3 dicas para a escrita criativa | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
82307 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Casa Flutuar apresenta agenda cultural com grandes nomes da música eletrônica brasileira
>>> Sarau do Vale participa do projeto de 10 anos do Grupo Rosas Periféricas
>>> Cia Linhas Aéreas serve aperitivo para a temporada presencial de 2022
>>> Rosas Periféricas apresenta Labirinto Selvático e Ladeira das Crianças em novembro
>>> SESI-SP apresenta Filó Machado 60 Anos de Música em teatros de São Paulo e Piracicaba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
>>> Cuba E O Direito de Amar (2)
>>> A Velhice
>>> I know you
>>> Vanguarda e Ditadura Militar
>>> Na Campus Party 2009 II
>>> Um piano pela estrada
>>> The Good Wife visita Private Practice
Mais Recentes
>>> Venda Mais - Os 14 mitos do Marketing - Ano 6 - Nº77 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Por que as empresas quebram? - Ano 6 - Nº80 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Você pode realizar seus sonhos - Ano 6 - Nº 75 de Vários pela Quantum (2021)
>>> Venda Mais - Porque você é do jeito que é - Ano 6 - Nº 78 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Edição aniversário - 7 anos - Vendendo mais e melhor de Vários pela Quantum (2001)
>>> Venda Mais - Negociando para ganhar - Ano 6 Nº 81 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Venda Mais! Venda para nichos de Mercado de Vários pela Quantum (2001)
>>> Torto arado de Itamar Vieira Junior pela Todavia (2020)
>>> O Investidor Inteligente de Benjamin Graham; Lourdes Sette pela Harper Collins (2017)
>>> O Profeta de Gibran Khalil Gibran pela Acigi
>>> Duna 1 - Edição Especial de Neil Gaiman; Frank Herbert; Maria Do Carmo Zanini pela Aleph (2017)
>>> Duna 1 - Edição Especial de Neil Gaiman; Frank Herbert; Maria Do Carmo Zanini pela Aleph (2017)
>>> Quando o Amor Triunfa de Giseti Marques pela Boa Nova (2016)
>>> Baía da Esperança de Jojo Moyes pela Intrinseca (2016)
>>> Milena de Denise Corrêa de Macedo pelo espírito Milena pela Eme (2019)
>>> Episódio da Vida de Tibério de J.W.Rochester Vera Kryzhanovskaia pela Eme (2018)
>>> Técnicas de Venda - Vendas X Produção de Vários pela Quantum (2000)
>>> O Livro da Verdadeira Cruz de Caravaca de Naasson Vieira Peixoto pela Eco
>>> Música, Ídolos e Poder: do Vinil ao Download de Andre Midani pela Nova Fronteira (2008)
>>> La Grande Aventure de La Criminologie de Jurgen Thorwaldo pela Albin Michel (1967)
>>> Português no Ginásio - Gramática e Antologia para 3ª Série de Raul Moreira Lêllis pela Companhia Nacional (1960)
>>> Tipos e Aspectos do Brasil de Sem Autor pela Ibge (1966)
>>> Historia Gráfica del Arte de Joseph Gauthier pela Victor Leru (1944)
>>> Garibaldi una Grande Vita in Breve de Denis Mack Smith pela Lerici (1959)
>>> Arte de Ensinar e Arte de Aprender de Varios pela Fundação Getúlio Vargas (1974)
COLUNAS

Sexta-feira, 12/10/2012
3 dicas para a escrita criativa
Marcelo Spalding

+ de 6600 Acessos

Depois de anos ministrando oficinas de criação literária presenciais, iniciei neste ano uma Oficina de Escrita Criativa Online, que já conta com mais de 50 participantes. Como o conteúdo é extenso, é comum pedidos para criar lista de dicas (vício da geração dos cursinhos, creio eu), e aí sempre lembro dos conselhos do grande escritor Luiz Antonio de Assis Brasil.

Assis, romancista gaúcho reconhecido nacionalmente, professor da primeira Oficina de Criação Literária regular do Brasil (com quase 30 anos de existência ininterrupta) e hoje Secretário de Cultura do RS, costumava dar 3 dicas muito importantes para quem quer escrever (criativamente, ficcionalmente ou mesmo profissionalmente): deixe o texto dormir, leia o texto em voz alta e tenha um primeiro leitor. Comecemos pela importância de deixar o texto "dormir", que nada mais é do que afastar-se do texto.

1. Deixe o texto dormir

Nosso ímpeto inicial, assim que terminamos um texto, é achar que ele está excelente e deve ser publicado ou está horrível e deve ser apagado. Não faça nem uma coisa, nem outra.

Normalmente, há um envolvimento emocional quando escrevemos (especialmente ficção), então é fundamental que possamos nos afastar por um instante de nosso texto, vê-lo com mais frieza, a fim de julgarmos sua qualidade e perceber seus defeitos. Claro que num texto ficcional esse distanciamento pode durar uma noite ou uma semana, pois não há tanta urgência (normalmente). Já num texto profissional (como  uma reportagem de jornal, um anúncio ou um contrato), o texto por vezes tem que ser entregue no mesmo dia. Aí, ao terminar o texto, o autor deve pelo menos dar uma volta, tomar um café, tomar um ar, relaxar um pouco antes de voltar para reler o texto e, aí sim, imprimi-lo ou enviá-lo.

Apagar, jamais! Sempre se pode aproveitar algo de um escrito nosso, nem que seja uma frase, uma metáfora. E como hoje é muito fácil salvar versões em nosso computador ou pen-drive, não deletem nada, nunca. Só sejam suficientemente organizados para armazenarem essas anotações todas.

2. Leia o texto em voz alta

A segunda dica do mestre, ler o texto em voz alta, é de grande valia por diversos motivos: primeiro, lendo o texto em voz alta percebemos cacofonias, rimas indesejadas, trava-línguas, etc. Mas o mais importante talvez seja que apenas na leitura em voz alta é que notamos erros na estrutura frasal, períodos muito longos, muito curtos, sem sujeito, sem verbo principal, etc.

Ocorre que nossa leitura silenciosa não é "completa". Somos tão habituados a ler que não lemos letra por letra, nosso olho (ou nosso cérebro) vai pulando as letras e juntando as palavras através de combinações previsíveis quando se lê apenas com o cérebro. Quando devemos verbalizar o texto lido, porém, somos obrigados a ler cada sílaba, cada trecho, e isso exige mais do texto e do leitor (não é a toa que atores, jornalistas, apresentadores ou bons oradores leem seus textos diversas vezes antes de apresentá-lo em público).

Tal dinâmica se torna ainda mais importante quando se trata do próprio texto, pois a leitura em voz alta também é uma forma de afastamento. É comum ouvirmos relatos de escritores ou acadêmicos acostumados com a produção textual de que tal erro passou desapercebido mesmo depois de tantas releituras. E, realmente, o autor de um texto aos poucos acostuma-se tanto com ele que não consegue mais enxergar a troca ou a ausência de uma letra.

3. Tenha um primeiro leitor

Muitos escritores costumam dizer que não se termina um texto, se desiste dele. Ocorre que o texto, pela infinidade de escolhas que exige do autor, deixa seu criador inseguro e incerto sobre o real valor de sua criação. Mesmo depois de deixar o texto dormir, ler em voz alta, trabalhar e retrabalhar nele.

Por isso, antes de publicar o texto, o que se sugere é que se tenha um primeiro leitor. Pode ser um colega de oficina (os mais indicados), um outro escritor que troque correspondências com você, um professor que esteja disposto a esse tipo de leitura, por vezes um amigo ou colega de trabalho que seja leitor experiente.

Pai e mãe não vale. Filho, esposa, namorada também não. Ocorre que, primeiro, as pessoas têm muito medo de magoar um escritor. Ninguém gosta de ser criticado, e menos ainda quem colocou parte de sua vida, de seus sentimentos, num texto. Depois, esse primeiro leitor não pode ser absolutamente leigo, é importante que tenha certo senso crítico para que possa dar uma contribuição a você.

Hoje, há uma corrente de pessoas que defende a contratação desse primeiro leitor, em especial quando trata-se de um livro com ambições de ser publicado. Eu, particularmente, não acho que essa primeira leitura precise ser paga, contratada, e sim enviada para alguém que troque textos com você. Aí, se for o caso de publicação, o "décimo" leitor, antes de o texto ir para a editora, pode ser, sim, um profissional experiente que dará dicas precisas e reveladoras.

Ocorre que você não deve esperar desse primeiro leitor um simples "amei" ou "odiei". Ele deve ser capaz de respondar a sua segunda pergunta: "e por quê?". Mais importante do que a impressão subjetiva de seu primeiro leitor são os comentários dele.

Claro que você não pode mudar o texto apenas pela opinião desse leitor. Será um olhar de fora, que deve ser considerado, mas não acatado sem o rigor de quem assinará o texto. Muitas vezes pode se enviar o texto para mais de um leitor, em especial quando o texto será publicado. Não por acaso, vale dizer, grandes escritores têm esses primeiros leitores. E por vezes colocam seus nomes na dedicatória ou nos agradecimentos.

Enfim, o que se depreende dessas breves dicas é que, se por muito tempo se acreditou que as musas inpiradoras eram as responsáveis por toda a boa literatura que a humanidade produziu, hoje vivemos a era da transpiração.

Evidentemente que a inspiração, ou chame lá você do que quiser, é fundamental para o impulso inicial, para as palavras saírem de dentro do autor e pularem para o papel em determinada direção, aflorando determinados sentimentos e representando determinadas realidades. Um texto sem inspiração, em geral, é um texto frio. Mas escrever, acima de tudo, um ofício; é trabalho e retrabalho; é paciência e método.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 12/10/2012


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2012
01. Figuras de linguagem e a escrita criativa - 21/12/2012
02. Capacidade de expressão X capacidade linguística - 30/3/2012
03. O centenário de Contos Gauchescos - 17/2/2012
04. Literatura, Interação e Interatividade - 24/8/2012
05. 3 dicas para a escrita criativa - 12/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Consumidores e Cidadãos
Nestor Garcia Canclini
Ufrj
(2010)
+ frete grátis



Almanaque do Fantasma: a Volta de Bababu Nº8
Vários
Rge
(1980)



Como era verde o meu vale
Richard Llewellyn
Record
(1987)



O Novo Cérebro: Como Criar Resultados Inteligentes
Nelson Spritzer
L&pm
(1996)



Eurico, o Presbítero
Alexandre Herculano
Ediouro



De Olhos Bem Abertos - Auto Ajuda
Noreena Hertz
Fontanar



O Velho Homem
Nali de Jesus de Souza
Age
(2010)



Jacaré Não Manda Carta
Julieta de Godoy Ladeira
Atual



Tanto Faz
Reinaldo Moraes
Brasiliense
(1981)



O Seminarista
Bernardo Guimarães
Principis
(2019)





busca | avançada
82307 visitas/dia
1,8 milhão/mês