Francis e o jornalismo | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial 10 anos sem Francis

Quarta-feira, 7/3/2007
Francis e o jornalismo
Jonas Lopes

+ de 4600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Vou contra o fluxo: não fui formado pela leitura de Paulo Francis. Pelo menos não no começo. Jovem demais para ter acompanhado a sua coluna e seus textos enquanto foram publicados, só fui conhecer a imponente figura de Francis anos depois, quando já estava me interessando por cultura. Ou seja, fiz o caminho inverso das pessoas (muitas delas acabaram se tornando jornalistas, por sinal) que, através de suas colunas, descobriram as artes. Eu o conhecia vagamente pelas aparições na TV Globo (minha mãe o imita perfeitamente). Não tive a oportunidade, portanto, de chorar sua morte. Tampouco guardo os recortes de seus textos. Só vim a ter contato com seus escritos após dar os primeiros passos no mundo literário.

Aí sim. Pude descobrir que aquela figura tão falada, tão imitada e tão citada tinha uma magia. Uma magia esquisita, é verdade. Li, em um curto espaço de tempo, alguns dos livros de Francis: Waaal: o dicionário da corte de Paulo Francis, com alguns dos melhores momentos do Diário da corte, as memórias pessoais e intelectuais de O afeto que se encerra e as memórias políticas de Trinta anos esta noite. Sempre me chamava a atenção a arquitetura textual do jornalista. Estava longe, muito longe de ser o texto mais bem escrito que eu já lera. Algumas escolhas de palavras pareciam inadequadas, as construções frasais mal feitas. É fato: Francis não tinha a fluidez de um Sérgio Augusto ou de um Ruy Castro, para ficar com apenas dois. E as opiniões! Comentários depreciativos de livros e filmes que eu adorara (La Strada, sentimentalismo fácil?), comentários elogiosos de livros e filmes que eu detestara (Norman Mailer?). Aquele punhado de generalizações que, não raro, caíam na falácia mais grosseira. E os preconceitos, afirmações definitivas como "Nunca vejo filme oriental. Como dizem, meu carro empaca na fronteira leste da Europa Ocidental". E vez por outra cometia erros de informação. Não porque não soubesse os nomes de autores e personagens, e sim pela preguiça (suponho) de pesquisar e checar as informações.

Aos poucos fui começando a entender Paulo Francis. Como as melhores fábulas ou as melhores gags do cinema mudo, suas análises precisam ser analisadas como um exemplo hiperbólico, um necessário exagero, para provocarem o efeito de chamar a atenção e desviar para si os olhos alheios. Despidas desse exagero, suas opiniões fazem todo o sentido. Alguém de bom senso concorda com suas declarações sobre Paulo Maluf, para ele um "político moderno"? É evidente que não. Coisa de um reaça incorrigível, dirão alguns. Em compensação, quem, hoje em dia, quando até Lula e o PT macaqueiam o neoliberalismo, ousa afirmar que estavam erradas as opiniões de Francis sobre a importância das mudanças no sistema econômico, em busca de liberalismo, livre concorrência e ênfase na propriedade privada (hoje em dia é tremendamente fácil se assumir como conservador)? Há anos e anos atrás, Francis afirmou que o futuro do cinema brasileiro talvez estivesse nas televisões, na influência das novelas na feitura dos longas. O que é a Globo Filmes, senão isso?

Ao contrário do que pensam seus seguidores — imitadores —, o gênio de Francis não estava em vociferar um punhado em frases polêmicas — a metralhadora verborrágica que dava sinais de não ligar para quem estivesse sendo atingido por suas rajadas. Estava em fazer isso tendo a bagagem cultural para tanto, em não abrir mão da argumentação consistente, ainda que às vezes contraditória e incoerente (e quem está livre disso, afinal?). Eu sei, qualidades como essas deveriam ser de lei em qualquer jornal ou discussão mundo afora. Não são. Não há nada de particularmente corajoso em empilhar afirmações que desafiem o senso comum; há coragem em fazer isso se preocupando com o conteúdo intelectual, algo cada vez mais raro em tempos em que a leitura é cada vez menor e mais restrita e em que pululam livros sobre "como ser culto", guias picaretas que ensinam, em poucas lições, maneiras de parecer inteligente nas rodinhas de debates de festas. É impossível negar a Francis a autoridade intelectual. Você pode discordar dele, mas não dá para dizer que seus motivos para aquela opinião eram fracos ou ruins. Os imitadores, ao contrário, ficam mais felizes em incorporar a persona da figura polêmica, algo que traz um sucesso e uma projeção bem mais rápidos do que passar horas e horas trancado num quarto lendo. Quando penso em Paulo Francis, por sinal, só consigo imaginá-lo assim, empolgado com a escrivaninha empilhada de livros, e não o polemista incorrigível.

Era arrogante? Amém. Maldito seja o juquinha que resolveu que arrogância era um sentimento deplorável. Com tamanho repertório de leituras, Francis podia destilar arrogância o quanto quisesse, e nós, meros mortais, que babemos na gravata. Ele conseguia, em uma mesma nota, misturar Roman Polanski e Proust, Henry James e Bergman, Wagner e Freud. Tinha defeitos, claro, como alguns preconceitos sociais, étnicos e raciais, além da facilidade, como já foi dito, de cair na falácia — um problema comum a todos que abusam das opiniões decisivas. Concentrado no sonho de se tornar romancista (e na frustração de não ter conseguido), Francis talvez tenha deixado ainda de produzir muita coisa interessante. Teria sido ótimo vê-lo exercitando ensaios mais longos, inclusive com envergadura para virar livro, e também perfis, na linha de Edmund Wilson e Kenneth Tynan.

Bons tempos
Nos diversos textos escritos a respeito dos dez anos da morte de Paulo Francis, alguns, aqueles de pessoas que conheceram e conviveram com o jornalista, causaram um pouco de tristeza. Os de Ruy Castro e Ivan Lessa, em especial. Ali me bateu o sentimento de nostalgia, a saudade do que não vivemos de que falava Drummond. Eram os tempos das revistas Senhor e Diners, do jornal Correio da Manhã, do Pasquim. Eram os tempos de Otto Maria Carpeaux, Antonio Moniz Vianna, José Lino Grünewald, Ivan Lessa, Antonio Callado, Paulo Mendes Campos, Millôr Fernandes, Sérgio Porto — fora os moleques Ruy Castro e Sérgio Augusto. Autores como Guimarães Rosa e Clarice Lispector publicavam ali, em primeira mão, suas narrativas recém-escritas. Faulkner, Cortázar e Philip Roth, então pouco conhecidos por aqui, eram traduzidos. Segundo os relatos de Castro e Lessa, todo mundo recebia bem e em dia.

Francis, de certa forma, foi o último dos moicanos, a transição da época áurea em que os jornalistas eram lidos, ouvidos e, em alguns casos, temidos, para a época em que os críticos estão cada vez mais condenados a guetos. Ainda há gente fazendo crítica e jornalismo cultural de qualidade — aí estão José Castello, Luis Antônio Giron, Daniel Piza, Antonio Gonçalves Filho e Almir de Freitas, entre outros, para provar isso. Mas como a mão-de-obra de qualidade é cada vez mais rara, os grandes nomes acabam isolados em veículos diferentes, e fica difícil juntar um elenco como o da Senhor. Quantos aí se lembram do suplemento literário que a Bravo! tentou implantar há uns dois anos, com vários bons nomes, e que afundou completamente? Casos louváveis, porém isolados. A escassez de gente gabaritada (e de leitores) é tão grande que alguns jornais preferem apostar no academicismo e seus jargões.

Louvemos e lembremos Paulo Francis. Por ter feito de seu intelecto o seu grande bem. Por ter dedicado os melhores momentos de sua vida à arte e, de quebra, ter ajudado muitos outros a seguirem o mesmo caminho.


Jonas Lopes
São Paulo, 7/3/2007


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2007
01. O melhor do jazz em 2007 - 25/12/2007
02. Auster no scriptorium - 26/3/2007
03. Uma (selvagem?) celebração literária - 23/1/2007
04. A morte do homem comum - 30/10/2007
05. Banville e o mar purificador da memória - 6/6/2007


Mais Especial 10 anos sem Francis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/3/2007
20h07min
O texto me fez pensar que muitos que se interessam pelo jornalismo de Francis talvez o façam não tanto pelo que o jornalismo possibilita – mas sim pelo prazer de ir além, de exercitar o sadismo e o masoquismo, flertar com o poder, desfrutar da cultura, enfim, coisas comezinhas das quais muitos profissionais não desfrutam.
[Leia outros Comentários de Lúcio Jr]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O LÍDER DO FUTURO
MARSHALL GOLDSMITH
FUTURA
(1996)
R$ 35,00



CUBINHOS EM QUEBRA CABEÇAS - OS TRÊS PORQUINHOS
TODO LIVRO
TODO LIVRO
(2010)
R$ 20,00



DICAS DE FENG SHUI PARA UMA VIDA MELHOR
DAVID DANIEL KENNEDY
BERTRAND BRASIL
(2001)
R$ 13,00



GIGANTE PELA PRÓPRIA NATUREZA
EMILIO RODRIGUÉ
ESCUTA
(1991)
R$ 6,90



VOLÚPIA DE VELUDO - AS MODISTAS 3
LORETTA CHASE
ARQUEIRO
(2017)
R$ 19,90



NÔVO MUNDO NOS TRÓPICOS
GILBERTO FREYRE
BRASILIANA
(1971)
R$ 30,00



ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA: CONCEITOS
PETER WRIGHT / MARK J. KROLL / JOHN PARNELL
ATLAS
(2000)
R$ 20,00



GOSTO DOS EXTREMOS, O: TENSÃO E DUALIDADE NA POESIA DE JOÃO CABRAL DE MELO NETO, DE PEDRA DO SONO A ANDANDO SEVILHA
OLIVEIRA, WALTENCIR ALVES DE
EDUSP
R$ 48,00



ONDE MORA O FUTEBOL
CAIO VILELA
CULTURA SUB
(2014)
R$ 70,00



O MÉDICO E O MONSTRO
ROBERT LOUIS STEVENSON
ATICA
(2008)
R$ 15,00





busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês