Edward Snowden: a privacidade na era cibernética | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
32790 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fernanda Young (1970-2019)
>>> Estratégia das Privatizações
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> A morte do professor de literatura
>>> Centenário de Noel Rosa, por Francisco Bosco, na Rádio Batuta
>>> A trilogia Qatsi
>>> Graça Foster também sabia
>>> Um gadget de veludo
>>> A polêmica da leitura labial
>>> A ousadia de mudar de profissão
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> O Livro dos Insultos, de H.L. Mencken
Mais Recentes
>>> Instalações Elétricas de Hélio Creder pela LTC (2002)
>>> Não é a Mamãe de Guilherme Fiuza pela Record (2014)
>>> O Que É Ideologia de Marilena Chauí pela Brasiliense (1995)
>>> Minigramática de Ernani Terra pela Scipione (2002)
>>> O Seminarista de Bernardo Guimarães pela Martin Claret (2015)
>>> Do-In: Livro dos Primeiros Socorros - Vol. 1 de Juracy Campos L. Cançado pela Ground (1985)
>>> Das Wunschhaus und Andere Geschichten de Leonhard Thoma pela Hueber Verlag (2018)
>>> Caçando e Pescando Por Todo o Brasil - 1ª Série de Francisco de Barros Júnior pela Melhoramentos (1955)
>>> La France J'Aime! de Gilbert Quénelle pela Hatier International (1985)
>>> Como Conquistar Clientes e Mantê-los Para Sempre de Michael LeBoeuf pela Harbra (1996)
>>> Sozinha no Mundo de Marcos Rey pela Ática (1994)
>>> O Maior Milagre do Mundo de Og Mandino pela Record (1996)
>>> O Maior Segredo do Mundo de Og Mandino pela Record (1979)
>>> Cálculo com Geometria Analítica de Earl W. Swokowski pela Makron Books (1994)
>>> Amor de Leo Buscaglia pela Record (1972)
>>> Fundamentos de Física - Eletromagnetismo de David Halliday pela LTC (1996)
>>> Microeletrônica de Sedra, Adel S., Smith, Kenneth C. pela Makron Books (2019)
>>> O Fim do Brasil de Felipe Miranda pela Escrituras (2014)
>>> Manifesto do Nada na Terra do Nunca de Lobão pela Nova Fronteira (2013)
>>> Contra a Maré Vermelha de Rodrigo Constantino pela Record (2015)
>>> O País dos Petralhas II de Reinaldo Azevedo pela Record (2012)
>>> O País dos Petralhas de Reinaldo Azeved pela Record (2008)
>>> Privatize Já de Rodrigo Constantino pela Leya (2012)
>>> Assassinato de reputações: um crime de estado de Romeu Tuma Junior pela Topbooks (2013)
>>> Por que virei à direita de Denis Rosenfield, João Pereira Coutinho, Luiz Felipe Pondé pela Três Estrelas (2012)
>>> A Terra de Deus de Taylor Caldwell pela Record
>>> The Secret Garden de Frances Hodgson Burnett pela Hub (2011)
>>> The Lung: Physiologic Basis of Pulmonary Function Tests de Robert E. Forster II pela Year Book Medical Publishers (1986)
>>> Star Wars Darth Vader. Vader de Panini pela Panini (2019)
>>> Treinamento em Informática: Windows 95 de Tba Informática pela Tds Distribuidora (1999)
>>> Access 97 Passo a Passo Lite de Núcleo Técnico e Editorial Makron Books pela Makron Books (1997)
>>> PowerPoint 97 Passo a Passo Lite de Núcleo Técnico e Editorial Makron Books pela Makron Books (1998)
>>> De Agora Em Diante, Uma Pessoa Diferente de Lama Surya Das pela Rocco (2007)
>>> Veda: Segredo do Oriente. Uma Antologia de Artigos e Ensaios de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada pela The Bhaktivendanta Book Trust (2013)
>>> O Livro Da Transformação de Osho pela Sextante (2003)
>>> O Futuro Chegou  de Domenico de Masi pela Casa da Palavra (2014)
>>> Você é Inteligente o Bastante para Trabalhar no Google?  de William Poundstone pela Zahar (2012)
>>> A Prosperidade do Vicio - uma Viagem (inquieta) pela Economia  de Daniel Cohen; Wandyr Hagge pela Zahar (2010)
>>> Mitos Sobre a Fundação dos Estados Unidos  de Ray Raphael pela Civilização Brasileira (2006)
>>> A Startup Enxuta - Inovação Contínua para Criar Empresas Bem-sucedidas  de Eric Ries; Carlos Szlak pela Leya (2012)
>>> O Estilo Startup-empresas Modernas Usam o Empreendedorismo para Cresce  de Eric Ries pela Leya (2018)
>>> Como Se Tornar Inesquecível  de Dale Carnegie pela Companhia Nacional (2012)
>>> O Naturalista da Economia  de Robert H. Frank pela Best Business (2009)
>>> A Prisão da Fé  de Lawrence Wright; Denise Bottmann; Laura Motta pela Companhia das Letras (2013)
>>> A Escola da Liderança - Ensaios Sobre a Política Externa  de Sérgio Danese pela Record (2009)
>>> A Força da Convicção - Em Que Podemos Crer?  de Jean Claude Guillebaud; Maria Helena Kühner pela Bertrand Brasil (2007)
>>> A Beira do Abismo Financeiro - a Corrida para Salvar a Economia Global  de Henry M. Paulson Junior pela Elsevier (2010)
>>> O Fim da Vantagem Competitiva - Novo Modelo de Competição  de Rita Mcgrath pela Elsevier (2013)
>>> Risco Digital na Web 3. 0  de Leonardo Scudere; Scudere Soluções pela Elsevier (2014)
>>> A Disneyzação da Sociedade  de Alan Bryman pela Ideias e Letras (2007)
COLUNAS

Quarta-feira, 31/7/2013
Edward Snowden: a privacidade na era cibernética
Humberto Pereira da Silva

+ de 2400 Acessos

1.
O ano de 2013 está sendo um dos mais agitados dos anos recentes. Grandes manifestações populares em diversos cantos do mundo, inclusive o Brasil, golpe militar no Egito, intervenção francesa na guerra do Mali, guerra civil na Síria, burburinho em torno da blogueira Yoani Sánchez, cubana anticastrista que ganhou notoriedade internacional por meio das redes sociais, são eventos que marcam o ano em escala global.

Exclusivos do campo político, com reflexos no comportamento social e em novas manifestações culturais, são suficientes para se conjecturar a respeito de um movimento de inflexão no modo como interagimos e nos situamos no mundo em que vivemos. Nesse sentido, o episódio mais insólito e inesperado deve-se às declarações de Edward Snowden, ex-analista da Agência de Segurança Nacional (NSA), que revelou aos jornais The Guardian e Washington Post como o governo americano monitora comunicações e tráfico de informações entre suspeitos e aliados.

A NSA, criada em 1952, nos primeiros anos da Guerra Fria, portanto, é responsável pela intercepção e análise de informações suspeitas. Trata-se, supostamente, do maior núcleo de conhecimento em criptografia no mundo, pois seu modus operandi é protegido por segredo de Estado. Entre as poucas informações, a de que atua em cooperação com agências equivalentes no Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia, e que opera com cerca de 54 mil funcionários de empresas privadas subcontratadas.

Até aqui nenhuma novidade, senão que, a partir das revelações de Snowden, o monitoramento das comunicações é realizado pelo material sigiloso do programa de vigilância PRISM. O programa seria capaz de fornecer à NSA diversos tipos de mídia sobre os alvos escolhidos, como correio eletrônico, conversas por áudio e por vídeo, fotos, transferências de arquivos, notificações de login etc. Segundo Snowden, nove das grandes corporações de internet participam do programa: Microsoft, Google, Facebook, Yahoo!, Apple, YouTube, AOL, Paltak e Skype.

Suas revelações caíram como bomba; chocaram autoridades governamentais supostamente monitoradas, que, no discurso, exigiram explicações do governo americano. De um modo cujos desdobramentos são imprevisíveis, é o maior escândalo do governo Barack Obama. No momento, Snowden encontra-se foragido, na área de trânsito do Aeroporto Internacional de Scheremetyevo, em Moscou. Enquanto tenta obter asilo político, o governo americano tenta extraditá-lo, a fim de que seja julgado por espionagem.

2.
Considerado o ponto de vista estritamente pessoal, o caso Snowden alimenta as mais fantasiosas especulações. Por isso, tratar de suas motivações, ou fazer julgamento moral de seu gesto - se é traidor ou herói -, apenas encobre alguns pontos que dão à sua saga um ar de incredulidade, de ficção. Vale dizer: crê-se como se crer num James Bond que escapa das situações mais improváveis.

Ora, Snowden prestava serviço num órgão ultrassecreto do governo americano no Havaí. Ele trabalhava na Booz Allen Hamilton, uma empresa de consultoria especializada em tecnologia de informação. De lá, ele foi para Hong Kong, onde fez suas comprometedoras revelações ao jornalista britânico Glenn Greewald, do The Guardian. Em seguida, ele conseguiu sair de Hong Kong e se refugiar em Moscou. Feitas as contas, um bom roteiro para filme de 007.

Para qualquer pessoa com o mínimo de bom senso, não há como não estranhar que um funcionário, num universo de possíveis 54 mil, de modo isolado tenha carregado informações com poder de uma bomba atômica. Como lhe foi possível, de uma hora para outra, sair do Havaí "tranquilamente", sem que ninguém notasse, com um arsenal de informações explosivo? Como imaginar que um sistema de segurança "eficientíssimo" não controla as andanças de um funcionário, em certos aspectos, absolutamente normal?

Se ele agiu sozinho, basta fazer um simples cálculo de probabilidade e notar quantos, potencialmente, também puderam fazê-lo, em função dos mais variados interesses, e passaram informações sigilosas, com a diferença de não terem suas confidências reveladas na grande imprensa. A questão é simples: o programa de vigilância PRISM pode ser operado fora da NSA? Caso isso seja possível, como Snowden, ele está fora de controle (para ficarmos na ficção, lembremos de HALL em 2001, uma odisseia no espaço). Mas, claro, se ele não agiu sozinho, então ele não passa de bode expiatório. Nas duas situações, os descrentes em teorias conspiratórias nesse momento estão pouco à vontade.

Entre as estranhezas desse insólito episódio, ainda, o jogo de cena de autoridades governamentais e imprensa. Uma agência de segurança com atuação há mais de sessenta anos não era ignorada por quem está no jogo das esferas de poder, sob o risco de ingenuidade. A surpresa com o que foi publicado é similar a de quem se chocaria ao saber que 9/10 de um iceberg fica debaixo d´água. Desconhecer a forma, ou a silhueta do que está submerso, é um dado óbvio; mas não se espantar com a notícia de que um iceberg não se resume ao que é visto na superfície. Nesse espanto, algo como o dos súditos que fingiam não ver a nudez do rei, na fábula de Hans Christian Andersen.

3.
Estranhezas a parte, trata-se de um episódio em que, quanto mais se mexe, menos se sabe e muito se especula. De qualquer forma, é cada vez mais evidente que a realidade cibernética adentra em nosso cotidiano e provoca mudança no sentido comumente dado à privacidade. Num processo irreversível, como o foi o do telefone, o uso cada vez mais frequente de redes sociais coloca em pauta questões impensadas anos atrás. A mais notória diz respeito ao estreitamento vertiginoso entre privacidade e publicização de comportamento.

A existência e consequente pirataria de programas de vigilância como o PRISM coloca à disposição de qualquer um informações que podem ser usadas para os mais abjetos interesses. O que significa dizer não só que cada indivíduo isolado ficaria exposto a formas de controle de que não tem como escapar, como também se vê forçado a reorganizar suas movimentações, contatos ou simples registro de agenda em consonância com uma nova realidade.

Esse admirável mundo novo cibernético, com as revelações de Snowden, aponta para o seguinte cenário. Nos próximos anos, independente da ingerência do Estado, todos potencialmente estaremos vigiados. Vale aqui lembrar a famosa alegoria do Anel de Gyges, na República, de Platão.

Um pastor chamado Gyges encontra por acaso um cadáver que usava um anel. Quando Gyges coloca o anel no próprio dedo, descobre que este o torna invisível, conforme sua posição no dedo é alterada. Sem ninguém para monitorar seu comportamento e, ao mesmo tempo, podendo ver tudo, Gyges passa a praticar toda a sorte de maldade: seduz a rainha, mata o rei e toma o poder. Essa alegoria levanta a seguinte indagação moral: algum homem resistiria à tentação do mal se soubesse que suas ações são invisíveis aos olhos dos outros?

Aquele que vê tudo e é invisível aos olhos de todos está isento de julgamento moral. A moralidade, bem entendido, supõe a visibilidade das ações, para que sejam julgadas certas ou erradas, justas ou injustas. Uma instância que controla, mas não é vista, tem poder de ação ilimitado. Em outras palavras: a alegoria platônica ganha forma no mundo cibernético. Este parece instaurar uma nova moralidade, em que o sentido de privacidade, com as redes sociais e similares, está sendo pulverizado.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 31/7/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Conselho ou Informação de Daniel Bushatsky
02. A convergência das mídias de Gian Danton
03. Sobre o preço dos livros 2/2 de Rafael Rodrigues
04. Avatar 3D e as tecnologias visuais do novo milênio de Marcelo Spalding
05. O verdadeiro legado de 68 de Luiz Rebinski Junior


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2013
01. Olgária Matos - 1/2/2013
02. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' - 6/3/2013
03. Toda poesia de Paulo Leminski - 8/5/2013
04. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque - 21/8/2013
05. O Som ao Redor - 13/2/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE RED BALLOON - STAGE 1
EDUARDO AMOS E OUTROS
MODERNA
(1991)
R$ 9,78



FRONTEIRA SUTIL ENTRE A SOCIOLOGIA E A LITERATURA - 5316
MARCOS ALMIR MADEIRA
NORDICA
(1993)
R$ 8,00



O SEGREDO DOS SINAIS MÁGICOS
SÉRSI BARDARI
ATICA
(1993)
R$ 4,00



MODELOS E MÉTODOS EM PEDAGOGIA
FRANC MORANDI
EDUSC
(2002)
R$ 18,00



PLEASANT BOOKS IN EASY ENGLISH - STORIES OF TODAY
G. C. THORNLEY - M. A. - PH. D.
LONGMAN
(1973)
R$ 4,00



STRIDING FOLLY
DOROTHY L. SAYERS
HODDER & STOUGHTON
(1973)
R$ 40,00
+ frete grátis



MEDITACION DE LA TECNICA Y OTROS ENSAYOS SOBRE CIENCIA Y FILOSOFIA
ORTEGA Y GASSET
ALIANZA EDITORIAL
(1982)
R$ 58,00



CRÍTICA À LÓGICA DA EXCLUSÃO - ENSAIOS SOBRE ECONOMIA E TEOLOGIA
HUGO ASSMANN
PAULUS
(1994)
R$ 25,00



ROTEIRO PRATICO DAS LICITAÇÕES - 8ª EDIÇÃO
LUIZ ALBERTO BLANCHET
JURUÁ
(2014)
R$ 26,82



NINHO DE VÍBORAS
LINDA DAVIES
OBJETIVA
(1995)
R$ 10,00





busca | avançada
32790 visitas/dia
1,0 milhão/mês