O melhor do jazz em 2007 | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Local, Global de Heloisa Buarque de Almeida pela Berlendis & Vertecch (2013)
>>> A Ordem Negra de James Rollins pela Ediouro (2007)
>>> Geometria Analítica Plana de Steinbruch Basso pela Makron Books (1991)
>>> Plano de Negócios de Egoy Walter Wildauer pela Intersaberes (2012)
>>> A Rendeira Borralheira de Socorro Acioli; Alexandre Camanho pela Positivo Livros (2009)
>>> How to Launch a Brazilian Depositary Receipts (bdrs) Program de Vários Autores pela Pwc
>>> Amanhã é outro dia de J.m. Simmel pela Nova Fronteira (1978)
>>> Tempo Bom, Tempo Ruim de Jean Wyllys pela Paralela (2014)
>>> O Fantasma de Canterville de Oscar Wide pela Scpione (2006)
>>> não vi enão gastei - O fenômeno do Prenconceito de Renato da Siva Queiroz pela Moderna (1997)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2016)
>>> Giocondo Dias - a Vida de Revolucionario de João Falçãqo pela Agir (1993)
>>> Passenger to Frankfurt de Agatha Christie pela Harpercollins Uk (2017)
>>> Por Que Sonhei Com Isso? de Evelyn Kay Massaro; Lauri Quinn Lowenberg pela Best Seller (2017)
>>> Born Montoneros - 9 Meses En las Entranãs de Montoneros de María Odonnell pela Sudamericana (2015)
>>> Mesa para Dois de Nora Roberts pela Harlequin Books Br (2007)
>>> Controle o Estresse de Augusto Cury pela Gold
>>> Schwert, Das de Daniel Easterman pela Aufbau Tb (2009)
>>> English in Formation 3rd Edition 8 Teacher Book de Wilson Liberato pela Standfor (2016)
>>> Metade de uma Rosa de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2007)
>>> Alarde Poético de Vários pela Não consta (2006)
>>> Perfume Derramado de Denise Seixas pela Bolabooks (2016)
>>> Evangelho Eterno e Orações Prodigiosas de Osvaldo Polidoro pela Do Autor (2009)
>>> Nao Pergunte Se Ele Estudou de Renato Alves pela Humano (2011)
>>> Habermas e a Dialética de David Igram pela Edunb (1993)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2007

Terça-feira, 25/12/2007
O melhor do jazz em 2007
Jonas Lopes

+ de 9100 Acessos

O que faz um gênero musical perdurar e continuar caminhando para frente? A inovação, sempre. O desafio de dar um passo à frente da tradição e, ao mesmo tempo, manter um dos pés nela, respeitando-a sem emulá-la. É talvez a tarefa mais difícil, principalmente no jazz, um gênero que nunca conseguiu repetir a popularidade atingida em seus primeiros anos. Conforme a sonoridade jazzística evoluiu nas décadas de 50 e 60, ritmos como o rock e o funk foram agregados, irritando muitos puristas que só voltaram a acompanhar os novos artistas quando houve uma onda revisionista no final da década de 80. O mercado se segmentou e quem queria ouvir coisas conservadoras não teria dificuldade de encontrá-las, assim como quem queria saber apenas das novidades.

Faltava ainda um equilíbrio maior entre tradição e modernidade. Surgia algo como o acid jazz e pronto, logo brotavam hits que tocavam incessantemente nas rádios e desapareciam sem deixar rastros (quem lembra do sampler de "Cantaloupe Island", de Herbie Hancock, utilizado pela sumidade dance US3 em um sucesso das pistas?). Veio depois o auge da eletrônica e as batidas de grupos como o St. Germain, artificiais e insossos. Por utilizarem o jazz sem dialogar com o passado, essas ondas tinham poucas chances de durar. Do outro lado, os tradicionalistas, capitaneados por Wynton Marsalis, limitavam-se a macaquear discos clássicos sem colocar no som qualquer característica que acentuasse, afinal, a época em que estava sendo produzido.

Cada vez mais esse equilíbrio tem sido alcançado. Eu já havia escrito uma retrospectiva jazzística elogiosa no ano passado. Pois 2007 foi ainda melhor do que 2006. E não vai dar para evitar uma hipérbole: estamos diante da melhor geração de músicos de jazz dos últimos 40 anos. Um disco como Sky Blue, da maestrina Maria Schneider, seria recebido em 1965 com o mesmo entusiasmo de hoje. Sofisticada e incansável, Schneider deixou para trás a sombra de seu mentor, Gil Evans, para criar algo que é só seu, embora com muito do jazz clássico e apreendendo as lições de Evans. Ela é hoje uma compositora completa, capaz de buscar elementos na música brasileira ("The 'Pretty' Road" remete a Egberto Gismonti) e peruana (a sinuosa "Aires de Lando", cheia de paradas e andamentos que se confundem e um clarinete se entrelaçando com o acordeão), e na do grande compositor e maestro Aaron Copland. Em "Cerulean Skies", de 22 minutos, sua banda "interpreta" sons de pássaros com os saxes e flautas. Fora as nuances eruditas que sua orquestra realça.

O erudito também aparece no sublime Ojos Negros, parceria do acordeonista argentino Dino Saluzzi com a violoncelista alemã Anja Lechner, uma espécie de cruzamento entre Astor Piazzola e Franz Schubert. O eclético pianista Uri Caine incluiu guitarras elétricas e até um DJ nos seus arranjos de Plays Mozart. Caine está acostumado a ser massacrado por suas releituras contemporâneas e livres de Mahler, Wagner e Bach, tidas por alguns como desrespeito para com os gênios. Besteira. Uma ora-prima existe para ser desrespeitada, para que revele facetas até então inexploradas. Só uma composição medíocre não abre espaço para variações.

O saxofonista e clarinetista Ned Rothenberg, em Inner Diaspora, cavoucou o passado da família para fazer de seu disco uma atualização do jazz judaico do Masada de John Zorn (Inner Diaspora, por sinal, saiu pelo selo Tzadik, de Zorn). Rothenberg toca acompanhado de um percussionista, um baixista, um violoncelista e um violinista. Outro que recorreu às cordas foi o inglês John Surman, em The Spaces In Between, parte de suas pesquisas sobre música arcaica saxônica. O guitarrista David Torn, em Prezens, demonstra influências de rock progressivo, em especial da saudosa (e infelizmente esquecida) banda King Crimson, ao mesmo tempo em que se aproveita de beats eletrônicos.

Os registros de Surman, Torn e de Saluzzi/Lechner são frutos do trabalho cada vez mais primoroso da gravadora alemã ECM, a quem teci loas ano passado e nunca deixo de destacar. A ECM, que ganhou um dossiê amplo e reverente na edição de novembro da revista francesa Jazz Magazine e um livro contando a sua história, segue evitando os clichê de que jazz-que-suínga-é-o-único-jazz-que-presta. Em Re: Pasolini, homenagem ao polêmico cineasta, o pianista italiano Stefano Battaglia recria a ambientação dos filmes, livros e da própria biografia de Pasolini para erigir duas horas de composições abstratas, às vezes delicadas, às vezes selvagens. O baixista tcheco Miroslav Vitous avançou ainda mais: sobrepôs gravações de vocais operísticos e de conjuntos de câmara ao som de um grupo simples em Universal Syncopations II. Como resultado do experimento, camadas sonoras percebidas apenas depois de muitas e concentradas audições. Outro baixista "eceêmico", o alemão Eberhard Weber, relembrou seu passado no ao vivo Stages Of a Long Journey, acompanhado por uma grande orquestra e por outros dois dinossauros da gravadora (Jan Garbarek e Gary Burton). O oposto da grandiosidade de uma orquestra é Paul Bley, sozinho ao piano em Solo In Mondsee, composto de dez improvisos líricos. Ou os italianos Enrico Rava e Stefano Bollani (piano) nos duetos de The Third Man, que inclui versões das brasileiras "Retrato em Branco e Preto" (Tom Jobim e Chico Buarque) e "Felipe" (do maestro Moacir Santos).

Mesmo nas gravações mais tradicionalistas da ECM, há sinais de invenção e aventura. O importante trio de Keith Jarrett (piano) com Gary Peacock (baixo) e Jack DeJohnette (bateria), que completa 25 anos em 2008, continua se dedicando aos clássicos do cancioneiro norte-americano. Com reverência, mas sem respeito demais: no ao vivo My Foolish Heart eles entortam clássicos como "Oleo" (de Sonny Rollins), "Straight, No Chaser" (de Thelonious Monk, em um andamento ainda mais fragmentário do que o original) e a faixa-título, tão transformada e bela que quase nos faz esquecer da versão de Bill Evans, o "dono moral" da canção. Para fechar a parte da ECM, duas bandas que já vêm tocando juntas há tanto tempo que parecem funcionar de forma telepática: o trio do baterista Paul Motian, em Time And Time Again, e o quarteto do guitarrista John Abercrombie, em The Third Quartet.

A se comentar ainda, os competentes de sempre do jazz norte-americano. O trompetista Dave Douglas retomou o grupo Keystone para gravar Moonshine, com influência de funk e hip hop e com participação do DJ Logic. O saxofonista Chris Potter lançou dois discos contrastantes: o grooveado e simples Follow the red line e o luxuoso Song for anyone. Wynton Marsalis, vejam só, abriu mão de seu conservadorismo no político e variado From the plantation to the penitentiary, a coisa mais inventiva que grava desde sua ópera-jazz Blood on the fields (que rendeu um Prêmio Pulitzer ao trompetista). E tivemos em 2007 a volta de dois veteranos das teclas. McCoy Tyner, do famoso quarteto de John Coltrane, reuniu três feras (Joe Lovano, Jeff "Tain" Watts e Christian McBride) para reverenciar o som do velho patrão em Quartet. Já Herbie Hancock, do segundo quarteto de Miles Davis, homenageou Joni Mitchell em River - The Joni Letters. Na banda, o saxofonista Wayne Shorter e o baixista Dave Holland. E entre as participações vocais, Norah Jones, Tina Turner, Luciana Souza, Leonard Cohen e a própria Joni. Não é um disco perfeito, mas desfaz a vergonha do projeto anterior de Hancock, Possibilities, de duetos com estrelas do pop aguado (Sting, Santana, Christina Aguilera).

Algumas dessas estrelas estiveram no Brasil - e outros também. Maria Schneider regeu músicos de Ouro Preto no festival Tudo é Jazz. A casa de shows Bourbon Street, em São Paulo, trouxe uma penca de gente boa: Dave Douglas, Joshua Redman, Ravi Coltrane (filho do homem), Stefano Bollani. No Tim Festival, além de Joe Lovano e do veterano vibrafonista Bobby Hutcherson, pudemos assistir à lenda do free jazz Cecil Taylor, que esmurrou suas teclas por quarenta minutos. Os paulistanos ainda tiveram a sorte de ver, em uma terça-feira gelada e no começo da tarde, o trio Bad Plus tocar no pequeno e aconchegante teatro do Centro Cultural Banco do Brasil. Para 2008, o Tim promete Sonny Rollins, sonho da organização há anos.


Jonas Lopes
São Paulo, 25/12/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A primeira batalha do resto da guerra de Rafael Azevedo


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2007
01. O melhor do jazz em 2007 - 25/12/2007
02. Auster no scriptorium - 26/3/2007
03. Uma (selvagem?) celebração literária - 23/1/2007
04. A morte do homem comum - 30/10/2007
05. Banville e o mar purificador da memória - 6/6/2007


Mais Especial Melhores de 2007
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Esboços de Sermões
Luis Roberto Silvado
A. D Santos
(2012)



Outras do Analista de Bagé
Luis Fernando Veríssimo
L pm
(2022)



Boas Maneiras e Sucesso nos Negócios
Celia Ribeiro
L&pm
(1993)



O Perito
Robert Finn
Publicações Europa-américa
(2009)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 155
Pini
Pini



O Estudante
Adelaide Carraro
Global
(2001)



Comunicacao Modernizacao e Difusao de Inovacoes no Brasil
Jose Marques de Melo
Vozes
(1978)



Inteligência - Perspectivas Teóricas
Leandro S. Almeida, Aristides Ferreira
Almedina
(2009)



Wireless Java With J2me - Sams Teach Yourself - in 21 Days.
Michael Morrison
Sams



Historias da Vo Cotinha Vivencias e Virtudes
Lucia Nobrega
Rideel
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês