Jogos olímpicos na China | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
Mais Recentes
>>> A Loucura de Tristão (La Folie Tristan) de Anônimo Francês do Século XII(Trad.? Autografo): G. D. Leoni pela Rassegna Brasiliana/ SP. (1965)
>>> A Religião viva do Cristo de Cesar D' Almeida Campos pela Livraria Cultura (1951)
>>> Evangelho da Solidão de Eduardo de Oliveira pela Cupolo (1969)
>>> Villa-Rica de Alcibiades Delamare pela Nacional (1935)
>>> Revista do Arquivo Municipal Clxvii (167) de Nicanor Miranda/alceu Maynard Araújo pela Depart. de Cultura (1962)
>>> La Celestina de Fernando de Rojas pela Madrid (1959)
>>> Economia e Sociologia de Adolf Lowe pela Revista Forense (1956)
>>> Movimento Praieiro:imprensa, Ideologia e Poder Politico de Izabel Andrade Marson pela Contemporanea (1980)
>>> Perfil do Mercado Consumidor:de Santo André e da Grande São Paulo de Felicio P. Benatti pela Fund. Santo André (1969)
>>> A Força Invisível de Wayne W. Dyer pela Sextante (2007)
>>> Revista de Educação:AEC, A Atualidade do Começo. Ano. 35 julho / Se... de Olmira Bernadete Dassoler pela Salesianas (2006)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> XXll de Agosto de Nelson de Souza Carneiro pela Nacional (1933)
>>> São Francisco de Sales de Abbe Jacques Leclerq pela Vozes (1957)
>>> Os Dogmas do Espiritismo de Rosalina Calmon dos Santos pela Arte Moderna
>>> La puerta Cerrada de Simón H. pela Esoteria (1981)
>>> Os Galos da Aurora de Hélio Pólvora pela Civilização Brasileira (1958)
>>> O Triumpho das Forças Mentaes de O. S. Marden pela América Latina (1929)
>>> Anuário Militar 1987 de John Pimlott pela Globo (1987)
>>> Cannaviaes de Alberto Deodato pela Rio de Janeiro (1922)
>>> Introdução á Poesia de Augusto dos Anjos de Júlio de Oliveira Martins pela Livraria Brasil (1958)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> Trinta Anos Depois da Volta de Octavio Costa pela Biblioteca do Exército (1976)
>>> 2194 Giorni Di Guerra de Mondadori pela Ediouro (1979)
>>> Encyclopedia of the Vietnam War de Stanley I. Kutler pela Charles Scribners (1996)
>>> O Encontro Marcado de Fernando Sabino pela Record (1988)
>>> Foguetes e Mísseis da III Guerra Mundial de Robert Berman e Bill Gunston pela Livro Técnico S/A (1983)
>>> A Segunda guerra mundial (Vol. 2 Somente esse Volume) de Raymond Cartier pela Primor (1975)
>>> Os Aviões de Enzo Angelucci pela Arnoldo Mondadori (1975)
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
COLUNAS >>> Especial Olimpíadas e China

Terça-feira, 2/9/2008
Jogos olímpicos na China
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Eles não sabem o que fazem, mas o fazem como deuses."
(Paul Valéry, em A alma e a dança)

Não há quem não admire os jogos olímpicos. Eles são, sem dúvida, mais do que um simples evento esportivo, um fato estético. Mostram a beleza não só dos corpos perfeitos, devidamente treinados para exercerem a força e a agilidade, mas também que somos mais do que a natureza, que podemos ser mais do que organismos presos aos limites de suas necessidades básicas, de sua vegetabilidade.

Há uma transcendência não metafísica, mas corporal, nos ágeis movimentos dos atletas. Eles nos dizem que mais do que simples força motora, cada movimento do corpo é também pura plasticidade e expressão do ser no espaço. Eis aí, talvez, o sucesso das olimpíadas. Fazer-nos crer que podemos transcender a força da gravidade, os limites do humano, numa forma e força que o treinamento físico pode propiciar. Tal como super-homens voadores, ou o malabarista das teias de aranha que vemos nos filmes, os atletas das olimpíadas são a possibilidade da ficção habitar o mundo real. E, ainda, elevar este fato ao seu mais raro prazer: o do gozo estético do espectador.

Paul Valéry nos ensinou sobre a sabedoria do corpo em movimento no seu livro A alma e a dança: "Um corpo, graças a sua simples força, e por seu ato, é poderoso o bastante para alterar mais profundamente a natureza das coisas do que jamais conseguiu o espírito em suas especulações e sonhos!" Não podemos deixar de pensar poeticamente nos gestos dos atletas como gestos de um bailarino que "repousa no centro de seu próprio movimento. Isolado, isolado, semelhante ao eixo do mundo".

Sonhamos com uma sabedoria e uma beleza que não derive unicamente do intelecto, mas da força viva do organismo e que esta seja traduzida numa forma. E esta forma não é outra coisa que o movimento.

Não creio que haja, portanto, outra explicação para o sucesso das olimpíadas se não esta: a de que em cada gesto, força, habilidade e plasticidade há uma transcendência da natureza humana em si mesma e uma constituição de um outro espaço do pensar para além de nossos próprios limites naturais. Sonhamos com a nossa própria transcendência ao olharmos para os atletas superando os limites de sua natureza.

Neste ano de 2008, esta celebração ocupou um espaço geográfico específico: a China. O Oriente sempre nos deslumbrou, não só como espaço do exotismo, mas como possibilidade de contraposição à nossa própria cultura greco-racionalista ou moralista judaico-cristã. No século XIX, foi motivo para a renovação do olhar europeu para as artes plásticas, recuperada sua magia com o apelo dos românticos pelo oriente exótico e irracional, colorido e sensual. No século XX, surge como contraposição à cultura alimentar-urbano-industrial cancerígena ou à velocidade estressante das vidas vazias dos grandes centros urbanos. Inventamos nosso oriente à maneira de nossas necessidades básicas de sobrevivência: seja espiritual ou física. Contrapomos a medicina oriental não-invasiva ao nosso sistema médico bisturilesco e alopático. Meditamos à luz da idéia oriental da morte do ego, nos massageamos, fazemos ioga ou tai chi chuan buscando um suposto equilíbrio entre mente e corpo como contraponto ao desequilíbrio da nossa insana vida na sociedade industrial capitalista.

Mas uma nova imagem desse oriente nos espreita, agora, no início do século XXI. A China ocupa um espaço político-econômico que desperta a atenção do mundo todo. De um mundo fechado num socialismo totalitário e misterioso tornou-se aos nossos olhos a mais potente e competitiva economia do mundo, a mais moderna e destruidora fonte dos recursos naturais, a próxima fonte de poder econômico e militar do planeta. Um possível novo império político-econômico do mundo.

Escolas de língua chinesa estão em ampla atividade. Quem dominar esta língua terá chances num mercado em crescente e rápido desenvolvimento. Livros sobre a cultura e o pensamento chinês sendo traduzidos por todas as editoras do mundo. Cursos de história e arte chinesas estão aparecendo por todos os lados do planeta. A metodologia educacional chinesa sendo estudada para ser depois copiada. Resultado de uma constatação óbvia: o futuro se chama China.

E a festa olímpica foi para a China o momento de divulgação maior de suas atividades industriais e culturais. Momento também aproveitado para lavar um pouco de sua imagem suja, desumana e totalitária como foi sempre entendida desde que o socialismo se tornou o regime de força no país.

E o esporte, como festa popular, tal qual a religião em outros tempos, ocupa um lugar privilegiado para a constituição de imagens ideológicas propícias para se vender gato como lebre, ou, como dizia o velho Lênin, para vender falsos slogans de liberdade e igualdade. Não há dúvida que também abrirá para a própria China um amplo universo de informações sobre outras culturas, mas isso talvez interesse menos a eles do que sua vontade de vender o próprio peixe (ou, melhor dizendo, suas próprias bugigangas).

O fato é que há nisso tudo uma contradição de termos. De um lado, a força viva da arte dos corpos em movimento e de outro o uso ideológico que se faz das atividades esportivas. Tal como a fé, manipulada pelo poder religioso, aqui o corpo é o instrumento moderno dos espaços da representação do poder e do capital. A beleza a serviço do encontro entre nações que serão, em futuro muito breve, os possíveis consumidores dos artefatos industriais produzidos por mão-de-obra mal-paga, num regime de trabalho semelhante ao escravista e numa modernidade irresponsável e predatória da natureza.

Há a festa e a beleza. Há também o corpo íntegro, mas há também um cheiro de suor que exala uma possível possibilidade de degradação: a morte e a desesperança num mundo futuro, repleto de bugigangas.

Uma notícia divulgada dias depois do início das olimpíadas na China dizia que a menina que cantou na abertura apenas dublou seu canto, enganando a todos que acreditavam no espetáculo, e as pegadas virtuais que sobrevoaram a cidade em direção à abertura das olimpíadas já estavam pré-gravadas, fazendo crer ao mundo que aconteciam de fato no momento de sua aparição: sinal do tamanho do simulacro que está por vir.


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 2/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
02. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
03. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
04. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
05. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2008
01. Quem destruiu Anita Malfatti? - 16/9/2008
02. Escrevo deus com letra minúscula - 5/3/2008
03. Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis - 11/11/2008
04. Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz - 1/1/2008
05. Jogos olímpicos na China - 2/9/2008


Mais Especial Olimpíadas e China
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/9/2008
20h44min
Perfeito, Jardel! E, além disso tudo, apagaram da festa de abertura a história mais recente da China! Revelaram-se autênticos assassinos da memória! E quanto aos "mortos insepultos"?! Jogaram fora a sangrenta água do banho com a criança dentro! Abraços do Sílvio.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REFLEXÕES SOBRE A HISTÓRIA DAS RELAÇÕES BRASIL ARGENTINA; A EVOLU
REVISTA ECONOMIA RELAÇÕES INTERNACIONAIS, 10
FAAP
(2007)
R$ 26,28



MAOMÉ E O ISLAM
THEODORE M. R. VON KELER
EDIOURO
(1984)
R$ 10,00



MENSAGENS E SINAIS
LUIS J. PRIETO
CULTRIX
(1973)
R$ 9,00



O AMANHÃ A DEUS PERTENCE
ZIBIA GASPARETTO
VIDA & CONSCIÊNCIA
(2007)
R$ 9,00



TEORIAS E PRÁTICA DO ENSINO PROGRAMADO
JERRY POCZTAR
FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS
(1972)
R$ 11,90



PERSONALIDADE(S) EMOCIONALMENTE INTELIGENTE(S)?
SONIA BRITO-COSTA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 559,00



A HISTÓRIA DO FIM
JANUARIA CRISTINA ALVES
CARAMELO
(2001)
R$ 4,00



DIVERGENTE: UMA ESCOLHA PODE TE TRANSFORMAR - VOL.1 - SÉRIE DIVERGENTE
VERONICA ROTH
ROCCO
(2012)
R$ 31,52



ADIVINHE QUEM É EM MOVIMENTO
JEANNETTE ROWE
CIRANDA CULTURAL
(2011)
R$ 14,00



IV CONGRESSO DE ENGENHARIA CIVIL
VÁRIOS ORGANIZADORES
INTERCIÊNCIA
(2000)
R$ 45,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês