O que faz de um livro um clássico | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Guimarães Rosa

Terça-feira, 18/4/2006
O que faz de um livro um clássico
Marcelo Spalding

+ de 6600 Acessos

Não seria melhor terminar o título com uma interrogação? Então, corrijamos: o que faz de um livro um clássico? E eis uma questão com mil possíveis respostas, nenhuma definitiva nem alheia a polêmicas. Mas quem gosta, estuda ou trabalha com literatura não pode se furtar de buscar tais respostas, ou pelo menos dar palpites, ainda mais quando estamos diante de um clássico contundente, comentado e decantado pela efeméride dos 50 anos, Grande Sertão: Veredas.

À época os críticos já desconfiavam estar diante de um monumento da literatura nacional, mas é hoje, passado meio século, que se tem melhor noção da importância do romance roseano para as "belas-letras" brasileiras. Sim, para o que se chamava "belas-letras", aquela literatura refinada, original, canônica, acadêmica. A ponto de comparar-se Guimarães Rosa a Machado, num nível acima de Macunaíma, por exemplo. Mas distante das cabeceiras dos brasileiros.

Deixemos, ou tentemos deixar, o impressionismo de lado. Não estamos lidando com boxe para saber quem é o melhor da década, do século ou do país. E voltemos àquela inicial e difícil pergunta: o que faz de um livro um clássico? Mais especificamente, o que faz de Grande Sertão: Veredas um clássico?

Assim como ocorre com a Odisséia, o Dom Quixote, O Vermelho e o Negro, não se pode definir o Grande Sertão em meia dúzia de palavras, e aí está sem dúvida um mérito seu. Não se consegue sequer encaixá-lo na tradição da literatura fantástica sul-americana ou no romance de 30 brasileiro: de um lado há, sim, o Brasil rural e miserável dos romancistas de 30, de outro há, sim, um pacto com o diabo verossímil mas irreal tão próprio dos fantásticos, mas a obra não é só uma coisa ou outra. Ela utiliza os elementos, maneja as armas de ambos, para ir além.

Paulo Polzonoff Jr., em artigo neste mesmo Digestivo, afirma que o Grande Sertão é "uma aventura divertida e, para usar uma palavra da moda, eletrizante". Pois eu escreveria, antes de ler seu texto, sobre a história de amor que Riobaldo conta, uma história de amor transcendental, proibida mas intensa, sufocada em meio à guerra e ao ódio com um desfecho emocionante e genial, que fortalece todo enredo e justifica a narração prolixa do jagunço sábio e triste. Estamos diante de uma bela história de aventura e de uma bela história de amor ao mesmo tempo, o que nos permite afirmar que o enredo proposto por Guimarães é parte importante para o epíteto de clássico que a obra merece.

Não só o enredo, é claro. Talvez se Guimarães escrevesse uma obra sobre jagunços no sertão no começo do século XX, um pouco depois de Euclides e seu Os Sertões, no auge de Lampião e Maria Bonita, não estaríamos diante de um clássico arrebatador. Em meados da década de 50, o Brasil já é um Brasil progressista, um Brasil que tenta entrar no jogo da internacionalização, do capitalismo, um Brasil juscelinista, dos "50 anos em 5". Um Brasil da cidade, veloz. E surge Guimarães com uma prosa arrastada, rural, sem fim moral ou ideologia política, uma história local e universal, local nas paisagens e na linguagem, universal nos conflitos e nos temas. Grande Sertão: Veredas é um réquiem ao sertanejo, ao jagunço, ao sertão, e novamente cabe a comparação com Dom Quixote, um réquiem ao cavaleiro andante e heróico. Os dois saúdam um país, ou um espaço, que não existe mais.

Finalmente, os lingüistas dirão, com alguma segurança, que o grande trunfo da obra é a linguagem inovadora, a forma erudita com que Guimarães tratou a fala popular do jagunço, do interiorano brasileiro. Tire a linguagem de Guimarães e o Grande Sertão se torna apenas mais um romance, dirão. Mas é evidente que não se pode simplesmente tirar a linguagem de Guimarães, seria como tirar os olhos da Ana Paula Arósio, da Bruna Lombardi ou de Diadorim.

Já conseguimos, assim, chegar a três aspectos fundamentais para a canonização de Grande Sertão: Veredas: 1) um brilhante enredo, que não nega as temáticas universais (leia-se européias), quais sejam a luta e o amor; 2) o lúcido e poético resgate histórico de um país em transformação; 3) a inegável ousadia, se não revolução, lingüística promovida com fôlego por Guimarães. Aí outra pergunta se impõe: porque o romance não é um sucesso de público, especialmente entre os jagunços, os brasileiros interioranos?

Voltando à metáfora dos olhos claros das belas, imagine que o interlocutor destas musas seja daltônico, e, em vez do azul ou verde, enxergue um cinza escuro e sem graça. Pois é o que ocorre com o Grande Sertão: a maioria dos leitores é "daltônica", não vai além da narrativa e vê a linguagem mais como um obstáculo que dificulta a leitura do que um prazer estético e inovador. Não vai aqui uma acusação a essa "classe ignorante que é o leitor", que prefere Dan Brown a Guimarães. Nada disso. Nós mesmos provavelmente só lemos o Grande Sertão: Veredas (até o fim) por uma necessidade de erudição ou compromisso profissional/acadêmico. Uma constatação que embaralha muito a tentativa de resposta já esboçada em três itens para o que faz de um livro um clássico. Como afirmar, então, que estamos diante de um clássico contundente se Guimarães é menos lido que Jô Soares (para não falar em coelhos)?

Além de uma possível carência de leitores, outra contradição evidente que se nota a partir da canonização do Grande Sertão é a falta de obras contemporâneas que, inspiradas naquele modelo, possam figurar, daqui a cinqüenta anos, na lista das grandes obras brasileiras. E talvez as duas contradições estejam relacionadas, a falta de leitores para Guimarães e a falta de escritores à Guimarães: "os novos escritores, afinados com os hábitos alimentícios deste fim de século, publicam livros light, para serem consumidos rapidamente. Na falta de idéias novas, muitos deles voltam a um classicismo acadêmico; glosam, citam, pasticham textos de escritores do passado: outros imitam as formas da mídia, adotam temas de impacto e um estilo rápido e seco, concorrendo com as páginas policiais dos jornais ou, melhor, com os noticiários Aqui e Agora; outros, ainda, se comprazem na contemplação narcísica do pequeno eu, sem pretender ou conseguir dar o salto proustiano para o universal. De modo geral, os livros de ficção se tornaram mais curtos e mais leves; nenhum pretende ser mais o Livro, e os próprios fragmentos se contentam com ser meros pedaços soltos", escreve Leyla Perrone-Moisés o que o autor deste humilde texto gostaria de ter escrito.

Mais do que comemorar, saudar, contemplar o Grande Sertão, é preciso lê-lo. E discuti-lo. Levantar os aspectos que fazem dele um clássico, como algo positivo, e o que faz dele um livro de difícil leitura, admitindo ser isso um problema importante. Só com a análise dessas duas verdades é que entenderemos o que faz de um livro um clássico. Considerando, é claro, que sejam questões literárias, e não políticas, que fazem de um livro um clássico.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 18/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
02. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
03. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
04. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
05. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


Mais Especial Guimarães Rosa
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INOCÊNCIA - COLECAO TRAVESSIAS
VISCONDE DE TAUNAY
MODERNA
(1998)
R$ 8,00



O ESPIÃO INVISÍVEL
MARK FOWLER
SCIPIONE
(1993)
R$ 8,88



85 VEZES SILVIO SANTOS AS MELHORES CARICATURAS DO REI DOS DOMINGOS
VÁRIOS AUTORES
ASTRAL
(2016)
R$ 27,44



GUIA PORTUGAL. O GUIA DE VIAGEM MAIS FACIL DE USAR
VÁRIOS AUTORES
PUBLIFOLHA
(2009)
R$ 70,00



A PSICOLOGIA DO ANORMAL E A VIDA CONTEMPORÂNEA
JAMES C. COLEMAN
PIONEIRA
(1973)
R$ 60,00



SEMPRE SERÁS LEMBRADA
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,48



MONTEIRO LOBATO VIDA E OBRA TOMO I
EDGARD CAVALHEIRO
COMPANHIA NACIONAL
(1956)
R$ 14,00



ESTORIAS PARA CRIANÇAS QUE OS ADULTOS DEVEM LER ESCONDIDOS
RICARDO BANDEIRA
DO AUTOR
(1977)
R$ 5,00



PAIXÃO E CRIME O PROCESSO DO DR. JACCOUD
CARLOS LACERDA
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 10,00



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2008)
R$ 34,90
+ frete grátis





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês