A morte do homem comum | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Boates
>>> A alegria de não ensaiar
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> The flow state
>>> O batom
>>> Como num filme
>>> Only time will tell
>>> Política - da filosofia à neurociência.
>>> Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não
Mais Recentes
>>> O Cortiço de Aluísio De Azevedo pela Ciranda Cultural (2010)
>>> Cinquenta Tons do Sr. Darcy - uma Paródia de Emma Thomas pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Esquecer para Lembrar: Boitempo III de Carlos Drummond Andrade pela José Olympio
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards; Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> Monster High 4: Mais Mortos do Que Nunca! de Lisi Harrison pela Moderna (2012)
>>> E-mail Que Funciona! de Fernando Andrade pela Nobel (2006)
>>> Inside Girl, V. 4 - Nem Tudo Que Reluz e Ouro de J. Minter; Noely Russo pela Id (2013)
>>> Matemática Financeira Aplicada de Nelson Pereira Castanheira pela Intersaberes (2010)
>>> Não Entendo Muito de Vinho, Mas Sei do Que Gosto de Simon Woods pela Sextante (2007)
>>> A Relíquia Apresentaçao e Notas Fernando Marcilio L Couto de Eça de Queirós pela Atelie (2001)
>>> A Espada Selvagem de Conan a Coleção - a Torre do Elefante 8 de Roy Thomas / John Buscema pela Panini Comics (2019)
>>> Iwoz de Steve Wosniak; Gina Smith pela Évora (2011)
>>> Sinopse Tributaria de Mattos Filho pela Mattos Filho
>>> Competências Coletivas no Limiar da Estratégia de Christian Defelix; Thierry Picq; Didier Retour pela Bookman (2011)
>>> Pretty Little Liars - Impiedosas de Sara Shepard pela Rocco (2012)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Atica (2004)
>>> Livro Aberto de Sylvia Orthof pela Atual Didáticos (2006)
>>> Inocência Ordinária de Emmanuelle pela Futurama (2017)
>>> É Preciso Lutar ! de Marcia Kupstas pela Ftd
>>> Arte Em Deslocamento Transitos Geopoeticos de Priscila Arantes pela Paço das Artes (2015)
>>> O Livro de Informática do Menino Maluquinho-livro de Ziraldo Alves Pinto pela Melhoramentos (2009)
>>> Plano Diretor do Mercado de Capitais Parceria Público-privada de Suces de Ney Carvalho pela Publit
>>> O Poder Interior de Lauro Trevisan pela Da Mente (1982)
>>> Daqui de Lilian Aquino pela Patuá (2017)
>>> Para Sempre Sua de Sylvia Day; Alexandre Boide pela Paralela (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 30/10/2007
A morte do homem comum
Jonas Lopes

+ de 7000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Em um famoso e pungente poema, intitulado simplesmente "Morte", o poeta irlandês William Butler Yeats nos ofereceu uma visão interessante e inusitada sobre a "indesejada das gentes" e sua relação com o ser humano. Segundo Yeats, nós, animais moribundos, esperamos pelo fim o tempo inteiro. O homem, diz ele, conhece a morte até os ossos. Afinal, foi ele quem a criou. Philip Roth com certeza leu esse poema com apuro especial, tanto que um dos versos dá nome a um livro recente seu (The dying animal). E sua novela Homem Comum (Companhia das Letras, 2007, 136 págs.), que acaba de sair no Brasil (lá fora já há outra obra sendo lançada, Exit Ghost, despedida do principal alter ego do escritor, Nathan Zuckerman), aprofunda uma visão de morte que aproxima Roth de Yeats. Trata-se de um trabalho doloroso, quase confessional, que, como sempre na carreira de um dos maiores autores vivos, suscitará diversas discussões sobre o que é ficção e o que é real na história.

