Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
>>> Amor, entre o céu e o fardo
>>> O Estranho Mundo Atual que Julgamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Festival da Mantiqueira
>>> Eleições
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Por que ler poesia?
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Influências da década de 1980
Mais Recentes
>>> A Mulher Carioca aos 22 Anos de João de Minas pela Dantes (rj) (1999)
>>> O Poder Constituinte 3ª Edição de Manoel Gonçalves Ferreira Filho pela Saraiva (1999)
>>> Questões Comentadas de Direito Ambiental de Terence Trennepohl e Natascha Trennepohl pela Juspodivm (2008)
>>> Máximo de Mínimos: Poesia Reunida de Elcio Fonseca pela Autor (2004)
>>> Acidente de Trabalho e Moléstias Profissionais de J R Feijó Coimbra pela Edições Trabalhistas (rj)
>>> O Direito e os Advogados nos Eua de Erwin N. Griswold pela Forense (rj) (1967)
>>> Crise e Escritura : uma Leitura de Clarice Lispector e Vergílio de Ivo Lucchesi pela Forense Universitária (1987)
>>> Denunciação da Lide no Direito Processual Civil Brasileiro de Sydney Sanches pela Revista dos Tribunais (sp) (1984)
>>> Estados Unidos - Textos Acadêmicos de Fundação Alexandre de Gusmão pela Fundação Alexandre de Gusmão (2008)
>>> Depositário Judicial de Edilton Meireles pela Lejus (1999)
>>> Crimes Contra a Honra de Marcelo Fortes Barbosa pela Malheiros (1995)
>>> Pragmática da Violência: o Nordeste na Mídia Brasileira de Daniel do Nascimento e Silva pela 7 Letras e Faperj (rj) (2012)
>>> Coisas de Menino (edição 2009) de Eliane Ganem pela José Olympio (2010)
>>> Processo Tributário 2ª Edição de Paulo Cesar Conrado pela Quartier Latin (2007)
>>> Capitalismo e Força de Trabalho de Seminário Ufbahia - 1983 pela Ufba (1983)
>>> Lart Medieval: Histoire de Lart de Elie Faure pela Livre de Poche (1964)
>>> A Cpi Municipal - 4ª Edição de Jose Nilo de Castro pela Del Rey Books (2000)
>>> Educação para o Século XXI de Jorge Cardelli, Miguel Duhalde e Laura Maffei pela Instituto Polis (sp) (2003)
>>> Fundamentos Filosóficos de La Clinica Homeopática de Dra Maria Clara Bandoel pela Albatros Ediciones (1986)
>>> Pensando o Espaço e o Território na Metrópole do Rio de Janeiro de Antonio de Ponte Jardim pela Autor (rj) (2007)
>>> A Politica Positiva e Seus Commentadores de Alfredo Severo pela Jornal do Commercio (rj) (1941)
>>> Portugal no Presente de Joaquim José Freire Lagreca pela Indústria Gráfica (1975)
>>> Time Out Amsterdam de Time Out pela Time Out (1995)
>>> Enciclopédia Estudo: 1500 Palavras Quarta Edição de Américo Areal (edição Portuguesa) pela Asa (1989)
>>> Revista de Filosofia Nº117 Jan Junho de 2008 de Ufmg pela Ufmg (2008)
>>> El Quarto Protocolo de Frederick Forsyth pela Plaza e Janes (1984)
>>> Superdotados & Psicomotricidade de Rosa M. Prista pela Vozes (petrópolis, Rj) (1993)
>>> Ensino a Distância: Módulo 2 - Questões e Exercícios Navegação de Ministério da Marinha, Diretoria de Portos pela Dir de Portos e Costa (mm) (1996)
>>> Del Libro y Su Historia de Gaston Litton pela Bowker (buenos Aires, Argentin (1971)
>>> A Outra Face do Coronel de Antônio José do Couto Soares pela Bagaço (2001)
>>> The New Nineteenth-century European Paintings And de Gary Tinterow, Susan Alyson e Barbara Burn (comp.) pela Metropolitam Museum (n. Y.) (1993)
>>> O Advogado Perante a Previdência e a Assistência Social no Brasil de Francisco Costa Netto (dedicatória) pela Casa do Advogado (1976)
>>> Windsurf: Prancha À Vela de Jean-luc Marty pela Ediouro (tecnoprint - Rj) (1982)
>>> Ii Simpósio Nacional Sobre Aterosclerose Coronária de J. Eduardo M. R. Sousa (editor); Lylian Vasco pela Ayesrst Sp) (1973)
>>> Paraísos Fiscais (capa Dura) de Alexis Cavicchini (editor) pela Tama (sp)
>>> Português sem Segredos de Miriam Margarida Grisolia e Renata C Shorgia pela Madras (2004)
>>> Ministério Público: Provas e Concursos de Glauber Tatagiba (org) pela Del Rey (belo Horizonte) (2004)
>>> O Dicionário do Futuro: as Tendências e Expressões Que Definirão de Faith Popcorn e Adam Hanft pela Campus (2002)
>>> Autos de Devassa da Inconfidência Mineira Volume 1 de Câmara dos Deputados pela Câmara dos Deputados (1976)
>>> Autos de Devassa da Inconfidência Mineira Volume 8 de Câmara dos Deputados (vol 8) pela Câmara dos Deputados (1976)
>>> Eduquer En Seduquant de Louis Evely pela Presto Print (bruxelas)
>>> Londres: Citypack Guia + Plano de Louise Nicholson; El País pela El País (2011)
>>> Abraham Lincoln: the War Years (1864-1865) Vol 3 de Carl Sandburg pela A Laurel (1963)
>>> Pour et Contre Saussure: Vers Une Linguistique Sociale de Louis Jean Calvet pela Petite Bibliotheque (1975)
>>> Court Serpent de Bernard Du Boucheron pela Gallimard Blanche (2004)
>>> Padrão de Balanços de Carlos Sanmartin e Solano Carlos Sanmartin pela Autor (rj) (1974)
>>> La Bourse des Valeurs et les Opérations de Bourse de Gaston Défossé e Yves Flornoy (12 Edition) pela Presses Universitaires (paris) (1984)
>>> La Otan... a Lo Claro 2ª Edicion de Luís Otero (elaboracion) pela Editorial Popular (madri) (1981)
>>> Perfect Phrases For Motivating and Rewarding Employees Second Ed de Harriet Diamond, Linda Eve Diamond pela Mcgraw-hill Education (2010)
>>> Eficácia das Normas Constitucionais Sobre Justiça Social de Celso Antônio Bandeira de Mello (relator) pela Conferência Nacional Oab (1982)
COLUNAS

Terça-feira, 4/9/2012
Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia
Duanne Ribeiro

+ de 5100 Acessos

De julho a setembro, a exposição Metrô de Superfície - Mostra I reuniu no Paço das Artes, em São Paulo, 13 jovens artistas nordestinos, em um recorte sobre o corpo - desde a acepção mais simples, material mesmo, até o referencial humano, nas relações que o sujeito mantém consigo e com a sociedade. Vou me concentrar em três deles, que me atingiram de maneira particular: Marina de Botas e a mulher que se maquia com uma cega; Carlos Mêlo e arte moderna tateante e exibicionista; Rodrigo Braga, cabeça de cachorro morto grudada na cara.

São esses os que mais me desestabilizaram conceitos de beleza, representação, afeto, autoconhecimento, fantasia - como se nessas várias direções as obras tocassem em algum tipo de limite. Metrô de Superfície também traz trabalhos de cunho mais social ou de pesquisa gráfica-visual. Esses outros artistas serão citados perifericamente, mas sem a intenção de criar aqui uma hierarquia de valor: minha seleção não abrange tudo, convido o leitor a conhecê-los todos e levar aos comentários sua própria curadoria.

Marina de Botas, Entrevista (2009)
Entrevista é um vídeo de 20 minutos que enfoca duas mulheres que se maquiam, uma a outra. Marina pinta o rosto de Helena, que depois pinta o seu. Helena é cega de nascença. Há uma tensão inicial dupla aqui. De um lado, seja qual for a beleza criada por Marina, essa beleza não poderá ser vista pela própria modelo; a precisão é inútil, e se ela torna Helena bonita, é menos por ela do que pelo costume de maquiar assim, ou por seus padrões ou alheios. De outro, Helena não mede quanta tinta e quanto pó, não acerta linhas, tateia a face e especulativa cumpre seu trabalho. Se deixa Marina feia, é porque esse tipo de precisão não está a seu alcance; e se Marina se deixa enfear, é por qualquer coisa - pelo vídeo, por caridade - menos por si.

Há assim um deslocamento dos sujeitos de posições em que a adequação é simplória. Essa sensação é fortificada por um outro elemento formal: uma narração em off, feita por uma voz feminina, descreve todas as ações do vídeo, em tom monocórdico, como quem lê um texto. O modo como a maquiagem é feita, os erros, a finalização - logo a leitura ultrapassa o momento do vídeo, e passamos a escutar em palavras o que será visto. O texto termina e recomeça, ouvimos o que já vimos acontecer, ouvimos o que já ouvimos sendo lido e talvez não tenhamos visto. Termina e recomeça outra vez.

No primeiro ciclo, esse texto nos lança adiante, imaginamos o que diz. No segundo, já podemos nos lançar para trás, lembramos o que vimos ou ouvimos. No terceiro, só há a ladainha repetitiva, e nos focamos nas imagens presentes. Há assim deslocamento - desta vez, da percepção. Nos dois casos, essas perturbações levam como que a uma purificação: percebemos, como espectadores, que as palavras eram secas demais para ressaltar o insólito e o afetivo da relação real a nossa frente; e o contato das moças se eleva da execução de uma técnica a um relacionamento através do gesto, performance que não cria uma aparência fetichizada, mas tem um valor em si própria.

Tendo em vista a tonalidade feminista do vídeo, é interessante contrastá-lo com outras obras da exposição que abordam temáticas de reconhecimento: Studio Butterfly, uma instalação de Virginia Medeiros que investiga a experiência de travestis em Salvador (BA), através de ensaio fotográfico, entrevistas em vídeo e contos; e o documentário sobre a intervenção queer de Solange Tô Aberta no Transgenialer CSD, uma parada gay de Berlim. O trecho abaixo parece ser da mesma gravação exposta no Paço:



Carlos Mêlo, Nova Arte Moderna (2004)
Nova Arte Moderna é também um vídeo, mais curto que o anterior. O artista está nu e se permite filmar pelas lentes de uma câmera noturna. Como se descobrisse de súbito que possui um corpo, ele se tateia, passa a mão por exemplo pelos dedos, pela sola do pé. Como se investigasse o espaço, se dispõe de em vários pontos do apartamento. Por fim, como se explorasse os modos possíveis de ser visto, varia as posturas e ângulos, deixando-se com vagar em cada um delas (como somos seres pudicos, é com asco que se vê o pênis, ou o escroto pressionado entre as coxas). Enquanto isso, o som de um rádio (ou TV) soa deslocado, até incompreensível. A dissociação entre áudio e cena se mistura e reforça o absurdo da performance.

São dois sujeitos em jogo: um de nós, espectador; e o próprio artista. O espectador se vê assistindo a um homem pelado indo pra lá e pra cá. Quais sentimentos te afloram? Constrangimento, nojo, desagrado, atração? Esse pode não ser uma qualidade interna à obra, mas certamente é um dado interessante quando a vemos inscrita em sua época: como reagimos frente ao corpo do outro? Que valores precedem a formulação de que a nudez é "desnecessária" ou "ofensiva"? Na medida em que a cultura é uma "segunda natureza", o vídeo pode nos atingir diretamente, no pudor - e, assim, no corpo.

O artista se exibe em obra pública. Mesmo que não de forma sexualizada, ele parte de uma expectativa de olhar alheio, assim sendo, de gestos para o consumo alheio. Nesse sentido, eu, nós - o espectador abstrato - também atingimos o performer de forma direta, determinando, com nossa reação presumida, a performance.

Contraste Nova Arte Moderna, que parece se centrar na agência sobre o corpo, no seu uso, com Sonata, instalação de Milena Travassos. São três projeções, uma na parede à frente, duas nas laterais. Vemos um lago, uma mulher que flutua à superfície, como se morta, sem qualquer reação, jogada às ondulações. Também a vemos sob a água, onde tudo se move sem consciência: flores submersas, o tecido de seu vestido, ela própria... O ambiente da instalação, de cor azulada e sonoplastia peculiar, é contemplativo, e se pode mesmo sentar e descansar um pouco ali. Insconciência, imobilidade/mobilidade, o corpo não mais humano, só matéria.

Rodrigo Braga, Fantasia de Compensação (2004)
Fantasia de Compensação é uma série de fotografias que registram a transformação de um homem em uma criatura obscura, zoomórfica, fantástica. Rodrigo Braga manipula o cadáver de um cão, o degola, corta e põe à parte uma porção de pelugem, assim como as orelhas e o focinho. Enfia um tubo de plástico pela boca do animal, através da garganta. O artista então costura com linha azul, na própria carne, os pêlos do cachorro sobre sua cabeça, ao redor dos olhos; costura as orelhas nas suas, acopla o focinho em seu rosto. É seguro dizer, creio, que a reação do espectador é sempre instantânea e intensa.

Não é possível, no entanto, reduzir essa obra ao "mero desejo de choque", feito a crítica comodista frequentemente faz. Existe repulsa - que pelo seu caráter multifacetado traz um interesse especial - e fascínio nesta representação. A repulsa parece óbvia: nós nos sentimos enojados tanto pelo uso de um corpo morto (é razoável lembrar quantos rituais temos para eliminar, de vez ou gradualmente, uma carcaça) como pela anexação dele ao corpo vivo. Temos sentimentos de piedade pelo cachorro - não sabemos como chegou a ser matéria-prima dessa obra, qual tratamento recebeu antes disso. Também podemos nos incomodar com o fato de que o artista se machuca a si mesmo, sua autopreservação abandonada e a nossa recusando violentamente a ideia de que alguém possa fazer isso.

Já o fascínio é muito sutil. Pode-se percebê-lo trocando os sinais da descrição anterior: o homem que lida com os mortos e o homem que supera/ignora a dor são arquétipos que conhecemos em várias manifestações, desde certo simbolismo agregado às profissões de coveiro ou taxidermistas até mesmo a alguns topos da religião cristã. No entanto, prefiro outra interpretação, guiada pelas palavras do título do trabalho: tudo se passa como se o que vissemos fosse a construção prosaica de um lobisomem; uma criatura de estórias de terror, de contos de fada, tornada "real" a base de bisturi, tesoura, linha e agulha. Como se vestisse um imaginário, em compensação de algo. O que é que se precisa compensar?


Imagem retirada de ARTExplorer. Veja todas no site de Rodrigo Braga

Em seu site (textos >> "Dos Bastidores de Um Auto-Retrato"), Rodrigo oferece um pouco de contexto biográfico que permite especular sobre a resposta. São duas experiências de influência central. A primeira, onze anos atrás, aos 17 anos, "no auge de um fobia social que me acompanhou por toda adolescência", encontrou "um cachorro muito magro, sarnento, bastante doente. (...) Assim que cruzamos olhares, cai no choro no meio da rua. Achava absurdo (...), mas também não conseguia me controlar. (...) Tinha muito medo que me notassem doente como aquele cachorro".

A segunda experiência ocorreu três meses antes de ter a ideia do trabalho. Rodrigo teve de dissecar um bode, que seria seu jantar. Como era o único homem no grupo, lhe põem na mão facão e martelo e ele precisa encarar. "Não tinha certeza se eu, ser tão urbano, seria capaz de tal despojamento antes de comer aquilo tudo à mesa... Mas fiz". Ambos os relatos recolocam as tensões que venho tratando, antes lidas somente pela impressão da obra e agora na vida contada do artista. Fantasia de Compensação ganha um caráter de psicodrama, de revivência de momentos subjetivos complexos. Nós também vivemos dramaticamente esses limites, por meio da obra? E o que muda quando descobrimos que é falsa?

O realismo das fotografias não dá sinais de que é pura ilusão e o visitante da exposição não tem acesso a informações além das imagens. Naquele mesmo texto, o artista explica como foi construída uma cabeça de borracha moldada à sua e a busca por um cachorro, cedido pela Prefeitura de Recife, antes em quarentena e condenado. Resulta que é tudo de mentira: corpo morto sobre corpo artificial, matérias já sem vida se sobrepondo, o artista deslocado que se identifica nesta representação feita com ambas. Contrariando as possíveis sensações citadas, sentimos agora alívio? Ou cinismo? (Claro que ele não iria se costurar de verdade!). Mesmo sabendo que é de mentira, as imagens desagradam; e a descoberta não retira retroativamente, pelo menos não de forma completa, o choque.

De certa forma, no fim das contas, Fantasia de Compensação nos põe frente ao mesmo tipo de experiência daquelas duas raízes do trabalho. Somos nós, de modo verdadeiro ou falsificado, contrapostos ao que não queremos sentir.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 4/9/2012


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2012
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia - 4/9/2012
03. Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge - 14/8/2012
04. Èpa Bàbá Oxalá! na Nota de Real - 3/4/2012
05. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica - 7/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO SE ESCREVE? MORFOLOGIA SINÔNIMOS E ANTÔNIMOS VOL 6
EDUARDO PERÁCIO (COLABORADOR)
ABRIL RECREIO
R$ 5,00



DESMUNDO
ANA MIRANDA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2017)
R$ 26,90



SITUAÇÃO VACINAL DOS TRABALHADORES DA SAÚDE NUM MUNICÍPIO DO INTERIOR
JOSÉ MILTON DE SENA FILHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ETNOGRAFIA VIRTUAL DOS ÍNDIOS PANKARARU NO SERTÃO PERNAMBUCANO
RICARDO BITENCOURT UND JURACY MARQUES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



LUXAÇÃO CONGÊNITA DO QUADRIL EM CAMPO GRANDE/MS
AURELIO FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 153,00



RECENT PAINTINGS
STEVEN CAMPBELL
RIVA YARES GALLERY
(1989)
R$ 30,00



DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DE COMPRESSIBILIDADE DO SOLO
JERFSON LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



CONTROLE ATIVO DE ESTRUTURAS COMPOSTAS INTELIGENTES COM INCERTEZAS
THALES RENATO BERTOLAZZO TREVILATO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



FELIZ ANO VELHO
MARCELO RUBENS PAIVA
BRASILIENSE
(1985)
R$ 10,00



LES PIERRES PRECIEUSES
HENRI JEAN SCHUBNEL
PUF
(1968)
R$ 22,82





busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês