Edward Snowden: a privacidade na era cibernética | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Jingle Bells
>>> Mano Juan, de Marcos Rey
>>> Relationships Matter
>>> Apesar da democracia
>>> Onze pontos sobre literatura
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Morando sozinha II
Mais Recentes
>>> Atormentada de Jeannine Garsee pela Jangada (2013)
>>> A última música de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> As estranhas e belas mágoas de Ava Lavender de Leslye Walton pela Novo Conceito (2014)
>>> Um Lugar Perigoso de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das Letras (2014)
>>> Robinson Crusoe de Daniel Defoe pela Ediouro
>>> O pequeno Buda de Gordon McGill pela Círculo do Livro (1998)
>>> O Maior Homem que já viveu de Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados pela Sociedade Torre de Vigia (2020)
>>> Pequot de Vitor Ramil pela Artes e Ofícios (1995)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Record (1979)
>>> O resto é silêncio de Érico Veríssimo pela Globo (1998)
>>> Angústia de Graciliano Ramos pela Globo (2013)
>>> O Recurso de John Grisham pela Rocco (2015)
>>> Os doze mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2020)
>>> Direito Ambiental Positivo de Fabrício Gaspar Rodrigues pela Campus (2012)
>>> Mandado de Segurança de Luiz Fux pela Dir (2011)
>>> Lula: A opção mais que o voto de Cândido Mendes pela Garamond (2006)
>>> Latinomérica de Marcus Accioly pela Topbooks (2015)
>>> Levando a vida leve de Laura Medioli pela Justo Junior (2005)
>>> Les Filles du Feu / Les Chimères de Gérard de Nerval pela Garnier-Flammarion (1965)
>>> Revolucione sua qualidade de vida - Navegando nas ondas da emoção de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Mulheres certas que amam homens errados de Kristina Grish pela Gente (2007)
>>> Pequenos Poemas em Prosa de Charles Baudelaire pela Nova Fronteira (1981)
>>> E de Evidência de Sue Grafton pela Ediouro (1999)
>>> M - O Homem Sensual de Record pela Record (1997)
>>> Verdura? Não! de Claire Llewellyn; Mike Gordon pela Scipione (2011)
>>> @s [email protected] de [email protected] York - as Senhoritas de Nova York de Daniel Piza pela Ftd (1999)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 10 Anos Brasil MTV de MTV pela Mtv
>>> 10 Contos de Natal de Gilberto de Nichile pela Scortecci (2015)
>>> 100 Jogos para Grupos de Ronaldo Yudi K. Yozo pela Agora (1996)
>>> 100 Magias para Aumentar Sua Autoconfiança - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2004)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Segredos das Pessoas de Sucesso de David Niven pela Sextante (2002)
>>> 1000 Formas de Interpretar o Seu Horoscopo de Girassol Edicoes pela Girassol (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Melhores Segredos Rapidos e Faceis para Voce de Jamie Novak pela Arx (2007)
>>> 1001 E-mails de Cynthia Dornelles pela Record (2003)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 101 Brasileiros Que Fizeram História de Jorge Caldeira pela Estação Brasil (2016)
>>> 101 Experiências de Filosofia Cotidiana de Roger Pol Droit pela Sextante (2002)
>>> 101 Livros Que Mudaram a Humanidade - Coleção Super Essencial de Superinteressante pela Superinteressante (2005)
>>> 101 Lugares para Fazer Sexo Antes de Morrer de Marsha Normandy; Joseph St. James; Alexandre Rosas pela Best Seller (2010)
>>> 102 Minutos: a História Inédita da Luta de Outros; Jim Dwyer pela Jorge Zahar (2005)
COLUNAS

Quarta-feira, 31/7/2013
Edward Snowden: a privacidade na era cibernética
Humberto Pereira da Silva

+ de 2600 Acessos

1.
O ano de 2013 está sendo um dos mais agitados dos anos recentes. Grandes manifestações populares em diversos cantos do mundo, inclusive o Brasil, golpe militar no Egito, intervenção francesa na guerra do Mali, guerra civil na Síria, burburinho em torno da blogueira Yoani Sánchez, cubana anticastrista que ganhou notoriedade internacional por meio das redes sociais, são eventos que marcam o ano em escala global.

Exclusivos do campo político, com reflexos no comportamento social e em novas manifestações culturais, são suficientes para se conjecturar a respeito de um movimento de inflexão no modo como interagimos e nos situamos no mundo em que vivemos. Nesse sentido, o episódio mais insólito e inesperado deve-se às declarações de Edward Snowden, ex-analista da Agência de Segurança Nacional (NSA), que revelou aos jornais The Guardian e Washington Post como o governo americano monitora comunicações e tráfico de informações entre suspeitos e aliados.

A NSA, criada em 1952, nos primeiros anos da Guerra Fria, portanto, é responsável pela intercepção e análise de informações suspeitas. Trata-se, supostamente, do maior núcleo de conhecimento em criptografia no mundo, pois seu modus operandi é protegido por segredo de Estado. Entre as poucas informações, a de que atua em cooperação com agências equivalentes no Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia, e que opera com cerca de 54 mil funcionários de empresas privadas subcontratadas.

Até aqui nenhuma novidade, senão que, a partir das revelações de Snowden, o monitoramento das comunicações é realizado pelo material sigiloso do programa de vigilância PRISM. O programa seria capaz de fornecer à NSA diversos tipos de mídia sobre os alvos escolhidos, como correio eletrônico, conversas por áudio e por vídeo, fotos, transferências de arquivos, notificações de login etc. Segundo Snowden, nove das grandes corporações de internet participam do programa: Microsoft, Google, Facebook, Yahoo!, Apple, YouTube, AOL, Paltak e Skype.

Suas revelações caíram como bomba; chocaram autoridades governamentais supostamente monitoradas, que, no discurso, exigiram explicações do governo americano. De um modo cujos desdobramentos são imprevisíveis, é o maior escândalo do governo Barack Obama. No momento, Snowden encontra-se foragido, na área de trânsito do Aeroporto Internacional de Scheremetyevo, em Moscou. Enquanto tenta obter asilo político, o governo americano tenta extraditá-lo, a fim de que seja julgado por espionagem.

2.
Considerado o ponto de vista estritamente pessoal, o caso Snowden alimenta as mais fantasiosas especulações. Por isso, tratar de suas motivações, ou fazer julgamento moral de seu gesto - se é traidor ou herói -, apenas encobre alguns pontos que dão à sua saga um ar de incredulidade, de ficção. Vale dizer: crê-se como se crer num James Bond que escapa das situações mais improváveis.

Ora, Snowden prestava serviço num órgão ultrassecreto do governo americano no Havaí. Ele trabalhava na Booz Allen Hamilton, uma empresa de consultoria especializada em tecnologia de informação. De lá, ele foi para Hong Kong, onde fez suas comprometedoras revelações ao jornalista britânico Glenn Greewald, do The Guardian. Em seguida, ele conseguiu sair de Hong Kong e se refugiar em Moscou. Feitas as contas, um bom roteiro para filme de 007.

Para qualquer pessoa com o mínimo de bom senso, não há como não estranhar que um funcionário, num universo de possíveis 54 mil, de modo isolado tenha carregado informações com poder de uma bomba atômica. Como lhe foi possível, de uma hora para outra, sair do Havaí "tranquilamente", sem que ninguém notasse, com um arsenal de informações explosivo? Como imaginar que um sistema de segurança "eficientíssimo" não controla as andanças de um funcionário, em certos aspectos, absolutamente normal?

Se ele agiu sozinho, basta fazer um simples cálculo de probabilidade e notar quantos, potencialmente, também puderam fazê-lo, em função dos mais variados interesses, e passaram informações sigilosas, com a diferença de não terem suas confidências reveladas na grande imprensa. A questão é simples: o programa de vigilância PRISM pode ser operado fora da NSA? Caso isso seja possível, como Snowden, ele está fora de controle (para ficarmos na ficção, lembremos de HALL em 2001, uma odisseia no espaço). Mas, claro, se ele não agiu sozinho, então ele não passa de bode expiatório. Nas duas situações, os descrentes em teorias conspiratórias nesse momento estão pouco à vontade.

Entre as estranhezas desse insólito episódio, ainda, o jogo de cena de autoridades governamentais e imprensa. Uma agência de segurança com atuação há mais de sessenta anos não era ignorada por quem está no jogo das esferas de poder, sob o risco de ingenuidade. A surpresa com o que foi publicado é similar a de quem se chocaria ao saber que 9/10 de um iceberg fica debaixo d´água. Desconhecer a forma, ou a silhueta do que está submerso, é um dado óbvio; mas não se espantar com a notícia de que um iceberg não se resume ao que é visto na superfície. Nesse espanto, algo como o dos súditos que fingiam não ver a nudez do rei, na fábula de Hans Christian Andersen.

3.
Estranhezas a parte, trata-se de um episódio em que, quanto mais se mexe, menos se sabe e muito se especula. De qualquer forma, é cada vez mais evidente que a realidade cibernética adentra em nosso cotidiano e provoca mudança no sentido comumente dado à privacidade. Num processo irreversível, como o foi o do telefone, o uso cada vez mais frequente de redes sociais coloca em pauta questões impensadas anos atrás. A mais notória diz respeito ao estreitamento vertiginoso entre privacidade e publicização de comportamento.

A existência e consequente pirataria de programas de vigilância como o PRISM coloca à disposição de qualquer um informações que podem ser usadas para os mais abjetos interesses. O que significa dizer não só que cada indivíduo isolado ficaria exposto a formas de controle de que não tem como escapar, como também se vê forçado a reorganizar suas movimentações, contatos ou simples registro de agenda em consonância com uma nova realidade.

Esse admirável mundo novo cibernético, com as revelações de Snowden, aponta para o seguinte cenário. Nos próximos anos, independente da ingerência do Estado, todos potencialmente estaremos vigiados. Vale aqui lembrar a famosa alegoria do Anel de Gyges, na República, de Platão.

Um pastor chamado Gyges encontra por acaso um cadáver que usava um anel. Quando Gyges coloca o anel no próprio dedo, descobre que este o torna invisível, conforme sua posição no dedo é alterada. Sem ninguém para monitorar seu comportamento e, ao mesmo tempo, podendo ver tudo, Gyges passa a praticar toda a sorte de maldade: seduz a rainha, mata o rei e toma o poder. Essa alegoria levanta a seguinte indagação moral: algum homem resistiria à tentação do mal se soubesse que suas ações são invisíveis aos olhos dos outros?

Aquele que vê tudo e é invisível aos olhos de todos está isento de julgamento moral. A moralidade, bem entendido, supõe a visibilidade das ações, para que sejam julgadas certas ou erradas, justas ou injustas. Uma instância que controla, mas não é vista, tem poder de ação ilimitado. Em outras palavras: a alegoria platônica ganha forma no mundo cibernético. Este parece instaurar uma nova moralidade, em que o sentido de privacidade, com as redes sociais e similares, está sendo pulverizado.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 31/7/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Casa das Aranhas, de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
02. Rubem Fonseca (1925-2020) de Julio Daio Borges
03. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes
04. E Foram Felizes Para Sempre de Marilia Mota Silva
05. Mais uma crise no jornalismo brasileiro de Julio Daio Borges


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2013
01. Olgária Matos - 1/2/2013
02. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque - 21/8/2013
03. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' - 6/3/2013
04. Toda poesia de Paulo Leminski - 8/5/2013
05. O Som ao Redor - 13/2/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MÃE JUDIA, O GÊNIO CIBERNÉTICO E OUTRAS HISTÓRIAS
PAULO WAINBERG
AGE
(2001)
R$ 8,38



SBV PARA PROVEDORES DE SAÚDE
DIVERSOS
AMERICAN HEART
(2002)
R$ 10,00



AMOR NUNCA É DEMAIS
HELEN VAN SLYKE
ABRIL CULTURAL
(1985)
R$ 9,00



A POLÍTICA - 1ª EDIÇÃO - COLEÇÃO FUNDAMENTOS DA FILOSOFIA
ARISTÓTELES 
ÍCONE
(2007)
R$ 45,36



ATITUDE
AUTOR GASPARETTO
VIDA / CONSCIENCIA
(2000)
R$ 7,60



À MARGEM DOS 500 ANOS - REFLEXÕES IRREVERENTES
DIANA GONÇALVES VIDAL, MARIA LIGIA COELHO PRADO
EDUSP
(2002)
R$ 40,00



AS ARTES NA BAHIA
MANUEL QUERINO
SELO CASTRO ALVES
(2018)
R$ 75,00



O PERFIL DE ZEKA DE QUEIROZ - PEQUENA ANTOLOGIA POÉTICA
ZKA DE QUEIROZ
THESAURUS
(2019)
R$ 6,00



A INQUISIÇÃO EM SEU MUNDO
JOÃO BERNARDINO GONZAGA
SARAIVA
(1993)
R$ 20,00



O QUE É PARLAMENTARISMO
RUBEN CESAR KEINERT
BRASILIENSE
(1986)
R$ 15,00





busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês