas o fazem como deuses."
(Paul Valéry, em A alma e a dança)

Não há quem não admire os jogos olímpicos. Eles são, sem dúvida, mais do que um simples evento esportivo, um fato estético. Mostram a beleza não só dos corpos perfeitos, devidamente treinados para exercerem a força e a agilidade, mas também que somos mais do que a natureza, que podemos ser mais do que organismos presos aos limites de suas necessidades básicas, de sua vegetabilidade.

Há uma transcendência não metafísica, mas corporal, nos ágeis movimentos dos atletas. Eles nos dizem que mais do que simples força motora, cada movimento do corpo é também pura plasticidade e expressão do ser no espaço. Eis aí, talvez, o sucesso das olimpíadas. Fazer-nos crer que podemos transcender a força da gravidade, os limites do humano, numa forma e força que o treinamento físico pode propiciar. Tal como super-homens voadores, ou o malabarista das teias de aranha que vemos nos filmes, os atletas das olimpíadas são a possibilidade da ficção habitar o mundo real. E, ainda, elevar este fato ao seu mais raro prazer: o do gozo estético do espectador.

Paul Valéry nos ensinou sobre a sabedoria do corpo em movimento no seu livro A alma e a dança: "Um corpo, graças a sua simples força, e por seu ato, é poderoso o bastante para alterar mais profundamente a natureza das coisas do que jamais conseguiu o espírito em suas especulações e sonhos!" Não podemos deixar de pensar poeticamente nos gestos dos atletas como gestos de um bailarino que "repousa no centro de seu próprio movimento. Isolado, isolado, semelhante ao eixo do mundo".

Sonhamos com uma sabedoria e uma beleza que não derive unicamente do intelecto, mas da força viva do organismo e que esta seja traduzida numa forma. E esta forma não é outra coisa que o movimento.

Não creio que haja, portanto, outra explicação para o sucesso das olimpíadas se não esta: a de que em cada gesto, força, habilidade e plasticidade há uma transcendência da natureza humana em si mesma e uma constituição de um outro espaço do pensar para além de nossos próprios limites naturais. Sonhamos com a nossa própria transcendência ao olharmos para os atletas superando os limites de sua natureza.

Neste ano de 2008, esta celebração ocupou um espaço geográfico específico: a China. O Oriente sempre nos deslumbrou, não só como espaço do exotismo, mas como possibilidade de contraposição à nossa própria cultura greco-racionalista ou moralista judaico-cristã. No século XIX, foi motivo para a renovação do olhar europeu para as artes plásticas, recuperada sua magia com o apelo dos românticos pelo oriente exótico e irracional, colorido e sensual. No século XX, surge como contraposição à cultura alimentar-urbano-industrial cancerígena ou à velocidade estressante das vidas vazias dos grandes centros urbanos. Inventamos nosso oriente à maneira de nossas necessidades básicas de sobrevivência: seja espiritual ou física. Contrapomos a medicina oriental não-invasiva ao nosso sistema médico bisturilesco e alopático. Meditamos à luz da idéia oriental da morte do ego, nos massageamos, fazemos ioga ou tai chi chuan buscando um suposto equilíbrio entre mente e corpo como contraponto ao desequilíbrio da nossa insana vida na sociedade industrial capitalista.

Mas uma nova imagem desse oriente nos espreita, agora, no início do século XXI. A China ocupa um espaço político-econômico que desperta a atenção do mundo todo. De um mundo fechado num socialismo totalitário e misterioso tornou-se aos nossos olhos a mais potente e competitiva economia do mundo, a mais moderna e destruidora fonte dos recursos naturais, a próxima fonte de poder econômico e militar do planeta. Um possível novo império político-econômico do mundo.

Escolas de língua chinesa estão em ampla atividade. Quem dominar esta língua terá chances num mercado em crescente e rápido desenvolvimento. Livros sobre a cultura e o pensamento chinês sendo traduzidos por todas as editoras do mundo. Cursos de história e arte chinesas estão aparecendo por todos os lados do planeta. A metodologia educacional chinesa sendo estudada para ser depois copiada. Resultado de uma constatação óbvia: o futuro se chama China.

E a festa olímpica foi para a China o momento de divulgação maior de suas atividades industriais e culturais. Momento também aproveitado para lavar um pouco de sua imagem suja, desumana e totalitária como foi sempre entendida desde que o socialismo se tornou o regime de força no país.

E o esporte, como festa popular, tal qual a religião em outros tempos, ocupa um lugar privilegiado para a constituição de imagens ideológicas propícias para se vender gato como lebre, ou, como dizia o velho Lênin, para vender falsos slogans de liberdade e igualdade. Não há dúvida que também abrirá para a própria China um amplo universo de informações sobre outras culturas, mas isso talvez interesse menos a eles do que sua vontade de vender o próprio peixe (ou, melhor dizendo, suas próprias bugigangas).

O fato é que há nisso tudo uma contradição de termos. De um lado, a força viva da arte dos corpos em movimento e de outro o uso ideológico que se faz das atividades esportivas. Tal como a fé, manipulada pelo poder religioso, aqui o corpo é o instrumento moderno dos espaços da representação do poder e do capital. A beleza a serviço do encontro entre nações que serão, em futuro muito breve, os possíveis consumidores dos artefatos industriais produzidos por mão-de-obra mal-paga, num regime de trabalho semelhante ao escravista e numa modernidade irresponsável e predatória da natureza.

Há a festa e a beleza. Há também o corpo íntegro, mas há também um cheiro de suor que exala uma possível possibilidade de degradação: a morte e a desesperança num mundo futuro, repleto de bugigangas.

Uma notícia divulgada dias depois do início das olimpíadas na China dizia que a menina que cantou na abertura apenas dublou seu canto, enganando a todos que acreditavam no espetáculo, e as pegadas virtuais que sobrevoaram a cidade em direção à abertura das olimpíadas já estavam pré-gravadas, fazendo crer ao mundo que aconteciam de fato no momento de sua aparição: sinal do tamanho do simulacro que está por vir.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 2/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alma indígena minha de Elisa Andrade Buzzo
02. Ah!... A Neve de Marilia Mota Silva
03. A terra da bruma, de Arthur Conan Doyle de Ricardo de Mattos
04. O medo como tática em disputa eleitoral de Humberto Pereira da Silva
05. A Copa mais triste de todos os tempos de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2008
01. Quem destruiu Anita Malfatti? - 16/9/2008
02. Escrevo deus com letra minúscula - 5/3/2008
03. Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis - 11/11/2008
04. Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz - 1/1/2008
05. Jogos olímpicos na China - 2/9/2008


Mais Especial Olimpíadas e China
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/9/2008
20h44min
Perfeito, Jardel! E, além disso tudo, apagaram da festa de abertura a história mais recente da China! Revelaram-se autênticos assassinos da memória! E quanto aos "mortos insepultos"?! Jogaram fora a sangrenta água do banho com a criança dentro! Abraços do Sílvio.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor Sexo e Erotismo
Dr Galdino Nunes Vieira
Casa Publicadora Brasileira
(1978)



Sql Fundamentos
John J Patrick
Berkeley
(2002)



Dissertando Sobre Voz - Volume 2. Série Interfaces
Leslie Piccolotto Ferreira
Pró-fono
(1998)



Restituição
Robson Rodovalho
Sara Brasil
(2014)



História Universal Terceiro Volume
H. G. Wells
Livros do Brasil



A Coruja Sabida e o Caso do Bichinho-chorão
W. L. Ducca
Nacional
(1986)



A Titularidade dos Direitos Fundamentais na Constituição Federal
Anelise Coelho Nunes
Livraria do Advogado
(2007)



We Remember: Women Born At the Turn of the Century Tell the Stori
Jeanne Marie Laskas; Lynn Johnson
William Morrow
(1999)



Farda Fardão Camisola de Dormir
Jorge Amado
Círculo do Livro



Vivendo o Mais Além
Antonio Baduy Filho
Ide
(2017)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês