Tapies, Niculitcheff e o Masp | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
70483 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Primeira edição do ZporZ Fest Verão acontece em janeiro
>>> Sesc Cultura ConVIDA! apresenta mostras temáticas
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eu acho que alguém aqui pirou
>>> Ideologias em forma de spam
>>> Neste Natal etc. e tal
>>> Lula, o filme
>>> Mauro Henrique
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> Ele, Francis
>>> A crítica e o custo Brasil
>>> Manual prático do ódio
>>> Greatest hits em forma de coluna
Mais Recentes
>>> Geografia 8º Ano – Volume 3 – Coleção Perspectiva de Cláudia Magalhães, Lilian Sourient, Marcos Gonçalves e Roseni Rudek pela Do Brasil (2010)
>>> Coleção Sinopses Para Concursos Vol. 1 - Direito Penal - Parte Geral de Alexandre Salim e Marcelo André de Azevedo pela Juspodivm (2017)
>>> Rio de Janeiro - Histórias Concisas de uma Cidade de 450 Anos de Vários Autores pela Prefeitura do Rio de janeiro (2015)
>>> Elite da Tropa de Luiz Eduardo - Soares Andre Batista - Rodrigo Pimentel pela Objetiva (2006)
>>> Geografia Nos Dias de Hoje 7º Ano de Cláudio Giardino, Ligia Ortega & Rosaly Braga Chianca pela Leya (2012)
>>> Geografia 7º Ano – Projeto Athos de Sonia Castellar & Ana Paula Seferian pela Ftd (2014)
>>> Geografia 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de Sonia Castellar & Ana Paula Seferian pela Ftd (2014)
>>> História 7º Ano – Projeto Athos de Joelza Esther pela Ftd (2014)
>>> História 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de Joelza Esther pela Ftd (2014)
>>> Filhos talentosos lideres grandiosos de Pat Williams pela Landscape (2006)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1975)
>>> Morte Em Veneza - Tonio Kröger de Thomas Mann pela Círculo do Livro
>>> Perversas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2009)
>>> Fricções - Traço, Olho e Letra de Vera Casa Nova pela Ufmg (2008)
>>> The Phantom of the Opera - Audio Cd Included de Gaston Leroux pela Macmillan Readers (2005)
>>> Redenção de Karen Kingsbury; pela Portico (2015)
>>> De Repente, Nas Profundezas do Bosque de Amós Oz pela Companhia das Letras (2013)
>>> Guia de Alimentos da Dieta de South Beach de Arthur Agatston M. D. pela Sextante (2003)
>>> Só o Amor é Real - uma História de Almas Gêmeas Que Voltam a Se Unir de Brian L. Weiss pela Salamandra (1996)
>>> O Vento de Oalab de João Luiz Guimarães pela Sm (2016)
>>> A Criatura - Série Barco a Vapor de Laura Bergallo pela Sm (2005)
>>> Frankenstein - Audio Cd Included de Mary Shelley pela Sm (2005)
>>> Stanley Kubrick de Museu da Imagem e do Som pela Museu da Imagem e do Som (2014)
>>> Casa de Máscaras de Péricles Prade pela Iluminuras (2013)
>>> Irmãos Unidos de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1988)
>>> Affermazioni de Stuart Wilde pela Macro Edizioni (2005)
>>> O Desafio da Guerra - Dois Séculos de Guerra - 1740-1974 de Gaston Bouthoul e René Carrère pela Biblioteca do Exército (1978)
>>> Um Oceano nos Separa de Robin Pilcher pela Bertrand Brasil (2021)
>>> Constituições Brasileiras Volume I 1824 de Octaciano Nogueira pela Senado Federal (2004)
>>> A Menina Que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2010)
>>> A Lebre com Olhos de Âmbar de Edmund de Waal pela Intrinseca (2011)
>>> Entre Abrir e Fechar a Boca de Máximo Ravenna pela Guarda-chuva (2012)
>>> O Filho Eterno de Cristovão Tezza pela Record (2007)
>>> Serafina e a Capa Preta - Volume 1 de Robert Beatty pela Valentina (2018)
>>> Kadish por uma Criança Não Nascida de Imre Kertsz pela Imago (2002)
>>> Quarto de Emma Donoghue pela Verus (2016)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Record (2006)
>>> The Unbearable Lightness of Being de Milan Kundera pela Harper Perennial (2005)
>>> A Construção da verdade autoritária de Maria das Graças Andrade Ataíde de Almeida pela Usp (2021)
>>> Legislação Trabalhista e Rotinas Trabalhistas EAN: 9788582129739 de Silvano Alves alcantra pela Intersaberes (2014)
>>> Constituições Brasileiras Volume VII 1988 de Caio Tácito pela Senado Federal (2002)
>>> Elixir de Hilary Duff pela Id (2011)
>>> Língua Portuguesa 7º Ano – Projeto Athos de Maria Tereza Arruda Campos, Salete Toledo, Lucas Sanches Oda & Daniela Utescher pela Ftd (2014)
>>> Sabor de Pecado e Outras Essências de Ademar Inácio da Silva pela Assis (2012)
>>> Língua Portuguesa 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de Maria Tereza Arruda Campos, Salete Toledo, Lucas Sanches Oda & Daniela Utescher pela Ftd (2014)
>>> Ciências 7º Ano – Projeto Athos de José Trivellato, Silvia Trivellato, Marcelo Motokane, Júlio Foschini Lisboa & Carlos Kantor pela Ftd (2014)
>>> Beber Jogar [email protected]#er de Andrew Gottlieb pela Planeta (2009)
>>> Ciências 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de José Trivellato, Silvia Trivellato, Marcelo Motokane, Júlio Foschini Lisboa & Carlos Kantor pela Ftd (2014)
>>> Já Podeis da Pátria Filhos de João Ubaldo Ribeiro pela Alfaguara (2009)
>>> Matemática 7º Ano – Projeto Athos de José Roberto Bonjorno, Paulo Câmara Sousa, Regina Bonjorno & Tânia Gusmão pela Ftd (2014)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2004

Segunda-feira, 27/12/2004
Tàpies, Niculitcheff e o Masp
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5300 Acessos

A cidade de São Paulo nos proporcionou em 2004 três exposições notáveis. O Centro Cultural Banco do Brasil nos trouxe o pintor espanhol Antoni Tàpies, a Galeria Brito Cimino organizou uma individual do brilhante artista paulistano Sergio Niculitcheff e o Masp organizou a partir do seu próprio acervo a exposição As 100 maravilhas: impressionismo e referências.

Se você é daqueles que pensam que a pintura está morta, que seu valor se descaracterizou, pode acreditar, você está inteiramente enganado. O que chama a atenção nessas três exposições é o fato de tratarem da força de uma das mais repudiadas formas de arte na contemporaneidade: a pintura. Ali ela brota com seu poder de renovação e seu diálogo com a tradição da grande arte universal.

Antoni Tápies

A pintura de Tàpies apresentada no CCBB nos faz pensar naquela idéia de Hokusai (artista japonês), que fala do momento em que o artista finalmente penetra no mistério das coisas, para além de sua representação figurativa, chegando ao grau de maravilhamento, onde tudo, cada ponto ou linha, torna-se absolutamente vivo.

"Sou o primeiro expectador das sugestões possíveis arrancadas à matéria", diz Tàpies. E o conjunto de suas obras expostas no CCBB nos mostra o domínio que o artista tem sobre a materialidade da pintura, onde cada gesto encontra seu poder de expressão na sintonia entre forma e textura pictural. Frágeis papelões de caixas de produtos industriais, que são refugos de um mundo vazio de sentido, tornam-se, nas mãos de Tápies, suportes que recebem uma ampla movimentação de pinceladas que nos lembram, por vezes, ecos dos movimentos do tai chi chuan. Guardam em seu silêncio e amplo controle um poder oculto, que move forças cósmicas invisíveis que vibram intensamente e podem ser intuídas pelo nosso olho de espectador. A intervenção da mão do artista recupera, de forma híper-sensível, elementos que a palavra não pode descrever. Por isso, em vídeo exposto junto à exposição, Tàpies aparece dizendo que sua obra não pode e não deve ser entendida conceitualmente. Quem assim o faz perde seu maior valor, que é ter acesso a uma sabedoria muito intensa que não pode ser acessível por outros meios que não a intuição (entenda-se razão/intelecto e ciência).

Tàpies também nos fala com sua obra da sua rejeição a determinadas realidades. A rejeição do que ele chama de realidades artificiais, das necessidades inventadas. Por exemplo, o mundo da cor na publicidade. "Inconscientemente, procuro e imagino outra cor. Uma cor mais dramática, profunda, capaz de exprimir valores essenciais. É preciso recuperar a cor autêntica do mundo, aquela que não é falsificada pela banalidade publicitária. A cor em si não existe. Necessito de uma cor interior." E sua pintura é essa viagem ao centro do universo da liberdade que se estabelece quando o criador plástico revela, através de fragmentos picturais, algo que está além do envoltório superficial do mundo ordinário.

Sergio Niculitcheff

sem título, acrílica s/ tela A Galeria Brito Cimino preparou este ano, entre os meses de abril e maio, uma exposição do pintor paulista Sergio Niculitcheff. A Galeria nos brindou ainda com um belíssimo catálogo que traz as fotos das obras do artista e um texto de Aracy Amaral.

A primeira curiosidade sobre as obras expostas é que nenhuma delas tem título. Afinal, porque o pintor nos priva deste dado? Kandinsky ousou denominar várias de suas obras abstratas de "Composição", o que não quer, à primeira vista, dizer muito, ou querendo sugerir que suas obras eram compostas como temas musicais e que assim deveriam ser entendidas. No caso de Niculitcheff, creio que o seu interesse é nos lançar diretamente para dentro da pintura, sem nenhuma sugestão pré-estabelecida que possa nos fazer perder o prazer e a compreensão plenamente visual de seu trabalho.

Outra curiosidade é que o artista elege como "tema" de suas pinturas a representação absolutamente solitária de objetos industriais (apontador, carretel, foguete, colchão, etc) e/ou naturais (conchas, coco, sementes, árvore, etc.) - deslocados, tanto uns com outros, de seu habitat original.

Niculitcheff nos faz pensar imediatamente num pintor distante no tempo, o neoclássico Jacques-Louis David (1748-1825), mas que tem com ele uma relação muito próxima no que diz respeito à concreção de seu trabalho pictórico. Vejamos o caso de obras de David como O Assassinato de Marat ou Madame Recamier. Ao fundo da tela aparece uma camada de tinta, cuja cor varia pouco em sua gradação, servindo como fundo que apenas reforça a aparição da figura única que será o tema de cada obra, no caso das duas telas citadas, Marat e Recamier.

Embora o procedimento técnico seja similar, estamos em outro tempo e Niculitcheff se propõe chamar a atenção para um grupo de objetos que, apesar de fazer parte do nosso mundo cotidiano, passam quase, ou se não, desapercebidos por nós. Para o artista estes objetos esquecidos por nossos olhos, calejados de tanto vê-los (ou não vê-los), têm uma poética própria que só pode ser restaurada pela visibilidade total de sua aparição. Por isso o procedimento de destacá-los sobre um fundo quase que uniforme, por vezes manchado, que os trazem diretamente para nossa visão em sua forma única. Dessa forma não há escapatória para nossa relação com eles. Novamente terão que ser percebidos como se estivessem acabados de nascer para nós. A solidão a que Niculitcheff os condena também faz parte desta estratégia da comunicação virgem.

E se estes objetos, em alguns casos, se relacionam com outros, estranhos em sua comunicação (não creio que haja uma intenção surrealista neste caso), como no caso de uma escada que perfura uma nuvem, ela indica também um pensamento corriqueiro, mas perdido em nossa mente, o da ligação entre os objetos que construímos e nossa ansiosa busca metafísica.

O que importa ao artista é dotar cada objeto de uma visibilidade pura, restaurando-lhe o sentido perdido, sua existência poética, sua presença enquanto forma.

As 100 maravilhas: impressionismo e referências, no Masp
Aproveitando o próprio acervo de obras impressionistas e colocando-as em um diálogo que estabelece referências que antecederam e se sucederiam ao movimento, o Masp realiza uma de suas mais importantes e intrigantes exposições.

Segundo Luiz Marques, em texto publicado no site da exposição, o impressionismo do Masp "constitui-se de obras em que prevalece o estudo da figura humana, que se constitui num diálogo com a tradição dos grandes mestres da pintura antiga". Nesse sentido, o diálogo se estabelece com artistas como Ticiano, Velásquez, Frans Hals e Goya. Menos, portanto, que com pintores como Turner e Constable (pintores de paisagens que guardam sua relação com outras obras impressionistas).

Na exposição, retratos executados por Courbet, Corot e Cézanne, por exemplo, estabelecem um diálogo com a tradição do retrato clássico, "na continuidade do culto da cor negra de tanta pintura do século XVII", diz Luis Marques.

A grande virtude da exposição é colocar, lado a lado, obras distanciadas no tempo, provocando no olhar do espectador um exercício dialógico profícuo. Podemos ver O Artista, de Monet, Retrato de Zélie, de Courbet, O Conde-Duque de Olivares, de Velásquez, Juan Antonio Corente, de Goya e Cardeal Madruzzo, de Ticiano, a partir das várias conexões formais e picturais, apontando a dívida que os artistas do século XIX tinham para com a tradição clássica. O que mostra que mesmo artistas que propunham uma ruptura com seu próprio século buscavam força no que foi produzido de mais importante pela tradição. Uma lição para aqueles artistas contemporâneos que pensam erroneamente que poderão produzir a arte do futuro fazendo tábua rasa do passado.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 27/12/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um parque de diversões na cabeça de Renato Alessandro dos Santos
02. A Crise da música ― Parte 2/3 de Rafael Fernandes
03. Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo de Andréa Trompczynski
04. As armas e os barões de Rafael Rodrigues
05. Riobaldo de Paulo Polzonoff Jr


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2004
01. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004
02. Maior que São Paulo, só o Masp - 19/1/2004
03. Entrevista com o poeta Armando Freitas Filho - 7/1/2004
04. Dentro da maré cósmica: Saint-John Perse - 9/8/2004
05. Tàpies, Niculitcheff e o Masp - 27/12/2004


Mais Especial Melhores de 2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Meu Próprio Negócio 124 - Fature Até 90 Mil por Mês Com Venda Direta
Varios Autores
On Line
R$ 10,00



Um estranho no ninho
Ken Kesey
Record
(1962)
R$ 10,00



Viagens Maravilhosas de Marco Pólo
Lúcia Machado de Almeida
Melhoramentos
(1973)
R$ 10,00



O Alquimista
Paulo Coelho
Gold
(2003)
R$ 10,00



Sagitário
Max Klim
Nova Era
(2001)
R$ 10,00



Ética e Cidadania
Carla Rodrigues; Herbert de Souza
Moderna
(1995)
R$ 10,00



Uma Breve Historia do Futuro Jacques Attali
Jacques Attali
Novo Século
R$ 10,00



Tudo Por um Pop Star
Thalita Rebouças
Rocco
(2003)
R$ 10,00



Quarteto Fantástico & Capitão Marvel Nº 10
Marvel Panini Comics
Panini Comics
(2003)
R$ 10,00



Memória de Minhas Putas Tristes
Gabriel García Márquez
Record
(2005)
R$ 10,00





busca | avançada
70483 visitas/dia
2,4 milhões/mês