I-ching-poemas de Bruna Piantino | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Terça-feira, 19/5/2015
I-ching-poemas de Bruna Piantino
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 4000 Acessos

A poeta Bruna Piantino fez um livro de cor rosa, com o delicado título de "Biscuit" (BH: Edição do autor, 2014). A poetisa tem um rosto lindo (como se apresenta na contra capa de seu livro), mas não se enganem, no seu rosto vibram olhos insanos (de poeta) e nas páginas cor de rosa de "Biscuit" escorrem, algumas vezes, sangue e desespero.

Imagens perturbadoras aparecem, por exemplo, no poema "O tempo do conflito". Aqui se narra de forma irônica as formas de se matar um elefante. O poema trabalha com a produção de uma narrativa quase tão mecânica quanto a produção fria e desumana dos assassinatos:

"Paquiderme

à sombra da acácia

recém-abatido

posa para câmera

..

Alguns modos de se matar um elefante

1/6

pela mira de Ernest

Hemingway´s 577

Nitro Express Double barreled

on Safari in Africa in 1953

2/6

10 homens esqueléticos

arremessam lanças

arrancadas pela tromba

até que o sangue se esvaia

3/6

50 homens a cavalo

falando árabe

abatem a granadas 89 elefantes

33 em período lácteo, 15 filhotes

4/6

1 helicóptero

aparelhos de visão noturna

silenciadores da caça furtiva

os elefantes nunca esquecem

5/6

mina antitanque, mina AT

pressão mínima 150 kg no disparo

autorizado pelo tratado de Ottawa

utilizada no Zimbabwe, sec. XXI

6/6

cianureto

em poços d´água

mortes indiretas no micro-habitat

efeito de até quarta geração".

Imagens abissais povoam o poema "Abismo sobre abismo/ a água funda jaz em uma ravina", reforçando a ideia de desastre que aparece em vários outros poemas:

"A formiga vive nua/ no banheiro/ insiste em rondar/ o ralo como se logo ali/ abaixo/ estivessem os cem/ ovos gerados por ela/ na primavera/ em meio à tempestade// a mãe atraída pela/ descida/ e obcecada por salvar/ o ovo fecundado no voo/ nupcial/ que larva prometida/ tornar-se-á/ rainha/ alcança o buraco negro// que consumirá em dias/ todo o seu/ exoesqueleto marrom/ rumo ao porão das / águas pardas/ escória debatida/ no purgatório onde/ a alma/ em chamas eterniza".

Nos poemas de Bruna Piantino, a forças se dobram em acidentes, em corpos quebrados, em movimentos que acabam se tornando impossibilidades, como em "Um príncipe oferece tudo ao imperador":

"o primeiro/ rolou pelas escadas após visitar a irmã/ já a senhora/ que estendia roupa no varal/ escorregou abruptamente/ no alpendre de pedra ardósia// (...) o primeiro tombo/ causou fratura em uma das pernas/ o segundo gerou tanto desconforto/ como se fossem trocadas as bandas do corpo/ da espinha dorsal às falanges/ uma torção no cabide dos ossos".

Algo de soturno também perpassa várias das outras páginas cor de rosa do livro, seja a paralisação da ação causada pelo excesso de desejo ou na ideia de que todo dia é noite na cidade, quando se avizinha o perigo e o absurdo, como diz em trecho do poema "Um fogo das profundezas da terra":

"Todo dia é noite/ na cidade/ soturna por seus convidativos/ cruzamentos urbanos/ na iminência/ de um Jack Estripador/ ou da nudez absurda/ in the box/ de uma Kate Moss".

O tempo, inexorável e entediante, marca as horas vazias e dolorosas da vida, como no trecho do poema "Os vermes reproduzidos na tigela":

"Os dias são o pasto/ que se passa/ a sangue-ferro-fogo/ exposto às contusões/ caseiras/ no tédio descoberto/ pelos pequenos enganos/ discreto/ o relógio badala".

Os poemas de Bruna Piantino têm, em geral, a capacidade de evocar paisagens, estados de espírito e situações irremediáveis da existência do homem ou da natureza (que pode funcionar como alegoria da vida humana). Por exemplo, como no trecho do poema "O cruzamento da grande água":

"a onda que da rocha/ se avizinha/ junto dela se debate/ até que a força seja extinta/ deixando marcas fósseis/ na pedra que absorve/ o silêncio/ enquanto o mar/ não se cala."

Mas nem tudo parece perdido, há uma espécie de i-ching no subsolo dos poemas, que lança os dados da sorte sobre a vida humana. Como anuncia o primeiro poema do livro "A capacidade de iniciativa cf. o céu", onde um cão salta na noite para mostrar o caminho naquela escuridão onde a poeta parece estar perdida:

"na escuridão/ nada se via/ as botas encharcadas/ entre as encostas do mar/ e os charcos da planície// o vulto/ do cavalo/ que teria ganas de te possuir/ como todos os homens da vila// a aparição do cachorro/ que te lambia a mão/ para dizer: não estás sozinha/ venha que eu te mostro o caminho// e chovia".

PARA IR ALÉM:

A palavra biscuit, explica a autora, vem do latim (bis) e de coctus: significa dupla cocção, conceito que ela associa à mutação no I Ching.

Bruna está atenta à relação dos homens entre si e com a sociedade, mergulhados nos mistérios da teia da vida. Biscuit foi também editado em braille e será disponibilizado para bibliotecas públicas e entidades voltadas para o atendimento de portadores de deficiência visual.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 19/5/2015

Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
02. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
03. Marcelo Mirisola: entrevista - 22/9/2015
04. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Geografia Econômica Do Petróleo
Peter R. Odell
Zahar
(1966)



Máscaras e Murais de Minha Terra
Manoelito de Ornellas
Globo
(1966)



Livro Sociologia Dicionário Crítico de Sociologia
R. Boudon / F. Bourricaud
Ática
(1993)



Terra de Santa Cruz
Adélia Prado
Guanabara
(1986)



Hitler's Spy Against Churchill
Jan-Willem van den Braak
Pen and Sword Military
(2022)



O Cristo de Deus
Manuel Quintão
Federação Espírita Brasileira
(1955)



Cidadania e Participação
José Álvaro Moisés
Marco Zero
(1990)



Charbonneau Ensaio e Retrato
Alberto Martins
Scipione
(1997)



A Pipa
Roger Mello
Global
(2017)



Pétalas de Sangue
Ana Luisa Tavares
Do Autor
(2015)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês