O melhor do jazz em 2007 | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
58438 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Manual prático do ódio
>>> Isn’t it a bliss, don’t you approve
>>> Roberto Carlos:Detalhes em PDF
>>> Olhos de raio x
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Fred Trajano sobre Revolução Digital na Verde Week
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> 7 de Setembro
>>> Fazendo as Pazes com o Swing
Mais Recentes
>>> Superdicas Para Escrever Bem Diferentes Tipos de Texto de Edna M. Barian Perrotti pela Saraiva (2006)
>>> Técnica da Redação Comercial de Helena Montezuma pela Tecno Print (1963)
>>> Todo o Mundo Tem Dúvida, Inclusive Você de Édison de Oliveira pela L&PM Pocket (2012)
>>> Manual de Estilo Editora Abril de Vários Autores pela Nova Fronteira (1990)
>>> Soltando a Língua 1 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Guia Prático de Redação de Massaud Moisés pela Cultrix (1967)
>>> Estudo Sintético e Racional da Arte e da Técnica de Escrever de Dr. Paulo Acioly pela Exame
>>> Comunique-se Melhor e Desenvolva Sua Memória de Jorge Luiz Brand pela Pe. Berthier (1996)
>>> Os Pecados da Língua – Pequeno Repertório de Grandes Erros de Linguagem de Paulo Flávio Ledur & Paulo Sampaio (Sampaulo) pela Age (1993)
>>> Independence Day - O ressurgimento de Alex irvine pela Nemo (2016)
>>> Técnica de Redação – O Texto nos Meios de Informação de Muniz Sodré e Maria Helena Ferrari pela Francisco Alves (1977)
>>> Óculos, aparelho e Rock ' N ' Roll de Meg Haston pela Intrínseca (2012)
>>> O doador de memórias de Lois Lowry pela Arqueiro (2014)
>>> Dez leis para ser feliz de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> #Manual da Fossa de Mica Rocha pela Benvirá (2020)
>>> Como Parar O Tempo de Matt Haig pela Harper Collins (2017)
>>> O guia dos curiosos: língua portuguesa de Marcelo Duarte pela Panda Books (2010)
>>> Mentes Geniais: Aumente em 300% a Capacidade do Seu Cérebro de Alberto Dell Isola pela Universo dos Livros (2013)
>>> O Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intríseca (2009)
>>> Tipo Destino: E se sua alma gêmea fosse o namorado de sua melhor amiga? de Susane Colasanti pela Novo Conceito (2013)
>>> Seu Cachorro É O Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
>>> Os Contos dos Blythes Vol 2 de Lucy Maud Montgomery pela Ciranda Cultural (2020)
>>> O Assassinato de Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Globolivros (2014)
>>> Cidade dos Ossos de Cassandra Clare pela Galera (2014)
>>> A Casa de Hades de Rick Riordan pela Intríseca (2013)
>>> Amores impossíveis e outras perturbações quânticas de Lucas Silveira pela Dublinense (2016)
>>> A Marca de Atena de Rick Riordan pela Intríseca (2013)
>>> Will e Will, Um nome, Um Destino de John Green, David Levithan pela Galera (2014)
>>> O Azarão de Markus Zusak pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Capitão América: A Ameaça Vermelha de Steve Epting, Mike Perkins, Ed Brubaker pela Panini (2005)
>>> O Fio do Destino de Zibia M. Gasparertto pela Vida e Consciência (1500)
>>> O Fantasma da Ópera de Gaston Leroux pela Principis (2020)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Lafonte (1500)
>>> Coleção folha tributo a Tom Jobim nº8 Tide de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Rostos Do Protestantismo de José Míguez Bonino pela Sinodal/Est (2020)
>>> Coleção folha grandes vozes Fred Astaire nº4 de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Sherlock Holmes – O Vampiro de Sussex e Outras Histórias de Sir Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (2003)
>>> As pernas de Úrsula e outras possibilidades de Claudia Tajes pela L&PM (2001)
>>> Comer, rezar, amar de Elizabeth Gilbert pela Objetiva (2008)
>>> A vitória final de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2008)
>>> Apoliom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> O glorioso aparecimento de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Armagedom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Assassinos de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Nicolae de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O possuído de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Profanação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O remanescente de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> A marca de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Comando Tribulação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2009)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2007

Terça-feira, 25/12/2007
O melhor do jazz em 2007
Jonas Lopes

+ de 8400 Acessos

O que faz um gênero musical perdurar e continuar caminhando para frente? A inovação, sempre. O desafio de dar um passo à frente da tradição e, ao mesmo tempo, manter um dos pés nela, respeitando-a sem emulá-la. É talvez a tarefa mais difícil, principalmente no jazz, um gênero que nunca conseguiu repetir a popularidade atingida em seus primeiros anos. Conforme a sonoridade jazzística evoluiu nas décadas de 50 e 60, ritmos como o rock e o funk foram agregados, irritando muitos puristas que só voltaram a acompanhar os novos artistas quando houve uma onda revisionista no final da década de 80. O mercado se segmentou e quem queria ouvir coisas conservadoras não teria dificuldade de encontrá-las, assim como quem queria saber apenas das novidades.

Faltava ainda um equilíbrio maior entre tradição e modernidade. Surgia algo como o acid jazz e pronto, logo brotavam hits que tocavam incessantemente nas rádios e desapareciam sem deixar rastros (quem lembra do sampler de "Cantaloupe Island", de Herbie Hancock, utilizado pela sumidade dance US3 em um sucesso das pistas?). Veio depois o auge da eletrônica e as batidas de grupos como o St. Germain, artificiais e insossos. Por utilizarem o jazz sem dialogar com o passado, essas ondas tinham poucas chances de durar. Do outro lado, os tradicionalistas, capitaneados por Wynton Marsalis, limitavam-se a macaquear discos clássicos sem colocar no som qualquer característica que acentuasse, afinal, a época em que estava sendo produzido.

Cada vez mais esse equilíbrio tem sido alcançado. Eu já havia escrito uma retrospectiva jazzística elogiosa no ano passado. Pois 2007 foi ainda melhor do que 2006. E não vai dar para evitar uma hipérbole: estamos diante da melhor geração de músicos de jazz dos últimos 40 anos. Um disco como Sky Blue, da maestrina Maria Schneider, seria recebido em 1965 com o mesmo entusiasmo de hoje. Sofisticada e incansável, Schneider deixou para trás a sombra de seu mentor, Gil Evans, para criar algo que é só seu, embora com muito do jazz clássico e apreendendo as lições de Evans. Ela é hoje uma compositora completa, capaz de buscar elementos na música brasileira ("The 'Pretty' Road" remete a Egberto Gismonti) e peruana (a sinuosa "Aires de Lando", cheia de paradas e andamentos que se confundem e um clarinete se entrelaçando com o acordeão), e na do grande compositor e maestro Aaron Copland. Em "Cerulean Skies", de 22 minutos, sua banda "interpreta" sons de pássaros com os saxes e flautas. Fora as nuances eruditas que sua orquestra realça.

O erudito também aparece no sublime Ojos Negros, parceria do acordeonista argentino Dino Saluzzi com a violoncelista alemã Anja Lechner, uma espécie de cruzamento entre Astor Piazzola e Franz Schubert. O eclético pianista Uri Caine incluiu guitarras elétricas e até um DJ nos seus arranjos de Plays Mozart. Caine está acostumado a ser massacrado por suas releituras contemporâneas e livres de Mahler, Wagner e Bach, tidas por alguns como desrespeito para com os gênios. Besteira. Uma ora-prima existe para ser desrespeitada, para que revele facetas até então inexploradas. Só uma composição medíocre não abre espaço para variações.

O saxofonista e clarinetista Ned Rothenberg, em Inner Diaspora, cavoucou o passado da família para fazer de seu disco uma atualização do jazz judaico do Masada de John Zorn (Inner Diaspora, por sinal, saiu pelo selo Tzadik, de Zorn). Rothenberg toca acompanhado de um percussionista, um baixista, um violoncelista e um violinista. Outro que recorreu às cordas foi o inglês John Surman, em The Spaces In Between, parte de suas pesquisas sobre música arcaica saxônica. O guitarrista David Torn, em Prezens, demonstra influências de rock progressivo, em especial da saudosa (e infelizmente esquecida) banda King Crimson, ao mesmo tempo em que se aproveita de beats eletrônicos.

Os registros de Surman, Torn e de Saluzzi/Lechner são frutos do trabalho cada vez mais primoroso da gravadora alemã ECM, a quem teci loas ano passado e nunca deixo de destacar. A ECM, que ganhou um dossiê amplo e reverente na edição de novembro da revista francesa Jazz Magazine e um livro contando a sua história, segue evitando os clichê de que jazz-que-suínga-é-o-único-jazz-que-presta. Em Re: Pasolini, homenagem ao polêmico cineasta, o pianista italiano Stefano Battaglia recria a ambientação dos filmes, livros e da própria biografia de Pasolini para erigir duas horas de composições abstratas, às vezes delicadas, às vezes selvagens. O baixista tcheco Miroslav Vitous avançou ainda mais: sobrepôs gravações de vocais operísticos e de conjuntos de câmara ao som de um grupo simples em Universal Syncopations II. Como resultado do experimento, camadas sonoras percebidas apenas depois de muitas e concentradas audições. Outro baixista "eceêmico", o alemão Eberhard Weber, relembrou seu passado no ao vivo Stages Of a Long Journey, acompanhado por uma grande orquestra e por outros dois dinossauros da gravadora (Jan Garbarek e Gary Burton). O oposto da grandiosidade de uma orquestra é Paul Bley, sozinho ao piano em Solo In Mondsee, composto de dez improvisos líricos. Ou os italianos Enrico Rava e Stefano Bollani (piano) nos duetos de The Third Man, que inclui versões das brasileiras "Retrato em Branco e Preto" (Tom Jobim e Chico Buarque) e "Felipe" (do maestro Moacir Santos).

Mesmo nas gravações mais tradicionalistas da ECM, há sinais de invenção e aventura. O importante trio de Keith Jarrett (piano) com Gary Peacock (baixo) e Jack DeJohnette (bateria), que completa 25 anos em 2008, continua se dedicando aos clássicos do cancioneiro norte-americano. Com reverência, mas sem respeito demais: no ao vivo My Foolish Heart eles entortam clássicos como "Oleo" (de Sonny Rollins), "Straight, No Chaser" (de Thelonious Monk, em um andamento ainda mais fragmentário do que o original) e a faixa-título, tão transformada e bela que quase nos faz esquecer da versão de Bill Evans, o "dono moral" da canção. Para fechar a parte da ECM, duas bandas que já vêm tocando juntas há tanto tempo que parecem funcionar de forma telepática: o trio do baterista Paul Motian, em Time And Time Again, e o quarteto do guitarrista John Abercrombie, em The Third Quartet.

A se comentar ainda, os competentes de sempre do jazz norte-americano. O trompetista Dave Douglas retomou o grupo Keystone para gravar Moonshine, com influência de funk e hip hop e com participação do DJ Logic. O saxofonista Chris Potter lançou dois discos contrastantes: o grooveado e simples Follow the red line e o luxuoso Song for anyone. Wynton Marsalis, vejam só, abriu mão de seu conservadorismo no político e variado From the plantation to the penitentiary, a coisa mais inventiva que grava desde sua ópera-jazz Blood on the fields (que rendeu um Prêmio Pulitzer ao trompetista). E tivemos em 2007 a volta de dois veteranos das teclas. McCoy Tyner, do famoso quarteto de John Coltrane, reuniu três feras (Joe Lovano, Jeff "Tain" Watts e Christian McBride) para reverenciar o som do velho patrão em Quartet. Já Herbie Hancock, do segundo quarteto de Miles Davis, homenageou Joni Mitchell em River - The Joni Letters. Na banda, o saxofonista Wayne Shorter e o baixista Dave Holland. E entre as participações vocais, Norah Jones, Tina Turner, Luciana Souza, Leonard Cohen e a própria Joni. Não é um disco perfeito, mas desfaz a vergonha do projeto anterior de Hancock, Possibilities, de duetos com estrelas do pop aguado (Sting, Santana, Christina Aguilera).

Algumas dessas estrelas estiveram no Brasil - e outros também. Maria Schneider regeu músicos de Ouro Preto no festival Tudo é Jazz. A casa de shows Bourbon Street, em São Paulo, trouxe uma penca de gente boa: Dave Douglas, Joshua Redman, Ravi Coltrane (filho do homem), Stefano Bollani. No Tim Festival, além de Joe Lovano e do veterano vibrafonista Bobby Hutcherson, pudemos assistir à lenda do free jazz Cecil Taylor, que esmurrou suas teclas por quarenta minutos. Os paulistanos ainda tiveram a sorte de ver, em uma terça-feira gelada e no começo da tarde, o trio Bad Plus tocar no pequeno e aconchegante teatro do Centro Cultural Banco do Brasil. Para 2008, o Tim promete Sonny Rollins, sonho da organização há anos.


Jonas Lopes
São Paulo, 25/12/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Estudo de uma tensão de Celso A. Uequed Pitol
02. Coisas que eu queria saber fazer de Ana Elisa Ribeiro
03. Outono antecipado de seus anos de Maurício Dias
04. Dez pessoas para se seguir de Jardel Dias Cavalcanti
05. Depois do sexo... de Débora Costa e Silva


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2007
01. O melhor do jazz em 2007 - 25/12/2007
02. Auster no scriptorium - 26/3/2007
03. Uma (selvagem?) celebração literária - 23/1/2007
04. A morte do homem comum - 30/10/2007
05. Banville e o mar purificador da memória - 6/6/2007


Mais Especial Melhores de 2007
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A TEORIA DE TUDO: A EXTRAORDINÁRIA HISTÓRIA DE JANE E STEPHEN HAWKING - O LIVRO QUE INSPIROU O FILME!: A ESXTRAORDINÁRIA HISTÓRIA DE JANE E STEPHEN HAWKING - O LIVRO QUE INSPIROU O FILME!
JANE HAWKING
ÚNICA
(2014)
R$ 22,89



CALVIN E HAROLDO - O LIVRO DO DECIMO ANIVERSARIO
BILL WATTERSON; ALEXANDRE BOIDE
CONRAD
(2013)
R$ 14,90



SEGUINDO JUNTOS
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
GEEM
(1982)
R$ 5,00



ALTERNATIVAS DA EDUCAÇÃO
ESTHER DE FIGUEIREDO FERRAZ
LIVRARIA JOSÉ OLYMPIO
(1976)
R$ 12,03



GO GIRL! UMA NOVA BRINCADEIRA
THALIA KALKIPSAKIS
FUNDAMENTO
(2007)
R$ 11,90



CULTURAS INFANTIS E DESIGUALDADES SOCIAIS
DEISE ARENHART
VOZES
(2016)
R$ 40,95



COMO SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ
HENRIQUE RODRIGUES
RECORD
(2010)
R$ 9,80



DIREITO COMERCIAL
WALDIRIO BULGARELLI
ATLAS
(1980)
R$ 10,00



THE CHEMISTRY OF ORGANIC MEDICINAL PRODUCTS
GLENN L. JENKINS WALTER H. HARTUNG
JOHN WILLEY
(1943)
R$ 34,50



TRAPAÇA
JAMES SIEGEL
RECORD
(2011)
R$ 18,00





busca | avançada
58438 visitas/dia
2,1 milhões/mês