O fim do livro didático | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
74431 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Barenboim, Yo-Yo Ma & Perlman
>>> Colin Wilson (1931 - ...)
>>> Black Sabbath Biography
>>> Steve Jobs apresentando iBooks
>>> O webjornalismo agradece
>>> Delírios da baixa gastronomia
>>> Delírios da baixa gastronomia
>>> Tom Zé por Giron
>>> Seis anos de Digestivo
>>> O Escafandro e a Borboleta, com Mathieu Amalric
Mais Recentes
>>> In a different voice de Carol Gilligan pela Harvaard (1936)
>>> Les femmes juives de Renée David pela Perrin (1957)
>>> O maior anão do mundo de Ziraldo e Mauricio de Sousa pela Melhoramentos (2011)
>>> Do Roraima ao Orinoco- Vol 1 de Theodor Koch-Grunberg pela Unesp (2006)
>>> CBAP Master: Aprenda Análise de Negócios e conquiste de Marcelo Neves, CBAP pela Brasport (2017)
>>> The encyclopedia of tarot- Vol 2 de Stuart R. Kaplan pela U.S Games Systems (1985)
>>> O casarão verde: Paixão sem limites de Ricardo Ferrer pela Thesaurus (2007)
>>> Marketing de relacionamento de Gisela Demo- Valter Ponte pela Atlas (2008)
>>> Adobe indesign CS3 de Renato Nogueira Perez Avila pela Brasport (2015)
>>> Análise de sinais para engenheiros de Hélio Magalhães de Oliveira pela Brasport (2007)
>>> Sociologia: Teoria e estrutura de Robert K. Merton pela Mestre Jou (1968)
>>> Los sistemas políicos de los imperios de Eisenstadt pela Revisat de Occidente (1963)
>>> Educação ambiental: Nova Iguaçu de Vários autores pela Puc Rio (2012)
>>> Educação ambiental- Resende+ Visconde de Mauá de Vários autores pela Puc Rio (2011)
>>> Educação ambiental Duque de Caxias de Vários autores pela Puc Rio (2012)
>>> Box Morte de tinta de Cornelia Funke pela Cia das letras (2010)
>>> Exercise with pilates e yoga de Lynne Robinson, Howard Napper pela Barnes e noble (2002)
>>> Objectos Fractais de Benoît Mandelbrot pela Gradiva (1991)
>>> Along the Paraná and the Amazon de Frank G. Carpenter pela Doubleday, page e company (1925)
>>> Radamés Gnattali: O eterno experimentador de Valdinha Barbosa e Anne Marie Devos pela Funarte (1985)
>>> O choro de Alexandre Gonçalves Pinto pela Funarte (2009)
>>> Música e história no longo século XIX de Antonio Herculano, Martha Abreu, Martha Tupinambá, Monica Pimenta pela Fundação Casa Rui Barbosa (2011)
>>> Coleção conceitos da psicanálise: 18 vols de Vários autores pela Viver (2005)
>>> Essencialismo: A disciplinada busca por menos de Greg Mckeown pela Sextante (2015)
>>> Political parties and political development de Leonard Binder, Otto Kirchheimer, William N. pela LaPalombara (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 1/6/2012
O fim do livro didático
Marcelo Spalding

+ de 4400 Acessos

O livro assistiu à conquista dos mares e do espaço, ao massacre de tribos inteiras, à construção de aldeias que viraram cidades que viraram metrópoles, a Grandes Guerras Mundiais, a Cismas e Revoluções no Oriente e no Ocidente; contribuiu com o surgimento de nações fortes e líderes sanguinários, de ideias que originaram a eletricidade, o avião, o telefone, a bomba atômica, o rádio, a vacina, o cinema, a genética, a internet; consolidou línguas, perpetuou religiões, criou mundos imaginários. O secular e sagrado livro, atravessou um milênio inteiro — o das luzes, o das invenções — praticamente incólume, soberano numa era de rápidas transformações tecnológicas, nos fazendo acreditar que ele, o livro, era realmente como a colher, o martelo, a roda ou a tesoura. Mas não.

Nem o livro — e talvez nem a colher, a roda ou a tesoura — está livre de transformação nessa passagem do mundo analógico para o mundo digital, do mundo de átomos para o mundo de bits, o que tem provocado verdadeiro alvoroço em uma geração nascida e criada em meio a (muitos) livros. Sim, muitos, porque se em 1427 havia apenas 122 livros na Universidade de Cambridge, hoje são mais de 150 milhões de volumes mantidos em 150 quilômetros de prateleiras só na nesta Universidade.

Tal profusão é sinal de que o livro não conquistou apenas as estantes, mas também o coração e o imaginário de seus leitores: "É preciso reconhecer o mundo como um grande livro", nos dirá Guilherme de Baskerville, o frade franciscano protagonista de O Nome da Rosa; "Liesel quase puxou um título do lugar, mas não se atreveu a perturbá-los, eram perfeitos demais", contará a protagonista Morte em A menina que roubava livros; "Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante", revelará Clarice Lispector no antológico conto "Felicidade Clandestina".

Há algum tempo, porém, o livro não é mais o único a transmitir essas histórias, sonhos, medos, lições, tem dividido bastante de seu protagonismo com o cinema, a televisão, agora a internet. Sem contar que cada vez mais a escrita em geral — e a literatura em particular — encontra novos e variados suportes digitais com características distintas e capazes, inclusive, de modificar o texto em si, numa revolução que o estudioso Roger Chartier considera "com poucos precedentes tão violentos na longa história da cultura escrita".

Nesse aspecto, o próprio objeto físico tem sido rediscutido, com alguns prevendo que ocorrerá com o livro o mesmo que com os discos ou os filmes fotográficos: uma transposição do seu formato de átomos para um formato de bits, digital. É nesse contexto que foram lançados há algum tempo aparelhos como o Kindle e mais recentemente aparelhos como o iPad, com telas já muito melhor adaptadas à leitura do que as telas dos notebooks ou PCs. Dizer que os aparelhos digitais irão substituir por completo a milenar tradição de livros impressos, entretanto, é tão leviano quanto ignorar sua presença ou lutar contra ela.

Livros de referência, como enciclopédias, atlas, dicionários, guias, legislações e manuais, fazem muito mais sentido numa plataforma digital do que no papel. Por pelo menos duas razões: a facilidade de consultas precisas e a facilidade de atualização. Só interessa a um mercado tradicional e um tanto viciado que um estudante compre o mesmo livro a cada ano, preocupado apenas com a mudança de uma ou outra lei que foi alterada naqueles meses, por exemplo.

Na sala de aula, da mesma forma, livros didáticos grossos e caros são cada vez mais anacrônicos (ainda que coloridos e bonitos), e não pela questão pedagógica, tão bem discutida há algum tempo por nossos colegas pedagogos, mas pela questão tecnológica. Fazer os pais comprarem uma caixa de livros didáticos de editoras e autores que se repetem, conjunto de livros cujo valor ultrapassa o de muitos tablets, é hoje tão justificável quanto a compra da última versão da Barsa pela biblioteca da escola.

Em livro chamado "A sala de aula interativa", Marco Silva, ainda no ano 2000, já defendia o uso de ferramentas tecnológicas em sala de aula, mudando não apenas os materiais, mas também o método de ensino:

"A sala de aula interativa seria o ambiente em que o professor interrompe a tradição do falar/ditar, deixando de identificar-se com o contador de histórias, e adota uma postura semelhante a do designer de software interativo. Ele constrói um conjunto de territórios a serem explorados pelos alunos e disponibiliza co-autoria e múltiplas conexões, permitindo que o aluno também faça por si mesmo. Isto significa muito mais do que 'ser um conselheiro, uma ponte entre a informação e o entendimento, [...] um estimulador de curiosidade e fonte de dicas para que o aluno viaje sozinho no conhecimento obtido nos livros e nas redes de computador'. O aluno, por sua vez, passa de espectador passivo a ator situado num jogo de preferências, de opções, de intercompreensão. E a educação pode deixar de ser um produto para se tornar processo de troca de ações que cria conhecimento e não apenas o reproduz."

Um livro didático, como se sabe, é a reprodução de um discurso e de uma construção feita fora do contexto do jovem aluno, desconsiderando suas particularidades e reduzindo sua participação a preencher de lacunas. Aplicativos didáticos, embora hoje sejam muito caros, aos poucos podem ser desenvolvidos pelas universidades de cada cidade, numa parceria entre cursos de informática e educação, por exemplo, considerando a linguagem, a região e a realidade social em que estão inseridas as escolas, bem como as propostas educacionais de cada instituição.

Com isso, talvez fosse possível investir parte do valor milionário que hoje é gasto em livros didáticos em livros de literatura. Livros em papel, que seja, pois ainda que haja — e cada vez mais — literatura nas mídias digitais, temos e por muito tempo teremos boa literatura nos livros impressos. E a literatura, quando bem trabalhada, incentiva os jovens a ler, aprimora técnicas de leitura, raciocínio, compreensão, o que no final das contas é fundamental para qualquer disciplina.

Mais importante do que o uso de livros didáticos (ou mesmo de aplicativos didáticos) é o gosto e a capacidade de leitura, pois sem a leitura em breve não teremos mais livros — nem digitais, nem impressos; nem literários, nem didáticos. E dá para imaginar um aluno estudando apenas por aqueles tutoriais em vídeo de qualidade duvidosa? Que se permita o surgimento de novas tecnologias em sala de aula, mas que se preserve o que de melhor a tradição escolar construiu.



Marcelo Spalding
Porto Alegre, 1/6/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Melhor que muito casamento de Ana Elisa Ribeiro
02. Convocação para uma outra luta de Marilia Mota Silva
03. Da indústria do sabor e do desgosto de Elisa Andrade Buzzo
04. O brilho do sangue de Rafael Rodrigues
05. A cachorra da vizinha de Adriana Baggio


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2012
01. Figuras de linguagem e a escrita criativa - 21/12/2012
02. Capacidade de expressão X capacidade linguística - 30/3/2012
03. O centenário de Contos Gauchescos - 17/2/2012
04. Literatura, Interação e Interatividade - 24/8/2012
05. 3 dicas para a escrita criativa - 12/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Devils Highway, The
Luis Alberto Urrea
Back Bay Books
(2005)



Glee, o Início
Sophia Lowell
Galera
(2011)



Antropologia: uma Teoria da Evolução Cultural
Danilo Lazzarotto (2ª Edição)
Sulina (porto Alegre)
(1976)



Die Respektvolle Dirne
Jean Paul Sartre
Rowohlt
(1988)



Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção
Academia Brasileira de Ciências (rj)
Academia Brasileira de Ciência
(1972)



Statistics For the Social Scientist 1: Introducing Statistics
K. A. Yeomans
Penguin Books
(1968)



André Gide
George D. Painter (capa Dura)
Mercure de France
(1968)



Communicate Motivates Students to Communicate Vol 1
David Paul
Compass Publishing
(2012)



Paisagens de Sonho e Verdade
Valéria Salgueiro
Fraiha (rj)
(1998)



Crônicas Científicas
Anna Veronica Mautner
Escuta
(1994)





busca | avançada
74431 visitas/dia
2,7 milhões/mês