Auster no scriptorium | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
>>> Zé Guilherme canta Orlando Silva em show no YouTube no dia 26 de setembro
>>> Setembro Amarelo é tema de EntreMeios especial com Zé Guilherme e Leliane Moreira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
>>> Rodrigo Gurgel entrevista Yuri Vieira
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Concisão e sensibilidade
>>> Blog do Reinaldo Azevedo
>>> Alerta aos que vão chegar
>>> Cultura e Patrocínio
>>> Deus, um delírio, de Richard Dawkins
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Thor
>>> Das Kunstwerk der Zukunft
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Fortaleza digital - 5D de Dan Brown pela Arqueiro (2015)
>>> Arquivologia e Ciência da Informação - 5D de Maria Odila Kahl Fonseca pela Fgv (2008)
>>> Aristofanes Las Nubes Lisistrata Dinero de Elsa García Novo pela Alianza Editorial (1987)
>>> Fisiologia do exercício - 8C de Marília dos Santos Andrade pela Manole (2016)
>>> Musculação Funcional. Ampliando os Limites da Prescrição Tradicional - 8C de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2016)
>>> Personal Trainer. Uma Abordagem Prática do Treinamento Personalizado - 8C de Fabiano Pinheiro Peres pela Phorte (2013)
>>> Temas Fundamentais De Criminalistica - 3D de Jose Lopez Zarzuela pela Sagra luzzatto (1995)
>>> As sete leis espirituais do sucesso - 3D de Deepak Chopra pela Best Seller (2009)
>>> A Escolha - 3D de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2015)
>>> Ser Elegante É… - 3D de Candace Simpson-Giles pela Sextante (2014)
>>> Seu Sexto Sentido. Ativando Seu - 3D de Belleruth Naparstek pela Rocco (1999)
>>> História geral das Civilizações Volume 1 - O oriente e a Grécia Antiga de Maurice Crouzet pela Bertrand Brasil (1993)
>>> O Diário de Anne Frank de Ane Frank pela Pé da Letra (2019)
>>> A sombra do poder: Martinho de Melo e Castro e a administração da Capitania De Minas Gerais (1770-1795) de Virgínia Maria Trindade Valadares pela Hucitec
>>> A Revolta da Vacina de Sevcenko, Nicolau pela UNESP
>>> A quebra da mola real das sociedades: A crise política do antigo regime Português na província do Grão-Pará (1821-1825) de André Roberto Arruda Machado pela Hucitec
>>> A paz das senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico C.1790- C.1850 de Florentino, Manolo pela UNESP
>>> A outra Independência: O Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Mello, Evaldo Cabral de pela 34
>>> A História do Brazil de Frei Vicente do Salvador. História e Política no Império Português do Século XVII de Maria Lêda Oliveira pela Versal
>>> A experiência do tempo: Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1831-1845) de Araújo, Valdei Lopes de pela Hucitec
>>> A Educação Pela Noite de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul
>>> A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016 de Rubens Ricupero pela Versal
>>> A Corte na Aldeia de Vários Autores pela Verbo
>>> A Companhia de Jesus na América por Seus Colégios e Fazendas de Márcia Amantino and Carlos Engemann pela Garamond Universitaria
>>> A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos de Priore, Mary de pela Rocco
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram dom Pedro a criar o Brasil - um de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 130 Anos: Em Busca Da República de Lessa, Renato; Wehling, Arno; Franco, Gustavo; Tavares Guerreiro, José Alexa pela Editora Intrínseca
>>> Arte de Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil de José de Anchieta pela EdUFBA (2014)
>>> Inglorious Revolution de William R. Summerhill pela Yale University Press (2015)
>>> O governo das conquistas do Norte de Fabiano Vilaça dos Santos pela Annablume (2011)
>>> O sol e a sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amazon Frontier - the defeat of the Brazilian Indians de John Hemming pela Papermac (1995)
>>> International Law de Malcolm Evans (edited by) pela Oxford University Press (2014)
>>> Complete International Law: Text, Cases, and Materials de Ademola Abass pela Oxford University Press (2014)
>>> Salvador de Sá and the struggle for Brazil and Angola, 1602 - 1686 de C. R. Boxer pela University of London (1952)
>>> Instituições Políticas Brasileiras de Oliveira Vianna pela Senado Federal (2019)
>>> O populismo e sua história - debate e crítica de Jorge Ferreira (Org.) pela Civilização Brasileira (2001)
>>> Marxismo e Judaísmo - história de uma relação difícil de Arlene Clemesha pela Boitempo (1998)
>>> Trópico dos pecados de Ronaldo Vainfas pela Civilização Brasileira (2014)
>>> Brasil: formação do Estado e da Nação de István Jancsó (Org.) pela Hucitec (2011)
>>> História da Vida Privada em Portugal - 4º Volume (Os nossos dias) de José Mattoso pela Temas e Debates (2011)
>>> História de Angola - da Pré-História ao Início do Século XXI de Alberto Oliveira Pinto pela Mercado de Letras (2016)
>>> Visconde do Uruguai de José Murilo de Carvalho (Org.) pela 34 (2002)
>>> A ilusão americana de Eduardo Prado pela Alfa Omega (2001)
>>> Postmodernism or, the cultural logic of late capitalism de Fredric Jameson pela Duke University Press (1992)
>>> The Established and the Outsiders de Norbert Elias and John L. Scotson pela Sage Publications (2017)
>>> The Satanic Verses de Salman Rushdie pela Randon House (2019)
>>> Los detectives salvajes de Roberto Bolaño pela Vintage Español (2010)
COLUNAS

Segunda-feira, 26/3/2007
Auster no scriptorium
Jonas Lopes

+ de 7800 Acessos

Paul Auster é um trabalhador prolífico, quase incansável. Além de escritor, é poeta, ensaísta, tradutor, vice-presidente do Pen Club norte-americano (uma associação de escritores), organizador da antologia de relatos alheios Achei que meu pai fosse Deus e de uma recente caixa com a obra completa de Samuel Beckett. Além da literatura, envolve-se com cinema: já roteirizou alguns filmes e até dirigiu outros. Seu próximo longa, A vida secreta de Martin Frost (partindo de um enredo incluído em um de seus romances, O livro das ilusões), foi rodado em Lisboa há poucos meses, e deve ser lançado em breve. Tanta ocupação pode fazer alguém imaginar que o "bardo do Brooklyn", como já foi apelidado, possui uma incrível facilidade para escrever.

Não é o caso, pelo que ele diz. Auster é um adepto da idéia do "artista da fome", como observou Bernardo Carvalho em um ensaio há alguns anos. Para ele, a escrita é uma doença, resultado de muito sofrimento e de sacrifícios diários. "A arte é uma enfermidade", afirmou em entrevista recente. "Todos os artistas, mesmo que não queiram enxergar, são pessoas que sofrem, pessoas que não se encaixam neste mundo e buscam outro". Em outra entrevista comentou que escreve como se rezasse. Com dificuldade e enfermidade ou não, Auster produz muito: em 2004 soltou nos EUA Noite do oráculo; em 2005, a comédia Desvarios no Brooklyn (que curiosamente saiu no mercado brasileiro antes do americano); veio então a novela Viagens no scriptorium, lançada na Inglaterra no final do ano passado e que agora está saindo em diversos países, inclusive o Brasil.

Noite do oráculo e Desvarios no Brooklyn, apesar de não serem ruins, davam sinais, talvez pela rapidez da produção, de que a ficção de Auster vinha decaindo e se repetindo cada vez mais. Viagens no scriptorium, por isso, a princípio merece ser comemorado, já que o autor aposta em um enredo mais alegórico e fabular, distante do realismo cansado daqueles dois livros. Uma comemoração que começa a definhar se lembrarmos que foi em território alegórico que Auster engendrou os títulos mais fracos de sua carreira, os péssimos Timbuktu e Mr. Vertigo. E a festa termina de vez quando lembramos que, mesmo mudando de geografia ficcional, Paul Auster nunca consegue escapar de seus defeitos mais graves (embora ele diga que detesta se repetir). Não importa se o personagem é um cachorro ou um detetive; as histórias sempre partirão de algum momento desesperador (um acidente, alguém largando tudo para viver outra vida), o narrador em primeira pessoa será sempre igual, as histórias dentro da história se acumularão e a dependência em relação ao acaso sempre norteará o desenvolvimento da obra. Às vezes funciona, e muito bem, caso da famosa Trilogia de Nova York, de Leviatã e de A invenção da solidão. Quando erra, entretanto, a literatura de Auster cai a níveis abissais.

Viagens no scriptorium repete a baixa qualidade de Timbuktu e Mr. Vertigo. Um homem idoso acorda em um quarto pequeno e não faz idéia de por que está ali. Não se lembra de nada, nem de quem é, nem de quem conhece. É completamente vigiado por câmeras e microfones. Em cada objeto, etiquetas indicam o nome daquilo - parede, luminária, cadeira. Em cima da mesa ele encontra fotografias e um manuscrito. Conforme o dia passa, o homem, chamado Mr. Blank (Senhor Vazio), recebe algumas visitas (aquelas das fotografias na mesa) e tenta descobrir, através delas, quem é e por que está ali trancado. Algumas conclusões: ele está sob um tipo de tratamento, dizem, mas não sabe qual e nem por que motivo; toma comprimidos estranhos que parecem afetar sua memória; ele sente culpa por algo que imagina ter feito com pessoas que enviou para missões, mas não sabe quais. Todos o tratam como a um doente, não explicando nada com exatidão, ou uma criança, vestindo-o e tratando dele.

Mr. Blank começa a ler o manuscrito. Nele, um homem feito prisioneiro por um coronel recebe papel e caneta para escrever alguma coisa (a história dentro da história dentro da história; recurso cansativo). Ficamos sabendo que ele é Sigmund Graf, agente de uma potência chamada apenas de Confederação, e que foi enviado a um território afastado para descobrir se um outro antigo agente, dado como morto, na verdade está vivo e agora aglutina um grupo de pioneiros isolados para se revoltar contra a metrópole. Nada muito diferente dos Estados Unidos, como Blank logo nota.

Para completar, Auster recheia a narrativa com personagens que já apareciam em livros anteriores. Diz que não é necessário que o leitor conheça esses outros romances, mas que a visão de quem os leu será diferente ao abordar Viagens no scriptorium. Aparecem na novela Daniel Quinn, Peter Stillman, Fanshawe, Sophie (todos da Trilogia de Nova York), Anna Blume (No país das últimas coisas), Benjamin Sachs (Leviatã), David Zimmer (O livro das ilusões), John Trause (Noite do oráculo) e Marco Fogg (Palácio da Lua). Não dá para afastar a sensação de que eles estão ali apenas por uma brincadeira literária desnecessária.

A alegoria é de fundo político. Por mais que Auster negue, é impossível não fazer relações com o momento atual da América. Blank, como Bush, enviou pessoas a lugares perigosos. Algumas morreram, outras não, mas tudo dá a entender que todas sofreram muito. Da mesma forma, podemos analisar o protagonista como o inverso, a pessoa que, sem saber direito por que, recebe dos outros uma ajuda que ele não se lembra de ter pedido (o imperialismo ianque?); ajuda estranha, já que ele parece estar preso no quarto. Mas está preso mesmo? Ele não sabe. Não tem coragem de tentar abrir a porta. Blank "se conforma em viver num estado de incerteza constante".

Não são exatamente idéias originais. E Auster ainda se prejudica por nunca ir a fundo no problema. É outro problema antigo que acomete sua ficção: a superficialidade de alguns trechos. Fora isso, a questão da vida controlada por entidades superiores já foi mais bem explorada em O show de Truman. Assim como o homem que perde a memória, passa por crises de identidade e faz anotações ganha muito mais relevância em outro filme, Amnésia, de Christopher Nolan, e até em outros livros de Auster.

A outra interpretação da novela é literária. Como o manuscrito está inconcluso, Mr. Blank tenta terminá-lo com idéias próprias, e as tramas parecem se confundir. Seria Blank o tal agente Graf? As tais missões estariam ligadas a um envolvimento do velho com a Confederação? Quando descobrimos que na verdade tudo - Blank, o quarto, o manuscrito - faz parte de mais uma camada de material ficcional, um livro de Fanshawe, personagem-escritor da Trilogia, não ficamos mais aliviados. De novo, os exemplos abundam: Ian McEwan explorou os limites da criação literária em Reparação sem precisar fugir da estética realista. E quanto às histórias que se constroem continuamente, bem, Borges e suas Ruínas circulares continuam imbatíveis.

É verdade que Viagens no scriptorium, caso raro na carreira de Auster, não se utiliza do artifício do acaso para interligar tramas ou funcionar como um desagradável Deus ex machina. Mas até isso tem explicação: o enredo alegórico não possui compromisso algum com a realidade. Se nos romances realistas o acaso muitas vezes solucionava um mistério e acabava deixando tudo com ar de inverossimilhança, uma fábula pode ser inverossímil à vontade. Por outro lado a maior qualidade do nova-iorquino - a fluidez do texto e o prazer em que somos envolvidos pela narração -, parece ausente. O livro é truncado, cansativo.

O espírito de Mr. Blank, insípido, apático e, impossível não dizer, vazio, acabou resumindo com perfeição a novela. Auster pode mais.

Para ir além






Jonas Lopes
São Paulo, 26/3/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Relatório de compra de Ana Elisa Ribeiro
02. Srta Peregrine e suas crianças peculiares de Ricardo de Mattos
03. O caso Luis Suárez de Humberto Pereira da Silva
04. O Próximo Minuto, por Robson Pinheiro de Ricardo de Mattos
05. Para viver de literatura de Marta Barcellos


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2007
01. O melhor do jazz em 2007 - 25/12/2007
02. Auster no scriptorium - 26/3/2007
03. Uma (selvagem?) celebração literária - 23/1/2007
04. A morte do homem comum - 30/10/2007
05. Banville e o mar purificador da memória - 6/6/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA PAULISTA DE MEDICINA VOL. 35 Nª 4
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDI
(1949)
R$ 10,89



MARTIN FIERRO
JOSÉ HERNANDEZ
BRUGUERA
(1984)
R$ 18,00



THE CHIBRET INTERNATIONAL AWARD
MERCK
MERCK
(1986)
R$ 5,00



PHYSICA MÉDICA 1ª VOL.
NEY CABRAL
GLOBO
(1935)
R$ 11,76



DEAD AS A DOORNAIL
CHARLAINE HARRIS
ACE BOOKS
(2006)
R$ 5,00



FOLGUEDOS POPULARES DO BRASIL
ROSSINI TAVARES DE LIMA
RICORDI
R$ 24,00



PAULINA AO PIANO
ALICE VIEIRA
EDITORIAL CAMINHO
(2005)
R$ 34,70



LIÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL VOLUME I
ALEXANDRE FREITAS CAMARA
LUMEN JURIS
(2007)
R$ 5,00



ON TRACK 2
ANGELA LLANAS LIBBY MARCELO
MACMILLAN
(2012)
R$ 9,90



AN INCONVENIENT TRUTH
AL GORE
RODALE
(2006)
R$ 22,82





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês