Um defeito de cor, um acerto de contas | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
40883 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> CONGRESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DAS ARTES NA AMÉRICA LATINA: COLONIALISMO E QUESTÕES DE GÊNERO
>>> FERNANDA CABRAL SE APRESENTA NA CAIXA CULTURAL BRASÍLIA
>>> Projeto Entrecruzados lança livro e videodança documental
>>> Inscrições Abertas || Residência Artística no Jardim Botânico de Brasília
>>> Gravação de videoclipe quase provoca prisão do irmão de Gabriel o Pensador
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
>>> Nada de novo no front
>>> A Belém pulp, de Edyr Augusto
>>> Fatos contábeis
>>> Jaula de sombras
>>> Camadas tectônicas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eu matei Marina Abramovic (Conto)
>>> Para você estar passando adiante
>>> Bonecas Russas especial
>>> Shiko e Chico!
>>> Outubro literário
>>> Entre o Curtir e o Trollar
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo
>>> un dos sitios máis modélicos
>>> Senhor Amadeu
>>> Hilda Hilst
Mais Recentes
>>> Regressou numa esteira de Luz de Gerson Simões Monteiro pela Eij (2014)
>>> Sonhos Despedaçados de Ellie James pela Novo Conceito (2014)
>>> A garota do penhasco de Lucinda Riley pela Novo Conceito (2011)
>>> Princesa das Florestas Livro 4 Parte 2 de Tea Stilton pela Fundamento (2015)
>>> Comer rezar amar de Elizabeth Gilbert pela Objetiva (2008)
>>> O Comunismo e as lutas Políticas do RN na Década de 30 de Luiz Gonzaga Cortez pela Sebo Vermelho (2015)
>>> 69 poemas de Chico Doido de Caicó de Moacy Cirne Org pela Sebo Vermelho (2010)
>>> Negociante e Mercadores Mossoró e suas Velhas Firmas de Raimundo nonato pela Sebo Vermelho (2010)
>>> A Pantera De Pijama Cor-De-Rosa de Ganymédes José pela Melhoramentos (1986)
>>> A Máquina Do Tempo de Paulo Mendes Campos pela Tecnoprint (1972)
>>> Eu Gosto Tanto De Você... de Editora pela Editora (1988)
>>> A Cadeira Do Dragão de Carlos Eduardo Novaes pela Nórdica (1980)
>>> O Rei Caracolinho e a Rainha Perna-Fina de Maria Heloisa Penteado pela Ática (1985)
>>> Currais Novos Imagem Tempo Espaço de Francisco ivan pela Sebo Vermelho (2005)
>>> Comida da Terra Nota sobre o Sistema Alimentar do Seridó de Julie A Cavignac pela Sebo Vermelho (2018)
>>> Castanhas do RN de Amanda do Carmo pela Sebo Vermelho (2017)
>>> Castanhas do Rio Grande do Norte de Organizadores Amanda do Carmo pela Sebo Vermelho (2017)
>>> Aventuras na historia--21--hitler de Editora abril pela Abril
>>> Aventuras na historia--94--o dinheiro do vaticano. de Editora abril pela Abril (2011)
>>> Aventuras na historia--86--gestapo. de Editora abril pela Abril (2010)
>>> Aventuras na historia--43--apocalipse maia. de Editora abril pela Abril (2007)
>>> Quatro rodas--novo honda cr-v--jac j3 e quente ou uma gelada?. de Abril pela Abril (2012)
>>> Som & carro--a n:1 do som automotivo--45--testes-mercedes c280,corsa. de S&c pela S&c
>>> Carro hoje--52--honda brio. de Motor press brasil pela Motor press brasil
>>> Auto esporte--450--astra gsi--phaeton w12. de Globo pela Globo
>>> Go Girl! Melhores Amigas - Amigas Para Sempre de Chrissie Perry pela Fundamento (2011)
>>> A cor do seu cérebro. de Sheila N. Glazov pela Novo Conceito (2009)
>>> Entre o Céu e a Terra de Bruxa Déia pela Independente
>>> Gestão de Negócios em Alimentação. Princípios e Práticas. de June payne Palacio e Monica Theis pela Manole (2015)
>>> TACO. Tabela de Composição de Alimentos.Suporte para Decisão Nutricional. de Sônia Tucunduva Philippi pela Manole (2013)
>>> Alimentos saudáveis. Alimentos Perigosos. de Sergio Charlab pela Seleções do Reader's Digest (1996)
>>> Manual da Caça às Bruxas (Malleus Maleficarum) de Heinrich Kraemer e James Sprenger pela Três
>>> Autismo. Esperança pela Nutrição. História de vida,lutas, conquistas e muitos ensinamentos. de Cláudia Marcelino pela M.Books (2010)
>>> Pirâmide dos Alimentos. Fundamentos Básicos da Nutrição. de Sônia Tucunduva Philippi pela Manole (2014)
>>> Atendimento Nutricional a Crianças e Adolescentes. Visão Prática. de Dith Medeiros de Mesquita, Fernanda Ferreira Corrêa. Maria do Carmo Azevedo Leung. Mônica Santiago Galisa. pela Roca (2014)
>>> Amor e Magia de Marlene Goldsmith pela Pallas (1989)
>>> Emagrecimento Permanente. Nutrição para uma vida saudável. de Manuela Dolinsky pela Roca (2015)
>>> Se... Será, Serafina? de Cristina Porto pela Ática (1991)
>>> Educação Alimentar e Nutricional de Mônica Galisa, Alessandra Paula Nunes, Luciana Garcia, Sandra Chemin pela Roca (2014)
>>> A Vida Íntima das Mulheres - O Relatório Chapman de Irving Wallace pela Nova Fronteira (1980)
>>> A Técnica Literária e Seus Problemas de Carmelo M. Bonet pela Mestre Jou (1970)
>>> Hot--16--+ velozes + furiosos--fuscao 2.6. de Sisal pela Sisal
>>> Moto adventure--144-suzuki--hayabusa gsx1300r. de Grazy turkey pela Grazy turkey
>>> Escolha o Seu Sonho de Cecília Meirelles pela Record (1964)
>>> Écfrase e evidência nas letras latinas: doutrina e práxis de Melina Rodolpho pela Humanitas (2012)
>>> Abc da literatura de Ezra Pound pela Cultrix (2006)
>>> Aula de Roland Barthes pela Cultrix (2004)
>>> Esfinge clara e outros enigmas de Othom M. Garcia pela Topbooks (1996)
>>> Diário de Um Banana - Vol. 6 - Casa Dos Horrores de Jeff Kinney pela Vergara & Riba (2013)
>>> Car stereo tuning--72--hot station. de Grazy turkey pela Grazy turkey (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 31/10/2006
Um defeito de cor, um acerto de contas
Marcelo Spalding

+ de 17500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Em nós, até a cor é um defeito. Um imperdoável mal de nascença, o estigma de um crime."
Luís Gama

Imagine se você, um autor desconhecido, chegasse hoje numa grande editora, em tempos de crise no setor editorial, com um romance de quase mil páginas. Mil! Nem arriscaria, não é mesmo? Pois a mineira Ana Maria Gonçalves, nascida em Ibiá (MG) e com trinta e poucos anos ignorou a lógica do mercado e apresentou para a Record Um defeito de cor (Record, 2006, 952 págs.), publicado em maio deste ano, com honrosas 952 páginas de narrativa. "Talvez seja o mais extenso romance brasileiro publicado em uma única obra", orgulha-se a autora.

Bom para o romance que os primeiros três capítulos são marcantes, lidos de uma só sentada, tamanha a densidade e a fluidez da narrativa. Narrativa, aliás, que é mais uma metaficção historiográfica de feitio pós-moderno - mesclando verdade e ficção, dados históricos com "pegadinhas", não preocupando-se em ser definitiva nem isenta - e ao mesmo tempo é o grande romance da nossa literatura sobre a mais cruel, atrasada e vergonhosa experiência brasileira: a escravidão. Não apenas a escravidão em si, mas a escravidão, seus efeitos, suas conseqüência nas gentes e nas pátrias daqui e além-mar narradas por uma negra raptada de sua tribo e vendida como escrava.

Kehinde, essa protagonista, nasceu em Savalu, reino de Daomé, em 1810. Ibêji (ou seja, gêmea), passa os primeiros anos da vida com a mãe, a avó, o irmão e a irmã gêmea, Taiwo, com quem acredita dividir a alma. Certo dia um grupo de guerreiros que invade a casa da avó para roubar, descobre que ela cultua os voduns, acusa-a de bruxaria e promove uma grande chacina, matando e violentando a mãe diante das filhas, abusando das meninas e matando o irmão. A avó parte com as ibêjis para o litoral, onde as meninas são raptadas na rua e presas como mercadoria para vender no Brasil. A avó, desesperada, oferece-se para ir com elas e embarcam num navio negreiro de péssimas condições. Nestes capítulos, as cenas narradas são de efeito único no leitor, misturando a crueza necessária para representar a viagem e o lirismo transcendental que mantém a narrativa palatável e Kehinde, viva:

"Não nos davam comida todos os dias, e me acostumei a isso. Acho que todos nos acostumamos, gostando de uma certa sensação de conforto causada pela fome e pela fraqueza. Era como se o espírito se separasse do corpo e ficasse livre e solto, tanto da carne quanto do porão do navio."

Nesta travessia morrem muitos negros, entre eles a avó e a irmã de Kehinde, que chega sozinha no Brasil e teme virar carneiro, como diziam que acontecia com os capturados em África. Não demora, entretanto, para a menina descobrir que o destino de um escravo pode ser muito pior que o dos carneiros. Nos primeiros anos torna-se dama de companhia de bondosa sinhazinha, com quem depois conviverá ao longo de toda a vida, mas cresce, a sinhazinha vai estudar na capital e a luxúria do sinhô descobre o corpo em formação da escravinha. Kehinde, sabedora das intenções do dono, pede proteção a outro negro, Lourenço, por quem está apaixonada, mas depois de uma tentativa frustrada pelo namorado de violentar a escrava, o sinhô tortura Lourenço, estupra Kehinde, estupra Lourenço e por fim o castra. Da tragédia resultará uma grave doença que levará o sinhô à morte, uma humilhação eterna para Lourenço e um filho para Kehinde.

Daqui em diante a história toma novo rumo e onde antes só havia espaço para a desgraça e a tragédia nasce uma esperança. A família muda-se para Salvador, a escrava de casa vira escrava de ganho, a menina torna-se mulher e a protagonista se transforma em heroína. Sem adiantar demais o enredo, pode-se dizer que ela não apenas liberta-se e prospera como também acultura-se, chegando a dar aos dois últimos filhos os nomes de João e Maria Clara, mesmo vivendo na África.

Mas Kehinde também é a narradora, uma narradora com pressa de terminar suas memórias endereçadas ao filho que dela foi tirado. Não é o filho fruto do abuso (este, um abiku, morre ainda criança), mas o filho de um casamento entre ela e um português que, quando o menino está com 10 anos, vende-o para saldar suas dívidas. Ainda que faça de tudo para encontrá-lo, viajando por Salvador, Rio de Janeiro, Santos e São Paulo, Kehinde não o encontra e resolve voltar para a África, onde forma nova família. Já velha, resolve fazer a viagem de volta por causa de novas e tardias pistas sobre o paradeiro do filho, e é no trajeto desta viagem que narra a história do livro.

A estratégia da autora de narrar a história assim, a partir da protagonista, torna a linguagem simples e eficiente e exime a obra de imprecisões ou omissões históricas - vale ressaltar que não deixa de haver uma enorme pesquisa histórico-social por trás do romance. Adotando o ponto de vista de uma escrava, ou seja, de uma mulher negra lutando por sua identidade e seus amores em tempos de homens brancos empenhados em construir uma nação, Ana Maria particulariza e humaniza um grupo social fundamental para a construção desse país mas sempre referido no coletivo, revelando detalhes cotidianos da escravidão e desvelando sua face mais cruel.

O deslocamento do narrador para uma classe explorada e aculturada à força também permite uma pouco comum ênfase em questões religiosas - fundamentais inclusive para se entender as motivações de Kehinde e o último capítulo do romance -, ênfase traduzida em descrições detalhadas dos voduns africanos às festas católicas de então, formando uma rica e fascinante teia sincrética de um tempo onde o espiritual não foi ainda rendido pelo racionalismo etnocêntrico e liberal.

Já a aposta estética da autora, um romance extenso e denso publicado num único livro (e não em tomos, como O Tempo e o Vento, por exemplo), pode por um lado conferir autoridade e credibilidade para a história e por outro afastar sobremaneira os leitores. Dessa forma não nos cabe achar boa ou ruim a escolha, mas pensar em como funciona um texto tão extenso, talvez o maior em língua portuguesa.

Primeiro é preciso entender que as ações são narradas oralmente por Kehinde para uma acompanhante num continuum temporal como quem conta suas memórias, sem grandes saltos no tempo e com interrupções providenciais para descrições detalhadas dos ambientes, das questões políticas, culturais, sociais e religiosas, bem como impressões e explicações pessoais do narrador. Tudo isso entremeado por histórias paralelas num feitio de oralidade construída já canonizada no Grande Sertão. Mas aqui, diferentemente do romance de Rosa, que opta por contar apenas as últimas batalhas de Riobaldo, a história começa com as primeiras lembranças de Kehinde, aos 6 anos, e só termina com sua chegada de volta ao Brasil (ou seria sua morte?). Assim, não é difícil entender que mesmo novecentas e tantas páginas não sejam suficientes, e não é rara a sensação do leitor de imprecisão e apressamento em algumas cenas, especialmente em cenas capitais como a morte e o sumiço dos filhos.

Se por um lado a pressa da narradora causa essas elipses maléficas ao todo, também é importante mencionar que a obra é divida em dez partes e que cada parte é dividida em pequenos capítulos num total de 329, permitindo que a leitura flua de forma veloz. Sim, veloz, e aqui é interessante notarmos que em raros momentos o texto é prolixo, ainda que pareça estranho que um romance de quase mil páginas possa ser considerado conciso. Ocorre que ser conciso não é ser breve, e sim fazer caber mais em menos espaço, e realmente Um defeito de cor narra não apenas a movimentada vida de Kehinde como pontua episódios políticos do Brasil republicano e pincela matizes das sociedades urbanas em formação com espantosa verossimilhança e visibilidade.

Millôr Fernandes, em coluna na Folha de São Paulo em setembro de 2006, coloca Um defeito de cor entre um dos livros mais importantes, entre os 10 melhores que leu "em nossa bela língua eslava". Idelber Avelar, no Biscoito Fino, afirma que Um defeito de cor está no mesmo nível de Quarup, de Antonio Callado, Incidente em Antares, de Érico Veríssimo, Catatau, de Paulo Leminski, e Romance da Pedra do Reino, de Ariano Suassuna, "todos eles um par de degraus abaixo do romanção-mor das nossas letras (o Sertão de Rosa): ou seja, Ana escreveu um dos cinco grandes romanções-cosmogonias da última metade de século na literatura brasileira, no mínimo".

De minha parte acho impossível para nós, contemporâneos ainda espantados com os riscos assumidos, definirmos que se trata de um daqueles romances dignos de figurar nas teses e dissertações universitárias e na lista de obrigatórios para o vestibular. Mas parece claro desde já que estamos diante de um acontecimento, uma obra que mexe com a produção contemporânea, retoma com coragem a idéia realista de representar a realidade defendendo posições e inova esteticamente trazendo a oralidade para o primeiro plano. Não bastasse isso, Ana Maria investe na prosa longa e levanta o véu de um período muito pouco debatido de nossa história num contundente e já necessário acerto de contas, dando voz a quem a sociedade calava a chibatadas.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 31/10/2006


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/11/2006
04h14min
Como autor negro, que já tive textos publicados nos Cadernos Negros, rompendo juntamente com outros escritores brasileiros a ditadura editorial do mundo branco brasileiro, sei que o comentario de Marcelo Spalding é uns dos mais importantes do processo de reeleitura do Brasil atual, no qual temos uma sociedade descobrindo-se afro descendente e, então, surge o que os sociólogos da nova geração chamam de "processo de identidades itinerantes". Valeu imensamente como brilho florescente, este trabalho de crônica jornalística de teor... bem Brasil.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
16/8/2010
11h27min
O livro "Um defeito de cor" está sendo uma experiência inigualável para mim. A quantidade de páginas do romance torna-se irrelevante diante da bela história retratada e da forma poética e cadenciada como Ana Maria Gonçalves nos apresenta a sua obra. Posso assegurar que, apesar do peso, carregar comigo todos os dias o livro "Um defeito de cor" torna as minhas viagens diárias para o trabalho muito mais leves.
[Leia outros Comentários de Andréia de Queirós]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O REINO DO DRAGÃO DE OURO
ISABEL ALLENDE
BERTRAND BRASIL
(2011)
R$ 31,48



TRADUÇÃO E RUÍDO NA COMUNICAÇÃO TEATRAL
GEIR CAMPOS
ÁLAMO
(1982)
R$ 13,00



FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA
MARIA APARECIDA VIGGIANI BICUDO (ORG.)
UNESP
(2018)
R$ 30,00



PEQUENA ANTOLOGIA AMOROSA - JUAN DE LA CRUZ (LITERATURA ESPANHOLA - SÉCULO XVI)
JUAN DE LA CRUZ
LACERDA
(2000)
R$ 7,00



CRIMES PREVIDENCIÁRIOS (SÉRIE CIÊNCIAS CRIMINAIS NO SEC.XXI - VOL1
LUIZ FLÁVIO GOMES
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2001)
R$ 12,00



OS SENHORES DAS GERAIS: OS NOVOS INCONFIDENTES E O GOLPE MILITAR DE 1964
HELOISA MARIA MURGEL STARLING
VOZES
(1986)
R$ 12,00



PARA UMA NOVA GRAMÁTICA DO PORTUGUÊS
MÁRIO A. PERINI
ÁTICA
(1989)
R$ 12,00



PORTUGUÊS PASSO A PASSO VOL 7
PASQUALE CIPRO NETO
GOLD
(2007)
R$ 5,00



LULA E O PT - DA ESPERANÇA AO FEIJÃO-COM-ARROZ E OUTROS ESCRITOS
FERNANDO A. MOURÃO FLORA
THESAURUS
(2009)
R$ 25,00



REVISTA XBOX--87.
EUROPA
EUROPA
R$ 16,00





busca | avançada
40883 visitas/dia
1,0 milhão/mês