Analisando Sara: Pós-hardcore atmosférico | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Amor platônico
>>> 80 (Melhores) Blogs na Época
>>> Nordeste Oriental
>>> Entrevista com Flávia Rocha
>>> Clint: legado de tolerância
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Nicolau Sevcenko & jornalismo
>>> 25 de Julho #digestivo10anos
>>> Hugo Cabret exuma Georges Méliès
>>> Jornais do futuro?
Mais Recentes
>>> Bíblia Sagrada Nova Versão Transformadora de Equipe Nvt pela Mundo Cristão (2016)
>>> A Mão e a Luva - Coleção Prestígio de Machado de Assis pela Ediouro (1987)
>>> Introdução à Teologia Fundamental de Rino Fisichella pela Loyola (2012)
>>> O Mulato - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Uma Lágrima de Mulher - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Filosofia Política e Liberdade de Roland Corbisier pela Paz e Terra (1975)
>>> Civilização e Cultura. Volume 1 de Luis da Câmara Cascudo pela Livraria José Olympio (1973)
>>> Antologia do Folclore Brasileiro - 2 Volumes de Luis da Câmara Cascudo pela Martins (1965)
>>> Alguém Que Anda por Aí de Julio Cortázar pela Nova Fronteira (1981)
>>> Revolução na América Latina de Augusto Boal pela Massao Ohno (1961)
>>> Arte de Amar e Contra íbis de Ovídio pela Cultrix (1962)
>>> História Concisa da Literatura de Alfredo Bosi pela Cultrix (1979)
>>> Por Que Almocei Meu Pai de Roy Harley Lewis pela Companhia das Letras (1993)
>>> A Filosofia de Descartes de Ferdinad Alquié pela Presença / Martins Fontes (1969)
>>> A . Comte - Sociologia de Evaristo de Moraes Filho; Florestan Fernandes pela Ática (1983)
>>> The Pedants Return de Andrea Barham pela Bantam Books (2007)
>>> O Ser e o Tempo da Poesia de Alfredo Bosi pela Companhia das Letras (2004)
>>> Thomas Hobbes de Os Pensadores: Hobbes pela Abril Cultural (1979)
>>> Introdução ao Filosofar de Gerd Bornheim pela Globo Livros (2003)
>>> O Caneco de Prata de João Carlos Marinho pela Global (2000)
>>> Berenice Contra o Maníaco Janeloso de João Carlos Marinho pela Global (1997)
>>> Conceptual Issues in Evolutionary Biology de Elliott Sober pela Mit Press (1993)
>>> A History Their Own Women in Europe - 2 Volumes de Bonnie S. Anderson; Judith P. Zinsser pela Harper & Rowpublishers (1988)
>>> Revelações de Uma Bruxa de Marcia Frazão pela Bertrand Brasil (1994)
>>> Eu, Malika Oufkir: Prisioneira do Rei de Malika Oufkir; Michèle Fitoussi pela Companhia das Letras (2000)
COLUNAS

Terça-feira, 27/11/2012
Analisando Sara: Pós-hardcore atmosférico
Duanne Ribeiro

+ de 3600 Acessos

O vocalista da Analisando Sara, banda de pós-hardcore de Santos, litoral de São Paulo, como que range os dentes quando sente a música. Não se veem os olhos sob o boné, ainda mais com a pouca luz do bar, mas se enxerga o branco cerrado na boca, a cabeça sacudida como que em um espasmo. Tensão contida? Liberada com o vocal que explode sobre ritmo e melodia em devaneios próprios.

Às vezes ele só aguarda, força o eixo do corpo para um lado, cobre o rosto com as mãos, acompanha a melodia com quase uma dança. A banda atrás está imersa no riff e na batida. A sonoridade instrumental me lembra Circa Survive, Alexisonfire (sem a fúria), Envydust. Mas não é exatamente nada disso; se nos primeiros EPs as influências eram mais claras e o gênero mais marcado, 6567826968738469, o mais recente, (o segredo da sequência de números, só no encarte do álbum) traz uma identidade mais bem definida e original.

A banda venceu o Rock Show 2012 na categoria Som Original. O EP anterior a esse, Repetição Imediata: Co-Evolução e Consequência, foi premiado pelo Zona Punk como melhor demo nacional de 2010. Está já em gravação o próximo, que deve aparecer em 2013. A formação atual reúne os guitarristas Daniela Gumiero e Diego 'Munk' Oliveira, o baixista Henrique Santana, o baterista Bruno 'Skero' Martins e o vocalista Gilberto Junior - único desde o início do grupo. Mesmo no cenário alternativo esse tipo de som é raro no Brasil; a tendência é que se aperfeiçoe.

Assisti ao show no Cerveja Azul, na Mooca; show pequeno, a banda teve maiores, como no Hangar 110, ou em espaços mais importantes, como a Virada Cultural. Além do gestual, o que se destaca em Gilberto é sua postura de líder no palco - tanto para vender camisetas e álbuns quanto para defender uma ideia positiva da vida, o que a banda constrói como sua marca. Há entrega, convicção e projeto, visíveis não só em tudo que citei, como na presença online e nos bastidores.

É por isso que escrevo a resenha do EP, que segue abaixo. Não só por isso: eu sou amigo de Gilberto faz bastante tempo (naturalmente, por esse motivo você pode desconfiar de qualquer entusiasmo meu). Já toquei com ele há uns dez anos, em várias ocasiões. Numa delas, a música era Pregos, Cruzes e um Saco de Moedas, do Dance of Days. Eu fiz humildemente o vocal limpo, Gilberto subiu no palco e fez os screams. As caixas vibraram com a potência, de um tal modo que (acho) parei e olhei impressionado por um instante.

6567826968738469
Gilberto não berra mais; especializou-se em outro estilo. Usa preferencialmente timbres agudos, forçando melodicamente todas as frases. Os finais de palavra se alongam e quase sempre se estendem e se ligam, formam uma linha contínua de variação sonora. Pode soar maneirista e dramático, e até onde vejo afasta alguns ouvintes - mas é uma camada que se destaca e integra o conjunto com força.

São características de voz análogas a de um vocalista como Nenê Altro (foi essa a minha primeira impressão, negativa, de Se Essas Paredes Falassem), embora aqui tenhamos um vocal mais limpo, mais encorpado. Segue o faixa-a-faixa:

A Última de Vogal se constrói pela sobreposição de sonoridades. Abrem a música a melodia do vocal feminino e o dedilhado da guitarra base. Ambiente feito, entra a guitarra solo, em tom mais agudo, acrescenta mais uma linha melódica. O vocal principal rasga esse ambiente, variando mais os tons sobre a batida simples, mas quebrada, da bateria. Quando a guitarra solo muda seu riff, não volta a repetir as sequências iniciais; soma-se ao conjunto outro vocal, gritado - "quantas noites perdemos para salvar o futuro, para que os sonhos de vida não se percam no escuro?". Tudo se acumula, cada instrumento na sua forma própria. Intenso, algo triste, repetição insistente que só cessa com o grito "temos que lutar!".

Minha preferida, Perimetral, tem várias seções, com mudanças de dinâmica e da função de cada instrumento. O início, com poucas notas nas guitarras que ecoam, mais lento, segue por uns vinte segundos; um golpe no prato de condução deixa soar o metal enquanto sobram vocal (caindo de intensidade e tom) e guitarra (no som estéreo, em um ouvido só) com um riff nas cordas mais graves - e explode um riff mais agudo na outra guitarra (e em outro ouvido). As duas alternam essas linhas uma única vez, até que a bateria desacelere - um segundo ápice. Uma das guitarras passa a ser só solo, abusando da velocidade da palhetada. Outra vez, a música baixa sua velocidade, para dar lugar a uma seção com um novo riff e uma batida mais estacada, com o bumbo atacado múltiplas vezes. Até o fim, guitarra e vocal exploram sua potência, pra "fazer valer cada gota de suor", como diz a letra.

Permita-se é a base mais "simples" do EP, tanto a primeira base de estrofe como a parte final lembram recursos comuns de bandas de pós-hardcore. 140' (feita por Rafael Carvalho, que ajudou a produzir o EP) é a faixa que mais se afasta do estilo do conjunto: batida eletrônica, efeitos sonoros típicos do ambient music, algumas colagens de áudio. Uma delas diz: "Não podemos ter medo de sonhar grande". É um interlúdio que se segue ao verso "é difícil dizer o que é sonho, é difícil dizer o que é real" de Permita-se - de tal maneira que essas duas músicas parecem conectadas. No encerramento de Cygnus... Vismund Cygnus, do Mars Volta, há uma seção assim, embora mais ruidosa e sombria.

Keka Rarecandy feat. Sasha Robot foi a primeira música de trabalho do EP. Possui um andamento mais lento que Perimetral, mas sua estrutura com várias seções é parecida. É talvez a música em que o vocal ganhe mais destaque; os riffs não são tão presentes e tão variados, há mais acordes com batidas mais simples. A voz no entanto explora bastante a dinâmica, com quedas de tom num verso a que segue uma linha em tom bem mais alto, ou que mudam todo ambiente da canção, como por volta do fim do primeiro minuto (lá em Perimetral, num momento, Gilberto varia também rápido, mas para um tom agudo). Keka Rarecandy é também a em que a repetição do refrão é marcante, o que explica possivelmente porque se tornou a música do clipe, a de divulgação inicial.

Em todas uma atmosfera particular, repleta de melodia. Baixe e ouça.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 27/11/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva de Renato Alessandro dos Santos
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo de Heloisa Pait
03. Não presta, mas vá ver de Carla Ceres
04. Natal S.A. de Luis Eduardo Matta
05. Aprendendo a ficar invisível de Rafael Lima


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2012
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge - 14/8/2012
03. Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia - 4/9/2012
04. Èpa Bàbá Oxalá! na Nota de Real - 3/4/2012
05. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica - 7/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Próximo Destino Marte
Marina Vigial
Panda Books
(2005)



Bicentenário de Campinas a Saga Que a Cidade Amou - Autografado
Rubem Costa
Komedi
(2013)



As Ostras Estão Morrendo
Walmir Ayala
Leitura
(2007)



Concepção de Frases Em Ninhos de água
Pedro Cezar
7 Letras
(2002)



A Cultura como Crença
J. Rogério Lopes
Cabral
(1995)



Umbanda Gira! - 1ª Edição
Gisela Darruda
Pallas
(2010)



Terapia do Ser Mulher
Karen Katafiasz
Paulus
(1998)



Osso - na Cabeceira das Avalanches - Autografado
Bruno Cattoni
7 Letras
(2005)



A culpa é das estrelas
John Green
Intrínseca
(2012)



Come and Get Me and Other Ghost Stories
Peter Bullard
Longman
(1983)





busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês