Por que Harry Potter é boa literatura | Fernanda Prates | Digestivo Cultural

busca | avançada
77047 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Concerto reunirá Orquestra da Colômbia e Ensemble Multipiano
>>> Poeta cearense Priscilla Pinheiro estreia na literatura infantojuvenil com livro de poemas
>>> Ambulantes leva show de novo álbum para o Centro Cultural Galeria Olido
>>> Nas férias, Festival Allegria reúne atrações gratuitas de teatro, circo e música em São Paulo
>>> Projeto ‘Mulheres Rurais da Montanha’ oferece oficinas gratuitas de tecelagem em Itamonte (MG)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Deleter
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Trio 3-63, de Andrea Ernest, Marcos Suzano e Paulo Braga
>>> Os contistas puros-sangues estão em extinção
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> O que está por baixo do medo de usar saia?
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Meu Amor é Puro Sangue
Mais Recentes
>>> O que é Revolução 2 edição - coleção primeiros passos 25 de Florestan Fernandes pela Brasiliense (1981)
>>> Resistencia de Materiales de Ferdinand L. Singer pela Harla (1971)
>>> Construindo um Blog de Sucesso com o Wordpress 3 de Daniella Borges de Brito pela Brasport (2011)
>>> Elementos de Resistência dos Materiais de Prof. Gerson Cunha pela Universidade Católica de Mina (1973)
>>> Ternura e Desejo de Rita Foelker pela Lachâtre (2011)
>>> Correr é Fácil de Lisa Jackson, Susie Whalley pela Marco Zero (2011)
>>> O Uso dos Jogos Teatrais na Educação de Libéria Rodrigues Nevese Ana Lydia B pela Papirus (2009)
>>> Por dentro da lei de Rabino Itzchak Zilberstein pela Makom (2000)
>>> Desenho Tecnico E Tecnologia Grafica ( 2 ed) de Thomas E. French pela Globo (1989)
>>> Os Lusíadas - Comentada pelo Prof. Othoniel Motta de Luis de Camoes pela Melhoramentos
>>> El Juicio de Nuremberg desde el Punto de Vista Aleman de Wilbourn E. Benton pela Georg Grimm (1959)
>>> Ideias Em Perspectiva de Paul Brunton pela Pensamento
>>> Ingrid Bergman de Curtis F. Brown pela Artenova (1974)
>>> The Posthumous Papers of The Pickwick Club de Charles DIckens pela Oxford University Press (1956)
>>> Escalada de Luz de Jerônimo Mendonça pela Eme (2007)
>>> O Teatro Dos Vicios: Transgressao E Transigencia Na Sociedade Urbana Colonial de Emanuel O Araujo pela J. Olympio (1993)
>>> Les Protégés D'Isabelle de M. Fresneau pela Hachette (1890)
>>> A função manutenção: formação para a gerência da manutenção industrial0 de François Monchy pela Durban (1989)
>>> Lectures Allemandes - Second Partie de Paul Verrier, Marius Nicolas pela Jules Groos (1903)
>>> O Processo Civilizador vol 1 de Norbert Elias pela Jorge Zahar (1994)
>>> A Heresia Dos Indios: Catolicismo E Rebeldia No Brasil Colonial de Ronaldo Vainfas pela Companhia Das Letras (1995)
>>> Contos Escolhidos de Luigi Pirandello pela Verbo (1972)
>>> Novíssimo Testamento: com Deus e o Diabo de Iotti pela L&Pm (2008)
>>> Le Temps D'un Soupir de Anne Philipe pela Julliard (1963)
>>> Torto Arado de Itamar Vieira Junior pela Todavia (2021)
COLUNAS

Sexta-feira, 19/8/2011
Por que Harry Potter é boa literatura
Fernanda Prates
+ de 10400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Ler por diversão é o que todos nós deveríamos estar fazendo. Não digo que todos devam ler livros de 'menininha' ou thrillers (embora, caso você queria fazê-lo, tudo bem, porque eis algo que ninguém vai te falar: se você não ler os clássicos ou o romance que ganhou o Booker Prize deste ano, nada de ruim vai acontecer com você; mais importante, nada bom vai acontecer se você lê-los); eu simplesmente digo que virar páginas não deveria ser como atravessar um poço de lama grossa. Todo o propósito dos livros é que sejam lidos, e se você acha que não consegue fazê-lo, a culpa pode não ser da sua inadequação. 'Bons' livros podem ser bem ruins às vezes."
Nick Hornby, em Housekeeping vs. the Dirt

E foi assim, com o mesmo insight despretensioso típico das delícias que são seus livros, que o lindo do Nick Hornby me inspirou a falar sobre o aguardado/lastimado/festejado fim da franquia Harry Potter. A não ser que você more em uma choupana sem acesso a eletricidade e água encanada, deve saber que o último filme inspirado pelos livros de J.K Rowling estreou. E, se você tiver filhos, sobrinhos ou um perfil em qualquer rede social, deve ter observado (e julgado silenciosamente) o luto de milhares de crianças, jovens e uma embaraçosa quantidade de trintões desolados.

Vergonha alheia à parte, a lamúria dos viúvos de Potter desencadeou a implacável fúria dos Harry Haters (perdão pelo estrangeirismo, mas me perco para uma boa aliteração), membros honorários da velha tropa de patrulheiros da "boa literatura". Incumbidos da árdua tarefa de determinar o que podemos ou não podemos apreciar e nos salvar do tão temido abismo da alienação cultural, a tropa aproveitou o ensejo para pregar, mais uma vez, que Harry Potter não é "literatura de verdade", que "não tem valor cultural" e que a terrível J.K Rowling é, basicamente, uma encarnação de satanás enviada à Terra com a única missão de sugar as almas de nossos infantes com sua mal-fadada frivolidade.

Embora deva admitir que a visão de marmanjos de 20 e poucos anos trajando capas e aplaudindo chorosamente um filme sobre bruxos púberes seja mesmo um pouco esquisita, coloquemos as coisas em perspectiva. Não preciso entrar no mérito do "fenômeno cultural", uma vez que estamos todos cientes do arrebatamento que a franquia Harry Potter causou ― em todo caso, o castelo no qual J.K está morando está aí para nos lembrar. A questão é que, a despeito (ou por causa?) de todo este sucesso, Rowling continua sendo um alvo fácil para os nobríssimos defensores da "boa literatura", sempre ágeis na hora de julgar e criticar os livros "de fácil digestão" ― como se isso fosse, sabe-se lá por que, uma coisa ruim. Considerando-se o tratamento histórico dado a produtos culturais de alto faturamento, é bem fácil para o nobre Sr. "Só-fui-lido-por-seis-pessoas-incluindo-minha-mãe" atacar J.K Rowling justamente pelo seu maior trunfo: ter atingido a tantas pessoas. Ser mainstream ― e, por consequência, economicamente viável ― é considerado um demérito cultural, fazendo com que a produção de Rowling tenha se configurado como alvo perfeito para os ataques raivosos da "nata intelectual".

Até aí, nada de muito surpreendente. O fato verdadeiramente curioso do discurso é que os patrulheiros são as mesmas pessoas que vão a público para lamentar os baixíssimos níveis de leitura. São estes mesmos caras que vão apertar o pause em seus CDs de nobres obscuridades do Caetano (nada dessa porcaria popularesca de "Leãozinho"), e bradar o quão vergonhoso é o fato de que nossas crianças simplesmente não leem. É, no mínimo, paradoxal que aqueles que publicamente advogam a favor da disseminação da literatura se portem como se literatura fosse algum tipo de privilégio, fazendo questão de ― perdoem o meu francês ― cagar regras sobre o que vale e não vale como leitura. Será que eles realmente acham que o jeito de atrair o garoto de 11 anos para longe dos robôs zumbis de seu Xbox é expô-lo às vicissitudes da conturbada relação de Capitu e Bentinho? Façam-me o favor. Esta retórica recheada de julgamentos expõe um discurso frágil, digno de um garotinho de 13 anos que simplesmente não quer que todas as crianças do bairro participem de sua exclusivíssima casinha na árvore.

Por outro lado, tornou-se até óbvio comentar que livros "fáceis" como Harry Potter, muitas vezes, abrem as portas para outros livros. No mínimo, mostram para criancinhas amedrontadas que letras não mordem e que trabalhar um pouquinho para construir sua própria fantasia, em vez de recebê-la mastigadinha em HD, pode ser, no fim das contas, um esforço delicioso. Esta noção do livro fácil como "droga de passagem" para a literatura mais pesada é crescentemente aceita até mesmo nas escolas. Contudo, mesmo aqueles pais que encorajam a leitura de produções como Harry Potter e Crepúsculo muitas vezes o fazem com a mesma postura condescendente dos patrulheiros. Agem na esperança de que o filhinho de 10 anos que lê Potter hoje venha a se tornar um adolescente de 18 lendo Crime e Castigo amanhã. Aos 21 anos, sou a prova viva de que isso não é necessariamente verdade. E ― eis a magia de tudo ― quem disse que é uma coisa ruim? Posso afirmar, sem nenhuma vergonha, que nunca li meia página de qualquer produção russa quilométrica. E nem pretendo. Por quê? Simplesmente porque não é de meu interesse. Novamente, uso Nick Hornby aqui: "virar páginas não deveria ser como andar pela lama grossa." E, para muitos de nós, essa é a sensação ao abrir um exemplar de Guerra e Paz. Por que dedicar horas e horas de seu dia a uma tarefa que simplesmente não lhe dá prazer apenas para acrescentar aquele título ao seu currículo quando você poderia estar devorando uma aprazível cópia de, sei lá, O Doce Veneno do Escorpião?

Harry Potter é legal. Simplesmente. É "fácil", e "digerível" e todas essas coisas que, por motivos que desconheço, ganharam um tom tão pejorativo em meio aos olhares atravessados da "elite cultural". Embora não ache que todo e qualquer adulto seja capaz de abrir uma cópia e apreciar ― afinal, a linguagem é de fato voltada para um público mais novo ―, muitos podem se surpreender com o quão cativante é o elaborado universo fantástico que J.K Rowling conseguiu, com competência, criar. Conflitos adolescentes à parte, mesmo o mais amargo dos leitores pode reconhecer a criatividade de J.K, magistral em sua capacidade de nos transportar para uma realidade alternativa ― sem nos deixar em um coma induzido por tédio no meio do caminho. Tratar Harry Potter como um "caminho" é uma injustiça com a obra. Harry Potter é, por que não?, um "fim" também. É um produto elaborado, amarrado e capaz de algo que a grande maioria dos livros não consegue fazer: cativar o leitor. E se isso não é capaz de qualificá-lo como "boa literatura", não sei o que é.

Fenômenos como Harry Potter, de certa forma, servem justamente para lembrar que há, sim, muito preconceito ― e que ele é tão entranhado que muitas vezes sequer notamos. Em sua avidez por julgar, os guardiões da "alta cultura" criam um índex que nós, tolinhos, acatamos. Se por um lado cada vez mais temos pais e professores "aceitando" a "baixa literatura" como uma forma de apresentar livros aos pequenos, por outro os terrivelmente maniqueístas títulos de "bom" e "ruim" continuam sendo propagados como verdades universais. Continuamos nos julgando, culpados, como se estivéssemos cometendo crimes toda vez que apreciamos um capítulo de Dan Brown. Vivemos isso na literatura, na música, no cinema. Simplesmente nos submetemos. Assim como criancinhas obesas contrabandeando sorvete de chocolate para o acampamento de gordos, lemos os Crepúsculos da vida, envergonhados, recheados da satisfação culpada de quem está corrompendo alguma regra. Quanta perda de tempo. Nessas horas, tenho que concordar com certa autora controversa: "Acho que há muita hipocrisia e um pouco de medo." Quem diria que Raquel Pacheco, vulgo Bruna Surfistinha, estaria tão certa? Nós é que estamos equivocados.

Nota do Editor
Leia também "Em defesa de Harry Potter"


Fernanda Prates
Rio de Janeiro, 19/8/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Toda aquela bobagem estilo David Copperfield de Noah Mera


Mais Fernanda Prates
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/8/2011
16h29min
Eu sou professora de Literatura e quando meus alunos me dizem que estão lendo Harry Potter, Percy Jackson, Crepúsculo, Guerra dos Tronos... etc etc etc... sempre os parabenizo. Independente da "importância" que determinados autores têm sobre outros [e essa importância deve ser questionada na maioria das vezes] eles estão LENDO. Consumindo letras. Alimentando-se de letras. Mergulhando em algo que não seja apenas a recepção passiva de informações e imagens manipuladoras [como na televisão, por exemplo]. Marisa Lajolo questiona muito essa questão do que é literatura ou não. Leyla Perrone-Moisés explicita como se contróem os cânones literários... e há muito o que devemos discutir e re-pensar [e re-pensar e re re re re re pensar sobre o assunto] quando se trata de literatura. Adorei ler e amanhã em minha aula de Literatura utilizarei este texto pra discussão sobre como se contróem os canônes na literatura. Vai ser um ótimo mote pra abrir as discussões sobre o tema. Abçs!
[Leia outros Comentários de Milena Campello]
23/8/2011
08h29min
O problema é quando a mente estaciona neste livrinhos e não avança em relação a linguagens mais sofisticadas de criação. Pois a questão não é o tema, mas a linguagem da obra, ela é que modifica nossa percepção do mundo. E Harry Potter, nesse sentido, não vai além da esquina, quando há mundos a serem explorados além da esquina.
[Leia outros Comentários de jardel dias]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Cachorro de Sorte
Mark Barrowcliffe
Record
(2006)



Por que eu?
Juliette M.
Círculo do Livro



Concursos Públicos Matemática
Sérgio Ramos
Gold
(2011)



O Que é Leitura
Maria Helena Martins
Brasiliense
(2003)



Teologia do velho testamento
A. R. Crabtree
Juerp
(1986)



O Homem, O Arco e a Flecha
Luiz Fernando da Silva Pinto
Fgv
(2005)



Monet
David Spence
Ciranda Cultural
(2010)



Curso de teoria do estado 289
Pedro Salvetti Netto
Saraiva
(1984)



Pesquisa de Mercado
Marina Rutter
Ática
(2006)



Teoria Social Moderna
Percy S. Cohen
Zahar
(1970)





busca | avançada
77047 visitas/dia
2,1 milhões/mês