Daumier, um caricaturista contra o poder | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Disco - Clube da Esquina
>>> MONSTRA exibe filmes feitos por e com crianças nos dias 25 e 26/5
>>> Tão Somente Meninos
>>> Festa junina no Teatro do Incêndio busca continuidade do projeto SOL.TE
>>> Céu se apresenta no Sesc Guarulhos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Tecnologia de Minority Report
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Do Surrealismo
>>> Milagres não existem
>>> Valsinha
>>> Sobre o caso Idelber Avelar
>>> Uma gafieira, pintura digital
>>> As drogas fazem você virar os seus pais
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> O Conto do Amor, de Contardo Calligaris
Mais Recentes
>>> Guia do Estressado de Rosana Ferrão pela Aeroplano
>>> A Arte da Guerra de James Clavel pela Record (2002)
>>> Poesia na Varanda de Sonia Junqueira; Flavio Fargas pela Autêntica (2012)
>>> A Falta Que Ela Me Faz de Fernando Sabino pela Record
>>> Quem Manda na Minha Boca Sou Eu! de Ruth Rocha pela Ática (2007)
>>> Propósito - a Coragem de Ser Quem Samos de Sri Prem Baba pela Sextante (2016)
>>> O Inglês; Tal Qual Se Fala no Presente sem Auxílio de Professor de M. Oliveira Malta pela Cia. Brasil (1960)
>>> Medicina Alternativa de A a Z de Carlos Nascimento Spethmann pela Natureza (2004)
>>> Administração Estratégica 2 Edição de Varios pela Pearson (2005)
>>> O Vaqueano de Apolinário Porto Alegre pela Três (1973)
>>> A Casa Iluminada de Alessandro Thomé pela Benvira (2012)
>>> Medicina Alternativa de a a Z - 6ª Edição de Carlos Nascimento Spethmann pela Natureza (2004)
>>> O Poder de Mau Humor de Ruy Castro pela Companhia das Letras (1993)
>>> O Amanha Começa Hoje de Alf Lohne; Charlote F. Lessa; Eduardo Olszewski pela Cpb Didaticos (2013)
>>> 21 Days to the Perfect Dog de Karen Wild pela Hamlyn (2014)
>>> Ligados. Com Ciencias - 3º Ano de Maira Rosa Carnevalle pela Saraiva Didáticos (2015)
>>> Depois Que Vim a Saber... de Elifas Alves pela Teatro Espírita (1983)
>>> Sherlock Holmes - O Vale do Medo de Arthur Conan Doyle pela Principis (2019)
>>> Instalações Elétricas de Hélio Crede pela Ltc (1986)
>>> Mensagens do Vento de Aldo Saettone pela Clio (2008)
>>> O Gerente Que Veio do Céu de Floriano Serra pela Gente (2000)
>>> Gramática Texto Análise e Construção de Sentido Caderno de Estudo de Maria Luiza M. Abaurre pela Moderna (2011)
>>> O Sentido da Vida na Catequese de Isabel Cristina a Siqueira pela Paulus (2014)
>>> Quando é Preciso Ser Forte de De Rose pela Egrégora (2005)
>>> Flores de Kalocsa de Vários Autores pela GyÖrgyi (1984)
COLUNAS

Terça-feira, 24/2/2015
Daumier, um caricaturista contra o poder
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 10300 Acessos

Dedicado ao Charlie Hebdo

"Os vencidos são cinzas, o destino sopra-os e os dispersa. Produziu-se sinistro desaparecimento de todos os combatentes do direito e da lei. Trágica desaparição". (Victor Hugo - História de um crime)



Honoré Daumier foi desenhista, litógrafo, pintor e escultor. Iniciou sua carreira artística como caricaturista no ano de 1830, no jornal La Silhouette. Colaborou depois para o jornal Caricature, fundado por Charles Philippon em 1831. Depois que o jornal foi fechado, Daumier voltou-se para a pintura. Em 1848, retomou sua atividade como caricaturista no jornal Le Charivari.

Daumier tornou-se o maior caricaturista cronista dos crimes cometidos contra a população francesa em todos os níveis de sua vida social. É o que o vasto conjunto de sua obra exibe de forma imperativa.

Baudelaire elogia Daumier por sua representação integral da realidade moderna: "folheiem sua obra e verão desfilar ante seus olhos, em sua realidade fantástica e impressionante, tudo o que uma cidade tem de monstruosidades vivas. Tudo o que ela encerra de tesouros assustadores, sinistros e burlescos, Daumier conhece."

Daumier foi caricaturista político e, enquanto colaborou nos periódicos Caricature e Charivari, sempre esteve pronto a atacar a política hipócrita de Luís Filipe e o corrupto sistema judiciário, legislativo e burocrático do Estado Francês.

Em uma de suas caricaturas, denominada "Gargântua" (1831), Luís Filipe é retratado como um Gargântua a quem o povo francês lança goela abaixo os frutos de seu trabalho, sem, contudo, conseguir saciá-lo. Nessa caricatura, pode-se ver os ministros de Luís Filipe acumulando em cestos os impostos pagos pelo povo, para os esvaziarem em seguida na bocarra insaciável de Gargântua, cuja fisionomia é a do monarca. Por baixo da poltrona, distribuem-se privilégios e monopólios a homens de negócios, cujos interesses eram defendidos pelos ministros do rei. Esta sátira era demasiado dura para passar despercebida. Essa caricatura valeu a Daumier meio ano de prisão.

"Gargântua" se encontrava de forma inacreditável com o texto de Marx, "A luta de classe na frança de 1848 a 1850", que parecia traduzir a caricatura de Daumier: "A monarquia de julho não passava de uma grande sociedade por ações para a exploração da riqueza nacional da França, cujos dividendos se repartiam entre os ministros, as câmaras e seu séquito. Luís Filipe era o diretor dessa sociedade...".

Na caricatura "Repouso da França"(1834), o soberano, metido num traje bem apertado, cartola, sobretudo preto e guarda-chuva no braço esquerdo, quase escorrega do imponente trono em que adormeceu, evidentemente esgotado pelos muito assassinatos cometidos. Entre suas pernas vê-se um canhão com a boca virada para o observador; dois outros destacam-se sobre o trono, nas laterais. À esquerda, atrás do trono, o galo gaulês com o pescoço torcido; à direita, Marianne, com o barrete frígio à cabeça, tem os olhos voltados para as algemas que lhe prendem o pulso.

Também a verve crítica e satírica de Daumier aparece nas litografias e nas pinturas inspiradas em cenas de tribunais, onde o artista disseca o poder judiciário, ilustrando, entre várias coisas, as defesas apaixonadas de advogados e clientes pouco decentes. Ele nos mostra os magistrados sob um aspecto nada favorável dando-nos os traços essenciais do seu caráter com uma arte muito segura e cirúrgica.

No "Journal" dos Goncourt, de 13 de março de 1865, aparece o seguinte comentário a respeito da série de Daumier sobre os advogados e juízes: "Os homens de justiça! Jamais, desde Rabelais, os trapaceiros haviam sido comprimidos de perto, mais pesquisados, mais implacavelmente dissecados nos seus truques, nas suas manias, nas suas audácias, nas suas dissimulações. Essas roupas negras, essas faces barbeadas, o frio úmido das salas de audiência, tudo isso tem positivamente embriagado Daumier."

Sua obra vê os primeiros anos do orleanismo como macabramente grotescos e Luís Filipe como principal personagem do espetáculo reacionário que se desenrola no palco da França: papa-defunto, Gargântua insaciavelmente glutão, sempre urdindo intrigas, incitando ao assassinato, extorquindo a nação e, depois, exausto da festança que lhe propiciam os assassinatos, imerso num profundo sono digestivo.

Em "Enforcando Lafayette! Trapaça, meu velho!"(1834) emerge o obeso Luís Filipe que exulta com a morte de Lafayette e com o fim da revolução. Todo de preto, na figura de um Luís Filipe defunteiro, como dissimulador e hipócrita, encontra-se afastado do cortejo fúnebre na esplanada do cemitério e oculta atrás das mãos juntas o rosto, no qual se espelha a satisfação com a morte do inoportuno herói da liberdade.

Em todas as obras de Daumier relacionadas à questão da violência do Estado contra o cidadão, encontramos pormenorizados os detalhes que tornam visível essa violência; seja nos cadáveres da Rua Transnonain, seja no desespero dos fugitivos, seja no trabalho pesado da população pobre, seja no sarcasmo estampado no rosto dos poderosos.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 24/2/2015


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Marcelo Mirisola: entrevista - 22/9/2015
03. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
04. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guia da Lica por Liane Neves - Porto Alegre 2014
Liane Neves
Liane Neves
(2013)



Rimas de Lá e de Cá
Jose Jorge Letria, Jose Santos, Yara Kono
Peirópolis
(2014)



Os Pensadores - Schelling
Vários Autores
Nova Cultural / Alaúde
(1991)



Os Gêmeos
Pauline Alphen
Companhia das Letras
(2012)



Decisão!
Noel M. Tichy e Warren G. Bennis
Bookman
(2009)



Dom Pedro I e a Marquesa de Santos
Alberto Rangel
Brasiliense
(1969)



Tempo de Sonhar
Brenda K. Jernigan
Nova Cultural
(2002)



Contos Acumulativos sem Fim
Carmen Mattos e Rose Garcia
Mtg
(2012)



Criar e Recriar Com Isopor
Claudia Cristina Balista
Difusão Cultural do Livro
(2005)



Teoria Geral do Processo 14 Ed
Antônio C. de Araújo Cintra e Outr
Malheiros
(1995)





busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês