O que faz de um livro um clássico | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
>>> Campanha Sonhar o Mundo traz diversificada programação elaborada pelos museus paulistas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Entre o corpo e a alma, o tempo
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pai e Filho
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> E o Doria virou político...
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
>>> Chris Cornell
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Contra os intelectuais
Mais Recentes
>>> Circulação Global de Precedentes - Vol 1 (lacrado) de Ruitemberg Nunes Pereira pela Lumen Juris (2010)
>>> Vida Minha - Autobiografia de Domingos Oliveira pela Record (2014)
>>> Maktub de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Sentença Cível - da Preparação para o Concurso Da.... (lacrado) de Flávio da Silva Andrade pela Lumen Juris (2014)
>>> Por um Triz - Cultura e Educação (lacrado) de Editora Paz e Terra pela Paz e Terra (2002)
>>> O Livro da Pizza de Vincenzo Buonassisi pela Círculo do Livro (1982)
>>> Na Margem do Rio Pietra Sentei e Chorei de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Las Posturas Claves En El Hatha Yog - Vol 2 (lacrado) de Ray Long pela Blume-acanto-naturart (2009)
>>> A Agonia do Grande Planeta Terra de Hal Lindsey pela Mundo Cristão
>>> Os Eixos da Linguagem (lacrado) de Luiz Costa Lima pela Iluminuras (2015)
>>> Robinson Crusoé uma Aventura de um Náufrago numa Ilha Deserta de Daniel Defoe / Julek Heller pela Companhia das Letrinhas (2016)
>>> Novo Dicionário Básico da Língua Portuguesa Folha / Aurélio de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira pela Nova Fronteira (1988)
>>> Os Papéis de Picasso de Rosalind e Krauss pela Iluminuras (2000)
>>> Vozes e Visões de Rodrigo Garcia Lopes pela Iluminuras (2000)
>>> Rango Coisa Feia de Edgar Vasques pela L&pm (1989)
>>> Introdução à Manufatura - Série Tekne (lacrado) de Michael Fitzpatric pela Bookman (2013)
>>> Tabelas do Curso Prático de Concreto Armado 1 Volume de Aderson Moreira da Rocha pela Científica (1955)
>>> O Que Te Impede de Viver Feliz (lacrado) de José Eduardo Tófoli pela Lumen Juris (2020)
>>> Os Remédios Florais do Dr. Bach de Dr. Eduardo Bach pela Pensamento
>>> My Grandma and I de P. K. Hallinan pela Worthykids (2002)
>>> A Sábia Ingenuidade de Dr. João Pinto Grande de Yuri Vieira pela Record (2017)
>>> Marilyn de Norman Mailer pela Record (2013)
>>> A Criança Problema de Joseph Roucek pela Pegasus (2010)
>>> Amor Nunca É Demais de Helen Van Slyke pela Circulo do Livro (1985)
>>> Os Novos 52 -universo Dc Nº 37 de Dc Comics pela Panini
COLUNAS >>> Especial Guimarães Rosa

Terça-feira, 18/4/2006
O que faz de um livro um clássico
Marcelo Spalding

+ de 7000 Acessos

Não seria melhor terminar o título com uma interrogação? Então, corrijamos: o que faz de um livro um clássico? E eis uma questão com mil possíveis respostas, nenhuma definitiva nem alheia a polêmicas. Mas quem gosta, estuda ou trabalha com literatura não pode se furtar de buscar tais respostas, ou pelo menos dar palpites, ainda mais quando estamos diante de um clássico contundente, comentado e decantado pela efeméride dos 50 anos, Grande Sertão: Veredas.

À época os críticos já desconfiavam estar diante de um monumento da literatura nacional, mas é hoje, passado meio século, que se tem melhor noção da importância do romance roseano para as "belas-letras" brasileiras. Sim, para o que se chamava "belas-letras", aquela literatura refinada, original, canônica, acadêmica. A ponto de comparar-se Guimarães Rosa a Machado, num nível acima de Macunaíma, por exemplo. Mas distante das cabeceiras dos brasileiros.

Deixemos, ou tentemos deixar, o impressionismo de lado. Não estamos lidando com boxe para saber quem é o melhor da década, do século ou do país. E voltemos àquela inicial e difícil pergunta: o que faz de um livro um clássico? Mais especificamente, o que faz de Grande Sertão: Veredas um clássico?

Assim como ocorre com a Odisséia, o Dom Quixote, O Vermelho e o Negro, não se pode definir o Grande Sertão em meia dúzia de palavras, e aí está sem dúvida um mérito seu. Não se consegue sequer encaixá-lo na tradição da literatura fantástica sul-americana ou no romance de 30 brasileiro: de um lado há, sim, o Brasil rural e miserável dos romancistas de 30, de outro há, sim, um pacto com o diabo verossímil mas irreal tão próprio dos fantásticos, mas a obra não é só uma coisa ou outra. Ela utiliza os elementos, maneja as armas de ambos, para ir além.

Paulo Polzonoff Jr., em artigo neste mesmo Digestivo, afirma que o Grande Sertão é "uma aventura divertida e, para usar uma palavra da moda, eletrizante". Pois eu escreveria, antes de ler seu texto, sobre a história de amor que Riobaldo conta, uma história de amor transcendental, proibida mas intensa, sufocada em meio à guerra e ao ódio com um desfecho emocionante e genial, que fortalece todo enredo e justifica a narração prolixa do jagunço sábio e triste. Estamos diante de uma bela história de aventura e de uma bela história de amor ao mesmo tempo, o que nos permite afirmar que o enredo proposto por Guimarães é parte importante para o epíteto de clássico que a obra merece.

Não só o enredo, é claro. Talvez se Guimarães escrevesse uma obra sobre jagunços no sertão no começo do século XX, um pouco depois de Euclides e seu Os Sertões, no auge de Lampião e Maria Bonita, não estaríamos diante de um clássico arrebatador. Em meados da década de 50, o Brasil já é um Brasil progressista, um Brasil que tenta entrar no jogo da internacionalização, do capitalismo, um Brasil juscelinista, dos "50 anos em 5". Um Brasil da cidade, veloz. E surge Guimarães com uma prosa arrastada, rural, sem fim moral ou ideologia política, uma história local e universal, local nas paisagens e na linguagem, universal nos conflitos e nos temas. Grande Sertão: Veredas é um réquiem ao sertanejo, ao jagunço, ao sertão, e novamente cabe a comparação com Dom Quixote, um réquiem ao cavaleiro andante e heróico. Os dois saúdam um país, ou um espaço, que não existe mais.

Finalmente, os lingüistas dirão, com alguma segurança, que o grande trunfo da obra é a linguagem inovadora, a forma erudita com que Guimarães tratou a fala popular do jagunço, do interiorano brasileiro. Tire a linguagem de Guimarães e o Grande Sertão se torna apenas mais um romance, dirão. Mas é evidente que não se pode simplesmente tirar a linguagem de Guimarães, seria como tirar os olhos da Ana Paula Arósio, da Bruna Lombardi ou de Diadorim.

Já conseguimos, assim, chegar a três aspectos fundamentais para a canonização de Grande Sertão: Veredas: 1) um brilhante enredo, que não nega as temáticas universais (leia-se européias), quais sejam a luta e o amor; 2) o lúcido e poético resgate histórico de um país em transformação; 3) a inegável ousadia, se não revolução, lingüística promovida com fôlego por Guimarães. Aí outra pergunta se impõe: porque o romance não é um sucesso de público, especialmente entre os jagunços, os brasileiros interioranos?

Voltando à metáfora dos olhos claros das belas, imagine que o interlocutor destas musas seja daltônico, e, em vez do azul ou verde, enxergue um cinza escuro e sem graça. Pois é o que ocorre com o Grande Sertão: a maioria dos leitores é "daltônica", não vai além da narrativa e vê a linguagem mais como um obstáculo que dificulta a leitura do que um prazer estético e inovador. Não vai aqui uma acusação a essa "classe ignorante que é o leitor", que prefere Dan Brown a Guimarães. Nada disso. Nós mesmos provavelmente só lemos o Grande Sertão: Veredas (até o fim) por uma necessidade de erudição ou compromisso profissional/acadêmico. Uma constatação que embaralha muito a tentativa de resposta já esboçada em três itens para o que faz de um livro um clássico. Como afirmar, então, que estamos diante de um clássico contundente se Guimarães é menos lido que Jô Soares (para não falar em coelhos)?

Além de uma possível carência de leitores, outra contradição evidente que se nota a partir da canonização do Grande Sertão é a falta de obras contemporâneas que, inspiradas naquele modelo, possam figurar, daqui a cinqüenta anos, na lista das grandes obras brasileiras. E talvez as duas contradições estejam relacionadas, a falta de leitores para Guimarães e a falta de escritores à Guimarães: "os novos escritores, afinados com os hábitos alimentícios deste fim de século, publicam livros light, para serem consumidos rapidamente. Na falta de idéias novas, muitos deles voltam a um classicismo acadêmico; glosam, citam, pasticham textos de escritores do passado: outros imitam as formas da mídia, adotam temas de impacto e um estilo rápido e seco, concorrendo com as páginas policiais dos jornais ou, melhor, com os noticiários Aqui e Agora; outros, ainda, se comprazem na contemplação narcísica do pequeno eu, sem pretender ou conseguir dar o salto proustiano para o universal. De modo geral, os livros de ficção se tornaram mais curtos e mais leves; nenhum pretende ser mais o Livro, e os próprios fragmentos se contentam com ser meros pedaços soltos", escreve Leyla Perrone-Moisés o que o autor deste humilde texto gostaria de ter escrito.

Mais do que comemorar, saudar, contemplar o Grande Sertão, é preciso lê-lo. E discuti-lo. Levantar os aspectos que fazem dele um clássico, como algo positivo, e o que faz dele um livro de difícil leitura, admitindo ser isso um problema importante. Só com a análise dessas duas verdades é que entenderemos o que faz de um livro um clássico. Considerando, é claro, que sejam questões literárias, e não políticas, que fazem de um livro um clássico.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 18/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Championship Vinyl - a pequena loja de discos de Renato Alessandro dos Santos
02. Nós, os afogados, de Carsten Jensen de Ricardo de Mattos
03. Bosnian Rainbows - Bosnian Rainbows (2013) de Guilherme Carvalhal
04. A sedução da narrativa de Marta Barcellos
05. Cego, surdo e engraçado de Adriane Pasa


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


Mais Especial Guimarães Rosa
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Pedagogia do Sucesso
João Batista Araújo e Oliveira
Saraiva
(1999)



Nossos Índios Nossos Mortos
Edilson Martins
Codecri
(1978)



O Controle Judicial de políticas Públicas
Américo Bedé Freire Júnior
Revista dos Tribunais
(2005)



Brasil a Trajetória de um País Forte
Alcides Domingues Leite Júnior
Trevisan
(2009)



Riquezas da mensagem cristã
D. Cirilo Folch Gomes
Lumen Christi
(1981)



1591 - A santa Inquisição na Bahia e Outras Estórias
Nélson de Araújo
Nova Fronteira
(1991)



Luka na Casa da Biza
Lia Campos Ferreira
Do Escritor
(2004)



Trismus na Antártica Volume 2
Patrick Van God
Edições Marítimas



Maravilhas do Conto Humorístico
Mariano Torres
Cultrix
(1959)



Misterio? Misteriosos Amor
Odette de Barros Mott
Atual
(1986)





busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês