Sobre caramujos e Omolu | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
35004 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fernanda Young (1970-2019)
>>> Estratégia das Privatizações
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A polêmica da leitura labial
>>> A ousadia de mudar de profissão
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> O Livro dos Insultos, de H.L. Mencken
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Sobre o Ronaldo gordo
>>> Do inferno ao céu
>>> Para entender Paulo Coelho
>>> O amor que choveu
Mais Recentes
>>> Como Trabalhar Para Um Idiota de John Hoover pela Saraiva (2010)
>>> Não Tenha Medo De Ser Chefe de Bruce Tulgan pela Sextante (2009)
>>> Fui Promovido! E Agora? de Roberto Ruban pela M. Books (2010)
>>> Faça O Que Tem De Ser Feito de Bob Nelson pela Sextante (2003)
>>> Deixar de Fumar O que Você Precisa Saber de Jorge Schemes pela Dpl (2004)
>>> Casamento Blindado de Renato & Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2012)
>>> Pai Rico Pai Pobre de Robert T. Kiyosaki pela Campus (2000)
>>> De Volta Ao Mosteiro de James C. Hunter pela Sextante (2014)
>>> Ufo Os Códigos Proibidos de Alfredo Lissoni pela Madras (2007)
>>> 12 Meses Para Enriquecer. O Plano da Virada de Marcos Silvestre pela Lua de Papel (2010)
>>> O Flagelo de Hitler de Albert Paul Dahoui pela Lachâtre (2012)
>>> Comunicação Global:A Mágica da Influência de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> Comunicação Global:A Mágica da Influência de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> Comunicação Global: Aumentando Sua Inteligência Interpessoal de Dr. Lair Ribeiro pela Rosa dos tempos/ RJ. (1992)
>>> Temperamento forte e bipolaridade de Diogo Lara pela Do autor (2004)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ.
>>> As Chaves da Autoconfiança: um Guia Avançado para Vencer na Vida de Robert Anthony pela Best Seller/ SP. (1989)
>>> Estruturas Clínicas de Freud a Lacan Travessia Nº 3 Jan/94 de Vários pela Gráfica da Ufes (1994)
>>> Viabilizando Talentos:Como Semear o Crescimento Pessoal e Profissional de J. R. Gretz pela Florianópolis (1997)
>>> O inumano: considerações sobre o tempo de Jean-François Lyotard pela Estampa (1997)
>>> Toque de Midas: Dinheiro, Poder e Riqueza, do Oriente ao Ocidente de Anthony Sampson pela Best Seller/ SP. (1989)
>>> Prepare-se para Enriquecer... de R. Stanganelli pela Eparma (1983)
>>> Viajando no Tempo: Recriando Seu Passado- Criando Seu Futuro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1994)
>>> Viajando no Tempo: Recriando Seu Passado- Criando Seu Futuro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1994)
>>> Apometria...E Por que Não? de Marcel Benedeti pela Mundo Maior (2008)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade Com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade Com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Concubinos: União Estável no Novo Código Civil/ Encad. de João Roberto Parizatto/ Autografado pela Edipa: Ed. Parizatto (2002)
>>> Principios Para Uma Clinica Antimanicomial e outros escritos 1 edição de Ana Marta Lobosque pela Hucitec (1997)
>>> Direito Administrativo de Diógenes Gasparini pela Saraiva/ SP. (1995)
>>> Recursos Humanos: Crise e Mudanças de Flávio de Toledo pela Atlas/ SP. (1989)
>>> Análise Sintática: a Oração na Frase Portuguesa de Antonio de Abreu Rocha/autografado pela São Vicente/ Belo Horizonte (1957)
>>> Filologia e Gramatica: Referente À Língua Portuguesa de J. Mattoso Câmara Jr pela J. Ozon Editor/ RJ. (1968)
>>> A Análise Matemática do Estilo: Aplicação do Processo de Fucks... de Tulo Hostílio Montenegro pela Ibge: / RJ. (1956)
>>> Atlas Previo dos Falares Baianos de N. Rossi pela Imprensa Nacional: Inl: Rio (1965)
>>> Sintomas Mórbidos - A Encruzilhada da Esquerda Brasileira de Sabrina Fernandes pela Autonomia Literária (2019)
>>> Trechos Selectos (trechos Seletos): Com uma Introdução ... de Sousa da Silveira pela Typogr. Bernard Frères/ RJ. (1919)
>>> Revolução Africana - Uma antologia do pensamento marxista de Jones Manoel e Gabriel Landi (orgs.) pela Autonomia Literária (2019)
>>> Antifa - O Manual Antifascista de Mark Bray pela Autonomia Literária (2019)
>>> A Narrative of Travels on the Amazon and Rio Negro de Alfred Russel Wallace (ll. D) pela Ward, Lock/ B. and Co. London (1892)
>>> O Ponto Zero da Revolução - Trabalho Doméstico, Reprodução e Luta Feminista de Silvia Federici pela Elefante (2019)
>>> Calibã e a Bruxa - Mulheres, Corpo e a Acumulação Primitiva de Silvia Federici pela Elefante (2017)
>>> Ah! Eu Não Acredito! de Sérgio Almeida pela Casa da Qualidade (2001)
>>> As Aventuras de Pedro Malasarte de Sérgio Augusto Teixeira pela Ediouro
>>> O'Hurley's Return de Nora Roberts pela Visit Silhouette Books (2010)
>>> Glory in Death de Nora Roberts (Writing as J. D. Robb) pela Berkley (2000)
COLUNAS

Segunda-feira, 20/4/2015
Sobre caramujos e Omolu
Ricardo de Mattos

+ de 10200 Acessos

Desde a pré-história familiar os caramujos habitavam o quintal e o jardim da Dona Nazareth, a avó paterna. Tempo em que o entorno da casa ainda era, em grande raio, o habitat do saci e do lobisomem. Os caminhos eram percorridos pela mula-sem-cabeça. Cada vez que o sertanejo encontrou uma ferradura avulsa no meio do pasto, fechou-se por noites em seu casebre, orando pela proteção da Virgem Maria contra o malfadado muar. Houve ferreiro que disse ter trocado as quatro ferraduras de um exemplar, certa noite quando o viu mancando, mas a bazófia serviu-lhe apenas para afastar os clientes. "Ele tem parte", diziam.

O lobisomem recuou mais para dentro. O saci, vez ou outra, vem à janela reclamar fumo. Curioso que ouvimos o pio solicitante e, de fato, deixamos uma rodelinha de fumo de rolo em vão estratégico. Demorou bom tempo até ouvirmos de novo e repetirmos a oferta. Já a pobre mula-sem-cabeça deve ter complementado o churrasco domingueiro de alguém. O residente em São Francisco das Chagas de Taubaté nada pode ver diferente que já quer abater e depois narrar o feito pelo celular, enquanto dirige.

Os caramujos, porém, lá permaneceram. Concha do tamanho da mão fechada, pesada, ora branca, ora levemente amarronzada. Vai a avó de noite, levar os dois netos ao quintal para mostrar-lhes os bichos. Lentos, gosmentos, constituídos de concha, corpo e dois chifrezinhos com olhos. Lá vai o Ricardo cutucar o animal para vê-lo recolher os olhos. Ouviu dizer que sal pode derrete-lo. Não teve coragem para tanto em criança, quanto mais adulto, quando as melhores disposições são renegadas. Parabéns.

Duas diásporas. A primeira, quando vimos alguns na época de chuva e quisemos tê-los em casa. A empregada da avó embalou-os. Soltamos no nosso jardim à própria sorte. Talvez fossem do mesmo sexo, pois apesar de temo-los visto algumas vezes, sumiram. A segunda diáspora deu-se após o termino da jornada da avó. Pegamos quantos conseguimos e liberamo-los novamente no mesmo jardim. Passam boa parte do ano enterrados. Em época de chuva, saem e andam por todo lado. São atrevidos mas pouco inteligentes, pois distanciam-se do gramado em direção à garagem mesmo sem haver trechinho de grama que lhes justifique o esforço. Pegos pelas conchas, são recolocados no gramado. Cruzam - caramujo tem peru! - põem ovos e tornam a cavar suas tocas. Ocorre de estarem muito próximos da superfície e a roçadeira ou ferramenta qualquer machucá-los. Uma vez machucados, morrem e vão para o plano caramujal. O calor saariano deste último verão também foi letal para alguns. Apesar de tudo, ainda contamos mais de dez. Lentos e ligados à terra: não fossem os cães, diríamos que sãos os caramujos os animais de Omolu.

***

Certo amigo mais versado que nós em conhecimentos da Umbanda informou-nos: "você é filho de Omolu". "De quem?", perguntamos sem entender. "De Pai Omolu, orixá da morte, do cemitério e das doenças". "Promissor", respondemos em pensamento, durante a orgulhosa adolescência.

***

Com o passar do tempo é que tornamos ao assunto. Quem são os orixás, afinal? Para algumas fontes, deuses da mitologia africana por vezes tão humanos e beligerantes quanto os deuses da mitologia greco-romana. Outras fontes falam em pessoas que viveram em época tão recuada que suas histórias chegaram a nós embrulhadas no plástico-bolha das lendas. Há quem fale em forças da Natureza, regentes dos mares, rios, matas e pedreiras, entre outros. Há quem já tenha aproximado os orixás dos arquétipos, o que nos pareceu mais acessível. Acaso não há na África sabedoria que não se possa concentrar e apresentar na forma daquilo que aprendemos a chamar de arquétipos?

Recolhemos dados aqui e ali. Podemos até ler o horóscopo durante o café da manhã, mas nada retemos que nos acompanhe até o quarto. Entretanto, chamou-nos a atenção que toda definição dos chamados "filhos de Omolu" trazia algo coincidente com nossa realidade. As mais variadas descrições mantiveram eixo comum, e este eixo calha com vários aspectos de nosso histórico. Ignoramos até que ponto além do interesse intelectual levaremos o tema, mas que ele intriga-nos, é inegável.

***

Vieram pessoas da África. Daomé, Benin, Serra Leoa, Guiné... Ao menos das localizações geográficas atualmente sob estes nomes. Trouxeram seu culto, pois para apartá-las de seus orixás não houve navio negreiro que fizesse frente. Se aos novos "demônios" estava reservada a repressão, nada mais simples: trocam-se os nomes. Si não podia falar em Oxalá, então falava-se em Jesus. O culto a Iemanjá estava vedado? Cultue-se a Virgem Maria, ainda mais que seu manto azul-celeste pode vestir também aquela que rege os mares. Omolu é representado coberto de chagas? Podia-se escolher entre São Lázaro e São Roque, tendo como brinde a simpatia dos cães que os acompanhavam. O sincretismo nasceu da aproximação entre características, conforme as pessoas recém aportadas amealhassem informações. Eventuais relações entre santos não se projetam nas relações entre orixás. Na origem, Omolu é filho de Nanã-Buruquê e Oxalá. Rejeitado pela mãe quando nasceu coberto de feridas, foi acolhido por Iemanjá - próprio arquétipo da mãe, por sinal. A tradução literal desta história resultaria assim: São Lázaro nasceu da união entre Santa Ana e Jesus. Rejeitado, foi criado pela Nossa Senhora. Cautela, portanto, com o que se lê.

Quem estuda o assunto costuma relacionar determinado tipo físico ao arquétipo. Entre os chamados "filhos de Omolu" predominaria a estatura pequena ou média e a forma atarracada. Deixemos claro que nossa altura original é de dois metros e quinze centímetros. Contudo, nesta reencarnação iniciada no ano de 1975, preferimos assumir uma versão pocket, o que explica porque os instrumentos de medição atribuem-nos a altura de um metro e sessenta centímetros. De qualquer forma, o ajuste da psyché ao corpo foi trabalho lento, mormente na época do culto a padrões predeterminados. Nos terreiros, Omolu é representado coberto com palha da cabeça aos pés, e nesta cobertura há variação extrema de significado: ou envergonha-se de suas chagas, ou está curado mas mantém a cobertura em respeito àquela que o acolheu e alentou, ou curou-se e adquiriu tal beleza que não deseja impressionar as pessoas pela aparência física, a dimensão humana mais superficial.

Quem escreveu sobre o temperamento parece ter alguma diferença mal resolvida com o arquétipo. Acusam-no de insatisfação perene, teimosia, indisposição quanto a "levar desaforo para casa", tensão, tristeza, solidão, timidez, introspecção, distanciamento, insensibilidade, rabugice, masoquismo e lentidão. Evidente que se trata de intriga orixá-partidária, e que uma coisa é escrever tudo isto em sites e manter-se anônimo, e outra coisa é repetir tudo pessoalmente, face a face. Os registros mais esclarecidos aliam o arquétipo à discrição, à disposição para o trabalho - não apenas do trabalho em si, mas de tudo o que se refere a ele, inclusive a faxina do local, se necessária -, à maturidade, ao poder de decisão, à autoconfiança, ao Amor, à solidariedade e à lealdade. Nos últimos tempos, realmente notamos a lentidão como nota constante. Passamos por um processo de reformulação institucional e percebemos que as fases deste processo estenderam-se por anos. Individualmente, não queimamos etapa: queremos ir de "A" a "Z" passo a passo, conhecendo o caminho. Não gostamos de pressupor ou de subentender, pois estas lacunas podem ser preenchidas com conteúdo pessoal que não corresponda à realidade da coisa. Quanto ao chamado "masoquismo", si isto significar a preferência por suportar incômodos até que eles possam ser retirados de nossa vida num só ato, podemos dizer que há aproximação com nosso jeito de ser.

Cremos até que já falamos demais a respeito de nós mesmos, do que deriva certa sensação de desnudamento. Não temos o treino de Montaigne. Caro leitor e estimada leitora, até mais!

***

Baseamo-nos a escrita desta coluna em três livros. Aruanda, de Robson Pinheiro, meritório por explicar aos espíritas de que se trata a Umbanda e seus conceitos. Lendas da Criação - A Saga dos Orixás, de Rubens Saraceni, que traz a história de todos estes personagens. Alertamos que se trata de livro escrito em linguagem plena de simbologia e de referências outras que nós leigos podemos deixar - e de fato deixamos - passar batido. Por fim, lemos com menos entusiasmo Omolu, médico dos pobres, de Antônio Alves Teixeira Neto, pelas muitas referências que o autor faz aos seus próprios livros em detrimento do pouco aprofundamento que dá ao estudo do próprio orixá sobre o qual escolheu escrever. Na Internet em geral, encontramos textos que ora copiam o conteúdo destes livros, ora plagiam-se mutuamente, do que resulta que todos consultamos mas nenhum referiremos especificamente. Na versão acadêmica do Google, tivemos acesso à dissertação de mestrado de Lourdisnete Silva Benevides, intitulada A louvação das prostitutas do Jacuípe ao glorioso São Roque, interessantíssimo texto sobre cerimônia em louvor a São Roque, um dos paralelos de Omolu no sincretismo.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 20/4/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio
02. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
03. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
04. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
05. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2015
01. Sobre caramujos e Omolu - 20/4/2015
02. Alcorão - 26/1/2015
03. Espírito e Cura - 20/7/2015
04. Carmela morreu. - 23/11/2015
05. Silêncio - 17/8/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O FALSO OBSERVADOR DE PASSAROS
LUIZ MARIA VEIGA
ATUAL
R$ 8,00



HISTÓRIAS REAIS E FANTÁSTICAS: CRÔNICAS E ENSAIOS SOBRE A POLÍTICA CON
MARIA CLEIDE BERNAL
TABA CULTURAL
(2010)
R$ 25,28



HOJE MEU DESAFIO É...
BARBARA LAMP
UNITED PRESS
(2014)
R$ 9,50



JUVENTUDE RURAL! CAMINHOS A ESCOLHER!
LAÉRCIO DE SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



UM SECULO DE LUZ
LOURENÇO DIAFERIA NADIA SOMEKH CANDIDO MALT...
SCIPIONE
(2001)
R$ 14,60



A SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA DO CONSUMO DA POPULAÇÃO DE MINAS GERAIS
MARCOS HENRIQUE GODOI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



O MARQUES DE QUELUZ E SUA ÉPOCA
MIGUEL AUGUSTO GONÇALVES DE SOUZA
EDIÇÃO DO AUTOR
(1988)
R$ 12,00



TÍTULOS DE CRÉDITO
GERALDO VIEIRA
SÍNTESE / CAMPOS
R$ 6,00



A PERCEPÇÃO DE FAMILIARES DE PACIENTES DE UTI SOBRE A COMUNICAÇÃO
JOSIVANI MAIA FERREIRA FERREIRA UND SINTIA SOARES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



UM ESTUDO SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO INTERIOR DE GOIÁS
MAURO FELÍCIO BARBOSA MULATI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00





busca | avançada
35004 visitas/dia
1,0 milhão/mês