Uma (selvagem?) celebração literária | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
Mais Recentes
>>> Marcados pelo passado de Lourdes Carolina Gagete pela Mundo maior (2010)
>>> Espíritos entre Nós de James Van Praagh pela Sextante (2009)
>>> Novamente em casa de Francisco Cândido Xavier Caio Ramacciotti Espíritos Diversos pela Geem (1984)
>>> OS Valores e o Tempo de Alceu Costa Filho pela Petit (2004)
>>> Sementes de vida Eterna de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> Tempo de Escolhas de Francisco Cajazeiras pela Novo Ser (2011)
>>> 7 Estados do Coração de Rodolfo Beuttenmüller pela Gospel (2008)
>>> Alguém bateu na minha Porta de Osvaldo Jorge Degrazia pela Novo Ser (2012)
>>> Prelúdio de Paz de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> O Caráter Ecumênico do Espiritismo de Paulo Rzezinski pela Edição do Autor (1995)
>>> A verdadeira Alma Gêmea de Fausto Oliveira pela Seame (1998)
>>> Como tomar posse da Bênção de R.R. Soares pela Graça Arte (1987)
>>> A luz de um novo Dia de João Cuin pela Dpl (2001)
>>> A Última Grande lição ( O Sentido da vida) de Mitch Albom pela Sextante (1998)
>>> Historia de Cristo para as Crianças de Rafael A. Ranieri pela Lake (2003)
>>> Náufragos da vida ( Pelo Espírito Lenuz Aqoqo) de Luciana Cardoso pela Dpl (2000)
>>> Racionalismo Cristão Responde de Fernando Faria pela Diagrama (1998)
>>> O Poder do Jovem ( Você pode se acha que pode!) de Lauro Trvisan pela Mente (2010)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> Obra Póstumas de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> A Dança da paz de Giuliana Martirani pela Paulinas (2006)
>>> Suas verdades ( O Tempo não Apaga) de Américo Simões pela Barbara (2009)
>>> Organize-se num Minuto de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2011)
>>> Quatrocentos Contra Um - Uma História do Comando Vermelho de William da Silva Lima pela Vozes (1991)
>>> Confronto pedagógico: Paulo Freire e Mobral de Gilberta Martina Jannuzi pela Cortez & Moraes (1979)
>>> Escravidão, Homossexualidade e Demonologia de Luiz Mott pela Icone (1988)
>>> Socialismo Síntese das origens e doutrinas de Edgar Rodrigues pela Porta Aberta (2003)
>>> Sentença: Padres e Posseiros do Araguaia de Rivaldo Chinem pela Paz E terra (2019)
>>> Pancho Villa O revolucionário Mexicano de Earl Shorris pela Francisco Alves (1983)
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
COLUNAS

Terça-feira, 23/1/2007
Uma (selvagem?) celebração literária
Jonas Lopes

+ de 7200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Eu li Os detetives selvagens (Companhia das Letras, 2006, 624 págs., tradução de Eduardo Brandão), o calhamaço do chileno Roberto Bolaño, pela primeira vez, no final de outubro do ano passado. A intenção era escrever uma crítica do livro. Gostei dele, sobretudo da primeira e terceira partes, o diário de um jovem poeta mexicano, García Madero. A segunda parte, que compreende mais de 400 páginas do volume, é formada apenas por depoimentos, uma série deles, de dezenas de pessoas. Achei um exagero tantos depoimentos, e me preparei para escrever uma resenha favorável, porém com algumas ressalvas.

Por motivos pessoais, que envolveram uma mudança de cidade, acabei adiando o texto por mais de um mês, e cheguei a resolver que não o escreveria mais. Até que um dia, depois do Natal, vi o livro parado na escrivaninha e resolvi reler alguns trechos. Não fiz uma leitura linear: comecei justamente pela segunda parte, a que havia achado exaustiva, e ainda assim de forma não-linear, escolhendo os depoimentos ao acaso. E Os detetives selvagens foi crescendo, minha avidez aumentando e, por fim, praticamente reli o romance em ordem aleatória.

Todo bom leitor sabe o quanto tem se tornado mais difícil manter uma agenda de leitura razoável. Os lançamentos se acumulam nas lojas, prateleiras e estantes, e a única forma de conseguir assimilar tantos quitutes e matar a vontade e a curiosidade é lendo, lendo, lendo, cada vez mais rápido. O que pode ser prejudicial. Cada livro pede e exige de nós um tempo e um ritmo diferentes. É complicado ler, da mesma forma, Grande Sertão: Veredas e uma novela policial. Isso é ainda mais grave no caso dos resenhistas (e nenhum deles está a salvo), que para acompanhar o ritmo das publicações, precisam ler e escrever sobre aquela obra em um espaço muito curto de tempo. Os textos acabam rasos. O ideal seria que o crítico não apenas tivesse mais tempo, mas que também pudesse voltar ao livro mais tarde. Já foi o tempo em que intelectuais como Otto Maria Carpeaux e Álvaro Lins escreviam grandes e profundos ensaios sobre, por exemplo, Graciliano Ramos, poucos meses depois que um de seus romances foi lançado. Agora, os jornais e revistas cobrem o lançamento e a obra morre ali, no calor do gancho jornalístico, sem chance de ser retomada com mais calma e acuidade. E se eu não tivesse, por um mero acaso, retornado a Os detetives selvagens, teria ficado com uma opinião pior sobre ele. O que seria uma pena.

Roberto Bolaño é um daqueles autores cuja arte imita a vida. Nascido no Chile em 1953, mudou-se durante a adolescência com a família para o México, onde, ainda muito jovem, participou da nova cena de autores mexicanos. Bolaño voltou ao Chile em 1973, e acabou preso pela ditadura de Pinochet. Solto, outra vez foi ao México. Surge nessa época o movimento Infra-Realista, que pretendia quebrar parâmetros literários e romper com as gerações anteriores. Em 1977, muda-se para a Espanha. Apenas na metade da década de 90 Bolaño consegue começar a publicar. Começa então uma avalanche, e em poucos anos coloca nas ruas romances, novelas, coletâneas de contos e poemas. Boa parte de tudo isso abordando as conseqüências do Golpe Militar de Pinochet, caso da novela/monólogo Noturno do Chile (já lançada no Brasil), e as reviravoltas das cenas literárias mexicana e chilena, caso de Os detetives selvagens. Sofrendo de graves problemas hepáticos, o chileno faleceu em 2003, com apenas 50 anos. Seu último trabalho, o gigantesco (mais de mil páginas) 2666, resultou inacabado.

Imprecisões bem-vindas
Poderia ter acontecido em qualquer lugar, inclusive no Brasil: um grupo de poetas, todos jovens e revoltados com os rumos das letras nacionais, juntam-se e formam um grupo (ou, no pior dos casos, "movimento", como os chatos da Geração 90 e quejandos) para tentar trazer uma nova e renovada visão artística e negar a(s) anterior(es). O Infra-Realismo liderado por Bolaño aparece em Os detetives selvagens como realismo visceral, organizado pelos emblemáticos e adorados Ulises Lima e Arturo Belano (alter ego do autor). Entramos em contato com os real-visceralistas mexicanos através do diário de García Madero, de apenas 17 anos. Ali acompanhamos as desventuras que costumam ocorrer com todos os tipos de grupos de jovens intelectuais: drogas, bebedeiras, iniciação sexual, imaturidade e promiscuidade. Não são raros os momentos em que o leitor se pega perguntando: "e a literatura?". Um problema entre os aspirantes a escritores, essa vontade de viver uma vida literária, mais do que realmente escrever. A primeira parte do romance termina quando Madero, junto com Lima e Belano, fogem para o deserto de Sonora, no norte do México, para esconder uma prostituta de seu cafetão e para rastrear os últimos passos de uma obscura poeta que admiram.

A segunda parte, aquela que na primeira leitura me cansou, reúne depoimentos, escritos desde a década de 70 até a de 90, de dezenas de pessoas que conviveram com Ulises Lima e Arturo Belano. Se você pensa que ali teremos uma noção mais exata de quem são os dois poetas, está enganado. As declarações são contraditórias, confusas, às vezes desconexas, outras vezes escritas em derramados fluxos de consciência. Passeamos pelos mais diversos países, de França a Israel, todo tipo de personagem (de velhos poetas a prostitutas e um senhor internado em um sanatório) e situação. E é aqui que o talento de Roberto Bolaño cresce: nas imprecisões sobre a trama, o tal movimento literário e seus protagonistas. Como a própria história mexicana (e latino-americana), tudo é imprecisão. E como a edição brasileira do livro acertadamente aponta na orelha, "o verdadeiro detetive do romance é o leitor", que possui à disposição todos os depoimentos e pode, com eles, construir a sua própria visão acerca de Os detetives selvagens. Seriam Lima e Belano poetas de verdadeiro talento ou apenas traficantes desocupados que se utilizam da literatura para ganhar prestígio? Os real-visceralistas, afinal, tinham algum valor literário ou movimento era, como afirma alguém, "uma carta de amor, um pavonear demente de uma ave idiota ao lugar, algo bastante vulgar e sem importância", em suma, uma brincadeira de moleques tentando ser malditos? A maneira mais adequada (e divertida) de dissecar a obra é lê-la por inteiro de forma linear e depois atravessá-la outra vez, agora misturando as declarações e construindo um sentido próprio. Uma celebração da leitura da maneira como ela nunca deveria ter deixado de ser.

Na terceira e última parte, volta García Madero e seu diário registrando a estadia do grupo de poetas pelo deserto de Sonora. Uma espécie "road book", com gostinho de cinema. Nos trechos de diário fica ainda mais clara a vocação de Bolaño para o humor e o sarcasmo. E Madero, na nebulosidade de ser ou não personagem principal, ser ou não coadjuvante, sintetiza essa qualidade: essa multidão variada de figuras - tanto os escritores quanto os depoentes - se mistura em importância dentro do enredo, e essa polifonia, tudo isso só fortalece o resultado final.

Não deixa de ser curioso e irônico que, para trazer de volta os velhos hábitos de leitura, tenha sido necessário surgir um livro tão moderno e de significados tão abertos e difusos.

Para ir além






Jonas Lopes
São Paulo, 23/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
02. André Bazin e a crítica como militância de Humberto Pereira da Silva
03. Sultão & Bonifácio, parte IV de Guilherme Pontes Coelho
04. Dexter Versus House de Duanne Ribeiro


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2007
01. O melhor do jazz em 2007 - 25/12/2007
02. Auster no scriptorium - 26/3/2007
03. Uma (selvagem?) celebração literária - 23/1/2007
04. A morte do homem comum - 30/10/2007
05. Banville e o mar purificador da memória - 6/6/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/12/2008
00h14min
Jonas, realmente estamos com sérios problemas pra ler tudo aquilo que queremos. Acredito que é preciso peneirar metodicamente a leitura, porque o tempo é precioso. Lermos tudo o que o desejo intui, e não aquilo que nos parece obrigatório. Bolaño, por exemplo, é um cara cujo nome e a história me fascinam, mas que ainda não li. É preciso desejar fortemente um livro, procurar um sentido, mesmo que não haja nenhum. Abraço.
[Leia outros Comentários de Fernando Miranda]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ELEMENTOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA - VOL. 1 - 2ª EDIÇÃO
EDSON DURÃO JUDICE
VEGA
(1971)
R$ 14,00



A PRACTICAL GUIDE TO ULTRASOUND IN OBSTETRICS AND GYNECOLOGY
ERIC E. SAUERBREI KHANH T. NGUYEN ROBERT
LWW
(1997)
R$ 40,77



O MEMORIAL DA BRUXA
ALDA ANDREIA THERKOVSKY
ROSA DOS TEMPOS
(1997)
R$ 15,00



TEMPESTADE VERMELHA
TOM CLANCY
BEST SELLER
(1987)
R$ 22,00



FEMINISMO, DESENVOLVIMENTO E DIREITOS HUMANOS
MARIA HELENA SANTANA CRUZ E AMY ALVES (ORGS.)
REDOR/NEPING/UFS
(2005)
R$ 18,82



MUNDO ESTRANHO O VERDADEIRO MUNDO DOS PIRATAS!
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2007)
R$ 7,50



BONE COLD
ERICA SPINDLER
MIRA
(2001)
R$ 15,97



MINIDICIONÁRIO ESCOLAR PORTUGUÊS INGLÊS - INGLÊS PORTUGUÊS
ALFREDO SCOTTINI
TODOLIVRO
(2009)
R$ 5,00



EJERCICIOS COMPLEMENTARIOS: GRAMATICA PRACTICA DE ESPANOL PARA
SÁNCHEZ, MARTIN E MATILLA
SOCIEDAD GENERAL ESPANOLA (MAD
(1985)
R$ 18,28



TUTELA DOS INTERESSES METAINDIVIDUAIS
JOSÉ MARCELO MENEZES VIGLIAR
CPC
(1996)
R$ 10,00





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês