A morte do homem comum | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
Mais Recentes
>>> Almanaque Ilustrado Símbolos de Mark O'Connell & Raje Airey pela Escala (2017)
>>> Francisco Valdomiro Lorenz - Uma Obra com Vida de Waldomiro Lorenz pela Parma (2000)
>>> O Retorno à Origem de Lex Hixon pela Cultrix (1992)
>>> Episódio da Vida de Tibério de Wera Krijanowsky pela Lake (1999)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2011)
>>> Férias Pagãs - Na Trilha dos Antigos Turistas Romanos de Tony Perrottet pela Rocco (2006)
>>> A Luz que Cura Oração Pelos Doentes de Agnes Sanford pela Loyola (1985)
>>> Doze Passos Para os Cristãos Jornada Espiritual Com Amor-Exigente de Pe Haroldo J Rahm pela Loyola (2000)
>>> A Águia e a Galinha de Leonardo Boff pela Vozes (1997)
>>> Ele andou entre nós Evidências do Jesus Histórico de Josh Mcdowell pela Candeia (1998)
>>> Contabilidade de Custos de Osni Moura Ribeiro pela Saraiva (2013)
>>> Cachaça artesanal. Do alambique à mesa de Atenéia Feijó & Engels Maciel pela Senac Nacional (2001)
>>> Pirâmides E Soberanos Do Egito de Sérgio Pereira Couto pela Escala (2015)
>>> O Velho Monge do Castelo de Lauro Trevisan pela Mente (2010)
>>> Dinâmica do Desejo de Frei Carmelo Surian pela Vozes (1982)
>>> Testemunho Sem Medo Como Partilhar sua Fé com Segurança de Bill Bright pela Candeia (1988)
>>> Cachaça. The Authentic Brazilian Drink de Diversos Autores pela Abrabe (2010)
>>> Natal a Humanidade e a Jovialidade de Nosso Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Blitzkrieg 1940 de Ward Rutherford pela Bison (1985)
>>> Cantores do Rádio. A trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo de Alcir Lenharo pela Unicamp (1995)
>>> Titeres y marionetas en alemania de Hans R. Purshke pela Neue Darmstädter Verlagsanstalt Darmstadt (1957)
>>> Aritmética da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias Diversas de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Emilia no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias de tia Nastácia de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Picapau amarelo de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Só o Amor é Real de Brian Weiss pela Sextante (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ciranda Cultural (2017)
>>> O clamor do Mundo de Oswaldo Smith pela Vida (2009)
>>> DVD Coleção Mazzaropi Tristeza do Jeca vol. 3 de Direção, Amácio Mazzaropi / Milton Amaral pela Pam filmes (1961)
>>> A Cinco Passos de Você de Rachael Lippincott pela Alt (2019)
>>> O Poço do Visconde de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Memórias da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> História do Mundo para Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Dom Quixote das Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> As Aventuras de Hans Staden de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> A chave do Tamanho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> viagem ao Céu de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Serões de dona Benta de Monteiro Lobato pela Ciranda cultural (2019)
>>> Go Down Together The true Untold story of Bonnie and Clyde de Jeff Guinn pela Simon & Schuster (2009)
>>> Fbi--43--o grande golpe--105--41--67 de Monterrey pela Monterrey
>>> Hh--epopeias de guerra--375--furia e odio--6--160--146--153--158-- 23--141 de Peter kapra pela Monterrey
>>> Rpg--29--anjos e demonios--58--temporada de caça. de Trama pela Trama
>>> Egw--100--call of duty--black ops de Tambor pela Tambor
>>> A Saga dos Cristãos Novos de Joseph Eskenazi Pernidji pela Imago (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 30/10/2007
A morte do homem comum
Jonas Lopes

+ de 6600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Em um famoso e pungente poema, intitulado simplesmente "Morte", o poeta irlandês William Butler Yeats nos ofereceu uma visão interessante e inusitada sobre a "indesejada das gentes" e sua relação com o ser humano. Segundo Yeats, nós, animais moribundos, esperamos pelo fim o tempo inteiro. O homem, diz ele, conhece a morte até os ossos. Afinal, foi ele quem a criou. Philip Roth com certeza leu esse poema com apuro especial, tanto que um dos versos dá nome a um livro recente seu (The dying animal). E sua novela Homem Comum (Companhia das Letras, 2007, 136 págs.), que acaba de sair no Brasil (lá fora já há outra obra sendo lançada, Exit Ghost, despedida do principal alter ego do escritor, Nathan Zuckerman), aprofunda uma visão de morte que aproxima Roth de Yeats. Trata-se de um trabalho doloroso, quase confessional, que, como sempre na carreira de um dos maiores autores vivos, suscitará diversas discussões sobre o que é ficção e o que é real na história.

Em entrevistas recentes, Roth tem falado bastante sobre o seu medo de morte. "É impensável. Inacreditável. Impossível", afirmou em uma delas. "Foi apenas quando um bom amigo meu morreu que senti a morte como algo totalmente devastador. Ele era meu contemporâneo. Isso não consta do acordo que assinei - não vi isso na página do contrato". Esse pavor do fim que, dia-a-dia, mostra um pouco mais o seu rosto - na deterioração física, sexual e espiritual, na solidão que se acentua, na esplendorosa juventude que se observa passar, radiante, diante dos olhos na rua -, permeia Homem Comum, da mesma forma que vinha dominando os trabalhos anteriores de Roth, em especial O Teatro de Sabbath, A marca humana e O animal agonizante. O título original, Everyman, refere-se a uma peça medieval inglesa, cristã e alegórica, em que os vivos são convocados para a morte em um cemitério. Fãs de literatura não vão demorar a fazer uma relação com a imortal novela de Liev Tolstói, A morte de Ivan Ilitch, cuja grandeza advém de território semelhante.

Homem Comum, por sinal, começa da mesma forma que Ivan Ilitch: com um enterro, partindo daí para a recapitulação de toda a trajetória do nosso herói falecido. No livro de Roth o protagonista não possui um nome, o que desde o título, sintomático, faz pensar que poderia se tratar de qualquer um de nós. E poderia mesmo. Trata-se de um personagem típico do bardo de Newark. Autocentrado, egoísta, repleto de desejo erótico (atuando como exorcismo do tédio cotidiano) e um tanto inconseqüente, ele abandona a primeira esposa e dois filhos para se casar com a amante. Vários anos depois, e uma filha que o adora no currículo, também deixa a segunda esposa por uma aventura com uma modelo dinamarquesa de metade da sua idade. Divorcia-se dela também. Passa a sua velhice sozinho, dividindo-se entre um asilo de idoso, a companhia da filha, o desprezo dos filhos e uma casa na praia, onde pinta e dá vazão a seu amor pelo mar. Mas ao contrário de outros personagens de Roth, há na vida dessa figura alguns elementos de tranqüilidade que não apareciam nos outros. Sua relação com os pais e o irmão é fácil. Sua carreira na publicidade não teve percalços. Apesar de suas escapadelas conjugais, ele é relativamente comportado se comparado a um Alexander Portnoy, um Nathan Zuckerman (chamado de obsceno pela própria família) ou um Mickey Sabbath. Considera-se "convencional e desprovido de espírito de aventura".

O grande fantasma do personagem é a morte, que ele vislumbra de tempos em tempos desde a infância. A verdade é que a sua saúde não é mais problemática do que o normal. Até a meia idade sofre algumas internações bem esparsas. E ao chegar à velhice, aí sim, começa a ter problemas com mais freqüência - o que não é algo tão fora do comum. Incomum é a sua relação com a morte. Ele e a vê até no céu e no mar, em passeios pela praia em plena juventude: "A abundância de estrelas lhe dizia de modo inequívoco que ele estava fadado a morrer". Ele não encontra, como alguns, consolo na fé e na religião. Pelo contrário, "a única coisa que havia era o corpo, nascido para viver e morrer conforme o que fora estabelecido pelos corpos que viveram e morreram antes". Vivia apenas para desejar que o inevitável fim viesse "um minuto antes que o estritamente necessário".

É aqui que Homem Comum se aproxima do poema de Yeats. Para Roth, a morte é muito mais do que uma questão de decadência física. É um estado de espírito, quase metafísico, que independe de idade, condição de saúde, como se transcendesse esses e outros fatores. Através do temor que sente pela única certeza que possuímos desde que nasce, o homem cria a morte. Não o fato de o corpo fenecer e virar pó, mas a realidade de que não mais existiremos onde antes ocupávamos espaço. "Para quem provou a vida, a morte não parece nem sequer natural", reflete o personagem. Mais do que morrerem, as pessoas a seu redor estão acabando, e essa é a idéia que o aterroriza mais. Ele vê e inveja o irmão cheio de vigor e saúde, praticando esportes e viajando de férias como se ainda tivesse vinte anos. O que não consegue perceber é que o que mantém o irmão rejuvenescido é seu espírito jovem, pois, em um momento de fraqueza, como qualquer velho, o irmão pode ceder e decair. Em uma das cenas mais emblemáticas da novela, o homem comum pede a um coveiro que explique o seu trabalho com minúcia. O cuidado com que o trabalhador executa seu serviço o comove, por acreditar que do outro lado ele pode, enfim, ser objeto de carinho de alguém. Como se não acabasse de todo. "Fugir da morte se tornara a ocupação principal de sua vida, e toda a sua história se resumia ao processo de decadência do corpo". Não vemos, entretanto, uma redenção como a que Tolstoi oferece a Ivan Ilitch. A morte era exatamente o que o que ele sempre temeu: inexorável, sem atenuantes ou heroísmos tolos.

Homem Comum é mais um exemplo do rumo absurdo que a carreira de Philip Roth tomou desde o início da década de 90. De 1991 para cá, ele não lançou nada menos que sensacional - entre algumas obras-primas (Patrimônio, Operação Shylock, O Teatro de Sabbath, Pastoral Americana, A marca humana) e livros no mínimo essenciais (Casei com um comunista, O animal agonizante, Complô contra a América). Não à toa, foi um período em que o autor passou por diversos problemas pessoais: a traumática separação da atriz Claire Bloom, a grave depressão que gerou O Teatro de Sabbath, as terríveis dores nas costas, o já comentado medo de morrer. Assim como os grandes artistas, de Beethoven a Rembrandt, o quanto mais se afronta com o homem que foi e com o homem que não mais será em pouco tempo, mais aterradora se torna a sua arte. Que Roth continue assombrado pelos fantasmas e demônios da velhice e da sua mortalidade. Pelo nosso bem.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente no Último Segundo.

Para ir além






Jonas Lopes
São Paulo, 30/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador de Heloisa Pait
02. 'Hysteria' Revisitada de Duanne Ribeiro
03. Nós o Povo de Marilia Mota Silva
04. Duas distopias à brasileira de Carla Ceres
05. Qual é a alma da cidade? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2007
01. O melhor do jazz em 2007 - 25/12/2007
02. Auster no scriptorium - 26/3/2007
03. Uma (selvagem?) celebração literária - 23/1/2007
04. A morte do homem comum - 30/10/2007
05. Banville e o mar purificador da memória - 6/6/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/10/2007
20h51min
Jonas, o texto da Nadine Gordimer sobre o Everyman cita o mesmo poema de Yeats que o seu. Rolou uma influência?
[Leia outros Comentários de José]
2/11/2007
01h37min
Olá, José. "Morte" é um dos meus poemas favoritos. Eu havia lido o texto da Gordimer apenas na tradução da EntreLivros, que cortou o trechinho em que ela cita o Yeats. Mas mesmo assim, nós dois abordamos coisas bem diferentes nos textos. Ela fala sobre sobre a relação entre sexo e velhice, e eu sobre como o homem cria a idéia da morte e se afoga nela. E o Yeats ocupa uma posição até ínfima na crítica da Nadine, enquanto na minha a tese do texto está centrada nele. O texto dela, aliás, está muito bom. Abraços!
[Leia outros Comentários de Jonas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DIREITO PASSADO A LIMPO
SÉRGIO SANTOS RODRIGUES
PERGAMUM
(2012)
R$ 6,90



VALE A PENA RIR DE NOVO
CLÉSIO R. TARDELLI
SULMINAS
(1999)
R$ 10,00



MANET - UM NOVO REALISMO - GRANDES ARTISTAS
DAVID SPENCE
MELHORAMENTOS
(1998)
R$ 7,00



CHINA
FERNANDO PORTELA ARMEN MAMIGONIAM
ATICA
(1988)
R$ 5,00



MEDEIAS LATINAS
MÁRCIO MEIRELLES GOUVÊA, OSÉIAS SILAS FERRAZ
AUTÊNTICA
(2014)
R$ 40,00



A CASA VERDE
MARIO VARGAS LLOSA
NOVA FRONTEIRA
(1971)
R$ 5,00



BRASIL HOLANDÊS: 1624-1654
REVISTA TEMAS BRASILEIROS - EDIÇÃO ESPECIAL
DUETTO
R$ 22,82



PROJETO PENSE RÁPIDO
ROS JAY
MANOLE
(2003)
R$ 12,00



O HERÓI, O MITO E A EPOPÉIA - 3172
LUÍS TOLEDO MACHADO
ALBA
(1962)
R$ 10,00



SER CRIANÇA A ESPERANÇA DE UM NOVO MILÊNIO
ELIANE CARONE
OBRA PRIMA
(2004)
R$ 12,00





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês