Maior que São Paulo, só o Masp | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Politica. os Textos Centrais de Roberto Mangabeira Unger pela Boitempo (2001)
>>> Perdas e ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Zizek e Seu Diálogo Com Marx, Lacan e Lenin de Claudia Cinatti e Cecilia Feijoo e Gastor Gutie... pela Iskra (2015)
>>> Classe operária, sindicatos e partido no Brasil de Ricardo Antunes pela Cortez (1982)
>>> O lugar do marxismo na história de Ernest Mandel pela Xamã (2001)
>>> Um Brasileiro na China de Gilberto Scofield Jr. pela Ediouro (2007)
>>> Traité Pratique D Iridologie Médicale de Gilbert Jausas pela Dangles (1985)
>>> A inocência e o pecado de Graham Greene pela Verbo
>>> Carlos Marx y Rosa Luxemburgo - La acumulación de capital en debate de Severo Salles pela Peña lillo (2009)
>>> Narcotráfico um jogo de poder nas Américas de José Arbex Jr. pela Moderna (2003)
>>> O Método Em Karl Marx Antologia de Gilson Dantas e Iuri Tonelo Orgs pela Iskra (2010)
>>> China Moderna de Rana Mitter pela L&PM (2008)
>>> Vendedoras boazinhas enriquecem de Elinor Stutz pela Gente (2007)
>>> Gossip Girl - Você sabe que me ama vol 2 de Cecily Von Ziegesar pela Galera (2010)
>>> O Perfume da Folha de Chá de Dinah Jefferies pela Paralela (2017)
>>> O partido Político em Marx e Engels de Orides Mezzaroba pela Paralelo 27 (1998)
>>> Novissima Enciclopedia Mundial de Arte Culinaria de Mestre Cuca pela Formar
>>> Escritos Filosóficos de Leon Trotsky pela Edições Centelha Cultural (2015)
>>> O espírito da coisa de Liber Matteucci pela Prumo (2013)
>>> A Medicina dos Sintomas de Gilson Dantas pela Itacaiúnas (2015)
>>> Pão e Rosas de Andrea D`Atri pela Iskra (2008)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> A Esposa Americana de Curtis Sittenfeld pela Record (2010)
>>> O Marxismo e a Nossa Época de Leon Trotski pela Iskra/centelha Cultural (2016)
>>> Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo de Sérgio Lessa pela Cortez (2007)
COLUNAS >>> Especial SP 450

Segunda-feira, 19/1/2004
Maior que São Paulo, só o Masp
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 13100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

É impossível ficar indiferente à existência de um museu como o Masp (Museu de Arte de São Paulo). E a grandeza de São Paulo se mede, para além da alta concentração de capital e de tipos humanos, pela existência deste museu.

O Masp é o maior monumento de São Paulo, porque guarda em seu acervo uma riqueza incontestável de tesouros artísticos produzidos pela sensibilidade dos maiores artistas das maiores épocas da história da humanidade.

O Masp foi inaugurado em 1947, graças ao esforço de duas personalidades: o jornalista Assis Chateaubriand e o marchand italiano Pietro Maria Bardi.

Antes de falarmos do valioso acervo do museu, vale ressaltar que o maior problema que existe em relação a ele (e aos vários outros museus brasileiros) é o que chamaremos de "sequestro das obras de arte". Ou seja, grande parte do seu acervo não pode ser visto pelos visitantes, pois permanece guardado nos porões do museu. É quase um crime que isso aconteça. Se o problema é a falta de espaço para a exposição total do acervo, que se construa um anexo, que parem as exposições temporárias, enfim, que se faça alguma coisa. O que não pode continuar a acontecer é que esse "sequestro" de obras geniais se prolongue por mais tempo.

Outra questão interessante sobre o Museu é que parte das obras do seu acervo encontra-se ainda sobre a suspeita de terem autoria duvidosa. É o caso, por exemplo, das obras de Rafael, Rembrandt, Hieronymos Bosch e Mantengna. A este respeito existem artigos interessantes publicados na Revista de História da Arte e Arqueologia (nos seus volumes 1, 3 e 4), da Unicamp, dirigida por Jorge Coli e Pedro Paulo Funari. São artigos da autoria dos pesquisadores Nancy Ridel Kaplan, Eduardo Kickhöfel e Juliana Barone, que trazem importantes informações sobre a questão da atribuição destas obras de arte.

O conjunto do acervo do Masp compreende os principais movimentos da arte ocidental, do gótico ao modernismo, com trabalhos de artistas de diversas nações como Itália, Espanha, Portugal, França, Inglaterra, Holanda, Alemanha, México e Brasil. Contempla obras datadas do século XIII ao século XX.

Entre este percurso de séculos encontramos obras magníficas como algumas dos séculos XV e XVI, de artistas italianos, como Madona com o menino Jesus de Giovanni Bellini, o São Gerônimo de Andrea Mantegna, a Madona com Jesus e São João, de Piero di Cosimo e o imperdível Ressurreição de Cristo, de Rafael. Estas obras, pelas suas características estilísticas e pelo valor no conjunto das obras renascentistas, estão num nível de importância semelhante às obras de Da Vinci. Se isso já é muito, veja-se as obras de Ticiano, Tintoreto Bernini.

Ainda da mesma época e do século XVII da coleção francesa, podemos apreciar obras de François Clouet e Nicolas Poussin. Do acervo espanhol temos obras de El Greco e de Zurbarán, como também os poderosos retratos pintados por Velázquez e Goya.

Dos nórdicos temos obras de Hans Holbein O Jovem, Hieronymos Bosch, Rembrandt, Frans Hals e Van Dick.

Avançando mais alguns séculos temos, no acervo italiano, obras do séculos XVII e XVIII de Giovanni Battista Pitonni e trabalhos de Pellegrini, Villareale, Magnasno, Previati. Do acervo francês, nos mesmos séculos, temos obras de Jean-Marc Nattier, Jean-Baptiste Pater, Fragonard e Chardin. Ainda obras de Drouais e a famosa escultura Voltaire, que Houdon fez da cabeça do filósofo iluminista. Do acervo inglês temos obras de Reynolds, Gainsborough e Lawrence e Turner.

Do século XIX o Masp também revela surpreendentes obras como a dos artistas italianos nascidos no século XIX, mas que chegaram ao século XX, como Boldoni, Filippo de Pisis e Gaetano Previatti e Giovanni Boldini. Dos franceses da mesma época o acervo é delirante, com obras de Ingres, Corot, Daumier, Delacroix, Courbet, Manet, Degas (que pode ser apreciadas nas pinturas e esculturas do acervo). Ainda contemplamos obras de Cézanne, Monet, Renoir e Paul Gauguin. Enriquecendo ainda mais a coleção e nossa sensibilidade, podemos apreciar cinco obras de Van Gogh e oito obras de Toulouse-Lautrec.

Mas comparecem ainda outros artistas, que enriqueceram o século XX, como Matisse, Vlaminck, Laurecin, Bonnard, Vuillard, Léger, Picasso (com três obras), Modigliani, Max Ernest.

O acervo brasileiro é também importante, com obras de Pedro Américo, Luis Carlos Peixoto, Vítor Meireles, Almeida Júnior, Benedito Calixto, João Batista da Costa, Segall, Di Cavalcanti, Eliseu Visconti, Flávio Rezende de Carvalho, Anita Mafalti, Portinari e Ernesto de Fiori.

O acervo ainda reserva obras dos viajantes como Tapestry, Franz Post, Hamberlain, Debret e Taunay.

O que fizemos foi apenas relacionar uma parte dos artistas e de alguma sobras que participam do acervo do Masp. Há ali uma grande concentração de formas sensíveis, criadas por grandes artistas, que podem contaminar qualquer pessoa que venha a freqüentar o museu. Uma vez vistas, estas obras de arte exigem nossa volta freqüentemente. Torna-se quase impossível ficar longe das obras que, mais do que o tumulto barulhento e elétrico (que gera a riqueza e o vazio) da grande cidade, nos coloca em sintonia com os lugares silenciosos e ricos de nossa sensibilidade.

Quem ainda não visitou o Masp deveria fazê-lo o quanto antes, pois com certeza está deixando de conhecer um universo de riquezas num acervo de obras produzidas pela genialidade dos maiores artistas da humanidade e que estão aqui, num acesso fácil, no nosso Masp, um museu que, com certeza, faz inveja à qualquer outro museu do mundo.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 19/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
02. Deus 3.0 de Guilherme Pontes Coelho
03. Leitores (e, não, autores) novos de Ana Júlia Muniz
04. Crônica do Quarto de Bagunça de Ricardo de Mattos
05. Apresentação autobiográfica muito solene de Ana Elisa Ribeiro


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2004
01. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004
02. Maior que São Paulo, só o Masp - 19/1/2004
03. Entrevista com o poeta Armando Freitas Filho - 7/1/2004
04. Dentro da maré cósmica: Saint-John Perse - 9/8/2004
05. Tàpies, Niculitcheff e o Masp - 27/12/2004


Mais Especial SP 450
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/2/2004
1. MASP
00h00min
Caro Jardel, Gostei muito do seu texto, mas Considero a arquitetura do MASP superior ao seu acervo. Zamuner
[Leia outros Comentários de Luiz Antonio Zamuner]
14/2/2004
13h57min
Caro Luiz, obrigado pelo comentário. sem querer desmerecer alguns artistas da Bauhaus e seus seguidores, o que se pode ver é que sob o título de "moderno" muitas pessoas fizeram do "óbvio ululante" um modo pobre de criar. abraço, jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Depois da Meia Noite
Diana Palmer
Harlequin
(2007)



Enfoques Doutrinários
Danilo C. Villela
Lar Fabiano de Cristo
(2005)



O Mistério da Múmia Sussurrante
Alfred Hitchcock
Clássica
(1988)



Confissões verídicas de um terrorista albino
Breyten Breytenbach
Rocco
(1985)



A Aventura do Universo
Luis E. Navia
Melhoramentos
(1977)



Além do Cordão de Prata, Labirinto dos Sonhos
Patrícia Fernandez
Travassos
(2015)



Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade - Europa 1 - Grécia e Chipre
Altaya
Altaya
(1998)



A literatura e os Deuses
Roberto Calasso
Companhia das letras
(2004)



Lendas do Folclore Popular
Beto Brito e Tatiana Móes
Prazer de Ler
(2006)



J. Carlos Em Revista
Julieta Sobral
São Paulo
(2016)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês