O que faz de um livro um clássico | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry pela Agir (2003)
>>> Alguns Homens me Falaram da Paz de Jorge Maia pela Pan Americana S/A
>>> Menino de Asas de Homero Homem pela Ática (1982)
>>> A Segunda Guerra Mundial ( Em 12 volumes) de Codex pela Edição do Autor (1966)
>>> Moderato Cantabile (Edição Bilíngue) de Marguerite Duras pela José Olympio (1985)
>>> Pai-de-Todos de Ganymédes José pela Brasiliense (1978)
>>> A Liquidez Mundial e o Fundo Monetário Internacional de José Nabantino Ramos pela São Paulo (1964)
>>> Mulheres Entre Linhas - Contos - 1985 de Sec. do Est. da Cultura pela Cultura Já (1985)
>>> Pai, me compra um Amigo? de Pedro Bloch pela Ediouro (2005)
>>> A Vingança de Electra de Luiz Galdino pela Ftd (1998)
>>> Deslumbramento - Dedicatória e Autografado de Aristheu Bulhões pela Santos (1976)
>>> O Rei Cavalleiro de Pedro Calmon pela Nacional (1933)
>>> Paranóia A Síndrome do Medo de Stella Carr pela Ftd (1990)
>>> Revista Pau Brasil 14 - Ano III - Set./out. 1986 de Enio Squeff (editor) pela Daee (1986)
>>> Império Brazileiro de J. M. Pereira da Silva pela Garnier (1865)
>>> Um e Outros.... de Moacyr Chagas pela SP (1922)
>>> Euclides, Capistrano e Araripe de Afranio Coutinho pela Nacional (1959)
>>> Panis Angelicus Ou o Sacramento da Virgindade de Giuseppe M. Petazzi pela Salesianas (1966)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela Ática (1971)
>>> O Romance Paulista no Século XX de Zélia Cardoso pela Academia Paulista de letras (1983)
>>> A Terceira Guerra Mundial Agosto de 1985 de General Sir John Hackett pela Circulo do Livro (1985)
>>> As Mulheres o Poder e a Familia de Eni de Mesquita Samara pela Marco Zero (1919)
>>> Eles Sonharam Com a Liberdade de Eudes Barros pela Gráfica Ouvidor (1962)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda Laporta Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Innovações do Romanismo de Carlos Hastings Collette pela Evangélica (1912)
>>> O Espião Cícero de Elyesa Bazna pela Flamboyant (1965)
>>> Aqui, entre Nós de Ercília F. de Arruda Pollice pela Ftd (2005)
>>> Observations sur la Compétence Des Consells de Guerre de Francis Laloe pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1894)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Scipione (2000)
>>> Diário da Capella de Baptista Pereira pela Saraiva (1933)
>>> Manual de Medicina Veterinária de Dr. Alvaro Penha Sobral pela Rio Médico (1937)
COLUNAS >>> Especial Guimarães Rosa

Terça-feira, 18/4/2006
O que faz de um livro um clássico
Marcelo Spalding

+ de 6500 Acessos

Não seria melhor terminar o título com uma interrogação? Então, corrijamos: o que faz de um livro um clássico? E eis uma questão com mil possíveis respostas, nenhuma definitiva nem alheia a polêmicas. Mas quem gosta, estuda ou trabalha com literatura não pode se furtar de buscar tais respostas, ou pelo menos dar palpites, ainda mais quando estamos diante de um clássico contundente, comentado e decantado pela efeméride dos 50 anos, Grande Sertão: Veredas.

À época os críticos já desconfiavam estar diante de um monumento da literatura nacional, mas é hoje, passado meio século, que se tem melhor noção da importância do romance roseano para as "belas-letras" brasileiras. Sim, para o que se chamava "belas-letras", aquela literatura refinada, original, canônica, acadêmica. A ponto de comparar-se Guimarães Rosa a Machado, num nível acima de Macunaíma, por exemplo. Mas distante das cabeceiras dos brasileiros.

Deixemos, ou tentemos deixar, o impressionismo de lado. Não estamos lidando com boxe para saber quem é o melhor da década, do século ou do país. E voltemos àquela inicial e difícil pergunta: o que faz de um livro um clássico? Mais especificamente, o que faz de Grande Sertão: Veredas um clássico?

Assim como ocorre com a Odisséia, o Dom Quixote, O Vermelho e o Negro, não se pode definir o Grande Sertão em meia dúzia de palavras, e aí está sem dúvida um mérito seu. Não se consegue sequer encaixá-lo na tradição da literatura fantástica sul-americana ou no romance de 30 brasileiro: de um lado há, sim, o Brasil rural e miserável dos romancistas de 30, de outro há, sim, um pacto com o diabo verossímil mas irreal tão próprio dos fantásticos, mas a obra não é só uma coisa ou outra. Ela utiliza os elementos, maneja as armas de ambos, para ir além.

Paulo Polzonoff Jr., em artigo neste mesmo Digestivo, afirma que o Grande Sertão é "uma aventura divertida e, para usar uma palavra da moda, eletrizante". Pois eu escreveria, antes de ler seu texto, sobre a história de amor que Riobaldo conta, uma história de amor transcendental, proibida mas intensa, sufocada em meio à guerra e ao ódio com um desfecho emocionante e genial, que fortalece todo enredo e justifica a narração prolixa do jagunço sábio e triste. Estamos diante de uma bela história de aventura e de uma bela história de amor ao mesmo tempo, o que nos permite afirmar que o enredo proposto por Guimarães é parte importante para o epíteto de clássico que a obra merece.

Não só o enredo, é claro. Talvez se Guimarães escrevesse uma obra sobre jagunços no sertão no começo do século XX, um pouco depois de Euclides e seu Os Sertões, no auge de Lampião e Maria Bonita, não estaríamos diante de um clássico arrebatador. Em meados da década de 50, o Brasil já é um Brasil progressista, um Brasil que tenta entrar no jogo da internacionalização, do capitalismo, um Brasil juscelinista, dos "50 anos em 5". Um Brasil da cidade, veloz. E surge Guimarães com uma prosa arrastada, rural, sem fim moral ou ideologia política, uma história local e universal, local nas paisagens e na linguagem, universal nos conflitos e nos temas. Grande Sertão: Veredas é um réquiem ao sertanejo, ao jagunço, ao sertão, e novamente cabe a comparação com Dom Quixote, um réquiem ao cavaleiro andante e heróico. Os dois saúdam um país, ou um espaço, que não existe mais.

Finalmente, os lingüistas dirão, com alguma segurança, que o grande trunfo da obra é a linguagem inovadora, a forma erudita com que Guimarães tratou a fala popular do jagunço, do interiorano brasileiro. Tire a linguagem de Guimarães e o Grande Sertão se torna apenas mais um romance, dirão. Mas é evidente que não se pode simplesmente tirar a linguagem de Guimarães, seria como tirar os olhos da Ana Paula Arósio, da Bruna Lombardi ou de Diadorim.

Já conseguimos, assim, chegar a três aspectos fundamentais para a canonização de Grande Sertão: Veredas: 1) um brilhante enredo, que não nega as temáticas universais (leia-se européias), quais sejam a luta e o amor; 2) o lúcido e poético resgate histórico de um país em transformação; 3) a inegável ousadia, se não revolução, lingüística promovida com fôlego por Guimarães. Aí outra pergunta se impõe: porque o romance não é um sucesso de público, especialmente entre os jagunços, os brasileiros interioranos?

Voltando à metáfora dos olhos claros das belas, imagine que o interlocutor destas musas seja daltônico, e, em vez do azul ou verde, enxergue um cinza escuro e sem graça. Pois é o que ocorre com o Grande Sertão: a maioria dos leitores é "daltônica", não vai além da narrativa e vê a linguagem mais como um obstáculo que dificulta a leitura do que um prazer estético e inovador. Não vai aqui uma acusação a essa "classe ignorante que é o leitor", que prefere Dan Brown a Guimarães. Nada disso. Nós mesmos provavelmente só lemos o Grande Sertão: Veredas (até o fim) por uma necessidade de erudição ou compromisso profissional/acadêmico. Uma constatação que embaralha muito a tentativa de resposta já esboçada em três itens para o que faz de um livro um clássico. Como afirmar, então, que estamos diante de um clássico contundente se Guimarães é menos lido que Jô Soares (para não falar em coelhos)?

Além de uma possível carência de leitores, outra contradição evidente que se nota a partir da canonização do Grande Sertão é a falta de obras contemporâneas que, inspiradas naquele modelo, possam figurar, daqui a cinqüenta anos, na lista das grandes obras brasileiras. E talvez as duas contradições estejam relacionadas, a falta de leitores para Guimarães e a falta de escritores à Guimarães: "os novos escritores, afinados com os hábitos alimentícios deste fim de século, publicam livros light, para serem consumidos rapidamente. Na falta de idéias novas, muitos deles voltam a um classicismo acadêmico; glosam, citam, pasticham textos de escritores do passado: outros imitam as formas da mídia, adotam temas de impacto e um estilo rápido e seco, concorrendo com as páginas policiais dos jornais ou, melhor, com os noticiários Aqui e Agora; outros, ainda, se comprazem na contemplação narcísica do pequeno eu, sem pretender ou conseguir dar o salto proustiano para o universal. De modo geral, os livros de ficção se tornaram mais curtos e mais leves; nenhum pretende ser mais o Livro, e os próprios fragmentos se contentam com ser meros pedaços soltos", escreve Leyla Perrone-Moisés o que o autor deste humilde texto gostaria de ter escrito.

Mais do que comemorar, saudar, contemplar o Grande Sertão, é preciso lê-lo. E discuti-lo. Levantar os aspectos que fazem dele um clássico, como algo positivo, e o que faz dele um livro de difícil leitura, admitindo ser isso um problema importante. Só com a análise dessas duas verdades é que entenderemos o que faz de um livro um clássico. Considerando, é claro, que sejam questões literárias, e não políticas, que fazem de um livro um clássico.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 18/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As Midias Sociais e a Intimidade Inventada de Noah Mera
02. O elogio da narrativa de Luis Eduardo Matta
03. Ainda, sempre, Oranje! de Tatiana Mota
04. Avatar 3D e as tecnologias visuais do novo milênio de Marcelo Spalding
05. Tiroteio, racismo e demagogia em sala de aula de Marcelo Spalding


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


Mais Especial Guimarães Rosa
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FALCÃO TRIGOSO A VIDA E A OBRA DO PINTOR
SYLVIA PURWIN DE FIGUEIREDO FALCÃO TRIGOSO
INAPA
(1997)
R$ 39,08



IMPLANTAÇÃO CERTIFICAÇÃO ISO 9001: 2008
FERNANDA FLORES NASCIMENTO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



O MÁGICO DE OZ (TEXTO INTEGRAL)
L. FRANK BAUM
ÁTICA
(1997)
R$ 14,90



CONSELHOS ESCOLARES E RESULTADOS DE AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA(IDEB):
WALDÍSIA RODRIGUES DE LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 272,00



GARCIA D ORTA E AMATO LUSITANO NA CIÊNCIA DO SEU TEMPO
A. J. ANDRADE DE GOUVEIA
BIBLIOTECA BREVE
(1985)
R$ 26,00



REVISTA FLAP INTERNACIONAL Nº 335 - ANO 37 - AGOSTO 2000
CARLOS ANDRÉ SPAGAT DIRETOR
EDITORIAL SPAGAT
(2000)
R$ 7,00



TIPO ASSIM , CLARICE BEAN
LAUREN CHILD
ÁTICA
(2009)
R$ 28,00



1001 PENSAMENTOS
GILBERTO SANTOS
CAMPO DAS LETRAS
(2001)
R$ 41,37



A MULHER EM ISRAEL
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
(1975)
R$ 5,00



ATLAS FOTOGRÁFICO À CORES DE ANATOMIA MICROSCÓPICA
PIETRO MOTTA
LIVRARIA ATHENEU
(1974)
R$ 29,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês