3 dicas para a escrita criativa | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta Ivete Nenflidio lança obra 'Ataque - cale-se agora e para sempre'
>>> Alunos de Ribeirão Preto constroem maquete com trajetória das águas da cidade até o mar
>>> Coletivo oferece eventos de danças angolanas em outubro e novembro
>>> Releitura de Ian Soffredini, O Pequeno Príncipe faz sessões em Santos
>>> 4º Edição Point BlackCultural
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bréqui Friday
>>> 19 de Outubro #digestivo10anos
>>> Etapas da criação de uma pintura digital * VÍDEO *
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Lendo no Kindle
>>> 89 FM, o fim da rádio rock
>>> O do contra
Mais Recentes
>>> Livro - Sigma de Saudade de Stamátios Zannis Philippoussis pela São Paulo (2004)
>>> Angola e Brasil Nas Rotas do Atlântico Sul de Selma Pantoja pela Bertrand Brasil (1999)
>>> Festa de criança - para gostar de ler junior de Luis Fernando Verissimo e caulos pela Atica (2022)
>>> Livro - A Construção da Verdade Autoritária de Maria das Graças Andrade Ataíde de Almeida pela Humanitas (2001)
>>> Livro - Programa de Transição - para a Revolução Socialista de Leon Trotsky pela Antidoto (1978)
>>> Box Hush, Hush: Sussurro- 4 volumes de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2010)
>>> Fidélio - Col. Folha Grandes Óperas Vol. 2 de Beethoven (Autor) pela Folha de S. Paulo (2011)
>>> Livro - Eles Não São Anjos Como Eu - Coleção Veredas de Marcia Kupstas pela Moderna (2004)
>>> Eugene Onegin - 08 - Coleção folha grandes óperas de P. I. Tchaikovky (Autor) pela Folha de S. Paulo (2011)
>>> La Bohème - Col. Folha Grandes Óperas 6 de Giacomo Puccini (Autor) pela Folha de S. Paulo (2011)
>>> Livro - O Cortiço de Aluísio de Azevedo pela Círculo do Livro
>>> Livro - A Obra-Prima de Cada Autor - Manifesto do Partido Comunista de Max e Engels pela Martin Claret (2004)
>>> Livro - Os Pensadores - Nietzsche de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1999)
>>> Livro - Judeus sem Dinheiro de Michael Gold, Mário Molina pela Record (1958)
>>> Pão diário vol.22 - Paisagem: Uma meditação para cada dia do ano: Volume 22 de Não informado pela Publicações Pão Diário (2018)
>>> Jesus de Nazaré de Normann J. Bull pela Paulinas (1984)
>>> Livro - Acenos e Afagos de João Gilberto Noll pela Record (2008)
>>> Livro - A Vênus de Quinze Anos - Flossiê - Série Sexo de Guilherme da Silva Braga; Charles Swinburne pela Hedra (2014)
>>> The Ridiculous Race: 26,000 Miles, 2 Guides, 1 Globe, No Airplanes de Steve Hely; Vali chandrassekavan pela Holt Paperbacks; (2008)
>>> Livro - O Pequeno Príncipe - Com Aquarelas do Autor de Antoine de Saint-exupéry pela Agir (1991)
>>> Tudo bem ser diferente de Todd Parr (Autor) pela Panda Books (2013)
>>> Livro - Salmos: Mistérios Revelados de Moacyr Martins pela Empório do Livro (1998)
>>> Livro - Holocausto: o Massacre de 6 Milhões de Ben Abrahan pela Confederação Israelita do Brasil (1976)
>>> Livro - Os Três Monges de Luis Carlos Carneiro pela Lake (1997)
>>> Livro - Passo a Passo - Francês de Charles Berlitz pela Wmf Martins Fontes (2001)
COLUNAS

Sexta-feira, 12/10/2012
3 dicas para a escrita criativa
Marcelo Spalding

+ de 7100 Acessos

Depois de anos ministrando oficinas de criação literária presenciais, iniciei neste ano uma Oficina de Escrita Criativa Online, que já conta com mais de 50 participantes. Como o conteúdo é extenso, é comum pedidos para criar lista de dicas (vício da geração dos cursinhos, creio eu), e aí sempre lembro dos conselhos do grande escritor Luiz Antonio de Assis Brasil.

Assis, romancista gaúcho reconhecido nacionalmente, professor da primeira Oficina de Criação Literária regular do Brasil (com quase 30 anos de existência ininterrupta) e hoje Secretário de Cultura do RS, costumava dar 3 dicas muito importantes para quem quer escrever (criativamente, ficcionalmente ou mesmo profissionalmente): deixe o texto dormir, leia o texto em voz alta e tenha um primeiro leitor. Comecemos pela importância de deixar o texto "dormir", que nada mais é do que afastar-se do texto.

1. Deixe o texto dormir

Nosso ímpeto inicial, assim que terminamos um texto, é achar que ele está excelente e deve ser publicado ou está horrível e deve ser apagado. Não faça nem uma coisa, nem outra.

Normalmente, há um envolvimento emocional quando escrevemos (especialmente ficção), então é fundamental que possamos nos afastar por um instante de nosso texto, vê-lo com mais frieza, a fim de julgarmos sua qualidade e perceber seus defeitos. Claro que num texto ficcional esse distanciamento pode durar uma noite ou uma semana, pois não há tanta urgência (normalmente). Já num texto profissional (como  uma reportagem de jornal, um anúncio ou um contrato), o texto por vezes tem que ser entregue no mesmo dia. Aí, ao terminar o texto, o autor deve pelo menos dar uma volta, tomar um café, tomar um ar, relaxar um pouco antes de voltar para reler o texto e, aí sim, imprimi-lo ou enviá-lo.

Apagar, jamais! Sempre se pode aproveitar algo de um escrito nosso, nem que seja uma frase, uma metáfora. E como hoje é muito fácil salvar versões em nosso computador ou pen-drive, não deletem nada, nunca. Só sejam suficientemente organizados para armazenarem essas anotações todas.

2. Leia o texto em voz alta

A segunda dica do mestre, ler o texto em voz alta, é de grande valia por diversos motivos: primeiro, lendo o texto em voz alta percebemos cacofonias, rimas indesejadas, trava-línguas, etc. Mas o mais importante talvez seja que apenas na leitura em voz alta é que notamos erros na estrutura frasal, períodos muito longos, muito curtos, sem sujeito, sem verbo principal, etc.

Ocorre que nossa leitura silenciosa não é "completa". Somos tão habituados a ler que não lemos letra por letra, nosso olho (ou nosso cérebro) vai pulando as letras e juntando as palavras através de combinações previsíveis quando se lê apenas com o cérebro. Quando devemos verbalizar o texto lido, porém, somos obrigados a ler cada sílaba, cada trecho, e isso exige mais do texto e do leitor (não é a toa que atores, jornalistas, apresentadores ou bons oradores leem seus textos diversas vezes antes de apresentá-lo em público).

Tal dinâmica se torna ainda mais importante quando se trata do próprio texto, pois a leitura em voz alta também é uma forma de afastamento. É comum ouvirmos relatos de escritores ou acadêmicos acostumados com a produção textual de que tal erro passou desapercebido mesmo depois de tantas releituras. E, realmente, o autor de um texto aos poucos acostuma-se tanto com ele que não consegue mais enxergar a troca ou a ausência de uma letra.

3. Tenha um primeiro leitor

Muitos escritores costumam dizer que não se termina um texto, se desiste dele. Ocorre que o texto, pela infinidade de escolhas que exige do autor, deixa seu criador inseguro e incerto sobre o real valor de sua criação. Mesmo depois de deixar o texto dormir, ler em voz alta, trabalhar e retrabalhar nele.

Por isso, antes de publicar o texto, o que se sugere é que se tenha um primeiro leitor. Pode ser um colega de oficina (os mais indicados), um outro escritor que troque correspondências com você, um professor que esteja disposto a esse tipo de leitura, por vezes um amigo ou colega de trabalho que seja leitor experiente.

Pai e mãe não vale. Filho, esposa, namorada também não. Ocorre que, primeiro, as pessoas têm muito medo de magoar um escritor. Ninguém gosta de ser criticado, e menos ainda quem colocou parte de sua vida, de seus sentimentos, num texto. Depois, esse primeiro leitor não pode ser absolutamente leigo, é importante que tenha certo senso crítico para que possa dar uma contribuição a você.

Hoje, há uma corrente de pessoas que defende a contratação desse primeiro leitor, em especial quando trata-se de um livro com ambições de ser publicado. Eu, particularmente, não acho que essa primeira leitura precise ser paga, contratada, e sim enviada para alguém que troque textos com você. Aí, se for o caso de publicação, o "décimo" leitor, antes de o texto ir para a editora, pode ser, sim, um profissional experiente que dará dicas precisas e reveladoras.

Ocorre que você não deve esperar desse primeiro leitor um simples "amei" ou "odiei". Ele deve ser capaz de respondar a sua segunda pergunta: "e por quê?". Mais importante do que a impressão subjetiva de seu primeiro leitor são os comentários dele.

Claro que você não pode mudar o texto apenas pela opinião desse leitor. Será um olhar de fora, que deve ser considerado, mas não acatado sem o rigor de quem assinará o texto. Muitas vezes pode se enviar o texto para mais de um leitor, em especial quando o texto será publicado. Não por acaso, vale dizer, grandes escritores têm esses primeiros leitores. E por vezes colocam seus nomes na dedicatória ou nos agradecimentos.

Enfim, o que se depreende dessas breves dicas é que, se por muito tempo se acreditou que as musas inpiradoras eram as responsáveis por toda a boa literatura que a humanidade produziu, hoje vivemos a era da transpiração.

Evidentemente que a inspiração, ou chame lá você do que quiser, é fundamental para o impulso inicial, para as palavras saírem de dentro do autor e pularem para o papel em determinada direção, aflorando determinados sentimentos e representando determinadas realidades. Um texto sem inspiração, em geral, é um texto frio. Mas escrever, acima de tudo, um ofício; é trabalho e retrabalho; é paciência e método.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 12/10/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pô, Gostei da Sua Saia de Duanne Ribeiro
02. A Serbian Film: Indefensável? de Duanne Ribeiro
03. Reinventando clássicos de Luiz Rebinski Junior
04. A morte do disco de Luiz Rebinski Junior
05. Quixote que nada de Guga Schultze


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2012
01. Figuras de linguagem e a escrita criativa - 21/12/2012
02. Capacidade de expressão X capacidade linguística - 30/3/2012
03. O centenário de Contos Gauchescos - 17/2/2012
04. Literatura, Interação e Interatividade - 24/8/2012
05. 3 dicas para a escrita criativa - 12/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Molecagem 2ªedição (1988)
Luiz Claudio Cardoso
Scipione
(1988)



Trade Marks e Symbols - 2 Volumes
Yasaburo Kuwayama
Vnr
(1973)



A Bíblia um Diário de Leitura
Luiz Paulo Horta
zahar
(2011)



O Livro Egípcio dos Mortos
E. A. Wallis Budge
Pensamento
(1993)



O Caminho para a Distância
Vinicius de Moraes
cia das letras
(2008)



Capitães do Brasil: A Saga dos Primeiros Colonizadores
Eduardo Bueno
objetiva
(1999)



O Aprendizado da Alegria
Virgínia Cavalcanti
objetiva
(1990)



Os Números Governam Sua Vida
Kaiser Fung
Dvs
(2011)



Que Serei?
Cecília Bueno dos Reis Amoroso
Melhoramentos
(1970)



Stress e Qualidade de Vida no Trabalho - Stress Social - Enfrentamento
Ana Maria Rossi, Pamela L. Perrewe, James A. Meurs
Atlas
(2011)





busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês