Um defeito de cor, um acerto de contas | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Dragão7 realiza última edição do Circuito de Teatro em Português
>>> Teatro para bebês, A Florestinha da Pati, integra o Circuito de Teatro em Português
>>> Buscapé cria "Vila" para celebrar Black Friday
>>> Vila 567 promove Quintaneja para comemorar feriado prolongado
>>> Musical gratuito "Brincando com a Broadway" chega ao Teatro UMC
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> No tinir dos metais
>>> De(correntes)
>>> Prata matutina
>>> Brazil - An Existing Alien Country on Planet Earth
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
>>> Cabeças Cortadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Farewell, Pedrinho!
>>> Baratas
>>> Dar de comer ao ódio
>>> Suspeito que estejam sempre conspirando para me fazer feliz
>>> Escrever para não morrer
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Eu também sou concretista
>>> Geraldo Vandré, 70 anos
>>> Apresentação
Mais Recentes
>>> O outro lado da colina de Liddell hart pela Biblioteca do exercito
>>> O colecionador de John fowles pela Circulo do livro
>>> Colapso de Arthur hailey pela Circulo do livro
>>> Educar sem culpa de Tania zagury pela Circulo do livro
>>> Landschaftsarrchitekten:standorte und perspektiven de Adolf schmitt pela Christians-reim verlag
>>> Para-quedas & beijos de Erica jong pela Circulo do livro
>>> O desafio mundial de Jean-jacques servan-schreiber pela Nova fronteira
>>> A revoluçao dos covardes de David nasser pela Cruzeiro
>>> Do coração de um pastor de Kenneth w Hagin pela Graca editorial (2009)
>>> Oráculo da Grande Mãe - Acomp. 1 Livro e 60 cartas de Claudiney Prieto pela Alfabeto
>>> Tarô das Bruxas - Acompanha 78 cartas de Ellen Dugan pela Isis
>>> Mamãe e o Sentido da Vida de Irvin D. Yalom pela Agir (2010)
>>> Décima Profecia, A de James Redfield pela Fontanar (2009)
>>> Curso Completo de Tarô - Acomp. 1 livro e 78 cartas de Nei Naiff pela Alfabeto
>>> Árabe do Futuro, O de Riad Sattouf pela Intrínseca (2015)
>>> Schraiber - " O reino dos simples" de Vários autores pela Não definido
>>> Selecta homeopathica - Cura e recuperação de Vários autores pela Luz menescal (2002)
>>> Selecta homeopathica - Experimentação patogenética de Vários autores pela Luz menescal (2001)
>>> Cadernos de matéria médica - Vol. 10 Nº 1 de Vários autores pela American journal (2002)
>>> Peter Pan de James Barrie pela Ediouro (2004)
>>> Coors taste of the west de Vários autores pela Better Homes and Gardens (1981)
>>> Party book de Dorothy Marsh e Carol Brock pela Harper & Brothers (1958)
>>> The pocket book of home canning de Elizabeth Beveridge pela Pocket books (1943)
>>> Paisagens Humanas de Antonio Versiani pela Civilização brasileira (1960)
>>> Great Tales of the far west de Alex Austin pela Pyramid books (1956)
>>> The Movie Buff´s book de Ted Sennett pela A pyramid publication (1975)
>>> Hospital de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1959)
>>> Monsenhor Quixote de Graham Greene pela Record (1982)
>>> Salambô de Flaubert pela Max Limonad (1985)
>>> O vale do terror de Arthur Conan Doyle pela Ediouro
>>> A casa morta de Henry Bordeaux pela Figueirinhas (1929)
>>> Ih, esqueceram madame Freud... de Françoise Xenakis pela Rocco (1988)
>>> Platero e eu de Juan Ramón Jiménez pela Rio Gráfica (1987)
>>> The countess de Hans Habe pela A signet book (1964)
>>> Loves of the orient de Giovanni Camisso pela Belmont Book (1954)
>>> Skipping Christmas de John Grisham pela A dell book (2004)
>>> Terra Virgem El Erial de Constâncio C. Vigil pela Melhoramentos
>>> Woodstock - Tomo I de Walter Scott pela H. Garnier
>>> L´Homme qui assassina de Claude Farrère pela Ernest Flammarion
>>> Camille de Alexandre Dumas pela Bantam Books (1949)
>>> Lamentai os honestos de Ed Lacy pela Ibis (1968)
>>> Conspiração nas trevas de Hartley Howard pela Livros do Brasil (1966)
>>> Próxima Viagem - Nº 62, Ano 6 de Vários autores pela Peixes (2004)
>>> Próxima Viagem - Nº 4, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 3, Ano 1 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 6, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 7, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 10, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 12, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 37, Ano 3 de Vários autores pela Peixes (2002)
COLUNAS

Terça-feira, 31/10/2006
Um defeito de cor, um acerto de contas
Marcelo Spalding

+ de 17200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Em nós, até a cor é um defeito. Um imperdoável mal de nascença, o estigma de um crime."
Luís Gama

Imagine se você, um autor desconhecido, chegasse hoje numa grande editora, em tempos de crise no setor editorial, com um romance de quase mil páginas. Mil! Nem arriscaria, não é mesmo? Pois a mineira Ana Maria Gonçalves, nascida em Ibiá (MG) e com trinta e poucos anos ignorou a lógica do mercado e apresentou para a Record Um defeito de cor (Record, 2006, 952 págs.), publicado em maio deste ano, com honrosas 952 páginas de narrativa. "Talvez seja o mais extenso romance brasileiro publicado em uma única obra", orgulha-se a autora.

Bom para o romance que os primeiros três capítulos são marcantes, lidos de uma só sentada, tamanha a densidade e a fluidez da narrativa. Narrativa, aliás, que é mais uma metaficção historiográfica de feitio pós-moderno - mesclando verdade e ficção, dados históricos com "pegadinhas", não preocupando-se em ser definitiva nem isenta - e ao mesmo tempo é o grande romance da nossa literatura sobre a mais cruel, atrasada e vergonhosa experiência brasileira: a escravidão. Não apenas a escravidão em si, mas a escravidão, seus efeitos, suas conseqüência nas gentes e nas pátrias daqui e além-mar narradas por uma negra raptada de sua tribo e vendida como escrava.

Kehinde, essa protagonista, nasceu em Savalu, reino de Daomé, em 1810. Ibêji (ou seja, gêmea), passa os primeiros anos da vida com a mãe, a avó, o irmão e a irmã gêmea, Taiwo, com quem acredita dividir a alma. Certo dia um grupo de guerreiros que invade a casa da avó para roubar, descobre que ela cultua os voduns, acusa-a de bruxaria e promove uma grande chacina, matando e violentando a mãe diante das filhas, abusando das meninas e matando o irmão. A avó parte com as ibêjis para o litoral, onde as meninas são raptadas na rua e presas como mercadoria para vender no Brasil. A avó, desesperada, oferece-se para ir com elas e embarcam num navio negreiro de péssimas condições. Nestes capítulos, as cenas narradas são de efeito único no leitor, misturando a crueza necessária para representar a viagem e o lirismo transcendental que mantém a narrativa palatável e Kehinde, viva:

"Não nos davam comida todos os dias, e me acostumei a isso. Acho que todos nos acostumamos, gostando de uma certa sensação de conforto causada pela fome e pela fraqueza. Era como se o espírito se separasse do corpo e ficasse livre e solto, tanto da carne quanto do porão do navio."

Nesta travessia morrem muitos negros, entre eles a avó e a irmã de Kehinde, que chega sozinha no Brasil e teme virar carneiro, como diziam que acontecia com os capturados em África. Não demora, entretanto, para a menina descobrir que o destino de um escravo pode ser muito pior que o dos carneiros. Nos primeiros anos torna-se dama de companhia de bondosa sinhazinha, com quem depois conviverá ao longo de toda a vida, mas cresce, a sinhazinha vai estudar na capital e a luxúria do sinhô descobre o corpo em formação da escravinha. Kehinde, sabedora das intenções do dono, pede proteção a outro negro, Lourenço, por quem está apaixonada, mas depois de uma tentativa frustrada pelo namorado de violentar a escrava, o sinhô tortura Lourenço, estupra Kehinde, estupra Lourenço e por fim o castra. Da tragédia resultará uma grave doença que levará o sinhô à morte, uma humilhação eterna para Lourenço e um filho para Kehinde.

Daqui em diante a história toma novo rumo e onde antes só havia espaço para a desgraça e a tragédia nasce uma esperança. A família muda-se para Salvador, a escrava de casa vira escrava de ganho, a menina torna-se mulher e a protagonista se transforma em heroína. Sem adiantar demais o enredo, pode-se dizer que ela não apenas liberta-se e prospera como também acultura-se, chegando a dar aos dois últimos filhos os nomes de João e Maria Clara, mesmo vivendo na África.

Mas Kehinde também é a narradora, uma narradora com pressa de terminar suas memórias endereçadas ao filho que dela foi tirado. Não é o filho fruto do abuso (este, um abiku, morre ainda criança), mas o filho de um casamento entre ela e um português que, quando o menino está com 10 anos, vende-o para saldar suas dívidas. Ainda que faça de tudo para encontrá-lo, viajando por Salvador, Rio de Janeiro, Santos e São Paulo, Kehinde não o encontra e resolve voltar para a África, onde forma nova família. Já velha, resolve fazer a viagem de volta por causa de novas e tardias pistas sobre o paradeiro do filho, e é no trajeto desta viagem que narra a história do livro.

A estratégia da autora de narrar a história assim, a partir da protagonista, torna a linguagem simples e eficiente e exime a obra de imprecisões ou omissões históricas - vale ressaltar que não deixa de haver uma enorme pesquisa histórico-social por trás do romance. Adotando o ponto de vista de uma escrava, ou seja, de uma mulher negra lutando por sua identidade e seus amores em tempos de homens brancos empenhados em construir uma nação, Ana Maria particulariza e humaniza um grupo social fundamental para a construção desse país mas sempre referido no coletivo, revelando detalhes cotidianos da escravidão e desvelando sua face mais cruel.

O deslocamento do narrador para uma classe explorada e aculturada à força também permite uma pouco comum ênfase em questões religiosas - fundamentais inclusive para se entender as motivações de Kehinde e o último capítulo do romance -, ênfase traduzida em descrições detalhadas dos voduns africanos às festas católicas de então, formando uma rica e fascinante teia sincrética de um tempo onde o espiritual não foi ainda rendido pelo racionalismo etnocêntrico e liberal.

Já a aposta estética da autora, um romance extenso e denso publicado num único livro (e não em tomos, como O Tempo e o Vento, por exemplo), pode por um lado conferir autoridade e credibilidade para a história e por outro afastar sobremaneira os leitores. Dessa forma não nos cabe achar boa ou ruim a escolha, mas pensar em como funciona um texto tão extenso, talvez o maior em língua portuguesa.

Primeiro é preciso entender que as ações são narradas oralmente por Kehinde para uma acompanhante num continuum temporal como quem conta suas memórias, sem grandes saltos no tempo e com interrupções providenciais para descrições detalhadas dos ambientes, das questões políticas, culturais, sociais e religiosas, bem como impressões e explicações pessoais do narrador. Tudo isso entremeado por histórias paralelas num feitio de oralidade construída já canonizada no Grande Sertão. Mas aqui, diferentemente do romance de Rosa, que opta por contar apenas as últimas batalhas de Riobaldo, a história começa com as primeiras lembranças de Kehinde, aos 6 anos, e só termina com sua chegada de volta ao Brasil (ou seria sua morte?). Assim, não é difícil entender que mesmo novecentas e tantas páginas não sejam suficientes, e não é rara a sensação do leitor de imprecisão e apressamento em algumas cenas, especialmente em cenas capitais como a morte e o sumiço dos filhos.

Se por um lado a pressa da narradora causa essas elipses maléficas ao todo, também é importante mencionar que a obra é divida em dez partes e que cada parte é dividida em pequenos capítulos num total de 329, permitindo que a leitura flua de forma veloz. Sim, veloz, e aqui é interessante notarmos que em raros momentos o texto é prolixo, ainda que pareça estranho que um romance de quase mil páginas possa ser considerado conciso. Ocorre que ser conciso não é ser breve, e sim fazer caber mais em menos espaço, e realmente Um defeito de cor narra não apenas a movimentada vida de Kehinde como pontua episódios políticos do Brasil republicano e pincela matizes das sociedades urbanas em formação com espantosa verossimilhança e visibilidade.

Millôr Fernandes, em coluna na Folha de São Paulo em setembro de 2006, coloca Um defeito de cor entre um dos livros mais importantes, entre os 10 melhores que leu "em nossa bela língua eslava". Idelber Avelar, no Biscoito Fino, afirma que Um defeito de cor está no mesmo nível de Quarup, de Antonio Callado, Incidente em Antares, de Érico Veríssimo, Catatau, de Paulo Leminski, e Romance da Pedra do Reino, de Ariano Suassuna, "todos eles um par de degraus abaixo do romanção-mor das nossas letras (o Sertão de Rosa): ou seja, Ana escreveu um dos cinco grandes romanções-cosmogonias da última metade de século na literatura brasileira, no mínimo".

De minha parte acho impossível para nós, contemporâneos ainda espantados com os riscos assumidos, definirmos que se trata de um daqueles romances dignos de figurar nas teses e dissertações universitárias e na lista de obrigatórios para o vestibular. Mas parece claro desde já que estamos diante de um acontecimento, uma obra que mexe com a produção contemporânea, retoma com coragem a idéia realista de representar a realidade defendendo posições e inova esteticamente trazendo a oralidade para o primeiro plano. Não bastasse isso, Ana Maria investe na prosa longa e levanta o véu de um período muito pouco debatido de nossa história num contundente e já necessário acerto de contas, dando voz a quem a sociedade calava a chibatadas.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 31/10/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti
02. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio
03. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
04. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
05. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) de Julio Daio Borges


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/11/2006
04h14min
Como autor negro, que já tive textos publicados nos Cadernos Negros, rompendo juntamente com outros escritores brasileiros a ditadura editorial do mundo branco brasileiro, sei que o comentario de Marcelo Spalding é uns dos mais importantes do processo de reeleitura do Brasil atual, no qual temos uma sociedade descobrindo-se afro descendente e, então, surge o que os sociólogos da nova geração chamam de "processo de identidades itinerantes". Valeu imensamente como brilho florescente, este trabalho de crônica jornalística de teor... bem Brasil.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
16/8/2010
11h27min
O livro "Um defeito de cor" está sendo uma experiência inigualável para mim. A quantidade de páginas do romance torna-se irrelevante diante da bela história retratada e da forma poética e cadenciada como Ana Maria Gonçalves nos apresenta a sua obra. Posso assegurar que, apesar do peso, carregar comigo todos os dias o livro "Um defeito de cor" torna as minhas viagens diárias para o trabalho muito mais leves.
[Leia outros Comentários de Andréia de Queirós]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEMENTES DA MEMÓRIA - OS REBELDES DE 68 - FOTOS
JOSÉ ROBERTO DA SILVA
THESAURUS
R$ 11,00



SOBREVIVÊNCIAS: NO INÍCIO DA DOCÊNCIA
EMÍLIA FREITAS DE LIMA - ORGANIZAÇÃO
LIBER LIVRO
(2006)
R$ 19,71



UMA BREVE HISTÓRIA DO MUNDO
GEOFFREY BLAINEY
FUNDAMENTO
(2012)
R$ 10,00



GUIA POLITICAMENTE INCORRETO DA AMÉRICA LATINA
LEANDRO NARLOCH E DUDA TEIXEIRA
LEYA
(2011)
R$ 14,90



BIBLIOGRAFIA SOBRE A JUVENTUDE -1ª ED.
RUTH CARDOSO E HELENA SAMPAIO
EDUSP
(1995)
R$ 17,90



THE SIX SIGMA WAY: HOW GE, MOTOROLA AND OTHER TOP COMPANIES ARE HONING THEIR PERFORMANCE
PETER S. PANDE, ROBERT P. NEUMAN, ROLAND R. CAVANAGH
MCGRAW-HILL
(2000)
R$ 30,00



VIDA LITERÁRIA
MÁRIO DE ANDRADE
HUCITEC
(1993)
R$ 50,00



A LIBERTAÇÃO DA TEOLOGIA
BISPO MACEDO
UNIVERSAL
(1993)
R$ 12,51



MULHER IMORTAL - ( BIOGRAFIA ROMANCEADA DE JESSIE BENTON FREMONT )
IRVING STONE
EDART
(1962)
R$ 6,90



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2009)
R$ 19,71





busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês