Walter Benjamin, a arte e a reprodução | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pousada e Recanto dos Pássaros – Sítio Vô Elias Maffei
>>> Coreógrafa carioca Esther Weitzman ministra oficina gratuita de dança no Sesc Santana
>>> Caleidos apresenta “Entrevista” para gestores e professores da rede pública de São Paulo
>>> É HOJE (30/9): Mostra Imaginários no Cine Bijou
>>> Etapa apresenta concerto gratuito da Camerata Fukuda com o violinista Ricardo Herz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 50 anos de Bossa Nova
>>> O humor da Belle Époque
>>> 24 de Março #digestivo10anos
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Kindle DX salvando os jornais?
>>> A Casa de Ramos
>>> Reconhecimento
>>> A hora exata em que me faltaram as palavras
>>> Salão do Livro para crianças
Mais Recentes
>>> Os Pensadores- Vida e Obra (1694-1778) de Voltaire pela Abril (1978)
>>> Iluminando o Morrer de Júlio de Queiroz pela Insular (2007)
>>> Marketing sem Pena - Só Quem Anuncia Vende Dúzias de Antonio Trotta pela Gutenberg (2004)
>>> Diogo & Diana - a Trilha da Lua Cheia de Tabajara Ruas e Nei Duclós pela Galera Record (2011)
>>> Marketing For Hospitality and Tourism de Philip Kotler John Bowen James Makens pela Prentice Hall (1999)
>>> A Força da Mente de Heigorina Cunha pela Instituto de Difusão Espírita (2006)
>>> Coração Estranho de Jakson Luiz Collaço pela Do Autor (2006)
>>> Meus Filhos - 14ª Edição de A Balbach pela Edel
>>> Os Gaúchos e o Churrasco, uma Jornada ao Redor do Fogo de Ricardo Bueno pela Quattro (2018)
>>> Rifare La Casa a Trem Po Di Record , Le Case Disegnate Dal Clima de Varios Autores pela Do Autor (1977)
>>> Tia Magi Ensina o Abracadabra de Terence Blacker pela Melhoramentos (1998)
>>> Análise de Projetos de Investimento de Paulo Henrique Soto Costa Ediardo Vieira Attie pela Fundação Getúlio Vargas (1984)
>>> O Escravismo Antigo de Mario José Mastri Filho pela Atual (1985)
>>> Intimidades: Em Busca do Amor-perfeito de Rita Fedon pela Imprensa Livre (2006)
>>> Calentura de Paulo Aberto e Monteiro de Barros pela Nova Fronteira (1986)
>>> Medicina e Manipulação de Bernhard Haering pela Paulinas (1977)
>>> Exercise Electrocardiography de Edward K. Chung pela Williams & Wilkins (1984)
>>> Vi Simpósio Latinoamericano de Aquicultura de Associação Latinoamericana de Aquicultura pela Abraq (1988)
>>> Antibióticos na Prática Médica de Amato Neto e Outros pela Gremed (1978)
>>> O Policial Militar e o Estatuto da Criança e do Adolescente de Silva Dejai Pinto Coordenação pela Ioesc
>>> Política Cultural - Série Tempo de Pensar de Marilena Chauí e Outros pela Mercado Aberto (1984)
>>> Psicologia Geral - Elementos de Psicologia de Abel B Pereira pela Do Autor
>>> A Literatura Brasileira no Século XX - Série Revisão 13 de José Hildebrando Dacanal pela Mercado Aberto (1984)
>>> A Economia da Transformação de Carlos Geraldo Langoni pela Bibliex (1976)
>>> Orientação Alimentar do Lactente de Orlando a Monassa pela Ufpr (1984)
COLUNAS

Segunda-feira, 14/11/2011
Walter Benjamin, a arte e a reprodução
Gian Danton

+ de 7400 Acessos

Geralmente, quando se fala de Meios de Comunicação de Massa e Escola de Frankfurt, a maioria das pessoas lembra da visão apocalíptica de Adorno, de negação em bloco de todo produto cultural: filmes, quadrinhos, novelas, etc. Mas poucos se lembram de um dos primeiros filósofos da escola e sua análise apurada de como as técnicas de reprodução estavam mudando os conceitos de arte. Trata-se de Walter Benjamin.

Walter Benjamin teve uma vida trágica e marcada pela inquietação intelectual. Foi influenciado pelo marxismo e pelo misticismo judaico. Como a chegada do nazismo ao poder, Benjamin refugiou-se em Paris. Após a derrota da França na guerra contra a Alemanha, o filósofo decidiu fugir pela fronteira espanhola. Ao saber que a fronteira estava fechada, ele voltou para o hotel e se suicidou tomando uma grande quantidade de morfina. A fronteira abriu no dia seguinte.

Entre os seus textos mais importantes está A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica, no qual ele explica como o cinema e a fotografia estavam destruindo a "aura" da obra de arte.

Benjamin explica que durante milênios, toda obra de arte tinha duas características: a autenticidade e a aura.

A autencidade está ligada ao fato de que cada obra de arte é única. Um quadro, por exemplo tem características que não podem ser reproduzidas. Por mais que ele seja impresso, perde-se a textura do suporte, o relevo da tinta, assim como toda a história por trás daquela obra específica, inclusive com referência às pessoas que o possuíram. Mesmo no caso de uma fraude muito bem realizada, a cópia nunca será igual ao original. Da mesma forma, cada escultura grega é única e mesmo alterações pelas quais ela passou (no caso das peças quebradas) aumentam seu valor de unicidade. Segundo Benjamin, "O que faz com que uma coisa seja autêntica é tudo aquilo que ela contém de originalmente transmissível".

A aura, por sua vez, está ligada à origem religiosa da arte.

Quando o homem começou a produzir as primeiras pinturas rupestres, elas não tinham o objetivo de ornamentar as cavernas, mas de realizar uma espécie de magia. Acreditava-se que o que era reproduzido na pintura se tornaria realidade. Assim, o desenho de uma caçada feliz faria com que a tribo tivesse sucesso na caçada. As obras de arte nascem a serviço de um ritual, inicialmente mágico, depois religioso. Sua exposição aos homens era incidental: na verdade, a pintura destinava-se sobretudo ao mundo espiritual.

Esse caráter místico faz com que muitas vezes a obra de arte seja guardada em segredo. Os templos gregos eram construídos para abrigar as estátuas dos deuses, mas o ritual se passava do lado de fora. Na igreja católica, as figuras das virgens permanecem guardadas a maior parte do ano e só são visualizadas em momentos muito especiais, como ocorre com o Círio de Nazaré, em Belém. Conforme a arte foi se desvinculando do uso ritual, aumentaram as possibilidades das obras serem expostas. O quadro, por exemplo, tem muito mais possibilidades de ser transportado e exposto do que um mosaico.

Mas, se por um lado a arte se desvinculava da sua função religiosa, continuava tendo uma espécie de mística. A arte continuava sendo algo de uma minoria privilegiada, geralmente as pessoas de maior poder aquisitivo. Tornou-se, inclusive, um símbolo de status.

O surgimento da fotografia abalou os alicerces da arte, empurrando para segundo plano o seu valor de culto. Além de representar a realidade, a fotografia era passível de reprodução e quebrava totalmente com a ideia de autenticidade. Qual das cópias de uma foto é a original?

De acordo com Benjamin, a fotografia, ao retirar da arte o critério de autenticidade, fez com que toda a função da arte fosse subvertida: "Em lugar de repousar sobre o ritual, ela se funda agora sobre uma outra forma de práxis: a política". Se a fotografia provocou uma revolução na arte, o cinema provocou um estrago ainda maior. Até mesmo a atuação dos atores deixou de ter aura ou unicidade.

Se no teatro, cada atuação é única e o ator interpreta para o público, no cinema, os atores interpretam para a câmera e sua atuação é fragmentada. Um personagem se aproxima de uma porta, a abre e sai. A cena seguinte, pode ser gravada semanas depois dessa. No cinema, a atuação dos atores só se concretiza na mesa de montagem.

Esse sistema quebra com a aura da atuação, que só sobrevive, no cinema comercial, através do star system, no culto à estrela (um tema muito bem analisado por Edgar Morin no livro As estrelas). Para Benjamin, se não for tratado como produto, o cinema permite não só uma crítica revolucionária das antigas concepções de arte, como favorece uma crítica revolucionária das relações sociais. Isso ocorre porque o cinema tira o expectador da condição de simples contemplação e o leva à condição táctil. Ou seja, no cinema o público quer não só assistir, mas interagir, e essa interação leva à revolução tanto na arte quanto na sociedade. Walter Benjamim certamente devia estar pensando no cinema revolucionário russo, que usava pessoas do povo como atores quando escreveu suas reflexões.

A idéias de Benjamin fizeram pouco sucesso na época, e só foram resgatadas graças ao amigo Adorno, que, no entanto, achava suas reflexões ingênuas. Passado quase um século de seus primeiros escritos, o pensamento desse autor continua cada vez mais atual, especial pela compreensão impar sobre a arte e sobre a forma como o surgimento dos meios de comunicação de massa mudou nossa percepção a respeito dessa.


Gian Danton
Goiânia, 14/11/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Antonia, de Morena Nascimento de Elisa Andrade Buzzo
02. O retrato da Cidade de Elisa Andrade Buzzo
03. Paulo Francis não morreu de Tais Laporta
04. Jack Nickolson arrasa em As Confissões de Schmidt de Clarissa Kuschnir


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2011
01. Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito - 28/2/2011
02. Hells Angels - 20/6/2011
03. Medo e Delírio em Las Vegas - 9/5/2011
04. Melhores de 2010 - 3/1/2011
05. Walter Benjamin, a arte e a reprodução - 14/11/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Férias na Draculândia
Carlos Queiroz Telles e Eneas Carlos Pereira
Ftd
(1991)



O Corpo Traído
Alexander Lowen
Summus Editorial
(1979)



Livro - A Linha de Sombra
Joseph Conrad
Biblioteca Folha
(2003)



Psicologia Nas Organizações/ 3ª Ed
Paul E. Spector
Saraiva
(2010)



Antigos e Modernos Diálogos Sobre a (Escrita da) História
Francisco Murari Pires
alameda
(2009)



Epistemologia das Ciências Hoje
Carlos Henrique Escobar
pallas
(1975)



Dominando Netbeans
Edson Gonçalves
Ciência Moderna
(2006)



Os Magnatas - Confira !!!
Charles R. Morris
L&pm Editores
(2006)



Gendarme
Mark T. Mustian
Record
(2011)



Anjos, Demônios e Espíritos
Francisco Cartaxo Rolim
vozes
(1998)





busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês