Uma (selvagem?) celebração literária | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Vocalista da banda Big Mountain, Quino apresenta-se no Sesc Belenzinho dia 15 de dezembro
>>> Sesc Belenzinho apresenta show que celebra Declaração Universal do Direitos Humanos
>>> Mosteiro de São Bento: 50 anos da morte de Thomas Merton
>>> Residência Artística FAAP: espaço democrático onde os artistas de todo o mundo se encontram
>>> Última Terça Aberta do ano apresenta dois solos no Kasulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Paco e Raphael Rabello
>>> Borges e Osvaldo Ferrari, Diálogos
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> O estilo de Freddie Hubbard
>>> Cartas a um jovem escritor
>>> Livros, brinquedos, bichos de estimação e imagens
>>> 8º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
>>> Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia
>>> Mostra SP: EUA Contra Lennon
>>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
Mais Recentes
>>> A revolução cubana de Emir Sader pela Moderna (1985)
>>> O beijo da mulher aranha de Manuel Puig pela Codecri (1982)
>>> Elegias de Duíno de Rainer Maria Rilke pela Globo (1972)
>>> Coisas para o povo não fazer. Carnaval em Porto Alegre (1870-1915) de Alexandre Lazzari pela Unicamp (2001)
>>> O homem e a comunicação. O livro da escrita. de Ruth Rocha. Otávio Roth pela Melhoramentos (2004)
>>> Gestão em Educação. Estratégia, qualidade e recursos de Margaret Preedy, Ron Latter, Rosalind Levacic pela Artmed (2006)
>>> Desafios da educação municipal. de Donaldo Bello de Souza, Lia C. Macedo de Faria (orgs pela DP&A (2003)
>>> Assombrações de um padre regente. Diogo Antonio Feijó (1784-1843) de Magda Ricci pela Unicamp (2001)
>>> Pajens da casa imperial. Jurisconsultos, escravidão e lei de 1871 de Eduardo Spiller Pena pela Unicamp (2001)
>>> Em defesa da honra. Moralidade, modernidade e nação no Rio de Janeiro (1918-1940) de Sueann Caulfield pela Unicamp (2000)
>>> As noites do Ginásio. Teatro e tensões culturais na corte (1832-1868) de Silvia Cristina Martins de Souza pela Unicamp (2002)
>>> Castas, Estamentos e Classes Sociais de Sedi Hirano pela Unicamp (2002)
>>> Dicionário Oxford de Filosofia de Simon Blackburn pela Jorge Zahar (1997)
>>> Conjugação dos Verbos Em Português de Maria Aparecida Ryan pela Ática (2012)
>>> Em Busca do Sonho, Vinte Anos de Aventuras da Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Record (2006)
>>> As Cidades do Brasil - Florianópolis de José Geraldo Couto e Caio Vilela pela PubliFolha (2006)
>>> Recursos Pesqueiros Estuarinos e Marinhos do Brasil de Melquíades Pinto Paiva (Coord.) pela Ufc (1997)
>>> La Nausée de Jean-Paul Sartre pela Le Livre de Poche (1966)
>>> A Fishkeeper's Guide to Marine Fishes de Dick Mills pela Salamander (1985)
>>> Nada de Novo no Front de Erich Maria Remarque pela Edibolso (1977)
>>> O Médico e o Monstro de Robert Luis Stevenson pela Bup (1963)
>>> Teoria e Prática em Aquarismo Marinho de W. Naccarato pela Direkta (1983)
>>> Cristo Minha Vida de Clarence J. Enzler pela Paulinas (1974)
>>> Princípios de Filosofia de René Descartes pela Guimarães (1984)
>>> Problemática de Estética e Estética Fenomenológica de Moritz Geiger pela Progresso (1958)
>>> O Papel da Violência na História de Friedrich Engels pela Poveira
>>> Le Nouveau Roman de Jean Ricardou pela Editions du Seuil (1973)
>>> Quints 1, 2, 3, 4, 5 - The Cleanup de Little Golden Book pela A Golden Book (1990)
>>> Winnie the Pooh and the Missing Bullhorn de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Mickey's Christmas Carol de Walt Disney Productions pela A Golden Book (1991)
>>> The Little Mermaid de Walt Disney Pictures pela A Golden Book (1991)
>>> Lady and the Tramp de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Geografia Interativa 8º Ano: A estrutura do Poder: América e África de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> História Interativa: 9º Ano: Integrada de Ubirajara F. Prestes Filho e Edson Xavier pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Geografia Interativa 9º Ano: Recursos Naturais, Europa, Ásia e Oceania de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Ensino Religioso: Conexão Essencial: 8ª Série - 9º Ano de Adolfo S. Suárez e Marcos De Benedicto e Rodrigo P. Silva pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> O caso Oppenheimer de Heimar Kipphardt pela Brasiliense (1966)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução - Edição especial de Carlos Marcelo pela Agir (2009)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução de Carlos Marcelo pela Agir (2013)
>>> A Fera de Macabu (A História e o Romance de Um Condenado à Morte) de Carlos Marchi pela Record (1998)
>>> Foklore fondano de Insegnante Dario Lo Sordo pela Associazione maestri Cattolici
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
COLUNAS

Terça-feira, 23/1/2007
Uma (selvagem?) celebração literária
Jonas Lopes

+ de 6900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Eu li Os detetives selvagens (Companhia das Letras, 2006, 624 págs., tradução de Eduardo Brandão), o calhamaço do chileno Roberto Bolaño, pela primeira vez, no final de outubro do ano passado. A intenção era escrever uma crítica do livro. Gostei dele, sobretudo da primeira e terceira partes, o diário de um jovem poeta mexicano, García Madero. A segunda parte, que compreende mais de 400 páginas do volume, é formada apenas por depoimentos, uma série deles, de dezenas de pessoas. Achei um exagero tantos depoimentos, e me preparei para escrever uma resenha favorável, porém com algumas ressalvas.

Por motivos pessoais, que envolveram uma mudança de cidade, acabei adiando o texto por mais de um mês, e cheguei a resolver que não o escreveria mais. Até que um dia, depois do Natal, vi o livro parado na escrivaninha e resolvi reler alguns trechos. Não fiz uma leitura linear: comecei justamente pela segunda parte, a que havia achado exaustiva, e ainda assim de forma não-linear, escolhendo os depoimentos ao acaso. E Os detetives selvagens foi crescendo, minha avidez aumentando e, por fim, praticamente reli o romance em ordem aleatória.

Todo bom leitor sabe o quanto tem se tornado mais difícil manter uma agenda de leitura razoável. Os lançamentos se acumulam nas lojas, prateleiras e estantes, e a única forma de conseguir assimilar tantos quitutes e matar a vontade e a curiosidade é lendo, lendo, lendo, cada vez mais rápido. O que pode ser prejudicial. Cada livro pede e exige de nós um tempo e um ritmo diferentes. É complicado ler, da mesma forma, Grande Sertão: Veredas e uma novela policial. Isso é ainda mais grave no caso dos resenhistas (e nenhum deles está a salvo), que para acompanhar o ritmo das publicações, precisam ler e escrever sobre aquela obra em um espaço muito curto de tempo. Os textos acabam rasos. O ideal seria que o crítico não apenas tivesse mais tempo, mas que também pudesse voltar ao livro mais tarde. Já foi o tempo em que intelectuais como Otto Maria Carpeaux e Álvaro Lins escreviam grandes e profundos ensaios sobre, por exemplo, Graciliano Ramos, poucos meses depois que um de seus romances foi lançado. Agora, os jornais e revistas cobrem o lançamento e a obra morre ali, no calor do gancho jornalístico, sem chance de ser retomada com mais calma e acuidade. E se eu não tivesse, por um mero acaso, retornado a Os detetives selvagens, teria ficado com uma opinião pior sobre ele. O que seria uma pena.

Roberto Bolaño é um daqueles autores cuja arte imita a vida. Nascido no Chile em 1953, mudou-se durante a adolescência com a família para o México, onde, ainda muito jovem, participou da nova cena de autores mexicanos. Bolaño voltou ao Chile em 1973, e acabou preso pela ditadura de Pinochet. Solto, outra vez foi ao México. Surge nessa época o movimento Infra-Realista, que pretendia quebrar parâmetros literários e romper com as gerações anteriores. Em 1977, muda-se para a Espanha. Apenas na metade da década de 90 Bolaño consegue começar a publicar. Começa então uma avalanche, e em poucos anos coloca nas ruas romances, novelas, coletâneas de contos e poemas. Boa parte de tudo isso abordando as conseqüências do Golpe Militar de Pinochet, caso da novela/monólogo Noturno do Chile (já lançada no Brasil), e as reviravoltas das cenas literárias mexicana e chilena, caso de Os detetives selvagens. Sofrendo de graves problemas hepáticos, o chileno faleceu em 2003, com apenas 50 anos. Seu último trabalho, o gigantesco (mais de mil páginas) 2666, resultou inacabado.

Imprecisões bem-vindas
Poderia ter acontecido em qualquer lugar, inclusive no Brasil: um grupo de poetas, todos jovens e revoltados com os rumos das letras nacionais, juntam-se e formam um grupo (ou, no pior dos casos, "movimento", como os chatos da Geração 90 e quejandos) para tentar trazer uma nova e renovada visão artística e negar a(s) anterior(es). O Infra-Realismo liderado por Bolaño aparece em Os detetives selvagens como realismo visceral, organizado pelos emblemáticos e adorados Ulises Lima e Arturo Belano (alter ego do autor). Entramos em contato com os real-visceralistas mexicanos através do diário de García Madero, de apenas 17 anos. Ali acompanhamos as desventuras que costumam ocorrer com todos os tipos de grupos de jovens intelectuais: drogas, bebedeiras, iniciação sexual, imaturidade e promiscuidade. Não são raros os momentos em que o leitor se pega perguntando: "e a literatura?". Um problema entre os aspirantes a escritores, essa vontade de viver uma vida literária, mais do que realmente escrever. A primeira parte do romance termina quando Madero, junto com Lima e Belano, fogem para o deserto de Sonora, no norte do México, para esconder uma prostituta de seu cafetão e para rastrear os últimos passos de uma obscura poeta que admiram.

A segunda parte, aquela que na primeira leitura me cansou, reúne depoimentos, escritos desde a década de 70 até a de 90, de dezenas de pessoas que conviveram com Ulises Lima e Arturo Belano. Se você pensa que ali teremos uma noção mais exata de quem são os dois poetas, está enganado. As declarações são contraditórias, confusas, às vezes desconexas, outras vezes escritas em derramados fluxos de consciência. Passeamos pelos mais diversos países, de França a Israel, todo tipo de personagem (de velhos poetas a prostitutas e um senhor internado em um sanatório) e situação. E é aqui que o talento de Roberto Bolaño cresce: nas imprecisões sobre a trama, o tal movimento literário e seus protagonistas. Como a própria história mexicana (e latino-americana), tudo é imprecisão. E como a edição brasileira do livro acertadamente aponta na orelha, "o verdadeiro detetive do romance é o leitor", que possui à disposição todos os depoimentos e pode, com eles, construir a sua própria visão acerca de Os detetives selvagens. Seriam Lima e Belano poetas de verdadeiro talento ou apenas traficantes desocupados que se utilizam da literatura para ganhar prestígio? Os real-visceralistas, afinal, tinham algum valor literário ou movimento era, como afirma alguém, "uma carta de amor, um pavonear demente de uma ave idiota ao lugar, algo bastante vulgar e sem importância", em suma, uma brincadeira de moleques tentando ser malditos? A maneira mais adequada (e divertida) de dissecar a obra é lê-la por inteiro de forma linear e depois atravessá-la outra vez, agora misturando as declarações e construindo um sentido próprio. Uma celebração da leitura da maneira como ela nunca deveria ter deixado de ser.

Na terceira e última parte, volta García Madero e seu diário registrando a estadia do grupo de poetas pelo deserto de Sonora. Uma espécie "road book", com gostinho de cinema. Nos trechos de diário fica ainda mais clara a vocação de Bolaño para o humor e o sarcasmo. E Madero, na nebulosidade de ser ou não personagem principal, ser ou não coadjuvante, sintetiza essa qualidade: essa multidão variada de figuras - tanto os escritores quanto os depoentes - se mistura em importância dentro do enredo, e essa polifonia, tudo isso só fortalece o resultado final.

Não deixa de ser curioso e irônico que, para trazer de volta os velhos hábitos de leitura, tenha sido necessário surgir um livro tão moderno e de significados tão abertos e difusos.

Para ir além






Jonas Lopes
São Paulo, 23/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
02. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio
03. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair de Heloisa Pait
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2007
01. O melhor do jazz em 2007 - 25/12/2007
02. Auster no scriptorium - 26/3/2007
03. Uma (selvagem?) celebração literária - 23/1/2007
04. A morte do homem comum - 30/10/2007
05. Banville e o mar purificador da memória - 6/6/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/12/2008
00h14min
Jonas, realmente estamos com sérios problemas pra ler tudo aquilo que queremos. Acredito que é preciso peneirar metodicamente a leitura, porque o tempo é precioso. Lermos tudo o que o desejo intui, e não aquilo que nos parece obrigatório. Bolaño, por exemplo, é um cara cujo nome e a história me fascinam, mas que ainda não li. É preciso desejar fortemente um livro, procurar um sentido, mesmo que não haja nenhum. Abraço.
[Leia outros Comentários de Fernando Miranda]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM CURUPIRA ATRAPALHADO
NEUZA LOZANO PERES
BEST BOOK
(2010)
R$ 22,00



VERSOS DE OUTRO TEMPO ...
J. MÉLO MACEDO
NÃO INFORMADA
(1946)
R$ 150,00



DESENHO DE PAISAGEM URBANA
PAULA DA CRUZ LANDIM
UNESP
(2004)
R$ 18,00



MAZE RUNNER 2 PROVA DE FOGO
JAMES DASHNER
PLATAFORMA 21
(2011)
R$ 43,00
+ frete grátis



CAUSOS RUSSOS (CAUSOS DE HUMOR) - MIKHAÍL M. ZÓCHTCHENKO (LITERATURA RUSSA)
MIKHAÍL M. ZÓCHTCHENKO (TRADUÇÃO: TATIANA BELINKY)
EDIÇÕES PAULINAS
(1988)
R$ 5,00



TEATRO DE GOLDONI (TEATRO ITALIANO)
CARLO GOLDONI
LIVRARIA CIVILIZAÇÃO
(1964)
R$ 30,00



VIAGEM PITORESCA E HISTÓRICA AO BRASIL VOL. 1
JEAN BAPTISTE DEBRET
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 39,90



KEYNOTE INTERMEDIATE STUDENTS BOOK - COM DVD
PAUL DUMMETT E OUTROS
CENGAGE
(2016)
R$ 127,90



ENCICLOPÉDIA DAS ARTES PLÁSTICAS EM TODOS OS TEMPOS - MUNDO ISLÂMICO
ERNST J. GRUBE
ENCYCLOPEDIA BRITÂNICA DO BRASIL LTDA
(1979)
R$ 25,00



A MORTALHA DE ALZIRA - ALUÍZIO AZEVEDO (LITERATURA BRASILEIRA)
ALUÍZIO AZEVEDO
F. BRIGUIET & CIA.
(1940)
R$ 15,00





busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês