O físico subversivo | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 16/7/2002
O físico subversivo
Bruno Garschagen

+ de 2600 Acessos

Quando tinha nove anos seu professor de grego no Luitpold Gymnasium disse-lhe na frente da classe inteira que nunca chegaria a ser coisa alguma na vida. Chegou a ser considerado lento na escola. Seus colegas o chamavam "biedermeier", nerd para nós. Foi esse garoto, tido como impudente, nascido em Ulm - cidade da região no extremo sudoeste da Alemanha conhecida como Suábia - que se transformou no pensador que derrubaria a maçã de Isaac Newton e mudaria a face quase enrugada da história da física. Albert Einstein (1879-1955), o contestador da teoria tradicional; o físico libertário que queria ser estudante por toda a vida; o mundano, namorador e sedutor; o homem desajeitado que perseguia na filosofia os segredos da física; o sujeito que renunciou a cidadania pela opressão sofrida na escola e sociedade alemãs; o cérebro movido a café e tabaco que forjou a famosa e inexplicável teoria da relatividade; a personalidade que recebeu o Nobel em 1922.

A formação intelectual do físico que distribui afagos e uma língua aos holofotes torna instigante o livro "Einstein apaixonado - Um romance científico" (Editora Globo, 524 páginas), do jornalista norte-americano Dennis Overbye. Como uma senhora paciente, Overbye vai cozendo os tapetes de lã, que pavimentam a construção do pensamento do grande gênio da física até seus 40 anos de idade. Delineia com delicadeza, o homem imperfeito que buscava a perfeição nos números, com base em centenas de cartas até então livres da violação dos biógrafos anteriores. Ao invés de mitificar o símbolo de cabelos desgrenhados e semblante fraternal, o jornalista recompõe o esforço intelectual do garoto, do jovem e, depois, do adulto, cuja capacidade acima do normal para lidar com ciências exatas dava às mãos a incapacidade de manusear seu cotidiano e uma atitude quase cruel com algumas mulheres que o amaram.

Mesmo assim, Einstein sabiamente construiu um círculo de amizade fundamental no desenvolvimento de suas teorias e na reorganização de seus fracassos. O físico que hoje nos parece um semi-deus nascido pronto foi elaborado sobre uma mistura heterogênea de cientistas, matemáticos, astrônomos, outros físicos, e a custa de muito, muito esforço. Os olhos escuros e luminosos cheios de determinação e uma forte inclinação para a insolência guardavam uma personalidade superior que tombava sob encantos seus interlocutores. Nada escapava ao seu olhar aguçado.

Quando saiu de casa para estudar, livre do cabresto das convenções, a atitude de Einstein para com o mundo era a do filósofo que ri, e a sua zombaria espirituosa, observou Overbye, fustigava qualquer presunção ou afetação. Exercia um humor dificilmente compartilhado pelos outros alemães. Aproveitava as oportunidades que as conversas nos cafés ou em casa lhe abriam para pespegar alguma observação satírica. Desabrochou cedo. Aos dois anos e meio, na expectativa de ganhar um brinquedo, exigiu da mãe saber por que a irmã recém-nascida não tinha rodas. Já adulto, escreveu um postal ao amigo Georg Nicolai, em plena Primeira Guerra, com a inscrição "A união faz a força" logo acima dos retratos do kaiser, do sultão da Turquia e do imperador Franz Joseph, os cabeças das chamadas Potências Centrais. Numa outra carta, ao amigo Michele Besso, Einstein se desculpava pela demora em dar notícias. "Mas agora - uma vez que o sabá das bruxas em Bruxelas já passou - serei senhor de mim mesmo de novo, a não ser pelos meus cursos", escreveu, referindo-se a um congresso científico sobre o problema quântico realizado na cidade belga.

Desde novo o jovem Albert Einstein tinha ambições Intelectuais. Filho de Pauline e Hermann Einstein, aos 12 anos o primeiro choque que o levou a galgar os espinhosos degraus do intelecto: o entusiasmo juvenil pela fé judaica foi implodido pelo contato com a ciência. No lugar de Deus, a matemática. Induzido a caminhar descalços pela estrada de tijolos científicos pelo tio Caesar e pelo estudante universitário Max Talmey, Einstein mergulhou numa orgia de livre-pensar fanático acoplado à impressão de que a juventude estava sendo intencionalmente enganada pelo Estado por meio de mentiras. Avançando mais que o amigo na matemática, descobriu, novamente por influência de Talmey, a filosofia. Juntos, iniciaram o estudo da Crítica da Razão Pura, a densa obra do filósofo Imannuel Kant. Na época, Kant estava em voga entre os universitários e continha implicações bastante significativas para a ciência. Também incursionaram na filosofia de Arthur Schopenhauer, o sedutor pessimista que escreveu aforismos geniais e tolices, impiedosamente coerentes, do tipo: ao dar uma esmola ao mendigo não terás feito nada além do que prolongar seu sofrimento.

A mudança para Zurique em 1896, onde estudaria na Escola Politécnica Federal, assegurou-lhe um ambiente de efervescência intelectual. A Europa fervilhava no fim do século. Revoluções se seguiam; Sigmund Freud, de Viena, abalava a medicina com seus estudos sobre sonhos e histeria sexual; o caso Dreyfus martelava os brios dos franceses e pontuava um marco do jornalismo com o "J'acuse" de Émile Zola; o impressionismo dava as cartas nas artes plásticas de Paris e o jovem Pablo Picasso começava a tirar alguns ases da manga; Stéphane Mallarmé levava a cabo experiências com o silêncio e o aleatório; os raios-X e a radiatividade são descobertos; com morte decretada alguns anos antes, a ciência da física içava as velas sob um vento norte, envolta de complexidade e mistério.

A cidade suíça era "daquelas metafisicamente limpas, protegida pela estabilidade política e pela liberdade, pelo ar fresco, pela prosperidade e pela neutralidade histórica sacrossanta", nos conta o biógrafo de Einstein, subeditor de ciências do The New York Times. Anos depois, Zurique abrigaria vários artistas e intelectuais, como James Joyce, os dadaístas, Lênin. "Ao longo da margem oriental do Limmat, sobre as encostas mais baixas de Zürichberg, uma comunidade de proscritos, livres-pensadores e estudantes ocupava um labirinto de hospedarias e cafés". O estilo de vida dos cafés nunca mais foi o mesmo. Na sua primeira temporada, Einstein e seus amigos lapidaram essa nobre arte de ócio. Acordavam tarde, conseguiam um desjejum de folhados da senhoria, flanavam pela manhã pelo laboratório de física, cochilavam em algumas preleções e acampavam no Café Metrópole, à tarde, com um livro. Viciado em café e tabaco, Einstein tocava violino (Mozart, Handel, Schubert, Beethoven) à noite e depois vagava até em casa. Como é doce morrer no mar!

Esse período marcou-o tanto, que o suábio impudente, tempos depois quando morou em Praga, freqüentou o Café Louvre, reduto de artistas, pensadores e músicos. Lá, conheceu os escritores Franz Kafka e Max Brod; o escultor Frantisek; e o compositor Leos Janacek.

Sofrendo a solidão dos que se atrevem a olhar além da superficialidade da vida, Einstein sentiu-se completo quando passou a se reunir com freqüência com dois amigos - Maurice Solovine e Conrad Habicht. Liam livros dos maiores pensadores do momento que serviam de temas para discussões. Logo se auto-intitularam "Academia Olympia", parte fraternidade, parte grupo de excursionistas, parte sociedade de jantares e parte clube de debates. Comiam lingüiça bolonhesa, um pedaço de Gruyére, frutas, mel e uma ou duas xícaras de chá antes de iniciar a leitura. Mal passavam da primeira página, irrompiam nas discussões. A Academia abriu-lhe os portões de Hume, Mills, Spinoza, Helmholtz, Sófocles, Platão, Dostoievski, Dickens e mais uma penca de autores científicos. A academia durou alguns anos até o grupo se dispersar. Talvez deve-se à essa formação o texto do jovem físico ser tão bom, nas correspondências e teses.

Como todo intelectual que se julga fundamental, Einstein atribuía seus fracassos à inveja e perseguição de outros físicos. Preterido por várias universidades onde esperava lecionar, o jovem físico disse a um amigo que teria encontrado alguma posição há muito tempo se não fosse o jogo sujo de Heinrich Friedrich Weber, um professor da Politécnica com quem Albert se desencantou pelo método de ensino das velhas verdades e velhos métodos deixando de comparecer às aulas. Inteligente e libertário que era, preferia estudar em casa a fazer concessões; e fazia tudo a seu modo. Afundado nas pesquisas que julgava importantes dava as costas solenemente às instruções dos professores. Os amigos já o tomavam por louco - por algumas afirmações ainda sem provas - e o jeito independente incomodava os docentes, apesar de trazer a razão no colo como um bebê sadio. " 'O que você acha do Einstein?, perguntou Pernet (professor) ao seu próprio assistente, Schaufelberger. 'Ele sempre faz as coisas de um jeito diferente do que eu mando'. O assistente retrucou judiciosamente: 'De fato, ele faz, Herr Professor, mas suas soluções estão certas e os métodos que ele usa são sempre de grande interesse' ". Einstein agia como o soldado responsável por acionar o canhão, mas que acendia e apagava o pavio quando achava necessário, às favas a ordem do comandante.

A narração das tentativas de Einstein para forjar a teoria da relatividade (inicialmente chamada de princípio da relatividade) instiga pelo suor. As formulações frustradas, as explosões de genialidade, os pequenos fracassos, o desencontro das idéias, o retorno aos cálculos deixados de lado anos antes por aparentarem não ter solução, são estimulantes. Overbye reconstrói o suábio impudente com texto elegante. Evita o mito e rejeita a exploração fácil das falhas de Einstein como homem - o relacionamento com a primeira esposa, Mileva; a reação com o "desaparecimento" da primeira filha, Lieserl; as chantagens emocionais com os filhos após a separação; a cruel insinuação à segunda esposa, Elsa, quando se apaixonou pela enteada Ilse (queria a cozinha e a companhia social de Elsa e o sexo de Ilse).

"Einstein apaixonado" é a obra sedutora para se entender a trajetória do físico subversivo e do desenrolar da ciência no início do século XX.

Para ir além





Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 16/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Antes que o amor seja apenas uma trégua de Ana Elisa Ribeiro
02. Baudelaire, um pária genial (parte final) de Jardel Dias Cavalcanti
03. Graciliano Ramos, o gigante de Daniel Lopes
04. A Imagem do Voto de Rennata Airoldi
05. A vida: um teatro de Rennata Airoldi


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002
05. Chopin não viu, mas deve ter gostado - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROJETO RADIX - RAIZ DO CONHECIMENTO - ESPANHOL 8
FERNANDA E WILSON
SCIPIONE
(2013)
R$ 30,00



GO LIVE 5 EM PORTUGUÊS
WILLIAM PEREIRA ALVES
ÉRICA
(2001)
R$ 7,06



THE HOLY BIBLE - OLD AND NEW TESTAMENTS
NÃO MENCIONADO
LONDON BRITSH AND FOREIGN BIBL
R$ 60,00



SUA SAÚDE E O AMBIENTE QUE CONSTRUÍMOS - A SÍNDROME DO SAPO COZIDO
THOMAS SAUNDERS
CULTRIX
(2004)
R$ 12,00



EXIBICIONISMO
BRETT KAHR
RELUME DUMARÁ
(2005)
R$ 20,00
+ frete grátis



MOLDURAS DA FILOSOFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
ABRAHÃO BENJAMIM
MARTINS
(1954)
R$ 17,91



MINHA RAZÃO DE VIVER - MEMÓRIAS DE UM REPORTER
SAMUEL WAINER
RECORD
(1987)
R$ 10,00



PEDAÇOS DO COTIDIANO
ZÍBIA GASPARETTO
ESPAÇO VIDA & CONSCIÊNCIA
R$ 10,00



MENINAS SUPER PODEROSAS: OS MONSTROS DE GIZ
E. S. MOONEY
NBL
(2002)
R$ 7,98



CONSTRUINDO POLÍTICA COM A JUVENTUDE (AUTOGRAFADO)
ANTONIA MÁRICA ARAÚJO GUERRA E OUTROS ORGS
PUC
(2011)
R$ 35,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês