Alceu Penna e as garotas do Brasil | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gilberto Gil: Cultura Viva
>>> Histórias Extraordinárias, de Edgar Allan Poe
>>> 2006, o ano dos livros
>>> Na toca dos leões
>>> O nome da morte
>>> 7 de Setembro
>>> Sobre Paraíso Tropical
>>> Bernardo Carvalho e a arte da fuga
>>> Uma feira (in)descritível
>>> Quem tem medo do Besteirol?
Mais Recentes
>>> A Educação Sexual de Nossos Filhos- Uma Visão Contemporânea de Ronald Pagnoncelli de Souza pela Mercado Aberto (1993)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Autores Diversos pela Feesp (1991)
>>> O Monge e o Executivo de James C. Hunter pela Sextante (2004)
>>> Quem Mexeu no mau Queijo de Spencer Jonhson, M.D. pela Record (2007)
>>> O Quinto Evangelho de Apóstolo Tomé pela Martin Claret (2005)
>>> Companheiros de Jornada de Anngela Marcondes Jabor pela Mystic (2004)
>>> Curso de Educação Mediúnica 2º Ano de Autores Diversos pela Feesp (1991)
>>> Vendo o Invisível de Argemiro Figueiro pela Adhonep (1998)
>>> Meu Anjo de Fausto Oliveira pela Seame (1996)
>>> Anjos da Caridade de Irmão Virgílio pela Petit (2007)
>>> Sou Exu Eu sou a Luz ... de Joice Piacente pela Madras (2013)
>>> Combatendo o Inimigo de Antonio Carlos Rodrigues de Moraes pela Gente (1999)
>>> Maiores de 40 de Maria Tereza Maldonado e Alberto Goldin pela Saraiva (1995)
>>> A Maior Esperança de Luís Gonçalves E Diego Cavalcanti pela Cpb (2019)
>>> Descubra sua Essência Espiritual de Iyanla Vanzant pela Sextante (2007)
>>> 208 Maneiras de Deixar um Homem Louco de Desejo de Margot Saint- Loup pela Ouro (1999)
>>> Me Apaixonei por um Idiota de Marcelo Puglia pela Matrix (2009)
>>> A Maior Jornada de Todos os Tempos de Amilcar Del Chiaro Filho pela Minas (2002)
>>> Milagres que A Medicina não Contou de Dr. Roque Marcos Savioli pela Ágape (2002)
>>> Gotas de Cura Interior de Pe. Léo, SCJ pela Canção Nova (2006)
>>> Encanto Das Fabulas - V. 2 de Mauricio Heitor pela Base (2012)
>>> De Menina a Mulher de Drica Pinotti pela Alegro (2001)
>>> Dez Amores de Mlacolm Montgomery pela Gente (2000)
>>> Não Leve a Vida tão a Sério de Hugh Prather pela Sextante (2003)
>>> A Hora da Virada de Cyro Masci pela Saraiva (1994)
COLUNAS

Segunda-feira, 11/7/2011
Alceu Penna e as garotas do Brasil
Gian Danton

+ de 6000 Acessos

O escritor Gonçalo Júnior tem se destacado como o grande cronista da história da imprensa nacional. Seu livro A guerra dos gibis (Companhia das Letras, 2004) tornou-se ponto de referência fundamental para qualquer um que queira entender a formação editorial brasileira. Esse resgate tem continuado em outras como O Homem Abril (Opera Graphica, 2005), Maria Erótica e o clamor do Sexo (Kalako, 2010) e agora em Alceu Penna e as garotas do Brasil, lançado recentemente pela editora Amarilys.

O autor tem contado a história das publicações e editoras através de um ou mais de seus protagonistas. No livro em questão, o foco da narrativa é o desenhista Alceu Penna, autor de uma das mais importantes e influentes colunas da revista O Cruzeiro.

Hoje é difícil imaginar que uma publicação impressa tivesse tanto impacto na sociedade como foi o caso da Cruzeiro. A revista tinha uma tiragem média de 500 mil exemplares semanais na década de 1950. Segundo Gonçalo Júnior, o impacto era equivalente ao que temos hoje em programas como o Fantástico: "Aparecer em suas páginas - de modo positivo ou negativo - portanto, implicava notoriedade instantânea".

Numa época em que a televisão ainda estava engatinhando no Brasil, a revista influenciava o jeito de pensar, agir e até de se vestir da população brasileira e nesse ponto, o impacto da produção de Alceu em sua coluna As garotas do Brasil foi enorme: "Alceu Penna foi o criador da garota-padrão do Rio, do ideal de beleza que correria o mundo muito antes de Tom Jobim e Vinícius de Moraes comporem 'Garota de Ipanema'".

Essas garotas prenunciaram, pregaram e difundiram, no período de 1938 a 1964, as tendências de liberdade, independência e emancipação da mulher ocidental. A brasileira só conseguiria o direito de trabalhar fora sem autorização do pai ou do marido em 1962, com o Estatuto da Mulher Casada, mas muito antes disso, já eram independente na coluna de Alceu. Eram mulheres chiques, elegantes, sedentas de aventura e liberdade. Segundo Gonçalo, o desenhista fez de sua coluna um panfleto de emancipação feminina, com sugestões de como explorar todas as formas possíveis de liberdade num país de tradição machista.

O livro foi escrito graças à ajuda de Tereza Penna, irmã do artista, que franqueou ao autor toda uma muito bem organizada biblioteca inclusive com desenhos inéditos - um dos pontos interessantes do livro é justamente a comparação entre os desenhos iniciais, mais desinibidos e a versão mais comportada exigida por editores e proprietários de empresas que encomendavam os trabalhos.

A sensualidade, aliás, já era destacada por Alceu desde o colégio, quando o garoto comportado fazia desenhos eróticos que eram muito admirados pelos colegas. Conta-se que uma vez um amigo o advertiu que ele seria expulso se o padre que estava lecionando naquele momento visse o desenho que ele fazia. "Relaxa", respondeu Alceu "Quando ele chegar aqui a garota já estará vestida".

Apesar desse início libidinoso, Alceu nunca levou seu traço para a pornografia. O erotismo de suas mulheres era elegante e refinado, o que foi, em grande parte, causa do seu grande sucesso na sociedade carioca da primeira metade do século XX. E, provavelmente, foi o que fez com que ele conseguisse um lugar de destaque numa das principais revistas da época, O Cruzeiro.

A revista surgira com a proposta de ser grandiosa e de revolucionar o mercado editorial brasileiro. A campanha de lançamento tinha o objetivo de mostrar essa grandiosidade. Em pleno calor de dezembro o dono da publicação, o empresário Assis Chateaubriand inventou de dar um efeito visual de que estava nevando. Foram jogados do alto dos prédios quatro milhões de folhetos. Os motoristas buzinavam, como se fosse carnaval, e a maioria das pessoas se abaixou para ver o que dizia o papel impresso. Todos eles traziam a mesma mensagem: "Compre amanhã O Cruzeiro, em todos os jornaleiros, a revista contemporânea dos arranha-céus".

O primeiro número era chique, com o close de uma linda mulher fazendo biquinho com olhar sensual. Era impressa em quatro cores sob fundo prata com o título em vermelho ao lado do cruzeiro do sul em branco.

Impressionou num primeiro momento, mas foi perdendo leitores e já estava para fechar as portas quando Alceu Penna compareceu à redação com seus desenhos. Na época, a revista passava pela primeira reformulação, realizada pelo jornalista Accioly Netto, o mesmo que se encantou com o desenho de Alceu e o contratou. Ao assumir a revista, Accioly descobriu que a administração era amadora e ineficiente, a redação era um caos: não havia dinheiro para fazer a revista, nem anunciantes. A maioria dos colaboradores nem entregavam mais seus trabalhos em decorrência dos atrasos nos pagamentos.

Accioly abriu a página da revista para reportagens e coberturas de eventos como o carnaval e desfiles, onde eram conseguidas fotos a baixo custo - na maioria das vezes de graça - que embelezavam as páginas da revista. Havia até uma coluna de um suposto correspondente em Hollywood, que na verdade era escrita por Accioly que usava fotos e informações fornecidas pelas distribuidoras interessadas em promover seus filmes.

Um dos grandes sucessos da renovação foi o destaque dado à moda e ao universo feminino. Sabedor de que boa parte do público leitor era composto por mulheres, Accioly investiu em colunas para elas - a mais famosa dela seria "As garotas do Brasil", assinada por Alceu Penna, que daria o tom da moda usada por mulheres no Brasil em pelo menos duas décadas, a ponto das garotas recortarem páginas da revista e levarem para costureiras copiarem os modelos.

A trajetória dos dois, revista e artista é acompanhada passo a passo por Gonçalo, até mesmo nos seus momentos mais embaraçosos, como na relação conflituosa de Alceu com inescrupuloso repórter David Nasser.

Com seu texto fluído, Gonçalo Júnior consegue prender a atenção do leitor para a história de um desenhista injustamente esquecido pelos leitores atuais.

De negativo mesmo, só o formato o livro. Vertical, ele dificulta o manuseio, o armazenamento e ainda dá pouco destaque para algumas das obras de Alceu impressas no livro, em especial os quadrinhos, que precisam de uma lupa para serem lidos.


Gian Danton
Goiânia, 11/7/2011


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2011
01. Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito - 28/2/2011
02. Hells Angels - 20/6/2011
03. Medo e Delírio em Las Vegas - 9/5/2011
04. Walter Benjamin, a arte e a reprodução - 14/11/2011
05. Melhores de 2010 - 3/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guerra Submarina
Revista Militar Ciência e Tecnologia, Vol 23
Bibliex
(2006)



Quatro Baianos Porretas: Castro Alves, Carlos Marighella, Glauber
Silvio Tendler
Garamond Universitaria
(2011)



Três Autos
Gil Vicente
Ediouro
(1997)



Que Nossos Olhos Se Abram
Conferência dos Religiosos do Brasil
Nacional
(2011)



A Exclusão Legal da População Carente - Política Públicas Direitos Fun
Alexandre Lobão Rocha
Thesaurus
(2009)



Orientação Educacional - uma Experiência Em Desenvolvimento
Maria Teresa Freitas Ribeiro / Teresinha de Pai...
E. P. U.
(1984)



Negative Schizophrenic Symptoms: Pathophysiology and Clinical Imp
John F. Greden, Rajiv Tandon (edited) Capa Du
American Psychiatric Press
(1990)



La France Communiste: un Etat Dans Letat
Jean Montaldo
Albin Michel (paris)
(1978)



Dona Flor da Cidade da Bahia
Benedito Veiga
7 Letras
(2006)



Perdas & Ganhos
Lya Luft
Record
(2004)





busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês