Manual prático do ódio | João Luiz Peçanha Couto | Digestivo Cultural

busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Conversando no Bar
>>> Lula e a imprensa
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> O tempo de Paulinho da Viola
>>> Daslusp
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Dize-me com quem andas e eu te direi quem és
>>> 7 de Setembro
Mais Recentes
>>> Infográficos das Copas de Gustavo Longhi de Carvalho e Rodolfo Rodrigues pela Panda Books (2014)
>>> Encyclopedia Britannica World Atlas de G. Donald Hudson pela Unabridged (1960)
>>> Grandes Personagens da Nossa História vol. 11 de Victor Civita pela Abril Cultural (1971)
>>> Grandes Personagens da Nossa História vol. 4 de Victor Civita pela Abril Cultural (1970)
>>> Grandes Personagens da Nossa História vol. 1 de Victor Civita pela Abril Cultural (1969)
>>> Geografia Ilustrada Brasil de Abril pela Abril Cultural (1975)
>>> Geografia Ilustrada Brasil de Abril pela Abril Cultural (1975)
>>> Geografia Ilustrada Volume 11 de Abril pela Abril Cultural (1971)
>>> Geografia Ilustrada Brasil de Abril pela Abril Cultural (1975)
>>> The Earth and Man de Julian Huxley pela Rand Mcnally (1978)
>>> Mapas Históricos Brasileiros de Grandes Personagens de Nossa História pela Abril Cultural (1973)
>>> Geografia Ilustrada Brasil Volume 1 de Abril pela Abril Cultural (1975)
>>> Geografia Ilustrada Brasil Volume 1 de Abril pela Abril Cultural (1975)
>>> Geografia Ilustrada Volume 3 de Abril pela Abril Cultural (1972)
>>> Hammond´s World Atlas and gazetteer de Caleb D. Hammond pela C. s. Hammond & Co., Nem York (1951)
>>> Cidade Signos de um Novo Tempo a São Paulo de Ramos de Azevedo de Maria Aparecida Toschi Lomonacoq pela 5 (1975)
>>> Grandes Personagens da Nossa História - Cronologia de Jurandir dos Santos pela Jurandir dos Santos (1970)
>>> The maritime gallery at mystic seaport de Vários Autores pela Modern Marine Master (2000)
>>> Thesouro da Juventude - Vol. 14 de Vários Autores pela W. M. Jackson
>>> O Eterno Verão do Reggae de Carlos Albuquerque pela 34 (1997)
>>> Palácio da Justiça - São Paulo de José Renato Nalini pela Assessoria de Comunicação (1989)
>>> Umc - Omec - Universidade de Mogi das Cruzes de Regina Coeli Bezerra de Melo Nassri pela Lís (2002)
>>> Daee - uma Autarquia Em Desenvolvimento. de Secretaria de Obras e do Meio Ambiente pela Secretaria de Obras e do Meio Ambiente (1982)
>>> Fernando de Noronha de Giovanni Urizio pela Banco Sudameris Brasil (1995)
>>> Resgate Cultural - Estrada Real de Sebrae Minas Geraes pela Sebrae/ Mg (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 2/4/2013
Manual prático do ódio
João Luiz Peçanha Couto

+ de 10300 Acessos

Imaginamos que o amor seja o grande motor da vida humana e da literatura. Por ele, Julieta se mata, supondo Romeu morto. Por ele, Heathcliff, de O morro dos ventos uivantes, faz as piores atrocidades com quem quer que seja. Por ele, Riobaldo passa por todo o Grande sertão: veredas se castigando por crer estar apaixonado por outro homem. Por ele, nos casamos, temos filhos, os criamos, fazemos financiamentos quase impagáveis, sacrificamos dias e horas que podiam ser usados exclusivamente para nós, convertendo nossos prazeres em favor do outro. Também é por ele que uma imensa indústria comercial, tanto na literatura quanto na música, se sustenta - veja os livrinhos de amor rasgado e baixa qualidade vendidos em bancas de jornal (tipo Bianca) e as centenas de duplas sertanejas que se multiplicam feito coelhos, colhendo sucessos e montes de reais a rodo, graças a canções pouco prescritíveis a diabéticos, de tão açucaradas. No limite, Jesus é crucificado por causa de seu amor pelos homens. O amor tudo pode, diz o senso comum, enfim.

Não discordo integralmente disso, mas falar de amor é algo já batido, todos concordam, e não é nisso em que pensei antes de começar a escrever este texto. Sempre preferi a dúvida às certezas. Portanto, em vez de falar do amor, prefiro falar do ódio. Estranho, mas mais interessante. Assustador, mas curioso. Continue comigo.

Se retomarmos todos os exemplos dados no primeiro parágrafo, poderemos repensar muitas das obras literárias que nos marcaram, desta vez sob o crivo do ódio: Julieta se mata por conta de uma discórdia secular alimentada pelas famílias Capuleto e Montecchio. Heathcliff mantém a própria vida graças a um ódio e a um rancor (que é o ódio depois que mofa) pelo que sofreu no passado. Riobaldo não reconhece Diadorim, travestida de homem, por conta de uma vingança que precisava ser perpetrada pela mulher-Diadorim contra o assassino de seu pai. Jesus é crucificado graças ao ódio de alguns que pediram seu sacrifício.

Assim, o ódio, tanto quanto o amor, move sentimentos humanos, e sua influência é percebida tanto na história quanto na literatura.

Nesse sentido, há uma literatura nascente cujo motor principal, mais ainda, é alimentado pelo ódio. Trata-se daquilo que hoje se chama de "literatura marginal". Ou "periférica".

Os críticos já atribuíram alguns significados a esse termo, "marginal". Já se caracterizou a literatura marginal como aquele movimento importante da década de 1970, em que os autores distribuíam seus trabalhos em cópias mimeografadas e vendidas amiúde em bares e restaurantes, casas de culturas e esquinas. A chamada "poesia marginal" foi um movimento que ganhou as ruas e deu origem a poetas do quilate de Cacaso, Ana C., Chacal e Paulo Leminski ("Eu hoje, acordei mais cedo / e, azul, tive uma idéia clara / só existe um segredo / tudo está na cara"). Também já se pensou "literatura marginal" como aquela feita "pelas margens", ou seja, por autores que se debruçavam sobre o universo das ruas, dos becos, dos vagabundos: do submundo. Aqui se destacam autores como o brutalista Rubem Fonseca, João Antônio, e dramaturgos com Plínio Marcos, por exemplo. Muitos, aliás a imensa maioria, ficam de fora por falta de espaço.

Atualmente, a literatura marginal é caracterizada como aquela produzida por moradores da periferia brasileira. Os pertencentes a esse movimento se distinguem por falar do cotidiano das favelas, tanto para seus moradores (sendo uma forma de resistência), quanto para o público em geral (sendo uma forma de divulgar a miséria, tanto econômica quanto existencial). A ideia é expor uma realidade vista pelo ângulo de quem vive à margem da sociedade. Não se trata da classe média a falar da realidade da periferia, mas da própria periferia a falar de si mesma. É claro que acaba por misturar ficção com testemunho, fabulação com autobiografia. Mas traz uma força há muito tempo não vista. Ficção em estado bruto, diamante não lapidado.

Ao mesmo tempo em que trazem a realidade imediata para suas páginas, os autores da atual literatura marginal apresentam uma brutalidade inata que lhe dá poder de tirar o leitor classe média de seu conforto de poltrona. A partir da segunda metade do século passado, o marco dessa forma de escrita, que eu saiba, foi o romance Cidade de Deus, escrito por Paulo Lins na década de 1990 e depois adaptado para um filme de Fernando Meirelles, que acabou gerando também uma série para TV (Cidade dos homens). A obra foi escrita por um morador da comunidade de Cidade de Deus, contando com sua experiência, mesclada com os resultados de uma pesquisa de nove anos empreendida por uma antropóloga, Alba Zaluar. É um livro fantástico. Como é comum ocorrer, a versão em livro ganha com larga margem da versão filmada.

Mistura o cotidiano da Cidade de Deus com dramas específicos de alguns personagens que desfilam pelos olhos do leitor. Embaralha poesia com AR-15. Dor de amor com sangue escoado por vingança. Paixão com narcotráfico. Amor com ódio (estranho mesmo, o poder da literatura: unir duas coisas aparentemente inconciliáveis).

Daí seu interesse, seu frescor, sua novidade.

Além do romance de Paulo Lins, outras obras e autores trazem o mesmo frescor, a mesma novidade de retratar uma realidade desconhecida para quem não vive na periferia.

A maioria traz uma característica interessante: leva para as páginas de um livro a fala das ruas da periferia. Gírias, construções (algumas que até contradizem a tal "norma culta" da língua), expressões. E sabemos que a forma com que nos expressamos espelha a nossa visão de mundo, certo? Assim, a fala daqueles personagens reflete o mundo em que se movem.

Falei do Paulo Lins, do Cidade de Deus. Ele é um escritor que conjuga super bem a exposição crua da periferia com uma bruta dose de poesia e de manejo da "coisa" literária. Dá gosto ler o livro.

Há outros autores que igualmente pertencem à tendência chamada "literatura marginal", mas que apresentam abordagem diferente da do Paulo Lins. Quero falar de um moço chamado Ferréz.

Nome artístico de Reginaldo Ferreira da Silva, Ferréz nasceu em 1975 e viveu no Capão Redondo, superperiferia na zona sul de São Paulo. É ligado aos "mano" do hip-hop e já publicou diversos livros, dentre eles Capão Pecado, Amanhecer Esmeralda, Manual prático do ódio (que não inocentemente batizou este texto) e o mais recente, Deus foi almoçar. É fundador do 1DaSul, grupo interessado em promover eventos e ações culturais na região do Capão Redondo, e mantém seu blog e seu site atualizados. Já teve seu livro Manual... traduzido na Itália, México, Alemanha, Portugal, Espanha e França, e teve seus direitos vendidos para um longa, além de manter um quadro no programa Manos e Minas, da TV Cultura. Ou seja, o sujeito está mais que na ativa.

A crueza de Ferréz supera a de Paulo Lins, sobretudo porque ele mais se propõe a denunciar aquela realidade, se importando menos com a forma com que faz isso. O resultado são livros doídos, às vezes com desvios em relação ao chamado "português correto", o que faz com que uma parcela dos críticos, mais tradicional e aguerrida à correção gramatical, menospreze sua obra.

Dele, li Capão redondo, Manual prático do ódio e Deus foi almoçar.

Agora, aperte o pause. Voltemos no tempo. Século XIX. A literatura de aventura. Julio Verne, por exemplo. A obra dele trazia a possibilidade de mover o leitor para o centro da Terra ou para a cesta de um balão a percorrer o planeta. Seus personagens moviam-se em espaços estranhos ao leitor comum. Essa é a graça da literatura: tirar-nos do nosso lugar de conforto, da realidade que conhecemos e dominamos, e nos colocar numa zona de estranhamento, de abismo, de insegurança, da penumbra. O leitor, ao comprar uma obra numa livraria, busca essa viagem, busca perder-se, se desconectar do seu mundo conhecido. A literatura lhe apresenta mundos novos. O Ferréz faz isso. O Paulo Lins faz isso. Outros autores (que infelizmente conheço pouco) nascidos na chamada marginalidade fazem isso. E por isso trazem novidade. São como um novo amor ou uma nova amizade, que, diferentes da anterior, bagunçam nossas certezas e desalinham nossas verdades.

Desejo vida longa (cronológica e literária) a autores como esses. É deles que a literatura se alimenta, é por conta da mistura de um AK-47 com uma mãe que procura por seu filho depois de um tiroteio entre bandidos ou entre bandidos e policiais, da mistura de poesia com realidade que ela, a literatura, se refaz e aprende potências maiores que o cânone (aqueles autores consagrados para os quais a crítica tradicional entoa cânticos de maravilha) consegue nos fornecer.

Se retomarmos a frase do poeta Ferreira Gullar, a literatura e a arte existem porque a vida não basta. Mas no caso desses autores, a vida que subjaz em suas páginas extrapola seus limites e contamina os padrões do certo e do errado, do belo e do feio. Extrapola, no limite, os padrões estéticos da literatura, rompendo-os. E dando mais vida ao literário.



João Luiz Peçanha Couto
Juiz de Fora, 2/4/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo


Mais João Luiz Peçanha Couto
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tramas e Mentiras. Jogos de Verossimilhança
Silvia Regina Pinto (org) Várias Dedicatórias
7 Letras
(2008)



Problemas de Processo Judicial Tributário 4º Volume
Valdir de Oliveira Rocha (coord.) 4º Vol
Dialética
(2000)



Afirmar Portugal no Mundo
Aníbal Cavaco Silva
Imprensa Nacional
(1993)



Direito Ambiental Doutrina, Casos Práticos e Jurisprudência
Belinda Pereira da Cunha
Alameda
(2011)



More Stories and Afterthoughts
William Heppell Mason
Blackwell
(1966)



La Droga, Potencia Mundial: El Negocio Con El Vicio
Hans-georg Behr
Planeta
(1981)



Principles of Drug Addiction a Research Based Guide
Nida
National Institute on Dru
(1999)



Comics Starwars - Clássicos 1
Roy Thomas e Outros
Planeta Deagostini
(2015)



Eli Picture Dictionary English
Joy Olivier Illustrated Alfredo Brasioli
Eli
(1996)



Histoire de La Colonisation Française
Xavier Yacono
Puf
(1969)





busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês