Esses romanos são loucos! | Adriana Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
Mais Recentes
>>> A Vinha do Desejo de Sylvio Back pela Geração Editorial (1993)
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
>>> Walk, run, or retreat de Neil V. Sullivan pela Indiana university press (1971)
>>> enciclopédia dos museus--galeria nacional washington de Sem Autor pela Ceam (1970)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Four Weddings and a Funeral de Richard Curtis pela Peguin Readers (1999)
COLUNAS

Quinta-feira, 22/3/2007
Esses romanos são loucos!
Adriana Carvalho

+ de 6500 Acessos
+ 6 Comentário(s)


illustra por goiabazul

Aqui estou. Sou ruiva, fiquei magrinha sem dieta nem exercício, uso uma touquinha estranha na cabeça. A blusa justa deixa a barriga à mostra e a calça de cintura baixa revela parte do cofrinho. Céus, definitivamente não sou eu. Ando cambaleando, bato nas paredes, dou ré. Alguns caras passam por mim e puxam conversa. Chega outra ruiva de cabelos espalhafatosos e com pouca roupa. Não, não estou entre as primas da Rua Augusta do lado do Centro. Também não estou bêbada. Sou mais um ser divino que desceu à terra (essa é afinal a definição hindu de "avatar") virtual do Second Life.

Conforme já comentei com os companheiros deste Digestivo, às vezes eu me sinto uma velha. Até duas semanas atrás nunca tinha ouvido falar desse hobby (alguns o definem assim). Surpresa foi saber que o negócio já existe desde 2003 e tem mais de 4 milhões de pessoas cadastradas! Gente de todo o mundo que assume literalmente uma segunda personalidade, um outro corpo, compra com dinheiro de verdade coisas de mentirinha, faz amigos, namora, transa, casa. Freqüentam shows, estudam, fazem negócios. Acham uma pechincha pagar o equivalente a apenas um dólar por um carro virtual (da Volkswagen, empresas de verdade também estão no jogo). Para mim, por um carro que não existe, ainda é dinheiro demais.

Disseram-me para experimentar. Só assim poderia comentar com propriedade. Achei legal. Até voar eu voei. Descobri que lá tem teletransporte. Meu grande sonho utópico de consumo! E a ruiva semipelada veio falar comigo, disse que é alemã, me pediu para ser sua amiga. Foi divertido. Mas só por meia hora. Depois de ficar zanzando e conversando com ídolos de pedra num cenário meio praia, meio castelo medieval, meio selva, eu enjoei. Definitivamente não nasci para jogos ou hobbies de computador.

Eu não gosto, mas tem muita gente que gosta. Até aí tudo bem. Mas alguns passam do limite. Reportagens do IDG Now contam que mais de mil brasileiros passaram o ano novo no Second Life. Já ocorreram processos no mundo real por conta de discussões em negócios imobiliários no ambiente virtual. É um hobby, mas parece que muitos levam a sério a vida de mentira. Como diria o Obelix, irredutível gaulês dos quadrinhos, esses romanos são loucos! E não são os únicos. A criação de cidades virtuais (na internet e fora dela) e até mesmo países é uma realidade (que paradoxo!) desde os anos 1960. O fenômeno chama-se micronacionalismo e, segundo Wikipedia, começou a ganhar popularidade quando um indivíduo de origem norte-americana, chamado Marc Eric Ely decidiu criar seu próprio país, o Ely-Chaitlin. Hoje estima-se que haja mais de 400 micronações em todo o mundo (aliás, seus criadores pertencem a este nosso Planeta Terra, mas suas "nações" ocupam territórios que vão além da nossa estratosfera e da nossa imaginação).


illustra por goiabazul

Esses "países" têm suas próprias constituições, tribunais e leis. Muitas são dominadas por "imperadores" ou "monarcas". Até uma "ONU" as micronações têm: chama-se LOSS (Liga dos Estados Secessionistas). O Sacro Império de Reunião, por exemplo, é uma das micronações brasileiras mais famosas. Parece que se trata de um regime parlamentarista, já que há uma "sacra majestade imperial", de nome Cláudio Primeiro, e um "premier", Carlos Fraga, cujo lema é "Morte à Inatividade". O Sacro Império, diz a página, fica a leste de Madagascar. Para se juntar aos 130 cidadãos do "país", você precisa preencher um formulário e aguardar a resposta do "Ministério do Turismo e Imigração". Segundo as perguntas e respostas mais freqüentes do site da "nação", a graça disso tudo é participar de uma simulação de vida política. Os tópicos são debatidos por e-mail. Se quiser participar, reserve um bom espaço na sua caixa de mensagens, porque receberá cerca de 50 delas por dia.

Se ser e viver de mentirinha, além de discutir política de mentirinha, é pouco para você, que tal então tocar guitarra de mentirinha? Air guitar (ou guitarra de ar) é um, digamos, esporte, que tem história (remonta aos anos 1970), regras e até campeonatos. Como assim? Você faz de conta que toca guitarra, faz de conta que coloca um case de guitarra nas costas e sai por aí tirando uma de rock star e imitando seus ídolos que tocam de verdade. Desde 1996 é realizado o Campeonato Mundial Anual de Guitarra de Ar em Oulu (sim, fica em nossa galáxia, mais precisamente na Finlândia). Os participantes são avaliados em três quesitos: mérito técnico (ou seja, a mímica de tocar), presença de palco e, pasmem, uma coisa chamada airness, definida como um critério subjetivo (não diga!) que pretende analisar o quanto a apresentação é "uma obra de arte e não uma simples simulação de tocar guitarra". Também tem gente que pratica air piano, não sei se tem air bateria, mas é capaz de dar para formar uma banda...

Eu continuo não entendendo esses romanos. Por que não tocar guitarra de verdade? Porque não gastar mais tempo vivendo de verdade ou praticando política real? Eu sou do tipo que gosto de picar tomates em vez de abrir caixinha de molho e jamais vou sair com uma coleira na rua para passear com cachorro invisível...


Adriana Carvalho
São Paulo, 22/3/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como se enfim flutuasse de Elisa Andrade Buzzo
02. É clássico, pode acreditar de Tais Laporta
03. Romaria e prece em Guatapará de Daniel Aurelio
04. Ingmar Bergman de Maurício Dias
05. Revolução dos sexos de Arcano9


Mais Adriana Carvalho
Mais Acessadas de Adriana Carvalho em 2007
01. Meta-universo - 16/8/2007
02. Minhas caixas de bombons - 14/6/2007
03. Esses romanos são loucos! - 22/3/2007
04. Práticas inconfessáveis de jornalismo - 12/7/2007
05. Meus discos, meus livros, e nada mais - 11/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/3/2007
15h09min
Puxa, ainda existe alguém que pisa no chão mesmo. Pés no chão! Parabéns, Adriana Carvalho. Vi esse second life como uma fuga da realidade, vier de mentirinha as frustrações, mais uma droga que empana a vida. Viva você! Que belo artigo!
[Leia outros Comentários de Umberto Goncalves]
22/3/2007
21h43min
Xanadu, Eldorado, Paraíso, Macondo, Cidade do Sol, País da Cocanha e mais inúmeros de lugares onde suspendemos a opressão de um domínio, de uma rotina que deprime. Quem não terá sonhado um lugar sem regras as que impuseram limites que assustam. Second Life é só uma fantasia, mais uma alegoria da realidade, que estabelece um torpor e desacelera as urgências e como todo conteúdo; distorce a noção de realidade pode exercer uma obsessão viciante. Cotidianamente nos furtamos da realidade; quem identifica se, plenamente, nesta convenção? Acreditamos em inúmeras propostas alternativas à realidade e nem por isso somos tolos; ou somos? Vivenciamos uma expectativa post-mortem que estabeleceu sólidas conjecturas, que estão de tal forma inseridas na nossa situação, que nem o racional ousaria contestar. A percepção pode ser considerada uma representação possível de uma situação real. Que vida, com certeza, vivemos? Qual é nossa First Life? Onde está a certeza de mundo real?
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
22/3/2007
22h35min
hahaha... esses romanos são mesmo loucos. A gente pode ver no YouTube umas coisas do Second Life, mucho loco. Eu não vou lá, mas por razões contrárias: sinto que eu poderia ficar fascinado com a vida virtual mas, infelizmente, tenho mais o que fazer. Sou prisioneiro desse nosso mundo cotidiano, tão cotidiano que chega a ser uma aberração. Né não? Outra coisa me ocorreu: toda a literatura não é uma espécie de Second Life? O texto tá excelente, Adriana. Abraços.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
23/3/2007
14h44min
Oi, Adriana, adorei o texto e o enfoque dado. Fiquei pensando no comentário do Guga e lembrei de uns livros que um amigo de infância adorava (e que eu tentei ler). Simplesmente odiei! A trama caminhava e, num nó, o leitor decidia o que iria acontecer, indo para a página relacionada ao fato escolhido. Cada leitura era um conto (ou vários), dependendo das escolhas. Era chato! Talvez a gente busque mesmo uma visão particular que nos toque como humanidade (na poesia, na prosa, nos filmes, na vida...). Beijos
[Leia outros Comentários de Gabriela Klein]
23/3/2007
16h26min
Depois de deixar meu comentário aqui, topei com este post no blog de uma amiga. Ele traz um vídeo do Saramago falando sobre o Second Life. Achei que valia para alimentar a discussão...
[Leia outros Comentários de Gabriela]
28/3/2007
14h35min
Texto muito interessante. As vezes fico pesando se sou tão ultrapassado, por não saber de assutos como este. Não é por falta de usar a internet. A fuga tem sido mais importante do a luta pela mudança do que é real.
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REFLEXÕES SOBRE ENSINO-APRENDIZAGEM DE INGLÊS NO AMBIENTE DE TRABALHO
MARIA APARECIDA GAZOTTI VALLIM
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



A HIBRIDAÇÃO DOS MEIOS DE REPRESENTAÇÃO NO ATELIER DE PROJETO
VAGNER WOJCICKOSKI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



DESCOBRINDO A ALEGRIA DE VIVER
SALLE MERRILL REDFIELD
SEXTANTE
(2005)
R$ 11,70



MARKETING INDUSTRIAL
JOSÉ CARLOS TEIXEIRA MOREIRA
ATLAS
(1993)
R$ 4,20



O AUXÍLIO ADMINISTRATIVO DAS AUTORIDADES TRADICIONAIS EM MOÇAMBIQUE
LUCIANA MARTINS CAMPOS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



A INVERSÃO DA OLHADELA ALTERAÇÕES NO ATO DO ESPECTADOR TEATRAL
FLÁVIO DESGRANGES
HUCITEC
(2012)
R$ 250,00



FANTASIA CONCERTANTE PARA PIANO, CLARINETA E FAGOTE DE VILLA-LOBOS:
RICARDO FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00



CRESCER ATRAVÉS DO SOFRIMENTO
ZILMA GURGEL CAVALCANTE
CIA DOS LIVROS
(2011)
R$ 22,00



MANUAL DE MANUTENÇÃO DE PONTES FERROVIÁRIAS
ANA LUCIA SAAD
PINI
R$ 95,70



O LIVRO SECRETO DO MARCELINHO
ERIK GUSTAVO
ZÁS
(2012)
R$ 17,90





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês