Práticas inconfessáveis de jornalismo | Adriana Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
82559 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sugestão de pauta - Lançamento 'Presenças' de Millo Ribeiro
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poesia em Xadrez, BH
>>> O filósofo da contracultura
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> 1984, de George Orwell, com Fromm, Pimlott e Pynchon
>>> Hora de parar... ou de voltar!
>>> Do Comércio Com Os Livros
>>> Em Londres, à caça do mito elementar
>>> A poética anárquica de Paulo Leminski
>>> Sem nada para ler
>>> Uma História do Mercado Livre
Mais Recentes
>>> Férias, amor e chocolate quente de Patrícia Barboza pela Verus (2017)
>>> Quase Santo de Anne Tyler pela Companhia das Letras (1992)
>>> Preparacion de motores para auto de competicion de Federico Kirbus pela Federal-Mogul (1974)
>>> Introdução ao novo testamento de Raymond E. Brown pela Paulinas (2004)
>>> Você Sabe Estudar? de Claudio de Moura Castro pela Penso Editora Ltda
>>> Você sabe conversar? de Pedro Bloch pela Revinter (2003)
>>> O Mestre e o Herói de Domingos Pellegrini pela Moderna (2006)
>>> Escola estadual especial Renascença: Cinquenta anos de história (1956-2006) de WS editor pela WS editor (2006)
>>> Contra a Maré Vermelha de Rodrigo Constantino pela Editora Record
>>> Missão como com-paixão de Roberto E. Zwetsch pela Sinodal (2008)
>>> História das ideias pedagógicas de Moacir Gadotti pela Ática (2005)
>>> A Irmã de Freud de Goce Smilevski pela Editora Bertrand Brasil Ltda
>>> Os Des Mandamentos (+1) de Luiz Felipe Pondé pela Três estrelas
>>> Meu Colóquio Litúrgico Com Deus Vol 3 - A Liturgia Contemplada de Dom Dadeus Grings pela Evangraf (2008)
>>> O livro de Marina: a formiguinha que se enamorou do sol de Adelino Gabriel Pilonetto pela ESTEF (2018)
>>> Monsignor Luigi Talamoni: Tutto è nulla se non è nell'amore di Dio de Cristina Siccardi pela San Paolo (2004)
>>> Farewell de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1996)
>>> Tristão e Isolda - O Mito da Paixão de Maria Nazareth Alvim de Barros pela Mercuryo (1996)
>>> Apostila manual de peças e serviços Faet de Parcelias pela Parcelias (2006)
>>> Apostila Parâmetros Curriculares Nacionais. História - Geografia. de Ministério da Educação pela Mec (1997)
>>> Soul Mates: Honoring the Mysteries of Love and Relationship de Thomas Moore pela Harper Collins (1998)
>>> Apostila "A mais nova maneira de trabalhar em casa" de Vários pela Herba (2006)
>>> Apostila Sebrae "As relações Humanas no trabalho" de Sarah Araújo da Silva pela Sebrae (2001)
>>> Ciências Para Nosso Tempo 9° Ano de Washington Carvalho - João Alves - Laércio Caetano. pela Positivo (2011)
>>> Puer Aeternus: a Luta do Adulto Contra o Paraíso da Infância de Marie-Louise von Franz pela Paulinas (1992)
>>> A Era da Manipulação de Wilson Bryan Key pela Scritta (1993)
>>> Revista a Bíblia no Brasil n°257 ano 69 de Vários pela Sbb (2018)
>>> Relações humanas na família e no trabalho de Pierre Weil pela Vozes (1992)
>>> Alter Ego+ A1 - Cahier d'activités de Annie Berthet, Emmanuelle Daill, Catherine Hugot e Monique Waendedries pela Hachette (2015)
>>> Educar para um outro mundo possível de Moacir Gadotti pela Publisher (2007)
>>> Contabilidade 3D - questões comentadas FCC + teoria sintetizada de Sérgio Adriano pela Método (2012)
>>> Planejar gêneros acadêmicos de Anna Rachel Machado (coordenadora) pela Parábola (2009)
>>> Resumo de Anna Rachel Machado (coordenadora) pela Parábola (2010)
>>> Mobile A1 - Méthode de Français, com DVD de Alice Reboul, Anne-Charlotte Boulinguez e Géraldine Fouquet pela Didier (2013)
>>> Mobile A2 - Méthode de Français, com DVD de Laurence Alemanni e Caherine Girodet pela Didier (2012)
>>> A árvore do conhecimento de Humberto R. Maturana, Francisco J Varela pela Palas Athena (2001)
>>> Crer depois de Freud de Carlos Domínguez Morano pela Loyola (2003)
>>> O poder latente da alma de Watchaman nee pela Publicações pão diario (2019)
>>> A dispensacao do mistério de T. austin-Spacks pela Phileo (2015)
>>> Ainda existe Esperança. Solução para os problemas da vida. de Enrique Chaij pela Casa Publicadora Brasileira (2010)
>>> Reimaginando a igreja de Frank viola pela Palavra (2009)
>>> Coleção 70° Aniversário da II Guerra Mundial, volume 22, com CD de Abril coleções pela Abril (2009)
>>> Coleção 70° Aniversário da II Guerra Mundial, volume 20, com CD de Abril coleções pela Abril (2009)
>>> Coleção 70° Aniversário da II Guerra Mundial, volume 19, com CD de Abril coleções pela Abril (2009)
>>> Coleção 70° Aniversário da II Guerra Mundial, volume 18, com CD de Abril coleções pela Abril (2009)
>>> Da eternidade até aqui de Frank viola pela Palavra (2011)
>>> Coleção 70° Aniversário da II Guerra Mundial, volume 17, com CD de Abril coleções pela Abril (2009)
>>> Coleção 70° Aniversário da II Guerra Mundial, volume 16, com CD de Abril coleções pela Abril (2009)
>>> Coleção 70° Aniversário da II Guerra Mundial, volume 15, com CD de Abril coleções pela Abril (2009)
>>> Coleção 70° Aniversário da II Guerra Mundial, volume 12, com CD de Abril coleções pela Abril (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 12/7/2007
Práticas inconfessáveis de jornalismo
Adriana Carvalho

+ de 6100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Nunca conheci quem tivesse levado porrada. Na maioria das vezes (*), quando os colegas jornalistas escrevem um livro, falam sobre histórias fascinantes e edificantes (nada contra, é muito bom ler grandes reportagens), outras vezes discorrem sobre seus atos de bravura, grandes personagens entrevistados, bombas que explodiram perto de seus narizes. A grande reportagem, porém, é a mistura fina no prato do jornalista, não se come todo dia, não se vive todo dia. O cotidiano da profissão, para a maioria dos mortais, é feijão com arroz, buraco de rua, mais uma reunião do Comitê de Política Monetária, o dólar que subiu, o paulistano pegando trânsito na volta do feriadão. Sobre esse cotidiano e as técnicas de fazer um bom feijão com arroz e como não se queimar com as panelas, pouco ou nada se fala. São práticas que não se aprendem na faculdade, não se lêem nos livros e, a bem da verdade, muitas vezes não podem nem ser ditas nem em voz alta. Não estou falando em nada imoral, nem ilegal, nem engordativo. Refiro-me aos pequenos artifícios que encontramos para nos adaptar à realidade das redações e que têm menos a ver com como extrair informações ou redigir bem e mais com como lidar com seus superiores. E essa é sim uma técnica jornalística, porque para lidar com alguns editores (*), para atender seus chefes, às vezes você acaba queimando o filme com as fontes. Veja abaixo algumas situações ilustrativas.

Idéias de pauta deveriam nascer na rua, no plano da realidade, e serem capturadas pela redação que então faria uma matéria sobre elas. Esse é o mundo ideal. Mas o que acontece de fato é que muitas vezes as pautas nascem na cabeça do seu chefe, editor, diretor; ou então ele recebe a sugestão brilhante de algum amigo desocupado numa festa vip qualquer, depois de algumas doses de whisky e, para agradar o fulano, coloca seus serviçais da informação para trabalhar no assunto. Dessa forma, a tarefa do repórter passa a ser a de tentar encaixar a tal idéia brilhante na realidade, conferindo-lhe carne e osso, ou seja, encontrando quem dê entrevista para validar a teoria.

Acontece, como vocês podem imaginar e é natural que aconteça com pautas que nascem dessa forma, que em 101% dos casos a teoria é furada e você não acha uma única criatura para falar sobre o assunto (não da maneira como seu chefe quer ouvir). Muitas vezes eu cheguei a cogitar pagar "10 real" para o tio do cachorro-quente falar o que eu precisava ouvir para colocar no texto. Só para ter uma fonte com nome e sobrenome, terminar essa meleca logo e ir para casa descansar. Mas nunca fiz, juro de pé junto.

O que eu já fiz, mesmo colocando em risco o meu pescoço, mas pensando em preservar minha pequena porém preciosa coleção de fontes, foi agir com muita sinceridade junto a elas quando esses alguns editores me faziam passar vergonha, perguntando bobagens para confirmar suas teses. Das primeiras vezes eu perguntava a bobagem falando em meu nome mesmo, mas comecei a perceber que os entrevistados passavam a me achar estúpida e a me evitar depois. Segue uma conversa demonstrativa dessa situação:

- Oi, Seu Fulano, aqui é a Fulana, do veículo X. Desculpe ligar para o senhor essa hora (observação: a hora escolhida para fazer perguntas estúpidas para as fontes sempre é uma hora estúpida também), mas o meu chefe me pediu para fazer uma pergunta ao senhor para uma reportagem que estamos fazendo. Eu fico até meio sem jeito, mas ele pediu pra ligar. A pergunta é: penico de barro enferruja? (exemplo hipotético, mas as perguntas são de nível semelhante). É, eu sei que a pergunta é meio óbvia, mas ele quer que um especialista diga isso... Não enferruja, né? Tá bom... Desculpe mais uma vez, mas eu preciso perguntar também: Não enferruja por quê? É que para ele não basta saber que o penico não enferruja, ele quer uma explicação minuciosa. Sei... claro... entendo perfeitamente sua chateação por ter que falar de penicos às 3h45 da madrugada. Peço em nome da nossa amizade fonte-jornalista. Ok, estou anotando. Muito obrigada, seu Fulano, devo minha vida ao senhor ou pelo menos minhas últimas horas de sono nesta madrugada. Agora vou poder ir pra casa.

Ledo engano. Aí você leva a resposta para aquela pessoa atrás da mesa grande de editor que ele tanto gosta e colocou até um abajurzinho em cima para enfeitar... E o que ele responde?

- Ele disse que não enferruja? Ele não entende muito desse ramo. Acho melhor ouvirmos outra pessoa.

Outra situação corriqueira é quando a criatura atrás da grande mesa fica cobrando a cada segundo se você já conseguiu determinada entrevista. Cobrar a entrevista das fontes, da assessoria de imprensa, é necessário, lógico. Mas ficar ligando como um alucinado a cada dois minutos não resulta em nada, a não ser em ódio mortal contra sua pessoa. Certa vez, para acalmar um editor com essas características, eu, "tantas vezes vil", confesso que peguei o telefone na frente dele, disquei qualquer número (tipo 102) e fingi que conversava com a fonte de novo e ouvia a mesma resposta que já havia de fato ouvido segundos antes:

- Alô, Fulana. Já tem resposta do meu pedido de entrevista?
- Telefônica informa, 20 horas e 37 minutos.
- Ah, sei, como você falou, só quando a dona Sicrana sair do trabalho de parto, né? Tá bom, estou aguardando.
- Aproveite a promoção Detecta da Telefônica...
- Obrigada. Até mais.

Superiores hierárquicos assim são também seres que gostam muito de dizer suas "verdades" no papel... mas tendo outra pessoa para assinar e agüentar a bronca depois. No caso, seus serviçais da informação novamente. Acontece quando ele pega o texto do repórter para mexer e aproveita para acrescentar "um parágrafo ou outro" (pelo amor de Deus, eu já passei da idade de ter a ilusão que não se pode mexer no meu texto, mas o problema é o que se escreve no texto). Sinceramente, com o meu nome não, violão! Como pedir para o chefe tirar o seu nome da matéria pode significar pedir para ele te tirar do expediente também, então o jeito é recorrer aos seus amigos diagramadores nessas ocasiões:

- Ô Fulano, não tem jeito de você me conseguir mais umas linhazinhas nesse texto? É que do jeito que está vou ter que cortar tanta informação importante e imprescindível para o progresso da nação...
- Você sabe muito bem que não dá. Só se eu tirar seu nome, assim aumenta o espaço.
- Tirar meu nome, é (fazendo cara de tristeza inconsolável)? Puxa, eu queria tanto ter no meu currículo uma matéria assinada como essa, chamando os participantes do Fórum Social Mundial de cachaceiros e arruaceiros, mas... a informação é mais importante. Pode tirar então.

(*) Antes que me acusem de generalizações neste texto, quero frisar que: "Na maioria das vezes" significa "na maioria das vezes" e não "sempre"; "alguns editores" significa "alguns editores" e não "todos os editores do mundo de todos os tempos". E mais: os editores que me inspiraram esse texto são águas muito passadas, felizmente, e já tive outros, muito bons, graças ao misericordioso Deus.


Adriana Carvalho
São Paulo, 12/7/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
02. A grama do vizinho de Adriane Pasa
03. Não presta, mas vá ver de Carla Ceres
04. A vida dos outros de Guilherme Pontes Coelho
05. Comunicado importante: TV mata! de Pilar Fazito


Mais Adriana Carvalho
Mais Acessadas de Adriana Carvalho em 2007
01. Meta-universo - 16/8/2007
02. Minhas caixas de bombons - 14/6/2007
03. Esses romanos são loucos! - 22/3/2007
04. Práticas inconfessáveis de jornalismo - 12/7/2007
05. Meus discos, meus livros, e nada mais - 11/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/7/2007
06h24min
Existem práticas (corriqueiras) muito piores...
[Leia outros Comentários de Rene]
4/7/2007
08h53min
Uma crônica bem humorada das agruras do cotidiano jornalístico, Adriana. É bom que desmistifica a profissão. Todos passam por isso, seja em relação a fontes e editores, motoristas e fotógrafos, etc. Acaba que as histórias dentro da própria redação às vezes nos ficam mais gravadas que as próprias histórias impressas nas reportagens. Mas, enfim, no papel, no ar, no vídeo, o mundo é belo, positivo, afirmativo, não quer ter nada de muito "jeca". Se o feijão com arroz (e os jabás) viessem acompanhados com uma pitadinha desses bastidores pro leitor, quem sabe seria mais divertido e engraçado ler/ouvir/ver jornal... Bela crônica mais uma vez. Abraço
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
5/7/2007
09h01min
No sec. XIX, Alfred de Vigny escreveu "Grandeza e servidão da vida militar". Hoje, se jornalista, ele endossaria seu texto. De uma forma ou de outra, todas as profissões não passam, com as suas variantes específicas, pelas linhas que você traçou com tanto humor?
[Leia outros Comentários de eugenia zerbini]
5/7/2007
18h41min
Excelente texto. Adriana captou a essência da profissão/vocação do jornalista. O seu texto enxuto e objetivo mostra bem dilemas e situações que não são raros na redação.
[Leia outros Comentários de José Antonio]
12/7/2007
00h43min
O bom humor é sempre um sinal de que as dificuldades podem ser contornadas. Essa crônica é uma pequena (mas eficiente) aula sobre o lado mais aborrecido da praxis jornalística, levada com o humor tranquilo de quem, parece, sabe das coisas. Muito boa essa crônica, Drica.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Fios do Destino determinam a Vida Humana
Roselis Von SaSS
Graal na Terra
(1997)
R$ 5,00



Russell
C. W. Kilmister
Fondo de Cultura Económica
(1992)
R$ 7,20



Enciclopédia do Futebol
Amir Mattos
Leitura
(2002)
R$ 7,00



Pesquisa Avaliativa: Aspectos Teóricos-metodológicos - 2ª Edição
Maria Ozanira da Silva e Silva
Veras
(2013)
R$ 58,95



Alto Risco Em Neonatologia
Klaus e Fanaroff
Guanabara Koogan
(1995)
R$ 9,00



As Maravilhas da Infância - o Reino da Criança - Vol. 1
A. Lopes - Editor
A. Lopes
R$ 6,99



Problemas Conceituais de Física Para o Ensino Médio
Gaspar, Alberto
Livraria da Física
(2016)
R$ 80,00



Pão Diário uma Meditação para Cada Dia do Ano Vol 19
Dave Branon Anne M. Cetas et Al...
Pão Diário
(2016)
R$ 10,00



Porque Você é Minha
Beth Kery; Carolina Caires Coelho;
Paralela
(2013)
R$ 15,00



Trends and Cycles in Economic Activity
William Fellner (capa Dura)
Henry Holt and Company (ny)
(1956)
R$ 26,28





busca | avançada
82559 visitas/dia
2,4 milhões/mês