Em entrevistas recentes, Roth tem falado bastante sobre o seu medo de morte. "É impensável. Inacreditável. Impossível", afirmou em uma delas. "Foi apenas quando um bom amigo meu morreu que senti a morte como algo totalmente devastador. Ele era meu contemporâneo. Isso não consta do acordo que assinei - não vi isso na página do contrato". Esse pavor do fim que, dia-a-dia, mostra um pouco mais o seu rosto - na deterioração física, sexual e espiritual, na solidão que se acentua, na esplendorosa juventude que se observa passar, radiante, diante dos olhos na rua -, permeia Homem Comum, da mesma forma que vinha dominando os trabalhos anteriores de Roth, em especial O Teatro de Sabbath, A marca humana e O animal agonizante. O título original, Everyman, refere-se a uma peça medieval inglesa, cristã e alegórica, em que os vivos são convocados para a morte em um cemitério. Fãs de literatura não vão demorar a fazer uma relação com a imortal novela de Liev Tolstói, A morte de Ivan Ilitch, cuja grandeza advém de território semelhante.

Homem Comum, por sinal, começa da mesma forma que Ivan Ilitch: com um enterro, partindo daí para a recapitulação de toda a trajetória do nosso herói falecido. No livro de Roth o protagonista não possui um nome, o que desde o título, sintomático, faz pensar que poderia se tratar de qualquer um de nós. E poderia mesmo. Trata-se de um personagem típico do bardo de Newark. Autocentrado, egoísta, repleto de desejo erótico (atuando como exorcismo do tédio cotidiano) e um tanto inconseqüente, ele abandona a primeira esposa e dois filhos para se casar com a amante. Vários anos depois, e uma filha que o adora no currículo, também deixa a segunda esposa por uma aventura com uma modelo dinamarquesa de metade da sua idade. Divorcia-se dela também. Passa a sua velhice sozinho, dividindo-se entre um asilo de idoso, a companhia da filha, o desprezo dos filhos e uma casa na praia, onde pinta e dá vazão a seu amor pelo mar. Mas ao contrário de outros personagens de Roth, há na vida dessa figura alguns elementos de tranqüilidade que não apareciam nos outros. Sua relação com os pais e o irmão é fácil. Sua carreira na publicidade não teve percalços. Apesar de suas escapadelas conjugais, ele é relativamente comportado se comparado a um Alexander Portnoy, um Nathan Zuckerman (chamado de obsceno pela própria família) ou um Mickey Sabbath. Considera-se "convencional e desprovido de espírito de aventura".

O grande fantasma do personagem é a morte, que ele vislumbra de tempos em tempos desde a infância. A verdade é que a sua saúde não é mais problemática do que o normal. Até a meia idade sofre algumas internações bem esparsas. E ao chegar à velhice, aí sim, começa a ter problemas com mais freqüência - o que não é algo tão fora do comum. Incomum é a sua relação com a morte. Ele e a vê até no céu e no mar, em passeios pela praia em plena juventude: "A abundância de estrelas lhe dizia de modo inequívoco que ele estava fadado a morrer". Ele não encontra, como alguns, consolo na fé e na religião. Pelo contrário, "a única coisa que havia era o corpo, nascido para viver e morrer conforme o que fora estabelecido pelos corpos que viveram e morreram antes". Vivia apenas para desejar que o inevitável fim viesse "um minuto antes que o estritamente necessário".

É aqui que Homem Comum se aproxima do poema de Yeats. Para Roth, a morte é muito mais do que uma questão de decadência física. É um estado de espírito, quase metafísico, que independe de idade, condição de saúde, como se transcendesse esses e outros fatores. Através do temor que sente pela única certeza que possuímos desde que nasce, o homem cria a morte. Não o fato de o corpo fenecer e virar pó, mas a realidade de que não mais existiremos onde antes ocupávamos espaço. "Para quem provou a vida, a morte não parece nem sequer natural", reflete o personagem. Mais do que morrerem, as pessoas a seu redor estão acabando, e essa é a idéia que o aterroriza mais. Ele vê e inveja o irmão cheio de vigor e saúde, praticando esportes e viajando de férias como se ainda tivesse vinte anos. O que não consegue perceber é que o que mantém o irmão rejuvenescido é seu espírito jovem, pois, em um momento de fraqueza, como qualquer velho, o irmão pode ceder e decair. Em uma das cenas mais emblemáticas da novela, o homem comum pede a um coveiro que explique o seu trabalho com minúcia. O cuidado com que o trabalhador executa seu serviço o comove, por acreditar que do outro lado ele pode, enfim, ser objeto de carinho de alguém. Como se não acabasse de todo. "Fugir da morte se tornara a ocupação principal de sua vida, e toda a sua história se resumia ao processo de decadência do corpo". Não vemos, entretanto, uma redenção como a que Tolstoi oferece a Ivan Ilitch. A morte era exatamente o que o que ele sempre temeu: inexorável, sem atenuantes ou heroísmos tolos.

Homem Comum é mais um exemplo do rumo absurdo que a carreira de Philip Roth tomou desde o início da década de 90. De 1991 para cá, ele não lançou nada menos que sensacional - entre algumas obras-primas (Patrimônio, Operação Shylock, O Teatro de Sabbath, Pastoral Americana, A marca humana) e livros no mínimo essenciais (Casei com um comunista, O animal agonizante, Complô contra a América). Não à toa, foi um período em que o autor passou por diversos problemas pessoais: a traumática separação da atriz Claire Bloom, a grave depressão que gerou O Teatro de Sabbath, as terríveis dores nas costas, o já comentado medo de morrer. Assim como os grandes artistas, de Beethoven a Rembrandt, o quanto mais se afronta com o homem que foi e com o homem que não mais será em pouco tempo, mais aterradora se torna a sua arte. Que Roth continue assombrado pelos fantasmas e demônios da velhice e da sua mortalidade. Pelo nosso bem.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente no Último Segundo.

Para ir além






Jonas Lopes
São Paulo, 30/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis de Jardel Dias Cavalcanti
02. Das construções todas do sentir de Elisa Andrade Buzzo
03. Poética e política no Pântano de Dolhnikoff de Jardel Dias Cavalcanti
04. Ler, investir, gestar de Ana Elisa Ribeiro
05. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2007
01. O melhor do jazz em 2007 - 25/12/2007
02. Auster no scriptorium - 26/3/2007
03. Uma (selvagem?) celebração literária - 23/1/2007
04. A morte do homem comum - 30/10/2007
05. Banville e o mar purificador da memória - 6/6/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/10/2007
20h51min
Jonas, o texto da Nadine Gordimer sobre o Everyman cita o mesmo poema de Yeats que o seu. Rolou uma influência?
[Leia outros Comentários de José]
2/11/2007
01h37min
Olá, José. "Morte" é um dos meus poemas favoritos. Eu havia lido o texto da Gordimer apenas na tradução da EntreLivros, que cortou o trechinho em que ela cita o Yeats. Mas mesmo assim, nós dois abordamos coisas bem diferentes nos textos. Ela fala sobre sobre a relação entre sexo e velhice, e eu sobre como o homem cria a idéia da morte e se afoga nela. E o Yeats ocupa uma posição até ínfima na crítica da Nadine, enquanto na minha a tese do texto está centrada nele. O texto dela, aliás, está muito bom. Abraços!
[Leia outros Comentários de Jonas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Teorema Katherine
John Green
Intrínseca
(2013)



Histórias sem Data - Confira!
Machado de Assis
Civilização Brasileira
(1975)



Santa Catarina - Patrimônio Histórico
Rosange Sena N21698
Secco
(2010)



Como É Ruim Ser Diferente!
Giselda Laporta Nicolelis
Quinteto
(2005)



Heróis - Coleção Mitologia
Ivan Rendall
Abril
(1995)



Os Presidentes
Rodrigo Vizeu
Harper Collins Br
(2019)



As Sandálias do Pescador - Supersellers
Morris West
Altaya/Record
(1974)
+ frete grátis



Do Povo para o Povo
Roger Osborne
Bertrand Brasil
(2013)



A prova
Agota Kristof
Rocco
(1989)



Conecte Biologia - Caderno de Competência
Sônia Lopes Sergio Rosso
Saraiva Didatico
(2014)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês