Francis e o jornalismo | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Iron Maiden com Clive Burr
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> 7 de Setembro
>>> Amor fati
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Maria Erótica e o clamor do sexo
>>> Arte, cultura e auto-estima
>>> Escrevendo um currículo
>>> Frases que soubessem tudo sobre mim
>>> Por que somos piratas musicais
Mais Recentes
>>> Introdução à Programação Usando O Pascal de J. Pavão Martins pela Mcgraw-hill (1994)
>>> Bíblia Sagrada de Ivo Storniolo e Euclides Martins Balancin pela Paulus (2000)
>>> A Descoberta Diária de Org. João Ferreira De Almeida pela Alfalit Brasil (1998)
>>> Deus Ajuda Preces de Lorival Lopes pela Otimismo (1998)
>>> Gado Nelore 100 Anos de Seleção de Alberto Alves Santiago pela Dos Criadores (1987)
>>> Annuário De Jurisprudência Federal com um Apêndice de Legislação 1930 de Octavio Kelly pela A. Coelho Branco F. (1930)
>>> This Side Of Innocence de Taylor Caldwell pela Charles Scribner´s Sons (1946)
>>> Lands And Peoples 7 América Latina de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Lands And Peoples 6 Canadá de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Lands And Peoples 4 Ásia de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Soltando a Língua 8 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 7 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 6 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 5 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 4 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 3 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 2 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 1 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Acervo Artístico E Cultural dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo de Org Ika Passos Fleury pela Gov. São Paulo
>>> Introdução à Estatística + CD de Mario F. Triola pela Ltc (2008)
>>> A Era Da Incerteza de John Kenneth Galbraith pela Pioneira (1998)
>>> Pc Guia Do Programador Soluções de Problemas de Robert Jourdain e outros pela Editora Campos (1993)
>>> Aprenda Brincando Artesanato e Atividades de Domingo Alzugaray e Cátia Alzugaray pela Três
>>> Lógica De Programação A Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados de André Luiz Villar Forbellone e outro pela Mcgraw-hill (1993)
>>> Musculação Modelo Didático para Prescrição e Controle das Atividades de José Ricardo Claudio Ribeiro pela Casa Da Educação Física (2009)
>>> Porcelana Fria Encadernadas o Vol 1 ao Vol 10 de Org. Hugo García pela Bem Vindas (1999)
>>> Orçamento Participativo – A Experiência de Porto Alegre de Tarso Genro e Ubiratan de Souza pela Perseu Abramo (1997)
>>> A Mosca Azul – Reflexão Sobre o Poder de Frei Betto pela Rocco (2006)
>>> Ética e Cidadania de Herbert de Souza (Betinho) e Carla Rodrigues pela Moderna (2002)
>>> Olhares Sobre a Experiência da Governança Solidária Local de Porto Alegre de Jandira Feijó e Augusto de Franco (Org.) pela Puc/RS (2008)
>>> O Futuro da Cidade – A Discussão Pública do Plano Diretor de José Paulo Teixeira e Jorge E. Silva (Org.) pela Instituto Cidade Futura (1999)
>>> Ninguém Vive Sem Política de Adeli Sell pela Palmarinca (2002)
>>> O Impeachment de Olívio Dutra e o Estado Democrático de Direito de Paulo do Couto e Silva pela Do Autor (2000)
>>> Histórias Reais para Melhorar a Vida dos Gaúchos de Vários Autores pela PT Sul (2006)
>>> Congresso de Direito Municipal – A Federação e as Políticas Públicas em Debate – Oficinas de Vários Autores pela ESDM / VT Propaganda (2007)
>>> Discursos do Senador Pinheiro Machado de Pedro Simon (Org.) pela Senado Federal (2004)
>>> O Futuro do Trabalho – Fadiga e Ócio na Sociedade Pós-Industrial de Domenico de Masi pela José Olympio (2003)
>>> Mudando Paradigmas na Formação de Quadros Políticos de Ricardo João Santin (Org.) pela Hs (2009)
>>> Os Militares e a Guerra Social de Péricles da Cunha pela Artes e Ofícios (1994)
>>> Dez Anos de Leis e de Ações Municipais: 2002 a 2011 de Vários Autores pela Câmara Municipal de Porto Alegre (2011)
>>> aris Boêmia. Cultura, política e os limites da vida burguesa 1830-1930 de Jerrold Seigel pela L&PM (1992)
>>> 30 anos do The New York Review of Books. A primeira antologia de Robert B. Silvers et alii pela Paz e Terra (1997)
>>> Lendo Freud. Investigações e entretenimentos de Peter Gay pela Imago (1992)
>>> 1680-1720. O império deste mundo de Laura de Mello Souza & Fernanda Baptista Bicalho pela Companhia das Letras (2000)
>>> The Face Magazine 4, Spring 2020 de Lara Strong pela Wasted Talent (2020)
>>> Photo 543 Octobre-Nevembre 2019 de Tony Kelly pela Photo (2019)
>>> The Entrepreneurs 2, 2020 de Business Handbook pela Monocle (2020)
>>> A Nave de Noé de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Miz Tli Tlan – Um Mundo que Desperta de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Entertainment Weekly Magazine de Black Widow pela Time (2020)
COLUNAS >>> Especial 10 anos sem Francis

Quarta-feira, 7/3/2007
Francis e o jornalismo
Jonas Lopes

+ de 4800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Vou contra o fluxo: não fui formado pela leitura de Paulo Francis. Pelo menos não no começo. Jovem demais para ter acompanhado a sua coluna e seus textos enquanto foram publicados, só fui conhecer a imponente figura de Francis anos depois, quando já estava me interessando por cultura. Ou seja, fiz o caminho inverso das pessoas (muitas delas acabaram se tornando jornalistas, por sinal) que, através de suas colunas, descobriram as artes. Eu o conhecia vagamente pelas aparições na TV Globo (minha mãe o imita perfeitamente). Não tive a oportunidade, portanto, de chorar sua morte. Tampouco guardo os recortes de seus textos. Só vim a ter contato com seus escritos após dar os primeiros passos no mundo literário.

Aí sim. Pude descobrir que aquela figura tão falada, tão imitada e tão citada tinha uma magia. Uma magia esquisita, é verdade. Li, em um curto espaço de tempo, alguns dos livros de Francis: Waaal: o dicionário da corte de Paulo Francis, com alguns dos melhores momentos do Diário da corte, as memórias pessoais e intelectuais de O afeto que se encerra e as memórias políticas de Trinta anos esta noite. Sempre me chamava a atenção a arquitetura textual do jornalista. Estava longe, muito longe de ser o texto mais bem escrito que eu já lera. Algumas escolhas de palavras pareciam inadequadas, as construções frasais mal feitas. É fato: Francis não tinha a fluidez de um Sérgio Augusto ou de um Ruy Castro, para ficar com apenas dois. E as opiniões! Comentários depreciativos de livros e filmes que eu adorara (La Strada, sentimentalismo fácil?), comentários elogiosos de livros e filmes que eu detestara (Norman Mailer?). Aquele punhado de generalizações que, não raro, caíam na falácia mais grosseira. E os preconceitos, afirmações definitivas como "Nunca vejo filme oriental. Como dizem, meu carro empaca na fronteira leste da Europa Ocidental". E vez por outra cometia erros de informação. Não porque não soubesse os nomes de autores e personagens, e sim pela preguiça (suponho) de pesquisar e checar as informações.

Aos poucos fui começando a entender Paulo Francis. Como as melhores fábulas ou as melhores gags do cinema mudo, suas análises precisam ser analisadas como um exemplo hiperbólico, um necessário exagero, para provocarem o efeito de chamar a atenção e desviar para si os olhos alheios. Despidas desse exagero, suas opiniões fazem todo o sentido. Alguém de bom senso concorda com suas declarações sobre Paulo Maluf, para ele um "político moderno"? É evidente que não. Coisa de um reaça incorrigível, dirão alguns. Em compensação, quem, hoje em dia, quando até Lula e o PT macaqueiam o neoliberalismo, ousa afirmar que estavam erradas as opiniões de Francis sobre a importância das mudanças no sistema econômico, em busca de liberalismo, livre concorrência e ênfase na propriedade privada (hoje em dia é tremendamente fácil se assumir como conservador)? Há anos e anos atrás, Francis afirmou que o futuro do cinema brasileiro talvez estivesse nas televisões, na influência das novelas na feitura dos longas. O que é a Globo Filmes, senão isso?

Ao contrário do que pensam seus seguidores — imitadores —, o gênio de Francis não estava em vociferar um punhado em frases polêmicas — a metralhadora verborrágica que dava sinais de não ligar para quem estivesse sendo atingido por suas rajadas. Estava em fazer isso tendo a bagagem cultural para tanto, em não abrir mão da argumentação consistente, ainda que às vezes contraditória e incoerente (e quem está livre disso, afinal?). Eu sei, qualidades como essas deveriam ser de lei em qualquer jornal ou discussão mundo afora. Não são. Não há nada de particularmente corajoso em empilhar afirmações que desafiem o senso comum; há coragem em fazer isso se preocupando com o conteúdo intelectual, algo cada vez mais raro em tempos em que a leitura é cada vez menor e mais restrita e em que pululam livros sobre "como ser culto", guias picaretas que ensinam, em poucas lições, maneiras de parecer inteligente nas rodinhas de debates de festas. É impossível negar a Francis a autoridade intelectual. Você pode discordar dele, mas não dá para dizer que seus motivos para aquela opinião eram fracos ou ruins. Os imitadores, ao contrário, ficam mais felizes em incorporar a persona da figura polêmica, algo que traz um sucesso e uma projeção bem mais rápidos do que passar horas e horas trancado num quarto lendo. Quando penso em Paulo Francis, por sinal, só consigo imaginá-lo assim, empolgado com a escrivaninha empilhada de livros, e não o polemista incorrigível.

Era arrogante? Amém. Maldito seja o juquinha que resolveu que arrogância era um sentimento deplorável. Com tamanho repertório de leituras, Francis podia destilar arrogância o quanto quisesse, e nós, meros mortais, que babemos na gravata. Ele conseguia, em uma mesma nota, misturar Roman Polanski e Proust, Henry James e Bergman, Wagner e Freud. Tinha defeitos, claro, como alguns preconceitos sociais, étnicos e raciais, além da facilidade, como já foi dito, de cair na falácia — um problema comum a todos que abusam das opiniões decisivas. Concentrado no sonho de se tornar romancista (e na frustração de não ter conseguido), Francis talvez tenha deixado ainda de produzir muita coisa interessante. Teria sido ótimo vê-lo exercitando ensaios mais longos, inclusive com envergadura para virar livro, e também perfis, na linha de Edmund Wilson e Kenneth Tynan.

Bons tempos
Nos diversos textos escritos a respeito dos dez anos da morte de Paulo Francis, alguns, aqueles de pessoas que conheceram e conviveram com o jornalista, causaram um pouco de tristeza. Os de Ruy Castro e Ivan Lessa, em especial. Ali me bateu o sentimento de nostalgia, a saudade do que não vivemos de que falava Drummond. Eram os tempos das revistas Senhor e Diners, do jornal Correio da Manhã, do Pasquim. Eram os tempos de Otto Maria Carpeaux, Antonio Moniz Vianna, José Lino Grünewald, Ivan Lessa, Antonio Callado, Paulo Mendes Campos, Millôr Fernandes, Sérgio Porto — fora os moleques Ruy Castro e Sérgio Augusto. Autores como Guimarães Rosa e Clarice Lispector publicavam ali, em primeira mão, suas narrativas recém-escritas. Faulkner, Cortázar e Philip Roth, então pouco conhecidos por aqui, eram traduzidos. Segundo os relatos de Castro e Lessa, todo mundo recebia bem e em dia.

Francis, de certa forma, foi o último dos moicanos, a transição da época áurea em que os jornalistas eram lidos, ouvidos e, em alguns casos, temidos, para a época em que os críticos estão cada vez mais condenados a guetos. Ainda há gente fazendo crítica e jornalismo cultural de qualidade — aí estão José Castello, Luis Antônio Giron, Daniel Piza, Antonio Gonçalves Filho e Almir de Freitas, entre outros, para provar isso. Mas como a mão-de-obra de qualidade é cada vez mais rara, os grandes nomes acabam isolados em veículos diferentes, e fica difícil juntar um elenco como o da Senhor. Quantos aí se lembram do suplemento literário que a Bravo! tentou implantar há uns dois anos, com vários bons nomes, e que afundou completamente? Casos louváveis, porém isolados. A escassez de gente gabaritada (e de leitores) é tão grande que alguns jornais preferem apostar no academicismo e seus jargões.

Louvemos e lembremos Paulo Francis. Por ter feito de seu intelecto o seu grande bem. Por ter dedicado os melhores momentos de sua vida à arte e, de quebra, ter ajudado muitos outros a seguirem o mesmo caminho.


Jonas Lopes
São Paulo, 7/3/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Régis Bonvicino: voyeur-flânerie e estado crítico de Jardel Dias Cavalcanti
02. A vida como encenação de Jonas Lopes
03. Um Bonde Chamado Desejo de Nemo Nox


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2007
01. O melhor do jazz em 2007 - 25/12/2007
02. Auster no scriptorium - 26/3/2007
03. Uma (selvagem?) celebração literária - 23/1/2007
04. A morte do homem comum - 30/10/2007
05. Banville e o mar purificador da memória - 6/6/2007


Mais Especial 10 anos sem Francis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/3/2007
20h07min
O texto me fez pensar que muitos que se interessam pelo jornalismo de Francis talvez o façam não tanto pelo que o jornalismo possibilita – mas sim pelo prazer de ir além, de exercitar o sadismo e o masoquismo, flertar com o poder, desfrutar da cultura, enfim, coisas comezinhas das quais muitos profissionais não desfrutam.
[Leia outros Comentários de Lúcio Jr]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




IN THE BEST FAMILIES - BYREX STOUT
NERO WOLFE
BANTAM BOOK
(1975)
R$ 9,99



PORTUGUÊS LINGUAGENS 8ª SÉRIE
WILLIAM ROBERTO CEREJA E THEREZA COCHAR MAGALHÃES
ATUAL
(2006)
R$ 9,00



IN GOOD COMPANY - HOW SOCIAL CAPITAL MAKES ORGANIZATIONS WORK
DON COHEN E LORENCE PRUSAK
HARVARD
(2001)
R$ 19,00



MADRE CORAJE Y SUAS HIJOS - BERTOLT BRECHT (TEATRO ALEMÃO) - EM ESPANHOL
BERTOLT BRECHT
BIBLIOTECA DEL PUEBLO
R$ 15,00



REVISTA BRASILEIRA DE MEDICINA VOL. 4 N. 7 A 12
A. DA SILVA MELLO
REVISTA BRASILEIRA DE MEDICINA
(1947)
R$ 58,36



OS MAIS BELOS POEMAS DE AMOR
OSMAR BARBOSA
EDIOURO
(1986)
R$ 5,00



A DIETA DA MENTE
DR. DAVID PERLMUTTER
PARALELA
(2013)
R$ 45,00



GRANDE MEDO DA IDADE MÉDIA
REVISTA HISTÓRIA VIVA, Nº 38 - 2007
DUETTO
(2007)
R$ 31,28



EU E OS CADETES DA ESCOLA MILITAR
NEYDE GUIMARÃES PINHEIRO MONTEIRO (ASSINATURA
THESAURUS
(2001)
R$ 20,00



INFERNO
DAN BROWN
ARQUEIRO
(2013)
R$ 9,80





busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês