A escrita boxeur de Marcelo Mirisola | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
34463 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 1/12/2015
A escrita boxeur de Marcelo Mirisola
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2400 Acessos


A metáfora de um país que nunca acaba de ser construído, onde "cada construção já é ruína", está não só na capa mas por todo o novo livro de Marcelo Mirisola: "Paisagem sem reboco", publicado pela editora carioca Oito e Meio.

Não adianta entrar no ringue achando que vai ganhar. Logo no primeiro round, o maior boxeador da literatura brasileira contemporânea, Marcelo Mirisola, vai esfacelar suas crenças, suas certezas, suas pieguices, seu bom mocismo mental (ou padrão politicamente correto e burro), seu retardamento cultural, seu modus vivendi de anta... tudo vai cair na lona, e logo na primeira porrada. Como disse Aldir Blanc, "Mirisola não é odara" e se você enfrentá-lo "perderá os dentes".

"Não existe vacina para a babaquice", escreveu Mirisola no seu livro de crônicas "O Cristo Empalado". O seu estilo, ele confessa no livro citado, "existe para infernizar a vida daqueles que não têm talento". Não é diferente em "Paisagem sem reboco", onde o empalamento continua... inclusive contra aqueles que frequentem o brechó da literatura brasileira.

Em "Paisagem sem reboco", o autor publica crônicas, ensaios e contos que já foram anteriormente publicados em outros veículos como jornais, revistas, sites. Segundo o autor, como "não deu para enfiar tudo no Cristo", o livro que agora publica é uma espécie de continuação daquele.

Mirisola não se recusa a falar de sua escrita ao comentar o que é o seu novo livro: "o que falta de reboco a essa paisagem, sobra de personalidade. Uma personalidade esquizofrênica (...) mas original, pulsante, cheia de novos empalamentos e desaforos para satisfazer e/ou contrariar (tanto faz) os mais diversos gostos e preencher os mais insuspeitos orifícios."

Talvez não exista escritor no Brasil que goze de tamanha liberdade de falar sem freios, ou que saiba o lugar reservado à liberdade que só a literatura pode proporcionar, como Marcelo Mirisola. Ele sabe disso: "Ora, sou um écrivain! (...) O que mais eu poderia querer? Aqui, tenho a liberdade para tripudiar de mim mesmo, virar o mundo do avesso, mentir e dissimular e até ir em busca da verdade (...) aqui não preciso acreditar em mim, e - às vezes - amparado pela verossimilhança, dispenso redes de proteção, posso desdenhar dos céus e sobrevoar abismos infernais, somente aqui, como escritor, sim, porque adquiri essa condição - não é para qualquer pangaré, vou logo avisando (...)".

Com essa liberdade ele calça suas luvas/escritura de boxeur e faz valer o preço da liberdade (que pode ser dura para ele em consequências no grande monde literário), desfazendo os mitos que nos rodeiam, como, para ficar apenas em um exemplo, o da alegria brasileira: "O ódio sempre esteve presente -e, embora nunca tenha sido prerrogativa de preto, branco, nem de monge, nem de executivo, ele, o ódio brasileiro, sempre foi muito bem preservado em escaninhos, divisões, muros e camadas de hipocrisia. Negá-lo é fomentar mais ódio. As pessoas o guardam como se fossem joias de família. Quem quiser pode chamar de alegria brasileira."

Esse ódio, que camufla-se como um camaleão, desnuda-se na prosa de Mirisola: "O importante é não esquecer que o ódio nos espreita e carrega milhões de disfarces e boas intenções, o ódio brasileiro afaga, convida pra ir jantar e é o melhor anfitrião do mundo, o ódio é doce como uma compota caseira e sempre concorda contigo, ele é o rei dos elogios e às vezes aponta pequenos defeitos para valorizar as virtudes que nem você sabia que tinha, o ódio é surpreendente e encantador, ele tem muita paciência, o ódio é desprendido e jamais vai perder o timing, ele é a Vovó da Casa do Pão de Queijo, ele é o bom vizinho que planeja seu fim toda vez que o beija na face e, uma hora - pode escrever - ele vai dar o bote e estragar tudo, de leste a oeste e de norte a sul. Ininterruptamente."

Rancorosas algumas vezes (oh! - e como é necessário), com humor outras vezes (humor negro também), as crônicas e contos do livro vão golpeando aqui e ali nosso fígado, fazendo ver sob o ponto de vista que, na maioria das vezes, tememos ver. Mas com o olho inchado (tantas porradas) avançamos na leitura, aprendendo a ver torto aquilo que o mundo insiste em ver (falsamente) como certo.


Mesclando palavras-bílis com divertidas tiradas irônicas, o livro não nos cansa jamais em sua crítica radical. Três pequenos exemplos onde o pensamento se dobra nessa via de mão dupla: "Mas, pensando bem, em qualquer época e circunstância, eu não resistiria à subversão. Fazer o quê? Eu olho pra bunda das gostosas." Ou: "confete e arte para todo mundo, consta que, agora, vender a alma é sinônimo de qualidade de vida, postura mesmo, que emana credibilidade e crédito." E no texto "Qual é a droga?", onde fala da inutilidade da polícia e da falsa moral em relação às drogas ilegais:

"Você percebe que aqueles caras que vestem fardas e cultivam a ordem, a disciplina e a hierarquia não servem para nada; na realidade eles não passam de crianças sádicas e fetichistas que fazem tanto sentido quanto o traficante e os heróis da Marvel que tomam conta dos seus sonhos de Cinderela. Pare pra pensar: um meganha que enquadra suspeitos e se dirige a outro meganha como tenente, cabo, capitão, um cara que prende e faz uso de algemas e técnicas de imobilização, um sujeito que acorda de madrugada para se perfilar diante de um pedaço de pano colorido, o mesmo tipo que obedece a ordens unidas, que desfila de boina na avenida, pense comigo: para que um xarope desses, que depende de uma voz de comando até para se manter sobre as duas pernas, presta na vida? Para cuidar de mim é que não é./ Um apelo. (...) Abram franquias do Parque da Mônica, chamem a SuperNanny, deem massinhas e pincéis atômicos para entreter essas crianças mal-humoradas que adoram uma fardinha./ E, do outro lado e ao mesmo tempo, transformem os traficantes em comerciantes, livrem os viciados da marginalidade e deixem o capitalismo cuidar do resto. Se funciona com o Carrefour, o Wallmart, as Casas Bahia e as Lojas Americanas que vendem DVDs da Ivete Sangalo e do Gustavo Lima, porque não ia dar certo com as outras drogas?"

Outro capítulo interessante do livro de Mirisola é sobre o linchamento equivocado de Gerald Thomas no episódio no programa Pânico e as consequências dessa atitude fascistóide nas tramas rocambolescas da coletividade brasileira. "A volúpia de dedurar, buscar refúgio no coletivo e apontar o dedo virou marca registrada nos anos zero-zero e - parece - tem tudo para se consolidar ferozmente nos próximos anos."

Mesmo não fazendo parte do "cordão dos puxa-saco ilustrados, todos em uníssimo cacarejando Géééérald, Géééérald. Como se o Géééérald fosse o esperma sagrado do Santo Graal via nossa goela abaixo, puta porre dos infernos", Mirisola vai em defesa do diretor de teatro e questiona a posição "linchamento do bem" de Laerte, "o travesti da revista Piauí, mimo de dez entre dez intelectuais", que "aproximou Gerald Thomas da figura infame do Paulo Maluf".


Então, diz Mirisola sobre Laerte: "O cara que salva - a palavra é essa mesmo, salva - o mundo com seu humor, de uma hora para outra, se transforma num inquisidor medieval e condena a outra parte baseado em superstições. Laerte caiu feito um pato na armadilha do suposto inimigo porque - tese minha - existe uma fixação justiceira que o cega e diz de antemão e preconceituosamente que toda e qualquer piada que trata de minorias é desqualificadora pela própria natureza (superstição). (...) Justo Laerte acabou se transformando numa espécie de Torquemada da piada alheia".

E Mirisola, dando um banho em qualquer sociólogo de academia, aponta, contracorrente, através dessa crônica, os perigos que incorremos nesses "linchamentos do bem": "a patrulha que não dá trégua e acusa e condena sem fazer distinção apenas porque se sente ameaçada em sua pureza quando, na verdade, ela mesma - na prática - se torna instrumento efetivo do mal que atribui ao adversário."

O espaço de uma resenha é pequeno para desvendar o espírito crítico e mordaz de Mirisola que aparece em "paisagem sem reboco". Deveríamos falar das entradas renovadoras em leituras de Tolstói, Orwell e Kafka, e dos contos e crônicas que descascam as paredes artificiais de um Brasil de celofane, mas que esconde nas suas incongruências uma realidade sem reboco, mas o espaço impede. O que sugiro é que se compre o livro para aprender a pensar sem os entraves dos superegos que abundam por aí, sejam eles móveis (camburão), intelectuais (o grande monde da cultura), ideológicos (o politicamente correto) etc, etc etc.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 1/12/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Kindle, iPad ou Android? de Vicente Escudero
02. Danillo Villa, quadros de uma exposição de Jardel Dias Cavalcanti
03. Os donos da voz de Rafael Fernandes
04. Noite branca no cinema de Verônica Mambrini
05. A simplicidade do humano em Pantanal de Taís Kerche


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
04. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TIGRE BRANCO
ROBERT STUART NATHAN
BEST SELLER
(1988)
R$ 10,00



LUXURIA
ALEXANDRE CARVALHO
LEYA
(2015)
R$ 8,00



ESTUDOS SOBRE TÉCNICA PSICANALÍTICA
HEIRICH RACKER
ARTES MEDICAS
(1982)
R$ 17,91



MEMORIAS DE AIRES
MACHADO DE ASSIS
W. M. JACKSON
(1961)
R$ 9,99



ORAR PODE MUDAR TUDO
SILAS MALAFAIA
CENTRAL GOSPEL
(2009)
R$ 15,00



REPÚBLICA DO TACAPE
ROGÉRIO REZENDE
UNITED
(2004)
R$ 29,90
+ frete grátis



OS HOMENS NÃO TAPAM AS ORELHAS
A. M. GALOPIM DE CARVALHO
EDITORIAL NOTÍCIAS
(1997)
R$ 21,70



PRINCIPLES OF LANGUAGE LEARNING AND TEACHING
H. DOUGLAS BROWN
PRENTICE HALL LONGMAN
(2000)
R$ 130,00



A BELEZA E O INFERNO
ROBERTO SALVIANI
BERTRAND
(2011)
R$ 20,00



DE WEG VAN DE VREEDZAME KRIJGER
DAN MILLMAN
DE ZAAK
(1990)
R$ 4,00





busca | avançada
34463 visitas/dia
1,3 milhão/mês